sexta-feira, fevereiro 29, 2008

Manga com Leite


Rodrigo Constantino

"O importante é não parar de questionar; a curiosidade tem sua própria razão para existir." (Albert Einstein)

Existem inúmeras superstições no mundo, para todo tipo de gosto. As origens das superstições estão normalmente relacionadas à ignorância das pessoas, que adotam tais crendices em busca de uma explicação para o que desconhecem. Inconformados com a incapacidade de entender e controlar determinados eventos, os indivíduos partem para explicações místicas. Acham, por exemplo, que batendo três vezes num pedaço de madeira ou entrando num lugar com determinado pé os acontecimentos serão totalmente diferentes. Como se o destino de um avião pudesse mudar por conta de qual pé um dos passageiros pisou primeiro ao entrar! Mas existe também um outro tipo de superstição, criada deliberadamente para controlar os outros. Vislumbrando a oportunidade de impor medo através de crenças místicas e, com isso, controlar a vida dos demais, algumas pessoas criam mitos que se tornam superstições com o tempo.

Um caso conhecido disso é o consumo de manga com leite, que supostamente poderia ser até fatal. Este mito tolo teria sido espalhado na época colonial pelos próprios senhores de escravos, com o objetivo de evitar o roubo das frutas e do leite pelos famintos escravos. Ignorantes, estes aderiram com facilidade à crendice estúpida. O caso da manga com leite está longe de ser um caso isolado. Várias superstições tiveram origem a partir da descoberta de alguns de que poderiam criar uma coerção nos demais através dessas crenças. Don Melchor, o fundador da vinícola Concha y Toro, atualmente a maior do Chile, criou a lenda do "Casillero del Diablo" para evitar o roubo de vinhos por seus funcionários. Um rumor de que o diabo em pessoa habitava os porões da vinícola foi espalhado entre os membros da fazenda, surtindo o efeito desejado.

Como se pode ver, várias lendas e superstições tiveram uma origem bem prosaica, com interesses racionais por trás. Não obstante, muitos ainda escolhem acreditar nestes mitos tolos, optando voluntariamente pela escravidão mental. Pais ignorantes, por exemplo, adotam o caminho mais fácil – porém absurdo – de "educar" seus filhos com base no terror, inventando que o "homem do saco preto" ou algum bicho-papão qualquer irá pegá-los se não se comportarem bem. Metem esses medos tolos na cabeça indefesa da criança, com seqüelas no futuro, por falta de paciência para educá-la direito, sem ter que apelar para os fantasmas inventados. Educar de verdade dá trabalho. Delegar ao bicho-papão a tarefa é mais fácil, mas pode destruir um ser humano. Afinal, como disse Edmund Burke, "nenhuma paixão rouba tão eficientemente da mente todas as suas forças de agir e raciocinar como o medo".

Um filme que abordou muito bem este tema foi A Vila, que conta a história de um pequeno vilarejo rodeado por uma floresta onde se acredita existir criaturas terríveis habitando o lugar. Os dirigentes da pequena vila tinham uma política dura de repressão, proibindo todos de adentrar a floresta. O pânico das crianças em relação às criaturas inventadas era incentivado, como garantia do isolamento total da vila, já que ninguém entrava e ninguém saía. Nem mesmo citar o nome das criaturas era permitido, e elas eram tratadas apenas como "aquelas-de-quem-não-falamos". O filme mostra toda a hipocrisia por trás dessas crenças. Em primeiro lugar, cada dirigente tinha passado por alguma desgraça nas cidades de origem, tendo buscado a vila como um refúgio. A fantasia criada ali, de uma vida idílica perfeita, era apenas uma fuga, nada mais. As utopias brilham na escuridão, e conquistam adeptos no desespero. Em segundo lugar, a comuna "feliz" era mantida à custa de um enorme gasto do dirigente mais rico, que tinha um parque externo para manter a vila isolada do mundo. A hipocrisia fica exposta.

Por fim, era necessário manter a curiosidade das crianças e dos jovens longe do mundo externo. Para isso surgiu a idéia da criatura terrível. Questionar era pecado. Quando o personagem Lucius começa a questionar sobre o confinamento completo das pessoas na vila, desejando saber o que existia além das florestas, o vilarejo começa a ficar ameaçado. O mais interessante do filme, para mim, é que as crendices tolas que mantinham a vila isolada vieram abaixo através de uma cega. Foi ela que partiu em busca de ajuda externa para medicar um doente, já que o "paraíso" não tinha condições de fornecer um remédio adequado. Para descobrir certas verdades, talvez seja preciso enxergar com outros olhos o mundo, ignorar as aparências das coisas para ver suas essências. A mulher cega foi capaz de "ver" aquilo que os demais não conseguiram: que o bicho-papão não passava de uma invenção humana, demasiada humana.

Quantas coisas no mundo seguem exatamente este padrão? Quantas crenças que metem medo nos ignorantes não surgiram justamente pelo interesse na coerção e controle dessas pessoas? Claro que muitas superstições são inofensivas. Se o sujeito não quiser passar o saleiro para outro ou passar na frente de um gato preto, sua vida não irá sofrer graves conseqüências. É tolice, evidentemente, e existem explicações racionais para todas essas superstições. Sal é condutor de energia, e alguém "carregado" pode, na crença dos supersticiosos, transmitir essa energia negativa. O gato preto, como muitas superstições, teve origem na Idade Média, nos tempos da caça às bruxas (pobres mulheres!). É tudo besteira, mas não afeta tanto a qualidade da vida dos crédulos.

O problema fica mais sério quando a superstição limita drasticamente a liberdade do indivíduo. O exemplo da vila é perfeito. Os crentes eram completos escravos. Mas como este, existem vários casos reais no dia a dia. Quando você acredita que manga com leite pode matar, você perde a oportunidade de consumir algo saboroso. Mas e quando você acha realmente que um bicho-papão pode te pegar se você não se comportar como mandam? E quando você acredita de verdade que pode sofrer uma eternidade no inferno se não seguir certos dogmas impostos pela autoridade religiosa? E quando você morre de medo de questionar sua fé para não perder aquele terreno celeste no paraíso eterno? Uma parte relevante da escravidão mental atual pode ser explicada com o simples exemplo da manga com leite.

PS: Para aqueles que defendem essas crenças supersticiosas com base no argumento de utilidade da coerção, lembro que, mesmo se fosse verdade, utilidade não é garantia de verdade. Ou seja, essas pessoas parecem assumir, ao apelar para a utilidade dos mitos, que eles são falsos no fundo. Além disso, não acredito nem mesmo na utilidade, pois um caminho falso não é útil no longo prazo. Cito Einstein novamente: "O comportamento ético do homem deveria ser baseado efetivamente na simpatia, educação, e laços sociais; nenhuma base religiosa é necessária. O homem estaria de fato num caminho pobre se ele tivesse que ser contido pelo medo da punição e esperança da recompensa após a morte". Qual o mérito daquele que não rouba algo somente pelo medo de arder no inferno quando morrer? Muito mais nobre é aquele que não rouba pois entende que qualquer roubo é imoral, e que deve esperar ser tratado pelos outros como tem os tratado.

113 comentários:

Anônimo disse...

Tem também um terceiro caso, o crentola que rouba porque sabe que confessando pro Padreco na paróquia ele estará absolvido. Esses são os mais perigosos.

Ou seja, ele parte do princípio que pode fazer quanta merda ele quiser porque ele é um homem de Deus, e, ao melhor estilo Fidel, confia que "A história o absolverá".

Blogildo disse...

O cego que "enxerga" mais longe que os demais deve ter sua origem em Tirésias. A personagem não pode descansar nem no inferno.

E que dizer de crenças sustentadas pela ciência, Rodrigo? Você deve lembrar que, não muito tempo atrás, o ovo era considerado um mal terrível, se consumido com freqüência. Uma espécie de "manga com leite".

http://veja.abril.com.br/280499/p_089.html

Hoje, parece que essa crença com base científica mudou.

Rodrigo Constantino disse...

"A ciência está aberta à crítica, que é o oposto da religião. A ciência implora para que você prove que ela está errada - que é todo o conceito - enquanto a religião o condena se você tentar provar que ela está errada. Ela te diz aceite com fé e cale a boca." (Jason Stock)

É piada de mau gosto comparar os dogmas da religião com as crenças científicas. Claro que a ciência erra, e muito. Mas eis o ponto: ela mesmo conserta o erro, pois está aberta às críticas. Qualquer um pode fazer novas pesquisas, levantar novas hipóteses. Já nos dogmas religiosos...

Rodrigo

Bruno disse...

Além de oportunismo de alguns, eu também vejo nisso tudo uma forma do indivíduo transferir suas responsabilidades a qualquer bode expiatório,ou a qualquer força mística que seja.

Realmente a ignorância causa mais certeza do que o conhecimento.

È por isso que eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.... Já diz a canção !

Renato Laguna disse...

Algumas perguntas retóricas que eu tenho matutado ultimamente:

1. E se a religião for uma mentira necessária para sustentar a sociedade ?
E se a única coisa nos separando da guerra de todos contra todos, da vida "solitária, pobre, sórdida, cruel e curta" for um Deus imaginário ?
Que diferença faz a verdade objetiva, se a nossa sobrevivência depender do mito ?

2. Se meus filhos serão mais virtuosos acreditando em Céu e Inferno, porque eu tiraria isso deles, por que os prejudicar com uma verdade inútil ?
Se eles forem espertos, descobrirão a mentira quando forem adultos. Mas até chegar lá, já terão desenvolvido a virtude e não precisarão mais do medo do inferno. Porém se meus filhos não forem espertos, a crença os protegerá de fazer coisas estúpidas que poderiam prejudicar suas vidas.

Blogildo disse...

Há um pouco de exagero nessa máxima de a ciência implora para que você prove que ela está errada.
Na prática não é bem assim. Se fosse, nunca ouvíriamos falar em "fraudes científicas". Certo?

E os dogmas religiosos mudam (não necessariamente para melhor) também. Basta ler Gibbon ou Paul Johnson e a gente vê que os dogmas do cristianismo e do judaísmo mudaram muito desde a origem.

Guto disse...

Rodrigo, os católicos e demais cristãos (pelo menos os mais "comuns", ou seja, quase todos) já deixaram de acreditar em coisas como céu, inferno ou post mortem. Eles rezam ou rogam a Deus (que imaginam como um grande papai provedor) com objetivos bem terrenos e materiais: que o grande papai dê saúde à sua família, que dê juízo aos seus filhos e que os mesmos passem no vestibular e não se enamorem de pessoas socialmente inferiores etc.

Ou seja, se você perguntar a um deles sobre o juízo final e o sofrimento terreno como passaporte para o céu, ele provavelmente vai rir de você e achar tudo isso ridículo. Mesmo aqueles (raríssimos) que já leram algo da Bíblia!

Novos tempos, meu caro. Quando você levanta esse tipo de crítica, está atingindo o clero esclarecido (e apenas o esclarecido!) e meia dúzia de fanáticos que ainda rezam segundo o catecismo oficial.

C.S.Lewis já dizia os maiores inimigos da Igreja não eram os ateus, mas os supersticiosos travestidos de católicos. Eis que hoje não existe mais diferença entre Igreja e cartomancia.

Portanto não precisar ir muito a fundo para alcançar os "católicos": o caso do leite com manga já dá conta do recado.

Abraço,

Guto.

Jeová disse...

"Há um pouco de exagero nessa máxima de a ciência implora para que você prove que ela está errada.
Na prática não é bem assim. Se fosse, nunca ouvíriamos falar em "fraudes científicas". Certo?"

Desculpe entrar no debate, mas o fato de que pessoas que não tem nada a contribuir para a Ciência acabem cometendo fraudes para forjarem contribuições não invalida a afirmação do Rodrigo. Você não pode confundir "cientistas" com cientistas.

Considerando que tem ciência aquele que é ciente (que sabe), cientista deve ser aquele que procura ser ciente (que procura saber). Se alguém comente fraudes, não é cientista. Quer apenas parecer cientista.

Um cientista - como é, por definição, uma pessoa que procura saber - nunca vai amordaçar alguém que vai tentar refutar uma afirmação dele, pois ele quer que sua afirmação, se falsa (refutável), seja refutada e, se verdadeira (irrefutável), tenha sua irrefutabilidade cada vez mais demonstrada, o que só é possível com tentativas frustradas de refutação.

Se alguém adota uma postura diferente, por definição, não é cientista. E, verdade seja dita, isso é o que acontece com a maior parte dos "cientistas".

Abraços

Daniel disse...

@blogildo

Não, a ciência erra bastante e se corrige bastante também. Especialmente em áreas de conhecimento menos desenvolvidas (ou mais complexas).

O problema é que quem não entende como funciona as coisas na ciência, quando lê um artigo de um cientista dizendo que, por exemplo, encontrou evidências de relação entre consumo de ovo e problemas de saúde não consegue entender as palvras "evidência" e "relação" e publica sensacionalismos dizendo que o ovo é cria do demônio.

Ou prefere ignorar as limitações da pesquisa - que costumam ser bem claras.

Blogildo disse...

Jeová e Daniel, é claro que entendo que "há cientistas e cientistas" E também entendo os equívocos da divulgação científica sensacionalista.

Só não entendo a "lógica seletiva" do artigo. Qual é a diferença de um mito propagado em nome de uma superstição de um mito propagado em nome da ciência?

Blogildo disse...

A opinião de Einstein em assuntos religiosos é nula. Einstein não era cientista social.Não era teólogo. O fato de ter sido o maior físico de todso os tempos não confere a ele autoridade em outros campos. Logo a opinião dele sobre religião, futebol e culinária japonesa tem tanto valor quanto a de qualquer outro. Isso posto, vale ressaltar que no cristianismo o mérito do acatamento da lei está no amor ao próximo e não no medo de uma punição ou duma recompensa após a morte.
Em Mateus 22:35-40 lê-se: 35 E um deles, versado na Lei, perguntou para prová-lo: 36 “Instrutor, qual é o maior mandamento na Lei?” 37 Disse-lhe: “‘Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.’ 38 Este é o maior e primeiro mandamento. 39 O segundo, semelhante a este, é: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’ 40 Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.”

Mas, para ser justo com o Rodrigo, o comentário dirige-se apenas a quem utiliza o argumento de utilidade da coerção. Bom, não uso esse argumento. Mas também não chego ao extremo de dizer que a coerção não tem utilidade. Afinal, o Brasil é o que é justamente por se desvalorizar o poder da coerção. Não dá pra se dar ao luxo de confiar na nobreza daquele que não rouba pois entende que qualquer roubo é imoral, e que deve esperar ser tratado pelos outros como tem os tratado. Ou dá?

Anônimo disse...

A diferença, sua múmia, é que a Ciência não propaga mito nenhum, ela simplesmente pode apresentar uma interpretação errada induzida por elementos reais. Mito (mithós) é, por definição, uma explicação para um fato que visa justamente contrariar a explicação científica e propagada, via de regra, por ignorantes religosos como você.

Anônimo disse...

A opinião de Einstein é nula. Boa é a do Broguildo, do Olavo de Carvalho, do Padre Quevedo e assim por diante.

Jeová disse...

"Só não entendo a "lógica seletiva" do artigo. Qual é a diferença de um mito propagado em nome de uma superstição de um mito propagado em nome da ciência?"

Qualquer mito é anti-científico e, por isso, a própria Ciência se voltará contra um mito propagado em nome da Ciência.

Anônimo disse...

Outra diferen�a que a ral� intelectual-religiosa n�o consegue ver � que se a Ci�ncia falar que comer muito ovo faz mal pra sa�de voc� pode simplesmente ignorar e continuar comendo 10 ovos por dia. No entanto, a hist�ria mostra que o oposto n�o � verdadeiro: que o digam os apedrejamentos, os milh�es de Judeus mortos por persegui�o cat�lica, as fogueiras da inquisi�o, o massacre dos �ndios na Am�rica Latina dentre outros presentes que estes vermes deram � humanidade.

E outra: ao que consta, colesterol faz mal mesmo. Mas, para quem � foquinha amestrada de um tosco que fala que fumar n�o faz mal nenhum, ent�o realmente estas coisas que qualquer idiota � capaz de perceber viram "mitos" aos olhos do religioso.

Rodrigo Constantino disse...

