segunda-feira, janeiro 15, 2007

Os Inimputáveis



Rodrigo Constantino

"Com a nossa capacidade de fazer maluquices em nome de boas intenções, criamos uma legislação de menores que é um tremendo estímulo à perversão e ao crime, ao fazê-los inimputáveis até os 18 anos." (Roberto Campos)

Vamos imaginar um pai que não estabeleça critérios objetivos e impessoais de castigo aos seus filhos. Cada ato irresponsável de desobediência às regras será analisado com extrema complacência, buscando sempre colocar a culpa em fatores exógenos, não no indivíduo responsável. Até o fogo que o moleque colocou de forma premeditada na cortina é culpa da maldita cortina, que estava no lugar errado! Imaginemos que o grau dos delitos vá aumentando, até o insuportável e intolerável, colocando em risco toda a família. Será que esse pai deveria ficar indiferente frente aos fatos, acreditando que o pequeno monstro não tem culpa de verdade, é apenas uma pobre vítima, e portanto não merece uma punição mais severa? Será que ele deveria somente aplicar castigos suaves, na esperança de que o tempo se encarregue de consertar o assombroso ser? Creio que seria absurdo e indesejável uma postura complacente dessas. E isso no caso de pai e filho, com todo o amor paterno envolvido. Agora vamos supor que se trata do Estado e dos menores infratores. Parece inadmissível uma conduta tão leniente com os jovens criminosos.

Pois é justamente o que faz o nosso Estatuto da Criança e do Adolescente, o ECA. Ao estar tomado de romantismo e utopia, recheado com boas intenções desprovidas de lógica, o ECA mais parece um convite ao crime, estimulando os jovens à perversão. A proteção das supostas crianças ultrapassa qualquer limite de benevolência, estimulando novos atos de infração cada vez mais graves. Ao tornar verdadeiros marmanjos inumputáveis até os seus 18 anos, limitando a pena a três anos de reclusão, o ECA criou verdadeiro incentivo ao uso desses jovens pelos criminosos. Um galalau capaz de matar sem nenhum remorso um inocente por um simples par de tênis, estará livre aos 21 anos, pronto para cometer novos assassinatos. Para superproteger os "coitados" que já são capazes dos atos mais bárbaros existentes, esquece-se totalmente das vítimas inocentes. É impressionante como os defensores dos "direitos humanos" focam apenas em um lado, que não é nunca o das vítimas inocentes.

As regras, numa sociedade civilizada, devem ser claras, de conhecimento geral, impessoais e objetivas. O império da lei não permite privilégios, distinção de classe, cor, raça ou religião. Não deve fazer concessões por idade também. Como disse Roberto Campos, “temos de ter normas objetivas e claras, e cumpri-las para valer, feito as regras do trânsito; não se indaga qual a idade ou o grau de culpa de quem furou o sinal vermelho, mas apenas o fato". A impunidade é provavelmente a maior causa da violência e criminalidade, e o ECA apenas legalizou a impunidade dos jovens. Tratar como uma pobre criança indefesa, vítima da "sociedade", um rapaz que cometeu latrocínio, estupro, seqüestro ou assassinato, é pedir para que o caos domine a nação. Quando o Estado não garante uma punição impessoal condizente com o crime e o sofrimento da vítima, a sociedade é tomada por sentimento de vingança particular. A institucionalização da punição severa ao criminoso visa justamente a evitar os justiceiros privados, típicos das anarquias. É uma afronta, portanto, que nossas leis sejam tão obsequiosas com os criminosos, tratando-os como cordeiros, e não como os lobos que são. Tal desrespeito aos corretos cidadãos apenas alimenta a descrença nas autoridades, e ajuda na proliferação da escória humana.

Ficamos limitados aos argumentos teóricos, mas a conseqüência prática de tais absurdos está visível em cada esquina desse país. A criminalidade tomou conta da nação, e ao invés do Estado partir para uma luta mais dura contra a impunidade, vai na mão contrária, desarmando inocentes e pregando a redução da pena para crimes hediondos. Muitos já pedem o fim do “caveirão”, o blindado da polícia que sobe as favelas sob chuva de balas. Além disso, o atual governo rejeitou a possibilidade de redução da maioridade penal, mantendo o tratamento de assassinos de 18 anos como crianças. Curioso é que para votar, um "homem" de 16 anos é considerado maduro, mas se este mata um inocente, não passa de uma pobre criança que necessita de proteção especial do Estado. É mais fácil vender sonhos românticos para jovens, que costumam sucumbir mais facilmente aos movimentos irracionais de massas.

Tamanho despautério deveria revoltar a sociedade. Infelizmente, o contágio da psicologia das massas não é monopólio dos jovens, e com a ajuda de inteligente propaganda esquerdista, boa parte dos invidíduos acaba concordando com medidas tão irracionais e estúpidas, como algumas contidas no ECA.

189 comentários:

Rodrigo disse...

Constantino, vai visitar uma FEBEM antes de falar besteira, vai. Antes disso, leia o ECA e coloque aqui o artigo onde diz que um menor é inimputável.
Qual seu problema com os menores? Ao invés de criar um sistema educacional descente, você prefere achar que o que falta é lei?
Você é o exemplo acabado do fenômeno "liberalismo brasileiro", que ao invés de direcionar a atividade do estado de onde ela naturalmente deveria prestar para atender seus próprios interesses.
Você não é liberal, voce é apenas mais um parasita do estado, que acha que ele existe apenas para suprir unicamente você e mais ninguém.

Rodrigo disse...

Rodrigo disse...
Constantino, vai visitar uma FEBEM antes de falar besteira, vai. Antes disso, leia o ECA e coloque aqui o artigo onde diz que um menor é inimputável.
Qual seu problema com os menores? Ao invés de criar um sistema educacional descente, você prefere achar que o que falta é lei?
Você é o exemplo acabado do fenômeno "liberalismo brasileiro", que ao invés de direcionar a atividade do estado de onde ela naturalmente deveria prestar, o direciona para atender seus próprios interesses.
Você não é liberal, voce é apenas mais um parasita do estado, que acha que ele existe apenas para suprir unicamente você e mais ninguém.

Nazaré Braga disse...

Prezado Rodrigo,

Essa é a nossa realidade. Nua e crua. Um estado gigante, que põe as leis a seu modo e p/ se dar bem nas urnas, baixa a idade, e na hora de julgar o bandido passa a mão na cabeça da "criança".

Lamentável.

Um abraço,

Nazaré Braga

Mario Sérgio disse...

Caro Rodrigo Constantino,

Bom seu texto. Não pela exploração desta deprimente questão que envolve nas devidas proporções, praticamente todas as classes sociais. Quando o Menor Infrator é da classe pobre, vem o discurso de que tal grupo social é vitima desta politica que não investe em educação. O que é verdade. Quando tal jovem vem de classe rica, p. ex. os rapazes que incendiaram o Pataxó, encontra-se então o psicologismo para rapidamente se explicar aquela conduta criminosa.
O que quase ninguem fala, é que a delinquência é o próprio risco em potencial que é carregado por uma criança/adolescente sem nenhuma IMPOSIÇÃO DE LIMITES por parte de seus responsáveis. Neste caso, não há ECA e nem FEBEM que resolva.

Ricardo Froes disse...

A bem da verdade as leis que determinam a imputabilidade do cidadão baseadas meramente em critérios cronológicos são profundamente inconseqüentes, a começar pelo disparate primário da maioridade eleitoral ser aos 16 anos enquanto a criminal é aos 18. E é sobre esse absurdo que quero deixar uma questão a quem tenha algum conhecimento em direito. Segundo o Capítulo II do Código Eleitoral, entre outros, são Crimes Eleitorais e suas respectivas penas:

Art. 289. Inscrever-se, fraudulentamente, eleitor.
Pena – reclusão até 5 anos e pagamento de 5 a 15 dias-multa.
Art. 290. Induzir alguém a se inscrever eleitor com infração de qualquer dispositivo deste Código:
Pena – reclusão até 2 anos e pagamento de 15 a 30 dias-multa.
Art. 296. Promover desordem que prejudique os trabalhos eleitorais:
Pena – detenção até dois meses e pagamento de 60 a 90 dias-multa.
Art. 297. Impedir ou embaraçar o exercício do sufrágio:
Pena – detenção até seis meses e pagamento de 60 a 100 dias-multa.
Art. 299. Dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita:
Pena – reclusão até quatro anos e pagamento de 5 a 15 dias-multa.
Art. 301. Usar de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar, ou não votar, em determinado candidato ou partido, ainda que os fins visados não sejam conseguidos:
Pena – reclusão até quatro anos e pagamento de 5 a 15 dias-multa.
Art. 302. Promover, no dia da eleição, com o fim de impedir, embaraçar ou fraudar o exercício do voto, a concentração de eleitores sob qualquer forma, inclusive o fornecimento gratuito de alimento e transporte coletivo:
Pena – reclusão de quatro a seis anos e pagamento de 200 a 300 dias-multa.
Art. 301. Usar de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar, ou não votar, em determinado candidato ou partido, ainda que os fins visados não sejam conseguidos:
Pena – reclusão até quatro anos e pagamento de 5 a 15 dias-multa.
Art. 302. Promover, no dia da eleição, com o fim de impedir, embaraçar ou fraudar o exercício do voto, a concentração de eleitores sob qualquer forma, inclusive o fornecimento gratuito de alimento e transporte coletivo:
Pena – reclusão de quatro a seis anos e pagamento de 200 a 300 dias-multa.
Art. 312. Violar ou tentar violar o sigilo do voto:
Pena – detenção até dois anos.
Etc., etc....

Se um jovem de 16 anos está "maiorizado" e habilitado a votar, por que ele não pode ser responsável por eventuais crimes eleitorais que possa cometer?

Fabio Hansen disse...

Meu caro,

Na sua apresentação faltou um adjetivo, além daqueles descritos. Acho que ficará mais honesto se você corrigir para: Idéias de um pensador Independente e Libertário e REACIONÁRIO.

Rodrigo disse...

Continuo esperando alguem aqui me mostrar onde é que diz que um menor de 18 anos é inimputável. Também desafio qualquer um a me convencer que uma FEBEM não é uma cadeia.

Rodrigo disse...

Alguem aqui já viu como é uma FEBEM?

Rodrigo disse...

Já ouviram falar de casos de espancamentos, torturas e estupro na FEBEM?

C. Mouro disse...

São os valores morais estabelecidos pela ideologia quinta coluna que favorecem tais absurdos.
Assim, o indivíduo "de valor" ou socialmente louvavel é o indivíduo "bonzinho", aquele que perdoa, aquele que dá a outra face, aquele que não julga, tolerando e aceitando toda sorte de canalhices mesmo praticadas por facínoras. Diante disso todo indivíduo inseguro tende a se exibir segundo o modelo "de valor" estabelecido ideológicamente. Os oportunistas e espertalhões também tendem a faze-lo, pois que passar às pretendidas vítimas a imagem por elas tida como ideal facilita a consecução de seus intentos.
Os estóicos preconizavam uma moral absolutamente rígida, que atribuia responsabilidade aos individuos por seus atos. Essa moral foi paulatinamente minada ao longo de muitos séculos; era tão de acordo com a razão que não podia ser combatida abertamente. Assim, a demagogia, o populismo sentimentalóide foi sse infiltrando e minando lentamente.
É lógico que o Poder não necessita de uma população decente, responsável e respeitadora, pois que tem a força, o Poder para oprimir e coagir. Ou seja, os governos não precisam de populações honestas, mas apenas servis. Afinal, o Poder estabelecido é capaz de fiscalizar (cada vez mais), extorquir, oprimir e coagir a população escravizada. A honestidade é útil apenas aos indivíduos, para que suas relações sejam previsíveis a fim de atingirem objetivos ...já o Estado não precisa tanto disso, é capaz de fiscalizar, vigiar, forçar, destruir, oprimir e coagir; sendo que a lealdade de seus integrantes é comprada com os impostos e com a ideologia que sem dar nada positivamente, estabelece uma moral que desvaloriza os bem sucedidos e valoriza os fracassados, além de permitir a opressão e exploração dos bem sucedidos, oferecendo tais coisas como vingança aos fracassados.
.
Será sempre assim, uma moral idiota, demagógica e populista de pretensa realidade inatingivel, mas que conquista corações recalcados, invejosos e oportunistas. Tal fato ou leva tal sociedade ao caos ou acaba empossando ditadores fascinoras que desprezarão a canalhissima moral por eles pregada para realizarem algo possível um tanto contrário ao que pregaram para assumir o controle dos corações angustiados e a mente (também a simpatia) dos oportunistas.

...sempre acabará num hay que endurecer sem perder a ternura ...hehehe!
É bastabnte simples de perceber, por exemplo aquela ideologia do amor e do perdão, que esculhambava a riqueza e fazia da pobreza e da apologia desta um valor moral, ao elevar seus canalhissimos líderes ao Poder, acabou em perseguições, proibição da propriedade da terra (meio de produção) para restringi-lo a "autoridades" estabelecidas (o feudalismo no inicio não tinha herança, só o "governo" distribuia autorizaçãom para explorar a terra: títulos de nobreza). Ou seja, o feudalismo imposto como sistema, e chegando até a inquisição que estabeleceu o terror centralizado como garantia de aterrorização da população e até dos líderes locais (nos vilarejos e cidades). Pois que tirava dos líderes locais a tranquilidade para ser moderados na aplicação das perseguiçõe e sentenças contra aqueles que ameaçavam a ideologia e sua hierarquia gestora. Ou seja, a ideologia do amor, do perdão e da capitção criou a inquisição para perseguir e punir pelo simples "crime de opinião" ou "crime de consciencia"; e punições das mais crueis, mesmo contra inocentes que jaqmais fizeram qualquer mal a quem quer que seja, pois bastava por em dúvida a ideologia para ser levado a suplicios e morte horrenda.
NÃO DIFERENTE, O TAL DE SOCIALISMO, A IDEOLOGIA TAMBÉM DA BONDADE E SOLIDARIEDADE, RESULTOU NAQUILO QUE SABEMOS SOBRE PERSEGUIÇÃO E TORTURA NOS TAIS PAISES SOCIALISTAS.
...AQUELE ...HÁ QUE ENDURECER SEM PERDER A TERNURA.
.
Sempre os donos do Poder atuarão de forma a algo do tipo: OU DOMINAM COMPLETAMENTE ou DESTRÓEM A PAZ DOS INSUBORDINADOS ...é estratégia antiga, milenar. Logo, a defesa da bandidagem é adequada aos interesses daqueles que criam ideologias para corromper e dominar. ...é tecnica milenar.
.
Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

argumentos? onde?

Rodrigo Constantino disse...

Art. 104. São penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às medidas previstas nesta Lei.

Art. 121. A internação constitui medida privativa da liberdade, sujeita aos princípios de brevidade, excepcionalidade e respeito à condição peculiar de pessoa em desenvolvimento.

§ 3º Em nenhuma hipótese o período máximo de internação excederá a três anos.

§ 5º A liberação será compulsória aos vinte e um anos de idade.

Em resumo: um marmanjo de quase 18 anos MATA um inocente, ele vai preso por no máximo 3 anos, e depois goza de liberdade como se nada tivesse acontecido. E tem gente que acha normal...

Anônimo disse...

car insurance estimate
california car insurance
car insurance in new jersey
state farm car insurance
best car insurance company
aaa car insurance
cheapest car insurance
cheap car insurance quote
aa car insurance
low car insurance
car insurance policy
car insurance uk
direct line car insurance
car insurance coverage
best car insurance rate
antique car insurance
car
insurance philadelphia

direct car insurance
auto cheap insurance
diamond car insurance
aaa car insurance
low car insurance
car insurance coverage
tesco car insurance
car insurance n
online car insurance
discount car insurance
teen car insurance
car insurance rats
car insurance quote uk

http://cheap-car-insurance.quickfreehost.com

Random Keyword: :)
car insurance ny

Ricardo Froes disse...

E o que é que tem a FEBEM a ver com as calças?

Aliás, a você, rodrigo, que não é o Constantino, que prega um sistema educacional "descente", eu gostaria de esclarecer que nós já temos um que desce de nível a olhos vistos, a cada pronunciamento de Lula, a cada medida desse governo chinfrim e a cada comentário de analfabetos funcionais que se arvoram de arautos da esquerda esclerosada.

Decência, como mandam o figurino e a ortografia, implica em atitudes de modéstia, honradez e honestidade, que não é o caso de quem defende modismos politicamente corretos como você.

Ricardo Froes disse...

E o que é que tem a FEBEM a ver com as calças?

Aliás, a você, rodrigo, que não é o Constantino, que prega um sistema educacional "descente", eu gostaria de esclarecer que nós já temos um que desce de nível a olhos vistos, a cada pronunciamento de Lula, a cada medida desse governo chinfrim e a cada comentário de analfabetos funcionais que se arvoram de arautos da esquerda esclerosada.

Decência, como mandam o figurino e a ortografia, implica em atitudes de modéstia, honradez e honestidade, que não é o caso de quem defende modismos politicamente corretos como você.

Jabuticabo disse...

Novamente, a inimputabilidade do menor como a saúva da vez.

De fato, já existem prisões e penalidades para menores no Brasil. Que eles não parem em uma penitenciáriia comum aos 13, 14 ou 16 anos mas na Febem é apenas um leve atenuante.

Do que eu entendo do ECA, ele trata de medidas e garantias para que uma criança possa desenvolver-se de forma plena na sociedade, dentre elas a tipificação do crime de aliciamento de menores para cometer crimes.

Se isto ainda é uma utopia, é vergonhoso para a própria sociedade.

Estas medidas de aumento de severidade contra os efeitos em vez das causas mais atrapalham do que ajudam, vide o caso da lei dos crimes hediondos ou, em uma analogia mais distante, o controle de capitais, que acabam surtindo o efeito inverso da intenção inicial.

C. Mouro disse...

Por exemplo os bem nascidos que incendiaram um indio,podemos dizer que eram "excluídos"?
podemos dizer que não tinham estudos?
eram materialmente carentes?

Mas e o caso dos universitários bem nascidos que formaram uma quadrilha de ladrões de carros, o que se dirá?
eram carentes?
eram "sem escola"?
eram excluídos?

Há inumeráveis casos de menores e maiores bem nascidos e com "muita escola" que descambam para o crime comum. Além, é claro, de abastados que se dedicam a dar golpes mais elaborados. Até mesmo pós graduados e até da elite de funcionários do Estado, com elevados rendimentos e privilégios de toda sorte ...mas descambam para a corrupção, para extorsão e mesmo se envolvem em crimes comuns.
O que se dirá????????? o problema é nas causas???? o que falta a estes canalhas????????? ...a eles nada falta senão vergonha na cara, que é o mesmo que falta a defensores de bandidos que tudo fazem para preserva-los, já que é neles que se realizam, em nada se importando com as vítimas inocentes.
É o caso do torcedor que odeia quando o juiz prejudica seu time; tem dificuldade de considerar as faltas que seu time comete, sempre vendo como "lances comuns" ou fatalidades do jogo. Porém, tudo que prejudicar seu time será entendido como falta grave, já não perceberão "lances comuns" e sim má fé, "falta para cartão". E quanto ao juiz será um ladrão que prejudicou seu time, e odiará o juiz que aponta uma falta ou penalti inexistente contra seu time, mas se for contra o adversário ...hummmm este torcedor jamais conseguirá odiar o juiz, e mesmo terá dificuldade para reconmhecer o erro do juiz, e inventará muitas desculpas para o juiz que erra em favor de seu time.
.
Não há diferença: que se identifica com o bandido faz do bandido seu representante, e se valerá de tudo para defender a bandidagem, desde apelos sentimentalóides até justificativas falaciosas, mentirosas e safadas. pois seu "time" do coração são os bandidos, é neles que se realiza, que se faz representado. ...e só não se torna bandido por medo do castigo e até da desmoralização, daí que atua não só em favor do abrandamento dos castigos como também no apoio moral a bandidagem encontrando desculpas para aliviar-lhes e aliviar-se a consciencia.
.
Abraços
C. Mouro

Ricardo Froes disse...

Enquanto a lógica der lugar à hipocrisia e a razão à demagogia, nunca se vai chegar a nenhuma coclusão a respeito deste ou de qualquer outro assunto. O fato do ECA ser uma utopia não é uma vergonha para a sociedade e sim para quem o elaborou imaginando que o mundo é um shangilá, onde tudo é lindo. Gozar de tantos privilégios acabam fazendo que gozem da nossa cara. A verdade é que estamos em uma situação onde cadeia, detenção, xilindró, cana, FEBEM ou qualquer outro artifício que tire de circulação potenciais ameaças são extremamente necessários, a despeito de serem ou não instrumentos de recuperação. É fundamental a reclusão sumária de todo e qualquer indivíduo potencialmente perigoso, seja ele "dimenor" ou não, para que os cidadãos que, a duras penas, cumprem com todas as suas obrigações para ter uma vida decente tenham um mínimo de paz. Ou será que os que pensam diferente nunca foram assaltados, ameaçados ou tiveram algum parente ou amigo assassinado?

É cana geral! O resto, a gente discute depois que tudo aqui do lado de fora estiver limpo. E já que o jabuticabo falou da saúva, eu parodio a citação famosa dizendo que ou o Brasil acaba com o menor impune ou o menor impune acaba com o Brasil.

Rodrigo disse...

Ricardo

É simples, se um menor comete um crime, ele perde a liberdade, pelo próprio código mostrado pelo Constantino. Vai pra FEBEM que uma ótima instituição de bem estar do menor. É bom que você tenha tido uma ótima educação "descente", mas ao invés de tentar achar erros de português, por que não encontra argumentos? É uma pena que você ache o que eu penso um modismo hipócrita, A Coréia não acha, os EUA também não, vai ver os sistemas educacionais deles. Lá é assim. Cara, eu não sei em que país você vive, eu te desafio, ache UM país que tenha sistema educacional melhor que o nosso e que seja mais violento. Será que você consegue?
Mas isso é típico do "Liberalismo brasileiro", o estado pra você tem apenas a função de te dar segurança, não é mesmo? Só existe para atender suas necessidades? Belo liberal...Você quer é mamar mais nas tetas do estado, parasita folgado.

Jabuticabo disse...

Exemplos interessantes: "bem nascidos", como diz o comentário acima, não importando a idade, dificilmente vão para a cadeia. Isto sim é uma afrona ao Estado de Direito: os que queimaram o Índio, o filho do político que atropelou e matou um transeunte, os estudantes de medicina que mataram um calouro no trote...

Todos eles descumpriram leis que já existem e estão aí, de repente até indo no mesmo bar que vocês.

E realmente a sociedade que não é capaz de prover o que está no ECA é vergonhosa, sim.

Não parece óbvio que os desincentivos que já existem para que um menor de idade cometa crimes tornam pálidas, inócuas as possíveis sanções legais mais severas que poder-se-iam impor a eles?

Não é óbvio também que, se é possível que alguém genuinamente se arrependa de cometer um crime, este alguém é uma criança?

O Brasil tem índices de morte violentas de menores que rivalizam com os de países em guerra. É realmente difícil supor que se os esteja protegendo excessivamente.

