sexta-feira, julho 07, 2006

Cartas Marcadas



Rodrigo Constantino

O presidente Lula, interessado somente na sua reeleição, devolveu ao PMDB o comando integral dos Correios. A estatal, que emprega mais de cem mil funcionários, esteve no epicentro do escândalo de corrupção que assolou o governo Lula recentemente. Em troca, o partido de Sarney garante apoio maciço à reeleição de Lula, que no passado considerava o mesmo Sarney o próprio demônio em pessoa. Em política, como vemos, vale tudo pelo poder.

Governo não tem que ser empresário. No modelo de mercado livre, sobrevivem as empresas que melhor atendem a demanda dos consumidores, e essa é a verdadeira função das empresas. Estatais acabam sendo utilizadas como moeda política, palco de infindável corrupção e uso eleitoreiro. Pela própria natureza da estatal, ela será sempre mais ineficiente que a empresa privada. Quem duvida, precisa apenas dar uma olhada nas mudanças de gestão da Usiminas, Vale, CSN, Embraer e Telebrás, além das ferrovias, claro. As mudanças são chocantes. Os consumidores recebem melhores produtos, os empregados aderem ao modelo mais justo e meritocrático da gestão focada no lucro, os acionistas assumem os riscos do negócio e recebem os dividendos por isto, e os cofres públicos ainda aumentam com a maior arrecadação de impostos. Só quem perde com a privatização de uma estatal são os parasitas que vivem de mamatas e privilégios concedidos pelo governo, às custas dos consumidores e pagadores de impostos.

Nos Estados Unidos, país cujo PIB ultrapassa US$ 13 trilhões por ano, existem empresas privadas competindo no setor de serviço de entrega, todas buscando a maximização dos lucros. Por isso funciona tão bem. A Fedex tem um lucro anual acima de US$ 1,5 bilhão, e seu valor de mercado está em US$ 35 bilhões. A empresa emprega menos de 90 mil pessoas. O lucro dos Correios, em contrapartida, não chega a US$ 200 milhões. A UPS lucra quase US$ 4 bilhões por ano, valendo cerca de US$ 90 bilhões em bolsa. A Expeditors lucra mais de US$ 200 milhões e vale quase US$ 12 bilhões. A empresa emprega cerca de 10 mil funcionários, ou uns 10% do quadro de colaboradores dos Correios, gerando, entretanto, um lucro maior. Fora estas, existem várias outras empresas privadas competindo no livre mercado de transporte de cargas genéricas. Alguém realmente acha que o serviço de entregas é melhor no Brasil que nos Estados Unidos?

Os consumidores americanos agradecem esta competição existente entre empresas privadas. Os pagadores de impostos também. Não ficam, como nós brasileiros, à mercê de um monopólio estatal ineficiente e corrupto, usado para fins políticos e cabide de empregos. Entendo que existem bons funcionários nos Correios, mas estes não têm nada a temer em uma eventual privatização. Pelo contrário: serão mais reconhecidos e melhor remunerados. A privatização dos Correios tem que ser para ontem! Não há argumentos lógicos para defender o contrário. Manter a situação atual é garantir que as cartas entregues pelos Correios sejam cartas marcadas com um selo político, onde Lula agrada seu colega Sarney enquanto o povo brasileiro paga a conta.

6 comentários:

Blogildo disse...

Infelizmente, dia desses eu estava vendo uma entrevista do (acho que) Jarbas Passarinho. Ele dialogava com o jornalista Carlos Chagas (socialista até a raiz). Eles diziam que estava surgindo uma "cultura" no país que sugeria que tudo o que é público é ruim.
Os dois concordavam que esse pensamento era ruim para a nação. Sugeriam que os liberais flertam com a anarquia etc, etc...
Fiquei pensando em como a mentalidade dos homens públicos aqui no país é atrasada.

Brilhante defesa das privatizações. Que na minha modesta opinião deveriam ocorrer o quanto antes.

Abraço!
Onildo

C. Mouro disse...

J. Passarinho? ...cuisp!!!!

Anônimo disse...

Sou carteiro da melhor empresa do Brasil.Criou-se nos últimos anos a mentalidade que a venda de patrimônios públicos é o caminho para o progresso e "desenvolvimento" do país.Realmente um absurdo.Os Correios só dá lucro para a sociedade,oferecendo excelentes serviços para a população,só um cego não vê isso.O governo FHC foi a era das trevas do funcinalismo público,não dos grandes funcionários(como do judiciário)mas dos pequenos como eu que ganham um ou dois salários mínimos por mês.O povo brasileiro não perde nada com a manutenção do monopólio postal dos correios,que aliás é justo,pois a concorrência no setor de encomendas e impressos é desigual.Somos uma empresa séria e lucrativa para o país,por isso que temos essa confiança diante do povo,que vê em nós carteiros pessoas honestas e trabalhadoras.Não sei para quem o senhor trabalha,mas a privatização de serviços públicos só trouxe malefícios para o país como por exemplo a privatização da telefonia com seus abusos de preços!!!Não é a toa que é o número um em reclamações no Procon.O Brasil só perde com isso, enquanto os empresários só obtém lucros e formam cartéis às custas de serviços que são deveres do Estado.

Anônimo disse...

O individuo do comentário acima está equivocado. Sou usuário há muito tempo dos fetidos serviços prestados por essa incompetente empresa. Em 25 anos como usuário contínuo desta porcaria já perdi as contas de quantas vezes fui roubado . Apenas em 1998 Os correios roubaram 9 pacotes do exterior endereçados a mim.Só este ano foram dois. O Brasil está na lista negra dos correios mundiais,e não é difícil ver isso. Dê uma olhada no Google e cheque a reputação deste fetido e vergonhoso serviço no Brasil .PRIVATIZAÇÂO JÁ!!!
-Estado=+ eficiência=-Corrupção!!!

Anônimo disse...

privatizacao já...!!!!
Fui roubado, trocaram minha mercadoria , por porcarias de saia veias.....so no brasil para isso acontecer....chegar de tudo q existe nesse pais tenha corupcao...e peço arrego......

LEU LEUTRAIX disse...

privatize já até a petrobrás com um litro de gasolina na extratosfera só assim acabam os cabides de empregos do pt e de lula