"Mas, para ser justo com o Rodrigo, o comentário dirige-se apenas a quem utiliza o argumento de utilidade da coerção. Bom, não uso esse argumento. Mas também não chego ao extremo de dizer que a coerção não tem utilidade. Afinal, o Brasil é o que é justamente por se desvalorizar o poder da coerção. Não dá pra se dar ao luxo de confiar na nobreza daquele que não rouba pois entende que qualquer roubo é imoral, e que deve esperar ser tratado pelos outros como tem os tratado. Ou dá?"

Vc não entendeu, Blogildo. Para a coerção física há a POLÍCIA, o risco de ser preso. Falo apenas da coerção mental. Ou seja, deixar de roubar somente porque teme deus é lamentável. Aliás, os crentes que dizem que seu deus tudo valeria são potenciais assassinos! Estão confessando que só não estupram uma menininha inocente porque temem deus!!! Um absurdo!

Para esses loucos, ainda bem que eles acreditam em bicho-papão!!!

Mas tem o caso contrário, já citado: os crentes que roubam porque serão perdoados. Todos serão, não é mesmo?!?!

Rodrigo

Blogildo disse...

Jeová, mas a ciência continua sempre pura e imaculada. Vamos imaginar o caso do ovo apenas. Não houve prejuízo algum em virtude desse mito-científico? Ninguém que trabalha na comercialização de ovos foi afetado? É só um exemplo, veja bem.

Certamente houve algum prejúizo. Nem que seja do cara que adorava comer ovos e passou a temer o consumo.
Da mesma forma que existe algum prejuízo na propagação de mitos com origem na religião. Existe prejuízo em mito com base científica. Concordamos nisso?

A religião leva paulada - não raro em nome de superstições que não têm origem religiosa - em nome da razão. A ciência não. É sempre a santinha da história.

Blogildo disse...

Concordo com o ponto. E já havia entendido o que você quis dizer, apesar de achar a opinião de Einstein irrelevante nesse caso.

A coerção mental não é o foco do cristianismo. É isso que quero ressaltar. Há crentes que roubam. Claro que há. Mas os Marcolas são ateus. Hehehehe!

Nem todos serão perdoados, Rodrigo. Nem todos serão.

Bom fim-de-semana!

Rodrigo Constantino disse...

"Nem todos serão perdoados, Rodrigo. Nem todos serão."

Vcs têm que ter algum incentivo para manter a ética do sofimento, não é? Conheço alguns carolas que chegam a sonhar com o Juízo Final, só para se vingar dos felizes, que irão arder para sempre no inferno. Aguardam esse dia ansiosamente, para justificar uma vida de sofrimento e crença irracional.

Blogildo, sinto muito lhe informar: NINGUÉM será salvo. Quando vem a morte, acabou. Por isso o importante é VIVER. O relevante é QUAL vida vc leva AQUI. O resto é besteira.

Rodrigo

Blogildo disse...

Pode ser que ninguém seja salvo, Rodrigo. Respeito seu ponto de vista. E concordo que o relevante é a vida que se leva aqui. Por isso debatemos tanto.
Você fala de uma moral. Eu falo de outra. Ética do sofrimento é papo de Nietzsche. O cara que ficou doidão no fim das contas.

Tem um monte de cristão feliz aí. Você acha que a "bispa" Sônia é infeliz? Acha que o Macedão é infeliz? Hehehe!

Existe gente má e escrota em qualquer segmento, Rodrigo. Isso não é privilégio de religiosos. Ou você acha que ateus e cientistas são todos puros e nobres?

Acho que você dá enfoque demais ao lado negativo das religiões. É como se tudo que vem daí não prestasse. Acho que não é por aí. É claro que não estou sugerindo uma pauta. Você é que dá as cartas no seu blog. Mas acho que o petismo, o socialismo são muito, mas muito mais nocivos do que a mais estúpida das religiões. Mas é opinião.

Concordo plenamente com você: No fim das contas - não importa a crença - o que vale o que fazemos aqui e agora! O presente é tudo o que temos.

Abraço!

Jeová disse...

"Não houve prejuízo algum em virtude desse mito-científico? Ninguém que trabalha na comercialização de ovos foi afetado?"

Houve. Claro que houve. Não nego. Mas eu pergunto: quem foi que
acabou com esse mito ? A Ciência, ora !

A própria Ciência se encarrega de refutar os mitos que ela criou.

Isso acontece porque a Ciência permite a qualquer um que ache que uma afirmação que é considerada verdade científica é, na verdade, um mito científico emitir sua opinião e justificá-la.

Daniel disse...

@blogildo

Você REALMENTE não entende o que é ciência. Chamar a história do ovo de "mito" é tão obviamente errado que chega a ser broxante querer discutir -.-'

E sabe por que a ciência permanece imaculada?
Por que é da natureza dela descobrir os seus próprios erros!
Não foi Deus que desceu dos céus e bradou: "Que o ovo passe a fazer bem pra saúde!", e sim um outro CIENTISTA, usando talvez equipamentos melhoes, ou simplesmente sendo mais competente, que percebeu o problema.

O problema no caso do ovo não foi a ciência em si. Não foi observar a natureza, elaborar teses e transformar essas teses em teorias.
O problema foi O CARA que fez a observação que não soube (ou não pôde) fazer direito.

Anônimo disse...

"A opinião de Einstein em assuntos religiosos é nula. Einstein não era cientista social. Não era teólogo."

É preciso ser teólogo para dar opinião sobre religião?

"O fato de ter sido o maior físico de todso os tempos não confere a ele autoridade em outros campos. Logo a opinião dele sobre religião, futebol e culinária japonesa tem tanto valor quanto a de qualquer outro."

Não é preciso ser uma autoridade para poder dar uma boa opinião. A "autoridade" de Einstein não vem antes de ele fazer uma afirmação sobre física. Vem depois. Saber se alguém é ou não "autoridade" serve para que não percamos tempo escutando qualquer um a dizer qualquer bobagem. Mas devemos avaliar a opinião, não as credenciais de quem a emitiu.

Renato disse...

É piada de mau gosto comparar os dogmas da religião com as crenças científicas, diz o Rodrigo. E não seria também comparar superstições bobocas com as leis divinas?

Resumir a religião em mitos é atestado de ignorância.

É preciso ser teólogo para dar opinião sobre religião? Não, mas é preciso conhecer teologia!

Por isso, Eistein não tem autoridade nenhuma. Criticar religião sem conhecer as idéias da Igreja, baseando-se em mitos como o da manga com leite, colocando-as lado a lado com mitos e ditos populares é ser desonesto. Quem não leu a obra de Sto Tomás e Sto Agostinho não sabe quais são as idéias da Igreja, apenas baseiam-se nos mitos. Assim, fica difícil debater, pq critica-se os mitos e se baseiam neles montar argumentação.

Mas o que mais me intriga é esse libertarismo do Rodrigo. Em outra oportunidade ele é libertário ao ponto de concordar em o cara fumar maconha, pq é uma opção individual. Aí quando questionaram: ora, fumar maconha pode, afinal é uma opção individual; mas religião não pode? Mesmo sendo também uma opção individual?? Ele não responde!

O que entende-se é que o Estado laico do Constantino é um estado que exclui-se a religião. Há um erro aí, pois Laico não é ateísta ou anti-religioso, mas sim neutro! O simples fato de um padre juntar sua paróquia para protestar contra uma lei, é visto por ele como um caso de tirania do vaticano, quando na verdade é um direito democrático de qualquer cidadão. A democracia se faz assim. Os gays não protestam? Por que a Igreja tb não pode? O direito não igual pra todos?

Tirania seria se a Igreja tivesse no poder e oprimisse aos outros... isso NÃO acontece! No carnaval tivemos o caso do estado distribuindo camisinhas e a Igreja contra. Isso não impediu a distribuição das camisinhas. E o direito da Igreja protestar e entrar na justiça para impedir, não foi senão o exercício democrático.

Voltando ao artigo, eu não tomo leite com manga por me dar indigestão. Neste caso, não estou embasado em nenhuma teoria científica, mas sim na minha experiência mundana. Nessa lógica de que tudo deve ser baseado na ciência, eu sou um imbecil, sim. Mas pelo menos não tenho indigestão.

Mas neste caso em questão, sou mais libertário do que o Rodrigo. Sou a favor da liberdade individual de ser ignorante (cientificamente falando) tanto quanto da liberdade do sujeito exercer sua religiosidade, tb tolamente aos olhar da ciência. Mas aqui eu me apoio em Von Mises. LIberdade é o direito de ser tolo, se assim lhe apraz.

O que causa constrangimento é ver que tem gente que não percebe que a ciência virou religião para eles. Ou seja: um mito-científico é apenas um erro de interpretação ou de manipulação experimental; já religião, é apenas crendice de ignorantes. Ignorâcia aí é sobre o que é a religião.

Mas mesmo aí, caem naquela retórica esquerdista de separação de teoria e prática. Ou seja, a Ciência que defendem não é diferente daquela dicotomia: socialismo-real e socialismo natural dos marxistas.

Rodrigo Constantino disse...

"Mas o que mais me intriga é esse libertarismo do Rodrigo. Em outra oportunidade ele é libertário ao ponto de concordar em o cara fumar maconha, pq é uma opção individual. Aí quando questionaram: ora, fumar maconha pode, afinal é uma opção individual; mas religião não pode? Mesmo sendo também uma opção individual?? Ele não responde!"

Eu não respondo?!?! CLARO que pode! Aliás, defendo a livre concorrência, meu caro. Maconha ou a sua religião, acho que ambas devem competir pelo mesmo tipo de cliente. Vc é livre para fumar ou rezar no meu mundo.

Quando foi que eu defendi a proibição de religiões aqui?!?!

ô, loco!

Rodrigo

Rodrigo Constantino disse...

"LIberdade é o direito de ser tolo, se assim lhe apraz." ]

Exatamente o que eu costumo dizer: os néscios são livres para expressar suas estultices!

Anônimo disse...

O desgraçado que critica a ciência deveria ter nascido na Idade Média, época em que as pessoas não costumavam passar dos 40 anos, que uma gripe matava e que, de vez em quando, uma peste matava 20 a 25 da humanidade. Època tambem em que se acreditava que a terra era plana e o centro do universo, e que o sol se movia em torno dela. A proposito, sou religioso, mas não sou tapado para odiar a ciência, se o home hoje vive 100 anos é por causa da ciência. O fato de eu ser religioso não significa que eu acredite que um homem que viveu 900 anos passou 10 anos construindo uma arca e colocou dentro dela 2 milhoes de casais de especies de animais viventes na Biosfera.

Morena Flor disse...

"Qual o mérito daquele que não rouba algo somente pelo medo de arder no inferno quando morrer? Muito mais nobre é aquele que não rouba pois entende que qualquer roubo é imoral, e que deve esperar ser tratado pelos outros como tem os tratado."

Boa, Rodrigo!

É melhor fazer o bem pq é bom p/ si mesmo e a todos do q por medo do inferno, não boto fé naqueles q dizem q só não fazem certas coisas "pq a religião não deixa"... Bah! Assim não dá, ficar condicionando a bondade à religião e ao medo do "coisa ruim"...

;)

Catellius disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Catellius disse...

A opinião de Einstein sobre religião não valia nada porque ele não era teólogo, he he. Cacilda!!!
Tinha que ser o Blogildo...

Renato,

“É preciso ser teólogo para dar opinião sobre religião? Não, mas é preciso conhecer teologia!”

"Resumir a religião em mitos é atestado de ignorância. "

Conhecer a doutrina católica é algo besta demais, basta ler o catecismo, um texto bem didático. Entre no site http://catecismo.catequista.net/, busque uma palavra ou entre no índice analítico. Por exemplo: “inferno”, que o Papa Rottweiler diz ser algo físico, até com CEP, ao contrário do Limbo, que virou estacionamento pago recentemente.

Do catecismo:
§632 As freqüentes afirmações do Novo Testamento segundo as quais Jesus "ressuscitou dentre os mortos" (1Cor 15,20) pressupõem, anteriormente à ressurreição, que este tenha ficado na Morada dos Mortos. Este é o sentido primeiro que a pregação apostólica deu à descida de Jesus aos Infernos: Jesus conheceu a morte como todos os seres humanos e com sua alma esteve com eles na Morada dos Mortos. Mas para lá foi como Salvador, proclamando a boa notícia aos espíritos que ali estavam aprisionados.

Quem mais desceu aos infernos mesmo? Ah, Orfeu, Teseu e uns outros mais... Mas estes eram seres míticos, he he, Jezuis era “di verdadi”! Platão, segundo se dizia após sua morte, nascera de uma mãe que tivera seu hímen preservado após o parto. Mito, claro. Mas Maria não, ela era “virgi di verdadi”. Mesmo depois do parto, conforme lemos nas pílulas do Frei Galvão. Os discípulos de Pitágoras julgavam que ele era Apolo em pessoa vindo da região dos hiperbóreos. Mito, claro! Empédocles ressuscita um homem? Mito. Anaxágoras faz previsões certeiras? Mito. Mas o que está na Bíblia não é mito, é "verdadi"...

Catellius disse...

Renato,

“Quem não leu a obra de Sto Tomás e Sto Agostinho não sabe quais são as idéias da Igreja, apenas baseiam-se nos mitos. Assim, fica difícil debater, pq critica-se os mitos e se baseiam neles montar argumentação.”


Besteira. Você diz isso para tornar a coisa hermética, inacessível. A doutrina é besta demais e está toda lá mastigadinha no catecismo da igreja católica, afinal tem que ser compreensível para os crentes, nem sempre primores de inteligência. Eu tenho o catecismo impresso, aquele amarelinho revisado por JPII. De vez em quando levo para o banheiro, lugar de leituras rápidas e fáceis. Se as folhas fossem duplas, macias e picotadas, o calhamaço até teria uma utilidade extra...

Quem não devia dar opinião sobre religião é um cara como o Reinaldo Azevedo, que escreveu recentemente sobre Imaculada Conceição achando se tratar da virgindade de Maria antes e depois do parto, quando na verdade diz respeito a ela ter nascido sem pecado original, conforme suposta revelação da suposta Virgem de Lourdes a Bernadette Soubirous.

“Mas o que mais me intriga é esse libertarismo do Rodrigo. Em outra oportunidade ele é libertário ao ponto de concordar em o cara fumar maconha, pq é uma opção individual.”

Ninguém deve fumar maconha enquanto ela está proibida, a não ser talvez que se configure uma desobediência civil a la Thoreau, com milhões de pessoas fumando em praça pública. Mas isto não impede que alguém se declare favorável à legalização. Eu acho que ela só seria válida se fosse decidida em conjunto por um grupo significativo de países, entre eles as potências mundiais.

“O simples fato de um padre juntar sua paróquia para protestar contra uma lei, é visto por ele como um caso de tirania do vaticano, quando na verdade é um direito democrático de qualquer cidadão.”

Ah, mas você se esquece que o Vaticano, a ICAR política, é uma nação estrangeira com núncios (embaixadores) que tentam negociar regalias diplomáticas a todos os padres, que tentaram no ano passado tornar OBRIGATÓRIO o ensino do catolicismo nas escolas brasileiras, a Igreja Católica, por ser também Vaticano, tem regalias que outras religiões não possuem, e seus padres são ecos do enclave criado por Mussolini, obedecem a um teocrata, ao líder de uma nação estrangeira com interesses bem terrenos. Os padres podem, como cidadãos, dar sua opinião. Não podem se meter em política sem largar a batina, porque as reses baixam o senso crítico quando eles falam, acreditam que eles sejam a voz de Deus porque vestem uma batina, ainda que sejam uns tolos que entraram no seminário por falta de uma vocação verdadeira, he he. Os fiéis ficam na mão dos padres e pastores. Dependendo dos acordos que tenham com políticos, levam os moles fiéis bovinos aonde querem, como se colocassem cachaça na mamadeira de bebês. Isto é bom para a democracia?

“A democracia se faz assim. Os gays não protestam? Por que a Igreja tb não pode? O direito não igual pra todos?”