Estes clamores por penas mais severas, pelo recrudescimento da repressão são, normalmente, de fundo eminentemente emocional, e as conseqüencias são normalmente opostas ao que se desejava, reitero, como no caso da lei dos crimes hediondos.

C. Mouro disse...

A sociedade tem que prover ...hehehe! ...parece que os crimes praticados por criminosos são culpa da sociedade que "não proveu algo ao coitado do criminosos" ...êpa! mas se o criminosos é bem nascido, provido de grana e escolaridade, então é afronta ao estado de direito, é culpa da sociedade capitalista, da "lógica do lucro", do fato de rico não ir para a cadeia e coisas do genero ...hehehe! ...fica difícil assim, porra! afinal, a bandidagem é consequência da impunidade ou das carências do coitadinho do facinora?

...eu sei! eu sei! que os bandidos são gente muito boa e os ricos é que são maus, como nos ensina a ideologia quinta coluna. Essa moral ideológica que nos manda não julgar, que nos manda perdoar os bandidos, que nos manda não reclamar se formos roubados, que nos manda dar a outra face a quem nos agride e que ao mesmo tempo nos dá um exemplo onde comerciantes são escorraçados e xingados pelo modelo de bondade a ser seguido: o modelo valorizador do indivíduo dentre adeptos ideológicos. Eu sei que a ideologia que estabeleceu a moral da bondade é aquela que afirma que os ricos não vão para o ceu, que não devempos acumular tesouros na terra e que diz que mais fáciul um camelo passar pelo buraco de uma agulha que um rico entrar no reino dos ceus. Embora a um bandido seja prometido que ele logo que morrer estará no seu com o modelo de valor ideológico. Ou seja, essa ideologia safada, criada para dominar a população, faze-la moralmente servil ao aparato estatal (governos), estabeleceu uma moral onde a bondade é o maior valor (ideologicamente consensual) do indivíduo, quanto mais bundão, subserviente, covarde e psicologicamente dependente mais será valorizado no ambiente ideológico. Assim, honestidade não tem qualquer valor para essa ideologia quinta coluna, da capitulação. Logo, os perfidos e os inseguros se ostentarão segundo os valores ideológicos - O POLITICAMENTE CORRETO ou IDEOLÓGICAMNTE CORRETO.
...Dificil mesmo é distinguir os inseguros, imbecis, dos recalcados e safados oportunistas que tanto se ostentam segundo o modelo de valor ideológico. E fazem isso sem apresentar um unico argumento além da repetição insistente.
.
Enquanto esses valores ideológicos persistirem, enquanto a exibição de bondade for mais valorizadora do que a pratica da honestidade o socialismo safado terá um futuro promissor, o Poder estará garantido a súcias reinantes.

"Faz mais o bem um honesto malvado do que um bonzinho safado"
.
Abraços
C. Mouro

Rodrigo Constantino disse...

O Rodrigo citou os EUA como exemplo?! Trata-se do mesmo país, por acaso, que tem prisão perpétua e que trancafia pela vida toda, se preciso for, até mesmo crianças, dependendo do crime?!

Xará, falta é PUNIÇÃO no Brasil, mais severa, mais dura, mais eficaz.

C. Mouro, suas colocações são insofismáveis e irrefutáveis, pela impecável lógica delas, e por isso mesmo eles irão continuar ignorando-as. Ricos criminosos são delinquentes, enquanto pobres criminosos são coitados vítimas da "sociedade". Sad, but true. Eles "pensam" assim mesmo...

Ricardo Froes disse...

Rodrigo

Para começar, eu não preciso de argumentos contra você. Você mesmo já os fornece de sobra, além de esbanjar uma agressividade despropositada e de não conseguir interpretar o que lê, o que caracteriza o analfabeto funcional. Na certa deve ser egresso da FEBEM, órgão mencionado exclusivamente por você, que não vale como argumentação contra o texto de Constantino, que fala exclusivamente da dificuldade que temos em sobreviver em meio a tanta impunidade.

Sem querer ser repetitivo, insisto que a função primordial da cadeia é de afastar da sociedade os indivíduos que a ameaçam. Depois vem a punição, a justiça: errou, tem que pagar pelo que fez. E apenas em um terceiro lugar, a preocupação com os recuperáveis. Invertendo essa ordem, como você dá a entender que seja desejável, não funciona nem na Coréia nem nos Estados Unidos ou em qualquer outro lugar, até porque, mesmo os países citados como exemplos de sucesso por você também obedecem a essa mesma ordem de coisas.

Ninguém é tão hipócrita a ponto de negar que a educação tenha um papel importante e ligado diretamente à criminalidade e ninguém pode negar que a educação no Brasil é um descalabro, a começar pela sua, que em vez de ser decente é "descente". Acontece que qualquer coisa de sério que se comece agora nessa área só vai dar frutos daqui a algumas gerações e nós precisamos de soluções imediatas para conter a criminalidade. Portanto, enquanto não chegamos ao seu admirável mundo novo, a solução é a velha cana, tolerância zero.

Quanto a sermos qualificados de parasitas do estado, parasitas folgados, nós, os que não rezamos pela sua cartilha, eu, pelo menos, não entendi bem a lógica que o leva a pensar assim, bem como concluir que achamos que o Estado só serve para nos dar segurança. Enfim, como eu disse no início, deve ser em função dessa sua dificuldade de leitura.

C. Mouro disse...

Bem, o negócio é o seguinte, um antigo embusteiro também chamado de filósofo brilhante, a fim de tentar dar sentido ao seu catecismo imbecilizante, como de costume lançou uma idiotice maior para compensar a menor. Assim, por esse metodo, também concebeu a idéia de que a lógica depende da classe do indivíduo. Ou seja, cada classe tem uma lógica diferente, ou a realidade é diferente para cada classe.
.
Portanto, caso o individuo seja de outra classe a lógica dele será outra, configurando-se assim o caso onde a lógica não tem lógica alguma. ...hehehe! ...logo não devemos nos surpreender com a falta de lógica dos ideológicos, que não têm lógica em sua lógica. É um surrealismo lógico ...hehehe!
.
A escolaridade nada tem com o caráter do indivíduo. Fosse assim e os analfabetos seriam canalhas. No entanto há muitos analfabetos que são absolutamente dignos. E podemos perceber facilmente esse erro, feito verdade pela simples repetição e glamurização, analisando décadas passadas. Certamente em 1910 existiam canalhas (disse-o Capistrano), mas eram uma minoria. A população era ordeira, respeitadora, até os bandidos se envergonhavam quando flagrados. E certamente o nível escolar da época era muitissimo inferior ao atual. Se decencia dependesse de escolaridade, no inicio do século a bandidagem seria muito maior do que é atualmente; e isso não é verdade. Também a pobreza e as diferenças materiais eram muito maiores: atualmente o pobre tem TV, geladeira, agua encanada, aparelho de som e etc.. Há uns dias vi um senhor dando entrevista num canal qualquer, dizia ele: "eu conheci o Brasil pobre e o Brasi rico. Hoje todo mundo é rico, o pobre hoje calça sapato, compra roupa na loja..." ...é isso. Nos velhos tempos, e nem tão velhos, a diferença era muito maior. O pobre não tinha gelaqeira nem TV e nem nenhum conforto, vivia com o essencial e era honesto, decente, orgulhoso de sua dignidade. Foi a moral quinta coluna que amoleceu o caráter dos indivíduos mais fracos e apoiou moralmente os canalhas.
Conforme fomos ficando mais bonzinhos, mais tolerantes, julganmdo menos, dando a outra face e perdoando, é que a bandidagem cresceu. è a moral vigente que fez a bandidagem ter orgulho de sua covardia, pois que execrar bandidos virou coisa feia, coisa de gente que julga os outros, é politicamente e ideológicamente incorreto chamar os canalhas de canalhas, pois que a beleza está em se entregar, em capitualr, EM AMAR O INIMIGO, em PERDOAR, em dar a outra face e etc.. É a ideologia que leva ao caos para depois "endurecer sem perder a ternura".
.
O problema não é de escolaridade nem de renda, e sim o problema é moral. Há que se retornar a valores estóicos e não esses valores ideológicos, piegas e populistas. Há que se fazer pressão moral contra os canalhas, julga-los moralmente, execra-los e puni-los. Nada desta safadeza de perdão, amor ao inimigo, não julgar e etc., pois tal moralidade tinha proposito polítiqueiro apenas, basta ver no que deu.


Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Educação não tem correlação com violência? Ceeeeerto... Vai comparar o nível educacional dos países do G8, ou dos Tigres asiáticos. Temos uma das policias mais violentas do mundo e um sistema prisional que mais parecem senzalas. Será que está isto resolvendo o problema? A solução que voces querem implementar já existe. Maioridade? Na prática ela não existe. Rigor policial? Precisa dizer a quantidade de "resistencias a prisão" que acontecem todos os dias? Mais cadeias, menos conforto nas cadeias? Acredite, construir escolas e manter os alunos sai mais barato que construir prisões e manter os presos. E aposto voce não vai querer passar nem uma noite no presídio. Que tal limitar o uso de Habeas corpus? Que tal acabar com a prescrição de pena? Ou acabar com leis que permitem medidas protelatórias? Mas ai é complicado, vai começar a ter que mandar banqueiros, fazendeiros, políticos, empreiteiros e industriais pra cadeia? Complicado, né? É mais fácil mamar nas tetas do Estado, obrigando-o a tomar medidas inuteis do que fazer algo que realmete resolva o problema

C. Mouro disse...

Porra! ...pirou geral ...hehehe!
Já não diz coisa com coisa.
As ideologias idiotizam a tal ponto que se não fosse tão divertido seria trágico.

Abs
C. Mouro

Ricardo Froes disse...

Esqueci que tem gente que além da educação também precisa de tratamento psiquiátrico. Mas quem manda os decoradores de cartilha se meterem a pensar? Dá nisso, as sinapses acabam entrando em curto...

Anônimo disse...

Rodrigo,
eu moro praticamente do lado de uma FEBEM em Brasília e o que vejo são "crianças" saindo dessa instituição quando quer e o pior, assaltando cidadãos!!! Acho que é você que não conhece uma FEBEM. Tenho também a experiência de 3 jovens que fugiram de lá, ter matado meu amigo e ter atirado no meu primo, e o que eles queriam??? NADA... só estavam drogados.
Abraço, Junior

Jabuticabo disse...

Bem, deixe eu colocar em bullets, para ver se vocês entendem melhor.

- dada a situação em que vivem muitas das crianças no Brasil, especialmente as que cometem crimes, a perspectiva de sanções penais se empalidece, é um desincentivo inócuo. A expectativa média de vida de menores infratores é de menos de 30 anos.

- no Brasil há impunidade para os ricos, independentemente da idade, e esta é a afronta ao Estado de direito.

- a sociedade que não dá garantias mínimas de desenvolvimento para as crianças que nela vivem é uma sociedade doente.

Ao redor do dito liberalismo do Brasil sempre ronda o espectro da recusa da construção de uma sociedade comum, da justificativa de um amontoado de preconceitos que muita gente adquire ainda na tenra juventude. Tentem ver que, às vezes, o que se apresenta como liberalismo é só a nova roupa do rei, um outro jeito de justificar tudo que já estava errado.

Neste e em outros blogs, eu vejo idéias liberais, sim, mas, tão freqüentemente quanto elas, também vejo muita intolerância.

C. Mouro disse...

Vejamos:
o paspalho (Rodrigo dos comentários) desafiou o Rodrigo constantino a exibir onde estaria dito a inimputabilidade dos criminosos "de menor". ....hehehe! O Constantino postou num comentário e... ...e aí???

Num comentario o Rodrigo-paspalho escreveu para o Rodrigo Constantino:
"Constantino, vai visitar uma FEBEM antes de falar besteira, vai. Antes disso, leia o ECA e coloque aqui o artigo onde diz que um menor é inimputável."
Então o Constantino postou:
"Art. 104. São penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às medidas previstas nesta Lei.
Art. 121. A internação constitui medida privativa da liberdade, sujeita aos princípios de brevidade, excepcionalidade e respeito à condição peculiar de pessoa em desenvolvimento."
.
E aí?????????
.
Esses paspalhos são uns bostas!
Uns trolhas que vivem a repetir paspalhices que lhes são enfiadas na cabeça sem serem capazes de analisar coisa alguma. Meros papagaios que repetem asneiras sem o menor juizo das asnices que estão falando. Por isso falam uma coisa aqui, como simulacro de resposta, e outra ali em contrário simulando nova resposta. Ou seja, são papagaios desconexos, com cerebros lavados, doutrinados e imbecilizados pelas ideologias que lhes incutem na mente, e tão saborosas às suas frustrações/recalques, temores e interesses que querem a todo custo crer nelas; e então... se dão a falar asneiras desconexas...
...hehehe! se não fosse tão divertido seria trágico ...hehehe!
...coisas características de ideologias imbecilizantes.
.
Abraços
C. Mouro

Rodrigo Constantino disse...

"- dada a situação em que vivem muitas das crianças no Brasil, especialmente as que cometem crimes, a perspectiva de sanções penais se empalidece, é um desincentivo inócuo. A expectativa média de vida de menores infratores é de menos de 30 anos."

Não entendi porque maior punição seria um desincentivo inócuo. Liberar geral seria melhor então?

"- no Brasil há impunidade para os ricos, independentemente da idade, e esta é a afronta ao Estado de direito."

No Brasil há impunidade. Ponto. Pobres criminosos também se beneficiam desse absurdo. E os amigos do rei então! Qual membro da quadrilha petista está preso?

"- a sociedade que não dá garantias mínimas de desenvolvimento para as crianças que nela vivem é uma sociedade doente."

A "sociedade" tem que dar oportunidades via LIBERDADE, não via Estado. Sociedade doente é aquela onde o Estado toma 40% da renda privada em nome da "justiça social", não tem império da lei e ainda culpa o inexistente liberalismo pelos males causados pelo excesso de Estado!

C. Mouro disse...

e para me confirmar:
"a sociedade que não dá garantias mínimas de desenvolvimento para as crianças que nela vivem é uma sociedade doente"
.
Uma frase de efeito, pieguismo inconsequente.
Mas diante disso o que podemos formular como solução?
-Uma criança precisa de uma família estruturada, de boa alimentação, de educação (no sentido de ética e não de instrução escolar), também é bom que estude recebendo AULAS e não doutrinação na ideologia favorável ao Poder político, ao Estado totalitário. Precisa de roupas, material didatico e etc.
- O que se fará? ...fica a tal sociedade obrigada a financiar a família da pobre criança??? ...afinal a família estruturada é fundamental. ...Se for assim, vamo ter filhos para os que trabalham nos sustentarem e mimarem ...hehehe! ...mas se todos assim pensarem não vai dar, vamos ficar sem escravos, pô! Já imaginou que beleza se uns forem convencidos a trabalharem para dar boa vida a inúteis, só por terem filhos? ...Isso me remete ao "Discurso da servidão voluntária" de Etiene De La Boètie; pois o que muitos desejam é exatamente a servião voluntária, E TODAS AS IDEOLOGIAS VISAM EXATAMENTE ISSO.
.
Mas há a alternativa platônica do Estado "cuidar das crianças", para assim doutrina-las e faze-las servis aos governantes e seus agregados, aos "de ouro" e "de prata".
.
No fim em nome da bondade e da solidariedade o que resulta é uma súcia de parasitas safados explorando aqueles que trabalham e produzem. Pois os INTERMEDIÁRIOS DA BONDADE sempre tomam para si grande parte do que recolhem para "caridade".
...aliás, é curioso que os altruístas que querem impor pela força a expropriação dos que trabalham e produzem, sob a idéia de ajudar os necessitados, ACABEM OBTENDO UM PADRÃO DE CONFORTO MUITO MAIOR DO QUE A MAIORIA DAQUELES QUE SERÃO FORÇADOS A PAGAR PELO BEM DOS NECESSITADOS, e que permanecerão necessitados, para serem o pretexto de enriquecimento dos altruísticos parasitas.
.
COMO PODE SER JUSTIFICÁVEL QUE AQUELES QUE ARRECADAM PARA A CARIDADE, intermediaários que usam a força para expropriar, TENHAM UM PADRÃO, ATÉ O LUXO, MUITO MAIOR DO QUE A MAIORIA DOS QUE SÃO EXPROPRIADOS PARA "fim tão nobre"???? ...tão nobre a ponto de justificar os meios e mesmo a vida nababesca dos INTERMEDIÁRIOS????
Onde está a justificativa de um nababo recebedor de impostos, para cobrar impostos de um "burguês" que tem renda muitissimo inferior a ele??? ...hehehe! ...isso é "justificado" no beneficio aos pobres que serão mantidos pobres.

...Éh, o pobre é mero pretexto para safados explorarem os que trabalham e produzem. Um pretexto "grandioso", segundo uma moral safada, capaz de justificar tal meio.
As ideologias são exatamente isso: fantasias que preconizam um "fim supremo" que justifica todo e qualquer meio invocado em seu nome.
...enquanto ideologias corromperem paspalhos e safados, o socialismo, o Pode político, tem futuro assegurado.
.
Abraços
C. Mouro

Ricardo Froes disse...

Eu esqueci até que tenho uma historinha particular que ilustra bem o absurdo dessa tal de maioridade penal. Meu pai morreu assassinado durante um assalto à fábrica que possuíamos no bairro do Jacaré - Rio - e eu e o gerente de produção fomos as únicas testemunhas depoentes, apesar de, entre os 150 funcionários, pelo menos uns dez terem presenciado a cena, fato que entendi e aceitei, em função da grande maioria morar nas imediações e se sentirem ameaçadas pelos bandidos, caso viessem a depor. Fiz um retrato-falado de um deles - eram três - e identifiquei outro em um arquivo fotográfico na delegacia. A partir daí, passei a ser chamado, umas duas ou três vezes por semana, para identificar os criminosos, até que um belo dia, na delegacia de Bonsucesso, reconheci um deles. O sujeito estava meio amassado de tanta porrada, mas eu o reconheci. Não era o que atirou em meu pai, mas o que havia me rendido, e eu confirmei ao delegado a identificação positiva.

Só como curiosidade, esse processo de reconhecimento era feito de frente pro crime, olho no olho, sem aqueles espelhos sem fundo que se vê nos filmes americanos. A proteção à testemunha era zero. Não sei a quantas anda hoje, mas acredito que tenha mudado muito pouco. Isso foi em 1977.

Para meu espanto, o delegado falou que, infelizmente, ia ter que soltá-lo porque ele era menor. Argumentei que com aquela cara de 30 anos o sujeito não poderia ser menor de jeito nenhum, mas, ao ver uma certidão de nascimento cheirando a tinta, novinha em folha, de um cartório de Caxias, fui obrigado a concordar que, pelo menos "legalmente", o filho da puta era "dimenor". E mais: tive a revelação que ele já era velho conhecido daquela delegacia e que, a cada ano, tirava uma nova certidão atestando sua menoridade. Como eu já estivesse meio íntimo do delegado, devido a tantas peregrinações à delegacia, fiquei meio consolado ao ouvi-lo dizer para que eu ficasse tranqüilo porque os policiais iriam ficar na cola do vagabundo para que ele os levasse aos outros. E mais eu não soube porque, dias depois, o stress deflagrou em mim uma Síndrome do Pânico que me deixou no estaleiro por anos seguidos.

Agora eu pergunto: se essa menoridade pode ser obtida assim, tão facilmente, a troco de dez réis de mel coado, a sua inimputabilidade legal não é uma inconseqüência?

C. Mouro disse...

Ora, eu fui assaltado e os bandidos ainda mataram um sujeito que tolamente acreditou que poderia interpela-los "impunemente".
Não sei de qual foi a bala que matou o sujeito.
Mas o fato é que um foi preso, e era "de menor". Depois de mais de 8 horas, e já na delegacia de proteção ao menor, tive que depor.
...bem, eu não pude ver o depoimento do "de menor", nada pude saber dele. Mas durante meu depoimento o coitadinho ficou bem na minha frente, e fui "obrigado" a dizer meu endereço e todos os meus dados diante do coitadinho que como cumplice ou autor participou da morte de um pai de família (e só, ele mesmo, não amtou uma mulher porque errou o tiro).
.
Ao final um policial me disse que seu pai e mãe tinham chegado a delegacia de proteção ao menor, levou ate carteira de trabalho do "menpor trabalhador" e que nos próximos dias um juiz o ouviria e o liberaria sob a tutela dos seus pais.
.
Enojado
C. Mouro

Rodrigo disse...

Ricardo e C.Moura

Eu lamento pelo o que aconteceu com voces, mas reitero o que disse.
Esta situação que vivemos não é porque a polícia esta sendo boazinha com os bandidos e nem por que as prisões e as FEBEM são hotéis de cinco estrelas. Concordo com o Constantino, há impunidade, ponto. Mas como acabar com ela? Ricos e pobres estão debaixo das mesmas leis. A polícia prende e o juiz julga com base nestas leis. Quem faz as leis? Como é composto o grupo que faz as leis? Estaria este grupo disposto a correr o risco de ser preso ou seria mais fácil criar leis que com um pouco de dinheiro e um bom advogado a pessoa dificilmente seria presa?
Tentem responder isto ou então façam papel de paspalho tentando provar que as leis são boas (aparentemente o contrário do que o Constantino prega) ou tentando provar que as pessoas que fazem as leis não são bandidos em potencial (quando não bandidos reais mesmo).

Rodrigo disse...

Claro que nossos "Liberais" adoram malhar o estado, mas nunca prescindem dele quando as consequencias de suas políticas batem nas suas portas. Querem logo "providencias" por mais inúteis que sejam ou por mais que estas providencias atentem contra o, vá lá, "gasto racional" do dinheiro público ou até mesmo o próprio liberalismo e o estado de direito.

Anônimo disse...

OK, não estou logado, mas esta é a minha resposta:

- uma sociedade que não garante condições de desenvolvimento para suas crianças é uma sociedade doente.

Isto é um truísmo. Se também é uma frase de efeito, não sei.

Alguns de vocês é que resolveram oportunamente acreditar que isto seja sinônimo de intervencionismo estatal.

Crer que a responsabilidade sobre estas garantias necessariamente provém do Estado, ainda que seja para dizer que isto é impossível ou indesejável, é um outro sintoma da mesma doença.

Nos EUA, onde há escolas com detectores de metais na porta, há ônibus escolares gratuitos para a maioria dos estudantes, levando os alunos até escolas igualmente gratuitas. Não parar o carro quando um destes ônibus está descarregando crianças dá cadeia. Dar álcool para menor dá cadeia também.

Que queiramos imitar os americanos na parte da brabeza, criar prisões para menores ao invés de escolas é uma deformidade e, esta sim, uma frase de efeito das mais manjadas.

Quem quiser saber como as coisas realmente são neste aspecto lá no Nortão, veja aqui:

http://www.nhtsa.dot.gov/people/injury/alcohol/juvenile/apab.html

Jabuticabo disse...

No mesmo assunto, algumas crianças aprisionadas pelos EUA:

Guantanamo... terroristas mirins ou prestes a ser trocados por informações que levem à captura de algum terrorista?

http://www.cageprisoners.com/articles.php?id=7880

No corredor da morte, em companhia de China e Irã, estes lugares idílicos

http://www.deathpenaltyinfo.org/article.php?scid=27&did=203#execsus

Prisão perpétua antes dos 15

http://hrw.org/english/docs/2005/10/12/usdom11835.htm

Se isto lhes dá uma sensação de justiça cumprida, eu acho que vocês precisam rever seus conceitos de justiça... ou rever esta história de liberal, libertário, etc...

