sexta-feira, dezembro 22, 2006

O Direito de Morrer



Rodrigo Constantino

A vida é um direito, não um dever. Cada indivíduo é dono do seu próprio corpo, e deve ser livre para escolher o destino que pretende dar a ele. O direito à vida inclui e implica no direito de cometer suicídio. Se a sociedade pode obrigar o indivíduo a permanecer vivo apesar de seu próprio julgamento e escolha, então sua vida não lhe pertence, e este indivíduo existe por permissão, não por direito. Ele é um escravo, e nada mais.

O caso recente do poeta italiano Piergiorgio Welby reacendeu o debate sobre a eutanásia e o direito ao suicídio assistido. Ainda que o paciente, de forma totalmente lúcida, tenha desejado morrer, muitos colocaram-se contra seu direito, normalmente alegando motivos religiosos. O caso Schiavo, um pouco mais antigo, gerou bastante polêmica também. Membros da direita conservadora cristã falaram da necessidade de uma “cultura da vida”, reforçando a santidade da vida humana. Mas que vida é esta cultuada, que deve passar por sofrimentos insuportáveis mesmo contra a própria vontade? Indivíduos com doenças incuráveis não teriam o direito de escolher deixar a vida, ficando sujeitos à uma existência de enorme agonia. Seus entes queridos teriam que passar por interminável tortura, convivendo com um corpo não mais vibrante, mas semelhante a um vegetal, assim como Michael Schiavo foi obrigado a ver sua mulher por 15 anos, num estado incapaz de emoção, memória ou pensamento. É esta vida “humana” que deve ser cultuada? Somente se o sofrimento for visto como nobre, e não a felicidade.

O que poderia justificar esta cruzada religiosa por um mundo onde a vida passa a ser uma obrigação, mesmo que um grande fardo, e não mais um direito? Costumam responder que a vontade divina é que deve comandar nossos destinos, já que nossas vidas pertencem a Deus. Não devemos, de forma anti-natural, alterar esse trajeto traçado pelas mãos divinas, não importa o quão insuportável seja a existência. Com “argumentos” deste tipo, muitos no passado foram contra os avanços da medicina, “anti-naturais”, que aliviavam a dor dos vivos. Esses conservadores religiosos não valorizam realmente a vida humana. Seguem um ideal onde viver deve ser um sacrifício, e quanto maior o sofrimento, maior a prova de virtude e devoção ao seu deus. Sacrificar o próprio filho como prova de fé, como Abraão parecia disposto a fazer, eis o que é considerado nobre por essa gente. A adoração ao sofrimento é fundamental ao Cristianismo, uma religião cuja figura central é glorificada por ter morrido de forma horrível pelos pecados da humanidade. Os seus seguidores mais fiéis extrapolam isso para o restante, considerando que viver, mesmo que sob intenso sofrimento, é uma obrigação. Carregar uma cruz a vida toda, eis o leitmotiv da vida para eles. Que os crentes sigam tal crença, tudo bem, é um direito deles. Mas querer impô-la aos que dela não compartilham é um absurdo, um autoritarismo assustador.

A vida humana é sagrada, mas não por conta de alguma declaração supernatural, e sim pela sua natureza única, o glorioso potencial do indivíduo racional de amar, criar, pensar e experimentar prazer. Em resumo, nossa vida é sagrada pela possibilidade de alcançarmos a felicidade aqui nesta vida mesmo. Uma verdadeira “cultura da vida” deixaria o indivíduo livre para perseguir o próprio caminho da felicidade, sem coerção desnecessária ou imposição de algum dogma religioso. Todos devem ter o direito de viver, que abrange inclusive o direito de escolher não mais viver. E se o suicídio é um direito básico, o meio escolhido deve ser um direito também. Por isso cada indivíduo deve ter a liberdade de praticar atos maléficos à sua saúde, assumindo a responsabilidade por tal escolha.

Viver pode ser algo maravilhoso. Mas devemos respeitar quem não compartilha mais dessa opinião, pelo motivo que for. Ninguém deve ser forçado a continuar respirando, mesmo contra a própria vontade, somente porque a vida é “sagrada”. Afinal, a vida é sagrada para aqueles que assim a consideram. Todos devem ter o direito de viver, assim como o direito de morrer.

104 comentários:

C. Mouro disse...

Um texto que penetra nesse assunto, segue:

Amor irresponsável – 16 – 10 – 2004 — C. Mouro

- Amor – Afeição profunda.
Tal afeição faz o indivíduo perceber o outro como um bem para si, ou resulta desta percepção; não sei. Deseja então a existência deste outro, por lhe ser benéfico.
.
Encontro um rascunho sobre Spinoza:
“Está, pois, estabelecido por tudo isso, que não nos esforçamos por coisa alguma, não queremos, não desejamos coisa alguma porque a julgamos boa; mas ao contrário, julgamos que uma coisa é boa porque tendemos para ela, porque a queremos e desejamos”.
.
Desejamos o que nos afeta com sabor apetitoso, e chamamos isso de bom porque nos agrada subjetivamente – assim, não há razão para julgarmos bom senão uma preferência subjetiva que não controlamos. Por outro lado, um sabor repulsivo pode ser desejado, por ser racionalmente bom por seus efeitos, que conhecemos. Então desejamos objetivamente porque cremos saber o seu efeito.
Há coisas que desejamos subjetivamente, porém racionalmente analisado será ruim ou estúpido (objetivamente), assim, inconformados, tentamos vislumbrar efeitos desejáveis para justificar nosso apetite quando não desejamos admitir tal apetite como mera subjetividade, pois que também desejamos que os demais também o desejem; seja para auferirmos algum benefício disso, ou simplesmente nos conformarmos com o consenso para não nos sentirmos idiotas.
.
Retomando. O mal da pessoa amada é sentido pelo amante segundo a própria subjetividade, tendo a si como única referência.
Diz-nos Spinoza: “Quem imagina que aquilo a que ama é afetado pela alegria ou pela tristeza, será igualmente afetado pela alegria ou pela tristeza; e ambas as afecções serão maiores ou menores no amante, conforme o forem na coisa amada”.
.
Quando perdemos o que amamos nos entristecemos pela dor da perda que tivemos, e não pela dor que percebemos no outro, como que “reproduzindo” a dor alheia em nós. Por vezes a dor da nossa perda é maior que a dor alheia (da amada) que percebemos em nós subjetivamente, e tenderemos a desejar a vida da pessoa amada, independente desta perceber a morte como menos dolorosa para si.
Quando, por exemplo, a pessoa amada sofre a ponto de desejar a morte, como menos dolorosa que a vida, nos encontramos na situação de optar pela dor de perder a pessoa amada, que desejamos existente, ou sofrer a sua dor “reproduzida” em nós, subjetivamente, por mais tempo. Estamos diante de duas situações indesejadas: a dor da perda e a dor da existência dolorosa. Subjetivamente poderemos eleger o que nos é menos doloroso. Embora ambas situações nos sejam dolorosas, uma será mais dolorosa que a outra. Ficamos na dúvida sobre o que é o certo: aceitar a dor da perda ou aceitar a dor da existência dolorosa (“reproduzida” em nós subjetivamente). A escolha também é muito dolorosa, até mais, pois nos atribuirá a RESPONSABILIDADE por toda a dor que nos sucederá a ela, caso a decisão sobre o futuro da pessoa amada seja nossa.
Assumir responsabilidade é expor-nos a nossa própria condenação (e também à condenação alheia). Quanto menos estóicos formos, ou quanto menos dispostos a aceitar a realidade da qual não poderemos escapar, MENOS DESEJAREMOS A RESPONSABILIDADE. Pois, fugindo dela subtraímos de nós essa dor: a de sermos os responsáveis pela nossa dor e nos culparmos por não termos feito outra escolha que nos fosse menos dolorosa. Assim, nem sempre “o inferno é o outro”, por vezes até, o outro é o paraíso, pois será dele a culpa de nossa dor, ou pelo menos não nos permitirá sentir A DOR DA RESPONSABILIDADE.
.
Um doente, em extremo sofrimento, poderá julgar a morte menos dolorosa, e aquele que não o ama (não o tem como um bem a si), não terá muitas dúvidas em aceitar seu direito de escolha sobre si. Mas aquele que o ama e deseja o benefício de sua existência, tendo-a como menos dolorosa que a perda, e no mais absoluto e irracional egoísmo, advogará tirar dele o direito de escolher, e tão egoísta é ao visar o próprio bem, que nem mesmo aceitará a responsabilidade pela escolha, e recorrerá a “verdades” estabelecidas ou ao “certo” estabelecido como tal, para abster-se de reflexões: fará caretas de repúdio, pavor, revolta ante ponderações que não deseja analisar: ele amaldiçoará a razão, a reflexão, como critério para decisão, preferindo anuir com o que seria uma “opinião da moda” ou moral da moda, de certa forma espantando de si a responsabilidade pela decisão, camuflando-se no aparente senso comum ou em qualquer moral ideológica invocada a sua maneira: “sua” decisão já está pré estabelecida como “o certo”, independente de qualquer reflexão que o possa responsabilizar.
O medo da responsabilidade leva indivíduos a abominarem reflexões, preferindo seguir concepções alheias e “verdades transcendentes”, para absolver-se de qualquer responsabilidade em suas escolhas, atribuindo-as a sua crença na “coisa certa”, sob alegação da “melhor das intenções” ou “boa vontade”.
.
Para muitos, a responsabilidade será uma imensa dor, tal a insegurança que sentem sobre si mesmos. Não querem o risco de condenarem-se e muito menos o risco de serem condenados pelos demais. a forma de escaparem dos próprios erros é entregarem-se a concepções alheias, tomadas como crença na verdade revelada. Não é outro o motivo das ideologias serem tão irresistíveis, elas são “formulas de felicidade” que, adotadas como crença, absolvem o indivíduo sob a idéia das “melhores intenções” e “boa vontade”: seguir livra da responsabilidade, e de quebra da tortuosa reflexão.
.
A coisa é cíclica: quem afirma crer absolve-se por seguir o que deseja crer ser o certo, e o líder seguido também absolve-se ante a idéia de que o apoio alheio lhe faz crer na sua “verdade”: a convicção dos que o seguem prova a “verdade”, levando a crer que quanto mais adeptos mais “provas” da verdade, ou pelo menos a companhia consensual o apazigua. O Ideal é que não haja ninguém a lhe apontar o erro, a responsabilidade. No fim todos têm as “melhores intenções” e “boa vontade”, e ninguém tem responsabilidade por nada, pois a responsabilidade é do outro, dos outros, da crença e etc.. Mas, quem não partilha da ideologia não tem “boa vontade” ou “boa intenção”; não quer salvar o mundo; é perverso, malvado, condenável, materialista, insensível, egoísta, ganancioso, fdp e etc. etc. etc.. ...é tudo muito humano, demasiado humano; alguém já o disse.