Gays protestam normalmente para exigir igualdade de direitos. Padres protestam porque querem reger a vida alheia, até dos descrentes e dos membros de outras religiões. Por que os padres não fazem como os judeus, que se consideram o povo eleito, os queridinhos de Deus, mas não exigem que toda a sociedade siga o que o rabino diz? A coisa vem de longe. Enquanto Javé era deus apenas dos judeus, era mais ou menos inofensivo. Eles moravam em Roma, desprezavam os deuses pagãos, mas não queriam substituir os templos por sinagogas, uma vez que o solo era impuro, não queriam converter o gentio, já que a salvação era apenas para eles. Excelente! Talvez isto os deixasse um pouco insensíveis nas guerras. Nada muito diferente, imagino, do que se via em outras nações sanguinárias. Mas os cristãos quiseram que Javé fosse deus da humanidade inteira, ainda que à força. Aí que a merda toda começou...

“Tirania seria se a Igreja tivesse no poder e oprimisse aos outros... isso NÃO acontece!”

Não acontece MAIS, é bom lembrar. E porque os padrecos foram colocados no seu devido lugar: nos altares, longe dos políticos. Mas eles não descansam. Ter largado o osso foi muito difícil para eles. Hoje querem poder de barganha com os políticos demonstrando-lhes, sempre que possível, o domínio que mantêm sobre a massa bovina de eleitores. Aí é só manipular daqui e colher frutos dali.

“O que causa constrangimento é ver que tem gente que não percebe que a ciência virou religião para eles.”

Religião: culto prestado à divindade, crença na existência de uma ou mais forças sobrenaturais, fé, reverência às coisas sagradas, observância dos preceitos religiosos, doutrina religiosa.

Ciência: conhecimento rigoroso e racional de qualquer assunto; corpo de conhecimentos, sobre um determinado tema, obtido mediante um método próprio; domínio organizado do saber; conjunto organizado de conhecimentos baseados em relações objectivas verificáveis e dotados de valor universal; o conjunto das ciências; o universo da ciência; instrução; erudição; saber fazer; arte, técnica.

Basta o pai dos burros para resolver a questão.
E se um idiota resolve adorar “a ciência”, construir um templo, designar um “líder universal” com autoridade para dizer o que é certo e o que é errado, inventar um ritual, promulgar dogmas inquestionáveis, em pouco tempo ele terá de fato virado um religioso típico, he he. Nas reuniões dominicais falará dos humores e sanguessugas na medicina, do sistema geocêntrico, da abiogênese, etc. E os que sabem o que significa ciência rirão da cara dele.

Deus foi por milênios uma “hipótese científica”, estava presente em todas as explicações acerca do mundo natural. À medida que as coisas foram sendo explicadas sem ele, passou a sobreviver apenas no que ainda estava inexplicado – na cabecinha do homem, por exemplo. Ele mudou-se do mundo natural definitivamente para o mundo sobrenatural, onde nada pode ser explicado. Ele sobrevive nas lacunas do conhecimento, naquilo que ainda não foi explicado, naquilo que jamais será explicado e no mundo da fantasia, naquele mesmo onde estão as fadas e o ET de Varginha.

Zappi disse...

'Deus foi por milênios uma “hipótese científica”'

Concordo, Catellius. Ainda bem que a ciência já corrigiu este erro. Também acho que todos os que criticam a ciência deveriam ir para uma caverna, para viver sem ela. Só por algumas semanas. Vamos ver se mudam de idéia.

O que esta proposta tem de melhor é que dariam uma folga, não comentando em blogs. As divindades não conheciam o elétron (não está na Bíblia, nem em São Tomás de Aquino, nem em Santo Agostinho...) e sem o elétron não há transístor, circuitos lógicos, computador, vídeo...

Augusto Araújo disse...

Constantino nao tinha outro dia pra lançar o livro?

13 eh um numero...jah sabe neh

de qualquer orma estamos esperanod

teistas e nao teistas

Renato disse...

Catelluis,

Arvorar-se conhecedor das idéias católicas sem ter lido Sto. Agostinho e Sto Tomás, é duma ignorância tamanha que chega a ser impossível não transpor o espaço dessa caixa de comentários.

Veja bem: o sr. Catelluis, quer criticar toda a religião católica baseado nos livrinhos do catecismo.

Quer arrotar uma sabedoria que não tem. Depois vem dizer que coisa é hermética, inacessível. Qualquer um tem acesso aos escritos de Sto Agostinho e Sto Tomás, se você não lê por vagabundice e preferir um resuminho para crianças (que é o intuito do catecismo), conversa encerrada. Perdeu pela ignorância!

Outra questão é quanto ao religioso odiar a ciência. Não odeia, apenas não a coloca como infalível como vcs propõem. E a verdade é que ela não é. Qualquer um que saiba como se elabora um projeto científico, com todas as variáveis e possibilidades de erros, sabe que a coisa é complexa demais para tomar algo como definitivo.

E, Rodrigo, do jeito cmo vc trata a religião, parece algo desprezível. A você pode ser, o que não acrescenta muita coisa. Achar que o ateísmo é pré-requisito à inteligência é demasiado pretensioso. Há aí inúmeros autores indispensáveis que eram crentes. Garanto que na tua biblioteca deve haver vários.

Depois, querer usar como argumento um filme, é pura babaquice. Ainda mais quando se trata de um roteiro alheio à realidade. Uma vila como aquela não é algo possível, senão num regime totalitário, o que não era o caso. Tratava-se de um cercadinho com o mundo todo lá fora dando respaudo. E mesmo se imaginássemos, para ajudar a sua argumentação, imposições são pela força, não por meio de mitos idiotas que qualquer imbecil poderia revelar a fraude.

Você começa com superstições para chegar na Religião. E finge que não sabe que são coisas totalmente distintas. Em suma: esta vila representa a idéia cristã. Quanta bobagem!

Anônimo disse...

"CATELLIUS" disse em relação à Tomás de Aquino e Agostinho:

Besteira. Você diz isso para tornar a coisa hermética, inacessível. A doutrina é besta demais e está toda lá mastigadinha no catecismo da igreja católica, afinal tem que ser compreensível para os crentes, nem sempre primores de inteligência.

Seguindo este princípio, melhor do que ler livros acadêmicos sobre Física, Astronomia, Biologia ou Química é ler a Superinteressante sentado na privada. Cada uma...

Zappi disse...

É mesmo. Santo Tomás de Aquino é bem acessível. Ele disse:

“Pois é muito mais grave corromper a fé, da qual vem a vida da alma, que falsificar dinheiro, pelo qual a vida temporal é sustentada. Logo, se falsificadores e outros malfeitores são imediata e justamente executados pelos príncipes temporais, com muito mais justiça podem ser hereges, assim que denunciados, não apenas excomungados mas também mortos.”

Tipo inteligente, não? Não é a única barbaridade do santo não.

Catellius disse...

Renato,

“Arvorar-se conhecedor das idéias católicas sem ter lido Sto. Agostinho e Sto Tomás, é duma ignorância tamanha que chega a ser impossível não transpor o espaço dessa caixa de comentários.”

Como você sabe se eu li ou não? Eu disse que para conhecer toda a doutrina católica basta ler o catecismo. Já li dezenas de bulas, encíclicas, syllabus, até a porcaria da Regra de São Bento, a Regra da Ordem de Malta – da qual já fui Cavaleiro de Graça Magistral, he he – I Fioretti sobre Francisco de Assis, a vida de Don Bosco, Confissões de Agostinho, Castelo Interior de Teresa D’Ávila, e muitos trechos da chatíssima Suma Teológica, de Tomás de Aquino. Estes livros são importantes para se conhecer a história das idéias católicas, que mudaram um pouco ao longo dos séculos. Muita coisa escrita nesses livros vai de encontro à doutrina vigente da Igreja Católica. Tomás de Aquino, por exemplo, achava aceitável o aborto antes que o feto tivesse forma humana, pois só então seria inoculada a alma. Hoje o aborto é causa de excomunhão automática. Tomás de Aquino também fala em predestinação, que hoje é coisa de calvinista, rejeitada pela ICAR. Enfim, eu disse que para conhecer toda a doutrina católica basta ler o catecismo. Você, como bom católico, nem sabe o que é o catecismo. Acha que é o livrinho distribuído às criancinhas antes da primeira comunhão. Aí você se revela um estúpido digno de troça. Catecismo é o depósito oficial da fé católica (Fidei Depositum), o livro amarelo que mencionei, em cuja capa está escrito em letras garrafais “Catecismo da Igreja Católica”, tem 935 páginas e foi elaborado durante seis longos anos por um grande Conselho de Cardeais e Bispos presidido pelo próprio Papa João Paulo II, a partir de um sínodo reunido por ocasião dos vinte anos do Concílio Vaticano II.

Palavras de Joannes Paulus II:

“A realização deste Catecismo reflete, deste modo, a natureza colegial do Episcopado: testemunha a catolicidade da Igreja.”

“Um catecismo deve apresentar, com fidelidade e de modo orgânico, o ensinamento da Sagrada Escritura, da Tradição viva na Igreja e do Magistério autêntico, bem como a herança espiritual dos Padres, dos Santos e das Santas da Igreja, para permitir conhecer melhor o mistério cristão e reavivar a fé do povo de Deus. Deve ter em conta as explicitações da doutrina que, no decurso dos tempos, o Espírito Santo sugeriu à Igreja. E também necessário que ajude a iluminar, com a luz da fé, as novas situações e os problemas que ainda não tinham surgido no passado.”

“O Catecismo da Igreja Católica, que aprovei no passado dia 25 de o junho e cuja publicação hoje ordeno em virtude da autoridade apostólica, é uma exposição da fé da Igreja e da doutrina católica, testemunhadas ou iluminadas pela Sagrada Escritura, pela Tradição apostólica e pelo Magistério da Igreja.”

Enfim, estúpido, se compreende cada pormenor da doutrina católica lendo o catecismo, não os escritos dos ditos santos, nem sempre considerados inspirados. E o texto é fácil mesmo. É para ser fácil, dá para ler de trás para frente, por assunto, por passagem bíblica, etc. E o site que indiquei acima contém TODO O CATECISMO.

Depois desse papelão, Renato burro, católico de araque que nem sabe que há um Catecismo da Igreja Católica, repito aqui as asneiras que você escreveu, he he he:

“Veja bem: o sr. Catelluis, quer criticar toda a religião católica baseado nos livrinhos do catecismo.”

“Qualquer um tem acesso aos escritos de Sto Agostinho e Sto Tomás, se você não lê por vagabundice e preferir um resuminho para crianças (que é o intuito do catecismo), conversa encerrada. Perdeu pela ignorância!”

Não posso deixar de rir, ho ho ho!!! Parvo no úrtimo!!!!

Recomendo que você lave a cara antes de continuar a discussão – que significa mudar de nome. Você está com uma bola vermelha pintada no nariz, uma pintura branca ao redor da boca, um chapéu de guizos na cabeça e uma tosca lágrima desenhada sob os olhos. Não é possível mais conversar com você sem morrer de rir, seu palhaço, ha ha ha ha ha!

Rodrigo Constantino disse...

"Tomás de Aquino, por exemplo, achava aceitável o aborto antes que o feto tivesse forma humana, pois só então seria inoculada a alma."

Catellius, vc tem a fonte original dessa passagem? Eu gostaria muito.

Rodrigo

leo disse...

O que Aquino falou sobre isso não vale o que o gato enterra.

Catellius disse...

Rodrigo, os católicos de hoje podem considerar Tomás de Aquino e Agostinho monstros, porque eles falam, entre outras coisas, que antes do feto ser capaz de sentir ele não é humano. “Ah, mas eles não possuíam conhecimento científico, estavam presos a Aristóteles (Olavo considera toda a ciência atual uma nota de rodapé em um texto de Aristóteles, he he)”, devem pensar os crentes. Então, para eles, foi graças aos avanços científicos que se deram APESAR da Igreja Católica, que mandou para a fogueira ou obrigou a se retratar aqueles que iam contra suas explicações ridículas para o mundo natural, que hoje eles podem militar contra a descriminalização do aborto para as primeiras semanas. Se não fosse a “monstruosa” ciência, talvez os crentes ainda se valeriam de Aristóteles e de Tomás de Aquino para julgarem as questões que envolve a matéria.

Agostinho de Hipona:

"A grande interrogação sobre a alma não se decide apressadamente com juízos não discutidos e opiniões imprudentes; de acordo com a lei, o aborto não é considerado um homicídio, porque ainda não se pode dizer que exista uma alma viva em um corpo que carece de sensação uma vez que ainda não se formou a carne e não está dotada de sentidos"

Palavras de Palmira da Silva, do De Rerum Natura:

"Tomás de Aquino defendia que só haveria aborto pecaminoso quando o feto tivesse alma humana o que só aconteceria depois de o feto ter uma forma humana reconhecível. A posição de Aquino sobre o assunto foi oficialmente aceite pela igreja no Concílio de Viena, em 1312."

Em inglês, é possível procurar da seguinte maneira, no Google:

"delayed hominization" "Thomas Aquinas"
ou
abortion "Thomas Aquinas"
ou
Augustine "Thomas Aquinas" Abortion
etc.

No site Seattle Catholic podemos até ler a reclamação:

"The authors want to persuade us that they are more faithful to Catholic Tradition than is the Church. To achieve this, their strategy is to refer constantly to Augustine and Thomas Aquinas as their unimpeachable authorities. They say, for instance, that "contemporary science can help us to amplify Augustine's point to the effect that the fetus early in pregnancy has a (non-) moral status comparable to that of a plant." Or they say that Augustine and Aquinas agree that "Before hominization the embryo is alive, but only in the way in which a plant, or, at best, an animal is alive." Thus, they use these saints to attack the Church's teaching on abortion, even though they know that Augustine and Aquinas regarded abortion as a grave sin.

Using sleight of hand, they take up the outdated biology of these Catholic doctors, but cast aside their ethics - thus making a very selective use of Catholic Tradition. They claim that Augustine and Aquinas showed three states of development in the unbom child - first a vegetative, then an animal, and finally a human state. Now, Augustine and Aquinas knew nothing about fertilization and genetic inheritance; they inherited their biology from antiquity. But even so - and this is the important point - these saints believed that the child in the womb was human from the start and his existence foreordained by God. There is no question of a mini-Darwinian evolution in the womb, of a vegetable coming first, then an animal, and finally a man."

Pode pedir ao Renato, também, onde está a passagem na obra de Aquino, he he. Responde aí, palhaço!

Do site Universo Católico (www.universocatolico.com.br):

"Na Alta Idade Média a sentença da animação mediata foi reforçada pela difusão das obras de Aristóteles a partir do século XIII. S. Tomás de Aquino († 1274) a adotou com outros pensadores da época, estipulando a infusão da alma humana ou racional no 40.º dia para os indivíduos masculinos e no 80.º dia para os indivíduos femininos. Houve também aqueles que, seguindo uma insinuação do médico grego Hipócrates, estabeleciam o 30.º dia para o sexo masculino e o 40.º para o sexo feminino."

Do site da Superinteressante, que o anonymous gosta de ler no banheiro:

“A teoria do grego Aristóteles sobreviveu cristianismo adentro. Foi encampada por teólogos fundamentais do catolicismo, como São Tomás de Aquino e Santo Agostinho, e acabou alçada a tese oficial da Igreja para o surgimento da vida. E assim foi por um bom tempo - até o ano de 1588, quando o papa Sixto 5º condenou a interrupção da gravidez, sob pena de excomunhão. Nascia aí a condenação do Vaticano ao aborto, você deve estar pensando. Errado. O sucessor de Sixto, Gregório 9º, voltou atrás na lei e determinou que o embrião não formado não poderia ser considerado ser humano e, portanto, abortar era diferente de cometer um homicídio. Essa visão perdurou até 1869, no papado de Pio 9º, quando a Igreja novamente mudou de posição. Foi a solução encontrada para responder à pergunta que até hoje perturba: quando começa a vida? Como cientistas e teólogos não conseguiam concordar sobre o momento exato, Pio 9º decidiu que o correto seria não correr riscos e proteger o ser humano a partir da hipótese mais precoce, ou seja, a da concepção na união do óvulo com o espermatozóide.”

O material é vasto. A posição de Aquino foi adotada oficialmente pelo Concílio de Viena. O aborto foi proibido definitivamente com Pio IX, o mesmo que criou a Infalibilidade Papal e que por isso quase causou um cisma na Igreja, que perdeu os Estados pontifícios e que condenou a democracia e o voto, além de outras "modernidades".

Catellius disse...

Voltando ao Catecismo, o anonymous parvus foi na onda, he he.