C. Mouro disse...

...hehehe!
Além de comovido com bondade destes nobres estatolatras que se valem do argumento da misericordia (uma falácia) para emocionar e não para fazer raciocinar, também estou impressionado com o nexo das posições destes "belos corações" tão altruístas; certamente pessoas maaaraaaavilhosaaaaas como diria o Clóvis Bornai.
É comovente ver a preocupação destes tipos com as criancinhas, com os pobres, com os oprimidos e etc.. Certamente por isso são socialistas, são intervencionistas, dirigistas e totalitários. Por isso admiram o humanitário regime cubano, ao qual consideram o ideal para a humanidade, sobretudo quando se imaginam (e sonham) fazendo parte da nomenklatura.
Certamente também acalentam certa paixão pela Coréia do Norte, onde o grande líder conseguiu até que a população se dedicasse a uma alimentação mais natural e humanitária como sopa de capim, por exemplo. ...hehehe!
.
Se valem de falácias, de mentiras, deturpações e de estupidez mesmo, na defesa da obediência ao deus-estado que tudo pode. Basta pedir e conseguir, pois tal deus é generoso e só precisa de intermediários humanitários.
.
Estou já com lágrimas nos olhos de ver essas belas pessoas tão preocupadas com criancinhas e com os coitadinhos dos facinoras, vítimas da exclusão social do imperialismo capitalista.
....hehehe!
Realmente respostas muito coerentes com as questões, e o nexo desta respostas comove ainda mais do que a falácia do apelo à misericórdia como argumento. ...hehehe!
Socialistas são imbecis e desavergonhados ou desavergonhados e imbecis são socialistas??? ...essa é a grande questão.

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Ah! a resposta do ultimo anonimo foi de uma clareza estupenda.
Ele repetiu uma frase! ...pronto! para estes tipos basta repetir uma frase, ou mantra, e se convencem. São exatamente como cães adestrados, que entendem comandos sem questionar.
Veja bem, se um cão é treinado para atacar ante a ordem "ataque!", ele não questiona nada, ele vai lá e ataca, convencido que está pela ordem, pelo comando, pela frase. ...hehehe! é igualzinho, impressionante a semelhança.
Não explicação nem questionamento, basta a frase e pronto! um cão também não julga quando ouve o comando, ele apenas aceita.
.
Hitler bem esclareceu isso quando disse que um doutrinador não precisa doutrinar segundo a realidade, ele tem que criar ideais; cabendo aos governantes fazer o que for possível. Ou seja, os doutrinadores passam idealizações sem explicações sobre a possibilidade ou a forma de concretiza-las. Assim conquistam imbecis que se condicionam por frases (como os cães), sem fazer qualquer julgamento sobre o que elas possam representar ou mesmo nada representar.

...hehehe! é igualzinho!

Abraços
C. Mouro

Jabuticabo disse...

Meu coração não pulou um batimento ao escrever isso tudo, caro.

Pelo próprio texto, pela diferença entre o que e como escrevo e como e o que escreve você, ainda que invoque uma pretensa racionalidade, é você que parece tomado por sentimentos aqui. Sentimentos estes dos mais intolerantes, por sinal.

Pouco adianta chamar todo mundo que não concorda com você de estatolatra ou comunista ou imbecil ou desavergonhado...

... e eu vou repetir outra vez:

- uma sociedade que não é capaz de garantir condições de desenvolvimento para suas crianças é uma sociedade doente.

Se a cada instante em que alguém menciona a sociedade você esbraveja contra o Estado, das duas uma:

1 - ou é você que confunde Estado com sociedade.

2 - ou não há de sua parte interesse nenhum em que a sociedade se desenvolva, porque no tempo do onça a coisa era melhor, provavelmente porque você era o onça.

Eu aqui estou apostando na 2, e explico por quê.

Quando eu citei os EUA, ao dizer que lá, ainda que haja pena de morte (não mais desde 2005) e prisão perpétua para menores, aquela sociedade provê amplas garantias de proteção e um suporte extenso para o desenvolvimento de suas crianças, através de diversas medidas amplamente arraigadas na cultura local.

Algumas delas são o que vocês chamariam de privilégios, desperdícios do Estado, como ônibus escolares gratuitos e escolas gratuitas.

Outras ainda provêm do tão decantado e mesmo assim desprezado império das leis: prisão para quem não pára o carro para um ônibus escolar, prisão para quem dá álcool a um menor (mesmo que seja o próprio filho), agravamento das penas em crimes que envolvam aliciamento de menores, dentre outras.

Mas você, ao invés de enxergar as ambigüidades da sociedade de lá, inerentes a qualquer lugar do mundo onde haja pessoas, ao invés de ver até os argumentos que estariam em seu favor no que eu mostrei, você não conseguiu enxergar nada além de uma compaixão, que você mesmo enxerga como fraqueza, e mais ainda esbravejou, xingou, bronqueou contra uma poissível bronca que eu teria contra os EUA.

Assim, eu acredito que a noção de justiça tomada de sentimentos aqui
é a sua, que você que dever ter uma certa bronca contra um país: o Brasil, e isto não é antipatriótico, isto é irracional.

Enquanto ideais libertários, da primazia do indivíduo, vierem arrastando esta montanha de preconceito e rancor, sua mensagem calará em cada vez menos ouvidos.

Mas isto é exatamente o que querem muitos dos ditos liberais brasileiros, compromissados com a supracitada montanha, juntando uma multidão de outros que, desavisados, ajudam-nos a arrastá-la.

Querem estes, intimamente, que todos digam "ninguém nos ouve", "ninguém nos entende", "todos são estúpidos", "todos são uns sem-vergonha", "somos melhores que os outros".

Olhem para trás e vejam quantas vezes nestes blogs você vê alguém criticando uma "estupidez generalizada" a "burrice geral" ou termos semelhantes.

Entendam que não estou aqui clamando pela sua consciência ou por seus bons valores humanistas. Assim que vocês forem me conhecendo, vão descobrir que não sou este tipo de pessoa.

Quero mostrar a inconsistência lógica deste pensamento dito liberal e libertário praticado no Brasil desde a redemocratização, a contradição inerente a várias proposições que se propõem tão arraigadas no liberalismo de extrato inglês, de Hayek, von Mises etc.

Então vejamos:


- Inicialmente, propõe-se que cada indivíduo sabe o que é melhor para si, que mesmo as melhores intenções de promover o bem coletivo não são apenas ineficientes, mas atraem aqueles com más intenções (esta é a argumentação central de "Road to Serfdom").

- Depois, criticam-se ações individuais, resultados democráticos, hábitos comuns relacionados à nossa cultura etc, alegando-se que todos são estúpidos, burros, comunistas etc, para que em seguida se proponha uma intervenção no cerne do individualismo: o pensamento de cada indivíduo.

Esta fórmula é repetida à exaustão em blogs e mais blogs. Então, quando um assunto parece tão candentemente defender uma causa liberal, eu sugiro que vocês desconfiem quando seu discurso parecer autoritário.

C. Mouro disse...

Ora ora!
Já que repetiu a frase vou refazer meu apelo para que a explique em seu significado.
Vou reproduzi-la para facilitar:
"a sociedade que não dá garantias mínimas de desenvolvimento para as crianças que nela vivem é uma sociedade doente"

Estou aguardando suas explicações sobre o significado da frase, que não foram dadas quando eu a comentei puxando o debate.
No que ela implica? qual solução ela induz e etc.?
Afinal, o meu comentário logo após ela ter sido postada apontava dois caminhos. Eu estava chamando para o debate, e a resposta foi não só patética mas uma patetice sobre Guantanamo e cadeia para motorista que não pára quando o onibus está descarregando crianças e outras imbecilidades. Ou seja, não explicou nem esclareceu coisa alguma; numa visível covardia ao fugir, e de quatro, pela portas dos fundos. Coisa que reputo como idiota, desconexa, mero simulacro de resposta sem responder nada, sem definir posição ao negar sem apresentar nada em contrário. Ou seja, empulhação deliberada.

Portanto, não me venha agora com conversa mole, depois de "viajar na maionese" com baboseiras fora de contexto. Afinal, o que tem Guantanamo com o assunto em questão?? ...em que suas patetices patéticas pertenciam ao contexto???
Estou aguardando seus esclarecimentos caro fruto.

Eu exemplifiquei que há décadas passadas o nivel de renda e sobretudo a falta de escolaridade não produziram bandidos.
Lá pela metade do seculo passado, apenas por exemplo, os pobres eram muito mais carentes, e nem por isso havia mais bandidagem. Em tal época, também a escolaridade da população era muito inferior ao que é atualmente, e nem por isso a bandidagem era maior. Mas naquela época os safados eram execrados, não era bonito mimar bandidos. Isso foi um argumento, que em resposta obteve só silêncio ou idiotices comoventes e papo desconexo, característico de idiotas.
O fato é que desde que a punição foi amenizada e uma súcia ideológica passou a glamurizar e defender a bandidagem, inclusive dando-lhes apoio moral, a bandidagem só tem crescido em quantidade e perversidade. ISSO É UM FATO!

NÃO ME VENHA COM CONVERSA MOLE E PIEGUISMO TRASEIRUDO! sobretudo depois de ter saido do assunto com babaquices sobre EUA, Guantanamo, cadeia para motoristas e outras idiotices desconexas, feito um idiota, para agora vir choramingar com papo cordato, fazendo genero.
Por isso eu chamo de desavergonhados aqueles que não se envergonham de fazer certo tipo de coisa.

ESTOU AGUARDANDO OS ESCLARECIMENTOS QUE NÃO FORAM DADOS QUANDO EU PUXEI O DEBATE SOBRE A FRASE IMBECIL, APONTANDO O QUE DELA PODERIA DECORRER, me atenhdo ao contexto das questões.

VAMOS LÁ, EU ESTOU AGUARDANDO!

Obs.: O mínimo que eu exijo de um sujeito para respeita-lo, é que se porte como um homem,
que segure as consequências de sua atitudes, mesmo que imbecis, sem ficar choramingando
desavergonhadamente.
E tenho dito! ...hehehe!

Cuisp!
C. Mouro

Jabuticabo disse...

A explicação está na sua resposta:

"cadeia para motorista que não pára quando o onibus está descarregando crianças e outras imbecilidades."

Sociedade doente, campeã mundial de atropelamento também, e com isto o Estado não tem muito a ver.

O caminho à vista agora é exatamente o ECA, meu caro, é implementá-lo, mesmo de trás do próprio volante.

Punir como você quer é uma vingança, uma espécie punição com o objetivo de causar prazer, satisfação, e isto, embora compreensível, justificável, no indivíduo, na sociedade é doente, no sentido de ser uma deformidade de princípios evidentes de causalidade.

O problema então não é a compreensível sensação de prazer da vingança, mas a irracionalidade de uma política para isto: direcionar a sociedade, aí sim com a ajuda pesada do Estado, para causar a satisfação individual dos descontentes, no lugar de responder o problema. Este é o caminho para continuar a pensarmos em criança atrás do volante só para saber se o moleque no semáforo está armado ou só vendendo chiclete e, definitivamente, passa longe de qualquer clamor liberal.

Se retirar os menores infratores de circulação resolvesse o problema, não haveria problema agora, porque é exatamente isso que se faz no Brasil, com ou sem as leis para isto.

Rodrigo Constantino disse...

"Punir como você quer é uma vingança, uma espécie punição com o objetivo de causar prazer, satisfação, e isto, embora compreensível, justificável, no indivíduo, na sociedade é doente, no sentido de ser uma deformidade de princípios evidentes de causalidade."

Falso. Punir tem forte ligação causal com o crime, pois a certeza da impunidade é um grande incentivo ao crime. O objetivo da punição é desestimular o crime e afastar, depois, o criminoso. Sociedade deformada é aquela onde não há punição dura para os criminosos.

No Brasil impera a IMPUNIDADE, então não venha falar que aqui já temos muita punição e que isso não adiantou.

Jabuticabo disse...

Ops... desculpaí, deixei passar um comentáro excelente, no meio de problemas mais básicos de compreensão...

Caro Rodrigo Constantino, aqui vai o que eu acho:
1 - "- dada a situação em que vivem muitas das crianças no Brasil, especialmente as que cometem crimes, a perspectiva de sanções penais se empalidece, é um desincentivo inócuo. A expectativa média de vida de menores infratores é de menos de 30 anos."

Não entendi porque maior punição seria um desincentivo inócuo. Liberar geral seria melhor então?

Eu acredito que não seja a sensação de impunidade que leve menores para o crime. Tal como na história da pena de morte ou na lei dos três delitos levarem à prisão perpétua, se os riscos inerentes ao crime não param os criminosos, uma lei que adiciona uma variável de periculosidade, uma que claramente não se compara ao que o menor já viu acontecendo com outrasa pessoas que conhece, não parece promissora em surtir muito efeito. Tento imaginar menores infratores lendo o D.O. preocupados e pensando "agora não vou mais ser avião de traficante, nem assaltar à mão armada, vou lá naquela ONG passar a mão naquela voluntária..."

"- no Brasil há impunidade para os ricos, independentemente da idade, e esta é a afronta ao Estado de direito."

No Brasil há impunidade. Ponto. Pobres criminosos também se beneficiam desse absurdo. E os amigos do rei então! Qual membro da quadrilha petista está preso?

E quem disse que eles são pobres? Eu falei de impunidade para rico, não para esquerdista, petista, comunista etc... cuidado ao separar o mundo em 'nós-eles'. No mais, basta ver os exemplos na imprensa em geral, como é difícil prender alguém que tenha dinheiro, mesmo quando é um criminoso confesso como o ex-diretor do Estadão que assassinou a ex-namorada.

"- a sociedade que não dá garantias mínimas de desenvolvimento para as crianças que nela vivem é uma sociedade doente."

A "sociedade" tem que dar oportunidades via LIBERDADE, não via Estado. Sociedade doente é aquela onde o Estado toma 40% da renda privada em nome da "justiça social", não tem império da lei e ainda culpa o inexistente liberalismo pelos males causados pelo excesso de Estado!

Sim, e prender mais crianças parece-se muito com mais Estado, para mim. Além disso, o liberalismo não tem nada a ver com isso, e isto é exatamente o meu ponto.

Obrigado pela conversa.

embat disse...

acho q o rodrigo "diretos humanos" veio de uma familia marginal

ou entao foi estuprado na febem e agora destila todo o seu odio contra aqueles que gostam de bandido morto

teria pena dos filhos dele, se eh que alguem como ele consegue ter filhos...

Anônimo disse...

Bom Embat, quem parece estar destilando ódio aqui é você, talvez porque tenha sido estuprado, eu talvez até entenderia, mas eu acho muito mais provável mesmo é que tenha certas "dificuldades" de entender o quadro geral, preferindo comprar idéias que só servem para manter o status eternamente favorável aos nossos "liberais". Em suma suma, voce prefere idéias que já foram implementadas e não funcionam, mas fazem com que nossos "liberais" continuem mamando nas tetas do estado - Ah meu deus, este ente, este monstro que tanto "odeiam"- Uma vez que o estado deve deixar de gastar em escolas e saneamento básico para construir mais e mais presídios, em um claro exemplo de falta de racinalidade do uso do dinheiro público. Como voce não pensa, compra idéias que na verdade não te favorecem, mas ajudam a manter tudo como está, para o gosto dos nossos "liberais". Resumindo, você é otário.

Rodrigo disse...

Bom Embat, quem parece estar destilando ódio aqui é você, talvez porque tenha sido estuprado, eu talvez até entenderia, mas eu acho muito mais provável mesmo é que tenha certas "dificuldades" de entender o quadro geral, preferindo comprar idéias que só servem para manter o status eternamente favorável aos nossos "liberais". Em suma suma, voce prefere idéias que já foram implementadas e não funcionam, mas fazem com que nossos "liberais" continuem mamando nas tetas do estado - Ah meu deus, este ente, este monstro que tanto "odeiam"- Uma vez que o estado deve deixar de gastar em escolas e saneamento básico para construir mais e mais presídios, em um claro exemplo de falta de racinalidade do uso do dinheiro público. Como voce não pensa, compra idéias que na verdade não te favorecem, mas ajudam a manter tudo como está, para o gosto dos nossos "liberais". Resumindo, você é otário.

Rodrigo disse...

Em tempo, parece que nossos "liberais" não estão conseguindo explicar suas contradições e começaram argumentar contra quem não concorda com eles de comunistas, idiotas, bandidos, etc. Até de nazista, já estão chamando. Típico, mas eu ainda acho que faltou argumentar de viado e defensor dos direitos do bandido. Excesso de racionalidade....

Rodrigo Constantino disse...

"Em suma suma, voce prefere idéias que já foram implementadas e não funcionam"

Xará, eu não sabia que vivíamos nos Estados Unidos, ou na Suíça! O liberalismo passou mais longe do Brasil que Plutão da Terra. Em termos de criminalidade, a impunidade é total no Brasil! Se estou falando justamente da inimputabilidade de marmanjos assassinos, como pode vc repetir, sem parar, que nosso modelo já foi testado aqui?!?!?!?!?!?!

Wake up!

Rodrigo disse...

Desculpa se estou sendo chato, prometo que vou parar. Mas vou deixar umas perguntas. O Pimenta Neves é inimputável? E os empreiteiros que fizeram a estação de metrô? E sonegador de imposto?
Mas são os menores (pobres) que vão pagar o pato, não é mesmo? Eles são inimputáveis não é mesmo? Ué, mas por que então eles tem a liberdade restringida? Por que eles vão para um lugar que parece cadeia, cheira a cadeia, mas não é cadeia? Não seria mais racional agir preventivamente construindo escolas e pagando salários dignos aos professores ao invés de só gastar quando o mal já estiver feito?

Rodrigo Constantino disse...

Sim, vc está sendo chato, pela falta de argumentos e insistência no sensacionalismo barato. Ainda não entendeu que a impunidade é uma enorme causa do crime, não a pobreza isolada. Claro que criminosos ricos também devem ser punidos, e eis justamente o ponto: hoje há grande impunidade, geral! Vide a quadrilha petista, onde nenhum membro está atrás das grades!

Espero que ao menos vc deixe de repetir que já testamos esse modelo de maior punição, pois ficou claro que estamos no Brasil, não nos Estados Unidos!

Rodrigo disse...

Não Constantino, eu não estou falando do liberalismo. Quisera eu que o Brasil fosse como eles. Mesmo sabendo que chegaram aonde chegaram não sendo assim, digamos não tão puramente liberais. Estou falando do famoso e sui generis "liberalismo brasileiro" que defende o gasto irracial do dinheiro público e o fim do estado de direito por exemplo.
Eu digo que já foi testado mesmo. É so estudar um pouco a história do seu país. Já existiram vários esquadrões da morte, na verdade ainda existem,já deram um golpe de estado e implantaram uma ditadura, inclusive com a participação de vários de nossos "liberais", para acabar com a corrupção, durante este período, o hapeas corpus chegou até mesmo a ser abolido, isso sem falar na quantidade de gente que as policias militares espalhadas por ai matou, logo não dá pra dizer que faltou dureza. Quanto ao marmanjo assassino que tanto te assusta, é ele que simboliza pra você a impunidade? Acorda cara, tem menor de 11 anos preso (pra mim interno da Febem é prisioneiro, ponto e acabou) acusado de tráfico de drogas e assassinato? E a mulher que ficou quatro meses presa por ter roubado um pote de margarina? E aí? Foi ou não foi testado? Concordo com você que existe impunidade, mas onde ela é mais provável de ocorrer? Será que só voce sabe que existe impunidade? Será que as pessoas que fazem as leis não sabem o que deve ser feito? Dúvido muito, eu acho mais provável que ocorra um trade off entre as idéias "faço leis froxas, pago segurança particular e não corro risco de ser preso" e "faco leis severas, sem brechas, corro risco de ser preso e provavelmente vou ter de trabalhar pra sobreviver, parar de sonegar imposto e parar de fazer sacanagem pra ficar rico"

C. Mouro disse...

Porra! o sujeito diz que punir não resolve, e o que resolve é dar escola (...hehehe! até saneamento básico já inibe criminalidade! uh! lalá! ...hehehe!). Mas aí o sujeito reclama que os ricos e cultos não são punidos. Ora, se eles estudaram e tem muito dinheiro, até sabneamento mais que básico (...hehehe!) eles não podem ter cometido crimes, já que é a falta de escolaridade, de dinheiro e de ...tcham! ...saneamento básico que causa a criminalidade. Ah! os baixos salários dos professores também causa criminalidade dos alunos, pelo jeito ...hehehe! ...ops! também prender motoristas que não param para onibus escolar também evita criminalidade ...hehehe! Êpa! mas aí o tipo tá pedindo punição! ...hummmm fica difícil assim, entender estes maníacos com a mente deformada pela ideologia é complicado.

Ora porras, o que se está falando é que a falta de punição (punição física e principalmente punição moral) é que favorece a bandidagem. Logo, só imbecis podem vir com essa conversa idiota que rico não é punido. ...Bem, político de esquerda também nunca é punido. ..Ah! mas a impunidade de político de esquerda não incomoda os esquerdinhas, aliás isso já foi manifestado.
.
Estes comentários estão excelentes para demonstrar o que uma ideoloigia safada faz com as mentes. Ela corrompe os safados e imbeciliza totalmente os frustrados, além de aumentar a imbecilidade dos tolos.

Penso que seria muito útil que, por exemplo, um Instituto Liberal ou qualquer outra organização não socialista, fizesse uma apostila com estes comentários, fazendo ao final um arrazoado sobre o que aqui se passa. Para assim bem demonstrar o que uma ideologia faz com a cabeça de uma ppessoa.
...esses comentários estã demais, são instrutivos demais.
Aproveito então para pedir aos comentaristas, em especial ao anônimo/jabuticabo e ao Rodrigo (o paspalho) para que autorize que se disponibilize estes comentários, ao final analizados, numa apostila e/ou e-book.
Basta que mandem um comentário autorizando.
Desde já agradeço a autorização

Cordialmente
C. Mouro

Rodrigo disse...

C Moura

Meu deus, outro post enorme dando faniquito. Disse mesmo que punir não resolve, é desperdício de dinheiro público, pra não dizer irracionalismo mesmo, querer que o estado construa presídios ao invés de escolas. Qualquer país desenvolvido que fez investimentos em educação e fez leis em que todos podem ser presos sabe disso.
Mas talvez você conheça algum país que seja mais rico que o nosso e tenho um sistema educacional igual o nosso, o que eu duvido, pois além de ter parado de argumentar faz tempo, quer que algum instituto "liberal" pense por você, e ainda vem falar de "o que uma ideologia safada faz com as mentes". Piada.
Quanto a autorização, não tem problema. Mas tem que ser liberal de verdade. Ai eu quero ver com quem ele concorda mais, se comigo ou com você. Agora se for "liberal" que apóia ditadura, construção de cadeia ao invés de escolas, esquadrões da morte ou apenas empréstimos camaradas do governo para empresas em dificuldade, pode também, porque quem vai passar ridículo é você e quem mais concordar com você. Você não vê correlação entre cidadania e educação? Engraçado, os EUA viram isso mais de 200 anos atrás. Não vê correlação entre riqueza e violência? Os EUA viram isso 70 anos atrás. Foram feitos praticados por verdadeiros liberais, enquanto outros “liberais” talvez estivessem pregando como o sistema monárquico inglês era superior ou como a violência se resolveria apenas se fosse deixada nas mãos de uma policia corrupta.