Ricardo Froes disse...

Seu texto é irretocável. Infelizmente somos uma minoria que acredita que dar sentido à vida é ter prazer em viver e se isso não for possível, por qualquer motivo, ela não terá mais valor para ninguém, muito menos para seu dono – que não é um deus.

Se alguém se der ao trabalho de catalogar os prejuízos que as religiões deram, de um modo geral, ao desenvolvimento da humanidade, vai morrer trabalhando sem ter chegado à metade do serviço. O que se fez até hoje em nome de deuses é uma enciclopédia de absurdos. Os árabes, antes de Maomé, eram fantásticos em matemática, astronomia e cartografia, e hoje param cinco vezes ao dia para rezar em direção a Meca. A Inquisição castrou o conhecimento científico ocidental durante séculos e a Igreja Católica é tão lerda que quem pediu desculpas públicas e oficiais a Galileu foi João Paulo II, sendo que ainda nos obriga a confessar com padres escondidos na penumbra de casinholas. No judaísmo há o período semanal do shabbat quando, até hoje, não se pode pentear o cabelo ou sequer rasgar papel higiênico (vi em uma reportagem uma menina rasgando o rolo previamente enquanto explicava o motivo), entre outros absurdos. Quanto aos evangélicos, ça va sans dire.

Nada disso tem mais sentido nem como rito nem como coisa nenhuma. O conforto que qualquer religião pode proporcionar hoje se limita aos incapazes de raciocínio e aos desesperados que o perderam por algum motivo. Enfim, a todos os que se deixam levar pela absoluta incompetência em administrar suas vidas.

Se eu fosse um drogado e se me apontassem como única solução a religião, qualquer uma, eu continuaria drogado. Droga por droga eu fico com a mais barata.

C. Mouro disse...

Caro Rodrigo,
absolutamente SUPREMO!
"A vida é um direito, não um dever." Frase magistral.
Os estóicos, me parece, eram favoráveis ao direito de sucidio. Tinham uma ética avançada, e que foi arruinada por tipos obscurantistas, primitivos.
COntinua SUPREMO!
"Se a sociedade pode obrigar o indivíduo a permanecer vivo apesar de seu próprio julgamento e escolha, então sua vida não lhe pertence, e este indivíduo existe por permissão, não por direito. Ele é um escravo, e nada mais."
Esse é o objetivo, se os escravos preferirem a morte à escravidão, será dificil escravizar.
.
Artigo fantástico, genial.
Congratulações e
Forte abraço
C. Mouro

José Alberto Mostardinha disse...

Viva:

Nesta quadra não podia deixar de te vir desejar um:

              ♥
             ***
            *****
          *Feliz*
         *********
       ************
     ****Natal*****
   *****************
  *******************
 ********2006********
                ||
              █||▀ ██
         ▄██ ██▄


Um abraço,

Anônimo disse...

O texto é lógico.
Porém há um pequeno detlhe.
Cada um pode tirar sua vida, como pode fumar, etc...
Entretanto, ao Estado não há alternita, ele não pode deixá-lo escolher
Ao Estado somente cabe uma alternativa, o respeito e ´proteção á vida humana.
Você pode se atirar de um prédios se quiser, mas se houver agentes do Estado, eles

tem a obrigação de impedí-lo.
Penso que essa é a questão, já que entre as os princípios formadores do Estados modernos
há o princípio da dignidade da pessoa humana

Feliz Natal

Anônimo disse...

Apenas como esclarecimento ao anônimo, o suicídio é um homicídio como outro qualquer, sujeito às mesmas penas impostas pelo Estado. Difícil vai ser aplicá-las em caso de sucesso do suicida...

Por falar no caso, a Igreja negou o direito de Piergiorgio a um funeral católico. E ainda têm a desfaçatez de se dizerem justos e piedosos...

Anônimo disse...

Notei nos comentários do Rodrigo e de outros um tremendo ranço anti-
religioso,como se religião fosse aquilo que fanáticos(e os há laicos
ou crentes,os comunas são religiosos ateus,como o disse Mircea Eliade) professam.Religião lida com SÍMBOLOS,com mensagens condensadas e multifacetadas que dão uma orientação geral para nossa pobre personalidade consciente,é por isso que TODAS AS CIVILIZAÇÕES têm nos seus alicerces religiões e que MUNCA houve uma civilização atéia.Estudem
símbolos,mitos,lendas,religiões comparadas,anotem seus sonhos pessoais,comparem estes com suas próprias vidas,e talvez um dia vocês entendam o porquê de as religiões serem tão importantes para o homem.Como os SÍMBOLOS não podem ser aniquilados,também não se pode anular a religiosidade humana,e falo aqui de religião num sentido amplo,não em seitas rígidas
e fanáticas.
Só para mostrar como a religiosidade pode se imiscuir no pensamento de pretensos racionalistas,a CRENÇA absoluta no livre mercado,mesmo que este nunca tenha sido inteiramente livre,ainda
persiste na mente de muitos:é uma crença de fundo religioso.Jung disse que onde está o valor máximo de uma pessoa,aí estará DEUS.PARA OS OPERADORES DO MERCADO,ESTE É DEUS!

Ricardo Froes disse...

Caso seja verdade que nunca houve uma civilização atéia, já está mais do que na hora de iniciarmos uma.

Quanto ao comentário do anônimo junguiano, ninguém aqui falou em deuses, só ele. Só se falou em vendedores de milagres, de felicidade e de vida eterna. Só foram abordadas as instituições que tentam intermediar uma falsa ligação entre o homem e os deuses.

Quanto à lógica dos exemplos, que fique devendo, até porque Jung anda meio em baixa ultimamente e não merecia ser citado tão inapropriadamente.

Anônimo disse...

O tal de Ricardo Fróes é ingênuo, imagina poder criar uma civilização tirando-a do bolso,
apenas com a vontade de uns poucos.
E como você distorce o que os outros dizem...Nos seus dois comentários há o ódio típico do ateu,aquele que precisa negar com veemência a existência de ALGO(quem pode dizer o que é Deus?) acima de seu ego inflado.Leia Marx
e você verá alguém que também pensava como você,com ódio,achando
que deve-se mudar o mundo(tese 11 contra Feuerbach) ao seu bel prazer...e 150 milhões morreram na esteira das idéias do barbudo!
E quando um autor "está em baixa" ele deve ser desconsiderado?Quem decide o que é "up" ou "down"?Você,o novo demiurgo?Você já acompanhou os próprios sonhos ao longo de muitos anos,para poder entender como os SÍMBOLOS entram em sua vida?Você,como o ateu Sartre
e seu chefe,Stalin,também acha que o Inconsciente não existe?
Para terminar:você é um péssimo leitor,pois eu só usei a palavra DEUS uma única vez,e neste caso como uma metáfora para aquilo que tem mais valor para alguém.Sinto cheiro de totalitarismo na sua forma de falar,e tanto faz se este
é laico ou religioso,é totalitário do mesmo jeito.Você tem um ódio patológico a tudo que envolva religião,mesmo nunca tendo estudado
nada sobre o assunto(seu primeiro comentário é puro ódio sem fundamento algum)...

Mario disse...

Caro Rodrigo,

Antes de tudo, perdoe-me pelo atrazo pelos votos de um Feliz Natal.

Neste seu post, apenas um comentário: viver não é uma obrigação, mas, a preservação da vida, incluindo a própria, sim. Querer morrer porque sofre ou por ser infeliz é o mesmo que desistir de uma corrida por saber não ter chance de chegar entre os primeiros. Em outras palavras, é covardia.

O assunto principal para este meu post é totalmente offtopic:

Embora seja estranho, não vi ninguém comentar um fato: por que o risco-Brasil cai lá fora, apesar do panorama (falta de segurança jurídica, inúmeros projetos de lei indicando, disfarçadamente, confisco monetário, etc.)?

O que estou passando mostra onde está a resposta.

No dia 12-dez passado, na agência Reuters, Gertrude Chavez-Dreyfuss, publicou um artigo:

"Rogers: Sell U.S. dollar, buy real and yuan"

O link é "quilométrico", assim, estou usando um redirecionador:

http://tinyurl.com/yy8sux

Jim Rogers é um U.S. fund manager, co-fundador e parceiro de George Soros do Quantum Hedge Fund. Quem é George Soros?