"Seguindo este princípio, melhor do que ler livros acadêmicos sobre Física, Astronomia, Biologia ou Química é ler a Superinteressante sentado na privada. Cada uma..."

E este católico foi mandado para um canto da sala de aula usando um longo chapéu cônico com a inscrição "asno"...

Esperar que católicos conheçam a própria fé é querer demais. Conheço mais descrentes que conhecem tim-tim por tim-tim a fé católica do que católicos. Estes se contentam com uma missa dominical – e olhe lá - e com uns amuletos pendurados na parede, no retrovisor do carro, colados no vidro, enfiados nas calças, etc. Claro que adoram citar Tomás de Aquino sem conhecê-lo, he he. “Leu?”, perguntam, dando a entender que são versados na obra do escolástico. Néscios, he he. E quase todos os católicos que eu conheço são adeptos do catolicismo rodízio de carnes – aquele em que se escolhe uma carninha aqui e se rejeita outra ali; só seguem o que interessa. Às vezes estão excomungados e não sabem. Mas se definem católicos, claro, o que equivale a dizer: sou Framengo, o único que é penta (agora tem o São Paulo), sou do maior time do mundo, tenho tradiçaum, meu crube faiz obra social, fulano de tal também é framenguista, etc... Parvos, ha ha ha!

C. Mouro disse...

...hehehe! Bravissimo!

...Ralou impiedosamente o focinho do Renatinho ...hehehe!

O fato é que muitos falam sem saber o que estão falando. Muitos falam sem entender o que estão falando e, por tal, crêem que também não precisam entender o que lêem.

É divertidissimo mostrar partes da bíblia para os cristãos bondosos que falam da imensa piedade divina, da bondade de deus, do pacifismo cristão e etc..
Andam aí com essa de "pela vida" contra o aborto apenas para exibirem-se com uma moral superior fundamentada no valor supremo da bondade, segundo a pregação populista cristã: do deus filho que superou a sabedoria do deus pai ...hehehe!

Diga-se valor este, da bondade, que suplanta e até destrói o valor da honestidade: a bondade passa ser justificativa para qualquer coisa, por mais canalha que seja, justifica-se na "boa intenção" capaz de desprezar a lógica, a razão, para seguir a "vontade divina". Afinal, para a moral cristã o valor máximo está na bondade ...que a tudo justifica. E tal bondade é direcionada aos pobres como meritórios por serem pobres (populismo cristão corrompeu os pobres com sua nova moral , frouxa, em oposição a rigidez estóica).

Assim, tudo é justificado se em nome dos pobres, do "bem comum" e blá blá. Logo, padres e bispos lideram invasões e espancamentos nas fazendas, até assassinatos, carcere privado, depredação e etec.. Esse safado populismo cristão foi a descoberta política há uns 2000 anos. Tal moral se firmava na opinião divina que representaria a verdade: a vontade de deus seria a verdade e a justiça, e pronto! nada de reflexões; deus quer assim e "zé fini". Mas claro que a opinião variava segundo a conveniencia, muito dialética? ...hehehe!

Marx tentou dar uma aparência científica àquilo que era conveniente ao Poder estatal. Daí fez a sua abobrinhalética repleta de falácias, mentiras, contradições e burrices. Mas soube manipular palavras com conceito já cristalizado para melhor empulhar imbecis e criar "apalavrões" de significado impreciso - cá entre nós, o termo "capitalismo" tão bem aceito é lamentável. No fim a idéia é a "belezura" da obediência aos intermediários de algum deus, seja ele o Javé provedor ou o Estado provedor.

...aliás, tal qual os crentes, há muitos que dizem-se discipulos de Marx, mas também não conhecem o que o traste escreveu, cada um reescreve sua religião sai falando bobagem: cada cristão, um cristianismo; cada socialista, um socialismo.

O fato é que a massa gosta de repetir aquilo que ouve mas não gosta de ter o trabalho de julgar ou melhor se informar ...daí a descoberta de Hitler de que uma mentira repetida mil vezes trona-se verdade.

Assim, no inicio da internet cá no feudo bananéio, era geral a idéia que Hitler era um capitalista selvagem (neoliberal, possivelmente), idem Mussolini. Não se sabia que os tipos eram socialistas. Nem mesmo os jornais deram ao conhecimento o estatuto do NSDAP, que aliás não é mencionado. Ler o que diz o NSDAP seria de grande utilidade para a massa ...hehehe! parece até o que sai das reuniões petistas ...hehehe!

Também se falava do lunático Thomas More como alguém bondoso, um humanista piegas e coisa e tal. Sem saberem o que o lunático propunha em sua Utopia.

Enfim, muitos não sabem do que falam e tão pouco querem entender.
Daí.... TCHAM... acabam com o focinho ralado ...hehehe! ...e raivosos por isso, quando deveriam agradecer.
...Mas como diz o personagem do C. Anisio: "me engana que eu gosto" ...Afinal, massa gosta de ser enganada, gosta de ser moldada.

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Ora ora, querer associar religião a defesa da vida é ridículo.

É o mesmo que fazem os socialistas associando tal a solidariedade, a democracia, a bondade, ao altruismo e etc.. Sempre associações que clamam pela credibilidade do salafrario que como bom estelionatário, sempre se exibe alguém sem interesses e louco para fazer o bem ao otário que vai cair na sua labia.
É lógico: se alguém crê que o outro não tem interesse pessoal e que quer fazer o bem por altruísmo, a tendencia é baixar a guarda e se entregar.

Qual trambiqueiro se apresenta como tal? Não, eles sempre oferecem negócios maravilhosos aos otários ...hehehe!

Abraços
C. Mouro

Renato disse...

Catelluis,

o sr. escreve demais. Falatório chato e sem conteúdo.

Vamos fazer assim: consagramos o sr. o sábio dos sábios, que sabe mais da Igreja que Sto Tomás, Sto Agostinho e todos os Papas juntos, afinal, o sr. leu os livrinhos do catecismo.

Incrível essa empáfia toda. Uma critiquinha e já convocam a tropa de choque.

Mesmo assim, há pontos que ficaram nebulosos:

1) A Ciência não é infalível, certo?

2) Usar um filme boboca como argumento válido é cretinice, certo?

3) Ateísmo não é pré-requisito à inteligência, certo? Embora a vcs todo crente é néscio, ignorante, burro e tudo mais.

4) Ao Rodrigo, é piada de mau gosto comparar os dogmas da religião com as crenças científicas. Mas superstições com Religião é algo inteligente, não?

5) Por fim, repondam, principalmente o sr. Catelluis, o que os habilitam a falar em nome da ciência? Por que a julgar pela forma como o sr. Catelluis adquiri conhecimento da Igreja (pelo Catecismo), imagino que seu conhecimento científico deve basear-se em livros do 2º grau ou no manual dos escoteiros mirins.

É visível que não passa de blefe. O conhecimento científico de vcs não passa da repetição de matérias jornalistas ou livrinhos ateístas. Pela honestidade já provada em que vcs se dedicam a estudar teologia antes de criticar, fica claro que tem muito falatório pra pouco conteúdo.

Mais uma vez é difícil não lembrar que o texto em que se baseia esses comentários, usou como argumento um filminho... o autor prefere não entrar no mérito.

Quanta bobagem!

PS: Se possível, arrume o sistema de envio de comentários, há de postar umas três vezes para enviar. E algumas vezes perde-se o texto já digitado.

Zappi disse...

Coitado do Renato. Deu até pena. Massacraram ele feio.

Vai ler Santo Agostinho, vai, Renato.

Anônimo disse...

Basta o Catellius (copy and paste)" escrever" algumas coisas por aí que o C. Mouro aparece para bater palmas. Que coisa mais ridícula! Esses caras são totalmente fanáticos! Eu imagino a vida pessoal desses caras, o Ricchus (outro do grupinho) acabou postando umas confissões aqui sobre os motivos de suas revoltas pessoais e depois desapareceu.
Bastava conversar 15 minutos cara a cara com qualquer desses sujeitos e daria para entender os motivos dessas tolices...

LucioVaz

C. Mouro disse...

...hehehe!

Clap clap clap clap!
...para o Catellius.

...estou aplaudindo de pé!

Afinal, o cara é dos bons mesmo.

...hehehe! ...eu não sou manipulavel não. Manipulavel são os tolos inseguros e os vaidosos.
...hohoho!

Vá para o canto da sala com um chapelão de burro, e de cara para a parede! ....hehehe! és um asno que sem argumento parte para idiotices que só pegam imbecis.
(gostei da "imagem" do burrão com seu chapéu e de cara para a parede ...hehehe! ...Boa, Catellius)

Abração
C. Mouro

Anônimo disse...

Talvez um desses patifes ateus já tivessem levado uma bala na cara de um dos milhares,repito,milhares de criminosos, se não fosse os crentes com a menssagem de Deus,e que os tiraram do mundo do crime e os entregam sãos à sociedade.

Catellius disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Catellius disse...

Grande C. Mouro,

“cada cristão, um cristianismo; cada socialista, um socialismo.”

Perfeito. É o tal rodízio de carnes acessível às reses da base da pirâmide, esses comunistas de boutique e cristãos de araque. Os que criticam o comunismo e as religiões são amiúde forçados a conhecer as suas doutrinas; às reses da base da pirâmide basta meter a camiseta do clube, vestir-se de sua suposta glória, das qualidades que as ideologias dizem possuir. Por isso é querer muito esperar que saibam mais do que os chavões costumeiros. Mas gostam de perguntar: “Leu Marx?", "Leu Tomás de Aquino? Ah, então como você quer criticar minha ideologia, ainda que suas críticas pareçam pertinentes?”. Por isso o palhaço do Renato quer exigir que qualquer crítico do cristianismo tenha lido a chatíssima Suma Teológica, ao passo que sequer conhece o Catecismo da Igreja Católica, nada mais nada menos do que o depósito de toda a doutrina oficial. Acha que é o livrinho preparatório para a Primeira Comunhão. E parece que o burro não entendeu ainda o que o livro significa, porque em seu último comentário repete o ornejo, he he. Pobre diabo...

“...hehehe! ...eu não sou manipulavel não. Manipulavel são os tolos inseguros e os vaidosos.
...hohoho!”

Bravo, Mouro! Sabendo que você já me mandou para aquele lugar, em meu blog, quando julgou que escrevi asnices (ainda não dei o braço a torcer naquele assunto, he he), fico feliz quando me elogia, porque sei que você é sincero e crítico. Aos parvos não resta senão dizer que eu e você somos a mesma pessoa, que somos puxa-sacos, etc. E essas coisas vêm sempre depois de um focinho ralado, quando não têm mais o que dizer...

Abração!

Catellius disse...

E esse anonymous:

"Talvez um desses patifes ateus já tivessem levado uma bala na cara de um dos milhares,repito,milhares de criminosos, se não fosse os crentes com a menssagem de Deus,e que os tiraram do mundo do crime e os entregam sãos à sociedade."

Caramba, o vernáculo acabou de ter a cara trespassada por uma bala de revórvi, hua hua hua.

O Brasil é o maior país católico do mundo e campeão em assassinatos. Por aqui os ateus não passam de 1% da população. No mínimo 99% dos assassinatos são cometidos por crentes em Deus Pai Todo Poderoso. Nas cadeias, a porcentagem de ateus deveria refletir a da sociedade. Mas não; nos EUA, por exemplo, ela é da ordem de 0,2%.

Os assassinos brasileiros matam porque são católicos ou evangélicos? Não. Os índices de criminalidade franceses são muito menores do que os brasileiros porque lá a porcentagem de descrentes e irreligiosos é cavalarmente maior? Também não. Quase todos os crimes na cética Suécia são cometidos por imigrantes islâmicos e refugiados de nações africanas porque eles são mais religiosos? Nope.

Quer saber por quê? Vá estudar, he he.

Zappi disse...

Catellius,

Você inspirou minha resposta ao Reinaldo Azevedo sobre células tronco e embriões.

Leia Tentando salvar um aloprado.

Um abraço!

Catellius disse...

Zappi.

Vou dar uma passadinha lá no Strange Man's Paradise.

Grande abraço!

Blogildo disse...

A opinião de Einstein sobre religião não valia nada porque ele não era teólogo, he he. Cacilda!!!
Tinha que ser o Blogildo...


Deixe de ser ridículo, Catellius. O quero enfatizar é que a opinião de Einstein sobre religião é tão valida quanto a opinião de Marion Cotillard sobre o 11/09.

Ou quanto a sua sobre arquitetura de igrejas. Ops! Esqueci que você é arquiteto de igrejas.

Paula disse...

Rodrigo,

Seus textos são ótimos, gosto de seus argumentos e da maneira como voce coloca as ideias, porem acho que que religião virou "febre" por aqui.

Não vou entrar na questão de ser ou nao ser religioso, o que quero dizer é que: discuta, argumente mas não menospreze, isso é burrice.

Sabemos que toda unanimidade é burra e talvez se fossemos todos ateus ..... enfim, como disse não vou entrar no mérito da questão.

Peço apenas que pare um pouco com esse assunto e deixe que todos tomem suas decisões.

Expor argumentos é válido, mas no fim, sua intenção me parece a mesma da igreja: converter fieis!! (ou não fieis) heheheh

:)

Aguardo pelo próximo artigo.

Abraço

Zappi disse...

Esta Paula é um caso clássico que tenho observado pela internet. Ela faz parte do grupo dos "incomodados" com argumentos lógicos que se contraponham a religião.

Queria fazer algumas considerações a respeito:

1. Não é possível argumentar logicamente e simplesmente 'evitar' a torrente de baboseiras gerada pelas religiões. Quando religiosos discutem seus dogmas eles podem e devem ser confrontados com a realidade.

2. Nenhum ateu tenta converter fiéis. Não há fiéis ateus e eu não me juntaria com um grupo só porque é composto de ateus. Entretanto os argumentos lógicos que fazem sentido tem todo o meu apoio... oh! Será que incomodam os religiosos? Eu não estou muito preocupado com isso. Os religiosos não estão nem aí comigo quando tratam de impor as proibições ridículas deles a toda a sociedade, e pior: usando a força da lei.

3. Quanto a "parar um pouco com o assunto" não respondo pelo Rodrigo. Entretanto esta é a clássica forma de agir dos religiosos quando estão fortemente indignados com as posições - forçosamente blásfemas - das pessoas que pensam. Também é o urro dos petistas quando gritam "preconceito" contra um presidente iletrado, corrupto e com fortes ligações com traficantes e bandidos. "Vocês tem preconceito só por que é operário analfabeto" - dizem eles.

A diferença entre preconceito e conceito vem da observação do comportamento real das pessoas. Já observamos o que o Lula, o operário analfabeto, fez com o Brasil. Ninguém tem preconceito quando a demonstração de estupidez é clara. Isso vale também para certas manifestações religiosas que, claro, merecem ampla exposição e divulgação. Quem sabe os religiosos ficam com vergonha e começam a questionar suas práticas um pouquinho?

Anônimo disse...

Esse blog está mesmo uma merda. Uma crise sem precedentes na América Latina, entro aqui para ver os comentários e o que encontro: "Manga com Leite".
Lamentável o rebaixamento de nível, quando não estão falando mal de Olavo de Carvalho (deve ser um problema psiquiátrico essa cisma...) estão malhando as religiões. Cai na real, Constantino, enquanto você continuar dando atenção demais ao que diz o casal nazista C.Mouro/Catellius, esse blog vai de mal a pior.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Renato disse...

Catelluis, o sr. ignorou as perguntas que fiz no último post, porque sabe que se respondê-las comprometerá essa tua "dialética da ignorância".

Enfim, confessas que não leu a Suma Teológica, portanto, não imaginas que é importantíssima para o conhecimento da Igreja, principalmente na sua fase moderna.

Sto Tomás reflete sobre o que é a liberdade humana, partindo da experiência moral. É a base do personalismo Ético da Igreja. Até aqui, não importa se és crente ou descrente, mas veja que se lhe falta esta noção do que é bem e mal para a Igreja, de como é estruturada seu edifício Ético, falta-lhe o conhecimento básico para qualquer discussão religiosa. O sr. não tem nem o direito de discordar, porque não pode discordar daquilo que sequer conhece. Não sabe os conceitos para fazer uma análise e chegar a uma conclusão sobre o assunto: se concordas ou discordas.

Interessante essa tua pérola vagabundista: "...o palhaço do Renato quer exigir que qualquer crítico do cristianismo tenha lido a chatíssima Suma Teológica..."

Não leu, não vai ler porque tem preguiça, é vagabundo! Mesmo assim, acha-se habilitado a tecer críticas (porque, baseando-se na ignorância, estará sempre longe de uma opinião respeitável).


Os livros do Catecismo são um apanhado geral da Religião. É uma obra importante para situar o cristão. Porém, sua função é, principalmente, ensinar as crianças, afinal, segue a lógica da catequese, desde o batismo aos mandamentos para uma vida de fé (incrível como nem isso o sr. Catelluis entendeu. Assim, é razoável concluir que nem os livrinhos do Catecismo ele leu).

Respeitaria uma opinião contrária à minha Religião se embasada em conhecimento. Proporia um debate honesto e respeitoso. Mas o Sr. Catelluis é um ignorante confesso, além de vagabundo em relação aos estudos (bastam ler seus comentários para tais constatações). Ele nem imagina o que é ou representa a Igreja Católica. Apenas se baseia nos lugares-comuns, abusando da ignorância religiosa para se auto-atestar infalível.

Por fim, resta-nos refletir sobre o quanto a indolência intelectual do sr. Catelluis compromete suas divagações sobre qualquer outro assunto. A mim me parece claro que qualquer linha preenchida por este cidadão é completamente nula e isenta de razão para um debate sério.

Havendo alguém com o mínimo conhecimento (e educação) para discutir, informo que estou à disposição para um debate. Debates não se faz com discussões, tampouco com agressões verbais. Querem discutir as idéias da Igreja, se são válidas ou não; se são infalíveis ou não? É preciso conhecer as idéias da Igreja. Para tanto, são pré-requisitos: conhecer a Bíblia e os tratados de Sto Agostinho e Sto Tomás.
-----------

O sistema de publicação de comentários continua com problemas!

Zappi disse...

O Renato diz que leu a Suma Teológica mas é incapaz de copiar e colar o nome do Catellius.

O problema não é o de a Suma Teológica ser chata. É de que é um trabalho completamente inútil. Esse obra literária chega às seguintes conclusões:

"Teologia é a maior e mais importante de todas as ciências, por ser a sua origem Deus, que é omnisciente"

Bom, esta tese é uma besteira tão perfeita que não merece nem comentário. Vamos ver o que mais o tal trabalho diz.

"Descrença é o maior pecado no domínio moral"

É mesmo? Então eu sou um pecador terrível. Vamos continuar estudando as conclusões deste verdadeiro gênio chamado Tomás de Aquino e feito "santo" pela igreja.

"Cobrar juros de empréstimos é proibido, pois significa cobrar duas vezes pela mesma coisa."

Interessante conceito. Foi depois usurpado pelos Islâmicos e esquecido pelos católicos. Vamos continuar para ver o que mais há de interessante.

A "demonstração" sobre a existência de Deus é hilária. É uma definição vaga e tôsca, pensada para confundir. Incluiria até o "deus de Einstein" que chamava de "Deus" tudo aquilo que lhe era desconhecido. Há quem enxergue profundidade nestes argumentos. Entretanto são realmente pobres. Não provam nada e, pior, formam a base para todo o resto da baboseirada.

É isso o que resolveria o problema das doutrinas católicas?

Eu acho que temos também que ler o Corão, afinal existem mais islâmicos no mundo do que católicos.

Não me entendam mal. Isto não é uma lista exaustiva de todas as besteiras geradas por Tomás de Aquino. Quanto mais lermos, mais besteiras encontraremos. Há sempre um momento em que temos que decidir parar de perder tempo. Afinal a vida é curta, e não existe vida após a morte, não é mesmo?

Blogildo disse...

Houve. Claro que houve. Não nego. Mas eu pergunto: quem foi que acabou com esse mito ? A Ciência, ora !
A própria Ciência se encarrega de refutar os mitos que ela criou.
Isso acontece porque a Ciência permite a qualquer um que ache que uma afirmação que é considerada verdade científica é, na verdade, um mito científico emitir sua opinião e justificá-la.


Jeová, é claro que a ciência acabou com o próprio mito. Mas a religião vive fazendo a mesma coisa. Quantos mitos religiosos já foram abandonados pela própria religião?
Agora, acho que os mitos propagados pela ciência são mais nocivos. Veja o mito do aquecimento global, por exemplo. Acho que você tem acompanhado e visto que cientistas que questionam - como aqui no blog do Rodrigo se estimula tanto - o aquecimento global causado por ação humana têm sofrido sanções. Economica, política e até têm perdido prestígio.

É isso que você chama de "A ciência implora para que você prove que ela está errada?

Fala sério, né?!

Rodrigo Constantino disse...

Sem poluição!

Paula disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paula disse...

Zappi

Não estou incomodada com argumentos, ou com religiosos ou ateus e sim com essa infinita discussão "entre o bem e o mal".

Só isso. Pedi ao Rodrigo que mudasse de assunto. Nada mais.

;)

Jeová disse...

"Jeová, é claro que a ciência acabou com o próprio mito. Mas a religião vive fazendo a mesma coisa. Quantos mitos religiosos já foram abandonados pela própria religião?
Agora, acho que os mitos propagados pela ciência são mais nocivos. Veja o mito do aquecimento global, por exemplo. Acho que você tem acompanhado e visto que cientistas que questionam - como aqui no blog do Rodrigo se estimula tanto - o aquecimento global causado por ação humana têm sofrido sanções. Economica, política e até têm perdido prestígio."

Blogildo, em certos assuntos religiosos é, realmente, permitido um debate científico. Nos dogmas, isso não acontece. A religião é anti-científica justamente no que está relacionado aos seus dogmas.

Acredito, realmente, que certos mitos propagados pela Ciência são bastante nocivos (como aquele do ovo). Eu, por exemplo, nunca me preocupo quando um cientista diz o que eu tenho que comer. Acho que ainda falta muito para eles afirmarem algo com certeza.

Quanto ao aquecimeto global, acho que não serve como mito científico justamente porque, há muito tempo, tudo que é relacionado ao clima mundial deixou de ser Ciência, justamente por tentar sufocar opiniões contrárias.

Blogildo disse...

É isso aí, Jeová. Vc chegou no ponto.
Mas Religião e Ciência não têm a ver uma com a outra. São esferas diferentes do pensamento humano. O debate já começa torto quando se tenta julgar a religião à luz da ciência. A Bíblia não é livro de ciência. O Corão também não. Sempre bato nessa tecla. É perda de tempo querer avaliar a religião à luz da ciência.

Agora, não pense que o aquecimento global é caso único. Há outros casos em que a resistência da comunidade científica é notória. E não raro, o que motiva tal resistência é pura política. Além disso, essa história de que 'a ciência quer que você prove que ela está errada' é só outro mito.

Veja bem, não estou falando contra a ciência em si. Só acho que a supervalorização da ciência é um equívoco tão grosseiro quanto a difamação sistemática contra a religião. Afinal, são coisas sujeitas aos erros e equívocos do ser humano. Mas no debate cobra-se tudo das entidades religiosas; em contrapartida, dá-se todas as indulgências possíveis à ciência.

É boa e velha lógica seletiva.

Rodrigo Constantino disse...

"Mas Religião e Ciência não têm a ver uma com a outra. São esferas diferentes do pensamento humano."

Concordo. Uma lida com misticismo, a outra com a lógica. Uma lida com dogmas, a outra com fatos. Uma lida com a fé, a outra com a razão. Uma lida com a "vida" depois da morte, a outra com a vida. E por aí vai.

Rodrigo

Rodrigo Constantino disse...

"Afinal, são coisas sujeitas aos erros e equívocos do ser humano."

Blogildo, a diferença crucial é o modus operandi, o approach. Não é possível colocar ambas no mesmo saco só porque a ciência erra. Não faz sentido algum! A ciência é fonte de conhecimento objetivo. A religião é uma espécie de filosofia primitiva.

Rodrigo

Blogildo disse...

Exatamente, Rodrigo. Concordo plenamente com a observação. É por isso que todo debate entre religião e ciência não costuma conduzir a algum resultado. É por isso que acho um despropósito atacar a religião com argumentação científica.
É comparar alhos com bugalhos.

Não estou colocando no mesmo saco, Rodrigo. Sendo únicas em suas respectivas esferas, só reivindico para a ciência o mesmo rigor que aplicam contra a religião.
Ou então, que sejam tão indulgentes com a religião, como são com a ciência. Só isso. Nada de dois pesos duas medidas.

Catellius disse...

He he he!

Desconcertado depois de ter o focinho impiedosamente esfregado no asfalto - para esconder o raladão pintou o nariz de vermelho e passou farinha na cara -, depois de ter feito a tremenda Brutta Figura por aqui, o estulto parte para um patético monólogo, espera a caixa de comentários esvaziar para brincar de galinho, he he, fingindo querer debater quando já havia, no início, tentado desqualificar os críticos por não terem estudado teologia (ho ho), entrando na onda do Blogildo. Este dinossauro verde quis exigir credenciais para o debate sobre religião, afirmando que uma opinião vale mais ou menos dependendo da credencial, o que não passa de um apelo à autoridade barato. Típico de parvos que não valem a alfafa que comem.

E o Renato tenta a "saída pela esquerda" e faz para mim(!) umas perguntinhas que não têm nada a ver com minha participação na discussão, sobre "pontos que ficaram nebulosos" (!!). Mas sejamos indulgentes com o pobre diabo:

"Incrível essa empáfia toda. Uma critiquinha e já convocam a tropa de choque.
Mesmo assim, há pontos que ficaram nebulosos:
1) A Ciência não é infalível, certo?"


Praticamente em tudo o que a ciência já afirmou até hoje havia incorreções. Às vezes elas eram (são) gigantescas, às vezes mínimas. Muita coisa que temos hoje como verdade sofrerá alterações no decorrer do tempo. A ciência, em seu caminho natural, vai descartando o que não funciona e mantendo o que funciona. Quanto mais uma verdade sobrevive a novas descobertas, ao bombardeio de outros cientistas, a questionamentos, mais consolidada fica. Mas ainda assim pode ser invalidada quando submetida a novas análises baseadas em novos dados observacionais.

Ao perceber que há incertezas e erros da ciência, o religioso cabeça-de-melão típico acha que eles são como os erros das religiões e segue feliz trotando a mascar a alfafa.

Hoje não existe ciência brasileira, ciência japonesa, russa, européia ou norte americana. Se algo em que cientistas europeus acreditam é PROVADO falso nos EUA, A ciência evolui, A ciência o descartará e pronto.

Do lado das religiões, o bebê saudita será submetido desde tenra idade à doutrinação islâmica e a chance de que venha a optar pelas convicções de um cristão é quase nula, e algo análogo acontece com um bebê polonês. Dificilmente adotará as convicções de um muçulmano. A religião vai mudando de acordo com a geografia. Se os olhos vão ficando puxados à medida que se vai da Jordânia para o Japão, a religião sai do islamismo sunita, passa pelo xiita, pelo islamismo sufi, pelo hinduísmo, budismo, confucionismo e se chega ao xintoísmo, grosso modo. Todas as religiões se pretendem verdadeiras. Na melhor das hipóteses seriam todas falsas menos uma. Mas são todas falsas, por milhares de razões.

Enfim, existe o real de um lado e o irreal ou fantasioso do outro. A melhor forma de compreender a realidade chama-se ciência. Ela erra? Claro! Mas sempre está mais perto da verdade do que as religiões, do que os supersticiosos, os que são inspirados a dizer algo, os que recebem revelações de entidades metafísicas, etc.

"2) Usar um filme boboca como argumento válido é cretinice, certo?"

Ele usou o filme A Vila como exemplo, não como argumento, parvo. Está lá bem claro no texto: "O exemplo da vila é perfeito". Se um filme pudesse ser usado como argumento nesse tipo de discussão, não faltariam crentes a usar o épico Os Dez Mandamentos com Charlton Heston para provar que Moisés realmente abriu o Mar Vermelho, he he. Então parta para outra, burrão.

"3) Ateísmo não é pré-requisito à inteligência, certo? Embora a vcs todo crente é néscio, ignorante, burro e tudo mais."

É mais fácil ser ateu hoje do que na Espanha de Torquemada. Se uma pessoa não sofrer lavagem cerebral religiosa desde a tenra idade, poderá viver sem deuses e pronto, poderá ser estúpida ou não. A sua inteligência não a terá levado a ser atéia. Quando o ateísmo é fruto de questionamento, de espírito crítico, de raciocínio lógico, apesar do meio bovino em que se está inserido, ele pode ser considerado CONSEQÜÊNCIA da inteligência.

Mas a inteligência pode não levar ao ateísmo se não houver interesse pelo assunto, compleição a pensar nas questões que ele envolve, se o ambiente for por demais opressor, se todas as atividades humanas estiverem impregnadas de religião, se não houver acesso a escritos de livre-pensadores, se não houver terreno para se meditar sobre todos os lados da moeda, pessoas com as quais conversar abertamente sobre o assunto, se a pessoa estiver por demais comprometida com uma ideologia e tiver profundos interesses em defendê-la (aí a inteligência já está seriamente comprometida, ao menos a chamada inteligência lógica).

Por isso a tendência era de que os grandes cientistas fossem religiosos lá pelo ano 1000, meio religiosos na Renascença, céticos porém deístas no Iluminismo, e é de que sejam ateus e agnósticos nos dias de hoje. No contexto em que vivemos - no Brasil, mais especificamente -, muito dificilmente encontraremos imbecis do tipo quadrúpede – o Renato, por exemplo - que não sejam crentes (até no comunismo). Em uma sociedade em que a religião não tenha tanta influência na vida das pessoas, será mais fácil encontrar ateus estúpidos do que na situação atual.

"4) Ao Rodrigo, é piada de mau gosto comparar os dogmas da religião com as crenças científicas. Mas superstições com Religião é algo inteligente, não?"

Não é piada de mau gosto comparar os dogmas da religião com crenças científicas. É mau gosto querer colocá-las no mesmo nível.

Já colocar no mesmo nível superstição e religião é algo que não se pode evitar. E não há só a religião católica; hinduísmo também é religião, sabia? Há religiões cujos fiéis adoram carga de navio, outras não sei se extintas em que era necessário tocar tambores para um eclipse cessar, há religiões animistas, etc.

Superstição é sinônimo de crendice, de crença em coisas absurdas, ridículas. Não precisamos nem do exemplo de religiões exóticas. É ridículo um deus criar o homem para o adorar, afogar todos para acabar com o mal na Terra e depois o mal retornar como era antes, deus purgar os pecados dos homens tendo para isso que descer à Terra e ser esfolado vivo (pelo menos pelo evangelho segundo Mel Gibson), anjos (que não são mais críveis que fadas) mensageiros de um deus onipotente, onisciente e onipresente, etc. O Blogildo já afirmou por aí que este mundo é literalmente governado por Satã em pessoa (HA HA HA HA HA HA HA HA HA. Paaaarvo). Católicos crêem que o pedaço de pão ázimo chamado 'hóstia' seja realmente - não simbolicamente - carne de Jesus Cristo (canibais), ainda que ele tenha cara de pão, cheiro de pão, gosto de pão e que ao microscópio se revele... um pão. O papa canonizou o curandeiro Frei Galvão (um 'santo' que possuía escravos, he he). Ele assinou embaixo das crendices que envolvem a ingestão daqueles papeizinhos ridículos. Enfim, temos as aparições da Vixi Maria, milagres de todo tipo (os milagres foram decaindo com o tempo; antigamente eram oceanos se abrindo, sol parando e mortos ressuscitando; hoje são uma gonorréia curada, um câncer revertido, he he), etc.

"5) Por fim, repondam, principalmente o sr. Catelluis, o que os habilitam a falar em nome da ciência?”

O parvo não é capaz de analisar o que é dito, de pedir fontes quando duvida de alguma informação, não é capaz de conferir a veracidade da informação - isso quando há informações novas e reveladoras em jogo, porque o que tem sido dito por aqui não se baseia em informações privilegiadas. O parvo quer credenciais, ho ho!

"O conhecimento científico de vcs não passa da repetição de matérias jornalistas ou livrinhos ateístas."