Rodrigo Constantino disse...

"Disse mesmo que punir não resolve, é desperdício de dinheiro público, pra não dizer irracionalismo mesmo, querer que o estado construa presídios ao invés de escolas."

E logo depois o sujeito cita novamente os Estados Unidos como exemplo. Caspita! Será que não percebe que existe PUNIÇÃO nos EUA?! Que lá existe uma das maiores populações carcerárias do mundo? Que foi o tolerância zero que reverteu a situação calamitosa em NY?

Como é possível tanta incoerência em uma cabeça só? R: dissonância cognitiva.

C. Mouro disse...

Eis a confirmação do que digo!

Vejam bem, já se tem dito dos líderes ideológicos pensarem pelos paspalhos que os seguem sem enterder o que fazem e defendem. Muitobem, acostumado a repetir coisas que não entende e nem entender o que lê, o sujeito passa a repetir seus críticos de forma deconexa, tentando inverter as questões apenas repetindo aquele que o contesta. Então, se eu digo que expor estes comentários, com um arrazoadop ao fim, para que as pessoas possam ler e julgar os absurdos aqui postados, o papagaio que fala coisas sem entender chama isso de apelo para que alguém "pense por mim" ...puta merda! ele nem sabe mais o que é pensar, o que é ler TUDO e JULGAR. ...hehehe! Isso é comum, aqui se verá, e já se tem visto (ele chega a chamar os liberais de parasitas do estado ...hehehe!)

Ele parece já considerar o liberal melhor e então solta esta pérola:
"Mas tem que ser liberal de verdade. Ai eu quero ver com quem ele concorda mais, se comigo ou com você."

Putz! ele agora já será mais parecido com um "liberal de verdade" ....percebam o funcionamento, ou desfuncionamento, da mente deste tipo ...que maravilha! ...mais um pouco e ele se dirá liberal e os anti-socialistas serão os socialistas ...cruz credo! é a paródia da novilingua! ...hehehe!
É só dar corda e se perceberá absurdos, aberrações, contradições, falta de nexo e toda forma de expressão de idiotice.
.
Reler estes comentários é absolutamente instrutivo, eu diria que é fundamental para perceber uma mnente ideológica, sem nexo, sem coerência, sem lógica, sem argumentos e cheia de bordões, chavões, frases de efeito e repetição continua de coisas que não consegue esclarecer ou explicar.

Isso é muito instrutivo para entender o fenômeno da ideologia.
Não dá para levar a sério!

Abraços
C. Mouro

Rodrigo Constantino disse...

C. Mouro,

Há que se levar a sério sim! Afinal, os néscios estão em maior número. E o que é pior: perceberam isso! José Ortega y Gasset falou sobre o assunto, assim como Nelson Rodrigues.

Dureza... hehehe

C. Mouro disse...

Caro Rodrigo Constantino,
veja só, ele escreve:
"Meu deus, outro post enorme dando faniquito. Disse mesmo que PUNIR NÃO RESOLVE, é desperdício de dinheiro público, pra não dizer irracionalismo mesmo, querer que o estado construa presídios ao invés de escolas. Qualquer país desenvolvido que fez investimentos em educação e FEZ LEIS EM QUE TODOS PODEM SER PRESOS sabe disso."
.
...MEU GRIFOS ...E ele sinceramente não percebe os absurdos que diz. Esse não é safado, é demente mesmo.
Basta dar corda e os absurdos se multiplicarão em quantidade e na demência.

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Digo não levar a sério estes dementes e safados, mas a situação deve ser levada a sério sim.
Sua observação foi ótima, serviu para esclarecer.
Temos, sim, que levar a sério a situação, mas é bobagem debater seriamente com estes desequilibrados.

Forte abraço
C. Mouro

Rodrigo disse...

Constantino, concordo com você que a impunidade gera violência, mas é ridículo negar pobreza e principalmente desigualde social não tem correlação com a violência. Então compare os indices de desisgualdade social com os indices de violência. Se voce acha isso sensacionalista, Japão, EUA e Europa não acham.
Mas voltando ao ponto, concordo que a impunidade gera violencia. Mas quem a gera? Seriam os "defensores dos direitos do bandido"? Eu penso que a impunidade é um pequeno presente que o individualismo deu a nossa sociedade. Querem cadeia, mas não querem correr o risco de ser preso, querem "ROTA na rua" mas ficam indignados quando tomam um tapa na cara de um policial. Aí é dificil

Rodrigo Constantino disse...

C. Mouro,

Isso faz escola! Veja esse comentário de um completo débil mental de uma comunidade do Orkut:

"A maior parte dos pobres parte para o o crime por desespero. A maior parte dos ricos por ganância.

Quem é o mais baixo, moralmente falando?"

Os pobres matam, sequestram, estupram, tudo por desespero, necessidade, para comprar farinha e açúcar, como um deles disse. Os ricos não. Os ricos cometem crime por ganância. E tá falado.

No fundo, uma patológica INVEJA do sucesso está por trás de tanta estupidez. Isso não tem cura!

Rodrigo Constantino disse...

"Eu penso que a impunidade é um pequeno presente que o individualismo deu a nossa sociedade."

Minha nossa! Será curioso ver ele desenvolver essa afirmação...

Dica: o individualismo deixa claro que a culpa do ato criminoso é do INDIVÍDUO, enquanto o coletivismo gosta de colocar a culpa na "sociedade", aquele ente abstrato que não tem como agir, já que apenas indivíduos agem.

Boa sorte! Vc vai precisar...

C. Mouro disse...

Como eu disse, perceba que beleza de paragrafo o sujeito escreve:

"Mas voltando ao ponto, concordo que a impunidade gera violencia. Mas quem a gera? Seriam os "defensores dos direitos do bandido"? Eu penso que a impunidade é um pequeno presente que o individualismo deu a nossa sociedade. Querem cadeia, mas não querem correr o risco de ser preso, querem "ROTA na rua" mas ficam indignados quando tomam um tapa na cara de um policial. Aí é dificil"

Esse "Aí é difícil" no final, é que ele foi tomado por uma vontade incontrolável de repetir aquilo que lhe pareceu algo "bacana" ou de forte apelo. ....e então, pow! ...repetiu, mesmo que para coroar uma sequência desconexa! ...hehehe!

Esse parágrafo é uma pérola, é demonstrativo. Um prêmio que o coitado nos deu.
,...de onde este desgraçado tira tantos absurdos, a mente do sujeito está em pleno delírio. ...se não fosse tão divertido seria mesmo trágico.

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Ele quer condenar o individualismo, já que partidário do coletivismo, embora diga que um "verdadeiro" liberal concordará mais com ele. Assim, ele "manda brasa" e diz que o individualismo é o culpado da impunidade, embora ele, coletivista, defenda a impunidade ou pelo menos penas brandas, pedindo assistencialismo para combater a criminalidade.

Raios! por exemplo, lá pelos meados do seculo XX as "desigualdades sociais" e a baixa escolaridade eram muito maiores que atualmente, e a bandidagemn era incomparávelmente menor. Lá mesmos nos EUA a coisa se repete. E os tipos não puseram uma linha para contestar essa realidade. Apenas repetindo o mantra insistentemente. Mas agora, por ultimo, já começou a dar sinais de incomodo ante a realidade. Não vai se corrigir, mas isso demonstra que é válido o tempo dispendido com estes tipos.

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

R. Constantino,
Realmente seria um grande prazer ver o tipo explicar, esclarecer esta afirmação:

"Eu penso que a impunidade é um pequeno presente que o individualismo deu a nossa sociedade."

Caramba! eu acho até que pagaria uma grana para ter esse prazer. Mas como eu disse estes doutrinados não entendem o que falam, nem mesmo o que lêem, são máquinas de repetição de asneiras.

....hehehe! nem sempre são "uma fria máquina de matar", como os queria o amoroso humanitário Che Guevara; mas por vezes são apenas uma fria máquina de falar asneiras. ...hehehe!

Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Demente, safado, néscio...hehehehe faltou chamar de bobo e piolhento. Parece que está faltando argumentos até pro Constantino. Por favor, será que dá para ao menos explicar porque meus argumentos são absurdos?
Disse mesmo que era desperdício de dinheiro público querer resolver o problema da segurança somente atuando repressivamente? Não existe forma viavél do Brasil ter o mesmo nível de criminalidade dos EUA com o nosso nivél educacional. Voce está confundindo as coisas, voce está usando o exemplo de NY para negar o fato que educação não tem relação com violência? Cáspita, voce pega um exemplo de um país que investiu em educação muito mais que o Brasil, gerou conhecimento, que gerou riqueza, para provar e só muito depois, eventualmente aumentou o rigor policial para provar o que?
Que é racional gastar mais com um detento que não faz nada no presídio do que um um aluno que pode produzir mais tarde?
Eu cansei de perguntar aqui, se alguem conhecia um pais que tivesse uma distribuição de renda pior que a nossa, ou tivesse um nível educacional pior que o nosso e que ao mesmo tempo fossem menos violentos que o Brasil. Ninguem respondeu, preferiram usar os argumentos "néscio", "safado", entre outros e adotar um "eruditismo poser" do que responder esta simples pergunta.
E repito, nossos "liberais" são parasitas do estado mesmo. Pregam "liberalismo" para os outros, enquanto isso ficam lutando por isenções fiscais, empréstimos camaradas de bancos estatais, corrompendo fiscais da receita e sonegando imposto. Adoram falar mal do Estado, mas cagam nas calças só de pensar de ter de deixar de mamar nas tetas dele.

Rodrigo disse...

Entendo que o C Moura não queira debater, é mais facil sair por ai chamando os outros de safado, nescio, comunista, do que responder uam simples pergunta ou dizer porque uma afirmação é absurda.

C. Mouro disse...

Eu não saio por aí chamando de safado, demente, doutrinado e etc., eu demonstro isso!
...hehehe! o exemplo de NY dado pelo Rodrigo é perfeito. Pois NY estava com altos indices de criminalidade, e após o "tolerância zero" com punição até ´para pequenos crimes, é que a bandidagem diminuiu. Apesar de o nível escolar e econômico ser o mesmo da NY anterior ...ou será que o "tolerância zero" era meramente um programa assistencialista, para "distribuir renda" e dar "cultura" aos bandidos. ...hehehe! ...o tipo é desequilibrado total. ...e aí, por que bem nascidos se dedicam ao crime???? será por deficiencia material, por falta de escolaridade?? ...hehehe!
.
De onde este maluquete tiras essas coisas, meu deus? ...que raio de miolo mole é este?
Vou reproiduzir:

"E repito, nossos "liberais" são parasitas do estado mesmo. Pregam "liberalismo" para os outros, enquanto isso ficam lutando por isenções fiscais, empréstimos camaradas de bancos estatais, corrompendo fiscais da receita e sonegando imposto. Adoram falar mal do Estado, mas cagam nas calças só de pensar de ter de deixar de mamar nas tetas dele."
.
Caracoles! esse menino precisa de tratamento urgente. Tavez de uma família que já desistiu dele, e por tal não perceba a situação em que se encontra. .... ....será que isso também é consequencia da falta de carinho? ....hehehe! será também que "uma sociedade que não dá carinho a seus membros é uma sociedade doente" ? ....hehehe!
E é capz dele acreditar que está argumentando ....hehehe!

Se não fosse tão divertido seria trágico.

Abraços
C. Mouro

Anônimo disse...

Mas no que esse C Mouro acredita?
De onde ele inferiu que "tolerancia zero" era um programa de dar cultura para bandidos? Talvez inventar e xingar seja mais fácil do que explicar as contradições do "liberalismo" dele.

Rodrigo disse...

Em tempo, não custa repetir, qualquer tentativa de tornar o nível de criminalidade semelhante a criminalidade por um desses "tolerância zero" da vida só é viavel em países de nível educacional elevado.
Claro que se alguem quiser se dar ao trabalho de me responder, favor trazer argumentos, de preferência algum exemplo empírico.

C. Mouro disse...

...hehehe!
...e você inferiu* isso no que eu escrevi? ....hehehe!
Então eu devo adicionar dislexia também, pois esta eu ainda não tinha explicitado.

Abraços
C. Mouro

Anônimo disse...

Em tempo, não custa repetir, qualquer tentativa de tornar o nível de criminalidade semelhante a criminalidade dos EUA por um desses "tolerância zero" da vida só é viavel em países de nível educacional elevado.
Claro que se alguem quiser se dar ao trabalho de me responder, favor trazer argumentos, de preferência algum exemplo empírico.

Rodrigo disse...

argumentos?

C. Mouro disse...

Exemplo empírico:
em algumas localidades do Rio de Janeiro onde grupos de justiceiros se impuseram, os criminosos se mandaram.

Uma empregada da minha mãe viveu isso na pele, em Campo Grande. Numa localidade onde a escolaridade e a grana eram curtas (lá pela década de 80).
Quando a população local formou tal grupo e passou o rodo em uma meia dúzia, acabaram as invasões das casas, os roubos e os estupros.
...Há outros exemplos no RJ, ainda vigentes.
...quando o couro come a bandidagem safada e covarde como seus defensores, põe o pé na estarada ...hehehe!

Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Ué, justiceiro não é bandido não? Essa é a solução? Trocar seis por meia dúzia? Ninguem segura o "liberalismo brasileiro", fenômeno mundial! Quer dizer que achacar comerciante, roubar sinal de TV a cabo e matar pessoas deixu de ser crime? Não traficam? Espera só 6 meses pra ver se não traficam.
A empregada da sua mãe gostou? Espera o dia que ela não gostar pra ver o que acontece com ela.
Esse "liberalismo"...

Rodrigo Constantino disse...

Rodrigo, assim vc dá atestado de analfabetismo funcional. Uma criança teria entendido o que C. Mouro quis dizer. Ele não disse que a solução liberal passa pelas milícias ilegais, ele apenas mostrou um caso empírico onde a PUNIÇÃO espantou os traficantes. Este papel deveria caber ao Estado, através do império das leis. Mas a conclusão não muda: a opressão, a punição, a força, combatem o crime. Não as flores e a pomba da paz, criada por Picasso para o "pacifista" Stalin. "Quem poupa o lobo, mata a ovelha", disse Victor Hugo. Um dia vc ainda vai entender certas obviedades...

Rodrigo disse...

Acabaram de inventar o "liberalismo". O liberalismo sem democracia, sem educação, se cidadania, sem estado de direito e com uso, pior, mau uso do dinheiho público

Rodrigo disse...

Constantino
A "punição" espulsou os traficantes, mas não os criminosos. trocaram 6 por meia dúzia, não leu isso lá não analfabeto?

Rodrigo Constantino disse...

Não, Rodrigo. O crime deles é cobrar ilegalmente pelos serviços. Se o Estado fizesse isso, não seria considerado crime, e a extorsão seria chamada de imposto. Eis o ponto! Os traficantes foram expulsos, os roubos despencaram, os assassinatos desabaram. O crime que ficou deve-se ao fato da situação ser ilegal, de ser milícia e não o próprio Estado. Mas não muda a conclusão óbvia: a punição, a opressão, a força, venceram os criminosos. E esse é apenas mais um exemplo entre tantos outros.

Vc diz que o tolerância zero não funcionaria num lugar sem educação e renda. Primeiro ponto: a educação não mudou lá, o que mudou foi a repressão ao crime; segundo ponto: vc chama os pobres de criminosos! Isso é uma afronta!

Rodrigo disse...

Errado Constantino, o Estado cobra imposto, e daí? O crime deles é roubar o dinheiro que iria para a prestadora de TV a cabo, a pretadora recebe zer, nada. O seu comprometimento com a sua idologia é tão grande que, em um post sobre impunidade, voce acaba de justificar o roubo e em um site que alega ser liberal, voce prega a apropiação da propriedade privada alheia. Então quer dizer que se o comando vermelho expulsar o terceiro comando de uma favela o crime diminui? Qual a diferença? A punição, a opressão, a força, venceram uns criminosos. Cadê o "tolerancia zero"? Quando eles tirarem os traficantes das favelas eles por acaso vão dar tiros na própria cabeça?

rodrigo disse...

Vc diz que o tolerância zero não funcionaria num lugar sem educação e renda. Primeiro ponto: a educação não mudou lá, o que mudou foi a repressão ao crime; segundo ponto: vc chama os pobres de criminosos! Isso é uma afronta!

-Primeiro ponto: A educação nos EUA mudou a mais de 200 anos
- Segundo ponto: Traga exemplos empíricos de onde isso funciona...
milicias? Fala sério!

Jabuticabo disse...

Débil mental, imbecil, canalha, etc...

Eu faço o esforço consciente de eliminar todos os epítetos derrogatórios de seus posts e o que sobra?

A contrariedade é normalmente recebida pelo conservador rancoroso do Brasil de hoje na base dos socos e pontapés, o título do último livro de Diogo Mainardi.

Neste blog, infelizmente, é a mesma coisa.

Eu me pergunto se, no Instituto Millenium, aqueles patronos bacanas que vocês têm lá escutam vocês falarem estas coisas. Eu me pergunto se eles falam assim e vocês os imitam. Eu sinceramente não consigo imaginar o Armínio Fraga chamando todo mundo de imbecil a torto e a direito (diferentemente de outros ex-presidentes atuais presidentes de BCB, que eu consigo imaginar direitinho).

André disse...

Que discussão mais tosca!!!!

Qualquer idiota sabe que um ser humano com 16 anos de idade conhece muito bem as regras de convivência em sociedade. Em outras palavras: um sujeito com 16 anos entende o caráter ilícito de suas condutas. Só um asno não consegue enxergar isto (ou não quer).

Portanto, se o sujeito entende o caráter do ilícito penal, é descabido reputá-lo inimputável.

Logo o ECA é anacrônico e ultrapassado.

Jabuticabo disse...

Então o ECA é anacrônico e ultrapassado porque você diz que só um imbecil, um asno, um idiota não entenderia o caráter ilícito de suas condutas aos 16 anos.

Eu me lembro então de um antigo Globo Repórter sobre crianças superdotadas. Uma delas, um garoto de uns 12 anos, havia decorado todo o código penal brasileiro e, além de citá-lo de memória, era capaz de responder perguntas sobre a natureza de suas determinações.

Pelas leis da suprema obviedade das coisas (a lei do como vejo o mundo é como o mundo é) este garoto, se roubasse um doce no supermercado, iria para o xilindró com outros presos que iriam reensinar o código penal a ele, começando pela parte que tipifica os abusos sexuais.

Pelo mesmo raciocínio, você é inimputável por todas aquelas leis obscuras que não conhece, a não ser que eu inadvertidamente tenha aqui interpelado o menino do parágrafo anterior, no que eu então me desculparia, e solidariarizar-me-ia com o seu sofrimento de saber-se imputável desde puto (por favor, sem ofensa, sem ironia, é que puto é menino em Portugal... foi apenas para criar uma aliteraçãozinha de nada).

Mas, continuando, se é descabido reputar inimputável quem, por consciência, sabe do mal que causa, pode-se concluir que será necessário efetuar um teste de cidadania antes de se incriminar alguém. E já houve fascistas que propuseram a criação de semelhante teste para que alguém tivesse até o direito à educação: bastava conhecer as verdades óbvias do sistema... não sei por que, mas suspeito que nos afastamos em alta velocidade do tal império das leis, da tal liberdade do indivíduo, toda vez que esta liberdade não tem nada a ver com a liberdade de efetuar transações comerciais, um objetivo nobre em si mesmo, mas apenas mais um objetivo.

Aliás, se uma criança de 13 anos como este menino fumasse, bebesse e transasse com outras meninas de 12, 13 anos, algumas que você até conhecesse, mas que fossem igualmente donas de seu destino, tendo até engravidado uma delas em um instante de descuido, ele seria assim um cara tão legal como parece agora, apenas por ter decorado o código penal? O Mario Henrique Simonsen fumava e bebia desde o colegial, antes de alguém dizer que a grandeza não coabita com maus hábitos.

Suponhamos então que um jovem de 16 anos engravide por sexo consensual uma menina de 12 anos idade.

Suponhamos que a menina tenha a óbvia consciência do que fez e das conseqüências dos seus atos por ter decorado o código penal e o código civil, r que ela só descuidou-se porque os dois estavam muito bêbados para se lembrarem de proteção, e você sabe como é difícil prever os ciclos de fertilidade de um infante ainda na puberdade, que nem pílula pode tomar.

Pessoalmente, eu acho que os dois iriam precisar de tratamento do brabo, e eu acho que vocês acham disso pra baixo: FEBEM, cadeia, the works. Para maiores de idade, a situação nem crime seria. Mas peraí, neste casso o código penal diz que o garoto de 16 anos cometeu estupro... sim, baseado na declaração de direitos da criança e do adolescente da ONU e no ECA.

Então a maioridade para quem obviamente tem consciência, já que tem 16 anos, só serve para punir a quem faz o que a gente não quer? Ou isso ou o cenário acima está OK para vocês, mesmo se acontecer com a sua vizinha ou com você.

Jabuticabo disse...

Ops... fiz uma consulta rápida com o mulherio e descobri que médicos podem receitar a pílula desde o início da adolescência. Então a hipotética menina superdotada não tem salvação mesmo...

C. Mouro disse...

...hehehe!
Este "debate" está ótimo para exibir bem o que estes trastes são.
Quando citei o exemplo da empregada não me referi a milícias como as atuais. Pois foram alguns dos moradores da localidade que partiram para o ataque. Gente que tinha emprego e revoltados partiram para o revide. O mesmo ocorreu lá pelas bandas de Austim com um pedreiro que me fez uns serviços. Foram moradores que se juntaram para passar rodo na bandidagem, ninguém cobrava nada de ninguém. ...hehehe! ...aí os paspalhaos saem deturpando.
No mais as milicias atuais, ao que parece, estão fazendo um bom trabalho contra a bandidagem. E ao que sei a maioria dos moradores está gostando.
Se cobram para espantar a bandidagem estão fazendo o mesmo que o Estado, com a diferença de apresentarem resultados. Se roubam sinal da net para "os pobres", aí estão roubando a net, e isso é errado. Mas o governo também rouba assentos nos onibus para os idosos, também rouba das empresas quando obriga-as a fornecer gratuitamente. e etc..

Mas o fato é que as milicias estão apresentando resultado, até onde sei. Já a bandidagem mata pais de família inocentes e os recalcados, que odeiam a tal sociedade, apoiam a bandidagem como se uma vingança contra a sociedade que odeiam. Entendem que os bandidos quando matam um inocente pai de familia estão atacando a tal sociedade que odeiam (frustrados, invejosos tornam-se obscurantistas). Por isso defendem os bandidos, pois elles os representam e se vingam da tal sociedade.