É um dos socialistas "donos" do dinheiro do mundo. Só para ter uma idéia, com um estalar de dedos, tem o poder de derrubar qualquer moeda do mundo. É um dos principais fundadores das organizações socialistas como o Diálogo Interamericano, Tratado Tri-continental e Club Bildbergh, cujo objetivo é a implantação do governo mundial socialista.

Na entrevista, Rogers recomenda que se troque o dólar americano pelo real (brasileiro) e pelo yuan (chinês). No primeiro caso, porque a economia brasileira está baseada em commodities (lembro que Soros é um dos principais manipuladores de commodities que, recentemente, compraram a BM&F, de São Paulo). No segundo caso, Rogers acredita que o yuan venha a ser a principal reserva mundial de moeda (até porque ele próprio é um dos maiores investidores nas empresas da China).

Será que ainda há quem duvide que quem "manda" no Brasil não são nem os tucanos e nem os petralhas, que são financiados pelos "donos" do dinheiro do mundo????

C. Mouro disse...

Hei anônimo 5:43,
ao Estado cabe a proteção aos indivíduos, pois estes o pagam para tal. Não é a vida que "contrata" o Estado, são os indivíduos.
Se o Estado não pode deixar o indivíduo escolher sobre sua vida, certamente não o deverá deixar escolher sobre muitas coisas que lhe é prejudicial à vida. ...acabaremos num absolutismo estatal.
.
Quanto a: "Penso que essa é a questão, já que entre as os princípios formadores do Estados modernos há o princípio da dignidade da pessoa humana"
.
É simples, um indivíduo cuja a vida é propriedade do Estado, e por tal o Estado deve mante-la mesmo contra a vontade do individuo (se puder), é um indivíduo sem dignidade alguma; é um escravo voluntário.
Se eu concordar que o Estado deve tentar me impedir de atingir meus objetivos, se algum dia eu preferir morrer a viver, certamente estou renunciando minha autoridade sobre mim mesmo e sobre mais ninguém. Neste caso eu estou me desqualificando como indivíduo com dignidade.

Abs
C. Mouro

Ricardo Froes disse...

O Anônimo Junguiano me acusa de ser ingênuo, de distorção de idéias, de ter o ego inflado, de ser péssimo leitor, de totalitarismo e de ter ódio patológico.

Primeiro, quanto à leitura, eu confesso que sou um mesmo péssimo leitor de textos idem. Mas eu não elaborei um “tratado psico-teológico” para ser tão mal lido e interpretado como ele o fez. Citei a criação de uma civilização atéia obviamente por ironia e falei de um Jung em baixa – como realmente está – apenas como crítica a esses modismos filosóficos e psicanalíticos com que se preocupam diletantemente os curiosos que insistem em decodificar a mente humana como se existisse um padrão para ser rotulado. Demiurgo talvez seja o Anônimo Junguiano demodé quando nos obriga a estudar “símbolos, mitos, lendas, religiões comparadas” para que “talvez um dia vocês entendam o porquê de as religiões serem tão importantes para o homem”. Demiurgo e presunçoso.

Quanto ao totalitarismo a mim atribuído, parece que nem lê as besteiras que escreve. Enquanto eu fiz um comentário pessoal, baseado em meus poucos conhecimentos históricos e em minhas próprias experiências, o Anônimo Junguiano, quis impingir deuses e religiosidade a todos. Até o livre mercado virou deus. Um verdadeiro samba do afro-descendente doido (não vou nem citar o título correto para depois ele não dizer que sou preconceituoso) em que todos são obrigados a anotar seus sonhos para, no final, descobrir que deus é uma garrafa de cerveja (no meu caso seria, provavelmente).

Além de tudo, não sabe nem contar, pois citou deus duas vezes e não uma, além de ter criticado ironicamente os ateus outras tantas, o que não deixa de ser uma apologia ao “criador” e depois ainda diz que eu sou péssimo leitor. Se ele não sabe contar até dois e nem sabe o que escreve, como é que eu posso ler direito? Parece os coleguinhas do PT. Aliás, é tão claro quanto eles, porque a ausência de alternativas torna as mentes espantosamente claras. Mas é uma pena para ele que essa ausência indique a inflexibilidade característica do rigor mortis.

O anonimato do Anônimo Junguiano é perfeitamente desculpável pela vergonha que deve sentir ao escrevinhar sobre suas crenças pessoais tiradas de idéias do Reader’s Digest, depois de ler Rodrigo no brilhante artigo sobre a eutanásia. Quem sabe se ele levasse fé no que diz, resolvesse assinar seu nome? A diferença entre fé e crença é que na segunda os outros pensam por você. É o caso dele.

O Direitista disse...

O suicídio é um ato de covardia. É um pecado terrível e um desrespeito a Deus, que nos deu a vida. No entanto, não acho que caiba ao Estado fazer com que as pessoas obedeçam à lei de Deus. Isso cabe a cada um. Não deve ser imposto, nisso concordo com o Rodrigo Constantino. Mas daí a censurar a igreja por negar o direito a um funeral católico é tolice.

Guilherme Euclides disse...

Caro Rodrigo,

Organização Mundial de Saúde define q ter saúde não somente não ter doença, mas estar bem psico-sócio e economicamente. Uma pessoa com saúde mental não pensa em suicídio, mas em viver cada dia em busca da felicidade.

Peço que reconsidere sobre a influência negativa que o seu texto pode ter sobre a esperança das pessoas e seus familiares que estão lutando contra doenças graves como a AIDS, Depressão, Alcoolismo.

Ricardo Froes disse...

Com certeza é tolice discutir sobre que fim terá uma carcaça. Realmente não faz diferença nenhuma optar por um cadáver ser dissecado pelos cientistas, cremado, enterrado ou esquartejado e jogado latrina abaixo. Para mim, pelo menos.

Mas há pessoas, e famílias de pessoas que prezam um funeral condigno e têm todo direito de reivindicar o princípio básico da doutrina cristã, que é o perdão.

Será que um homem que poupou-se de maiores sofrimentos pode ser considerado covarde? Será que ele, ao decidir sua sina, não pensou na dor de seus próximos ao sabê-lo irremediavelmente condenado?

Pecados e deuses a gente inventa aos montes, meu caro direitista. Não há leis de deuses, o que existem são leis de homens que se dizem mensageiros deles, por paranóia ou esperteza. Por acaso o homem já conseguiu criar uma minhoca do nada? Pois é, nunca. Mas deuses, são milhares os criados.

C. Mouro disse...

Bem, deus não escreveu coisa alguma, talvez seja analfabeto e por isso precisou ditar para alguém. Desta forma, é claro que quem por fim escreveu o que deus disse, deve ter feito alterações. Mas como deus não sabe ler tem deixado passar todas estes "livros sagrados" que não só divergem uns dos outros como também se contradizem ...e deus, analfa que é, deixa rolar.
.
O negócio da "covardia" assim julgada como fuga do sofrimento, tem duas vias. Aliás a covardia merece um estudo sobre a origem e significado da palavra, pois tanto é covarde quem foge por medo demais, como quem ataca sem qualquer hesitação: um paradoxo de interessante solução onde a contradição é apenas aparente, para quem apreende pela aparencia sem penetrar em profundidade. Mas a outra via, é o covarde que defende a vida a ponto de torna-la obrigação alheia porque por um lado covardemente não se conforma em perder aqueles que ama, e generaliza a defesa para justificar-se, e por outro lado aqueles que almejam usufruir da vida alheia, explorar vidas, covardemente, e sem meios de se garantir tal privilégio ante o desprendimento alheio, atua também na pressão sobre a mente alheia, valendo-se de um aparato de coação mental (psicológica) da mesma forma que para coação física (força).
.
Também há covardia naqueles que inventam fantasias para capturarem os fracos que não suportam a realidade; como também há covardia nestes fracos que se entregam submissos a estes maníacos e charlatões que inventam essas fantasias mirabolantes. Ou seja, os primeiros são covardes por atacarem fracotes desesperados, ansiosos por serem enganados por qualquer maníaco ou espertalhão. Igualmente estes desesperados são covardes por não suportarem a realidade e se entregarem como animais de pregadores, seja como ovelhas (gado arrebanhado), seja como "gatos de madames" ou mesmo como cães de guarda dispostos a tudo para defenderem seus donos e até mesmo como cães de briga, verdadeiros pitburros.
.
Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Guilherme,
a defesa é para quem julga a vida mais dolorosa que a morte, quem assim não julgar deve lutar suportando sofrimentos.
Você, Guilherme, erra quando fala do desestimulo daqueles que têm esperança, está alterando o conteúdo do texto (isso em ideológicos é normal), pois o texto não desestimula a que se lute pela vida se julga valer a pena, ele não diz que os dentes devam morrer logo; você está interpretando muito mal o artigo para tentar justificar sua opinião. O TEXTO APENAS DEFENDE O DIREITO DAQUELES QUE JÁ NÂO TÊM ESPERANÇA, NADA TENDO CONTRA SE TER ESPERANÇA.
Então, no caso de alguém já sem esperança alguma, a perversidade está em quem quer proibir que aquele que sofre alivie seu sofrimento, impondo-lhe o prolongamento e aumento de uma dor que ele considera muito pior que a morte. Isso é de uma crueldade monstruosa, talvez sadismo, morbidez.
Por outro lado, quando você menciona o sofrimento dos familiares, se estes não fossem egocêntricos concordariam com a decisão de seu ente querido, em vez de fazer da vida alheia uma propriedade que desejam usufruir ou que não desejam perder.
.
Creio que uma leitura do primeiro comentário esclareceria alguns pontos.
Abraços
C. Mouro

Freeman disse...