Não, burrão, eu mesmo pesquiso tudo no laboratório gigantesco que tenho dentro do quarto; células-tronco, distância dos astros, mecânica quântica, etc. E depois entro nos blogs para difundir minhas descobertas, ho ho ho!

...

Renato criou coragem após um goles:

"O sr. não tem nem o direito de discordar, porque não pode discordar daquilo que sequer conhece. Não sabe os conceitos para fazer uma análise e chegar a uma conclusão sobre o assunto: se concordas ou discordas.”

Hua hua hua! Eu por acaso disse “discordo de tudo o que se lê na Suma Teológica”? Não disse isso. Disse que lê-la não é necessário para se discutir a doutrina da Igreja Católica e que várias coisas que Tomás de Aquino escreveu são contrárias a ela.

Por fim, uma pérola de um estudioso, ho ho: “Debates não se faz com discussões”

Catellius disse...

Zappi said...

Tomas de Aquino: "Cobrar juros de empréstimos é proibido, pois significa cobrar duas vezes pela mesma coisa."

E hoje temos o Banco do Vaticano, he he, com bilhões de dólares aplicados por aí, rendendo verdinhas. Será que a ICAR condenaria o empréstimo a juros nos dias de hoje?

“Não me entendam mal. Isto não é uma lista exaustiva de todas as besteiras geradas por Tomás de Aquino. Quanto mais lermos, mais besteiras encontraremos."

HA HA HA HA! Bravo!

Tomás de Aquino e Agostinho de Hipona eram uns misóginos safados, diziam que a mulher é inferior ao homem moral, física e psicologicamente. Diziam que perseguições feitas pela Igreja eram SEMPRE justas porque motivadas por amor, excretavam coisas como “o amor assume quando abandonamos o conhecimento” e “o prazer sexual nunca ocorre sem pecado”. Agostinho justifica a escravidão, exorta os cristãos a serem mais como o Jesus que entrou no templo chicoteando os vendilhões do que como o Jesus que apanhava calado – para ele os cristãos deveriam sair mundo afora convertendo infiéis pela força. E há muito mais, como você bem escreveu.

Blogildo disse...

Renato, desista do Catellius. O caso dele é hospício ou exorcismo. Talvez as duas coisas.
Tudo indica que um padre "abusou" dele e não mandou flores no dia seguinte. O cara nunca se recuperou desde então.
Quer dizer, até se recuperou. Parece que, quando ele foi para o Oriente, um aiatolá também "abusou", mas mandou flores no dia seguinte. É por isso que ele odeia mais o catolicismo do que o islamismo.

Você acha que um ateu militante que vive do dinheiro da ICAR tem alguma moral? Alguma lógica?

André Catelli é tããão corajoso quanto um dos gurus dele: Jean Meslier. Vive da graninha da ICAR - fazendo planta de Igrejas - e ao mesmo tempo cospe no prato que come. É patético. Pior: O cara é um capitalista louco. Do tipo que sacaneia o próprio cliente. Durma com um barulho desses.

É o tipo do sujeito que só sabe "dialogar" assim: Focinho, parvo, estulto etc achando que é o máximo de civilidade. Aí, quando você, ou um Olavo, manda um simples e direto "VTNC!", o cara parece até uma virgenzinha: Ai, que grossura! Então, ele lembra com certa nostalgia do padreco que não enviou flores.

É uma figura! Só serve mesmo para animar torcida e parasitar blogs de terceiros. Heheheheh!

Jeová disse...

"Veja bem, não estou falando contra a ciência em si. Só acho que a supervalorização da ciência é um equívoco tão grosseiro quanto a difamação sistemática contra a religião. Afinal, são coisas sujeitas aos erros e equívocos do ser humano."

Também odeio a supervalorização da Ciência, pois entendo que os conhecimentos em muitas áreas ainda são muito pequenos. De qualquer forma, admiro o fato de que esses erros possam ser consertados.

Zappi disse...

"Também odeio a supervalorização da Ciência..."

Sobre isso disse Santo Agostinho:

"Não é incomum acontecer que algo sobre a terra, sobre o céu, sobre outros elementos deste mundo, sobre o movimento e rotação ou mesmo sobre a magnitude e distancias das estrelas, sobre eclipses do sol e da lua, sobre passagem dos anos e estações, sobre a natureza dos animais, das frutas, das pedras e outras coisas, seja conhecido com a maior certeza através do raciocínio ou experiência, mesmo por alguém que não seja Cristão. É uma desgraça e uma ruína, entretanto, e certamente deve ser evitado que o não Cristão ouça um Cristão falando de maneira tão idiota sobre esses assuntos, como se estivessem de acordo com as escrituras Cristãs, a ponto dele dizer que é difícil conter o riso quando ele percebe quão erradas as escrituras estão. Por causa disso e mantendo em mente constantemente quando lidamos com o livro do Genesis, eu tenho, no limite das minhas habilidades, explicado em detalhe e levado em consideração os significados de passagens obscuras, tendo o cuidado de não confirmar apressadamente um sentido em detrimento de outro que talvez seja uma explicação melhor"

Verdadeiramente, o tal Agostinho era um gênio. Ele previu a ridicularização que os católicos sofreriam com o caso "Galileu" no ano 408DC. Não só isso, se o Renato e o Bloguildo tivessem lido e pensado sobre o assunto eles não seriam objeto do ridículo previsto pelo próprio "santo" exatamente 1600 anos atrás. Essa gente não aprende mesmo.

Blogildo disse...

Zappi, até parece que você lê Sto Agostinho. Quando você conseguir parar de ler Luis Fernando Verissimo e Paulo Coelho a gente conversa, valeu?

Catellius disse...

Blogildo excretou:

"É o tipo do sujeito que só sabe 'dialogar' assim: Focinho, parvo, estulto etc achando que é o máximo de civilidade. Aí, quando você, ou um Olavo, manda um simples e direto "VTNC!", o cara parece até uma virgenzinha: Ai, que grossura! Então, ele lembra com certa nostalgia do padreco que não enviou flores."


Joguei a palavra "flores" no blog do dinossauro verde que prefere morrer a injetar sangue humano nas veias e não deu outra, estava lá: "eu acho que algum padre abusou de Saramago e não mandou flores no dia seguinte"

Ho ho! É a explicação padrão do néscio. Deve ser porque entre as testemunhas de Jeová o costume é abusar das crianças atrás da Torre da Vigia e depois mandar umas margaridas para que permaneçam na fé...

Eu reclamei dos palavrões do Olavo, por sinal muito mais cabeludos do que meus adjetivos, quase sempre sinônimos de "burro"? Gostaria de conhecer alguma coisa que eu tenha escrito a respeito. Mas vejamos quem é a virgenzinha que se escandaliza com grosserias e que depois ainda as justifica, he he, porque afinal é olavete até o rego.

Made in Blogildo:

"Conheço o estilo de debate do Olavo. É um excelente debatedor e é um dos poucos caras que têm coragem de dizer 'não sei', 'não tenho conhecimento sobre isso', 'não tenho resposta melhor' ou coisa assim. A única coisa que não gosto é quando ele xinga. É que quem não o conhece acaba achando que ele tá apelando ou coisa assim. Eu, particularmente, não gosto. Mas isso não desqualifica os argumentos dele.

É aquela velha história: Você está lendo o jornal em casa e um sujeito grita lá de fora: Seu v%&#, essa p%$@ da sua casa tá pegando fogo, c$%&*!!!! O que você faz? Verifica se a casa tá mesmo pegando fogo e você não reparou? Ou simplesmente ignora o que foi dito, fecha a janela e pensa: Que sujeito deselegante e desbocado! Eu hein!?

O fato de xingar não desqualifica o argumento de ninguém. Da mesma forma que não xingar não qualifica o argumento.

Constantino começou um debate para o qual não tinha qualificações para manter. E arrogantemente sugere que não debate para não baixar o nível da discussão. Enfim foi pusilânime e Olavo venceu o debate de lavada ('olavada')!"


Dinossauros costumam ser estúpidos, pesadões, triássicos, e ainda têm rabo comprido que fica preso a todo instante. E deixam rastros por aí, he he.

As olavetes, não tendo como rebater os argumentos contrários, aproveitam que os expus entremeados de adjetivos, dos quais demonstraram ser grandes merecedoras, para reclamarem do nível do debate, he he.

"André Catelli é tããão corajoso quanto um dos gurus dele: Jean Meslier."

Foi hilário quando o Janer Cristaldo publicou um artigo sobre Jean Meslier e o burrildo correu para seu blog escrever contra... "JEAN PIAGET", ha ha ha! Rimos a mais não poder n'O Expressionista quando o estuldo fez mais esse papelão. Falava do clérigo francês com uma fingida desenvoltura, como se o conhecesse de longa data - como o Renato em relação à Suma Teológica -, mas escreveu todas as vezes "Piaget" ao invés de "Meslier". Asno! O pior é que qualquer idiota com primeiro grau completo deve ter ouvido falar em Piaget, he he. Até quem assiste Supernanny, ho ho. Ma che Brutta Figura!

"Vive da graninha da ICAR - fazendo planta de Igrejas - e ao mesmo tempo cospe no prato que come. É patético. Pior: O cara é um capitalista louco. Do tipo que sacaneia o próprio cliente."

Relaxe! O dono do haras que porventura for ateu não deixará de vender alfafa para a testemunha de Jeová que aparecer por lá com dinheirinho na mão.

Meu escritório ganhou o prêmio Construir Brasília 2007 pelo maior número de projetos de prédios corporativos, comerciais e residenciais multifamiliares executados entre janeiro de 2006 e junho de 2007 para empresas inscritas no Sinduscon-DF. Mas ganho dinheiro mesmo fazendo igrejas, ha ha ha.

Meu último projeto foi um templo meio ao estilo Niemeyer, em forma de cocô, feito para abrigar uma grande vara de testemunhas de Jeová obcecada pelo fim do mundo e receosa de ter sangue humano nas veias. Ao invés de mármore no piso especifiquei lama, no lugar dos bancos indiquei cochos para serem enchidos de lavagem, no altar coloquei uma grande gráfica para os fiéis ficarem hipnotizados pela massiva produção de cópias do Novo Testamento mal traduzido e adulterado a serem distribuídas em puteiros, motéis e igrejas.

Ha ha ha!

Tenha um pouco de amor próprio! Não vire mais o traseiro para mim. Já cansei de chutá-lo! É sério.

Zappi disse...

Ah, esse Bloguildo... É muito interessante o "santo" Agostinho. Vou fazer outra citação, já que Bloguildo só vai ler Agostinho nos comentários deste blog.

Como dizia em comentário anterior Agostinho ficava com muita vergonha da burrice dos carolas, especialmente dos que saíam discutindo com não-cristãos e perdiam feio. Até aí tudo bem, mas Agostinho não teria virado "santo" se não fosse mais carola do que isso. Vejam esta outra citação:

"As escrituras tratam de assuntos de fé. Por essa razão, como eu disse repetidamente, se alguém, não entendendo o modo da divina eloqüência, encontrar algo sobre o universo físico em nossos livros, algo que parece contradizer as percepções de suas próprias faculdades racionais, deixem-no acreditar que essas outras coisas [o mundo real] não são necessárias às admoestações, narrações ou previsões das escrituras. Resumindo, deve ser dito que nossos autores sabiam a verdade sobre a natureza dos céus, mas não era a intenção do Espírito de Deus, que falou através deles, ensinar aos homens algo que não fosse útil para sua própria salvação."

Aqui o Sr. Agostinho diz que Deus sabe tudo mas não quer que as pessoas saibam, pois não vai ser útil para salvá-los... Admite novamente as cagadas das escrituras, e as justifica com esse argumento tosco. Lindo isso. Admissão da ignorância de Deus era impossível, não é mesmo? Também era impossível admitir que as escrituras tinham sido escritas por quem não sabia nada sobre o mundo físico.

Ilustre-se, bloguildo. Take your time. Eu sei que é difícil para você. É necessário no entanto. Se esperar a salvação no outro mundo, morrerá burro. Salve-se agora, pense!

C. Mouro disse...

Beleza de comentários, brilhantes, excelentes; e eu perdendo.

Bem, já a bíblia se prevenia sobre o ridículo de seu próprio besteirol. Há nela uma parte onde diz que, algo assim: aqueles que forem chacoteados por causa de sua fé, não se preocupem, pois deus lhes será ainda mais simpático. ...hehehe! até os espertalhões mais antigos reconheciam a idiotice em meio a inúmeras contradições. ...hehehe! ...fica mais bem visto por deus aqueles que são ridicularizados em sua bobice, por conta de acreditarem em asneiras contraditórias e estapafurdias. ...mas deus que que sejam todos criancinhas tontas, capazes de acreditarem nas maiores asnices. ...hehehe! ... os caras que escreveram já se precavendo eram espertos, tolos são os que caem nestes embustes infantis. Os caras eram bons, sabiam que a vontade de crer é mais forte que tudo, faz dos desesperados umas criancinhas tontas. ...hehehe!

Tem certos tipos que mesmo com o focinho ardendo sem parar eles ainda o oferecem para novas raladas. ...hehehe! ...isso é vício do brabo!

Abraços
C. Mouro

Blogildo disse...

Eu não falei que havia um aiatolá que recuperou o Catellius? Pois é, é o C.Mouro. Repare que sempre que a menina fica incomodada ele aparece para dar uma forcinha. É um perfeito cavalheiro esse C.Mouro. Sempre vem em socorro das donzelas.
Mouro, vc pode ser um ateu patético, mas ninguém pode negar: É um perfeito cavalheiro.

Blogildo disse...

Zappi, dando conselhos para salvação? Que raio de ateu é você?

Blogildo disse...

André Cateli! Saiu do armário, seu obscurantista? Quer dizer que é verdade? Você vive mesmo fazendo projetinhos de Igrejas? Você não tem vergonha, cara?
Já sei! É uma estratégia de marketing. Você se coloca como ateu e a igreja contrata vc para ter um trabalho com um certo "distanciamento". Uau!

Pra começar você não é obrigado a pegar projetos de construção de igrejas. A decência - coisa que você não deve saber mesmo o que é - deveria te obrigar a recusar projetos dessa natureza. Afinal, você é um combatente contra esse mal que é a religião. Você devia sentir vergonha de aceitar dinheiro de igreja. Mas isso condiz bem com o seu carater. Faz todo o sentido.

Por sinal, é bem curiosa a sua escolha pela arquitetura. Sabe como é, o arquiteto é o cara que não foi macho o bastante para ser engenheiro e nem bicha o bastante para ser decorador. heheheh!

O que é mais curioso é que o cara é arquiteto e o escritório existe desde meados da década de 90, mas o site ainda está em construção. HAHAHAHAHA!

Fiquei curioso com seu talento, Catellius! Você que é fã de Google, Catelli, faça um exercício digite "Construir Brasília 2007" catelli. O que aparece? A-ha! Um blog do Catelli!!!
HAHAHAHAHAHAHA! Pô, cara, peça ao Mouro para fazer um blog também. Aí ele faz referência a você e vice-versa. É patético, mas dá pra enganar melhor.

Catelli, vc é uma piada!

C. Mouro disse...

...hehehe!

O Blogildo está em pleno ataque de pelancas ...hehehe!

Já até tenta a fofoca na esperança de conseguir algo.
Eu penso que o Catellius não é tonto para cair nestas idiotices de raivosinhos sem outra alternativa de ataque que não imbecilidades características de imbecis no úrtimo. ...hehehe!

Grande Catellius, estou até com inveja de como conseguiste irritar o asnático TJ que tem, de fato e direito, os pés no chão, os quatro. ...hohoho!

Estou lendo e me deliciando com os comentários do Catellius e do Zappi.

Estão tirando do fofoqueiro chinfrim, asnático TJ, a mascara de burro educado ...hehehe!

Abração
C. Mouro

Blogildo disse...

"Lendo e se deliciando" com Catellius e Zappi? Que coisa mais tosca, C.Mouro. Tinha você em melhor juízo. Achava que vc se deliciava lendo, sei lá, Tolstói, Nietzsche ou até o patético Jean Meslier. Entendo até o 'ler e se deliciar' com Janer Cristaldo. Mas com Catellius e Zappi????? HOHOHOHOHO! Isso dá a medida exata da sua estupidez atéia. Se bem que no seu caso é um pleonasmo. Heheheheh!

Mas, vc deve "conhecer" bem o Catelli para saber que ele não é "tonto", não é mesmo?!

Imagino como vc se sente ofendido de ver seu "amado" Catelli saindo do sério. Cavalheiro que é, tem de vir correndo socorrer a dondoca.

Tiago disse...

Engraçado, que grande debate surgido de idéias tão objetivas e sinceras. Mais estranho é gente falando de religião e Deus sem perceber a própria contradição. Vamos por partes:
"Muito mais nobre é aquele que não rouba pois entende que qualquer roubo é imoral, e que deve esperar ser tratado pelos outros como tem os tratado." Essa idéia não é nova. Em Lucas 6,31 está escrito: "E como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira lhes fazei vós, também." e isso foi o próprio Jesus que afirmou. Ainda não entendo como alguém pode usar a Bíblia prá afirmar tantas asneiras como a religiosidade têm feito. Tem que ser muito ruim de hermenêutica. Ou no mínimo, nutrir interesses escusos lembrando o objeto do texto.

Da mesma forma não compreendo como muitos rejeitam Jesus e seus ensinos sem sequer conhecê-los em profundidade, com base na religiosidade podre evidenciada desde que o mundo existe. É como jogar o bebê fora com a água suja do banho.
Realmente não é nobre quem evita o erro por medo da retaliação. Punir o desvio moral é mais uma ferramenta dos magistrados para manter a ordem do que herança cristã.
Tão evidente é que a Bíblia afirma do começo ao fim que a salvação independe de obras, para que não haja glória pessoal envolvida com o processo cf. Ef 2,8-9.
Educo meu filho por princípios e principalmente pelo exemplo. Exatamente como aprendi de Jesus e de seus falhos humanos seguidores que tiveram suas palavras registradas no que compreende a Bíblia.
Concordo com Einsten que nenhuma base religiosa é necessária à educação, mas o exemplo é indispensável. E o evangelho nunca foi religião, sempre foi exemplo. E quando se toma dessa forma é motor de mudança na sociedade.

Catellius disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Catellius disse...

http://www.clicabrasilia.com.br/hotsites/construir_bsb/resultado.htm

Acesse uma vez por semana o link, he he, até que sejam divulgados os resultados da entrega dos prêmios, e depois vá se enlamear um pouco para arrefecer a inveja, Dino, ha ha.

O parvo é incapaz até mesmo de captar uma ironia. Decerto achou que eu projetei mesmo um templo para os TJ em forma de cocô, he he. Já deve ter até enviado um sinal de fumaça para outros companheiros para saber em que favela do Rio fica, para ir feliz se enlamear um pouco.

Ótima, Mouro, he he he.
Quando lhe arrancam a máscara de burro educado aparece a sua verdadeira cara: um traseiro cheio de marcas de ranhuras de solado. Mas não estou mais muito disposto a emporcalhar meu querido sapato.

Blogildo disse...

Pediu pra sair, Zero-um? heheheh!

E o idiota acha mesmo que eu duvido do seu "prêmiozinho"? Só ressalto sua irrelevância, André Catelli. Só isso. Como diria o apóstolo: és pobre, cego e nu. Se é que vc me entende.

A apresentação do link só prova o quão tolo você é por levar à sério o que é obviamente uma provocação. Pior, ainda acha que levei à sério a sua. Coisa típica de gente tola e burra. Ou seja, C.Mouro se enganou redondamente a seu respeito (o que não é novidade): Você é mesmo um tonto. Hehehehe!

Pergunta: Quando vc volta para o Oriente? Os beduínos devem estar morrendo de saudades.

Thiago, não seja ingênuo. Há muitos comentários isso aqui não se trata de debate surgido de idéias tão objetivas e sinceras.
E quando vc recita versículos bíblicos vc está apelando ao bom senso de quem? Certamente não é ao bom senso de ateus. Pense bem: Por que eles dariam atenção ao seu, digamos assim, apelo?

Francisco Valois disse...

'PIAGET'
que merdel

'A única coisa que não gosto é quando ele xinga.'
Quem é a virgenzinha? rsrsrsrs

'OLAVADA'
Coitado...

'TEMPLO EM FORMA DE COCÔ'
rsrsrs

'MUNDO GOVERNADO POR SATÃ'
rsrsrsrs


A CABEÇA NÃO!!!!!!!!!!!!!

Brogildo, saia rolando enquanto é tempo!

Isso tá parecendo o Monty Python e o Cálice Sagrado. O Brogildo já perdeu os braços e as pernas e fica gritando EU VOU TE MORDER TODO HAHAHAHA. Saia rolando enquanto é tempo, merdel.
Cattelius, Zappi e C. Mouro, deixem ao menos a cabeça pra ele contar pros outros TJ a surra que tomou por aqui. O duro vai ser se recuperar sem uma transfusão...

kkkkk

F. Valois disse...

Ih, o pateta sem braços e pernas ainda está gritando: VOLTE AQUI ZERO-UM, VOU TE MORDER TODO! hahahaha

Anônimo disse...

Quem vê esses textos do Catellius não consegue imaginar que são do André Catelli. Eu o conheci pessoalmente aqui em Brasília. É um sujeito bem humorado e inteligente. Excelente arquiteto, com visão artística bem aprofundada, um vasto conhecimento histórico, etc.
Sua esposa, Laila (também arquiteta), é uma bela mulher e amor de pessoa.
Me parece que quando o Catelli "assume" o seu personagem Catellius, se transforma totalmente... Como Fernando Pessoa (guardadas as devidas proporções)...
Dizem por aí, que o C. Mouro e Catellius são dois personagens criados pelo André Catelli. Não sei se é verdade, mas, os textos do Mouro, de fato, às vezes o traem. Além do mais, o estilo jocoso é idêntico, juntamente com o uso e abuso de hohoho, hehehe, hahaha e expressões como "parvo", "focinho ralado" etc...
Há pouco tempo, o personagem Mouro e o Ricchus tiveram uma série de discussões, com "delicadezas" de ambas as partes... O Mouro ficou tão excitado com seus posts que levou uma reprimenda do próprio Rodrigo Constantino.
Normalmente o Catelli atua como um cão de guarda do blog e usa os seus personagens para detonar alguém que por acaso discorde dos comentários anti-religiosos do Constantino. Anteriormente, receberam o ataque o Leo, a Marisa (boa argumentadora), e, agora, a bola da vez é o Blogildo.
O grande problema do Catelli, é que ele se acha com uma espécie de missão: ridicularizar e arrasar com qualquer pessoa que demonstre algum de tipo de fé diferente da dele (fé no ateísmo, por mais contraditório que possa parecer). O seu comportamento é o de religioso intolerante, ou seja, só o que ele acredita está certo. Todos os outros que acreditarem em qualquer coisa diferente ele trata como "crentes fanáticos".
Talvez por isso, ele use "personagens" para expressar esse sentimento. O Catellius pode agredir verbalmente qualquer um, chamando-os de crentes fanáticos, parvos etc, mas o André Catelli é um homem com família, vida própria, amigos e parentes que têm crenças religiosas, e, para os quais, de bom senso, não se dirigiria com os termos que utiliza aqui no blogs.

Abraço,

Mozarina Acioly

Blogildo disse...

Valois, não vai mais visitar meu blog? Por quê? Poxa, cara, assim vc me magoa!

Olha, vc ainda tem de tomar muitas aulinhas com André Catelli para ser cheerleader. E, obviamente, depilar bem as pernas e tomar banho. Cheerleader fedorenta não dá, né. heheheh!

Blogildo disse...

Mozarina, acredito em você. Sem demagogia. Sério mesmo.
O problema é que quando o sujeito está diante do computador, certas - digamos assim - amarras sociais ficam bastante frouxas. Deve ser o caso do André Catelli. Vá entender.

Catellius disse...

Cara Mozarina Acioly (acho que conheço você, mas por um apelido; não sabia que era com um "c" só),

Por ser uma convicta petista que endeusa o socialismo, você deve se incomodar imensamente com as coisas cabeludííííssimas que escrevem por aí contra seus companheiros de ideologia, para além de se perguntar como essas pessoas, tão cordatas na vida real, são capazes de participar de discussões tão acaloradas pela internet e de "difamarem" (entre aspas mesmo) tanto os petistas com termos tão aviltantes.

Em sites de católicos não alinhados com MST e Pastoral da Terra, em sites de gnósticos como o Olavo de Carvalho, de adeptos do catolicismo à la Carte como o do Reinaldo Azevedo, no meu blog cheio de ateus e agnósticos (exceto o Heitor), aqui no Rodrigo Constantino, se desce o sarrafo em socialistas, petistas, chavistas, castristas, comunistas, etc. Como deverá agir um sujeito anti-petismo que descasca impiedosamente petistas pela internet com argumentos mas também com sarcasmo e eventuais insultos, quando encontra um petista na rua? Será que ele parte para cima? Ha ha ha ha! Será que ele parte para discutir o petismo? Será que ele ri como o Vincent Price?

Não seja ingênua. Acho que se o Renatão, nosso conhecido, escrevesse sobre petistas e sobre carolas na internet, você também ficaria muito escandalizada. Depois de um ano discutindo com eles, "focinho ralado" seria pouco, he he. Ele respeita os seres humanos. Eu também. Aqui na internet há exposição de idéias, demonstração de inteligência, demonstração de burrice. Aqui a pessoa é o que ela escreve. E aqui sou mal educado com idéias idiotas e asnáticas (essa é do Mouro; vou ter que ficar repetindo...). Simples assim. Muitos não escondem quem são na vida real, como eu, muitos usam avatares, muitos postam em completo anonimato. Dá no mesmo...

E mais: aviso que realmente não sou o Mouro, tia. Uso o termo "focinho ralado" justamente porque achei engraçado quando li. O termo é dele, e é ótimo, ha ha ha. Eu tomaria o cuidado de não repetir o termo, para dar credibilidade ao personagem... Bom, falo isso para que você não venha pensar mal de mim se ele mandar você para aquele lugar... É sério!

Eu sou mal educado mas tenho um lado oculto extremamente educado e polido, ha ha ha ha ha ha. Caramba, eu sou perigoso, he he he.
E há os focinho-ralado que fingem ser educados mas que a prudência manda que não revelem quem são de fato... Esses são os "bons", ho ho ho!

Bom, ainda bem que você assinou, senão minha resposta teria sido malígrina, HO HO HO HO HO. Hasta la vista.

...

Monty Python, ha ha ha ha! Genial, Francisco Valois! Pobre Diabo...

Anônimo disse...

André,

Você sabe que não sou petista. Mas admiro seu bom humor, de verdade. Apesar de discordar de algumas coisas e achar que você tem um sarcasmo que algumas vezes chega a ser cruel, crudelííííssimo!
Deixa esse Blogildo em paz... eu estou começando a ficar com pena...

Mozarina Acioly

Catellius disse...

Ok, tia, vou seguir seu sábio conselho, he he. Um "adversário" sem braços e pernas, só ameaçando morder, não tem a menor graça :)

Você não é petista? Então é lulista. Ao menos é socialista. Ou então há uma luz no fim do túnel e socialistas podem deixar de sê-lo freqüentando blogs anti-socialismo e tentando compreender os argumentos expostos, a despeito da raiva causada ao confrontar-se com a verdade nua e crua, destacá-los (argumentos) da falta de educação que vem a reboque, e da qual o homo-ideologicus internético é quase sempre merecedor.

Outra coisa: é completa perda de tempo discutir com crentes e socialistas ao vivo e a cores. Na internet todos têm tempo de meditar sobre o argumento contrário, têm tempo para pensar no que escreverão, tempo para pesquisarem e não escreverem bobagens. Há o registro do histórico dos comentários com todas as vírgulas e termos utilizados. Ora, e mesmo assim os pobres-diabos negam ter escrito algo, contradizem-se, dizem que o que escreveram não vale senão no blog de onde a informação foi retirada, encontramos pobres-diabos que fazem um tremendo papelão, descarados e burros... Então imagine ao vivo e a cores. Impossível!

Abraços (para a tia de verdade, he he)

Blogildo disse...

Ih, Mozarina, vc é petralha! Que saco. Agora tudo faz sentido. Petralha é amiguinha do André Catelli. Como diz o Janer, a gente morre e não vê tudo. Quem diria.

Pelo visto o zero-um não saiu ainda.

Quer dizer que vc mostra aqui no Rodrigo o seu lado oCUlto, André? Vc não acha que já está crescidinho pra esse tipo de coisa?

Agora, todo mundo sabe que André Catelli não é o C.Mouro. Pô! C.Mouro foi o aiatolá que curou a PCA* do Catelli em sua viagem ao oriente. É até sacanagem sugerirem que são a mesma pessoa. O Mouro - apesar de patético cavalheiro salvador de damas choronoas - é criativo.

*puta carência afetiva.

F. Valois disse...

Brogildo desesperado diz mais uma vez: VOLTE AQUI, VOU TE MORDER TODO!!!!

'Valois, não vai mais visitar meu blog? Por quê? Poxa, cara, assim vc me magoa!'

Poxa, magoou porque não mandei flores, né seu viadinho, rsrs.

A Mozarina negou ser petista. Mas você, rasteiro filho da puta, resolveu agredi-la mesmo assim. É lógico, porque ela disse que estava com pena de você, e você ficou ofendidinha.

Eis a 'nobreza cristã' de uma olavete abjeta

leo disse...

Blogildo,você é TJ?

Zappi disse...

"Isso tá parecendo o Monty Python e o Cálice Sagrado. O Brogildo já perdeu os braços e as pernas e fica gritando EU VOU TE MORDER TODO HAHAHAHA. Saia rolando enquanto é tempo, merdel.
Cattelius, Zappi e C. Mouro, deixem ao menos a cabeça pra ele contar pros outros TJ a surra que tomou por aqui. O duro vai ser se recuperar sem uma transfusão..."

Monsieur Valois, excelente comparação. Vamos deixar o bloguildo sair rolando!!

Catellius, concordo com você em que é muuuito mais divertido discutir com crentes na Internet. Vejam só, bloguildo me fez ler "santo" Agostinho e "são" Tomás de Aquino!

Claro, agora ele vai dizer que não entende a doutrina da igreja quem não leu os manuscritos do mar morto. Pode deixar, bloguildo, assim que alguém conseguir traduzir aquela baboseira eu vou dar uma lida, ok? OOppss, era para deixar a cabeça, não era?

C. Mouro disse...

Mozarina,
sinceramente não percebi a oportunidade do seu comentário sobre o Catellius. Quando falamos algo temos um objetivo que pretendemos atingir: qual o seu objetivo, com tal postagem?

Há muito escrevo sobre a imbecilidade e safadeza das idéias socialistas. Desde o inicio da internet aqui. Era raridade, todos, mesmo os não socialistas, tinham receio de criticar o socialismo e o marxismo. Afinal, a propaganda implantou nas mentes que quem não reconhecesse um belo ideal no socialismo era um tipo abjeto, desprezivel ...e a massa tinha medo de ser assim considerada. Isso é um tanto de manipulação.

O sucesso do socialismo deve-se não a suas idéias, sua coerencia ou suposta intenção. Não. Tal sucesso se deve a propaganda moral. Sim, as idéias socialistas se escoram nos valores da moral populista-cristã. Sem tais valores, as ideias socialistas jamais teriam qualquer, escasso que fosse, sucesso. Afinal é uma arenga patética, falaciosa, que manipula através da intriga, mexendo com a vaidade dos tontos inseguros e invejosos. Não há nada que preste em tal ideologia que apoia-se meramente no arbítrio moral do populismo cristão com seu piequismo comovente e safado. Não há razão nas idéias socialistas se não como ideologia voltada para consecução do poder total de um grupamento organizado hierarquicamente. É meramente uma ideologia com um "fim supremo" tal qual uma cenoura na ponta de uma vara amarrada no lombo de jegues que seguem na esperança de alcaa-la. Enfim uma fantasia, um objetivo fantasioso, percebido apenas na aparência que exibe, pois analisado em sua justiça e exequibilidade se esfarela, como o cocô que se esfarela ao sol.

Marx tentou dar uma "cor" científica a tal patético besteirol que o precedeu, mas conseguiu apenas fazer outro besteirol arbitrário, cheio de aberrações e uso matreiro das palavras e seus significados, abusando de refrõe tocantes e manipulação psicológica. Absurdos que só a vontade de crer consegue a proeza da crença. Marx criou efetivamente uma religião com suas alegações absurdas, suas professias, suas mentiras e etc.
O assistencialismo e o protecionismo em nome do "povo" é coisa muito antiga. O liberais atacavam o mercantilismo, o protecionismo e mesmo a falsa filantropia, com o bolso alheio. A corrupção de safados e desesperados é antiga também.

O Rodrigo é um que me conhece há tempos, quando eu escrevia tentando argumentar rigorosamente. Mas sempre a safadeza, o desvio e a imbecilidade triunfante em resposta. Ora, eu também sou bem humorado, e se usam a safadeza - tão comum nos ideológicos - eu uso o deboche, e me divirto a tripa forra com essas quizumbas. Ao vivo também é do mesmo jeito; se vierem com safadeza eu vou de escarnio mesmo, e me divirto.

Meu ultimo paciente debate foi o terceiro que fiz com um tipo bastanet razoável (direitista) lá no tambosi, onde tentei demonstrar minhas idéias e onde apontei deslealdades do sujeito. Até quando ele questionou que "não tinha dito" algo que falei e tive que demonstrar e desafia-lo a mostrar o contrário. ...Não rebateu, pois sabia que eu estava certo na interpretação que fiz, negando apenas para aporrinhar, na esperança de que eu não conseguisse demonstrar. Se danou ...hehehe! Esse tipo de molecagem aporrinha e a justa vingança é se divertir com tipos que entram num debate para vencer de qualquer jeito (como se um jogo) e não como meio de se aprimorar, querem obscurecer as questões para "vencer" pela malandragem, como se malandragem atribuisse mérito. ...então, ralar-lhes os focinhos e se divertir com isso é muito melhor que ficar "queimando pestanas" para dar explicações complexas sobre coisas que o sujeito não quer entender, por contrariar sua convenbiencia ou por achar que estará derrotado se aprimorar sua visão com o embate de idéias (não de egos). Ou seja, o perfeito imbecil é aquele que entende o próproio aprimoramente como uma derrota ...hehehe! ...um tipo desse merece a chacota.

Enfim, eu já joguei a toalha e considero que, para mim, é melhor só dar piruadas enventualissimas e me divertir com as quizumbas. Aliás, é o melhor método. Já que não se pode convencer pela razão alguém cujas idéias não se formaram através dela (cito).

Ou seja, não há saco que aguente ante tantos bufões estípidos a desfiarem uma rabiola de asneiras sem fim, na tentativa de obscurer as questões e "vencer" debates se emburrendo cada vez mais. Coisa de torcedor de times, mais propriamente coisa de imbecis que não querem o espetáculo honesto, mas apenas a "vitória" aparente. ...hehehe imagine um torcedor de um time/clube que não gosta dos jogadores, nem dos direigentes e nem mesmo da localização do clube e de suas instalações. ...hehehe! pergunto: POR QUÊ ESSE DESGRAÇADO TORCE? ...será que torce apenas por uma palavra? ...hehehe! ...SIMMMMM! ...hohoho! ...e o que que ele é??? ... ....hehehehe!

...mas com que objetivo escreveste tal exótico comentário, cara Mozarina? ...ou será que escreves sem saber o porquê?

Abração
C. Mouro

...pô! acabei estendendo desnecessáriamente. ...meu objetivo? ...é fácil perceber.

C. Mouro disse...

Excelente "imagem" Valois. ...hehehe!

...O fato é que o pobre diabo só vai poder morder com a gengiva. Pois os dentes também já se foram ...hehehe!

Abração
C. Mouro

Morena Flor disse...

"Tomás de Aquino e Agostinho de Hipona eram uns misóginos safados, diziam que a mulher é inferior ao homem moral, física e psicologicamente."

1. Tsc...tsc...tsc... É muito mais fácil inferiorizarem a mulher "moral, física e psicologicamente" do q assumir as próprias fraquezas "morais, físicas e psicológicas(especialmente as morais e psicológicas!)

2. Inferiorização no sexo dos outros é refresco!!!!(e como isso era "refresco" p eles, viu!)

"Diziam que perseguições feitas pela Igreja eram SEMPRE justas porque motivadas por amor,"

AMOR???? minhanoffafinhora, como eles eram "criativos", heim... Até criaram um novo "conceito" de "amor", vejam vcs!

Se isso é "amor", imaginem só como deve ser o ódio!

"excretavam coisas como “o amor assume quando abandonamos o conhecimento”

Êta, isso deve ser sintoma de "dor de cotovelo", não é possívellll!!!

"e “o prazer sexual nunca ocorre sem pecado”.

1. Mas não foi deus q teria feito o sexo??? Então, aí tem alguma coisa errada: Ou Não foi deus q fez o sexo coisa nenhuma, ou então deus é um ser bastante devasso, hehehehe!

2. "Elevar" a condição do celibato em detrimento do prazer sexual, castração sexual rules... e tudo isso com a "desculpa" da tal da "santidade"!

"Agostinho justifica a escravidão"

A Ku-Kux-Klan agradece pela colaboração!(ih, rimou!)

"exorta os cristãos a serem mais como o Jesus que entrou no templo chicoteando os vendilhões do que como o Jesus que apanhava calado"

A própria Igreja em si, em geral, age mais como o Jesus q chicoteia do q como o Jesus q apanha calado - e do q como o Jesus q teria pregado o amor, a compaixão, a misericórdia, etc!

"para ele os cristãos deveriam sair mundo afora convertendo infiéis pela força."

O engraçado disso tudo é q a própria bíblia registra q Jesus teria ensinado justamente o contrário, de converter mais almas pela simples pregação(o "ide e pregai"), não pela força... Q ESPÉCIE DE "JESUS" ELES ANDARAM SEGUINDO, AFINAL???

Anônimo disse...

"O problema é que quando o sujeito está diante do computador, certas - digamos assim - amarras sociais ficam bastante frouxas. Deve ser o caso do André Catelli. Vá entender."


Ok, tenho uma sugestão.
De agora em diante que tal chamá-lo de CATATELLIUS PARVUS ENRUSTIDUS..?
hohohoho!

Eduardo

Francisco Valois disse...

‘...mas com que objetivo escreveste tal exótico comentário, cara Mozarina?’

Pela assiduidade da ‘tia’ por aqui, que sabe até quem brigou com quem, mesmo que nunca tenha feito um comentariozinho sequer até hoje com o nome de Mozarina (gosta de pseudônimos), e por causa do elogio de graça que fez pra Marisa (chamou ela de boa argumentadora, rs), digo que ela é a própria Marisa. Deve ser o nome de batismo que ela gostaria de ter tido (também, com esse nome feio pra caralho). Ou é uma homenagem à primeira-dama. Os comentários da Marisa tinham cheiro de socialismo, apesar dela querer esconder. Não tentou esconder agora que é petista? Qual a formação da ‘tia’, Cattelius? É da ‘área científica’? Diga, please!

O objetivo do exótico comentário: Vingança de católica socialista desmascarada e de péssima argumentadora que não convence ninguém. Irada, primeiro tentou se vingar no C. Mouro, que não possui conta no blogger, se fazendo passar por ele copiando e colando desconexamente coisas que ele escreveu (acabei de correr os olhos sobre o post Da Escravidão à Liberdade). Ela não podia caluniar o Catellius dessa maneira, porque ele usa conta do blogger. Então ela entrou agora na discussão com seu verdadeiro nome porque foi o único jeito que arranjou pra tentar dar um chute no saco ou na canela dele. Ela ficou magoada com ele por causa de alguma discussão antiga (teve alguma?), não se segurou é só descansou depois de dizer o que pensa dele (Extrema deselegância citar o nome da esposa. Ela gostaria de ser citada em um debate como este?). Por isso depois botou panos quentes, porque já tinha saciado sua sede de vingança, sua vontade de revelar o que sabia dele e com "credibilidade", porque citou nomes. Depois de caluniar o C. Mouro ela também tentou botar panos quentes, propôs que fizessem as pazes. Interessante. Deu uma provocada no Brogildo depois que teve a certeza de que o C. Mouro não era o Catellius, porque a raiva mesmo que tinha era do C. Mouro. As reclamações da Marisa e da Mozarina são idênticas. Reclamam dos 'parvos' e 'hahaha' e 'hohoho', pedem paz e amor...

Ela deve ser velha e solteira (confirme aí, Catellius), pra ter tanto sentimento mesquinho no coração e tanto tempo pra ficar criando personagens ridículos. A propósito, ela não parece ser o Richus. Alguém burro não pode simular convincentemente ter inteligência.

A atitude do Brogildo foi de um ser abjeto e rastejante, atacando ela logo depois de ter tentado juntar forças, só porque ela disse que estava com pena dele, rs. Mas isso não faz da Mozarina (que nome feio pra caralho) alguém muito diferente do Brogildo não.

Os dois não valem nada. Quem sabe esse Eduardo não é ela também...

C. Mouro disse...

Foste no olho da mosca, Valois! ...hehehe!

Como se trai constantemente - a mente prega peças - repetiu como um papagaio invertendo a posição.
É comum nos tontos a repetição desconexa daquilo que eles acusam (como golpe). Se um argumento os toca (o que chamo de GPF mental) tendem a vfingarem-se repetindo tontamente o mesmo argumento contra o outro (a lavadeira querendo imitar um pedreiro). Esse comportamento é comum em crianças que, quando frustradas e sem ter como se defender, apelam para o óbvio do que são capazes, numa desesperada tentativa de contentarem-se; então se chamadas de feia revidam: "feio é você" ou mais triunfante ainda: "feio é quem me diz, sou feia mas sou feliz" ...e assim tentam mascarar para si mesmas a própria desmoralização.

A mente prega peças, várias peças, é só prestar atenção ...hehehe!

Abração
C. Mouro

Anônimo disse...

"Então ela entrou agora na discussão com seu verdadeiro nome porque foi o único jeito que arranjou pra tentar dar um chute no saco ou na canela dele."

É pouco provável que isso tenha ocorrido. Caso contrário, o tal MOURUS PARVUS estaria agora com as duas maõs fraturadas (talvez a boca também)e, portanto, impedido de escrever abobrinhas...

EDUARDO mesmo!!

Anônimo disse...

Eu SEMPRE leio o blog do Constantino, e acompanho, obviamente, os comentários. Acho curioso que, na primeira vez em que posto alguma coisa receba tantos comentários ofendidos. Calma pessoal, não sou petista nem sou Marisa, ok Mouro?
Só postei porque conheço o Catelli e o meu comentário não está relacionado com o teor do post do Constantino. Concordo com muita coisa que escreve e discordo de outras tantas. Acho, por exemplo, que ele tem razão no que escreve sobre religião, é isso aí mesmo, mas acho que ateísmo não pode ser uma militância. Aí acho que deve prevalecer o bom senso e o respeito às idéias e crenças individuais de cada um. Enfim, é um tema muito controverso...
O que me intriga, de fato, nisto tudo é a mudança de estilo e (por quê não?) de personalidade que as pessoas experimentam ao postarem em blogs na internet (acho que dá uma tese de mestrado em Psicologia). E só posso fazer essa afirmação porque conheço, repito, um dos comentaristas (que não faz questão de que conheçam quem é...), no caso: o André Catelli.
Quanto ao Mouro, não sei quem é, cheguei mesmo a imaginar se não era o próprio Catelli, pelo estilo e tudo mais, mas está explicado: parece que são pessoas distintas mesmo.
Entretanto, ainda reitero, escrevo pondo nome e sobrenome porque não tenho o mínimo temor sobre a minha identidade. Eu sou quem sou, e não adianta postar meu nome no google porque não sou tão relevante assim... hehe.
Quanto à minha idade, considerando o estilo do Mouro, acho que tenho sim, filhos mais velhos e maduros que ele.

Abraços a todos,

Mozarina Acioly
Ps.: É verdade que já flertei com o socialismo, mas já me livrei dessa bobagem há um bom tempo, Catelli.

leo disse...

Começou...

C. Mouro disse...

Grande F. Valois*!
És dos bons! Foste certeiro em tuas análises, até no fato de que eu sou o alvo maior do ódio da perturbada velhota, que já admite que “flertou com o socialismo”, certamente aquele “socialismo que deu certo” na “republica Guarani” jesuíta que ela havia mencionado ...hehehe!

Curioso como ela se dirige a mim “também” incomodada com meu comentário anterior. Inquietou-se por seu personagem ridículo ter sido ignorado, desprezado.
Lá na primeira postagem do falso C. Mouro, o "copy-paste" paraguaio, logo após eu comentar que já estavam até usando meu nome como recurso desesperado, rejubilando-me, a Marisa postou, precipitadamente, negando a autoria sob alegação de que estava postando comentário pela primeira vez naquele post, e que NÃO TINHA NADA COM AQUILO. Ora, ninguém a tinha acusado de coisa alguma. É tonta no úrtimo. ...hehehe!
No mais, até o "hehe" que o traste já havia usado se repete. São inúmeros rastros deixados; ela se trai - eu dei esse toque nela antes, e parece que sentiu fundo. ...hehehe! Então agora repetiu-o contra mim, dizendo que eu também me traia revelando minha “outra” identidade. ...hehehe! Repetiu acreditando que tal teria em mim o efeito que provocou nela; é infantilmente simiesca, como já apontei. ...hehehe!
Há muito eu a tinha dito infantil, e ela se incomodou, por isso agora diz ter filhos mais velhos e maduros que eu +*. ...hehehe! ...é o “revide” dela ...hehehe!

...a mente prega peças, minha velha. ...hohoho!

Realmente, caro Valois, ela é tonta demais para conseguir simular alguma inteligência.

...A raladura que levou lhe deve arder ainda, por isso o incontrolável rancor da velhota politicamente correta. ...hohoho!

...inconformada ela aferrou-se ao fato de ter o pobre rodrigo caído na idiotice, ou assim se mostrado. (não consigo crer que tenha caído em tal tolice). ...A velhota socialista gosta de reviver o fato (já o fez antes) na tentativa de se contentar, vangloriando-se por ter enganado alguém. ...hehehe!
Gosta de reviver a sensação de glória sempre que sente-se inconformada por ver-me aqui postando. Ela busca a mesma sensação de quando o falso Mouro, o copy-paste desconexo, afirmou triunfante que o Rodrigo foi ingênuo; na verdade “ele” estava vangloriando-se por tê-lo enganado.

Mas veja só como a velhota é “espertex”:
Ela agora admite que já flertou com o socialismo ...hehehe! ...para assim negar o resto com mais credibilidade ...hehehe!
...A pobre infeliz quer conquistar credibilidade, como sempre, e então admite uma parte para melhor negar o resto. ...hehehe! ...tonta!

Mas o melhor é que além ter dito ser da "área científica" e "das exatas" ainda continua querendo ser também psicóloga, isso não lhe sai da cabeça. ...hohoho! Ela se trai a cada palavra.

...Com certeza, criando personagens assim, é perturbada. Talvez isso responda pela pouca acuidade mental e infantilidade pretensamente astuciosa; apenas uma insegura socialista perturbada acreditando ser esperta, sempre politicamente correta*, patética, cheia do “bom mocismo confiável”, dissimulando a defesa do maravilhoso socialismo como aquele da “republica guarani” jesuíta ...hohoho!

É tonta demais, tão previsível como uma anta tentando voar. ....hehehe!

O Eduardo deve ser ela. Do jeito que é tonto em sua vontade de fazer graça, só pode ser.

Ademais, “ele” também inesperadamente virou-se para mim, traindo-se. Afinal, como sempre a Marisa em suas bobabgens, acaba pagando mico. ...hehehe! ...cruz credo!

...E eu me divertindo com o mico dela. ...hehehe! ...hohoho!

Um abração e
Zé Finí.
C. Mouro

Anônimo disse...

André,

Acho que esse rapaz é meio perturbado. Mas é engraçado...

Mozarina Acioly

Francisco Valois disse...

Boa, C. Mouro. Vc também foi na mosca. Entrei no site de arquitetura do Catellius e enviei umas perguntas para o e-mail do seu escritório. Ele respondeu-me de Dubai!!!! Colocando panos quentes, confirmou que a Mozarina é solteira e mais velha. A escrota da Mozarina (nomezinho feio do cancro) mente na cara dura mesmo. Abs

anti-puxa-saco disse...

Valois,

Pare de latir