São sociopatas, dementes, que assim foram feitos por lideranças que lhes induziram ressentimentos e frustrações para que odiassem a sociedade. Coisa semelhante os líderes ideológicos fazem com os fanáticos religiosos, também obscurantistas, que por fim se tornam homens-bomba e crianças-bomba. São doutrinados.
Mas agora algo curioso:
No Iraque os xiitas odiavam Saddam, mas não lançavam homens-bomba nem outros ataques como agora fazem. É que os líderes sabiam que se o fizessem o Saddam passava a réguia neles; então choravam e odiavam caladinhos. Como os líderes agora sabem que nada lhes acontecerá, passaram a instigar os doutrinados para fazerem ataques.

...esses maníacos são assim. Igualmente se formos tentar discutir com os doutrinados do islã, o resultado será o mesmo que aqui se vê:
alegações desconexas, fantasias sobre as questões, deturpações, divagações fora de contexto, confusão mental, asneiras a dar com pau, maluquices, absurdos tirados sabe-se lá de onde, e etc..
Foram imbecilizados e tiveram os cerebros lavados, por isso não conseguem manter um debate sem descambar para um frenesi verborrágico totalmente fora das questões. Por exemplo, o assunto sobre punição e bandidagem acabou rolando para Guantanamo e outras idiotices totalmente fora de nexo. Sem contar as baboseiras - coisa de louco varrido - contra um "liberalismo" que sei lá de onde o sujeito pescou. ...coisa de doido mesmo.

ENFIM, OS MILONGUEIROS NÃO APRESENTARAM UM ÚNICO ARGUMENTO CONTRA OS QUE AQUI FORAM APRESENTADOS. só mesmo repetição histérica e e uma arenga desconexa absolutamente ininteçligivel.
.
Por isso eu continuo dizendo que estes comentários deveriam ser guardados para serem exibidos como prova do que uma ideologia manipulada por parasitas estatais e canalhas de toda espécie é capaz de fazer com a cabeça de certas pessoas.

Guardar e xibir estes comentários seria de grande valor para as idéias saudáveis.
Abraços
C. Mouro

Anônimo disse...

O pior cego é aquele que não quer ver. Versão em letra de forma:

"O post anterior era sobre o discernimento, em resposta que achava que era óbvio que um menor a partir de 16 anos já sabe o que é errado. Se a redução da maioridade penal para 16 ou qualquer outra idade é feita baseando-se na capacidade de discernimento do indivíduo, criam-se os seguintes problemas:

- como punir adultos sem discernimento?

- o limite do discernimento, a pretensamente correta idade da razão, pode variar de acordo com o indivíduo e é complicado de julgá-la com critérios absolutos.

- o item anterior pode abrir um precedente ditatorial: dar direitos apenas a quem mostrar-se apto, de acordo com critérios definidos pelo Estado

- se um menor pode ser preso porque tem discernimento, deve poder beber, fumar e fazer sexo livremente, como qualquer outro adulto, a partir do momento em que demonstrar discernimento não importando a idade?

Normalmente, quem quer prisão para menor de idade, também vai querer prisão para menor que transar com outra menor, e usei isto como um exemplo de como é difícil determinar que se tem discernimento ou não a partir de uma certa idade."

C. Mouro disse...

Se não delirar nas próprias invenções terá que ficar vagueando em nulidades desconexas, e etão com está mais que repetitivo aqui nestes comentários, os maluquetes insistem nas atribuições fantasioas para simular argumentos. Assim:

"quem quer prisão para menor de idade, também vai querer prisão para menor que transar com outra menor"

De onde este pobre diabo tirou isso?

...hehehe! é de lá mesmo onde vocês pensaram ...hehehe
Se não fizerem esse tipo de coisa, não poderão nem estravazar.

O que eu percebo é o seguinte:

Esses caras sofrem pra caramba. Puta merda, o rebanho deles está condenado à vergonha eterna.

Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Para um cara que fala que as milicias são a solução para o crime, voce devia pensar duas vezes ante de falar que alguem vai passar vergonha...

Jabuticabo disse...

OK, então você é a favor que menores idade possam beber, fumar e transar entre si numa boa e, se alguém engravidar, chuchu beleza...

C. Mouro disse...

Do jeito que a coisa vai alguma ONG de defesa dos deficientes mentais vai acabar me processando por crueldade. Afinal já andam dizendo que estou me divertindo covardemente.
Mas vamos lá:
O assunto era a impunidade da bandidagem como uma causa do aumento desta. Então o fruta passou a defender a bandidagem sob alegação de que a culpa era da malvada sociedade, preconizando que punição não resolve.
Logo a fruta entrou em parafuso depois de postar uma frase que não soube explicar – fala coisas que não entende, como um papagaio – chegando a postar a asneira de que nos EUA se prende motoristas que não param para o ônibus escolar descarregar, defendendo que isso faz parte do combate a bandidagem; ainda fazendo uma milonga sobre a impunidade dos ricos, e até mencionando Guantánamo e até M. Tatcher, numa mistura esquizofrênica idiótica, um tanto ininteligível. Só faltou falar do malvado imperialismo capitalista e de Bush ...hehehe! entre outras asneiras desconexas que indicam uma mente deteriorada pela ideologia.

Entre deturpações, atribuições levianas, imbecilidades de toda sorte e agitação mental, o assunto descamba para mais uma asneira saída sei lá de onde. Com a alegação de que quem quer prender o menor bandido vai querer prender menores por transarem com uma outra menor ... raios parta! que cabeças conturbadas, estes tipos são mesmo esquisitos!
Então eu ingenuamente me surpreendi com tal asneira saída sabe-se lá de onde. E para meu maior espanto, o sujeito depreende que com isso eu estou defendendo que os menores saiam por aí transando e até tendo filhos. ...raios parta! de novo.

Ou seja, dá até a entender que o sujeito que disse que não se deve punir porque a punição não resolve, parece estar agora defendendo punição (prisão) para que menores não transem – coitados dos adolescentes, querem proibi-los de trepar. Mas por outro lado, se ele considera que eu, por não defender a prisão como meio de evitar que adolescentes trepem, estou dizendo que eles devem sair por aí trepando e até tendo filhos, por esta mesma lógica do asno eu devo considerar que ele quer que os menores saiam por aí matando, roubando e estuprando.

Raios parta! pela terceira vez. Se é isso, o sujeito que quer punir (prender?) menores que transam sem fazer mal a ninguém, é o mesmo que quer que saiam por aí praticando crimes. Afianl, se disser que não, pelo que diz, ele estará dizendo que é a favor de menores saírem por aí transando e até tendo filhos ...cruzes! que tipo lelé.
Mais um raios parta!

Isso já não é mera imbecilidade, o tipo é um maníaco sem rumo. É um caso de internação urgente; pois que perigoso para a sociedade.
Um sujeito que sadicamente que punir, ou prender, menores por trepadas consensuais e liberar os menores criminosos, é um sujeito doente, e grave. Isso ele diz depois de defender que se deva prender motoristas que não param para ônibus escolares. ...Cruz credo! é um maníaco perigoso!

E depois o sujeito ainda reclama que eu os chamo de imbecis, dementes, que não sabem nem o que dizem.
MAS COMO SE PODE VER AQUI, EU NÃO OS CHAMO DE IMBECIS, DE IDIOTAS DOUTRINADOS e de MANÍACOS, EU APENAS MOSTRO AQUILO QUE ELES EFETIVAMENTE SÃO.

RAIOS PARTA!
Já nem me apiedo destes tipos sofredores por terem o bufão Chaves, Lulla e Morales como expoentes ideológicos.
Estes tipos socialistas são tão desequilibrados e estúpidos que já está até perdendo a graça. Não dizem coisa com coisa, deliram sem se dar conta. Basta dar corda e eles produzem um festival de asneiras cada vez mais absurdas.

Então eu me corrijo: eles não passam vergonha alguma porque não são capazes de reconhecerem os ridículos em que se envolvem.

SENDO ASSIM, EU OS CONSIDERO INIMPUTÁVEIS ...hehehe!

...pobres diabos, acham uma trepada consensual entre menores algo mais grave que crimes, assaltos, assassinatos e estupros de mulheres, até de mães de família.
meu deus! ..de onde sairam estes tipos absurdos? ...quanto mais falam, maiores as asneiras que produzem.

É...., saíram das cartilhas e pregações socialistas que querem “consertar o mundo”. Temos que atentar para isso.

ONGs, não me processem por me divertir a custa de dementes, mas tomem providências, pois estes lunáticos já se mostram perigosos. Podem até morder inocentes pela rua.
.
Estupefato diante de tantas asneiras, cada vez maiores.
C. Mouro

Jabuticabo disse...

Fico lisonjeado que você se lembre de toda a seqüência dos meus comentários neste blog. Eu admito que eu não consigo diferenciar um comentário seu do outro.

Eu aqui concordo que tenho a vantagem de não precisar mostrar como você é, porque isso você já faz sozinho.

Da sua reação intempestiva, como de costume, depreendi que

1 - Você é a favor da diminuição da maioridade penal, como eu esperava.

2 - Você não é a favor que menores saiam por aí tendo filhos mas não acha que eles devam ser presos, também exatamente como eu esperava, e nisso até concordamos.


Logo, você acredita que as crianças até uma certa idade precisem de tutela e não podem assumir algumas responsabilidades de adultos, como ter filhos, por exemplo.

Conclui-se então que você tira alguma satisfação da punição, que você quer é prender e arrebentar. É a sua reação à criminalidade de menores, e não a minha, que está repleta de emoções, negativas tal como seus comentários neste blog.

Como sempre, eu lhe escrevo tomado pelo melhor intento de compreender, com uma mente questionadora que deixaria Ayn Rand com tesão até... eu já espero que você não deseje me entender, mas esperando que, de verdade, tenha entendido.

Jabuticabo disse...

Caro Constantino,

Novamente às questões importantes, visto que Mr. Hyde está quieto agora:

"Vc diz que o tolerância zero não funcionaria num lugar sem educação e renda."

Renda, grifo meu, foi a chave da coisa em NY. Existem discussões sérias a respeito do mérito do tal tolerância zero, principalmente porque ele ocorreu junto com outras medidas, como a revitalização de regiões como Times Square, e também foi implementado ao mesmo tempo em que a economia da região cresceu, não em virdude do tolerância zero, mas de condições econômicas favoráveis na cidade e gerais, como a bonança macroeconômica dos EUA nos anos Clinton. Obviamente, a discussão deste assunto nos EUA é altamente partidarizada também.

Jabuticabo disse...

... a, sim, e eu disse que renda é a chave da coisa porque, de um lado, republicanos dizem que o aumento da renda veio depois do tol. 0, enquanto democratas dizem que foi o aumento da renda que diminuiu a criminalidade.

C. Mouro disse...

Sobre o primeiro dos 3 comentarios
Caro Jabuticaba,
assim, neste tom, a coisa vai bem, explicando para mim aquilo que parece ter concluído. Isso é muito bom.
Não digo que me sinto lisonjeado, seria tolice, mas que me sinto recompensado, isso eu não nego.

Contudo, você diz não se lembrar do que escreveu anteriormente, mas, curiosamente, deve lembrar-se do que eu escrevi anteriormente, ou não poderia emitir juízo a respeito. Portanto, das duas uma: ou essa é mais uma esquisitice sua ou mais uma vez você está tentando ser desastrosamente espertex e ...mais bobagens.
O que se pode constatar é que realmente você não percebe nem aquilo que escreve, tal é a ambigüidade. Logo, não me surpreende que também não perceba aquilo que lê ...isso faz sentido ...hehehe!

...mas o seu progresso me recompensa, embora ainda apelando para deformações. ...mas não se pode esperar que mude de uma hora para outra.

Abraços
C. Mouro
.
Obs.: Mas como de costume, tão esquecido que é dos comentários anteriores e é tão incapaz de entender, logo se sai com mais fantasias. ...não tem jeito, tá no sangue.
...não se pode elogiar, eu concluo

Rodrigo disse...

E assim conclui sem explicar nada, como sempre. Parabéns! O próximo passo de C Moura é se candidatar a presidente do grêmio estudantil da 5ª série...

C. Mouro disse...

Ops! será que estou me contaminando?
Você não disse que não lembra-se dos seus. Contudo, parece não lembrar mesmo.
Cruzes, será que isso pega?

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

E o papagaio não se conteve ...hehehe! ...diante de minhas observações de que os maluquetes nada explicam, achando ele que isso teve apelo, não se conteve em sua agitação mental e ...tcham! ...papagueou ...hehehe!
...nexo? ...para que nexo? a lingua (ou dedos) substitui o cerebro. ...é consequencia natural das ideologias.

Esse é mesmo um pobre diabo.

Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Para C Mouro:

1- Me diga o nome de UM país que tenha distribuição de renda pior que a nossa e seja menos violento

OU

2- Me diga o nome de UM país que tenha nivel educacional melhor que o nosso e seja mais violento

Confiando na sua imensa inteligencia...

Rodrigo

Rodrigo disse...

Se for dar ao trabalho de responder, gostaria de dizer que néscio e safado, por exemplo, só são argumentos para candidatos a grêmio estudantil da 5ª série.
Então traga argumentos...

Rodrigo Constantino disse...

"1- Me diga o nome de UM país que tenha distribuição de renda pior que a nossa e seja menos violento

OU

2- Me diga o nome de UM país que tenha nivel educacional melhor que o nosso e seja mais violento"

Xará, posso te mostrar diferentes países, uns com mais renda mas mais violentos, e outros com mais "educação", mas com mais violência? Vc ficará satisfeito? Entenderá de uma vez por todas que não é assim que a coisa funciona? Que vc está aqui confundindo correlação com causalidade? Que o nível de renda e educação não mudou nos EUA significativamente enquanto as taxas de criminalidade oscilavam bastante, por outros motivos?

C. Mouro disse...

Basta um exemplo bananéio mesmo:

Segundo o que diz o maluquete, podemos concluir que na época da tal ditadura militar o nível de escolaridade da população e o nivel derenda eram muito melhores que os atuais. Afinal, naquela época a bandidagem era mínima, sobretudo sob os primeiros milicos. Podemos ainda concluir que durante o Sarney a escolaridade e a renda eram muito melhores que atualemnte, e por assim em diante.
Portanto, como a bandidagem vem aumentando continuamente, e sobretudo no desgoverno Lulla, podemos concluir, segundo o que o maluquete diz, que sob Lulla o nivel de renda e a escolaridade diminuiram muito na população.

...hehehe!
O maluquete não poderá discordar disso.

E certamente que no sec XIX e início do XX, por exemplo, o nível de escolaridade e a renda da população até nos EUA era maior do que atualmente. Afinal, a bandidagem tem aumentado justamente nos tempos mais modernos, onde os trabalhadores têm muito mais "conquistas sociais" que no passado.

...hehehe!
Ansioso pelas explicações do papagaio maluquete que não se cansa de repetir a mesma ladaínha, por mais que seja refutada de diversas formas e por variados argumentos ...ele continua repetindo a mesma bobagem sem se dar conta.

Ansioso
C. Mouro

Rodrigo disse...

Por favor Constantino.

Rodrigo disse...

Ache países com MAIOR DISTRIBUIÇÃo de renda, e não MAIOR RENDA PERCAPITA, ou simplesmente MAIOR RENDA.

Rodrigo disse...

Um "liberal" brasileiro defendendo a ditadura? Que novidade...
Essa é fácil C. Moura, compare os níveis de violência em 1964 e em 1985. Deve ter funcionado muito bem políticas como esquadrões da morte, AI-5 e "ROTA na rua", até a corrupção, um dos alegados motivos para a deflagração da redentora, aumentou. Em compensação, até você admite que os milicos fizeram muita besteira na educação. Tá progredindo...

C. Mouro disse...

Xiiiiiii!!!! xixirixixiiiiiii!!!!

Já está até perdendo a graça.
Independente da asneira que falaste, por que não sugeriste uma comparação entre 64, ou 70, com 2006 ??? ...estou muito curioso para saber o motivo.
....hehehe!
Abs
C. Mouro

Rodrigo Constantino disse...

Rodrigo, a coisa tá ficando cada vez mais complicada para seu lado, será que vc não nota?!?!?!

PS: a distribuição de renda nos EUA não é das melhores não, vide Gini. Mas a criminalidade...

O cara não vai desistir!

Rodrigo disse...

Puxa vida, Constantino, se a coisa está ficando feia não é para mim.
Constantino, eu fiz duas perguntas simples e ninguém foi capaz de me responder.
O que voce quis dizer Constantino? Você leu minhas perguntas ou é analfabeto funcional? Eu te pergunto se há no mundo um país com maior desigualde de renda no mundo e que fosse menos violento que o Brasil, e o voce me responde? EUA!!! Por que? A desigualdade americana é maior que a do Brasil???????
Ou será que voce optou EUA por ele ter um nível educacional menor que o Brasil???
Huhahuahuahuahuauauhauauhuahuaha!!!!!!! Comédia!!!!!! Ainda vem falar de cegueira ideológica! Quantos absurdos voce vai ter de vomitar para ter de defender esse seu "liberalismo do criolo doido"?
Ô ideoligiazinha mais exótica!
Os EUA é o país mais rico do mundo, mas é o mais violento do G8. Por que será? Voce teria uma explicação? Eu estou louco para ve-la. Será que apenas violência serve para combater violência? Que diga os iraquianos, já que o melhor exercito do mundo, o mais treinado e equipado está lá para acaber com a violencia. Deve ser melhor que viver nos EUA, não é mesmo? Lá não falta nem tortura.
Cara, quando voce disse ue ia trazer países para me refutar, eu achei que voce ia ficar tentado a mostrar um Bahein da vida, mas não, logo os EUA, :)))), irrefutável, não?

Rodrigo disse...

C Moura

Eu somente peguei um exemplo de um época em que não faltou violência da policia, tortura, falta de habeas corpus e como foi a variaçã da violência nessa época...
Mas como explicar que voce viu alguma comparação com 2006? dislexia?
Deixa eu fazer uma pergunta bem fácil para você:

Considerando que durante o periodo de 1964 a 1985 havia torturas, prisões arbitrárias, desaparecimentos, o Habas corpus foi suprimido, ou seja não havia o que voce consideraria "moleza" nem da polícia nem da justica, a violência aumentou?
Responda sim, não e o por quê.

C. Mouro disse...

...hehehe! o papagaio desconexo continua papageando coisas desconexamente.

De 64 a 85 a bandidagem era incomparávelmente menor do que é atualmente, isso é um fato.
Por exemplo até pelo menos 1980 era tranquilo andar pela rua, bandido levava porrada da polícia e tinha vergonha de ser bandido. Lá por 1985 ainda era bem tranquilo, apesar dos ex-exilados estarem montando o crime organizado, organizando o tráfico de drogas e fazendo leis para proteger bandido safado e covarde.

Se escolaridade e padrão de vida reduzisse bandidagem, lá por 1900 a bandidagem seria muito maior, mas em tal época ninguém achava que bandido era consequencia da pobreza ou da falta de escolaridade. Bandido era tratado na porrada e era execrado pela população.
Então a bandidagem esquerdista com a igreja foi mudando até chegar ao que vemos hoje.

Se renda e escolaridade impedisse bandidagem, todo rico e culto seria santo, masi o que se vê é bem nascidos, endinheirados e escolados, se metendo em crimes até dos comuns. Até milionários, e autoridades de alta renda e alta escolaridade se metendo com bandidagem. Os chefes do tráfico não são pobres coitados da favela não.

...hehehe! ....Sofre pobre diabo, sofre ...hehehe! ...e repete o que escrevo desconexamente, mostra bem o que uma ideologia faz com a cabeça de tipos recalcados e pouco cerebro. .
...O que acontece contigo é o mesmo que com aqules malucos do islã, fanatizados numa ideologia idiota ficam com as mentes deterioradas ao ponto de se matarem enquanto os líderes vaidosamente aproveitam a vida que o Poder lhes dá. E se riem de imbecis como você, cegos, surdos mas que fazem um berreiro desconexo tal qual um pitiburro.

Pobres diabos, quando se tornar um adulto vai continuar do mesmo jeito, depois de jogar a adolescencia fora como cão de guarda ideológico.

Tsc tsc tsc. ...sofre, meu chapa sofre! ....hehehe!
Pois o doce sabor da razão você jamais conhecerá, terá que repetir sempre coisas desconexas ditas por outros, pois da sua mente deformada não sai nada.

Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Bom se não existe correlação entre desigualde social e violência ou educação e violência então é so simplesmente responder a pergunta...

C. Mouro disse...

Se existe correlação entre desigualdade social e bandidagem ou entre educação e bandidagem, então isso significa que os ricos e cultos são pessoas que nunca praticam crimes, nunca roubam, nunca mandam matar, nunca traficam drogas, nunca corrompem ou são corrompidos e etc.. Portanto, a acusação de que rico não vai para a cadeia é uma acusação idiota, afinal segundo tal correlação que você defende, os ricos não devem mesmo serem presos por serem sempre inocentes do que os acusam. E neste caso sua contradição ao reclamar da impunidade dos ricos torna-se ainda mais absurda, duplamente absurda:
você alega que punir não resolve mas quer punição para os ricos como solução; também afirma que é a baixa escolaridade e baixa renda (relativa) que leva o bandido "vitima da sociedade capitalista" para o crime, mas acusa os ricos de não serem presos.
Afinal???????

Você não respondeu porque fugiu da comparação entre o nível de bandidagem dos anos 60 ou 70 e os atuais índices. Pois que naquela época a bandidagem era mínima, e com a chegada dos socialistas ex-exilados ao Poder, preconizando carinho aos bandidos e fazendo leis para favorece-los, o crime se organizou e se tornou isso que atualmente se vê. Apesar de se dizer que atualemente o analfabetismo é menor e as "conquistas sociais" maiores. Além de leis brandas e inúmeras regalias para bandidos.

Como você explica isso???
Bem, você já até disse que a impunidade foi um presente do individualismo, mas não explicou como chegou a tal conclusão. Pode explicar agora?

Você nunca responderá nada, e ficará apenas repetindo até o que eu escrevo tão condicionado está a repetir coisas que não entende, e então fica desconexo e contraditório sem nem prerceber. O seu cerebro já esta deterioradao pela ideologia. Tal e qual o de um fanático do islã. Você está já condenado a falar coisas desconexas sem nunca responder nada.
Você repete coisas que escrevo sem dar-lhes coerência, pois as sensações que lhe causo você tenta causar. Mas vou lhe dizer algo útil:

Uma parede é feita de tijolos e massa, mas um amontoado de tijolos sujos não é uma parede. Ou seja, da mesma forma, as palvras compõe raciocínios, mas um amontoado de palavras não é um raciocínio. Portanto não adianta repetir palavras e expressões que eu uso sem dar-lhes a coerencia. Você nunca será como eu, me papaguear não vai adiantar - mas confesso que me repugna a oculta tietagem de tipos como você.

Veja bem:
Uma lavadeira com um prumo e uma colher de pedreiro nas mãos, não é um pedreiro. Assim, a única coisa que ele consegue é fazer um amontoado de tijolos sujos, nunca fará uma parede.

Seu cerebro está lavado pela ideologia que o induziu ao ódio à tal de "sociedade capitalista", como meio de alivia-lo de suas inseguranças/temores e frustrações (ao lançar a culpa daquilo que você é na "sociedade capitalista"). Isto feito, por mais que você odeie a sociedade e admire a bandidagem como um meio de vingar-se da tal "sociedade capitalista", por mais inocentes que os bandidos matem e roubem, você continuará sendo aquilo que é: um sujeito que usa o ódio à sociedade como meio de esconder de si as suas próprias frustrações. ...mas você sabe que não consegue, pode esconder sua verdade dos outros, mas não de si mesmo.
Sua tietagem não me traz orgulho não, ela até me constrange.