Lendo todos os comentários é fácil notar que os defensores da manutenção da vida, mesmo a contragosto do próprio indivíduo, trazem à baila argumentos religiosos, filosóficos ou psicológicos.
Mas esquecem que estamos tratando aqui de Estado LAICO X Indivíduo LIVRE. O Estado não deve ter religião, não deve prejudicar, nem favorecer religião alguma.
O Estado NÃO PODE e NÃO DEVE tomar considerações religiosas como ponto de partida para NADA que deva ser imposto a todos os cidadãos.
Minha crença religiosa particular me diz que não devo praticar o suicídio, e não devo apoiar de forma alguma esse ato. E que se me for apresentada a oportunidade, tentarei demover o sujeito dessa idéia a todo custo.
E AÍ TERMINA MINHA LIBERDADE. Não tenho o direito de OBRIGÁ-LO a viver, por causa da MINHA crença, usando o Estado como intermediário.

"O indivíduo só é realmente livre, se for livre até para cometer uma grande besteira consigo mesmo".

Podem argumentar que não existe liberdade sem a vida, mas a vida sem liberdade também de nada vale.

Guilherme Euclides disse...

Alguém pesquisou o conceito de saúde definido pela Organizaçõa Mundial de Saúde?

Estão cientes de que alterações no nível noradrenalina e serotonina é que são os maiores responsáveis pelo comportamento suicida. Não basta a pessoa somente que a pessoa tenha convicção de prefere morrer. Se os seus níveis de noradrenalina e serotonina estiverem normais ela vai querer viver. É só medicar corretamente. O pensamento suicída é uma disfunção hormonal.

C. Mouro disse...

Deixo aqui meus mais sinceras congratulações ao Freeman: foi de uma precisão...
.
Quanto ao Guilherme: ...era de se esperar!
E aproveito para mandar um "foda-se" para a OMS, seja lá o que diga.
.
Abs
C. Mouro

Blogildo disse...

Se Deus não existe, tudo é permitido.

Agora, quantas vezes alguém já quis morrer? Jó lamentou estar vivo. Será que ele queria se suicidar? Sei lá. Sei que não fez isso.
Conheço meninas - algumas nem tão meninas assim - que quase se mataram por causa de uma acne no nariz.

E aí? Vamos liberar geral?

Renato C. Drumond disse...

Na verdade, se Deus existe, tudo continua a ser permitido, pois existe a opção de ir para o inferno.

Renato C. Drumond disse...

Outra: se alguém quer morrer, nenhuma lei o impede, pois se ele não valoriza a vida, tampouco se importa em ser punido pela lei. Portanto, não será a legislação que impedirá alguém de cometer suicídio ou não.

A questão da eutanásia se refere a indivíduos que, estando extremamente doentes, manifestam a predileção pela morte em detrimento do seu estado atual. Mas, para que ele morra, é preciso que alguém o ajude, pois ele se encontra debilitado e incapaz de fisicamente por fim à sua própria vida. A questão é que, atualmente, se alguém o ajuda, será acusado de homicídio.

Portanto, o caso específico da eutanásia se distingue do caso clássico do suicídio, pois na eutanásia o indivíduo é ajudado por outro a por fim a sua própria vida, enquanto no suicídio convencional o indivíduo coloca um fim à sua própria existência.

Um caso paralelo é quando o indivíduo manifesta predileção em não ter sua vida prolongada através de aparelhos, muitas vezes por motivos religiosos.

C. Mouro disse...

Brilhante comentário do Renato C. Drumont, que esclareceu com precisão a deturpação da idéia do artigo. Já está virando regra ideológica a deturpação como "técnica argumentativa". Afinal, parece que, com ou sem deus, que deturpar não só é permitido mas quase uma obrigação na defesa de ideologias.
.
A idéia do "sem deus tudo pode" bem demonstra o que vai nas mentes crentes, algo assim: se não houver deus para castigar ou premiar, de que adianta ser honesto, de que vale não roubar, não estuprar ou não matar?
Ou seja, tipos que assim pensam apenas se detém diante do castigo ou prêmio prometido. De forma que se nada lhes ocorresse em vista de sua ação, seriam ladrões, estupradores e assassinos. ...argh!
Eu que não tenho deus, não o faço por julgar tais coisas erradas, injustas e etc.. E mesmo que nada de ruim ou bom me fosse prometido por fazê-las ou não, ainda assim eu não as faria, pois minha razão as condena, independente de fantasias e ideologias que determinam os meios segundo os fins. E assim, um "fim supremo" tudo justifica, desde o genocídio até às fogueiras da inquisição.

Abraços
C. Mouro

Guilherme Euclides disse...

Temos dois ponto de vista filosóficos bem distintos para lidar com o problema existencial diante da dor.

O primeiro tem como princípios fundamentais:

O respeito absoluto à vida, que é digna de ser vivida sempre.
Porque no estado natural (com saúde), o ser humano sente-se bem e deseja continuar vivendo a vida.
Tendo como referencial o estado de saúde, todo estado que diferir negativamente deve ser tratado para o retorno à saúde.


A medicina constatou que o estado natural da química cerebral (serotonina e noradrenalina) é o de bem estar independentemente da situação afligente ou do sofrimento físico em que se encontra. Faz-se necessário complementar o nível desta química cerebral sempre que esteja insuficiente, ou seja, o quando haja um quadro de depressão. Através de terapia conveniente e remédios anti-depressivos.

A ciência constatou que pacientes que têm uma religião seja qual ela for têm melhor resposta na recuperação e mantêm saúde mental. Ter certeza que vida tem sentido é melhor do que ter dúvida.


O segundo ponto de vista tem como princípio:

Respeito absoluto à vida/liberdade/busca da felicidade.
Respeito relativo da vida, caso não seja possível liberdade/busca da felicidade.


Se me permitem, farei uma crítica ao segundo ponto de vista.

a liberdade é relativa, o estado biológico sempre limitará a liberdade inclusive de pensamento.

A medicina constatou que no bem estar (saúde), que é químico (serotonina e noradrenalina), nunca teremos idéias depressívas uma vez que estar vivendo é prazeroso.


Comentário final:

Não é a toa que temos muitos opiniões aqui postadas defendendo a Liberdade. Todos nós sofremos a influência da cultura americana, que prega como valor máximo a LIBERDADE, acima do respeito à VIDA.

Mas sabemos que na prática a LIBERDADE deles não tem nada a ver com os direitos fundamentais do ser humano.
Lá na terra dos ianques,
têm
CAMPO DE CONCENTRAÇÃO de Guantánamo,
PRISÃO ARBITRÁRIA sem direito a defesa,
CENSURA PRÉVIA aos discursos do Hugo Chavez,
INVASÃO PRA ROUBAR petróleo dos iraquianos,
FINANCIAMENTO DE GOLPE DE ESTADO no Brasil e no Mundo todo,
TORTURA como a que vimos em Abu Graib,
LIMITAÇÃO A LIBERDADE DOS OUTROS PAÍSES como o acesso a tecnologia nuclear.


A LIBERDADE pregada pelos americanos, nos parecia ser a de pensamento e de liberdade de escolha, como tantas vezes vimos em filmes.

Longe disso.

Na realidade a única LIBERDADE que interessa pros ianques é a DE COMÉRCIO.

Custe o que custar: liberdade de pensamento, escolha, respeito à vida...


Um forte abraço a todos.

Um feliz 2007.

C. Mouro disse...

E o Guilherme soltou a fraga! ...hehehe!
...esses imperialistas são um malvados mesmo! ...como já disse, era de se esperar ...hehehe! ...fácil perceber!

Abraços e votos de um 2007 melhor para todos (não custa desejar que seja)
C. Mouro

Blogildo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Blogildo disse...

C.Mouro, estuprar, roubar e matar são coisas consideradas erradas em relação a quê?

Mario disse...

O comentário de Guilherme Euclides a respeito da liberdade americana, lamentavelmente, é a distorcida e falsa, propagada pela imprensa esquerdóide:

CAMPO DE CONCENTRAÇÃO de Guantánamo,

De fato, isto é real, porém, é para confinar TERRORISTAS CRIMINOSOS e, não para fazer apodrecer vivos os que pensam diferente dos dono dos cubanos, lá mesmo em Guantánamo. Dê uma olhada neste site, se tiver estômago para saber o que é atrocidade contra seres humanos:

http://www.netforcuba.org/

Sobre o campo de concentração americano, leia estes testemunhos de 2 ex-presos:

http://www.danielpipes.org/blog/177

PRISÃO ARBITRÁRIA sem direito a defesa,

Mostre!!! Se é de suspeitos de terrorismo, não é necessário.

CENSURA PRÉVIA aos discursos do Hugo Chavez,

Onde???? Não foi na ONU (dentro do território americano) que o canalha, grande amigo do molusco chamou Bush de satanás??? Saiba que os norte-americanos não dão a menor bola a esse canalha se é que sabem da sua existência.

INVASÃO PRA ROUBAR petróleo dos iraquianos,

Muito mal informado. A invasão do Iraque nada tem a ver com petróleo. Aliás, é o que menos interessa.

FINANCIAMENTO DE GOLPE DE ESTADO no Brasil e no Mundo todo,

E vão ajudar todo e qualquer povo que peça, para evitar que canalhas esquerdóides implantem sua ditadura.

TORTURA como a que vimos em Abu Graib,

Tortura, de fato, é condenável. O que a imprensa não mostra, são as que a múmia andante de Cuba aplica.

LIMITAÇÃO A LIBERDADE DOS OUTROS PAÍSES como o acesso a tecnologia nuclear.

No seu modo de pensar, mesmo os insanos dementes mentais também devem ter o direito de possuir esse tipo de "brinquedinho"...

C. Mouro disse...

Blogildo,
se você apenas aceita que roubar, estuprar e matar são coisas erradas porque dizem que um deus 9o seu) assim determinou, então nada tenho a te falar. Pois repugna-me saber que alguém é incapaz de perceber que tais coisas são violações do direito de inocentes, são absolutamente erradas, ante qualquer análise ética. Nem mesmo consigo entender que um ser humano não julgiue nada, dedicando apenas a obedecer àquilo que dizem que um deus disse.
É absurdo que alguém seja incapaz, ou se tenha incapacitado, para julgamentos ao dedicar-se apenas à obediência; a tal ponto que não saiba sequer os porquês de tais coisas são consideradas erradas independentemente das determinações de qualquer deus.
Em muitos comentários e posts na internet eu já mais do que expliquei tais porquês; e provavelmente você já os leu.
.
Quanto ao tal Javé, esse deus passa a maioria do tempo mandando seus fiéis matarem infiéis, inclusive crianças de peito. Faz isso literalmente sem margem para interpretações. Quem conhece o livro sagrado pode encher-se de tanto ler Javé mandando matar, até mulheres e crianças, e saquear/roubar, chegando ao absurdo de mandar seus fiéis se apropriarem das mulheres infiéis, viola-las, e também escravizar. Embora chegue a mandar comprar os escravos dos povos vizinhos e não dentre seu próprio povo. Da mesma forma que o "não matar e não roubar" são mandamentos apenas para dentre seus fiéis, que não se refere aos infiéis. ...êta moralzinha torta, desse Javé e seu filhote.
.
Lamentando que indivíduos não consigam julgar o que é certo e errado
C. Mouro

Guilherme Euclides disse...

CENSURA PRÉVIA aos discursos do Hugo Chavez,

Site Terra

Mundo

Quinta, 21 de setembro de 2006, 17h45 Atualizada às 18h03
Polícia corta luz em ato de Chávez em Nova York


A polícia de Nova York cortou a energia elétrica para interromper a transmissão por satélite de um ato do presidente venezuelano Hugo Chávez nesta quinta-feira no bairro do Harlem e agrediu um oficial da comitiva presidencial, informou o ministro venezuelano Willian Lara.
»Chavez se transforma em inimigo número um dos EUA

Em declarações em Nova York à emissora Unión Radio, Lara disse que a polícia primeiro exigiu o fim do discurso que Chávez fazia na igreja batista Monte das Oliveiras, no Harlem, afirmando que ele não tinha permissão. Em seguida, cortou a eletricidade para o satélite.

O ministro acrescentou que a polícia tentava impedir Chávez de falar com os repórteres que estavam fora da igreja.

"Vamos sair agora e ver como lidamos com a situação porque não queremos provocar uma alteração da ordem pública. Estamos diante de uma retaliação de George Bush ao discurso" de Chávez na Assembléia Geral da ONU, disse o ministro à emissora venezuelana.

Assim como fez no ano passado no Bronx, Chávez foi ao Harlem anunciar a expansão do programa de venda de combustível barato para calefação para comunidades pobres dos Estados Unidos.

AFP

http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,,OI1151346-EI294,00.html

Guilherme Euclides disse...

INVASÃO PRA ROUBAR petróleo dos iraquianos,

Muito mal informado. A invasão do Iraque nada tem a ver com petróleo. Aliás, é o que menos interessa.


Gostaria de saber o que interessa na sua opinião.

Guilherme Euclides disse...

CAMPO DE CONCENTRAÇÃO de Guantánamo,

De fato, isto é real, porém, é para confinar TERRORISTAS CRIMINOSOS e, não para fazer apodrecer vivos os que pensam diferente dos dono dos cubanos, lá mesmo em Guantánamo. Dê uma olhada neste site, se tiver estômago para saber o que é atrocidade contra seres humanos:

http://www.netforcuba.org/

Sobre o campo de concentração americano, leia estes testemunhos de 2 ex-presos:

http://www.danielpipes.org/blog/177



Sua tese é de a TORTURA é deve ser aceita pq outros países e terroristas tbm torturam.



Venho discordar do seu ponto de vista:

diante do erro da tortura, temos que acertar (respeitando a vida).

O que vc propõem é revanchismo, lógica em que devemos errar com outros sempre quando erram conosco.

Não devemos trocar permanentemente a liberdade pela satisfação provisória do ego.

Guilherme Euclides disse...

FINANCIAMENTO DE GOLPE DE ESTADO no Brasil e no Mundo todo,

E vão ajudar todo e qualquer povo que peça, para evitar que canalhas esquerdóides implantem sua ditadura.



A sua tese é de que a Liberdade brasileira deve ser limitada pelos americanos que querem o nosso bem.


Crítica:
O que eles querem é os nossos bens materiais.

Guilherme Euclides disse...

PRISÃO ARBITRÁRIA sem direito a defesa,

Mostre!!! Se é de suspeitos de terrorismo, não é necessário.




http://www.wsws.org/pt/2006/oct2006/por1-o03.shtml

Congresso norte-americano LEGALIZA TORTURA e PRISÃO ARBITRÁRIA
Pelo comitê editorial
3 Octubre 2006

Este artigo foi publicado no WSWS, originalmente em inglês, no dia 29 de Setembro de 2006

A legislação aprovada pelo Parlamento na quarta e pelo Senado na quinta-feira, que legaliza a política do governo Bush de torturar e de prender suspeitos de forma arbitrária, sem julgamento, bem como estabelecer tribunais irregulares para tratar os prisioneiros de Guantánamo, marca um divisor de águas nos Estados Unidos.

...

C. Mouro disse...

Vejamos essa idéia guilherme opondo-se ao Mário, independente das otras cositas:
"O que vc propõem é revanchismo, lógica em que devemos errar com outros sempre quando erram conosco."
.
Ora, prender pessoas é uma coisa errada. Portanto, não se deveria prender assaltantes, assassinos, torturadores, sequestradores e etc.. Afinal prender pessoas é errado, bem como mata-las e dar-lhes umas bordoadas no lombo.
.
Essas questões são relativas ao incondicionado, contudo a justiça depende das condições. Um sujeito que mata o outro, se assim o faz, considera isso um meio aceitável. Portanto, mata-lo é simplesmente fazer com ele aquilo que ele aceita que se faça, nada injustoi. Ademais justiça é retribuição, é tratar os outros como eles nos tratam.
.
ESSA CONVERSA DE "NÃO PODEMOS SER IGUAIS A ELES", ou o papo de que "um erro não justifica outro" e etc., toda aquela arenga safada, É COISA DE QUEM SE IDENTIFICA COM O BANDIDO, E TEM COMO ÚNICO RECURSO PARA DEFENDE-LO, ESSE TIPO DE ARENGA SENTIMENTALÓIDE.
Senão vejamos:
OS BANDIDOS PRESOS FAZEM MANIFESTAÇÕES PELOS DIREITOS HUMANOS, EXIGEM BOM TRATAMENTO NAS CADEIAS E ETC., ATÉ PARECEM MONGES CARIDOSOS. MAS ELES NADA SENTEM NEM PENSAM COMO SE EXIBEM. APENAS USAM ESTE ARTIFICIO PARA SE PROTEGEREM, SÃO BANDIDOS E ASQUEROSAMENTE COVARDES: quando diante de vítimas absolutamente inocente e indefesas eles são valentões, espancam, humilham e matam, até incendiando onibus com crianças inocentes ...E QUANDO PRESOS, IMEDIATAMENTE SE TORNAM DEFENSORES DOS DIREITOS HUMANOS ...são asquerosamente covardes, e estes tipos que se identificam com os bandidos e não com as vítimas, efetivamente se realizam (tabelinha) nos bandidos, amam os bandidos como se seus legitimos representantes. Nada sentem pelas vítimas, e só não praticam bandidagens por serem ainda mais baixos e covardes que os bandidos, preferindo neles se realizarem, e por isso os defendem emocionada,mente, mas nunca sentem nada pelas vitimas.
.
è o caso de torcedores de futebol, que odeiam quando o juiz rouba seu time, mas não se emocionam quando o juiz rouba PARA o seu time.

O TIME DESTES TIPOS É O TIME DOS BANDIDOS. Por isso se inflamam na defesa dos bandidos, mas consideram natural que os bandidos massacrem covardemente as vítimas inocentes ...SÃO PSICOPATAS, MANÍACOS ATORMENTADOS POR FRUSTRAÇÕES.
.
C. Mouro

Guilherme Euclides disse...

Não afirmei que prender fosse errado.


Mas Torturar que é errado.

Guilherme Euclides disse...

"justiça é retribuição, é tratar os outros como eles nos tratam."

Vc já estudou lógica das preposições alguma vez na vida? Conhece implicação?

Se condicionarmos nossas atitudes a responder erros dos outros teremos muito menos liberdade, ao quase nenhuma.
Se vc quer ser escravo, só posso desejar bom proveito.

C. Mouro disse...

Ah! bom, quem retribui é escravo!
...muito bom mesmo, ...para os bandidos, claro! ...por isso os defensores de bandidos, aqueles que nos bandidos se representam, acham assim. ...hehehe!
.
Ora, torturar e matar é errado, é crime até. Da mesma forma prender indivíduos também é errado e até definido como crime. Mas se concorda em prender os bandidos.
Mas os defensores de bandidos querem convencer as vítimas a nunca revidarem, mas se entregarem santamente. Que lindo isso! ...para os bandidos e os que se realizam nos bandidos.
.
Mas o certo é que a resposta, a retribuição a bandidagem apavora os bandidos, eles temem o revide e o que os incentiva é o apoio moral que os que se realizam nos bandidos lhes dão, inclusive tudo fazendo para desestimular as vítimas a reagirem.
ESTES TIPOS QUE SE REALIZAM NOS BANDIDOS SENTEM PRAZER QUANDO ESTES MASSACRAM INOCENTES. SÃO SOCIOPATAS.
.
Não tem essa de escravidão com o revide não. MUITO PELO CONTRÁRIO, EMBUSTEIRO DEFENSOR DE BANDIDOS, A ESCRAVIDÃO SE INSTALA QUANDO OS BANDIDOS NÃO SÃO REVIDADOS, QUANDO SABEM QUE NADA SOFRERÃO POR SEUS CRIMES.
...MAIS BAIXO E ASQUEROSO QUE OS BANDIDOS, SÓ AQUELES QUE NÃO TEM NEM CORAGEM SE ARRISCAREM NA BANDIDAGEM, PREFERINDO SE REALIZAREM EM OUTROS BANDIDOS, AMANDO-OS E DEFENDENDO-OS. ...é algo que repugna até as profundezas da alma. argh! ....vou vomitar ...com licença!
................................

Guilherme Euclides disse...

Como o Mouro entende tudo sobre o que é justo.

Peço que me dê uma opinião sobre este caso onde uma inocente MÃE foi presa e torturada, com hematomas na cabeça e fratura no maxilar.

http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,AA1332112-5605,00.html

É justo o Estado cometer este erro?

E se fosse com a sua mãe?

C. Mouro disse...

Defensores de bandidos que se realizam nos bandidos, numa tabelinha psicopática, me enojam. Mas:

- justiça é retribuição, é tratar os outros como eles nos tratam.

Essa é a questão! ...sem deturpação, sem embustes desavergonhados. Uma inocente mãe não deveria nem ter sido presa. A questão é bons tratos para bandidos safados, covardes, perversos. As dúvidas sobre culpa ou dolo devem ser dirimoidas no aparelho judiciario, porém comprovados bandidos covardes (apenas seus defensores são ainda mais repugnantes) que destroem famílias inteiras merecem o mesmo tratamento que dão a suas vítimas. Mas seus defensores desviam e deturpam para defende-los (argh! me enoja!).

Muitos bandidos são presos e soltos, e voltam a matar várias vitimas inocentes, deixando crianças desamparadas, levando sofrimentos inimagináveis a familias que se veem destruiddas de um dia para outro, ao perderem seu provedor. ...MAS ISSO NÃO INCOMODA OS MANÍACOS DEFENSORES DE BANDIDOS, ELES SÓ SE ABORRECEM COM MAUS TRATOS A LUNÁTICOS E BANDIDOS, MAS NUNCA SENTEM NADA PELO SOFRIMENTO DAS VÍTIMAS ...ISSO É REPUGNANTE! ...É O ESGOTO DOS SENTIMENTOS, É O FUNDO DO POÇO!

Argh!
C. Mouro

Guilherme Euclides disse...

Pinochet, Hitler, Bush, Milosevich fizeram tudo o que vc mencionou acima, só que em massa.

Nenhum deles ficou ou ficará sequer um dia na prisão.

Se Bush um dia vier a ficar um dia na prisão de Abu Graib sendo torturado e morrer terá sido feito justiça?

A justiça só depende do homem?


Mais: Pena de morte reduziu o número de crimes hediondos?


Como vimos justiça não é revide.


Um forte abraço.

Feliz ano novo.

Anônimo disse...

Já que a discussão começou na Itália, mas já passeou até por Guantánamo, que tal dar uma passadinha pelo Iraque depois do enforcamento de Saddan? Ao contrário do que dizem as cartas dos leitores indignados que escreveram hoje aos jornais, não foram os americanos que mataram o ditador e sim os usos e costumes de um povo que tem um deus como justiça e uma religião como lei. Mas, na certa, os infantilóides anti-americanos devem ter em mente que as barbaridades cometidas por Saddam, entre elas centenas de milhares de assassinatos, são menos graves que manter uma prisão para os inimigos.

Mario disse...

Para Guilherme Euclides,

É interessante como vocês, esquerdóides, distorcem os fatos e tentam mostrar somente o que PENSAM ser correto, claro, do seu ponto de vista.

O que o bandidão Chávez fez e tentou continuar fazendo no Harlem é COMPRAR os (supostamente) pobres do Harlem.

Antes, explico: supostamente pobre porque o Harlem, embora continue sendo um bairro de maioria negra, há muito tempo deixou de ser um gueto e pobre existe em todas as partes.

Chavez andou distribuindo gás "a preço de banana" para COMPRAR os miseráveis. Não é só. Toda vez que vai a NY (e faz questão de ir, por motivos óbvios) procura discursar para os "pobres oprimidos e excluídos".

Então, a pergunta óbvia: desde quando um canalha tem o direito de invadir um outro país, para insuflar o povo, mesmo que seja uma pequena parcela, contra o governo local?

Isto não é censura!!! Este comunista canalha (aliás, como todos) mereceria ser preso!!!

Em tempo: a grande maioria do povo norte-americano c.... para Chavez. Quem dá importância a este desprezível é a imprensa esquerdóide.

Mario disse...

Para Guilherme Euclides,
sobre a mãe que teria sido torturada na prisão: mais distorções, não???

É VOCÊ quem está dizendo que o ESTADO que torturou.

Embora ainda caiba uma apurada investigação, foram as outras detentas que agrediram a mãe. E se houve participação dos policiais, mesmo por omissão, foram INDIVÍDUOS e é uma idiotice sem tamanho dizer que foi o Estado.

Da mesma forma, se houve tortura em Abu Graib, não foi o governo norte-americano. Existe uma diferença de anos-luz entre fatos como estes e o que vocês, esquerdóides fazem como prática institucionalizada.

Lamento tanta falta de bom senso nos pensamentos esquerdóides. É perda de tempo argumentar com essa raça. Espero que você ainda não tenha chegado aos 60, pois, segundo o "çeu guia", nessa idade, se ainda é "esquerda", tem problemas.

Mario disse...

Para Guilherme,

Só mais esta correção. Você citou alguns nomes que seriam "de direita". Há um nome que não deveria estar nela. Seu odiado Hitler NUNCA FOI "DE DIREITA". Ele era SOCIALISTA, assim como seu partido Nazista ( = NACIONAL SOCIALISTA ).

Dizer que o Nazismo é "de direita" é mais uma distorção que a imprensa socialista criou e impingiu para o mundo. Como os fatos históricos mostram que todo o mal está na esquerda, precisaram inventar um na direita.

Em tempo: os espiritistas também dizem que os espíritos do mal, das sombras, sem luz, atrasados, são "de esquerda". Isto não é uma coincidência.

Guilherme Euclides disse...

Para Mário,

Alguns esclarecimentos:

Expus fatos tristes e reais somente dos EUA para demonstrar q a liberdade q eles defendem é de mintirinha

Isso é de suma importância para nós que somos influenciados pelos americanos.


A discursão sobre direita ou esquerda não se baseia em número de assassinatos que AMBOS os lados COMETEM, mas nas solução que se podem dar para as FALHAS DE MERCADO.

Guilherme Euclides disse...

Para Mário,

respondendo a pergunta: "É VOCÊ quem está dizendo que o ESTADO que torturou."

Constituição
art. 5 XLIX: é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral.

O preso está sobe a tutela do Estado.

O Estado é o responsável se o preso for torturado durante a sua tutela.

Guilherme Euclides disse...

Para Mário,

Me parece que vc está tratando uma questão séria é a questão direita e esquerda com se fosse um filme do Rambo.

Opinião se forma com argumentos e seriedade.

C. Mouro disse...

Milosevich era comuna safado (redundancia). Mas o defensor de bandido nem botou o santo Fidel na lista e nem os reconhecidos esquerdinhas, pois que os milhões de assassinatos concretizados pela esquerda não o incomoda, mas apenas se vale ardilosamente na moral que não exerce para inverter a situação em beneficio de seu "time" ...argh! ..cuisp!
.
Milhares de pessoas inocentes são assassinadas todos os anos por bandidos profissionais que já foram presos e depois soltos, ou que fugiram. Sobretudo menores que fogem quando querem.
.
Todos esses covardes que defendenm bandidos por se solidarizarem/identificarem com bandidos covardes são cúmplices destas dezenas de milhares de inocentes assassinados por bandidos covardes que representam seus defensores.
Há tipos que torcem pelos bandidos da mesma forma que torcedores torcem por um time. Também da mesma forma elegem o "time mais inimigo" como Vasco x Flamengo, Palmeiras x Corintians; que chegam a ponto de torcedores se matarem, sem contar que a derrota de tal "inimigo" é comemorada. Da mesma forma os maníacos torcedores anti EUA torcerão por tudo que ao EUA se opuser. Da mesma formna, por serem torcedores dos bandidos, odeiam a polícia, e demonstram grande revolta contra os policiais que maltratam os bandidos, mas nada sentem sobre os bandidos que sequestram e matam pais de famílias inocentes; tal e qual odeiam o juiz que rouba seu time, mas nada sentem contra o juiz que rouba para o seu time.
.
Esse tipo de virus social se produz por frustração, por uma vaidade esorbitante que leva ao ódio a sociedade pela inveja, que o faz desejar tudo que for nocivo, são obscurantistas, maníacos que escondem seu ódio pelo mundo defendendo o mal em nome do bem - até nisso são covardes. Similarmente os bandidos que incendeiam onibus com crianças dentro, também são contrários a maus tratos a bandidos, e fazem emocionadass defesas dos direitos humanos - assim se exibem "santos bandidos", após incendiarem crianças e matarem pais de família; lançando familias na desgraça. O que podemos perceber nisso???? ...que estes bandidos são boas pessoas preocupadas com os direitos humanos? ...É CLARO QUE NÂO, porra!
Esses tipos covardes apenas usam esse "argumento" da bondade patra se defenderem, para se livrarem do que temem. E DA MESMA FORMA OS DEFENSORES DE BANDIDOS TAMBÉM SE TRAVESTEM COM A CAPA DA SANTIDADE APENAS PARA DEFENDEREM OS BANDIDOS, POIS NADA SENTEM ANTE AS VÍTIMAS DE BANDIDOS, AO CONTRARIO, SENTEM COMO SE SEU TIME TIVESSE VENCIDO MAIS UMA PARTICA A CADA VÍTIMA QUE TOMBA. SÃO MANÍACOS ATORMENTADOS PELA INVEJA.

C. Mouro

Blogildo disse...

Vamos por partes, C.Mouro.

1) A frase de Dostoiévsky citada é uma constatação, um diagnóstico. A idéia central da frase é a de que se Deus é “retirado” a conseqüência óbvia é de que tudo passa a ser permitido. A idéia de Deus é a restrição máxima, segundo ele. Se não fosse assim, Dostoévsky estaria sugerindo que todo ateu são amorais. O que está longe de ser verdade.
2) Você não respondeu minha pergunta. E minha pergunta é bem simples. Estuprar, roubar e matar são coisas consideradas erradas por que razão? Esse é o ponto. Vamos ampliar mais um pouco: De onde vem o SEU senso de justiça? Como VOCÊ define o que é certo? Afinal contas, se Deus não existe, vc deve ter uma boa explicação para a ORIGEM do SEU senso de justiça e do SEU senso do que é certo e errado.

C. Mouro disse...

Caramba Blogildo!
Você está me dizendo que você é incapaz de perceber o que é certo e errado, e que apenas obedece ao que disseram a você que deus disse.
Julgar o certo e errado começa pela idéia de mal e bem, ou seja, se não quero que me façam mal não devo faze-lo a outros. Depois concebemos a idéia de Direito, que por lógica deve ser igual para todos, e concebe-se a idéia de direito inerente (natural, sem nada com o "direito divino", mais uma deturpação de ideológicos). Essa idéia de direito surge da liberdade igual para todos, e que só se resolve pela idéia do Direito.
Já o seu deus diz que é válido ter escravos, mas que se deve compra-los dos vizinhos. Ou seja, escravos que não dos fiéis a Javé são válidos. Mas Javé também estabelece critérios para escravizar até os camaradas também. E, claro, Javé chega a mandar escravizar todo um povo que venha se render, ou extermina-lo se não.
Esse Javé tem uma moral nada diferente do Fernandinho Beira Mar. Mas o filhote é ainda pior em termos de moral, pois que mais astucioso para fazer mal em nhome do bem, parece até marxista.
Taí, e de onde você tira sua idéia de certo e errado? da bíblia não pode ser, pois que contraditória. Mas interpreta-la a sua maneira é op mesmo que não ter moral alguma, senão apenas invocar moral para os outros, sem seguir nada, pois a bíblia se contradisz e interpreta-la permite que TUDO SEJA PERMITIDO oU PROIBIDO SEGUNDO CNVENIÊNCIAS. Daí que muitos dizem que a Inquisição foi um "desvio" de interpretação, um erro (como fazem os esquerdinhas sobre Stalin e etc.).
Ou seja, podemos concluir que a crença em deus torna tudo permitido, segundo a interpretação que se dêr para o momento. Daí que crentes se permitem tudo, mentir, enganar, roubar, enforcar, queimar em fogueiras, torturar e etc. ...essa é a "moral" que permite tudo, desde que em nome de deus, ou da crença ...por sorte a maioria dos crentes são muito melhores que seus deuses, e não os seguem. Se seguissem o NT o mundo seria o inferno para eles e o paraíso para qualquer diabo. ...hehehe!
.
Só me resta mais uma vez lamentar tal miséria mental e repetir o que já escrevi:
C. Mouro disse...
Blogildo,
se você apenas aceita que roubar, estuprar e matar são coisas erradas porque dizem que um deus 9o seu) assim determinou, então nada tenho a te falar. Pois repugna-me saber que alguém é incapaz de perceber que tais coisas são violações do direito de inocentes, são absolutamente erradas, ante qualquer análise ética. Nem mesmo consigo entender que um ser humano não julgiue nada, dedicando apenas a obedecer àquilo que dizem que um deus disse.
É absurdo que alguém seja incapaz, ou se tenha incapacitado, para julgamentos ao dedicar-se apenas à obediência; a tal ponto que não saiba sequer os porquês de tais coisas são consideradas erradas independentemente das determinações de qualquer deus.
Em muitos comentários e posts na internet eu já mais do que expliquei tais porquês; e provavelmente você já os leu.
.
Quanto ao tal Javé, esse deus passa a maioria do tempo mandando seus fiéis matarem infiéis, inclusive crianças de peito. Faz isso literalmente sem margem para interpretações. Quem conhece o livro sagrado pode encher-se de tanto ler Javé mandando matar, até mulheres e crianças, e saquear/roubar, chegando ao absurdo de mandar seus fiéis se apropriarem das mulheres infiéis, viola-las, e também escravizar. Embora chegue a mandar comprar os escravos dos povos vizinhos e não dentre seu próprio povo. Da mesma forma que o "não matar e não roubar" são mandamentos apenas para dentre seus fiéis, que não se refere aos infiéis. ...êta moralzinha torta, desse Javé e seu filhote.
.
Lamentando que indivíduos não consigam julgar o que é certo e errado
C. Mouro

Blogildo disse...

1) Eu não disse que sou incapaz de perceber o certo e o errado. Todo indivíduo é perfeitamente capaz. Não coloque palavras na minha boca. Isso beira a impostura. Leia o que escrevi e verá que eu não disse isso.

2) Vc diz que julgar o certo e o errado começa com a idéia de mal e bem. Isso é redundância. Certo = Bem, errado = mal. Vc está dando voltas. Me diga a origem da idéia de certo e errado. De onde vem o conceito. De onde as sociedades modernas extraíram seus pilares de justiça, liberdade e Direito. Tô esperando!

3) A sua afirmação - "se não quero que me façam mal não devo fazê-lo a outros" - é uma máxima cristã. Se vc não tirou essa máxima de Confúcio ou de Cristo, eu gostaria muito de saber de onde vc tirou. Afinal, vc parece ser capaz de "perceber" o certo e o errado de modo independente. Vamos lá, C.Mouro! Ânimo!

4) Por que o Direito tem de ser igual para todos? De onde vc tirou essa? Afinal, essa máxima também é cristã e até onde sei, vc não se julga um "cristão". Ou estou enganado?

5) Vc não sabe quem é o meu Deus. Fale do seu, que eu falo do meu.

6) Não tente tergiversar me dizendo "Yahwéh isso, Yahwéh aquilo". Responda a pergunta: De onde vem o SEU senso de justiça.

Se não foi do cristianismo a origem do SEU (e até do Rodrigo Constantino) senso de justiça eu juro que mudo meu nome!

C. Mouro disse...

VEJA BEM O QUE VOCÊ MESMO ESCREVEU:
"Me diga a origem da idéia de certo e errado. De onde vem o conceito. De onde as sociedades modernas extraíram seus pilares de justiça, liberdade e Direito. Tô esperando!"
VIU BEM??????
Então agora refresco sua memória: VOCÊ ESCREVEU ISSO LOGO APÓS ESCREVER, linhas após:
"Eu não disse que sou incapaz de perceber o certo e o errado. Todo indivíduo é perfeitamente capaz. Não coloque palavras na minha boca."
- Ora, que tipo mas asnático, pergunta de onde se tira a idéia de certo e errado, com clara intenção, mas ao perceber a asneira que passou, simplesmente nega e com a negação nega a própria pergunta. ISSO NA MAIOR CARA DE PAU! ...E o pior, volta a fazer a mesma pergunta ...isso é doença! a lavagem cerebral ideologica anula o discernimento da vítima, daí essas asneiras serem comuns, e levar o indivíduo a absoluta amoralidade, tudo se permitindo em nome de deus, inclusive isso que aqui se vê.
Ora, o meu senso de justiçca vem da minha capacidade de perceber o certo e errado, e que você mesmo afirma que todos são perfeitamente capazes de perceber. Por que razão o meu senso de justiça se deveria ao cristianismo?????
ME RESPONDA porque necessáriamente deveria vir do cristianismo? ...hehehe! ESTOU ESPERANDO!
.
Ademais cristo mandou não julgar. Essa é uma determinação de cristo: "Não julgueis para não serdes julgados" ...é ou não é?
OCORRE que JUSTIÇA, ou senso de justiça, DECORRE DE JULGAMENTOS. Além do que, por exemplo, cristo diz +/- assim: "dá a todo que te pedir; e se roubarem o que é teu não lho reclames" ..você segue isso? ME RESPONDA! É esse o senso de justiça do cristo???? ...tem muito mais no NT, muita coisa clara e para se interpretar, e que só demonstram que tal ideologia é moralmente imunda. É uma moral relativista, nociva a convivência, e por isso nem os cristão seguem tal milonga concebida para tornar subservientes os governados. ...vou postar uns 20 ou 3 trechos bem esclarecedores, tão logo calce luvas para pegar a bíblia.
.
Se você pergunta de onde alguém tirou sua noção de certo e errado, eu poderia apenas responde que da minha própria cabeça. E pronto! afinal sou capaz de percebe-lo. Essa é a questão. E agora você vem dizer que "todo indivíduo é perfeitamente capaz de perceber o certo e o errado". Porra! se é, então por que da pergunta? ou seja, é um embusteiro que não sabe o que diz, ou sabe, mas quer apenas obscurecer questões com simulacros desavergonhados.

Não estou dando volta alguma, mas você, que nem entende o que diz, apenas simula contestação.
O certo não é igual ao bem não. O certo é o certo, independente de ser bem ou não. Tão pouco o mal é o errado. Mal e bem são conceitos subjetivos, que ganham conotação pretensamente objetiva através da moral, que pode ser arbitrada por uma ideologia qualquer. Mas você, como todo ideológico, é binário, maniqueísta, defendendo que tudo que não for "o bem" será "o mal", e por isso saiu-se com esta asneira de que certo=bem e mal=errado. Essa é a idéia de toda ideologia que julga os meios pelos fins apregoados, a tudo justificando e permitindo. Ou seja, se certo é igual ao bem, tudo que se diga levar ao bem será certo. Assim, o "bem universal" tudo justifica, essa é cretinice ideológica.
.
O seu coleguinha já andou com essa sua mesma conversa sem fim em outro blog, talvez você o tenha instruido nesse tipo de coisa, me fazendo perguntas já respondidas apenas para simular contestação e aporrinhar a paciencia.
Tome vergonha nessa cara! Veja bem o que escreve e perceba que além de vergonha lhe falta inteligência.
.
Abraços
C. Mouro

Guilherme Euclides disse...

Para Mouro,

Faz então uma lista completa de assassinos de direita e esquerda, se isso for importante para demonstrar algo.

Um abraço e muita paz para vc neste ano q começa.

Blogildo disse...

C.Mouro, vc está fugindo do debate e começa a xingação. Aí não dá, cara. Quem tá se fazendo de besta aqui é vc.

Pq existem culturas em que o canibalismo é socialmente aceitável?

Melhor, pq será que a única nação que tentou implantar o ateísmo como "religião" de estado foi a
mesma nação que matou milhões?

Mais até do que séculos de obscurantismo e dominação católica?

O fato é o seguinte: Se vc tem alguma noção de certo e errado (ou de bem e mal, whatever) é pq vc está impregnado de cultura do cristianismo.

Infelizmente, para vc, até a expressão que vc utiliza é "chupada" de jargões do cristianismo. Isso é quase inconsciente. E talvez por isso vc esteja com raivinha de não ter argumentos. Afinal, vc não consegue se expressar sem recorrer as frases de Cristo. É como ver Aldo Rebelo se benzendo...

Ou pior, ao perceber que toda sua noção de certo e errado se dá por viver, comer, beber e respirar uma cultura cristã, percebeu a fragilidade de sua argumentação.

Quer vc acredite em Deus ou não, o fato é que seu critério de certo e errado se dá por parâmetros cristãos. Mesmo pq não existe exatamente uma cultura atéia.
Toda conquista de Direitos, liberdade e humanista, de um modo geral, se deu através da cultura cristã.

Não há inconsistência no meu argumento. Sou deísta, cara! Então pra mim, a noção do certo e do errado existe no ser humano pq um Deus "implantou" isso lá.

Agora para um ateu não há nenhuma razão para isso. A base é indivíduo? E daí? De onde o indivíduo tirou o critério moral? Da própria cachola, vc diz! Tá bom e como o critério chegou na cachola do indivíduo? Vc repete a mesma ladainha, do indivíduo, ora bolas... Cara, vc é que não tem argumento para responder uma pergunta simples.

Um cristão responde: Fomos feitos a imagem e semelhança de Deus. Por isso temos critérios de certo e errado. É simplista? Pode ser. Mas é uma resposta aceitável.

Agora um ateu não sabe a quê atribuir seus critérios de certo e errado. Igual a vc fica repetindo como um papagaio: O INDIVÍDUO! O INDIVÍDUO! O INDIVÍDUO! O INDIVÍDUO! O INDIVÍDUO! O INDIVÍDUO! O INDIVÍDUO! O INDIVÍDUO!

C. Mouro disse...

O "argumento" é circular e estúpido, segundo você mesmo. É como dizer que existe um elefante voador que ninguém pode ver, porque esse elefante se faz invisível. ...hehehe!
Se é deus que coloca a noção de certo e errado e um ateu ou agnóstico, que não creem em deus algum, consegueguem perceber tais noções já incutidas por um deus qualquer (há vários criados pelo homem, e a sua imagem e semelhança), certamente que a resposta deles a sua pergunta será "de dentro da própria cachola". Assim, sua pergunta é idiota, bastaria você afirmar tal bobagem em vez de perguntar. Ou seja, você é um embusteiro desavergonhado, que se sai com "respostas" idiotas, que não fazem sentido algum.
.
Contudo, já postei aqui e em outro blog uma resposta, lá nas "duas éticas" e em "liberdade igual para todos", onde bem demonstro os princíos para julgamentos. O seu coleguinha fez o mesmo que você está fazendo, e eu tive grande paciencia. Você quer apenas conturbar, escapando quiabólicamente e idiotamente pela porta dos fundos.
ANTES DE CRISTO OS ESTÓICOS JÁ TINHAM UMA EXCELENTE IDÉIA DE CERTO E ERRADO. JÁ MUITO ANTES SE CONCEBIA JULGAMENTOS SOBRE JUSTO E INJUSTO COM BASE NA LÓGICA E OBSERVAÇÃO DOS FATOS -(*).
- Volto nela: se o deus, como dizes, colocou a noção de certo e errado no homem, PARA QUE SERVEM AS RELIGIÕES? ...me responda! Tô esperando.
Para que o deus veio aqui espalhar religiões que se desmoralizam e se combatem, como se de deuses diferentes.
Qual é a verdadeira? para que religião se as noções de certo e errado já nos são próprias? ...hehehe!
.
ESSA SUAS ESCORREGADA DESAVERGONHADA DEPÕE CONTRA VOCÊ. POIS SE TEMOS INERENTE A IDÉIA DE CERTO E ERRADO PODEMOS CONCEBER UMA FILOSOFIA SOBRE TAL QUESTÃO, E NÃO PRECISAMOS DE RELIGIÃO ALGUMA. TÃO POUCO DO CRISTIANISMO QUE ADOTA O VELHO E O NOVO TESTAMENTO, ONDE SE CONTRADIZEM E DENTRO DE SI MESMO SE CONTRADIZEM. ALÉM É CLARO DOS ABSURDOS E EMPULHAÇÕES QUE CONTÊM.
......MAS VOCÊ NÃO RESPONDEU MINHAS PERGUNTAS! embusteiro ...hehehe!
.
Você vai mudando o que diz de forma idiota. Ademais, se foi deus que colocou tais noções na mente humana, por que diabos você diz que decorre das lições do cristianismo? da doutrina? ...não faz sentido, é mera empulhação.
.
Mas você não respondeu minhas perguntas. É um embusteiro que fala sem nem entender o que está falando, se enrolando na sua ginástica mental.
.
Não sou eu que que xingo, eu nunca xingo ninguém, eu sempre demonstro o que certos tipos são, mostrando argumentos. Quem se xinga são os tipos que fazem o que você está fazendo, demonstrando bem o que é.
.
Você não respondeu minhas perguntas. Continua fugindo de quatro pela porta dos fundos.
Abraços
C. Mouro

Blogildo disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

Esse é o Mouro! Ateu com a graça de Deus! Hehehehehehe!

O Direitista disse...

Coleguinha Onildo, acho que vc ficou devendo uma resposta mesmo, que ao meu ver deve ser a seguinte:

Todo homem possui, em potência, a capacidade de distinguir o certo e o errado, e a capacidade de conhecer Deus, independentemente de sua religião e cultura. O cristianismo é a religião que realiza à perfeição esta potência humana, e que auxilia o homem na sua busca pelo certo, o bom e a verdade.

Abs

Blogildo disse...

Se o cara não responde a minha, não responderei a dele, Fil! O sujeito consegue ser mais enrolado que o Lula.


Rodrigo Constantino,
Sou fã dos seus artigos, mas esse artigo em particular me chamou a atenção, pelo que se vê nos posts acima. Há algumas coisas que não estão claras para mim.

Exemplo: não entrou em questão a natureza transitória da vontade humana e o papel ridículo do Estado nesse tipo de coisa.

Um sujeito diz que quer se suicidar. Afinal, ao abrir um precedente, o suicídio deve ser um direito de todos!

O Estado vai ter de regulamentar alguma coisa. Estou certo? Vale o cara se jogar na frente de um automóvel? