terça-feira, fevereiro 12, 2008

Uma Vez Embusteiro...


Rodrigo Constantino

O “filósofo” Olavo de Carvalho dedicou mais alguns minutos de seu programa ao vivo para me atacar e mentir novamente, inventando coisas que eu não disse, manipulando o que eu disse e tirando o restante do seu contexto. Expliquei que não costumo perder tempo rebatendo agressões chulas, a especialidade do “filósofo”, mas ele não entendeu, e achou que meu artigo foi para esta finalidade, e não para explicar aos seus ouvintes o que eu realmente tinha escrito antes. O objetivo desse texto agora é apenas provar o que quase todos já sabem – à exceção de sua seita de seguidores fanáticos: que Olavo mente compulsivamente. Ou seja, meu único objetivo aqui é resgatar os fatos, tão destruídos pelo astrólogo.

Em primeiro lugar, Olavo condenou o que chamou de minha “afetação de polidez”, me fazendo de “menino educadinho”. No fundo, qualquer postura mais civilizada, de quem realmente deseja debater idéias e focar nos argumentos, é vista com intenso desdém pelo “filósofo”, que utiliza um palavrão por frase, praticamente. Mandar as pessoas para aquele lugar é o “argumento” preferido de Olavo, uma postura bem filosófica. Como dizia a filósofa Ayn Rand, “o argumento pela intimidação é uma confissão de impotência intelectual”. Olavo adora tentar intimidar as pessoas, soltando seus adjetivos mais chulos. Os adolescentes em busca desesperada por um guru que “pense” por eles aplaudem. O “guru” regozija-se, com sua infinita vaidade. E o debate de idéias é totalmente solapado, cedendo lugar às baixarias que o “filósofo” adora. Em resumo, o que Olavo chama de “afetação de polidez” nada mais é do que a velha e boa educação, conquista da civilização que Olavo detesta, pois com certeza preferiria viver na Idade Média, e quem sabe resolver o “debate” num duelo ou me mandando para a fogueira.

Em segundo lugar, Olavo mente ao afirmar que eu teria dito que todas as tradições são uma estupidez, pois seriam apenas uma repetição mecânica. Gostaria de saber onde foi que afirmei isso. Pois no meu artigo original, A Tradição em Julgamento, eu não digo nada disso hora alguma. O que eu afirmo é que não devemos seguir as tradições de forma mecânica, ou seja, que não é apenas por ser uma tradição que devemos abraçá-la, já que temos a capacidade de questionar. Como fica claro, ou Olavo não leu o meu artigo que detestou, como eu suspeitava, ou é um mentiroso. Olavo disse que eu mudei retroativamente o sentido de tradição, acusando-me de ter alterado a mensagem no artigo que rebati suas mentiras. Para deixar a prova da mentira de Olavo, segue um trecho do meu artigo original, deixando bem claro que eu jamais disse que todas as tradições são uma estupidez e que não passam de repetição mecânica e cega:

“Romper tradições por si só não diz nada sobre ser ou não algo desejável. É evidente que existem tradições boas, que devem ser seguidas. Elas foram criadas, para começo de conversa, por algum motivo, e este ainda pode ser adequado. Mas só há uma maneira de descobrir: questionando.”

Creio que essa prova não deixa a menor sombra de dúvida de que Olavo mentiu. Aliás, refutar espantalhos é uma especialidade do “filósofo”. Não obstante, mentindo na maior cara-de-pau, Olavo partiu para os xingamentos, me chamando de “vigarista vulgar besta” e “batedor de carteira intelectual”. Depois, alegou que sente vergonha por ter que rebater um “merda” como eu. Pois bem, Olavo: fica aqui provado quem mente. E diferente de você, não sinto vergonha de rebater suas mentiras, pois acho fundamental mostrar aos leitores que tipo de pessoa você é. Afinal de contas, e pelo incrível que isso possa parecer, suas mentiras ainda enganam alguns garotos ingênuos, que necessitam de uma muleta para andar. Expor suas falácias passa a ser necessário, tal como expor as falácias de comunistas como Emir Sader. Conservadores fanáticos e comunistas são dois lados da mesma moeda, ambos farinha do mesmo saco podre, inimigos da liberdade individual.

Eis como Olavo inicia seu programa ao vivo em questão:

“Boa noite meus amigos, estamos aqui mais uma vez, iniciando nosso programa, invocando a santíssima virgem Maria, e o santo padre Pio de Pietrelcina, para que roguem a Deus nenhum insulto seja feito nesse programa a pessoas boas e justas, e que aqueles que eventualmente sejam feitos aos maus e injustos não sejam feitos por intenção de ódio irracional, mas com intenção pedagógica.”

Olavo conseguiu o pior de tudo: insultar alguém que estava com a razão, por ódio irracional. Fora isso, Olavo assumiu de vez o tom de pregação religiosa. Será que ele acredita mesmo que uma virgem foi capaz de parir um bebê? Será que ele de fato admira aquele que se imola em nome da fé? Pergunto essas coisas pois não é fácil engolir o novo fanatismo de Olavo. Afinal, ele já foi um astrólogo fanático, que fazia mapa-astral e tudo. Depois virou um comunista fanático, lutando com afinco pela causa que hoje diz abominar. Agora parece um católico fanático. Pelo visto, o lance de Olavo é o fanatismo, mas a crença é uma metamorfose ambulante, tal como a do presidente Lula. Será que a próxima será a cientologia? Ou talvez as Testemunhas de Jeová?
Muitos dos seus seguidores são também ex-comunistas, que mudaram de fé, mas mantiveram o modus operandi. Olavo pode mudar o quanto quiser a cor de sua roupagem, mas sempre estará nu. A erudição não é garantia de sabedoria, tampouco de honestidade intelectual. Noam Chomsky com certeza leu toneladas de livros, como vários outros “intelectuais” que defendem coisas absurdas. Mas a erudição de Olavo impressiona alguns desavisados. E sua postura infantil, sua incrível necessidade de agredir – que Freud explicaria se estivesse vivo, faz com que os garotos fiquem ainda mais impressionados com a “coragem” do “filósofo”. No entanto, nada disso irá alterar a realidade. E esta é: uma vez embusteiro, sempre embusteiro...

118 comentários:

Marisa disse...

Rodrigo

Fui lá ouvir o programa do Olavo. Realmente ele usa um linguajar muito vulgar para um "filósofo". Ele ainda não percebeu que isso diminui o respeito que as pessoas têm por ele.

Acho que você não mereceu a crítica que ele fez a você. Você não disse que todas as tradições são inúteis, como ele afirma. Ele foi desonesto nesse ponto. Quando alguém quer ofender o outro, blefa, você sabe.

Eu acho que você deve continuar com a sua maneira educada e polida. Cada um com seu estilo. Se lhe trouxer algum apoio, digo-lhe que você faz o meu estilo. Eu prefiro pessoas civilizadas e gentis, mas eu separo bem estilo de argumento. Uma pessoa pode usar um linguajar baixo, porém se tiver razão, eu lhe darei assim mesmo.

Tanto é assim, que eu dei um tanto de razão para você e para o Olavo, naquele posto sobre a "Razão dos Símios", você pode ler o meu comentário por lá, se quiser. Não vejo muita clareza na distinção entre tradição e costume. Acho que nem o Olavo sabe ao certo, senão ele explicaria de maneira inquestionável. Ele apenas está se aproveitando dessa dificuldade de definição para atacar você e dizer que você falou em costume e não em tradição.

Ele apenas está enrolando você e você fica preocupado com a opinião dele e fica aí se explicando, todo irritado.

Por outro lado, se lhe agrada, ele também dá importância para você, senão ele não teria vindo aqui para lê-lo (e ele veio, viu?) e não teria falado sobre você em dois programas seguidos.

Sabe o que está me parecendo? Dois caras que se admiram e que brigaram e um fica falando mal do outro, cada um no seu estilo, mas um não deixa de ver o que o outro está fazendo, isto é, cada um ainda considera o outro importante para si.

Para concluir, não posso deixar de dizer que ele é mesmo muito engraçado, mesmo quando ele desce a lenha em você, hehe.

Anônimo disse...

Putz, vamos falar um pouco no linguajar do Olavo então

Dessa vez vc cagou na cabeça dele, hein, caraca

Anônimo disse...

Essa marisa e suas superficialidades

Alguém aí tem um Engov?

Roberto disse...

Constantino, já havia lido o teu artigo e parti das mesmas premissas do Olavo (que só fui ouvir depois). Claro, exceto os insultos! Por ele falar muitos palavrões e te tratar com desrespeito, passou praticamente despercebidas as críticas que ele impôs ao teu texto, que são extremamente racionais, sim!

Atente que mesmo a ciência têm suas tradições e métodos ideológicos, aliás, semelhantes ao que você critica nas religiões. Você escreve em "nome" da ciência, separando liberais de conservadores, mas no final, os liberais também seguem tradições.

No entanto, as religiões, assim como a ciência, estão em constantes reavaliações. Há gente estudando-as e reformulando-as a partir dos fatos concretos que as fundamentam. Como afirmou Olavo: aos religiosos, o deus criador não é hipótese, mas pensamento acabado. Você crer ou não, pouco importa e isso não lhe habilita a classificá-las como besteiras ou hábitos mecanizados, sem dizer que você parte de hábitos e tradições para questionar uma tradição. Incrível que não percebas isso.

Você comete um erro crasso confundindo, por exemplo, um católico de botequim que não conhece a doutrina e nem sabe mesmo do que se trata a religião, com o conteúdo do catolicismo. No caso dos macacos, a coisa tinha sentido, mesmo que um ou outro macaco não a entendesse racionalmente. A ducha era um fato, não hipótese. Percebeu como isso compromete a sua argumentação lógica?

No final das contas o sentido que você dá à tradição é dúbio, e pelas respostas que dirigiu ao Olavo, fica claro que nem você sabe definir direito sobre o que raio de tradição estava escrevendo. Releia seus textos com sinceridade e perceba que você se enrolou todo.

Não custa lembrar que tenho grande admiração pelos seus artigos sobre economia, mas na questão religiosa você me parece superficial.

Um abraço,

Roberto

a.h disse...

É isso aí, Rodrigo. Bate neste canalha (eu não sou tão educado quanto tu), que ele merece mesmo.

Esta corja de fanáticos tem mesmo a ética petista do "dois pesos e duas medidas"... São tão "precisos" na sua luta contra o aborto, mas se calam quanto aos Testemunhas de Jeová quando estes levam ao assassínio de seus filhos negando-lhes uma transfusão de sangue. Tudo em nome da "tradição". Em nome desta também, os indígenas retratados por Clastres em seu "A Sociedade contra o Estado" fariam por bem aceitarem seu estado de (sub)desenvolvimento porque assim reza(sic) a tradição!

Que o Olavo é um mentiroso compulsivo está cada vez mais evidente e, por mais que os fanáticos carolas lambe-batinas que formam seu séquito neguem, ele se vê profundamente incomodado com teus artigos. Precisos, diga-se de passagem, como um martelo de Tor na cabeça de osso pra fazer sopa do guru-imigrante da Virgínia. Aliás, muito me intriga quem paga este sicofanta. Será um "capitalista" da FIESP, daqueles anti-ALCA? Não é de duvidar...

Veja como o guru se esgalepou aqui:


Astrólogo morre pela boca

Escreveu ontem Olavo de Carvalho:

O sr. Janer Cristaldo jamais foi censurado no Mídia Sem Máscara. Foi expulso, a pedido de leitores judeus, por ser mais anti-semita do que poderia justificar mediante a exibição de um mero atestado de insanidade mental.

Escrevia o astrólogo em 06 janeiro 2006:

Louvando a franqueza e o vigor da minha resposta ao artigo anti-semita de Janer Cristaldo, nossos amigos do De Olho na Mídia protestam que ela não foi suficiente; que, não removido o artigo da página nem excluído o articulista do nosso quadro de colaboradores, "a nódoa ficou". Têm razão: ficou mesmo. Não tentei apagá-la; apenas admitir sua existência e chamá-la pelo nome. O Mídia Sem Máscara não é puro e inatacável como a Folha, o Globo e tantos outros monumentos de santidade jornalística. Enquanto essas publicações jamais pecam, jamais têm culpas morais, no máximo deslizes técnicos cometidos com intenções insuperavelmente éticas e elevadas, nós aqui assumimos a plena responsabilidade moral do que publicamos, e não nos sentimos isentos de culpa pelo que Janer Cristaldo escreveu.

Ao contrário, assumimos essa culpa - não por concordarmos com uma só palavra do que ele disse, mas porque, quando um homem não sente vergonha do mal que comete, não resta alternativa aos seus colegas e amigos senão senti-la em lugar dele. Por isso não procurei limpar a nódoa, mas mostrá-la aos olhos de todos. Achei que isso seria suficiente para alertar o colunista e demovê-lo da sua loucura. Não fiz isso para puni-lo, mas para avisá-lo de que entrou por um caminho errado e deve sair dele o mais que depressa.

Por isso mesmo não o excluí do quadro de nossos articulistas. Expulsá-lo seria carimbá-lo para sempre com um rótulo que, a meu ver, ele só merece a título provisório. Não posso exterminar a reputação de um colaborador quando espero ganhá-lo de volta para as boas causas. No fundo, não acredito na seriedade do anti-cristianismo nem do anti-judaísmo de Janer Cristaldo.

Um artigo de Janer


Em http://pugnacitas.blogspot.com/2008/01/astrlogo-morre-pela-boca.html

Não foi gratuíta tua comparação com Noam Chomsky:

http://www.mekong.net/cambodia/chomsky.htm

Em suma, o homem que passou anos analisando a propaganda, se tornou o próprio propagandista. E, apesar de ter reconhecido a brutalidade do regime do Khmer Vermelho não teve a hombridade de admitir que estava errado quando negou o genocídio perpetrado pelo mesmo.

No fundo, a maior cisão é esta, mais que entre liberais e socialistas, é entre os que portam caráter e os sem-caráter que já viraram sinônimo de "olavetes".

Neste ponto, o Olavo é realmente único, se marxistas tendem a ser piores que Marx, freudianos piores que Freud, mas SÓ Olavo consegue superar olavetes em suas sandices...

a.h disse...

*esgUalepou

Lancelot Ferreira disse...

Neste ponto, o Olavo é realmente único, se marxistas tendem a ser piores que Marx, freudianos piores que Freud, mas SÓ Olavo consegue superar olavetes em suas sandices..."

Tô com o Anselmo e não abro.

Anônimo disse...

Olava e Bispo Macedo competem pau a pau para ver quem é mais inútil, canalha e crápula!

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

O Olavo de Carvalho é um comediante. O problema é que muitos o levam muito mais a sério do que ele mesmo esperava. Eu ouço seu programa toda segunda-feira. É melhor do que qualquer programa humorístico da história do Rádio.

Aliás, para um tradicionalista conservador até que o OdeC é bastante moderinho, usa computador, mantém Blog na Internet, recebe esmolas das vaquinhas-de-presépio via paypal, tem Podcast. Ele, em sendo tão ferrenho crítico de qualquer evolução científica e tão tradicionalista, deveria escrever suas peças humorísticas em pergaminhos e colocar um cavaleiro pra distribuir nas ruas, ou então tentar via sinais-de-fumaça.

ANTI-MOFO disse...

Fiquei curioso para saber quais são as tais "tradições" científicas que o Roberto se refere as quais se assemelham ao tradicionalismo porcamente descrito por Olavo de Carvalho.

Que os crentes tem uma idéia acabada e que se sustenta por si só dentro de suas cabeças, isso está mais do que claro. Aliás, se não fosse assim, se buscassem algum sentido lógico para suas idéias teístas, dificilmente permaneceriam tantos séculos em estado de estupidez e hipnose ininterrupta. O problema é quando essas idéias sobre deuses divergem dos princípios do Estado Laico ou mesmo da cabeça de outros que possuem idéias acabadas dentro de suas próprias cabeças mas que se referem a outros deuses. Aí o tal "pensamento superior e acabado, que se sustenta por si só" começa a invadir o direito individual de quem não partilha da mesma hipnose.

a.h disse...

"Querendo me pegar em flagrante contradição, o sr. Janer Cristaldo publica no seu blog as palavras que escrevi em abril de 2006 para protege-lo dos meus amigos judeus que pediam a sua cabeça. Mas isso não desmente e sim confirma o que eu disse: Primeiro tentei livrar a cara do colunista, julgando que seu anti-semitismo era um estado provisório de ordem patológica e não uma convicção genuína; depois, como ele insistisse naquela frescura, botei-o para fora do MSM em janeiro de 2007.
Com ares de vitória, o sr. Cristaldo, que depois disso passou a ser chamado de Coitaldo, afirma que morro pela boca. Pode ser. Milhões de cristãos já morreram, na Rússia, na Alemanha, na Espanha e no Camboja, por ter dito isto ou aquilo."

Acima, parte de scrap de Olavo de 01/02/2008 em seu scrapbook, que a.h. aparentemente ignora.


Te enganas, Jether. Estou bem a par do assunto, sim senhor. Em primeiro lugar, o sofisma final. Milhões de judeus e outros que morreram, o foram por terem dito a verdade. Se a expulsão do Janer fosse verídica, a ele seria válida tal comparação, pois foi (supostamente) expulso, segundo o pústula Olavo de Carvalho que, conforme sua asserção teria sido (supostamente) seu algoz.

Mas, conheço a história de perto. Conheço ambos personagens desta contenda pessoalmente (assim como ao Rodrigo). Embora minha afirmação de que eu também saí de livre e espontânea vontade, assim como o Janer, o Rodrigo e outros, talvez não te toque ou faça crer, tomemos as afirmações do Olavo. Num primeiro momento, ele diz, LITERALMENTE, que não expulsou ninguém para depois afirmar que o fez. Olavo ainda poderia se salvar, caso houvesse considerável gap entre a primeira afirmação e a segunda. Não houve. Os editores do MSM ainda enviaram uma tola resposta dizendo que “não havia censura no site”. Como o Janer não se contentou com isto, parou de enviar artigos sobre assuntos diversos. É a minha palavra, a de Janer e, provavelmente, a de outros contra a de Olavo. Tu acredita em quem quiser. Só isto.

Mas, entre a primeira sentença e a segunda há uma contradição LITERAL, o que é inamovível.

Já que insiste no assunto, vou contar mais... À época em que saí, solicitei que retirassem não apenas meu nome da lista de colunistas (antes do Janer e Rodrigo saírem), bem como a totalidade de meus artigos. Paulo Diniz Zamboni argüiu que não faria isto, pois “prejudicaria o MSM”. Nisto ele tem lá razão... Pensei até em conferir minhas prerrogativas legais, mas com o tempo, a querela esfriou e pensei melhor: criticar o MSM e Olavo tendo a prova de que eles censuraram um de seus articulistas por querer, dentre outros assuntos, fazer uma defesa dos ataques criacionistas ao evolucionismo é interessante para mim. É interessante que as pessoas procurem por quem contribuiu com mais de 50 artigos em 3 anos e foi censurado...

A retirada de meu nome da lista de articulistas me pareceu uma solução satisfatória.

Assim como o Janer e o Rodrigo, eu não fui expulso, me retirei por não achar mais viável postar nenhum artigo em um site de fundamentalistas religiosos. E olha que eu defendo um estado laico, ou seja, a liberdade de crença, inclusive a religiosa.

A questão agora é nossa palavra contra a dele, mas a contradição é toda de Olavo.

Anônimo disse...

Que coisa mais ridícula! Pessoas que cospem no prato que o próprio Olavo de Carvalho deu! Se não fosse o MSM, vcs seriam mais merdas do que já são! Que dirá o sr. Antaselmo, que não se cansa de falar besteira e tem como discípulo, um adolescente mal crescido como o Constantino!

Anônimo disse...

Uma Olavete raivosa e igrejenta defecou acima.

ricchus disse...

Tem que ter paciência para ouvir o "xou" do Olavo. Eu só gostaria de saber se ele tem coragem de falar esses impropérios pessoalmente, olhando no olho de quem ele ofende.

Pra mim é mais um frango à Brizola: muita farofa e pouco peito.

Anônimo disse...

hahahah A Gestapo do politicamente correto, lambedora de bunda de macacos, toda reunida aqui. Querem criminalizar o cristianismo pra abrir caminho à conversão em massa - e rendição cultural - às religiões de vadios criminosos e assassinos como islamismo e outras crendices inúteis.

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ricchus disse...

Tem certos comentários aqui, repletos de hahahas e hohohos, que eu confesso que nem com tecla SAP. Eles falam uma espécie de idioleto (obrigado Millôr) incompreensível para o resto dos mortais.

ricchus disse...

Um editorial infeliz e ingênuo do jornal britânico Independent recentemente pediu uma reconciliação entre ciência e “teologia”. Dizia que “As pessoas querem saber o tanto quanto possível sobre suas origens”. Com certeza, espero que elas queiram, mas o que diabo faz alguém pensar que a teologia tem algo de útil para dizer sobre esse assunto?
A ciência é responsável pelas seguintes informações sobre nossas origens. Nós sabemos aproximadamente quando o Universo surgiu e porque ele é, em sua maioria, de hidrogênio. Nós sabemos por que as estrelas se formam e o que acontece no interior delas para converter hidrogênio em outros elementos, dando origem à química em um mundo físico. Nós sabemos os princípios fundamentais de como um mundo químico pode se transformar em biologia através do aparecimento de moléculas auto-reprodutoras. Nós sabemos como o princípio da auto-reprodução deu origem, através da seleção darwiniana, a toda a vida, incluindo os humanos.
Foi a ciência e apenas a ciência que nos ofereceu esse conhecimento e, além disso, o ofereceu em detalhes fascinantes, preponderantes e que se confirmam mutuamente. Em cada um desses aspectos, a teologia tem mantido uma visão que se mostrou definitivamente errônea. A ciência erradicou a varíola, pode imunizar contra a maioria dos vírus e matar a maioria das bactérias que anteriormente eram mortais. A teologia não tem feito nada a não ser falar das doenças como punições para nossos pecados. A ciência pode prever quando um cometa em particular irá reaparecer e, de quebra, quando o próximo eclipse irá ocorrer. A ciência colocou o homem na Lua e lançou foguetes de reconhecimento ao redor de Saturno e Júpiter. A ciência pode lhe dizer qual a idade de um fóssil específico e que o Santo Sudário de Turim é um embuste medieval. A ciência sabe as instruções precisas no DNA de vários vírus e irá, durante a vida de muitos leitores presentes, fazer o mesmo com o genoma humano.
O que a teologia já disse que teve qualquer valor para alguém? Quando a teologia disse algo que foi demonstrado como verdadeiro e que não seja óbvio? Tenho ouvido os teólogos, lido o que escrevem, debatido com eles. Nunca ouvi algum deles dizer algo que tivesse alguma utilidade, qualquer coisa que não fosse trivialmente óbvio ou categoricamente errado. Se todas as realizações dos cientistas forem apagadas do mapa no futuro, não haverá médicos, e sim xamãs; não haverá meio de transporte mais rápido que o cavalo; não haverá computadores, nem livros impressos e, muito menos, agricultura além das culturas de subsistência. Se todas as realizações dos teólogos forem apagadas do mapa no futuro, alguém perceberia a mínima diferença? Até mesmo as realizações negativas dos cientistas, como as bombas e navios baleeiros guiados por sonar funcionam! As realizações dos teólogos não fazem nada, não afetam nada, não significam nada. Afinal, o que faz alguém pensar que “teologia” é um campo do conhecimento?
Richard Dawkins

Esse é para o Roberto, que acha que alguém é capaz de estudar para aprimorar alguma religião

a.h disse...

Primeiro, aos idiotas. Não tem nada a ver com religião. Religiões podem viver, perfeitamente, em "harmonia" (sob um certa tensão, talvez), mas podem conviver com a ciência. A questão não é entre uma falsa dicotomia Ciência vs. Religião, mas sim entre Liberdade de Crença qualquer que seja vs. Fundamentação Legal da Sociedade em uma Única Religião, o que seria desastroso, tal como se vê em Teocracias.

Quanto ao MSM, vejo uma clara inversão de valores. Eles é que seriam NADA sem nós. Veja no que virou o site agora. Poucas atualizações, repetitivo, mesmas teorias conspiratórias, poucos dados, nenhuma análise estatística etc. Claro que ainda há bons articulistas, como Mauad e as traduções do Sowell, mas a imensa maioria não vale o feijão que defeca.

____________________

Agora vamos responder, com educação, a alguém que fez por merecê-la:

Jether has left a new comment on the post "Uma Vez Embusteiro...":

a.h., o post de Cristaldo e o scrap de Olavo não focavam sobre o que de fato aconteceu. Explico: Janer disse que Olavo se contradisse naqueles dois textos; Olavo disse que não, que aquelas suas duas mensagens não eram contraditórias. Só a coerência de Olavo naqueles dois textos somente está sendo posta à prova. Esse teu relato de que você e Janer se retiraram do MSM antes de serem excluídos do quadro de articulistas é, portanto, irrelevante. Eu não estou dizendo que é falso, eu sei lá! Estou dizendo que não é disso que se trata principalmente o post de Cristaldo e o texto de Olavo. Mas ok, obrigado pela informação. Se estou sendo bem informado por ti, ainda não sei. Mas isso não vai mudar em nada mesmo minha condição perante você, Janer, Mídia Sem Máscara etc. Eu posso ir ao teu blog do mesmo jeito que posso ir ao MSM, não?

Agora, Olavo está certo sobre esse post de Cristaldo, no principal pelo menos. Cristaldo citou duas mensagens que não eram contraditórias entre si e deu a entender que eram. (Essa foi a razão de ser do post.) Não são contraditórias entre si, porque a expulsão (que não sei se aconteceu) pode ter ocorrido entre janeiro de 2006 e janeiro de 2008.

Elas podem até ser contraditórias com uma(s) outra(s) que Olavo porventura possa ter escrito. Não sei. Mas Cristaldo citou só essas duas no post.


Caro Jether,

Adoro debater e muito me agradaria que pessoas, inclusive religiosas se interessassem por ler o que tenho a dizer. Se não fores uma, mas discordas de mim, também será uma honra tê-lo como visitante dos meus dois blogs (um geral e outro mais focado na geografia e geopolítica). Não gosto da postura de formar antros monolíticos de pensamento. Claro que estou longe de qualquer simpatia por comunistas e quetais, mas gostaria até que, se haja algum que realmente queira o debate, que o faça!

Só para te orientar, não me apraz o pensamento 'libertarian', como o próprio Rodrigo se define. E eu, por incrível que pareça, me afino mais com o liberal-conservadorismo. Mas, ALTO LÁ! Não vejo uma clara distinção entre ambos em todos os quesitos, de modo que, eu diria, chutando aqui e agora, que pelo menos 90% das idéias do Rodrigo me atraem. E, se por 'conservador' isto inclui a adoção de pressupostos fundamentalistas religiosos, então eu estou fora! O mesmo posso dizer quanto a qualquer "institucionalização ateísta". Na verdade, o teísmo e o ateísmo devem ser questões de FORO ÍNTIMO e o estado laico deve garantir isto.

Quanto à tua hipótese sobre a expulsão do Janer entre janeiro de 2006 e janeiro de 2008 também não vejo como possível... Veja aqui: http://www.baguete.com.br/colunasDetalhes.php?id=2316 . Ou seja, Janer Cristaldo já tinha se decidido pela ruptura com o MSM em 22/01/2007, quando publicou "Ecce homo". Ou seja, se ainda insistires na hipótese da "expulsão", tal como alegado pelo Olavo, este só teria tido a possibilidade em um prazo de pouco mais de duas semanas, já que escrevara que não expulsou ninguém em 6 de janeiro de 2006. Já, no post desse ano, ele claramente desconsidera isto e, provavelmente, está inventado o mesmo porque esqueceu (estou sendo generoso...) o que escrevera. Uma típica reação de quem não porta coerência entre retórica e atitude.

Atenciosamente,

Marisa disse...

a. h.

Não sei bem ao certo o que aconteceu, mas pela sua narrativa dá para entender que o Janer Cristaldo escreveu um artigo para o MSM com um enfoque anti-semita. Os judeus foram reclamar com o Olavo de Carvalho que demitiu (?) o Janer, ou o admoestou, apesar de publicar o artigo, e se justificou com o artigo de 6 de janeiro de 2006. Esse primeiro artigo do Olavo me pareceu ser bastante diplomático, ataca, mas ao mesmo tempo defende o Janer.

O Janer deixou o MSM, ao sentir que estava sendo censurado, o mesmo acontecendo com você e com o Rodrigo (?). Depois disso, formaram-se dois grupos: o do Olavo e o do Janer e um começou a atacar o outro. Virou uma guerra, onde as pessoas perderam a razão.

Como é guerra, o Olavo, para atacar, escreveu ontem que o Janer foi expulso, perdendo de vez a gentileza, e o grupo do Janer acusa o Olavo de incoerência.

A favor de vocês, digo que o Olavo está mesmo sendo incoerente, porque antes ele estava sendo diplomático, e de certo modo estava sendo “delicado” com o Janer. Agora, depois de tantas brigas, ele deixou a diplomacia e usou a palavra expulso, que é a pior que ele encontrou para a situação.

A favor do Olavo, digo que ele tinha o direito de censurar qualquer um que estivesse sob sua liderança. Nenhum órgão de imprensa é neutro a ponto de permitir que as pessoas publiquem o que quiserem. Eles têm leitores e financiadores que estão interessados numa certa linha da publicação. Por isso há publicações liberais, conservadoras, de direta, de esquerda, e assim por diante. Era um direito do Olavo censurar artigos anti-semitas, porque ele certamente tinha as suas razões, ou de público, ou financeiras.

Para aquele que foi censurado resta dois caminhos: ou modera em sua crítica e continua dando contribuições, ou vai procurar outro órgãos de imprensa que aceite seus artigos. Considero errado ficar atacando o Olavo, como se ele fosse obrigado a publicar qualquer coisa que seus colaboradores escrevessem. Observe que aqui, no blog do Rodrigo, ele exerce o seu direito de censura livremente porque o blog é dele e os que forem censurados ou se enquadram na linha do Rodrigo ou procuram outro blog.

Eu acho que vocês também precisam cuidar de suas imagens. Se vocês ficam passando uma imagem de pessoas que não aceitam críticas e que sempre criam problemas para quem os empregam, daqui a pouco ninguém vai mais querer vocês como colaboradores. O que seria uma pena porque, apesar de eu não os conhecer, parece-me que vocês são pessoas inteligentes, bem-informadas e que têm idéias originais e não convencionais.

Reflitam melhor sobre as suas posturas e esqueçam as mágoas. Raiva e mágoa, somente fazem mal para quem as alimenta.

a.h disse...

Marisa,

"Janer anti-semita" é uma piada. Ele escreveu um texto, bem factual diga-se de passagem, contra um dos profetas do judaísmo. E só. O mesmo Janer que já acusara Arafat de terrorismo na ZH, quando os redatores do MSM nem sabiam se limpar no banheiro, o mesmo Janer que sempre atacou o comunismo quando este era coqueluche nos meios universitários e Olavo, um membro do PCB.

Agora, não se pode mais criticar a religião?

O Rodrigo saiu por mais um artigo, lúcido, em que criticava o fundamentalismo religioso, eu pelo boicote a minha defesa do evolucionismo etc. Esta é a "mídia SEM(sic) máscara"? Creio que não.

Ele tem o direito de censurar, sim. E nós o direito de acusá-lo de censurar. E eu ainda critico sua incoerência, este sim o maior erro, uma vez que na apresentação do site, no link "Quem Somos" não há uma declaração explícita pró-religião. Toda sua apresentação se baseia na proposta de ser um media watch, i.e., de criticar o que sai na mídia, o que eles se furtaram a permitir. Se quisessem dar um tom religioso ao site, deveriam ser explícitos neste sentido, deveriam ser verdadeiramente "sem máscara" e, mais uma vez, não o foram.

Em tempo, ninguém era "empregado" do MSM. Nunca se pagou nada e todo articulista bem sabia que suas contribuições eram voluntárias. Mais um ponto a favor de nossa independência. Aliás, me causa espécie um site que propala tanto o apoio e a defesa do capitalismo e não saiba capitalizar com nada, vivendo apenas de migalhas de fontes ocultas. Inclusive, a sede era emprestada...

E ninguém aqui, em sã consciência, pretende voltar àquele antro proto-totalitário.

Hoje em dia, com internet livre, é totalmente fora de propósito.

ricchus disse...

Esses comentários andam se perdendo em tantas tergivesações.

Agora a Marisa se arvora de presidente da comissão de ética e se dispõe a dar conselhos a torto e a direito, num blablablá interminável e improdutivo, que usa inutilmente um espaço que deveria se prestar para argumentações pertinentes.

Fica meio difícil debater entre tantas abobrinhas.

Marisa disse...

a.h.

Apenas achei que o texto do Janer seria anti-semita por interpretação, eu não o li.

“Ele escreveu um texto, ..., contra um dos profetas do judaísmo.”

“Aliás, me causa espécie um site que propala tanto o apoio e a defesa do capitalismo e não saiba capitalizar com nada, vivendo apenas de migalhas de fontes ocultas. Inclusive, a sede era emprestada...”

Juntando essas suas duas frases, já dá para entender o que aconteceu. Talvez, uma das fontes ocultas que sustenta o site deve ser os judeus. Entendeu porque os judeus reclamaram e o Olavo criticou ou censurou o Janer? Os judeus e os americanos financiam os direitistas no mundo todo. Estão certos ou estão errados? Eles estão defendendo a causa deles. Olavo estava certo ou estava errado?

“Ele tem o direito de censurar, sim. E nós o direito de acusá-lo de censurar.”

Gostei do que você disse. Você está sendo sensato. Você já acusou o Olavo de censurar, mas você vai continuar com esse assunto pelo resto de sua vida? E a sua raiva contra o Olavo, você nunca mais vai esquecer? Será que o Olavo somente tem defeitos tão horríveis, será que ele é tão mau caráter que não vale a pena mais ter qualquer contacto com ele? Eu penso que ele deve ter suas qualidades e deve ter feito algum bem para vocês. Não seria já a hora de parar de dar tanta atenção a banalidades?

“Nunca se pagou nada e todo articulista bem sabia que suas contribuições eram voluntárias. Mais um ponto a favor de nossa independência

Pode até ser, mas o grande mal dos brasileiros é a falta de profissionalismo no que fazem. O site deveria ser lucrativo, as pessoas deveriam receber e deveriam assumir compromissos e ser responsáveis pelo que escrevem. Quando a pessoa se sente totalmente livre, ela se nega a ter responsabilidades, que acabam ficando nos ombros de quem lidera. Foi o caso do Olavo. Vocês eram livres, mas ele não, a responsabilidade pelo que vocês escreviam era quase que só dele, responsabilidade essa que ele tinha de prestar contas para as “fontes ocultas”.

Se o site tivesse uma independência financeira, ele poderia ser mais livre nos assuntos tratados. Mas para ter uma independência financeira, deveria ter propagandas, cujos fornecedores exigiriam uma linha do site. Haveria então liberdade? Veja como é complicado ser líder de um site.

Marisa disse...

Ricchus

"Agora a Marisa se arvora de presidente da comissão de ética e se dispõe a dar conselhos a torto e a direito, num blablablá interminável e improdutivo, que usa inutilmente um espaço que deveria se prestar para argumentações pertinentes."

Não pretendo ser presidente de comissão de ética alguma. O tema é o Olavo de Carvalho. Estamos falando dele. O a.h. trouxe aqui uma assunto que envolveu o Janer e o MSM. Estou tentando entender a situação e dando a minha opinião, que acho que é melhor do que a das "Olavetes" e "Rodriguetes" (desculpe-me Rodrigo), porque eu não estou envolvida com essa história, o que me permite ser mais racional e mais justa do que vocês, que estão cegos pela emoção.

Se você não gosta do que eu escrevo, você tem toda a liberdade de não me ler. Pule os meus comentários. Juro que eu não me importo.

Rodrigo Constantino disse...

Marisa,

A revolta do Anselmo, do Janer e minha mesmo em relação ao Olavo é talvez porque o conhecemos melhor, já fomos articulistas do MSM, e depois vimos como ele é na verdade. Não somos apenas nós. A Patrícia, do Instituto Millenium, foi bem próxima dele, e depois...

É assim mesmo. Quando conhecemos melhor o sujeito e vemos que ele não passa de um embusteiro, de um explorador da fraqueza alheia, de um anti-filósofo em todos os sentidos, de um desequilibrado, a revolta é maior, pois uma vez já contribuímos com ele de alguma forma. Eu tive mais de 50 artigos publicados no MSM. Pedi para tirarem tudo. Não quero nada meu associado ao Olavo, um charlatão de quinta, um Walter Mercado dois.

Além disso, o Anselmo, Janer e eu fomos vítimas justamente da falta de caráter do Olavo, de suas mentiras grosseiras, de seus xingamentos infantis. No meu caso, ele chegou a escrever 5 artigos contra mim, repletos de mentiras, e no Orkut conseguiu atacar até minha mulher. É um adolescente problemático, com o dobro da minha idade.

Marisa, não se engane. Olavo, tirando o anti-comunismo, não tem NADA a oferecer. E convenhamos: o inimigo do meu inimigo não é meu amigo. Além disso, ser anti-comunista é fácil. Mas é muito pouco! Olavo é claramente ANTI-liberal.

Rodrigo

Marisa disse...

Rodrigo

Se você pensa que a sua inimizade com o Olavo é definitiva, você deve ignorá-lo de uma vez por todas. Pare de falar nele, então.

Eu estava argumentando apenas porque senti que, naquele debate que você fez com o Olavo, havia no início um certo respeito mútuo e uma vontade de um convencer ao outro. Achei que esse respeito poderia voltar se ambos quisessem.

Se o Olavo é ou não de direita, eu não sei, mas as pessoas o consideram como de direita. O que a direita no Brasil precisa entender é que a união é essencial. A esquerda leva vantagens sobre a direita porque ela é unida. Por exemplo, dentro do PT há brigas muito piores do que a de vocês, no entanto, dificilmente elas se tornam públicas. Os petistas se resguardam porque sabem que a união faz a força.

No caso da direita, veja o que acontece com os poucos que há. Por causa de religião ou de uma censura de um artigo, uns ficam querendo matar os outros. Diga-me, está certo?

ricchus disse...

Ora, minha cara Marisa, eu não preciso das suas sugestões para pular suas abobrinhas porque eu já o faço faz tempo. Mas, você há de convir que, textos descomunais são difíceis de se pular sem dar sequer uma espiadinha.

Coisas como "reflitam melhor sobre as suas posturas e esqueçam as mágoas. Raiva e mágoa, somente fazem mal para quem as alimenta", mais parece blog de fãs do Paulo Coelho e, certamente, são inaplicáveis aqui.

Se você tivesse pedido educação e polidez eu até entenderia, mas esse tipo de "conselho" é dose!

Marisa disse...

Ricchus

"Mas, você há de convir que, textos descomunais são difíceis de se pular sem dar sequer uma espiadinha."

Não quero dar conselho a você, não, mas dizem que a curiosidade mata.

"Coisas como "reflitam melhor sobre as suas posturas e esqueçam as mágoas. Raiva e mágoa, somente fazem mal para quem as alimenta", mais parece blog de fãs do Paulo Coelho e, certamente, são inaplicáveis aqui."

O que eu disse são ensinamentos muito úteis e importantes que eu aprendi como lições da vida. E o que eu achar que pode ser útil às pessoas ao meu redor, eu as passo adiante. Ninguém é obrigada a seguí-las, da mesma forma que ninguém é obrigado a concordar ou seguir os livros que o Rodrigo cita, ou as palavras dele, ou as suas.

Se você observar os sábios, verá que nenhum deles fica ruminando mágoas ou raiva. Por que será? Agora observe as crianças. Você percebeu que elas sempre brigam por banalidades? O que você faz quando vê dois meninos brigando por uma "boberinha"? Fica calado?

Observe também um adolescente brigando com o pai que o sustenta. Será que o adolescente entende a situação do pai, com os seus compromissos, as suas responsabilidades, os seus problemas financeiros? O que você falaria para um adolescente que ficou com raiva e magoado com o pai por uma banalidade e diz que nunca mais conversará com o pai? Eu falaria a mesma coisa que falei aqui, mas penso que você não falaria nada. Cada um tem o seu jeito. Não vamos brigar por isso, não é?

"Se você tivesse pedido educação e polidez eu até entenderia, mas esse tipo de "conselho" é dose!"

Educação e polidez, eu já pedi muitas vezes, aqui neste blog, inclusive a você. Mas este caso é diferente, por isso o meu "conselho" desta vez é outro. Vou repetir, agora em maiúsculas:

ESQUEÇAM AS MÁGOAS. RAIVA E MÁGOA SOMENTE FAZEM MAL PARA QUEM AS ALIMENTA.

a.h disse...

Não, a Sra. está errada. Não se trata de unir ninguém com ninguém. Eu não quero fazer parceria nenhuma com um desequilibrado mental como o Olavo. Um tipo desses, que odeia o debate, teme a boa luta, como o diabo da cruz, não faz bem a nenhuma Direita que se preze. E o problema não é ideológico, é de caráter. Prefiro conversar com um nazista, que sei o que pensa e o que é capaz de fazer, mas é sincero ao ponto de admiti-lo do que com um falso liberal, um "conservador de deturpações religiosas". Os próprios religiosos em grande parte admitem que o que o Olavo faz é atacar o ateísmo, mas não tem sólido embasamento religioso, pois confunde tudo criando uma espécie de ecumenismo sem pé nem cabeça. Mas, isto não é o foco...

A questão de publicar um artigo sobre religião ou ateísmo ou evolucionismo não é menor, não fazemos isto por mágoa. Teu comentário a este respeito não procede. Fazemos por respeito à liberdade de pensamento, algo que Olavo e seu séquito de acéfalos não contemplam. Se a Sra. acha que é algo dispensável é porque não tem a mínima noção do que significa a palavra Liberdade.

E, de mais a mais, é um escândalo que alguém repita que o Janer ou quem quer que seja fez "um texto anti-semita" SEM TER SEQUER LIDO O REFERIDO TEXTO! A Sra. não concorda?!

Por isso volto ao exemplo do nazista. Sabendo quem é podemos vigiá-lo, acusá-lo e reprimi-lo. Mas, um interlocutor (se é que podemos chamá-lo assim) "camaleônico" que esconde germes totalitários em meio a um discurso pseudo-liberal tem que ser, no mínimo, desmascarado.

O problema do Olavo, dentre tantos, é que ninguém mais dá a devida atenção ao mesmo. Ninguém que queira um debate sério. Temeroso de cair no completo esquecimento, não lhe resta alternativa senão atacar de forma tosca como bem confere a um vira-latas que passou a vida sendo espancado. Exceto pelos seus ouvintes que folgam com rasgos de erudição DA MESMA FORMA QUE com palavrões ou xingamentos baratos de quem foi criado num meretrício ou estrebaria, só resta ao solipsista criar um fuzué em torno de um texto de um articulista que faz juz ao seu trabalho. É assim e de um em um, ele pretende se evidenciar, só ancorado no nome de outrem, já que o seu próprio cai, paulatinamente, no oblívio. Para ser mais exato, a Síndrome Sensitiva de Auto-Referência de que sofre nosso AIATOlavo é sistematicamente interrompida por laivos e estrebuchos de um animal com a coluna partida.

Portanto, esse negócio de "Direita" e "Esquerda" que alguns lançam como mantra a não ser esquecido, além de empobrecedor, me cansa, deveras. O que falta é transparência, objetividade e franqueza no debate. Nestas condições, o totalitarismo padece. Primeiro os mais óbvios, como o comunista, o nazista etc. Depois, os sutis dos fundamentalistas religiosos que tentam sufocar as liberdades (inclusive a de outras fés).

Agora, nenhum conselho da turma do "deixa disso" me fará parar. Estou calejado de esmurrar olavetes e outros similares nas alamedas virtuais. E à César o que é de César, ao Olavo o que lhe é devido... Como um direto em sua dentadura não se faz factível, um bom esculacho já está de bom tamanho.

Marisa disse...

a.h.

“E, de mais a mais, é um escândalo que alguém repita que o Janer ou quem quer que seja fez "um texto anti-semita" SEM TER SEQUER LIDO O REFERIDO TEXTO! A Sra. não concorda?!”

Na primeira vez eu escrevi anti-semita porque me baseei no texto do Olavo, que você não corrigiu. Por que não corrigiu o texto do Olavo nesse ponto?

“Primeiro tentei livrar a cara do colunista, julgando que seu anti-semitismo era um estado provisório de ordem patológica e não uma convicção genuína; depois, como ele insistisse naquela frescura, botei-o para fora do MSM em janeiro de 2007.”

Depois, no dicionário, semita quer dizer judeu e também personagem bíblica. Pelo que você escreveu a mim:

“Ele (Janer) escreveu um texto, bem factual diga-se de passagem, contra um dos profetas do judaísmo. E só.”

“Contra um dos profetas do judaísmo”, portanto, contra um semita. Decerto, os judeus foram mesmo reclamar com o Olavo e o Olavo foi para cima do Janer.

Não sei o que você entendeu, mas na segunda vez que eu lhe escrevi, eu me justifiquei que eu tinha apenas interpretado (lendo as palavras do Olavo), na primeira vez, que o texto era anti-semita, mas que eu não tinha lido o texto do Jader. Fui honesta com você, apenas faltou dizer que, por não tê-lo lido, eu não poderia dizer se era anti-semita ou não.

“Um tipo desses, que odeia o debate, teme a boa luta, como o diabo da cruz, não faz bem a nenhuma Direita que se preze.”

Que eu me lembre, o Olavo aceitou debater com o Rodrigo sobre religião e foi somente depois que o Rodrigo corrigiu um erro de português do Olavo que o debate desandou. Até, então, parecia que estava indo bem. Portanto, você não diz a verdade.

“Fazemos por respeito à liberdade de pensamento, algo que Olavo e seu séquito de acéfalos não contemplam.”

Eu pouco li da obra do Olavo, mas nos textos que li, nunca vi ele atacando a liberdade de pensamento, muito pelo contrário. Agora, ele ataca mesmo, de maneira muitas vezes vulgar, os que têm idéias contrárias a ele. Você não ataca também? Você falando (12:37 PM):

“Primeiro, aos idiotas. Não tem nada a ver com religião.”

Mostre-me onde o Olavo não contempla a liberdade de pensamento. Em quais textos dele está escrito isso.

“Temeroso de cair no completo esquecimento, não lhe resta alternativa senão atacar de forma tosca como bem confere a um vira-latas que passou a vida sendo espancado. Exceto pelos seus ouvintes que folgam com rasgos de erudição DA MESMA FORMA QUE com palavrões ou xingamentos baratos de quem foi criado num meretrício ou estrebaria, só resta ao solipsista criar um fuzué em torno de um texto de um articulista que faz juz ao seu trabalho. É assim e de um em um, ele pretende se evidenciar, só ancorado no nome de outrem, já que o seu próprio cai, paulatinamente, no oblívio. Para ser mais exato, a Síndrome Sensitiva de Auto-Referência de que sofre nosso AIATOlavo é sistematicamente interrompida por laivos e estrebuchos de um animal com a coluna partida.”

1. “um vira-latas que passou a vida sendo espancado”

2. “de quem foi criado num meretrício ou estrebaria”

3. “laivos e estrebuchos de um animal com a coluna partida”

a.h., você tem consciência do que está falando? Num único parágrafo, você usou 3 “xingamentos baratos” e você quer ainda acusar o Olavo e seus seguidores de usar “palavrões e xingamentos baratos”? Você percebeu que está agindo como eles? Já sentiu que não tem autoridade para falar dos outros, se age como eles? Você está querendo criticar nos outros aquilo que você mesmo faz. Você está sendo totalmente incoerente.

Eu li tudo o que você escreveu neste post e por mais que você queira dizer que não, a sua MÁGOA contra o Olavo por ele ter censurado ou demitido o Janer fica piscando como um letreiro luminoso nos seus comentários. Parece que virou uma fixação neurótica, uma revolta de adolescente.

Nessa questão entre o Olavo e vocês, eu sou uma página em branco. Não conheço nem o Olavo, nem vocês direito. Na verdade, conheço quase nada de todos vocês. E devo dizer que as suas palavras não me convenceram. Eu não fiquei contra o Olavo, apesar de você ter uma enorme vantagem em relação a ele de poder estar falando direto comigo. Como você pretende convencer os outros? Mostre-me nos textos do Olavo, de maneira objetiva, onde ele está errado, porque ele é uma figura tão desprezível para vocês. Você não quer me convencer?

a.h disse...

Se tu não leu o texto do Janer não tem moral nenhuma para criticá-lo. Ponto.

Bruno disse...

A.H,


Gostaria que vc definisse então LIBERDADE segundo seu pensamento. Veja bem, não quero intimidar ninguém, pergunto isso para poder entender um pouco mais toda essa discussão.

Obrigado

Marisa disse...

a.h.

"Mas, um interlocutor (se é que podemos chamá-lo assim) "camaleônico" que esconde germes totalitários em meio a um discurso pseudo-liberal tem que ser, no mínimo, desmascarado."

Vamos! Aonde estão os "germes totalitários"? Estou curiosa. Aproveite a oportunidade para desmascará-lo.

Acho que você está caindo fora da discussão porque você não tem como me convencer através dos textos do Olavo de Carvalho, então você está querendo se justificar pelo fato de que eu não li o texto do Janer Cristaldo. Incoerente, de novo. quem era mesmo o sujeito "que odeia o debate, teme a boa luta, como o diabo da cruz"?

Rodrigo Constantino disse...

Marisa, tenha dó!

Olavo tem artigos acusando Newton de ter espalhado o "vírus da burrice" no Ocidente, já justificou a Inquisição e seu Index, acusa Darwin, chama Popper de amador, justifica o "julgamento" de Galileu, e por aí vai. Sua postura anti-científica é evidente, e isso é autoritário. Olavo abraçou a idéia de que a religião está acima de tudo. Os conservadores de direita SÃO autoritários! Para eles, a liberdade individual tem pouco valor. Defendem apenas a liberdade ECONÔMICA, pois não ligam muito para isso. Mas quando se trata de COMPORTAMENTO, querem a coerção estatal controlando as coisas. Não aceitam trocas voluntárias entre adultos responsáveis. Não aceitam pesquisas com células-tronco. E fazem uma baita coerção para intimidar e limitar as críticas à sua religião.

Não se engane: SE essa turma chegasse ao poder, o PT seria ficha pequena! Teríamos o regresso à Idade Média, tão adorada por esses saudosistas doentes.

Rodrigo

Anônimo disse...

Será que alguém que escreve que fumar não faz mal e depois comete um parágrafo como o que reproduzo abaixo tem alguma credibilidade para falar sobre Ciência? Acho que neste caso, temos que adotar a postura dele, e falar: Olavo de Carvalho, vá tomar no seu cu!

Pasmem:

Não tenho a menor convicção pessoal quanto às vacinas. Já li provas científicas eloqüentes de que são úteis e de que são perniciosas, e me considero humildemente em dúvida até segunda ordem. Alguns de meus oito filhos tomaram vacinas, outros não. Todos foram abençoados com saúde, força e vigor extraordinários, e nenhum deles deve isso aos méritos da ciência estatal, mas a Deus e a ninguém mais."

Marisa disse...

Rodrigo

Você não poderia ser mais específico em suas críticas? Quais são os artigos do Olavo onde estão escritos essas suas afirmações? Estou lhe pedindo isso porque eu não pretendo ler a obra completa do Olavo, ainda mais com a indicação negativa que vocês estão fazendo dele.

Se ele disse que Newton espalhou o “vírus da burrice” no Ocidente, isso é um absurdo, porém, justificar a Inquisição e o julgamento de Galileu, dentro do contexto histórico em que viveram, é totalmente possível. Eu acho que as pessoas cometem erros quando julgam um acontecimento do passado com a mesma moral e interpretação de hoje. Você não pode, por exemplo, encarar a escravidão do passado com a mesma visão de hoje. A escravidão é justificada dentro de uma determinada época, como um costume enraizado e como fonte de mão de obra barata. Você, como economista, sabe da importância da escravidão na economia no passado.

“Sua postura anti-científica é evidente, e isso é autoritário.”

O fato dele ser anti-científico não implica em ser autoritário. Em que sentido ele é autoritário? Em que contexto ele falou sobre Newton? Newton foi um grande pensador, mas ele era extremamente autoritário. Ele chegou a atrapalhar a vida de muitos conterrâneos seus como Leibniz e Hooke.

“E fazem uma baita coerção para intimidar e limitar as críticas à sua religião.”

Isso todos os religiosos fazem, principalmente aqueles que estão encarregados de defender a sua Igreja. As religiões são como partidos políticos e eles precisam cuidar de sua aparência para manter os adeptos. Eles são fortes e organizados, e vão mesmo para cima de quem os contraria. Compete a quem quiser enfrentá-los mostrar força e argumentos para convencer as pessoas.

Rodrigo Constantino disse...

Marisa,

Não tenho aqui agora quais textos, mas vc pode procurar no site dele. O que ele fala sobre Newton ficou bem conhecido, pois é uma piada!

O autoritarismo está evidente nas defesas que os conservadores fazem do controle estatal no comportamento. A liberdade individual é jogada em segundo plano. Quando o sujeito jura que conhece A Verdade, que foi revelada, ele quer impor isso aos demais. Eis a postura de 10 em cada 10 conservadores fanáticos.

Rodrigo

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Blogildo disse...

O autoritarismo está evidente nas defesas que os conservadores fazem do controle estatal no comportamento.

Que é isso, Rodrigo? Que conservador moderno faz defesa de controle estatal do comportamento?

Rodrigo Constantino disse...

Blogildo,

Fulano é adulto, quer fumar maconha. Pode? Segundo os conservadores, não! Ora, isso não é controle sobre o comportamento alheio, ainda que seja uma atitude que somente lhe diz respeito?

Fulano precisa de um rim para viver. Ciclano quer vender seu rim. Ambos adultos. Seria uma troca voluntária. Pode? Segundo os conservadores, não. Isso não é controlar o comportamento alheio?

Fulano é gay. Ciclano é gay. Ambos querem casar no civil. Pode?

Fulano quer fazer pesquisas com células-tronco. Pode revolucionar nossa medicina, salvando milhões de vidas. Pode?

Fulano pode desenhar charges de Maomé com bomba na cabeça? Ou Jesus de forma sarcástica? Alguns acham que não, pois é "blasfêmia", um conceito sem sentido num Estado laico.

E por aí vai.

Rodrigo

Anônimo disse...

Rodrigo,

ciclano é um hidrocarboneto de cadeia cíclica.

o certo é sicrano

Blogildo disse...

Rodrigo, você sabe - talvez melhor que eu - que nenhum conservador atual pensa assim em relação a maconha e outras drogas. O problema, como você sabe, não é a maconha em si. Afinal, é no mínimo falacioso dizer que fumar maconha diz respeito apenas ao indivíduo. Ora, onde o cara consegue o baseado? Ou, como diria o Capitão Nascimento, "quem matou esse cara aqui?" E ainda: "quantas crianças a gente vai perder pro tráfico para um playboy enrolar um baseado"? Eu diria: Quantas crianças a gente perdeu para o Carl Sagan enrolar o baseadinho dele?

Não conheço nenhum conservador que seja contra a doação e transplante de órgãos de qualquer tipo. Você sabe que o ponto em questão não é o transplante em si.

Concordo com o ponto dos gays. Mas é o único ponto de sua lista de cinco itens.

A questão das células-tronco você também sabe que o problema não é esse. O problema é com células-tronco EMBRIONÁRIAS.

Quanto as charges, vale destacar que a imagem de Jesus é parodiada e sacanaeada desde, veja só, o primeiro século de nossa era. Reclamar disso não é o mesmo que "controlar o comportamento alheio".

Pô, Rodrigo, não apela!

ricchus disse...

O principal motivo dessa crítica absurda do Olavo a Newton é simples e se chama Aristóteles, e é a mesma razão que o leva a elogiar a condenação de Galileu pela inquisição.

Olavo, um “aristotelete” de carteirinha não se conforma com a contestação da idéia de que “um objeto só se desloca enquanto se mantém a força que o impele, e que, se o objeto perde o contato com ela, seu movimento cessa”, teoria de Aristóteles em vigor até o fim da Idade Média. Galileu inverteu o pressuposto. Suas experiências sobre a queda livre mostraram que os corpos mantêm naturalmente seu movimento enquanto uma outra força não os detenha e, além disso, caem cada vez mais depressa.

Esse princípio de Galileu acabou tendo o auxílio luxuoso de Descartes, que, em busca de um sistema capaz de unificar os conhecimentos humanos, formulou o princípio da inércia tal como hoje é conhecido. Os termos de sua definição determinaram que todo corpo opõe uma força de inércia ao movimento, mas depois continua a se deslocar devido à inércia.

A síntese dessa renovação das teorias da física foi a obra de Isaac Newton, que formulou matematicamente sua aplicação a qualquer corpo físico em três leis, explicadas em seu livro Principia de 1687. Como Olavo só se refere à primeira, a da inércia, que diz que os corpos, quando se acham imóveis, continuam assim até que uma força atue sobre eles e se, ao contrário, se movem, o deslocamento prossegue em linha reta até que outra força os detenha (“every body perseveres in its state of rest, or of uniform motion in a right line, unless it is compelled to change that state by forces impressed thereon.”), vamos às asnices olavianas.

Em primeiro lugar, Olavo já deturpa de cara o enunciado do primeiro axioma, que não fala em “eternamente” e nem em “estado presente”e, apartir daí, ele tenta dar um nó na física, misturando conceitos einstenianos com filosofia de porta de botequim, aliados a uma retórica medieval do tempo do trivium. Tudo não passa de um mero jogo de palavras sem o menor sentido, inclusive aventando hipóteses como “se você esticar indefinidamente os limites do tempo, não haverá mais diferença possível entre a mudança e a permanência, entre o acontecer e o não acontecer. "Movimento eterno" é conceito autocontraditório”.

Ora, um “se” nunca provou bulhufas e não vai ser através do Olavo que isso vai mudar. O “Principia” realmente causou muita polêmica no século XVII, mas se nem Goethe, Leibniz, Einstein ou quatro séculos de ciência conseguiram provar nada contra esse bê-a-bá da física, eu asseguro que não vai ser o Olavo que vai conseguir, até porque o seu conhecimento da matéria é bem pior que o meu em veterinária, que é nenhum, além das suas ligações íntimas com Aristóteles e com a Inquisição serem extremamente comprometedoras para se arvorar em falar de Galileu, Descartes e Newton que, segundo ele, também era bruxo.

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
a.h disse...

Bruno,

Algumas pessoas, notadamente as de tradição positivista, contrapõem 'ordem' à 'liberdade'. Não penso assim. Existem formas de liberdade. Existe liberdade com CAOS e sem CAOS. A última pode ser tomada como "liberdade com ordem". Sei muito bem que este último termo apresenta um ranço positivista (e não é à toa que seja assim...), mas me refiro à ordem liberal, aquela que derivou de normas criadas voluntariamente entre os pares da sociedade e acabou por se institucionalizar. Daí meu 'conservadorismo', neste único e exclusivo sentido.

'Liberdade', portanto, pode servir para questionar à própria ordem, não sem propor outra. Toda crítica cônscia aos valores deve propor outros ou uma nova estruturação da ordem. Do contrário, nossa atitude seria algo anarco-punk.

A ordem que permite, a ordem que preza a liberdade de criticar a religião, bem como da religião criticar a ciência, ou de algum movimento criticar outro é a ordem do estado laico.

a.h disse...

Jether,

Além da suposição do sicofanta, qual foi, especificamente, a 'burrice' de Newton?

Sou todo ouvidos.

a.h disse...

Rodrigo,

Tu és conservador, no bom sentido da palavra. Tome isto como um elogio.

Marisa disse...

Rodrigo

�N�o tenho aqui agora quais textos, mas vc pode procurar no site dele.�

Vou lhe devolver as suas palavras. Rodrigo, tenha d�!

Voc� como um bom defensor do m�todo cient�fico, sabe que, em ci�ncia, qualquer afirma�o deve ser demonstrada. Se voc� quer demonstrar que o Olavo � um autorit�rio, deve citar os textos dele como prova.

Eu vi a refer�ncia dada pelo Jether, ao qual agrade�o. Depois falarei sobre esse artigo num outro post.

�Fulano � adulto, quer fumar maconha. Pode? Segundo os conservadores, n�o! Ora, isso n�o � controle sobre o comportamento alheio, ainda que seja uma atitude que somente lhe diz respeito?�

Voc� acha que fumar maconha somente diz respeito � pessoa que fuma? Imagine que a maconha seja liberada. Ent�o, voc� poder� comprar um pacote de cigarros de maconha nos bares, nos supermercados, etc. Voc� acha que somente os adultos ir�o comprar? Imagine um adolescente que compra um pacote para experimentar. Digamos que ele gostou do resultado, da sensa�o de alegria ou de bem-estar trazido pela maconha. Ser� que ele n�o ir� depois querer experimentar outras drogas mais fortes, que lhe d�em sensa�es ainda mais pronunciadas? Drogas essas que lhe causem depend�ncia? E voc� deve saber muito bem do estrago que um drogado pode fazer para a sociedade.

Se voc� tem filhos, pense que isso pode acontecer com um deles. O que voc� acharia nesse caso? Observe que a nossa sociedade est� criando um cerco contra o cigarro. N�o se pode mais fumar nos meios de transportes p�blicos, e agora nos restaurantes. As propagandas de cigarro foram proibidas e os ma�os de cigarro v�m com fotos e advert�ncias para desestimular o consumo. Al�m disso, a cada ano surgem mais drogas para ajudar as pessoas a largarem o v�cio. Voc� concorda com todas essas medidas contra o cigarro, ou voc� acha que �� controle sobre o comportamento alheio�? Eu acho que voc� n�o fuma, assim como eu. Penso que gosta de cuidar da sua sa�de, assim como eu. E por que, ent�o, voc� � a favor da libera�o da maconha?

�Fulano precisa de um rim para viver. Ciclano quer vender seu rim. Ambos adultos. Seria uma troca volunt�ria. Pode? Segundo os conservadores, n�o. Isso n�o � controlar o comportamento alheio?�

Voc� falou em vender. Os conservadores aceitam as doa�es de �rg�os? Um com�rcio de �rg�os iria privilegiar os ricos apenas. Sobrariam �rg�os para os pobres? Eu acho que esse problema nem deveria ser discutido porque daqui a alguns anos devem se fazer �rg�os como os rins a partir das c�lulas tronco da pr�pria pessoa.

�Fulano � gay. Ciclano � gay. Ambos querem casar no civil. Pode?�

Esse � um tema discut�vel. Os gays sempre chamaram a aten�o sobre eles partindo de uma posi�o de �diferentes sociais� ou de �minoria marginalizada�. Agora querem o direito de se casar no civil, numa busca de legalizar a uni�o gay. Acontece que o casamento civil tem um aspecto conservador, visto que, nos dias de hoje, muitos casais heterossexuais est�o escolhendo a uni�o informal, sem casamento civil. Isso tem sido a evolu�o da uni�o hetero. Vejo uma contradi�o na reivindica�o gay, pois de um lado se dizem avan�ados por se assumirem, e por outro lado querem uma uni�o conservadora. A divis�o de bens e heran�as podem perfeitamente serem feitas atrav�s de contratos no cart�rio ou testamentos, n�o h� necessidade de casamento civil.

�Fulano quer fazer pesquisas com c�lulas-tronco. Pode revolucionar nossa medicina, salvando milh�es de vidas. Pode?�

O Brogildo j� falou que eles s�o contra as c�lulas-tronco embrion�rias e n�o todas elas. Acho que essa pol�mica at� est� sendo ben�fica para a ci�ncia, porque incentiva a pesquisa de c�lulas tronco em outros lugares do corpo humano. Elas j� foram encontradas at� no interior dos dentes.

�Fulano pode desenhar charges de Maom� com bomba na cabe�a? Ou Jesus de forma sarc�stica? Alguns acham que n�o, pois � "blasf�mia", um conceito sem sentido num Estado laico.�

Voc� mesmo disse: �alguns ACHAM que n�o�. Ora, o fato de alguns acharem, n�o implica um controle sobre o comportamento alheio, como voc� est� querendo exemplificar. � muito natural que eles n�o gostem e reclamem das charges, assim como eu e voc� n�o gostamos e reclamamos quando alguns se colocam contra a ci�ncia. Num processo democr�tico, se os conservadores ganharem o poder, podem at� chegar a proibir as charges atrav�s de leis. A sociedade � que vai criar as leis. Mas, voc� quer saber? Para mim � indiferente se proibirem ou n�o, pois n�o acho essas charges nem divertidas, nem interessantes.

Marisa disse...

Rodrigo

Por favor, apague o post anterior que ficou com defeito na configuração. Vou colocar outro novamente.

Marisa disse...

Rodrigo

“Não tenho aqui agora quais textos, mas vc pode procurar no site dele.”

Vou lhe devolver as suas palavras. Rodrigo, tenha dó!

Você, como um bom defensor do método científico, sabe que, em ciência, qualquer afirmação deve ser demonstrada. Se você quer demonstrar que o Olavo é um autoritário, deve citar os textos dele como prova.

Eu vi a referência dada pelo Jether, ao qual agradeço. Depois falarei sobre esse artigo num outro post.

“Fulano é adulto, quer fumar maconha. Pode? Segundo os conservadores, não! Ora, isso não é controle sobre o comportamento alheio, ainda que seja uma atitude que somente lhe diz respeito?”

Você acha que fumar maconha somente diz respeito à pessoa que fuma? Imagine que a maconha seja liberada. Então, você poderá comprar um pacote de cigarros de maconha nos bares, nos supermercados, etc. Você acha que somente os adultos irão comprar? Imagine um adolescente que compra um pacote para experimentar. Digamos que ele gostou do resultado, da sensação de alegria ou de bem-estar trazido pela maconha. Será que ele não irá depois querer experimentar outras drogas mais fortes, que lhe dêem sensações ainda mais pronunciadas? Drogas essas que lhe causem dependência? E você deve saber muito bem do estrago que um drogado pode fazer para a sociedade.

Se você tem filhos, pense que isso pode acontecer com um deles. O que você acharia nesse caso? Observe que a nossa sociedade está criando um cerco contra o cigarro. Não se pode mais fumar nos meios de transportes públicos, e agora nos restaurantes. As propagandas de cigarro foram proibidas e os maços de cigarro vêm com fotos e advertências para desestimular o consumo. Além disso, a cada ano surgem mais drogas para ajudar as pessoas a largarem o vício. Você concorda com todas essas medidas contra o cigarro, ou você acha que “é controle sobre o comportamento alheio”? Eu acho que você não fuma, assim como eu. Penso que gosta de cuidar da sua saúde, assim como eu. E por que, então, você é a favor da liberação da maconha?

“Fulano precisa de um rim para viver. Ciclano quer vender seu rim. Ambos adultos. Seria uma troca voluntária. Pode? Segundo os conservadores, não. Isso não é controlar o comportamento alheio?”

Você falou em vender. Os conservadores aceitam as doações de órgãos? Um comércio de órgãos iria privilegiar os ricos apenas. Sobrariam órgãos para os pobres? Eu acho que esse problema nem deveria ser discutido porque daqui a alguns anos devem se fazer órgãos como os rins a partir das células tronco da própria pessoa.

“Fulano é gay. Ciclano é gay. Ambos querem casar no civil. Pode?”

Esse é um tema discutível. Os gays sempre chamaram a atenção sobre eles partindo de uma posição de “diferentes sociais” ou de “minoria marginalizada”. Agora querem o direito de se casar no civil, numa busca de legalizar a união gay. Acontece que o casamento civil tem um aspecto conservador, visto que, nos dias de hoje, muitos casais heterossexuais estão escolhendo a união informal, sem casamento civil. Isso tem sido a evolução da união hetero. Vejo uma contradição na reivindicação gay, pois de um lado se dizem avançados por se assumirem, e por outro lado querem uma união conservadora. A divisão de bens e heranças podem perfeitamente serem feitas através de contratos no cartório ou testamentos, não há necessidade de casamento civil.

“Fulano quer fazer pesquisas com células-tronco. Pode revolucionar nossa medicina, salvando milhões de vidas. Pode?”

O Brogildo já falou que eles são contra as células-tronco embrionárias e não todas elas. Acho que essa polêmica até está sendo benéfica para a ciência, porque incentiva a pesquisa de células tronco em outros lugares do corpo humano. Elas já foram encontradas até no interior dos dentes.

“Fulano pode desenhar charges de Maomé com bomba na cabeça? Ou Jesus de forma sarcástica? Alguns acham que não, pois é "blasfêmia", um conceito sem sentido num Estado laico.”

Você mesmo disse: “alguns ACHAM que não”. Ora, o fato de alguns acharem, não implica um controle sobre o comportamento alheio, como você está querendo exemplificar. É muito natural que eles não gostem e reclamem das charges, assim como eu e você não gostamos e reclamamos quando alguns se colocam contra a ciência. Num processo democrático, se os conservadores ganharem o poder, podem até chegar a proibir as charges através de leis. A sociedade é que vai criar as leis. Mas, você quer saber? Para mim é indiferente se proibirem ou não, pois não acho essas charges nem divertidas, nem interessantes.

ricchus disse...

DEFINITION III.
The vis insita, or innate force of matter, is a power of resisting, by which every body, as much as in it lies, endeavours to persevere in its present state, whether it be of rest, or of moving uniformly forward in a right line.

De fato, ele fala em “present state”, mas as oito Definições são apenas peças introdutórias às Leis e aos Corolários. Eu até agradeço pela observação que é mais uma prova das más intenções do Olavo ao atribuir a um dos Axiomas o texto de uma simples introdução.

ricchus disse...

Olavo tentou transformar a física em semântica. Qualquer dia ganha o Nobel da Química.

a.h disse...

Perfeito Ricchus!

E assim passa boa parte da filosofia olaviana que pensa que os nomes portam essências próprias. Por exemplo, o que se dá com temas mais etéreos "o que é o conservadorismo? Ou o Liberalismo?" etc. Nada mais enganoso. Só serve para criar seitas.

O que ele deveria se perguntar é algo como resolver isto, como resolver aquilo... Mas, não propõe nada de prático.

ricchus disse...

Além da confusão com palavras, A.H., há em Olavo a presunção, a superestima e a imodéstia, que o desfiguraram, transformando-o, de um sujeito simplesmente culto em um arremedo de político.

Digo arremedo, porque nem ser simpático ele consegue ser, e digo político, pela sua "capacidade" de distorcer fatos à maneira dos demagogos cujo objetivo é emprenhar pelos ouvidos um determinado público-alvo. No caso dele, o uso de palavrões, xingamentos e achincalhes contra os supostos inimigos do seu “vasto saber”, fazem parte da pantomima usada para impressionar os lorpas, pascácios e bovinos que, infantilmente metabolizam isso como um destemor invulgar, quando não passa de um mero jogo de palavras que, a um sopro mais valente de um vagabundo qualquer, se transforma em uma covardia pérfida que o leva imediatamente a se socorrer de dogmas e outras besteiras religiosas.

Marisa disse...

Para mim, com este artigo, “Nas Origens da Burrice Ocidental”, o Olavo de Carvalho pretendeu chamar a atenção sobre si. Escolheu um personagem famoso e respeitado, cujas idéias são aceitas quase com unanimidade, e se pôs a contradizê-lo e criticá-lo. Muitos fazem assim. Alguns usam Einstein, outros o Chico Buarque, outros a revista Veja, outros a religião e outros o próprio Olavo de Carvalho. Não acho errado, não. Eu também, se quisesse aparecer, talvez fizesse o mesmo.

Acontece que o Olavo não é filósofo da ciência e, portanto, pouco entende de ciência, por isso quase tudo que falou está errado. Mas o lado bom de seu artigo é que parece que criou polêmica. E as polêmicas são úteis para esclarecer o assunto.
..........................
“Um dos paradoxos inaugurais dos tempos modernos está na facilidade sonsa com que a parte pensante da Europa aceitou os dois princípios da mecânica newtoniana -- a eternidade do movimento e a lei de inércia -- sem parar por um instante sequer para notar que eram mutuamente contraditórios.”

Primeiramente, não existem esses dois princípios que Olavo fala. Existe apenas a Lei da Inércia.

A descoberta do Princípio da Inércia foi de Galileu e não de Newton, como muitos pensam. O próprio Newton deu os créditos das duas primeiras leis de sua Mecânica a Galileu. Einstein, em sua Teoria da Relatividade Especial, chama os sistemas de referência, onde a Lei de Inércia é válida, de Sistemas Galileanos, uma clara homenagem a Galileu.

Também, a criação do método científico é atribuída a Galileu, que foi o primeiro a perceber que a aceleração, e não a velocidade, tem um papel fundamental na descrição do movimento. Galileu também foi o primeiro a escrever uma fórmula matemática para a queda livre – a lei que diz que o espaço percorrido é proporcional ao quadrado do tempo.

Porém, Galileu nunca enunciou a Lei da Inércia na forma como a conhecemos nos dias de hoje. Quem a enunciou pela primeira vez foi Descartes, dois anos após a morte de Galileu. A Lei de Inércia de Galileu ficou subentendida em seus escritos e ela se aplicava para graves sobre a Terra, diferentemente da forma retilínea de Descartes.
.................................
“A física antiga dizia que um corpo, se não movido por outro, tende a ficar parado. Newton contestou isso, afirmando que a força da sua própria inércia mantém cada corpo eternamente no seu estado presente, seja de repouso ou de movimento retilíneo e uniforme. Só há um problema: se o movimento é eterno, não faz sentido falar em "estado presente" a não ser por referência a um observador vivo dotado do sentido da temporalidade. No movimento eterno, tudo é fluxo e impermanência. Não há "estados" -- seja de repouso ou de movimento.”

Volto a afirmar que não foi Newton, e sim Galileu, quem contestou Aristóteles. Essa “força da sua própria inércia” do Olavo é de doer. Quando um corpo se encontra em repouso ou em movimento retilíneo uniforme não há forças atuando sobre ele.

Não entrarei em detalhes, mas seguindo Copérnico e Kepler, Galileu abandonou o mito do Cosmos hierarquizado de Aristóteles, mas admitiu uma ordem universal. No Universo Galileano, ordenado, mas sem hierarquia, qualquer coisa podia encontrar-se em qualquer lugar. Com isso, Galileu foi forçado a rever também o conceito tradicional de movimento. Na doutrina Aristotélica, o movimento era um PROCESSO TRANSITÓRIO que levava um “ser em potência” para o seu lugar natural, onde ele se “realizava”. O repouso no lugar natural, pelo contrário, era um ESTADO.

Galileu primeiramente mostrou que não há diferença essencial entre REPOUSO e MOVIMENTO. Fez isso no Primeiro Dia do “Diálogo”, ao mostrar que um corpo que se deixa cair adquire de maneira contínua todos os “graus” de velocidade a partir do repouso. Galileu concluiu que o “grau a partir do qual o móvel inicia o seu movimento, é o da extrema lentidão, isto é, do repouso.

Em 1619, no “Discorso delle Comete”, afirmou que “o movimento ... não pode produzir no corpo nem calor nem frio, nem qualquer alteração, com exceção da mudança de lugar, em resumo, nada mais, como se estivesse imóvel”.

Ficava assim estabelecida, do ponto de vista ontológico, a EQUIVALÊNCIA conceitual entre movimento e repouso e, portanto, a indiferença de qualquer corpo para com um ou outro desses estados.

Portanto, não tem sentido o que o Olavo está dizendo. Galileu foi decisivo ao entender que o movimento uniforme é um ESTADO, indiferenciável conceitualmente do repouso e que consequentemente se perpetua, como o repouso, a menos que um agente externo o venha perturbar.
..............................
“Se você esticar indefinidamente os limites do tempo, não haverá mais diferença possível entre a mudança e a permanência, entre o acontecer e o não acontecer.”

Esta sentença do Olavo é muito interessante, porque ele chegou à mesma conclusão do Galileu, apesar de estar querendo rebater o Newton.
..............................
“Não sei se essas historietas procedem, mas é fato que ele dedicou mais tempo a estudos de ocultismo do que a qualquer coisa que hoje se chamaria de "ciência".”

Isso é verdade. Newton era mesmo muito estranho. Quase não dormia e passava boa parte do dia fazendo experiências de alquimia. Além dos livros de alquimia também se interessava por ocultismo. Era rancoroso e acabou com a reputação de Hooke e prejudicou Leibniz e o astrônomo chefe do Observatório Real – John Flamsteed. Na presidência da Royal Society era um verdadeiro tirano. O que o Olavo não comenta é que Newton passou os anos finais de sua vida estudando e escrevendo sobre teologia, inclusive fazendo previsões.
................................
“Era um tremendo esquisitão, e pelo visto não se atrapalhava só em detalhes de cálculo e culinária, mas nos próprios fundamentos da sua teoria.”

Newton era extremamente neurótico. Alguns biógrafos atribuem esse traço ao fato de seu pai ter morrido antes do seu nascimento e sua mãe, ao se casar novamente, tê-lo abandonado com seus avós rígidos. Porém a sua teoria era extremamente precisa e bem fundamentada. O Cálculo Diferencial e Integral foi inventado por ele para demonstrar as suas afirmações.
.................................
“Seus três críticos principais – Leibniz, Goethe e Einstein – sempre falaram respeitosamente dele, mas tenho a impressão de que por dentro riam um bocado do velho.”

No caso de Leibniz, Newton fez de tudo para prejudicá-lo, acusando-o de ter plagiado o seu Cálculo Diferencial e Integral. Segundo Newton, Leibniz tomou conhecimento de uma carta que Newton escreveu sobre o assunto, endereçada a um colega. Se isso é verdade ou não, nunca saberemos. Certamente, Leibniz odiava Newton.

Quanto a Einstein, isso não é verdade. Einstein sempre teve a maior admiração por Newton, chegando a considerá-lo o maior dos físicos. Quando foi a Inglaterra, fez questão de visitar o túmulo de Newton, onde se disse profundamente emocionado.
...............................
“O terceiro, ao restringir o alcance dos princípios de Newton a um domínio limitado da realidade, provou o total subjetivismo desses princípios, já que os limites do referido domínio eram os da percepção macroscópica humana.”

Não há subjetivismo nos princípios de Newton. A teoria da Relatividade Geral é acertada pela Mecânica Newtoniana no seu limite de validade, isto é, a Relatividade Geral tem de tender para a Mecânica Newtoniana. Isso é imposto. Querem maior crédito do que isso?
.............................
“Os admiradores, em contrapartida, chegaram a prodígios de babaquice na devoção que votavam ao cientista inglês.”

A abrangência da Mecânica de Newton é tamanha e tudo é tão bem demonstrado, apenas usando as suas três leis e a lei da gravitação, que não dá para não sentir admiração pelo seu autor. Lembremos também que por quase duzentos anos ela foi imbatível.
...........................
“Newton não espalhou só o ateísmo pela cultura ocidental: espalhou o vírus de uma burrice formidável.”

Newton sempre foi um religioso e sempre acreditou em Deus, chegando a afirmar que Deus fez o Universo. Como eu disse anteriormente, no final de sua vida, Newton estudou e escreveu sobre teologia. De onde o Olavo tirou que Newton espalhou o ateísmo?

Agora esse “espalhou o vírus de uma burrice formidável” deve ser mais uma das piadas do Olavo. Só dá para ler rindo.
............................
“A quantidade de tolices que isso explica é tão infinita quanto o universo de Newton.”

Bem, se a frase do Olavo estiver certa, podemos concluir que: como o Olavo de Carvalho está incluído no Universo de Newton, está explicado por que ele disse tanta tolice neste artigo.

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marisa disse...

jether

Hoje em dia ninguém usa mais esse termo. Hoje se fala de força como a variação do momento linear com o tempo. Por isso misturar força com inércia fica confuso, apesar de Newton ter escrito assim.

Rodrigo Constantino disse...

"Rodrigo, você sabe - talvez melhor que eu - que nenhum conservador atual pensa assim em relação a maconha e outras drogas."

Blogildo, conservadores são contra a legalização das drogas. Ponto! E o sujeito querer fumar maconha é sim um problema dele! Esse papo de que ele será um criminoso é besteira. O crime é filhote da PROIBIÇÃO! Vide Lei Seca com bebidas.

"Não conheço nenhum conservador que seja contra a doação e transplante de órgãos de qualquer tipo. Você sabe que o ponto em questão não é o transplante em si. "

Quem falou em DOAÇÃO aqui??? Conservadores são contra a VENDA, por motivos RELIGIOSOS! Tenho artigo sobre isso.

Como vc pode ver, os conservadores querem SIM controlar o comportamento dos outros. E com base em crenças religiosas.

Rodrigo

Blogildo disse...

Vamos ficar só nesse ponto então:

Blogildo, conservadores são contra a legalização das drogas. Ponto! E o sujeito querer fumar maconha é sim um problema dele! Esse papo de que ele será um criminoso é besteira. O crime é filhote da PROIBIÇÃO! Vide Lei Seca com bebidas.

Ponto não! Vírgula! Sou conservador e não estou nem aí se o cara quer encher o pulmão de maconha, cirgarro ou qualquer outra coisa. Isso é decisão pessoal. E você está certo num ponto: QUERER fumar é problema dele! Mas fumar onde isso é proibido é problema sim! É ilegalidade.

E eu não disse que o maconheiro em si é criminoso. Se ele fuma onde é permitido, ele não é. Se ele fuma onde é proibido, é criminoso!

Sejamos pragmáticos. O que o liberal aponta como solução? A gente aqui no Brasil começa liberando a maconha ou a gente espera os americanos e europeus fazerem isso? Que solução você dá para o problema?

O discurso liberal nesse respeito é muito bonitinho. Mas a realidade prática é outra, Rodrigo.

Rodrigo Constantino disse...

Não estou falando da lei, Blogildo, mas da Justiça. O indivíduo DEVERIA ser livre para fazer o que quiser com seu próprio corpo. Ponto!

"Sejamos pragmáticos"

Cuidado. Pragmatismo é amoral.

Sim, entendo as dificuldades práticas de liberar apenas aqui. Mas isso não me impede de constatar que o CERTO é o consumo de drogas ser liberado, pois cada um cuida da própria vida.

Rodrigo

Blogildo disse...

Pragmatismo é amoral mesmo! Concordo plenamente. Mas espero que você concorde que não podemos ignorar o aspecto prático e a viabilidade das coisas.

Mas eu estou falando da lei e não da justiça. Acredito na regência da lei. O atual governo vive falando em nome do CERTO e em nome da JUSTIÇA. Acho que deviam falar primeiro em nome da lei.

E convenhamos, defender o consumo de maconha onde isso é uma ilegalidade me parece apologia ao crime. Isto é, o crime de fumar maconha onde isso é ilegal.

Rodrigo Constantino disse...

Blogildo,

Não defendo o consumo. Defendo a LEGALIZAÇÃO do consumo. Nem mesmo faço apologia ao uso. Pelo contrário: acho que não deveriam consumir drogas! Mas entendo que isso é uma escolha INDIVIDUAL, e que eu não posso impedir nada, nem vc, nem o governo.

Rodrigo

a.h disse...

Esse é um bom debate, mas acho que discutir drogas é muito genérico. Acredito que maconheiros causem, em geral, menos problemas que alcóolatras. Isto é puro indutitivismo de minha parte, não considerem como uma asserção definitiva.
O que quero dizer é que se discutirmos mesmo, a questão das drogas ilícitas deveríamos também contemplar a das drogas lícitas. Em países como Rússia, Lituânia, Suécia, Islândia etc., o alcoolismo é tratado como um sério problema de saúde pública. No Brasil também poderia ser, se tivéssemos um competente serviço de estatística e não essa droguinha que é o IBGE...
A questão que envolve a maconha, cocaína e ecstasy, dentre outras, é que raramente se discute o seu consumo isoladamente de outros efeitos ou fatores.
Se seu consumo causa mais crimes decorrentes do vício, não saberia dizer, mas isto não é suficiente. Acho que uma lei deveria prever a criminalidade em geral. Exemplo prático, se o número de alcoolizados todos os fins-de-semana causa mais danos do que 'emaconhados', principlamente, em certos horários quando voltam pra casa por que a ênfase no combate às drogas não incorpora o álcool?
Vejam, não sou nenhum membro da AAA local, inclusive adoro cerveja, mas a questão é combater a criminalidade, não é? Este deveria ser o foco.
Então, o mesmo rigor normativo, isto é, TEÓRICO que se tem na lei contra o álcool (não dirigir embriagado, p.ex.) deveria ser aplicado ao uso de outros tipos de drogas. E com tantas drogas e tanta inovação neste campo farmacológico será deveras difícil que nossa legislação acompanhe. Não impossível, mas bastante improvável, haja vista os exemplos de defasagem na legislatura e inoperância administrativa e fiscal que temos.
O buraco é bem mais embaixo. Por isso, se for para liberar o consumo de drogas, a parafernália legal não deve diminuir, mas aumentar.

Blogildo disse...

Fiz um comentário aqui mas parece que ele não foi publicado, ou de algum erro. Vou tentar de novo.

Quem sou eu pra impedir alguém de alguma coisa, Rodrigo!

Entendo que você defenda a legalização, Rodrigo. É coerente com sua postura de liberal. Não condeno isso. Mas o meu ponto é que, por puro realismo, a legalização do consumo de maconha e outras drogas só poderia acontecer num ambiente democrático. E aí, você sabe melhor que eu que, todas as correntes de pensamento que vigoram na referida democracia terão de ser levada em consideração. Se democraticamente o povo decide que não se deve legalizar a maconha, o CERTO é o que for definido democraticamente por lei.
Concordo com o A.H. acima. O buraco é beeeeeem mais embaixo.

Bruno disse...

Conservadores são hipócritas e comunistas são parasitas.

Rodrigo Constantino disse...

Blogildo,

Eu não sabia que vc defendia a ditadura da maioria.

Estamos falando aqui de PRINCÍCIOS. Me parece claro que se Fulano quer fumar maconha, deve ser livre para tanto. Ponto. Eis o cerne da questão.

Vc está disposto a fazer um referendo democrático sobre aborto?

Rodrigo

a.h disse...

Bruno,
Conservador é tudo igual?

Bruno disse...

Qdo cito conservadores, me refiro aos que possuem um pensamento conservador mas na prática fazem exatamente ao contrário. Tipo padre que adora pegar no pipi de coroinha e critica pedofilia qdo é questionado, por exemplo.

Anônimo disse...

"Acredito que maconheiros causem, em geral, menos problemas que alcóolatras."

Só que,a maconha,na maioria das vezes,é a porta para outras drogas mais nefastas.A tendencia é atolar-se cada vez mais causando vários transtornos para as famílias e um grande problema de saúde pública.

Blogildo disse...

Não defendo ditadura da maioria, Rodrigo. Democracia nada mais é do que a vontade da maioria com respeito as minorias. Só isso.

Fulano só pode fumar maconha onde esse ato é legal. Esse é meu princípio. Se é ilegal, não pode! É muito simples e muito claro.
Vc pode fazer a ginástica retórica que você quiser, mas você sabe que estou com a razão nesse ponto.

Se o sujeito quer fazer qualquer coisa que não afete a vida e a saúde de terceiros, deve ser livre para fazê-lo. É um princípio.

Que a lei democraticamente votada deve ser respeitada é outro princípio.

Se a lei democraticamente votada diz que não pode fumar maconha, não pode.

Referendo sobre aborto? Pq não? Prefiro que seja debatido no parlamento. Mas não tenho nada contra referendos. Desde que não se use esse artifício indicriminadamente.

Blogildo disse...

O indivíduo pode fazer como o Gabeira: Fumar onde isso é permitido.

ricchus disse...

Apenas como subsídio à discussão, lá pelos anos 70 eu tinha um amigo muito rico que fumava maconha industrialmente e comprava no atacado. Um belo dia ele foi detido quando ia para Teresópolis - passar o carnaval com uma meia dúzia de amigos - transportando no seu carro um quilo de erva prensada e gastou o equivalente a um Corcel zero para se livrar da cana, o que não vem ao caso.

O problema é que ele não era traficante. Fumava liamba como eu fumo tabaco e a servia aos seus convidados como eu sirvo cerveja para os meus. Vai que eu, caretão de carteirinha, sou pego do lado de um cara desses cheio de droga para consumo próprio: obviamente vou no mesmo saco. Aí e que mora o perigo. Qualificar um sujeito pela quantidade de droga que ele dispõe é um absurdo tão grande quanto achar o Olavo inteligente pela quantidade de informação que possui.

É lógico que eu não estou falando de toneladas, até porque esses que as transportam são amplamente conhecidos dos órgãos que deveriam combater o tráfico. Mas, mesmo assim, eu sempre evitei grandes proximidades com usuários. Não tenho nada contra quem usa, só não me convide para a mesma mesa.

a.h disse...

O problema é que ele não era traficante. Fumava liamba como eu fumo tabaco e a servia aos seus convidados como eu sirvo cerveja para os meus. Vai que eu, caretão de carteirinha, sou pego do lado de um cara desses cheio de droga para consumo próprio: obviamente vou no mesmo saco. Aí e que mora o perigo. Qualificar um sujeito pela quantidade de droga que ele dispõe é um absurdo tão grande quanto achar o Olavo inteligente pela quantidade de informação que possui.

Melhor parágrafo do debate. Essa eu vou gravar...

Anônimo disse...

Essa dicotomia Conservadores/Liberais vem dos EUA, onde os primeiros representam a "direita" o o segundo a "esquerda". O problema é que existem individuos ateus, a favor de liberdades individuais (casamento gay, aborto, pilula do dia seguinte, etc.)e que, nem por isso, simpatizam com o "socialismo". Os "liberais'americanos afirmam que o crime tem origem na miseria, e que repressão (leia-se cana dura) é inocua para combater a violência.

Anônimo disse...

Realmente. O maior problema dos conservadores é o controle sobre o comportamento alheio. O seu caso por exemplo, você quer continuar sendo um imbecil e os conservadores não deixam você a vontade.

Anônimo disse...

Rodrigo

“se há algo no mundo que só existe no Brasil e não é jabuticaba, então não deve ser coisa boa”
A questão da proibição da drogas transcende a seara dos direitos individuais. Seria realmente razoável apenas Brasil e Holanda (esta com sérias restrições) tratarem os entorpecentes como algo permitido? se reprimindo, o Brasil atrai todo tipo de escória como mafiosos chineses, nigerianos, bolivianos e colombianos, já imaginou com a porteira aberta para eles? você conhece os efeitos do crack no cérebro humano? Saiba que um viciado, principalmente em crise de abstinência, se despe completamente se sua personalidade e é capaz de matar a própria mãe pela maldita pedra. Essa liberdade eu não quero.
Petistas, pseudo-intelectuais e esquerdistas em geral, os quais abominam a propriedade privada e a imprensa livre, defendem ardorosamente a liberação das drogas. Isso é por amor à liberdade? Não, é por desvio de caráter mesmo.
Pode ter certeza de que, apesar de ser policial (a maioria da classe tem visão conservadora) sou totalmente liberal, inclusive tenho restrições até em relação a existência hospitais, universidades e escolas publicas, mas a legalização dos entorpecentes, no meu entender, causaria um mau coletivo.muito grande.

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
a.h disse...

Jether,
Um satélite geoestacionário está parado em relação a Terra. Mas, ao mesmo tempo, ele acompanha a órbita terrestre em seu movimento.
Não há nada "mutuamente contraditório" aí, mas sim uma questão de semântica. O que está "parado" pode muito bem ser considerado "em movimento" dependendo do ponto de vista e vice-versa.

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Ainda tem uns babacas que acham que o Olavo está certo e o Newton errado. Falar o que para uma pessoa assim?

Anônimo disse...

Excelente texto.

Rodrigo Constantino disse...

O astrólogo surtou de vez! Fez uma ameaça velada, dizendo que só não me processa por estar longe (atacar sua "fé" religiosa é crime, mas ele pode xingar os ateus do que quiser...), disse que eu uso os autores que ELE "descobriu" (hehehe) de forma superficial, e insistiu que é besteira usar a razão para questionar tradições (ele deve adorar a tradição de apedrejar adúlteras). Recebeu, como de praxe, uma dúzia de "perfeito, mestre!" dos seus olavetes desesperados.

Mas dessa vez não vai merecer uma resposta maior. Olavo de Carvalho é um fanfarrão, um completo embusteiro, já devidamente desmascarado. Ler um gibi é melhor investimento do tempo disponível. Aliás, li um ontem, O Peregrino, cujo crente nos remete a figuras como Olavo... hehehe

Já que o "filósofo" estudou bem Schopenhauer, para usar todos aqueles estratagemas de erística, fica registrado aqui o conselho que Schopenhauer deu e que resolvo adotar a partir de agora:

"Em presença de imbecis e loucos, há somente um caminho para mostrarmos nossa inteligência: não falar com eles."

Rodrigo

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ricchus disse...

Quem não leu, que lesse, mas eu tenho guardada uma entrevista do Walter Mercado tupiniquim que começa assim:

"Roberta Tórtora: Como a Astrologia contribuiu para a sua formação?

Olavo: Muito. Não existe possibilidade alguma de entendimento de qualquer civilização antiga sem o conhecimento da Astrologia. O modelo de visão do mundo baseado nos ciclos planetários e nas esferas esteve em vigor durante milênios e isto continua a estar, de certo modo, no "inconsciente" das pessoas. Apesar de algumas deficiências no modelo astrológico, foi ele quem estruturou a humanidade pelo menos a partir do império egípcio-babilônico, o que significa, no mínimo, cinco mil anos de história. A Astrologia é um elemento obrigatório, por isto quem não a estudou, não estudou nada, é um analfabeto, um estúpido. O trabalho mais vigoroso nas ciências humanas do século XX, por exemplo, só aconteceu depois da existência do Instituto Warburg, fundado em Londres por um milionário judeu fugido da Alemanha, que juntou, durante 20 anos, as melhores cabeças do século em torno de uma coleção de manuscritos astrológicos e alquímicos. Sem este estudo, a comunidade acadêmica nunca teria qualquer possibilidade de compreensão real das civilizações antigas."

Anônimo disse...

e astrólogo não pode ser simplesmente uma figura de linguagem para embusteiro? se chamar alguém de palhaço vai ter que passar um link mostrando que a pessoa trabalhou num circo?

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ricchus disse...

Se Olavo pode dizer que

"a Astrologia é um elemento obrigatório, por isto quem não a estudou, não estudou nada, é um analfabeto, um estúpido",

por que eu não poderia chamá-lo de palhaço, se eu sou estúpido e analfabeto para ele?

ricchus disse...

Eu até posso dizer que estúpido e analfabeto é o sujeito que nada sabe sobre física e chama Newton de burro. Ou que um crente como ele, preso a dogmas e, exatamente por isso, é obrigado por sua burrice a tentar fazer da filosofia um simples jogo de palavras.

Hábil com palavras, ele já foi, tanto que me enganou, como a tantos, por algum tempo. Infelizmente, para ele, a caquexia prematura tomou conta até da destreza verborrágica de outrora, dando lugar a espasmos absolutamente ridículos de uma mente em deterioração.

a.h disse...

Sobre Olavo e Schopenhauer: Traduziu e aprendeu


A síntese das dialéticas manifestações olavianas deve ter entalado:





Não se debate com a ignorância.

ou

Para o completo ignorante da História, a minha afirmação deve parecer mesmo aberrante e inaceitável. Mas até no "exemplum in contrarium" você erra feio. (...) O tom de gozação insolente em que você me responde é mera afetação de um garoto bobo que se sente intimidado e não quer dar o braço a torcer.

ou

Pare de blefar, moleque idiota. Você não leu bosta nenhuma sobre Galileu, sobre a Inquisição, sobre S. Roberto Belarmino ou assuntos similares, além do besteirol voltaireano.

ou

De novo aí vai o garoto tirando conclusões históricas com base no sentido dicionarizado das palavras. (...)

ou

Estupidez. (...) Não dá para discutir com o ignorante completo. (,,,)

ou

Quanto mais você fala, mais prova sua completa ignorância do assunto. (...)

ou

1) O Rodrigo não lê só a Superinteressante. Lê também a Wikipedia.
2) Ele não chega a perceber que sua lista de ateístas é uma lista dos maiores embusteiros de todos os tempos, porque nada sabe deles além do que leu na Wikipedia.
3) Se esse moleque quer mesmo discutir, e até promete me ensinar como fazê-lo, sugiro um debate em forma, com todos os preceitos da regra dialética, que ele deve conhecer, suponho, melhor do que eu. Será bom para mostrar aos demais que tipo de lixo falante é esse pirralho desprezível.

ou

Uma observação quanto à sua lista: somar nomes de partidários ilustres é exatamente aquilo que se conhece como "argumentum auctoritatis", que Sto. Tomás classificava como o mais fraco dos argumentos. Constantino não sabe nem isso, e usa desse argumento como se fosse o suprassumo da racionalidade. É esse o merda que quer me ensinar a debater? Ademais, a autoridade dos nomes citados é mínima, para quem os conhece, o que não é o caso desse palhaço que, em desespero, sai ciscando arremedos de argumentos na Wikipedia. É patético.

ou

1. Só mesmo um analfabeto convicto pode confundir a regra do debate com a polidez afetada de um pequeno-burguês. Minha regra de polidez é mandar esse tipo de interlocutor à merda.
2. Em matéria de polidez, o sujeito que desrespeita Jesus Cristo e exige ser respeitado só pode mesmo ser um megalômano psicótico ou um moleque ingênuo que não tem o menor senso das proporções.
3. Você quer mesmo que eu examine o seu artigo sentença por sentença? Você é masoquista?

ou

Um moleque idiota que vem me encher o saco não é nem poderia ser objeto do meu ódio. Ao imaginar-se assim, ele apenas infla a importância que imagina ter a meus olhos. Não odeio uma casca de banana quando escorrego nela, nem um bostinha metido a intelectual quando o mando de volta para a escolinha maternal. Ódio é outra coisa. Mas será que até isso vou ter de ensinar a esse fedelho?


Em

http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=44668&tid=2514508111185422769&na=3&nst=291&nid=44668-2514508111185422769-2514704934504386208





E por aí vai...

Mas, de que se depreende as seguintes assertivas?

Em Como vencer um debate sem precisar ter razão, de Schopenhauer, traduzido por OC[1]:

Do 8º estratagema dialético, à página 140, Olavo de Carvalho tem se notabilizado como expert:


Provoca-se a cólera do adversário, para que, em sua fúria, ele não seja capaz de raciocinar corretamente e perceber sua própria vantagem. Podemos incitar sua cólera fazendo-lhe algo francamente injusto, vexando-o e, sobretudo, tratando-o com insolência.






[1] Schopenhauer, Arthur, 1788-1860. Como vencer um debate sem precisar ter razão: em 38 estratagemas: (dialética erística)/ Arthur Schopenhauer; introdução, notas e comentários por Olavo de Carvalho; tradução de Daniela Caldas e Olavo de Carvalho. – Rio de Janeiro: Topbooks, 1997. 258p.



_______________________

Agora imagine se os missivistas de Olavo de Carvalho resolverem lhe retribuir as ameaças de processo?

Anônimo disse...

Olavo de Carvalho é um perfeito imbecíl. A coisa mais importante que deve ter acontecido com ele nos últimos meses foi ter essa discussão com o Rodrigo. Sem isso ele é um pouco melhor que Edir Macedo...

E me perdoe quem gosta desse cara: "Vcs são os mais perfeitos imbecis!"

a.h disse...

Mas, esta é a única maneira que ele tem de adquirir alguma nova relevância atual. O astrólogo foi renegado até por seus pares conservadores. Os próprios religiosos o consideram uma piada.

Blogildo disse...

Rodrigo, é impressão minha ou meus comentários estão sendo excluídos?

Rodrigo Constantino disse...

Blogildo, eu não apaguei nada seu. Tenta postar novamente.

Anônimo disse...

A caracteristica que mais aprecio na direita brasileira é a sua evidente união e coesão.

Jether disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

"A caracteristica que mais aprecio na direita brasileira é a sua evidente união e coesão".
Ao contrario do que aconteceu com Celso Daniel e Toninho do PT, que foram assassinados por "companheiros" da esquerda , ainda bem que a desunião da Direita se restringe ao campo verbal e de idéias. Leon Trótskie e Stalin também foram despachados para as profundezas do inferno por companheiros que não suportavam divergências. Heloísa Helena também não poupa adjetivos como "estelionatário" e "vigarista " aos companheiros Lulla e Dirceu.

ricchus disse...

A.H., esse Orkut das olavetes é de uma baixaria enternecedora. Só que não achei esse link que você deu.

a.h disse...

Ricchus,
Isto estava na comunidade do Mídia Sem Máscara. Tentei acessar também e nada. É bem possível que algum olavete tenha tido uma recaída stalinista, como quando manipulavam as fotos para ocultar o passado político daqueles que foram expurgados do partido...

Sérgio disse...

Esse tal de a.h. é o perfeito malandro que pega o bonde andando e quer sentar na janelinha. Ou Santos Dumond, que só vai na asa dos outros.

Se meteu a debater, criticou quem foge do debate e não é que foi isso que fez com a Marisa? Fugiu, empinando o nariz e tudo... que coisa ridícula!

Agora, Rodrigo, só para te lembrar, o estado brasileiro não é Laico. A Constituição é promulgada "sob a proteção de Deus"(vide preâmbulo). Sem dizer que nas cédulas temos o "Deus seja louvado".

A questão é: vocês acusam Olavo de autoritário (e ele é mesmo!!!!!!! CONCORDO PLENAMENTE). Mas por outro lado, vocês se colocam da mesma forma. Reclamam que ele não respeita aos outros, e aqui se deu um festival de baixarias quando referem-se aos ditos "conservadores".

Depois, você acha um absurdo um crente brigar pela sua crença (mesmo que for democraticamente através da política, como se dá com a polêmica da célula-tronco). Ou seja: o cara pode fumar maconha porque trata-se de uma liberdade individual; mas o crente não pode ter sua crença (que também é liberdade individual), porque Constantino tem horror às tradições.

Vocês podem ter brigado, mas são igualzinhos na prepotência e na falta de respeito. Lamentável!

a.h disse...

Liberdade de crença é perfeito. "Liberdade de impor" normas derivadas de TUA crença é um paradoxo.
Quanto ao debate, não vale a pena defender um texto ou um autor quando quem o acusa SEQUER O LEU!
No meu dicionário isto tem nome: dislexia cognitiva.

a.h disse...

Mensagem enviada ao Janer:

Sr. Cristaldo,

Não sou ateu, mas gostava de ler alguns de seus artigos no Mídia Sem Máscara. Após a sua saída do MSM, passei a visitar seu blog para ler seus artigos. Não sei se o senhor foi amigo de Olavo de Carvalho, mas fiquei surpreso ao saber que o senhor desconhecia que ele é astrólogo. Olavo de Carvalho é grão-mestre da maçonaria. Ele pertence a uma loja da maçonaria romena e já escreveu vários artigos sobre a maçonaria. Caso o senhor não saiba, os maçons estudam astrologia. A maçonaria se organizou em torno do Zohar, o livro escrito pelo rabino Shimon Bar Yohai contendo os ensinamentos da Cabala, a ciência oculta dos judeus. Para ter outras informações sobre a maçonaria, o senhor pode acessar o site da Editora Madras (www.madras.com.br), que publica livros de vários maçons. Pelos títulos publicados pela editora, o senhor saberá o que os maçons estudam. Não tenho intenção em convencê-lo a deixar de ser ateu, mas gostaria que o senhor compreendesse o que é maçonaria e a importância que eles dão à astrologia. Para alguém que escreve sobre religião, estudar a maçonaria é um dever.

Atenciosamente,

*

sérgio disse...

A.h.

o sr. é uma piada. Pior é que se leva a sério!

Eu não falo em nome da ICAR ou do Islamismo como você já quer supor. É desonesto demais para debater seriamente e fica com essas estratagemas bobocas.

Vocês parte desse princípior de que o Estado é Laico e deve negar a religião (sem entender que laico é ser neutro e não ateísta). Temos uma Carta Magna pedindo a benção de deus, imprime-se louvor a ele em suas riquezas, além de padronizar as paredes dos prédios públicos com crucifixos. Mesmo assim, a lei permite o culto a qualquer outra religião, inclusive o ateísmo, macumba ou a IURD. Ninguém impõe porcaria nenhuma e vocês sabem disso. Só não entendo o porquê desse miserê todo. Primeiro dizem que olavo é insignificante (e estou de acordo), mas não param de falar no homem, é uma compulsão impressionante.

POr outro lado, vejo vocês cheios de empáfia querendo impor o pensamento de vocês. Reclamam do olavo quanto aos xingamentos e má educação, mas não deixa de considerar os crentes como imbecis, ignorantes... o Constantino é até a favor da liberdade do cara fumar maconha, mas questiona a "tradição" religiosa de outro. É incrível. Que porcaria de liberdade é essas que vocês ficam repetindo como papagaios bêbados? São a favor de liberdade irrestrita, salvo se o caso envolver religiões, aí o cidadão perde direito à liberdade. Que coisa mais cretina esse pensamento de vocês.

Se fossem sinceros nesse entusiasmo pela liberdade, não a negaria para um crente com toda sua "tradição" religiosa.

E quanto a você, a.h., abaixe esta crista, depois da surra que levou da Marisa, saindo covardemente do debate, suas palavras não valem um quibe frio.

a.h disse...

Sergio,

Não te conheço, mas vou te dar uma dica: não é porque este é o blog do Rodrigo que vou deixar um olavete histriônico dar uma de macho, o que me parece uma contradição em termos.

Escute aqui seu cabeça de osso pra fazer sopa, tu nunca ouviu minha opinião sobre estado laico, religião porque ela não foi extensivamente esboçada aqui. E, se tu acha que me recusar a discutir, ou melhor, perder tempo com quem não leu o que critica é "fugir", ok! Então vivemos em universos diferentes.

Agora, seu pobre coitado, se acha que o imbecil do Olavo pode começar a xingar e não ser devidamente repelido como o verme que demonstra ser, é porque tu próprio não passa de um idiota piorado. Ele começa e qualquer um que possa, tem o direito de repeli-lo da forma que desejar.

Quanto ao estado laico, já escrevi sobre isto e fui censurado no pardieiro do MSM. Minhas opiniões, inclusive em defesa da liberdade de crença religiosa ou não, encontram-se alhures (RPLib.com.br etc.). Portanto, não dê uma olavada agora e coloque em nossa pena teu temor e paranóia.

Marisa disse...

Sérgio e a.h.

Realmente o a.h. fugiu covardemente do debate e usou a desculpa esfarrapada de que eu não li o texto de Janer Cristaldo. Eu não li e não vou ler, pois não me interessa um texto sobre profetas do judaísmo. Deixo claro que não tenho nada contra o Janer, aliás, eu nem o conheço. Mas não é preciso ler o seu texto para tirar as conclusões. Primeiro o Olavo de Carvalho o acusa de anti-semita, depois o próprio a.h. escreveu às 1:26 PM:

“Ele (Janer) escreveu um texto, bem factual diga-se de passagem, contra um dos profetas do judaísmo. E só.”

Lembrando que no dicionário, semita também significa personagem bíblico, podemos dizer que o texto do Janer é mesmo anti-semita, como escreveu o Olavo de Carvalho.

A impressão que eu tenho é que o a. h. e o Janer acham que eles podem escrever o que quiserem sem prestarem contas a ninguém, eles querem liberdade irrestrita e sem conseqüências. Ora, se eles estavam escrevendo num site onde o Olavo de Carvalho era o responsável, o Olavo tinha todo o direito de censurar. Quem não gostasse que caísse fora.

Eu vejo essa revolta contra o Olavo de Carvalho sob dois aspectos. Primeiro estão cuspindo no prato que comeram. Foi graças ao Olavo que tiveram a oportunidade para escreverem no MSM e se tornarem conhecidos. Portanto é uma grande ingratidão ficarem atacando o Olavo como se fossem adolescentes mal agradecidos atacando o pai.

Segundo, tenho a nítida impressão que estão querendo se promover às custas do Olavo. Atacar o Olavo dá Ibope. Basta ver o número de comentários nos posts sobre ele. Este segundo aspecto já mostra que apesar de usarem adjetivos pejorativos para o Olavo, consideram-no uma figura de destaque e de importância, senão nem falariam a seu respeito.

a.h disse...

Tu vives de impressões, minha cara. Com esta retórica de auto-ajuda sem ter lido o que criticas, não portas nenhuma autoridade e respeito pelo debate.

Passar bem.

Marisa disse...

a.h.

A cada comentário seu dirigido a mim, reforça ainda mais a minha impressão de que você não tem nada mesmo a dizer. Você só fica repetindo ad infinitum que eu não li o que critico. E precisa? Vale a pena? Para quê? Para debater com você?

Bah!

a.h disse...

A cada comentário meu dirigido a ti reforço mais minha CERTEZA do que tu falas do que ignoras POR COMPLETO: o texto original do Janer.

Precisa ler sim se quer formar alguma, mínima, opinião sobre o assunto.

Debater comigo? ah ah ah

Sergio disse...

Realmente, não me refiro as suas idéias sbre estado laico, a.h. . Afinal, nem a conheço, e nem pretendo conhecer, visto que aqui vc já se demonstrou um ignorante de alta estirpe. Referia-me às idéias do Constantino, mas errôniamente não deixei claro. No entanto, se está aqui a concordar com Constantino, pode-se concluir que pensas na mesma linha. Se é que vc tem algum pensamento próprio, porque ao invés de dar suas opniões, vive colando textos dos outros para discutir como se fossem idéias suas.

Eu lí o texto do Janer. E a análise da Marisa, mesmo sem ler, é correta. Porque ataca os profetas judeus e também a religião judaica. Janer é um ati-semita e anti-cristão. Isto não faz com que eu goste menos dos seus textos, que são formidáveis e levantam questões relevantes para o debate, assim como o Constantino, apesar de achar seus textos sobre religião bem superficiais.

Agora, vc A.h., é impressionante como vc acha tão absurdo a falta de respeito do Olavo (e é mesmo um absurdo vindo de quem se pretende debater idéias), mas age da mesma forma, igualzinho. O seu estágio no MSM valeu de alguma coisa, não é verdade? Aprendeu a ofender quando não tem argumentos. Depois eu é que sou olavate, né? Você que é um olavete, ressentido, mas com todos os sintomas da má educação olaviana.

Só lí um único livro do Olavo, O Imbecil Coletivo, que é muito bom. Fora isso não conheço o pensamento dele para poder criticá-lo. Ouvi uma ou duas vezes o programa dele de rádio e achei de uma baixeza ímpar. Nunca mais ouvi. Palavrões e xingamentos não vão me acrescentar nada intelectualmente. Talvez vc devesse fazer uma auto-crítica e ver tem uma catarse para deixar de agir da mesma forma que Olavo. E depois, mais humildade amigo, vc se pretende um gigante, quando é apenas um soldadinho raso. Abaixe a crista, companheiro, ninguém sabe quem é você e o que pensa. E também ninguém está interessado. Essa empáfia toda beira ao ridículo.

a.h disse...

Caro IMBECIL,
Realmente tu não me conhece e, mesmo que lêsse meus artigos, provavelmente não teria capacidade de argumentar em contrário.
Portanto, quando "copio" excertos e os colo aqui, na maioria das vezes são os meus. E quando de outros autores, como o Janer ou o Constantino, eu os cito, ao contrário de olavetes que só repetem asnices de seu guru como se fossem bonecos replicantes.
Aliás, gosto muito de Geopolítica e, nas relações internacionais beligerantes, geralmente se julga como culpado quem ataca primeiro. Neste sentido, o idiota do Olavo merece toda ofensa do mundo. Como é um covarde que tem que ofender para afastar o debate REAL, eu faço seu jogo. Com marginal não se argumenta, só se dá de relho na cara.
E tome cuidado, hoje em dia tu não pode chamar livremente alguém de anti-semita só porque tu não passas de uma analfabeto funcional que não conhece a diferença entre a crítica a uma filosofia/ideologia da discriminação racial e étnica.

Sérgio disse...

a. h. , pelo que vc mostrou aqui, certamente eu não teria capacidade de argumentar em contrário aos seus artigos. Sou imcapaz mesmo de chafurdar na lama.

Não consegue sequer debater civilizadamente com as pessoas aqui, nos comentários. O que podemos dizer dos teus artigos? Provavelmente ninguém refuta pelo desconhecimento, da existência deles, claro. Alguém com bom senso apenas rí do que vc escreve.

Interessante que olavetes só repetem asnices do guru, concordo com vc neste ponto! Mas, definitivamente, vc aprendeu bem com ele, tanto que mesmo brigando e amaldiçoando-o, continua com o comportamento genuinamente olaviano: repetir (colando textos de terceiros) ao invés de opinar com as próprias idéias.

Veja lá, de tudo o que escrevi, vc só consegue se ater num argumento (que nem argumento é): que sou um olavete. Diz repudiar os xingamentos e é somente isso que faz aqui. Não conhece as pessoas que aqui estão, mas não se farta de chamá-las de imbecis, ignorantes e afins.

Por fim, já que vc esculhambou os debates, só um ignorante atestaria o que vc atestou neste último parágrafo. A partir do momento que Janer se opõe ao cristianismo e ao judaísmo, além de classificá-los como coisas ruins à humanidade, não há mal nenhum em dizer que é anti-critão e anti-semita. Estou certo de que até ele concorde com isso. Sua pressuposição é que estou criminalizando as idéias dele, desespero de quem não sabe debater e desconhece os conceitos básicos para uma discussão.

Enfim, hasta la vista, baby! Fale aí sozinho, já que, como ninguém o conhece ou lê seus artigos, vc está acostumado com a solidão.

a.h disse...

"Anti-semita" seria se atentasse contra os judeus. Não foi o caso, quando se SABE, para os que LERAM e ENTENDERAM a crítica a um de seus profetas.

Alguém poderia ser classificado como "anti-árabe" por escrever contra Maomé???

bebeto_maya disse...

Não vi argumentos seus também...A ciência pariu aberrações como o DDT,sangrias, circuncisões, condenação da marturbação e o diabo, eram tratamentos válidos porque o método científico não provou que eram inválidos...

O método científico é assim: 10 anos atrás todo mundo sabia que existiam planetas fora do sistema solar, mas não tinham fotos ou provas então não havia, não era ciência, era conjuntura. Hoje todos sabem que há, e aí?

É uma falha do método, que se apóia no coletivismo, ou seja, quando um grupo de cientistas afirma algo baseado em seus próprios estudos. O establishment científico é coletivista e sabemos o que coletivismo lembra: alienação e...comunismo.

Então para mim, fica claro que tanto você como Olavo são lados da mesma moeda, um com os clássicos clichés religiosos e outro com os ateítas. Não obstante, eu leio os dois, mas não concordo com tudo.

Sem mais.
Atenciosamente
bebeto_maya

Artur Eduardo disse...

Se você exclui Deus da "equação", Constantino, então sempre será "ilógico", "irracional" - como você insinua -, que "uma mulher venha a parir um bebê". Contudo, é óbvio que você pressupõe a inexistência de Deus ou, pelo menos, assevera um deísmo que é, na história da teologia ou da filosofia teológica, aí sim, uma muleta intelectual reduzida a mero lixo retórico, ou melhor, sofístico. Por simples falta de treino filosófico, você, neste post, comete inúmeras vezes o erro que supostamente combate: troca o objeto de sua crítica (desapercebidademente), usa ad hominens, e, por fim, tenta descredenciar as réplicas que o Olavo lhe fez apenas destacando os palavrões dos quais ele se vale (exclusivamente no seu programa... os debates ao vivo com Olavo NÃO são assim)para classificar artigos, livros, frases, etc. que ele realmente acha "uma merda", como foi o caso do seu texto. Não consigo ver, de verdade, nada mais no texto deste post do que mero palavras vazias, envernizadas com uma fina camada de polidez retórica.

Anônimo disse...

Marisa, como você critica algo que não leu? Tem dons premonitórios?

Abraços,

Sérgio Pluto.