Lamentando que ainda no sec XXI se consiga lavar cerebros através de idologias
C. Mouro

Rodrigo disse...

Infelizmente, o colega acima parece ignorar todo o processo inflacionário, todo o processo de alta de juros, ou seja, todo o processo de estagnação econômica dos anos 80 e 90. E ainda vem querer discutir cegueira ideológica, piada. Presta atenção, você não consegue admitir que a violência aumentou durante o período da ditadura? Isso é como negar o movimento de pessoas do campo para a cidade e a posterior concentração de renda, simplesmente ridículo. Adiantou aquela brabeza da ditadura toda? Eu só lamento ter estragado seu conto de fadas...
O seu racionalismo é tão grande que voce prefere gastar mais dinheiro público com presídios do que com escolas. O seu comprometimento com sua ideologia maluca o faz negar que educação gera mais riqueza e mais pessoas capazes de usufluir desta riqueza. Belo racionalismo...belo liberal...huhauauauauhauha, comédia!

Rodrigo disse...

Ah, ricos cometem crimes sim! Mas tem dinheiro para pagar bons advogados!

Rodrigo disse...

Quando é que vão me responder aquelas duas perguntas?

Jabuticabo disse...

Alguém aqui ignora o que seja correlação.

Provavelmente diferentes polissílabos comunicariam semelhante inferência. Correlação, entretanto, pediria profundidade, matemática comprovadamente embasada.

(Puxa, faz tempo que eu queria escrever um parágrafo só com polissílabos).

Qualquer dia eu venho aqui e demonstro a correlação negativa entre violência e riqueza e entre violência e igualdade. Mas este é um exercício simples e saudável de se fazer. Basta um Google, uma Wikipedia e saco para ficar lendo tabelas da ONU e da CIA (ótima fonte de dados e de estatísticas).

Não é piedade ou pieguismo ou ideologismo no plural, é estatística básica. Para determinar a riqueza, é preciso contar o dinheiro, mas é comum no Brasil que só se consiga associar a riqueza, correlacioná-la, se quiser, com um simulacro dos salões de uma Paris que já não desde quando Toulouse-Lautrec era casto, a Paris que habitava o coração daqueles personagens do Machado de Assis.

Jabuticabo disse...

Faço coro com o outro comentarista e adiciono umas perguntas, já que eu sou comunista, ateu, e louco:

- Quando é que você vai responder as duas perguntas?

- Responde esta aqui, pode colar: o que é correlação?

Jabuticabo disse...

Sim, é impressionante que no séc. XXI os anos comecem com o algarismo "2", e alguém ainda goste de brincar de Mr. Hyde.

Rodrigo Constantino disse...

É triste que tenha gente que confunda ainda hoje correlação com causalidade. Gente assim acaba concluindo que a água mata, pois todos que bebem água um dia morrem. Ou fazem como um certo imperador, que mandou matar todos os médicos do seu império, pois descobriu que quanto mais doentes havia num lugar, mais médicos existiam lá também.

"Ah, ricos cometem crimes sim! Mas tem dinheiro para pagar bons advogados!"

Caramba! Mas não foi o próprio que afirmou que era a pobreza a CAUSA da criminalidade?!?!?!?! E agora o problema dele não é a existência de crime nos ricos, mas sim que estes podem pagar advogados!!! Inveja pura! Eu achei que ricos não cometeriam crime, pois a solução para a criminalidade estaria na riqueza. E agora o foco do sujeito é com o fato dos ricos CRIMINOSOS poderem pagar advogados!!!! hehehehe

Reginaldo Almeida disse...

Depois de ler 111 comentários ao post do Rodrigo Constantino, ainda não vi um comentário que não estivesse revestido de hermeticidade e refratarismo.

Entendo que aqui não estamos disputando quem tem o melhor argumento, e sim tentando expor o que pensamos e tentar convencer outras pessoas a respeito de um determinado tema.

Afirmo para os dois lados (ou três, eu nem sei mais) que ofensas recíprocas não levarão nem ninguém, nem a discussão a nenhum lugar.

Por que não simplificamos?

- Se a partir dos 16 anos uma pessoa pode decidir o destino de uma nação, penso que seja simplesmente uma isonomia de direitos de deveres, para não gerar uma assimetria entre os ônus e bônus de uma democracia.

- É fato que no Brasil a impunidade impera (entre pobres e ricos). Em lugar de prejulgar o outro lado, defendamos a aplicação equânime das leis

- É fato que a educação no Brasil (assim como a saúde, as estradas, os políticos etc) é péssima, vamos consertá-la!

Aplicação das leis e educação não são mutuamente excludentes. Temos que nos mover em ambos aspectos.

Quando C. Moura falou que mesmo sem educação as milícias estavam coibindo o crime, ele em nenhum momento defendeu as milícias, ele simplesmente mostrou que quando há coerção e punição(deveres do estado lamentavelmente terceirizados), o crime não impera.

Educação acaba com pobreza, coerção e punição com o crime. Pobreza pode ser um elemento que facilite o crime (não é condição sine qua non, tanto que há pobres honestos e ricos criminosos).

Então se pela combatemos o mau pela causa, eliminando a pobreza, via educação e geração de empregos (eliminar os impostos não estaria mal), urbanização e presença do estado, e pela outra ponta combater as consequências da criminalidade eliminando a impunidade com mais justiça, com justiça célere, melhor aparelhamento da polícia técnica (apenas 8% dos homicidios são elucidados em SP e 6% no RJ, se não me engano), melhores defensores públicos, quem sabe algo não mudaria.

Hoje um defensor ganha menos da metade que um promotor, isso está correto? Por que não haver uma vinculação entre população e o contingente de juízes, promotores e defensores?

O problema é o cobertor curto e o dinheiro mal-gasto dos contribuintes, em muita propaganda institucional, em um parlamento cheio de regalias e inoperante, em viagens inúteis dessa bobagem ideológica do Sul-Sul, e muito dinheiro gasto com ONG's duvidosas e omissas, que terceirizam a atividade nomeadamente do estado. E estou falando de qualquer governo, este do PT ou o anterior do PSDB.

Jabuticabo disse...

... eu ainda um pouco de domingo p/ conversar coceis ...

Se a partir dos 16 anos uma pessoa pode decidir o destino de uma nação, penso que seja simplesmente uma isonomia de direitos de deveres, para não gerar uma assimetria entre os ônus e bônus de uma democracia.

Eu acho que este argumento só vale se for com o "pacote completo": em última análise, todos os deveres legais de pais ou tutores e do Estado para com estes menores cessariam aos seus 16 anos, então você poderia fumar, beber, ir à escola se quiser, abrir uma empresa ou se casar, mas responderia pelos seus atos e precisaria ganhar o pão com o suor do seu rosto, a não ser que convencesse seus pais do contrário, se você os tiver.

Há quem seja partidário desta idéia, com base em conceitos libertários de respeito à independência e à individualidade. Eu acredito que esta experiência, nestes termos, não exista em lugar nenhum, que especialistas no mundo inteiro ainda não surgiram com uma proposta educacional ou social semelhante. Do exemplo de pessoas que não têm problemas de subsistência, vemos que é facultado a muita gente viver sem trabalhar até bem depois dos 18 anos, e que isto é importante para que aquele indivíduo continue a sua formação educacional.

Rodrigo disse...

Constantino, quando é que voce vai responder minhas perguntas?
Quanto a inveja, talvez. Mas voce fica cada vez mais ridiculo negando o obvio. Ou será que s melhores advogados só trabalham de graça? hehhehehehe
Para quem se arroga a dar palpite em todos os assuntos, não saber a diferença entre renda e distribuição de renda pega muito mal....

Rodrigo disse...

Quando é que vão me responder?

Rodrigo Constantino disse...

O pior cego é aquele que não quer enxergar. Vc pede exemplo de países com pior desigualdade que o Brasil e menos violência, e nós te demos exemplos DENTRO do mesmo Brasil, o que segura outras variáveis estatísticas. Fora isso, te disse que a distribuição de renda dos EUA não é boa, e basta ver o Gini. Mas ainda assim é um país com índice de criminalidade mais baixo que vários outros com melhor Gini. Fora isso, mostramos que vc mesmo afirma que os ricos roubam, e destila toda sua inveja pelo fato de poderem pagar pelos advogados, mas ao mesmo tempo diz que a riqueza é a solução para o crime! E sequer nota a incoerência!!!

Vc confunde correlação com causalidade. Eu posso inverter sua pergunta: mostre-me um país onde a IMPUNIDADE é maior que a do Brasil e o crime é menor.

Vc cita os EUA quando te convém, mas ignora que lá existe a maior população carcerária do planeta, que a renda não mudou substancialmente enquanto os índices de criminalidade oscilavam bastante, que crianças podem pegar prisão perpétua (algo que nem mesmo adultos estupradores, sequestradores e assassinos podem no Brasil) etc.

Enfim, xará, seus posts são um show de horrores! Vc precisa concatenar melhor as informações perdidas que pegou, e os chavões que repete sem reflexão. Chamar os pobres de criminosos é uma ofensa, e expõe, na verdade, o seu caráter - ou falta dele. Afinal, achar que alguém mata, sequestra ou estupra porque tem uma conta bancária pequena é algo absurdo!

Rodrigo disse...

Para os liberais que acreditam nos milagres do "Rota na rua" e dos anos da redentora, não custa repetir:

O melhor exército do mundo esta cuidando da segurança do Iraque, deve ser mais tranquilo que a Suiça por lá, não é mesmo? Já nem sei se isso é um exemplo de correlação ou casualidade! hehehehehe!

Tentar coibir o crime sem tratar com a desigualdede social e a educação é perda de tempo e recurso público.

Rodrigo disse...

Para os liberais que acreditam nos milagres do "Rota na rua" e dos anos da redentora, não custa repetir:

O melhor exército do mundo esta cuidando da segurança do Iraque, deve ser mais tranquilo que a Suiça por lá, não é mesmo? Já nem sei se isso é um exemplo de correlação ou casualidade! hehehehehe!

Tentar coibir o crime sem tratar com a desigualdede social e a educação é perda de tempo e recurso público.

Rodrigo disse...

Milicias é exeplo do que? Do que pode acarretar a falta de estado? Por que voce não me mostra um simples país?
Quer um exemplo de correlação? Qual o pais do G7 mais violento? Qual é o pais do G7 com pior sistema educacional? Qual pais do g7 com pior distribuição de renda?
E ainda vem mostrar este dado dos EUA como se fosse uma virtude. Comédia. Quem precisa concatenar as informações é voce camarada.

Rodrigo disse...

Milicias é exeplo do que? Do que pode acarretar a falta de estado? Por que voce não me mostra um simples país?
Quer um exemplo de correlação? Qual o pais do G7 mais violento? Qual é o pais do G7 com pior sistema educacional? Qual pais do g7 com pior distribuição de renda?
E ainda vem mostrar este dado dos EUA como se fosse uma virtude. Comédia. Quem precisa concatenar as informações é voce camarada.

Rodrigo disse...

Vai me responde quando? è só um país...

C. Mouro disse...

Bem, penso que já está perdendo a graça e então está na hora, afinal o tipo já mostrou o que é.

Se quer apenas um país com desigualdade de renda e menos bandidagem do que o Brasil, então...
Kwait, Arábia Saudita, IRAQUE do Saddam... quer mmais?

Bem, para reforçar posso citar todos os países, por exemplo no inicio do sec XX, qundo o nivel de escolaridade e a pobreza eram maiores que atualmente. Afrinal um pobre da época não tinha geladeira, nem luz, nem água encanada e etc. (as favelas cá do Br lá pelos 50/60 assim eram, os favelados pegavam a agua em latas na cabeça) E mesmo assim a bandidagem era incomparávemente menor, meros batedores de carteira que pegos se envergonhavam de serem safados. Atualmente os safados se gabam com a safadeza, e até os burros exibem sua estupidez como um troféu. Ou seja, no caso da bandidagem é um problema de punição e de permissividade moral também: os bandidos estão excessivamente tolerados em termos de punição e de moral (a moral do "amar o inimigo" e "não julgar").

Quanto a dizer que na contra revolução de 64 havia mais bandidagem que atualmente, é já maluquice mesmo.

Mas eu agora também vou inverter a pergunta, pois já respondi: me cite um único país, que havendo PUNIçÂO EFICIENTE E RIGOROSA para a bandidadem há tanta bandidagem quanto no RJ ou SP?
Em que lugar do mundo assaltantes, sequestradores e ladrões andam livremente pelas ruas fazendo arrastão? em que lugar os bandidos fazem blitz para assaltar motoristas? em que lugar os bandidos atacam delegacias e caçam policiais? ...será o brasil o país dos mais pobre, desigual e ignorante do mundo? ...pode me responder?

Ora, no Iraque do Saddam nem os xiitas, seus inimigos, levantavam a cabeça. Mesmo o fanatismo religioso não conseguiu. O fato era que se os líderes xiitas mandassem seus imbecis contra o Saddam, Saddam iria atrás deles, dos líderes, e daria um "tratatamento exemplar". Daí que só agora os líderes mandam seus imbecis de cerebros lavados atacarem como terroristas, pois sabem que agora nada lhes acontecerá.
.
Mas que asneira!
"O melhor exército do mundo esta cuidando da segurança do Iraque, deve ser mais tranquilo que a Suiça por lá, não é mesmo?"

Bem, o tal exercito só por colocar umas calcinhas em partidários de Saddam, possíveis terroristas, deu um trólóló danado... isso é rigor para combater terroristas?
Ademais, o assunto é de bandidagem, de ladrões, estupradores, sequestradores e assassinos que se dedicam a tais práticas como meio de vida, CPONTRA SUAS PRÓPRIAS POPULAÇÕES. O assunto não era de política e sim de bandidagem. Mas mesmo assim a punição funciona se for implacável.
.
Agora que já respondi após apresentar variados argumentos contra sua teoria, peço que responda pelo menos a minha pergunta anterior, já que não respondeu nenhuma das muitas, e bota muitas, que fiz nestes comentários.
Como fez o Constantino, eu inverto a pergunta. E reforço minha resposta: quer que eu cite mais países?

Se não responde sequer uma pergunta então.....

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

E quanto ao, também, ajbuticaba, que diz:

"Se a partir dos 16 anos uma pessoa pode decidir o destino de uma nação, penso que seja simplesmente uma isonomia de direitos de deveres, para não gerar uma assimetria entre os ônus e bônus de uma democracia."

Ora, se o que se está preconizando é a maioridade numa menor idade, se está defendendo exatamente direitos e deveres iguais aos do considerado maior somente aos 18 anos. Ademais, é absurdo se considerar que um sujeito de, por exemplo 14 anos, não saber que matar, roubar, sequestrar e estuprar é errado. É claro que ele sabe disso. Porém, não creio que necessáriamente entenda de economia e administração pública o suficiente para votar. Ou será que um sujeito de , p/ ex., 16 anos, já tem experiencia de vida e reflexões suficientes para julgar quem deve ser um legislador ou governante?

Realmente o notório cientista tem razão:
"somente o universo e a estupidez humana são infinitos. E eu nem tenho certeza sobre o primeiro."

Abraços
C. Mouro

Se poucos opinam, se omitindo, estes tipos consideram que estão enganando. Pois, como bom ideológicos, se apoiam na visibilidade, na quantidade, e não na consciência. A "consciencia" deles é a opinião mais visível, mais barulhenta, mais frenética. É o que imaginam como senso comum, ou aquele que lhes é alardeado como tal. Porém, a maioria e nem mesmo o maior consenso é prova de verdade.

Rodrigo disse...

Ué será que o C Moura é analfabeto? De onde ele tirou que ou comparei is indices atuais de violencia atuais e os de 1964? Só a dislexia para explicar esse caso.
Vou repetir, (talvez deva ser por isso que ele me chama de papagaio, mas se ele tem dificuldade de leitura, fazer o quê), a violencia entre 1964 e 1985 aumentou ou não? Porque esta foi uma época em que as liberdades individuais foram suprimidas e a policia tinha autonomia para prender julgar e executar a sentenças, não custa repetir, o habeas corpus foi suprimido, havia tortura e o que adiantou tanta brabeza? Só me diz se aumentou ou não a violência neste período.
Engraçado voce vir dizer que no inicio do século deveria ser mais violento pois o nivel educacional era menor. Demontra uma certa ignorancia de que na época as maiores cidades tinhas no máximo 100 mil habitantes e Rio e São Ué, será que o C Moura é analfabeto? De onde ele tirou que ou comparei is índices atuais de violência atuais e os de 1964? Só a dislexia para explicar esse caso.
Vou repetir, (talvez deva ser por isso que ele me chama de papagaio, mas se ele tem dificuldade de leitura, fazer o quê), a violência entre 1964 e 1985 aumentou ou não? Porque esta foi uma época em que as liberdades individuais foram suprimidas e a policia tinha autonomia para prender julgar e executar a sentenças, não custa repetir, o hábeas corpus foi suprimido, havia tortura e o que adiantou tanta brabeza? Só me diz se aumentou ou não a violência neste período.
Engraçado você vir dizer que no inicio do século deveria ser mais violento pois o nivel educacional era menor. Demonstra uma certa ignorância de que na época as maiores cidades tinhas no máximo 100 mil habitantes e Rio e São Paulo tinham no máximo 1 milhão de pessoas. A grande maioria das pessoas vivia no campo e tiravam dali o seu sustento. Também naquela época não era necessário ter um nível educacional elevado para ter um emprego que possibilitasse a sua sobrevivência, sem falar que a concentração de renda era um pouco melhor naquela época. Agora querer comparar aquele tempo com hoje em dia, em que você precisa de 2º grau para ser ascensorista de elevador, é no mínimo prova que você precisa ”concatenar melhor” as informações que você usa.
Agora, responder a minha pergunta com Arábia, Kuwait e Iraque, é piada, tirando o Iraque que está em guerra, enfrenta uma ocupação, a Arábia e o Kuwait têm distribuição de renda pior que o Brasil? Que piada! De onde você tirou isto.
Se você nega que a educação diminui a pobreza e a violência, você pode ser tudo, menos liberal.

Rodrigo disse...

que lugar do mundo assaltantes, sequestradores e ladrões andam livremente pelas ruas fazendo arrastão? em que lugar os bandidos fazem blitz para assaltar motoristas? em que lugar os bandidos atacam delegacias e caçam policiais? ...será o brasil o país dos mais pobre, desigual e ignorante do mundo? ...pode me responder?

Se voce me responder quem são os paises de maior desigualde no mundo, eu até me dou o trabalho de responder....

Rodrigo Constantino disse...

Pobre Rodrigo. Quando se vê num buraco, cava ainda mais fundo!

Xará, veja que antes vc diz que a pobreza leva ao crime, depois reclama dos ricos criminosos que podem pagar advogados, e agora insiste que não é a pobreza que gera o crime, mas a pobreza RELATIVA, ou seja, um país de RICOS mas com maior desigualdade (EUA) teria que ser mais violento que países miseráveis com melhor distribuição. O Gini, que tenta medir essa desigualdade, coloca os EUA, com índice 45, acima da Índia ou Indonésia. E então? A Argentina está lado a lado com os EUA. Será interessante vc tentar traçar uma correlação (nem vou falar em causalidade) entre Gini e violência. Vc já fez isso, para afirmar com tanta veemência que a desigualdade é CAUSA da violência?

Rodrigo, sinceramente, vc está metido numa enorme confusão mental, com conclusões contraditórias às suas próprias premissas! Respire um pouco, reflita, e tente refazer suas idéias, com base nos fatos e na lógica.

Rodrigo disse...

Quer punição mais rigorosa que o maior exército do mundo está fazendo no Iraque? Está funcionado?


Bem, o tal exercito só por colocar umas calcinhas em partidários de Saddam, possíveis terroristas, deu um trólóló danado... isso é rigor para combater terroristas?
Ademais, o assunto é de bandidagem, de ladrões, estupradores, sequestradores e assassinos que se dedicam a tais práticas como meio de vida, CPONTRA SUAS PRÓPRIAS POPULAÇÕES. O assunto não era de política e sim de bandidagem. Mas mesmo assim a punição funciona se for implacável.


E dai? Os EUA não tem o melhor exécito do mundo? Tá faltando repressão e violência, por lá? Tá uma Suiça por lá?

Quer só um exemplo? Na Holanda (entre outros países da Europa), voce pode consumir maconha, haxixe e outas cositas mas numa boa, enquanto nos EUA e no Brasil não. Qual dos três tem maior indice de criminalidade. E a Holanda, seria um exemplo de país liberal?

Rodrigo disse...

É mesmo, Constantino? E o nivel educacional dos Eua é pior que Indonésia ou India? Eu desconfio que estes paises estão com uns 100 anos de atraso com relação aos EUA neste quesito...

Rodrgio disse...

Antes que esqueçam:

1- Me diga o nome de UM país que tenha distribuição de renda pior que a nossa e seja menos violento

OU

2- Me diga o nome de UM país que tenha nivel educacional melhor que o nosso e seja mais violento

Quem vai me responder?

C. Mouro disse...

...hehehe! ...bingo!

Reproduzo a pergunta feita há muitos comentarios atrás:
Por qual motivo você se recusa a comparar a pandidagem na época dos milicos com a atual??? ...essa é uma pergunta que eu gostaria de saber a resposta.

Bem, em 64,65 e 70, por exemplo, a bandidagem era menor que em 1985. Não havia tantos bandidos assaltando e matando inocentes pelas ruas, como profissionais do crime.
Contudo os socialistas totalitários, que atualamente estão no Poder defendendo seus iguais do "banditismo privado", é que praticavam assaltos, sequestros e assassinatos em nome do socialismo. Porém, estes não eram "pobres excluídos da sociedade capitalista" eram mais das vezes abastados revolucionários. Os pobres trabalhavam e produziam, queriam paz e apoiaram vigorosamente a tal "ditadura miltar". Os tais revolucionários - bandidos safados - eram bem nascidos. Muitos eram da fina flor da "zelite". ...hehehe!

É SEMPRE BOA A OPORTUNIDADE DE COMENTAR COISAS IGNORADAS NORMALMENTE.

REFORÇO ENTÃO A IDÉIA DE SE GUARDAR ESTES E OUTROS COMENTARIOS DE OUTROS ARTIGOS, FAZER UMA APOSTILA E DISPONIBILIZA-LA PARA CONSULTAS SOBRE A FORMA QUE SOCIALISTAS DEFENDEM SEU BESTEIROL.
sE ISSO FOR FEITO, AJUDARÁ MUITO ÀS IDEIAS DE LIBERDADE IGUAL PARA TODOS.

DISPONIBILIZAR ESTES "CONFRONTOS" É UMA ARMA POTENTE CONTRA ESTES TIPOS ABSURDOS, QUE PROVOCADOS PRODUZEM UM FESTIVAL DE ASNEIRAS DE CORAR ATÉ AS PEDRAS, MAS NÃO A ELES.

...HEHEHE!
Não disponibiloizar coisas deste tipo é desperdiçar oportunidades.

Abraços
C. Mouro

Rodrigo Constantino disse...

Esse aí é como os japoneses na guerra: não vai capitular por nada desse mundo!

Antes era a pobreza, depois a desigualdade, agora a educação, caramba! O sujeito precisa decidir! Ao mesmo tempo, o rapaz destila todo seu ódio aos RICOS E EDUCADOS criminosos, que podem pagar por advogados. Mas cáspita!, os ricos e educados são criminosos COMO, se a solução para o crime, na cabeça dele, é justamente a riqueza e a educação?! Silêncio.

Suas perguntas já receberam diversas respostas, Rodrigo. Vc não quer enxergar. É um cego voluntário. Fora isso, te foi perguntado sobre países com menos IMPUNIDADE que o Brasil e mais violência. Silêncio.

Vc confunde correlação com causalidade, e sequer tem a correlação ao seu lado, pois estou te pedindo para que vc mostre a correlação entre Gini e criminalidade, mas nada de resposta.

Siga meu conselho. Respire fundo, pare um pouco de cuspir tanta coisa sem a devida reflexão, busque refutar suas crenças, com fatos contraditórios e lógica, e não racionalizar suas emoções. Não repita tantos chavões. Enfim, PENSE!

C. Mouro disse...

Porra!
A questão era punição para bandidagem. Mas o tipo levou tanta bordoada que agora já se vale da vaguesa do termo "violência".
...hehehe! não adianta nem responder mais vezes, já que o tipo "arranhou o disco" e cego permanecerá no "samba de uma nota só", sem opor um único argumento contra o que já lhe foi exposto.

Reafirmo, seria ótimo disponibilizar estes comentários para consulta. A fim de se exibir claramente como (não) funcionam as mentes destes tipos. Este seria um excelente argumento contra as idéias socialistas.

Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Ah, exite punição eficiente sem antes haver distribuição de renda e educação? Aponte exemplos.
No Brasil, essa punição existe?
Se não, o que será que deveria ser feito para assim possamos ter?

Rodrigo disse...

E eu dou um conselho a voce, Constantino. Não adianta querer confundir os argumentos, nem desqualica-los. Se não concorda, arrume argumentos e se explique!

C. Mouro disse...

Rodrigo nCnstantino,
oque se pode esperar de um tipo que afirma que a impunidade foi um presente do individualismo; para maldize-lo, e ao mesmo tempo defende a impunidade por considerar a punição ineficaz, até injusta talvez. E questionado a desenvolver seus fiundamentos.... ...silêncio e repetição histérica de bobagens desconexas, valendo-se mesmo de expressões e frases ditas por outros, e que considerou de efeito. ...o tipo chegou a dizer que os liberais são parasitas do estado.... pô!? ...querer mais oquê?

Tão condicionado está a reptir coisas que repete até o que lhe dizem, porém de forma desconexa.

"uma lavadeira com um prumo e uma colher de pedreiro nas mãos, ainda será uma lavadeira. E o máximo que conseguirá, será fazer um amontoado de tijolos sujos"
Da mesma forma, ao repetir o que outros dizem, tentando ser tão certeiro quanto, acaba não conseguindo compor nenhum raciocínio, mas apenas um amontoado de palavras, que não passam de um amontoado de asneiras.
...mas ele sofre com as "GPFs" mentais. Eles sofrem prá caramba! ...mas é merecido, é a punição.
...hehehe!

Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Huahuahauhauauhauhaua! Então toda a culpa do criminalidade era culpa dos comunistas!
huahuahauhua
Faz o seguinte, tenta fazer um mestrado ou doutorado sobre o assunto então. Se por uma dessas incontáveis injustiças da vida voce não conseguir então escreve um livro e o divulgue bastante, não fica só nesses grupinhos de "liberais" que só escrevem deles para eles mesmos. Aí eu qyero ver se você tem coragem de passar ridículo. Tomara que não tentem cassar seu diploma de economista...

C. Mouro disse...

....hehehe!
eu já fiquei, há muito tempo atrás, numa discussão com um tipo deste por algo perto de um ano. Ao fim de uns meses eu já previa o que o tipo escreveria, o que repetiria, as frases e expressões, e sempre dava um jeito de indica-lo antes, para mostrar a ele. O tipo ficou tão doidão que por fim chegou a absurdos tão grandes (ele chegou a copiar parágrafos inteiros de forma tão desconexa que me deu até pena.
Ou eu estou enganado ou .... ...perceba-se o seu comportamento, vai ficar cada vez mais desequilibrado, mesmo eu apontando antes.
Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Eu tenho ódio? Peraí, mas quem é que está cego pela ideologia aqui?
Quem faz as leis no Brasil? Aparentemente como vivemos em uma democracia, o parlamento, não é? Os juizes seguem ou não seguem essas leis? E os ricos, não tem dinheiro para pagar bons advogados?

Tente responder isso....

Rodrigo disse...

vão me responder ou não?

C. Mouro disse...

...hehehe!

Rodrigo disse...

hehehehehehe! Não tem resposta né?

Jabuticabo disse...

Ok... já basta só o Corinthians botando a várzea em campo toda a semana...

Felizmente, creio que nenhum governo deverá rever a maioridade penal no Brasil nos próximos muitos anos.

Quem quiser discutir comigo, dê uma passada no fator jabuticaba. O blog voltará à atividade assim que terminarem as buscas na cratera em SP (não, eu não tenho nada a ver com o acidente nem estou perto dele).

C. Mouro disse...

...hehehe!
Tem que espernear mais para eu me sentir motivado.
Se não espernear mais, nada feito
...hohoho!

Abs
C. Mouro

Jabuticabo disse...

Espernear, não, mas que tal um comercial só para você?

"
justificar o injustificável,
defender o indefensável,
corrigir o incorrigível,
evitar o inevitável,
provar o improvável,
fazer o infactível,
resistir ao irresistível,
alienar o inalienável,
beber o imbebível,
esquecer o inesquecível,

Não dá pé, mas eles ainda tentam!

tcha tcha tcha thcaaaan.....

Você tem curiosidade de ver o que o 'outro lado' pensa? Ou acha que pensa?

Você sempre quis saber como um comuna petralha e estatolatra macabro e rent-seeker descarado tenta encadear o seu pobre poder de raciocínio, de onde ele retira as suas palavras de ordem? Que tal acompanhar em primeira mão o processo de aplicação de cartilhas maoístas e trotskistas a todos os aspectos de uma vida?

Então não perca o FATOR JABUTICABA!!!

Se isto tudo não lhe interessar, pense que é como ir a um atirador de facas de circo ... quando você já sabe que ele vai errar!!
"

C. Mouro disse...

???????????

"tenta encadear seu pobre poder de raciocínio" ...mas pelo que aqui se pode perceber, nem tenta encadear.
Ademais, o próprio Marx é a maior prova disso. Seu besteirol bem demonstra, pelas contradiçoes, falsificações e invencionices de seu catecismo imbecilizante, que seus discipulos e simpatizantes são incapazes de raciocinar. Por isso Marx não se importou com a explicação do fucionamento de suas "proposições". Nem mesmo esclareceu como eliminaria o que chamou de "mais valia", e muito menos como funcionaria seu "comunismo". Ele fez sua ideologia para seduzir descerebrados e imbecis, algo para ser "bebido" por recalcados cheios de ódio da sociedade tamanha a frustração consigo, atuando apenas para produzir revolta invejosa do que razões.

Adriana Vandoni foi precisa num caso:

"Lula era um líder sindical. Sim, isso é indiscutível. Mas quem o transformou em um líder que defendia uma ideologia foi uma meia dúzia ou mais de intelectuais marginalizados pelo regime, que para passarem a existir politicamente, precisavam de um Ser com algumas habilidades: ser um bom orador para a massa de trabalhadores, que falasse a língua do povo sem compromisso com a teoria. Alguém que não possuísse capacidade de percepção de riscos e que se mostrasse tão destituído de idéia que conseguisse burlar a rígida Lei de Segurança Nacional e passasse pelo sistema sem representar uma ameaça. Alguém que mesmo com restrita habilidade intelectual, possuísse capacidade de reprodução, isto é, poderiam colocar na cabeça dele o que deveria fazer ou falar."

E assim fazem os tais "intelectuais" com o rebanho militante. Eles são capazes apenas de repetir e inventar asneiras, não possuem coordenação mental. Seus cerebros são lavados aproveitando-se da inveja e frustrações. Fazem com que odeiem a sociedade que os frustra para faze-los obscurantistas. Por isso EM TODO LUGAR QUE OS SOCIALISTAS SE IMPUSERAM PELA FORÇA DE SEUS REBANHOS, SÒ SE VÊ MISÉRIA E SERVIDÃO. EM TODO LUGAR! não escapa um.

A coisa funciona EXATAMENTE como no caso dos muçulmanos fanáticos: eles são imbecilizados pela ideologia.
Eu continuo afirmando que estes comentários são um ótimo exemplo de como (não) funciona as mentes de tipos ideológicos.
E já fiz uma apostila com estes comentários para disponibilizar aos amigos e interessados, para que vejam de forma "nua e crua" a mente de socialistas.
Lulla, o apedeuta, é a elite da espécie, um líder natural de tal espécie. Imagine que interesse me pode despertar os "barnabés" da "raça" ...nenhum ...hehehe!
Aqui já tenho o bastante.

Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

C Moura e os seus argumentos fantásticos!
Vai me responder quando?

Em tempo, as milícias, o grupinho que voce tanto defende, já começaram a traficar drogas. Já está ficando chato, mas desculpe acorda-lo dos seus contos de fadas novamente

C. Mouro disse...

...hehehe!

Rodrigo Constantino disse...

hehehehe

tá engraçado mesmo!

Rodrigo disse...

Engraçado é ver que depois de uns 3 dias nenhum dos dois conseguiu dar o nome de um pais sequer...e haja racionalismo!

Jabuticabo disse...

E quem está falando do Lula ou do Reynaldo Azevedo?

C. Mouro disse...

...hohoho!

Rodrigo disse...

Tá loquinho, coitado... Já não tem nem tenta argumentar mais. Deve ter surtado depois de saber que as milícias traficam drogas...tô até com remorso de ter acabado com o conto de falas dele...ô dó!!!!

hehehehe

C. Mouro disse...

Que se preste atenção, atentando para os comentários feitos; vai dar "na cabeça"...

Aíê!...esse papo de "tá loquinho" é coisa de veado. ...ainda mais essa, pô!
...coisa de fruta.
...hehehe!

Rodrigo disse...

hehehehe, levou quatro dias para me chamar de veado? Puxa, já tava até estranhando. Agora só falta me chamar de feio, dizer que eu tenho chulé e sair chorando atrás da mamãe.
Se bem que não sou eu que tenho essa síndrome de donzela, morrendo de medo de ter sua honra violada pelo pérfido adolescente malvado, louquinha para ser salva pelo rude cavaleiro miliciano. Ah, esses contos de fadas...

Jabuticabo disse...

Ah... agora eu li todos os comentários aqui... GPFs mentais... Windows.

Chamar alguma coisa de GPF é, sob o ponto de vista técnico, uma avaliação de muito pouca competência. GPF significa general protection fault, uma falha genérica de proteção, coisa do modo protegido de acesso à memória de processadores X86. Outros sistemas operacionais identificam o problema e dão um erro mais preciso, acompanhado de um dump do core do sistema em um arquivo.

C. Mouro disse...

Bem, Rodrigo (não o brilhante Constantino), como você já trouxe à baila as projeções freudianas, que atribuem a outros as próprias idéias, cabe aqui uma explanação que lhe será útil em seus problemas, já bem visíveis no seu comportamento.
Fantasias, ou contos de fadas, que você acalenta, e agora em mim projeta, é algo um tanto explícito, eu diria um bom exemplo freudiano. Possivelmente, em conformidade com o “apocalipse marxista”, você sonha com a bandidagem ajudando a fazer a revolução socialista para salvar os “virtuosos e oprimidos” da “sociedade burguesa” e implantar o milênio socialista. Com isso torna-se um defensor de bandidos, tentando livra-los, então, da culpa que você sente ao justifica-los em sua bandidagem. Isso é sinal de que há em sua mente uma “GPF”, onde a razão entra em conflito com a sua “verdade” desejada (“bandidos são meras vítimas, e não tipos repugnantes”) por opor-lhe o julgamento racional que atribui demérito à bandidagem. Na mesma linha você tende a chamar de bandidos àqueles que combatem ou difamam os bandidos – mesmo quando apenas passam o rodo nos bandidos. Há também uma vontade de igualar os “adversários” a si mesmo, a fim de tentar não sentir-se tão diminuído, projetanto nos adversário aquilo que lhe provoca culpa, quiçá até repulsa por si mesmo.
Ou seja, o seu “conto de fadas”, a fantasia que acalenta, é o próprio “apocalipse marxista” (Marx forneceu o conto que encanta os recalcados e inseguros).
.
Confirmando o seu caso freudiano, podemos percebe-lo também na questão sexual.
Vejamos, em todos os seus comentário você me chama de “C. Moura”, quando é C. Mouro. Isso é já algo inconsciente que o faz projetar tolamente uma pretensa atribuição feminina aos outros, sobretudo naqueles que odeia. Ou seja, se sente-se culpado, sujo talvez, por seus sentimentos anormais e tende tentar atribui-los a outros, mesmo que seja de forma tão tola (em todos seus comentários). Mas isso dito assim, parece uma mera acusação um tanto infundada. Porém, seu temor, já manifestado anteriormente nestes comentários, de que eu o chamaria de veado confirma plenamente tal temor, de assim ser percebido. Certamente a culpa que carrega por tais sentimentos o faz temer que alguém os explicite para percepção geral. Devido a isso tenta antecipadamente caracterizar essa possibilidade, que o atormenta, como uma falsidade proferida levianamente por “adversários”, a fim de proteger-se dela, proteger-se da verdade que teme exibida à contemplação geral. Ou seja, por julgar desmerecedores esses sentimentos que acalenta, tenta neutralizar a percepção alheia através da troça, simulando destemor exatamente por apavorar-se diante da possibilidade de constatação de tal fato pelos demais, caso fosse explicitado. Sinal incontestável de que teme a opinião alheia tanto quanto a própria, ou mais até. Daí que, enrustido pela inconformidade, quer esconder dos outros aquilo que não consegue esconder de si. Simulando desprezo por aquilo que teme. A fim de desestimular que seja explicitado.
Schopenhauer teceu bons comentários sobre esse temor da opinião alheia, até percebendo-os tolos. Pois o que deve mesmo contar é a opinião do indivíduo sobre si; nem tanto a dos outros.

Eu creio que o temor exagerado da opinião alheia caracteriza uma opinião insatisfatória sobre si. Contudo, penso que certos valores morais arbitrados não são algo que se deva levar em consideração, e muito menos temer. Pois, racionalmente analisados, nem sempre são deméritos reais (ou racionais) para o indivíduo. Assim, aquilo que não faz mal a ninguém não deve ser motivo de vergonha, ou de uma visão ruim de si, mesmo que a tal “sociedade burguesa” assim considere, ou pareça considerar segundo os conceitos arbitrários que possa parecer pertinentes ao senso comum.
Ou seja, caro Rodrigo (que não o brilhante Constantino).... solte a sua franga e tente ser feliz. ...hehehe!
...ou isso será mais uma coisa a frustra-lo e faze-lo assim tão desconexo e cheio de ódios injustificados.
Pode até ser que, também, nessas “projeções” você acabe transferindo para a “sociedade burguesa” ou “sociedade capitalista” o ódio que sente de si mesmo, por inconformar-se com seus sentimentos, tornando-se um obscurantista.
Não se atormente com as “GPFs” mentais e deixe que a verdade ocupe o lugar que lhe é de direito, em vez de tentar manter “verdades” que, inconscientemente, sabe falsas.
.
Atente para o fato de que estas “GPFs” mentais acabam prejudicando totalmente o seu discernimento, e a consequência disso é o que se pode ver aqui nos seus comentários: um festival de absurdos, deturpações, delírios, percepções falsas e asneiras das mais variadas. Se você não tentar livrar-se de seus medos e desejos fantasiosos, seu estado mental vai piorar muito ainda. Se bobear acaba igual a um daqueles lunáticos muçulmanos, incapazes de raciocinar sobre certas questões.

E para eu não perder o hábito... ...hehehe! ...lhe digo que você jamais será uma mocinha a ser salva da “sociedade burguesa” pela ação da bandidagem.
...Conforme-se com isso ...hehehe!
.
Obs.:
1 - no fim das contas, até uma baixaria acaba dando bons frutos ...hehehe!
2 – atente para sua histeria em repetir os mesmo comentários para encher linguiça e prejudicar os comentários. Perceba que você, talvez inconscientemente, deseja apenas conturbar as questões e tornar os comentários o mais desinteressantes possível. ...E ISSO REVELA TEMOR PELO QUE NELES ESTÁ CONTIDO.

Abraços.
C. Mouro

Anônimo disse...

Vale lembrar que se o ECA fosse MESMO colocado em prática, talvez estes crimes praticados por menores fossem se extinguindo.

Uma criança que aos 7 anos de idade está no meio de uma metrópole caótica não premedita: "vou cometer roubar aquela moça porque o estatuto me protege", ele não deve ter esse raciocício. O ECA não existe para ele (muitas outras leis não têm sua teoria aplicada).

A lei deles é outra. Será que os funcionários das FEBENS, por exemplo, respeitam as regras do ECA?

Esses menores não tiveram pais responsáveis para educa-los. Todos eles vêm de famílias desajustadas socialmente ou nem têm família. Aí o Estado cria leis para ajuda-los mas como isto aqui é o Brasil, as leis não se aplicam, nada funciona. A lei que eles conhecem é tomar porrada da polícia, ir para presídios infantis cheios de EUFEMISMO e muita violência.

Anônimo disse...

Engraçado é achar que a diminuição da maioridade penal resolveria ou amenizaria o problema da violência praticada pelos menores.

Pois os maiores são imputáveis (é assim que escreve) mas não deixam de praticar crimes.

Trocar a FEBEM por cadeias de delegacia resolve alguma coisa?

Rodrigo disse...

Gostaria mesmo de saber onde disse que espero um "apocalipse marxista", ou que defendo bandidos. Que eu saiba quem defende assassinos e traficantes de drogas é você.
Faz cinco dias que pedi a exemplo de paises menos desiguais ou mais educados que fossem mais violentos que o Brasil. Voce teve sua chance. Bastava dizer um país. Se fosse fácil, se não houvesse correlação entre educação e violência, era só gastar 15 minutos no Google e pronto, voce poderia me responder. Como voce não foi capaz de me mostrar um exemplo empírico de lugares onde se reduziu a violência, de preferência mantendo a democracia, sem antes melhorar a renda e a educação do povo. Poderia ter dito algo sobre o "Tolerancia zero" de NY, mesmo demostrando ignorancia quanto ao fato dos EUA estar uns 150 anos adiantado do Brasil com relação a educação, sem falar da distribuição de renda, além de desmonstrar ignorancia quanto a totalidade e inovação das medidas adotadas, bem como dos resultados efetivamente obtidos.
Mas voce não me surpreendeu, repetiu a velha cantilena histérica, que voce tem todo direito de defender, afinal, graças a deus, e não a pessoas como você, vivemos em uma democracia. Tem direito inclusive a denfender suas idéias, por mais contraditórias que sejam ao oque voce diz defender ou por mais irracionais e absurdas que sejam. O que é engraçado é ver voce se dizer liberal, mas defender soluções que mais se parecem com medidas adotadas em países dos quais voce mais odeia com Irã e Arábia Saudita do que em países desenvolvidose ditos liberais.
Também é engraçado ver alguem que alega ter um suposto racionalismo e quando confrontado com argumentos, adota a argumentação de desviar o assunto da discussão ou simplesmente chamar o outro de veado. Resumindo: Você é uma fraude. Se diz liberal, mas odeia a democracia, se diz racional mas é incapaz de argumentar e é mais bitolado que os fanáticos muçulmanos que tanto critica. E ainda vem falar que o maior exemplo de impunidade são os menores infratores, enquanto o Pimenta Neves esta solto, Nicolau na casa dele, Cacciola curtindo um vinho em Roma. Piada! Haja racionalismo.

Rodrigo disse...

Talvez a FEBEM já seja uma cadeia

C. Mouro disse...

...hehehe!
Penso que meu último comentário calou fundo. ....hehehe!

hehehe! ...sintomático!
Abs
C. Mouro

Rodrigo disse...

E o Palmeiras, hein? Não tem pra ninguém!

C. Mouro disse...

Antes de viajar, uma análise:

Vejamos:
1) O assunto é sobre menores criminosos.
Refere-se ao fato de indivíduos praticarem violações dos direitos alheios a fim de obter vantagem, então praticando crimes.

2) Foi dito que a impunidade favorece a que indivíduos de má índole pratiquem crimes. Isso posto, considerou-se que havendo maior punição a criminalidade diminui.

3) Em contrário foi dito que a impunidade não exerce influência na criminalidade, e sim a pobreza e a falta de escolaridade são sua causa.

Então:
A) Por um lado se advoga que as punições devam ser severas e certas (garantidas) para os criminosos. A fim de que estes se controlem em seus impulsos nocivos à sociedade (aos membros da comunidade).

B) Pelo outro lado advoga-se que todos os indivíduos são de índole pacífica e, portanto, o motivo de se dedicarem à prática de crimes lhes é externa. Ou seja, os criminosos não o são por opção consciente, mas induzidos, talvez coagidos, pelo sistema econômico a tais práticas.

- No primeiro caso defende-se que a solução é não só a punição física, mas, no meu entender, principalmente a punição moral, ou explícito repúdio dos cidadãos aos criminosos. Desta forma seguindo um critério de retribuição às ações criminosas como prática, principalmente, da justiça, e ainda uma prática utilitária no sentido de desestimular os crimes contra vítimas inocentes.

- No segundo caso, defende-se que a solução é prover as necessidades dos indivíduos e oferecer-lhes instrução escolar a fim de que se dediquem ao trabalho honesto como meio custearem a própria existência. Em tal solução alega-se almejar aquilo que arbitram como “justiça social”, em detrimento da liberdade igual para todos. Pois, de fato, arbitra-se que a livre relação entre os indivíduos resulta no que denominam “injustiça social”. Ou seja, consideram que a liberdade produz “injustiça social” ao levar a resultados diferentes para indivíduos diferentes. Irremediavelmente considerando que a liberdade igual para todos é injusta. Advoga-se então que alguns indivíduos devam exercer, pelo uso da força irresistível, a usurpação e a coação, a fim de tentar até igualar os resultados econômicos. Efetivamente considerando apenas os fins aparentemente almejados como justificativa para os meios que alegam os atingirá.
Na defesa de tal aparente pensamento inclui-se a idéia de que tal fim sendo atingido não haverá motivo para que indivíduos se dediquem à praticas criminosas, por se satisfazerem economicamente. Fundando-se na idéia de que todos são igualmente pacíficos e moderados em suas ambições e temperamento (todos a mesma índole).

- Como argumento prático do primeiro caso se pode citar a constatação de situações onde a punição inibiu a criminalidade; pois que a punição moral na comunidade resultou em punição física garantida aos criminosos, que se contiveram ou fugiram para escapar da punição física.
Já como argumento teórico constata-se que há pobres honestos e pacíficos, bem como há ricos criminosos e destemperados, em oposição a causas externas como a pobreza e a baixa escolaridade.
Em reforço sobre a eficiência da punição há ainda o argumento de que a punição para um rico ou remediado, tal a amplitude da mudança para pior que sofre, lhe é mais penosa que para um pobre, levando os “bem nascidos” a serem mais cautelosos em seus impulsos criminosos. Ou seja, mesmo um rico de índole criminosa será mais cauteloso em seus crimes, visando dificultar que sobre si recaia a punição. Contudo, diante das facilidades que possa prever em contrário a sua punição, tende a não se conter e praticar atos nocivos à boa convivência com os demais, se isso lhe interessar. Tendendo a dedicar-se a artimanhas e crimes que sejam mais difíceis de conduzi-lo à punição ou cujo resultado lhe pareça compensar os riscos. Da mesma forma que um apostador jamais apostará naquilo que tiver a derrota como certa, balanceando subjetivamente o mal que o dispêndio lhe causa, a possibilidade de sucesso e a proporção do prêmio.
Por exemplo, se a aposta mínima de uma loteria de baixa possibilidade se sucesso fosse muito elevada e o prêmio um pequeno percentual sobre a aposta, raros seriam os apostadores, possivelmente inexistiriam.

- Como argumento prático do segundo caso se poderia pretensamente citar comunidades de bom nível econômico e escolar onde não haveria crimes, apesar de não haver punição. Contudo tais comunidades homogêneas em renda e escolaridade são de difícil constatação na prática, e a ausência de punição as faz de improvável existência no mundo real.
Assim, o único meio de se argumentar em favor deste ponto de vista, seria a constatação prática de que TODOS os economicamente bem providos não praticam crimes contra o direito alheio, bem como TODOS os economicamente penosos fossem propensos a prática criminosa. Ora, estas hipóteses não são verificáveis nem solitárias, quanto mais juntas.
O que podemos perceber na prática é que há muitos pobres honestos e controlados em seus impulsos, bem como há muitos ricos safados e até criminosos.
Ainda contra tal visão se pode facilmente constatar que, seja atualmente ou principalmente no passado, comunidades heterogêneas em renda e escolaridade não produziram elevados índices de criminalidade sob eficiente punição moral e física. Ao mesmo tempo se pode constatar que a criminalidade aumentou na medida que se aumentou a impunidade mediante apelos “aos corações”: não julgar moralmente os bandidos(vítimas da sociedade), perdoar, amar o inimigo e até mima-lo para que “se recupere”.

Assim, percebe-se que os defensores da solução contrária a liberdade, que advogam que um grupo de governantes devesse se arvorar o privilégio de determinar “de cada um segundo sua capacidade e a cada um segundo sua necessidade”, impondo-se pelo uso da força contra uma população indefesa ante suas polícias e exércitos, efetivamente não se fundam em nada além de seus achismos absurdos, que contrariam os fatos e a lógica.

Diante disso, o que se pode perceber é que tais tipos não almejam os fins que alardeiam, MAS SIM almejam os meios que preconizam como “receita” para tais alegados fins.

Eles não entendem os governos como uma organização de indivíduos iguais a todos os demais, que deveriam apenas se comportar como organizações prestadoras de serviços, indistintamente, a TODOS os indivíduos da população. Não, eles entendem que os cargos nos governos concedem aos seus ocupantes o direito de arbitrar sobre todos os demais. Devendo apenas entrar em acordo entre si para impor seus consensos aos governados. Como se estes fossem apenas “cabeças” de um rebanho do qual se apossaram, ou mesmo como se governantes fossem deuses a quem podem pedir benesses ou castigos para seus desafetos, cultua-los ou nega-los convenientemente. Afinal o direito dos deuses é a força, estão acima da razão humana.

Isso é lamentável, mas enquanto seres humanos almejarem ser animais domésticos criados por outros seres humanos, não haverá solução.

Abraços
C. Mouro

Rodrigo disse...

Antes de viajar, uma análise:

Vejamos:
1) O assunto é sobre menores criminosos.
Refere-se ao fato de indivíduos praticarem violações dos direitos alheios a fim de obter vantagem, então praticando crimes.

Ok
2) Foi dito que a impunidade favorece a que indivíduos de má índole pratiquem crimes. Isso posto, considerou-se que havendo maior punição a criminalidade diminui.
Ok
3) Em contrário foi dito que a impunidade não exerce influência na criminalidade, e sim a pobreza e a falta de escolaridade são sua causa.
Não exatamente, foi posto que, que o aumento de repressão policial, por si só não significa o fim da impunidade, nem o fim da violência

Então:
A) Por um lado se advoga que as punições devam ser severas e certas (garantidas) para os criminosos. A fim de que estes se controlem em seus impulsos nocivos à sociedade (aos membros da comunidade).

Correto
B) Pelo outro lado advoga-se que todos os indivíduos são de índole pacífica e, portanto, o motivo de se dedicarem à prática de crimes lhes é externa. Ou seja, os criminosos não o são por opção consciente, mas induzidos, talvez coagidos, pelo sistema econômico a tais práticas.
Advoga-se onde? Nesta discussão? Como explicar a maior incidência de crimes em favelas? Seriam os favelados maus?

- No primeiro caso defende-se que a solução é não só a punição física, mas, no meu entender, principalmente a punição moral, ou explícito repúdio dos cidadãos aos criminosos. Desta forma seguindo um critério de retribuição às ações criminosas como prática, principalmente, da justiça, e ainda uma prática utilitária no sentido de desestimular os crimes contra vítimas inocentes.
OK
- No segundo caso, defende-se que a solução é prover as necessidades dos indivíduos e oferecer-lhes instrução escolar a fim de que se dediquem ao trabalho honesto como meio custearem a própria existência. Em tal solução alega-se almejar aquilo que arbitram como “justiça social”, em detrimento da liberdade igual para todos. Pois, de fato, arbitra-se que a livre relação entre os indivíduos resulta no que denominam “injustiça social”. Ou seja, consideram que a liberdade produz “injustiça social” ao levar a resultados diferentes para indivíduos diferentes. Irremediavelmente considerando que a liberdade igual para todos é injusta. Advoga-se então que alguns indivíduos devam exercer, pelo uso da força irresistível, a usurpação e a coação, a fim de tentar até igualar os resultados econômicos. Efetivamente considerando apenas os fins aparentemente almejados como justificativa para os meios que alegam os atingirá.
- Hmm, então o estado interferir na sociedade aumentando seu nível educacional seria desaconselhável, pois assim, de acordo com a sua ideologia, agiria contra a liberdade. O estado então deveria deixar seus cidadãos à sua própria sorte, condenando parte dela sem oportunidades de exercer a totalidade de seus talentos, consequentemente marginalizando o indivíduo. Ora, se assim deve ser feito, por que o estado estaria obrigado a interferir na sociedade, diminuindo a violência? Por que não deixá-los também a própria sorte também? Não haveria uma contradição nesta linha de raciocínio?

Rodrigo disse...

Na defesa de tal aparente pensamento inclui-se a idéia de que tal fim sendo atingido não haverá motivo para que indivíduos se dediquem à praticas criminosas, por se satisfazerem economicamente. Fundando-se na idéia de que todos são igualmente pacíficos e moderados em suas ambições e temperamento (todos a mesma índole).

Existem vantagens comparativas em se investir em educação, pessoas conseguem melhores empregos, há visível aumento de produtividade e tendem. Pessoas tendem a de tornar melhores cidadãos, pois tendem a conhecer melhor seus direitos e deveres. A educação tende a integrar as pessoas de uma sociedade, pois as tornam mais capazes de participar na geração de riqueza e mais capazes de participarem de forma mais crítica na política de uma sociedade. A premissa de que as pessoas tem a mesma índole é obviamente falsa, sendo que nessa discussão do blog, só você fez alusão a ela. Quem diz que a maioria das pessoas que defendem o uso da educação para diminuição da violência acredita nesta premissa ou está enganado ou tem má fé.
-
- Como argumento prático do primeiro caso se pode citar a constatação de situações onde a punição inibiu a criminalidade; pois que a punição moral na comunidade resultou em punição física garantida aos criminosos, que se contiveram ou fugiram para escapar da punição física.
- Correto, desde que para todo. Mas será que SOMENTE a punição física resolveria o problema de violência do Brasil? Esta solução seria duradoura?
-
Já como argumento teórico constata-se que há pobres honestos e pacíficos, bem como há ricos criminosos e destemperados, em oposição a causas externas como a pobreza e a baixa escolaridade.
- Correto

Rodrigo disse...

Em reforço sobre a eficiência da punição há ainda o argumento de que a punição para um rico ou remediado, tal a amplitude da mudança para pior que sofre, lhe é mais penosa que para um pobre, levando os “bem nascidos” a serem mais cautelosos em seus impulsos criminosos. Ou seja, mesmo um rico de índole criminosa será mais cauteloso em seus crimes, visando dificultar que sobre si recaia a punição. Contudo, diante das facilidades que possa prever em contrário a sua punição, tende a não se conter e praticar atos nocivos à boa convivência com os demais, se isso lhe interessar. Tendendo a dedicar-se a artimanhas e crimes que sejam mais difíceis de conduzi-lo à punição ou cujo resultado lhe pareça compensar os riscos. Da mesma forma que um apostador jamais apostará naquilo que tiver a derrota como certa, balanceando subjetivamente o mal que o dispêndio lhe causa, a possibilidade de sucesso e a proporção do prêmio.
- Correto, aqui no Brasil os “bem nascidos” são cautelosos usando seu poder econômico abafar a imprensa, corromper juizes e policiais, criando leis com brechas, pagando bons advogados para adotar medidas protelatórias, de tal forma que possam se valer da prescrição do julgamento.
-
Por exemplo, se a aposta mínima de uma loteria de baixa possibilidade se sucesso fosse muito elevada e o prêmio um pequeno percentual sobre a aposta, raros seriam os apostadores, possivelmente inexistiriam.

- Correto, resta somente definir tudo que está em jogo nessa aposta.
-
- Como argumento prático do segundo caso se poderia pretensamente citar comunidades de bom nível econômico e escolar onde não haveria crimes, apesar de não haver punição. Contudo tais comunidades homogêneas em renda e escolaridade são de difícil constatação na prática, e a ausência de punição as faz de improvável existência no mundo real.
- Existem comunidades de bom nível econômico (mais ricas) que são mais violentas que mais pobres. É só comparar qualquer cidadezinha de interior com São Paulo, por exemplo.Porém, os Estados Unidos tem talvez a melhor polícia do mundo e umas das legislações mais repressivas do ocidente, mas nem por isso são menos violentos que Japão, Suécia ou Alemanha, por exemplo. Todos esses países têm a riqueza mais homogênea que os Estados Unidos
-
Assim, o único meio de se argumentar em favor deste ponto de vista, seria a constatação prática de que TODOS os economicamente bem providos não praticam crimes contra o direito alheio, bem como TODOS os economicamente penosos fossem propensos a prática criminosa. Ora, estas hipóteses não são verificáveis nem solitárias, quanto mais juntas.
O que podemos perceber na prática é que há muitos pobres honestos e controlados em seus impulsos, bem como há muitos ricos safados e até criminosos.

-
- Realmente, existem ricos criminosos e pobres cumpridores da lei. Mas é difícil negar que se tivéssemos as mesmas leis que possuímos hoje, mas ao mesmo tempo tivéssemos a mesma distribuição de renda e nível educacional do Japão ou Alemanha teríamos menos crimes do que se somente copiássemos as leis destes paises.

Rodrigo disse...

Ainda contra tal visão se pode facilmente constatar que, seja atualmente ou principalmente no passado, comunidades heterogêneas em renda e escolaridade não produziram elevados índices de criminalidade sob eficiente punição moral e física. Ao mesmo tempo se pode constatar que a criminalidade aumentou na medida que se aumentou a impunidade mediante apelos “aos corações”: não julgar moralmente os bandidos(vítimas da sociedade), perdoar, amar o inimigo e até mima-lo para que “se recupere”.
A que tempo você se refere especificamente? Eram sociedades democráticas? Será que na idade média, ou no tempo do Império Romano a sociedade era, em média, menos violenta? Ou será que no começo do século passado a riqueza era menos distribuída? Ou seria no tempo da ditadura, em que a repressão aumentou, bem como a violência e a desigualdade de renda? Quando especificamente, comunidades heterogêneas em renda e escolaridade não produziram elevados índices de criminalidade sob eficiente punição moral e física? O que era eficiente punição física naquela época? Esses níveis de violência eram menores que os índices da Suécia atual, por exemplo? O que você quis dizer neste parágrafo? Que devemos voltar ao tempo dos reis? Ao tempo do Império Romano? Ao tempo das cavernas? Essa vanguarda do liberalismo é mesmo a vanguarda do atraso...
-
Assim, percebe-se que os defensores da solução contrária a liberdade, que advogam que um grupo de governantes devesse se arvorar o privilégio de determinar “de cada um segundo sua capacidade e a cada um segundo sua necessidade”, impondo-se pelo uso da força contra uma população indefesa ante suas polícias e exércitos, efetivamente não se fundam em nada além de seus achismos absurdos, que contrariam os fatos e a lógica.
Diante disso, o que se pode perceber é que tais tipos não almejam os fins que alardeiam, MAS SIM almejam os meios que preconizam como “receita” para tais alegados fins.

-
E por que então “defensores da liberdade” como você defendem a ditadura, os criminosos das milícias e a tortura? E gastar em prisões ao invés de escolas é lógico? Qual o embasamento teórico ou empírico das suas teorias para diminuir a violência?

Eles não entendem os governos como uma organização de indivíduos iguais a todos os demais, que deveriam apenas se comportar como organizações prestadoras de serviços, indistintamente, a TODOS os indivíduos da população. Não, eles entendem que os cargos nos governos concedem aos seus ocupantes o direito de arbitrar sobre todos os demais. Devendo apenas entrar em acordo entre si para impor seus consensos aos governados. Como se estes fossem apenas “cabeças” de um rebanho do qual se apossaram, ou mesmo como se governantes fossem deuses a quem podem pedir benesses ou castigos para seus desafetos, cultua-los ou nega-los convenientemente. Afinal o direito dos deuses é a força, estão acima da razão humana.

Isso é lamentável, mas enquanto seres humanos almejarem ser animais domésticos criados por outros seres humanos, não haverá solução.


- Então por que defende a ditadura ou outros sistemas de governo anacrônicos e antidemocráticos? Que raio de liberalismo é esse?

al caetano disse...

Ainda contra tal visão se pode facilmente constatar que, seja atualmente ou principalmente no passado, comunidades heterogêneas em renda e escolaridade não produziram elevados índices de criminalidade sob eficiente punição moral e física.

e.g. EUA até a década de 60.

Ao mesmo tempo se pode constatar que a criminalidade aumentou na medida que se aumentou a impunidade mediante apelos “aos corações”: não julgar moralmente os bandidos (vítimas da sociedade), perdoar, amar o inimigo e até mimá-lo para que “se recupere”.

e.g. EUA da década de 60 até meados da década de 80.

Rodrigo disse...

Engraçado, eu achava que a época em que havia gangters, a máfia corria solta e policia era extremamente corrupta era antes da década de 60. Também achava que o crime havia aumentado nos EUA depois da crise de 29. E que também havia aumentado a criminalidade após os Anos 70 devido a inflação e recessão americana. Engraçado como o crime cai nos EUA quando a economia se recupera...

Anônimo disse...

acho q vc é muito radical! Não concordo com a parte q enxerga a lei, como causadora/incentivadora da marginalidade. Aliás, essa foto está muito mais relacionada à caridade católica encontrada nas bases do pensamento brasileiro, que na simples expressão de uma lei. A propósito, quem dera as leis fossem levadas a sério, vc deve imaginar pq aproximadamente 4000 em cada mandato da câmara legislativa viram letra morta...Ou não?

Anônimo disse...

Muda prá lá cara. Vc não tem nada a oferecer ao nosso país com essa mentalidade. Vai dar pro Bush.

C. Mouro disse...

Engraçado, os gangsters se fizeram ante uma repressão frouxa, corrupta e uma legislação que acabava dificultando a punição. Se não me falha a memória, segundo o que me vem na mente, Al Capone foi preso por sonegação de impostos.
Por outro lado, eu não sabia que os gangsters eram pobres excluídos que se dedicaram ao crime (embora um crime por mero arbítrio, pois a lei seca foi pura estupidez, talvez para EXATAMENTE gerar a bandidagem, talvez os gangsters fossem apenas "testas de ferro"). Tal situação não se deveu a pobreza ou falta de escolaridade, pois muitos da vizinhança dos tais que se fizeram gangsters não acompanharam a carreira de seus amigos, vizinhos ou economica e culturalmente iguais.
Ou seja, só se pode dizer que algo é verdadeiro caso repita-se em todos os casos. Se não se repete, mas apenas uma minoria de vezes, é evidente que é falsa a teoria.

C. Mouro

Rodrigo disse...

Pois é C Mouro, os EUA aumentaram a repressão e não investiram em educação. Sabe por que? Eles já faziam isso a mais de 200 anos. Também acho que ricos também cometem crimes, mas são os que tem mais meios de conseguir a impunidade, afinal de contas são eles que fazem a legislação que dificultam a punição, não é mesmo?

Rodrigo Constantino disse...

"Também acho que ricos também cometem crimes, mas são os que tem mais meios de conseguir a impunidade, afinal de contas são eles que fazem a legislação que dificultam a punição, não é mesmo?"

Bom, antes de mais nada, vc precisa decidir logo se a pobreza é causa ou não da criminalidade, pois cada hora vc diz algo contraditório. Em segundo lugar, será mesmo que os mais ricos fazem as leis? Khodorkovsky, o sujeito mais rico do mundo emergente, com US$ 11 bilhões de patrimônio, foi preso por Putin, de forma totalmente arbitrária.

Veja Chávez fazendo as leis na Venezuela. Os ricos? E Evo Morales?

Rodrigo, há mais que dinheiro no mundo. Há o PODER, que a esquerda adora!

C. Mouro disse...

Muitos comentaram o assunto, mas B. Russel foi mais preciso. São duas as ambições: a ambição material e a ambição intelectual. A ambição material é finita, pois que o indivíduo é limitado para usufruir de bens materiais. Contudo a ambição intelectual (eu chamo de psicológica) é infinita; e o Poder é a mais nociva destas ambições. Os maníacos amam o Poder (Hitler é o exemplo mais fácil, pois unanimidade para o senso comum, ou quase uma unanimidade).

Abs
C. Mouro

Rodrigo disse...

Cara, voce tá começando a misturar tudo. Quem tá falando de Chaves ou Evo Morales aqui? Voce tá doido?
E dai que a esquerda quer o poder? Quem não quer? O que que isso tem a ver com a discussssão aqui?
A violência tem várias causas, a impunidade é apenas uma delas. Quem sabe voce possa explicar, com sua imensa sabedoria, porque a violência é maior nos morros cariocas do que na Barra da Tijuca, por exemplo. Há "liberais" que acham que basta simplesmente deixar as milicias tomarem conta dos morros para acabar com a violência, eu já acho que é melhor contruir escolas, para que as pessoas possam ter a chance de sair de lá, de terem melhores empregos, de produzirem muito mais riqueza do que produzem hoje.
Eu também acho que impunidade gera violência, só estou discutindo as causas dela e como acabar com ela. Apesar de achar que a impunidade é uma das causas da violência, acho que hoje, no Brasil, fazer aumentar o rigor policial somente, sem tratar a questão da educação e da destribuição de renda é desperdício de dinheiro público. Se voce quiser me explicar como acabar com a violencia sem sem aumentar o nivel educacional do povo, sem diminuir a pobreza, mantendo a democracia e mantendo os valores de uma sociedade reconhecidamente liberal pode me explicar.
Também gostaria que voce me explicasse como, sem investimento em educação, o problema do cumprimentos de regras sociais deixaria de ser apenas atribuiação do estado mas de cada cidadão, cada pai, cada mãe, da sociedade em geral. Seria, por acaso, uma forma, que na prática, tornaria o pais semelhante a sociedades conhecidas por seus avançadíssimos aspectos liberais como Irã, Arábia Saudira ou China?
Ia ser muito interessante saber o que pensa um instituto, dito liberal, sobre a administração das milicias em favelas, o desperdicio de dinheiro público pela pura falta de pensamento racional e nas soluçõesque, na prática, preconizam a dependencia total do estado para resolver seus problemas.

Rodrigo Constantino disse...

EU to misturando tudo?!?!

O cara primeiro diz que a pobreza é causa da violência. Depois condena os ricos criminosos. Aí fala que os ricos são impunes pois fazem as leis. Eu mostro que poder e dinheiro nem sempre andam juntos, e vários POBRES fazem muitas leis, inclusive CONTRA os ricos (vide imposto de renda progressivo). O cara diz que eu misturo tudo.

Rodrigo, vc precisa refletir um pouco mais em tudo que tem dito. Vc anda confuso demais. Organize sua mente, cara! E não tenha tanta raiva e inveja dos ricos...

Rodrigo disse...

Não, é voce que está misturando coisas, invocando Chaves e Moráles ondes eles não deviam necessáriamente estae. Eu não tenho inveja dos ricos, xará. Na verdade eu queria até ser um deles. Mas se voce ser ignorante, cegado por essa ideologia besta, ignorarando o que acontece no mundo e negando uma coisa simples e banal, que é o fato são ricos que fazem as leis. Duvida de mim?
Vai dar uma pesquisada na composição social das pessoas que fazem as leis ao longo do tempo vai. Ai tenta explicar por que tem tanta brecha, protelaçoes e prescrição de pena. Eu acho que seria apenas uma relação de casualidade não é mesmo?

Rodrigo Constantino disse...

Mas minha nossa senhora! Esse meu xará foge dos fatos contraditórios como o diabo foge da cruz!

Vc está dizendo que os ricos fazem as leis e por isso saem impunes. Eu estou te mostrando que o cara mais rico do mundo emergente foi vítima de uma lei arbitrária aplicada por um presidente que supostamente não é nada rico, tendo sido da KGB a vida toda. Citei Chávez e Morales para te mostrar ainda que as leis nesses países estão sendo criadas por oportunistas através de uma espécie de ditadura das massas, penalizando duramente justamente os mais ricos.

O que vc diz à respeito?

Nada. Vc repete eu eu estou misturando as coisas. E vai continuar afirmando que os ricos fazem as leis e são impunes por isso...

Ynot Nosirrah disse...

Esses jovens, de alguma forma, tem ciência dos seus atos e deveriam receber alguma punição por isso. Entretanto, mais importante do que penalizar esses meninos é o braço da lei chegar até os malditos corruptores que armam os moleques e os ensinam a fazer tudo que não presta. Enquanto as autoridades não saírem da inércia, não tomarem uma atitude e não forem atrás daquela turma, não vai adiantar encher as ruas com policiais para apreender adolescentes e recolher armas. Enquanto houver corruptores, sempre haverá corruptos.
Eu já havia comentado algo sobre isso em http://jardimdasgarrafasdigitais.blogspot.com.br/2012/01/mazelas-2.html.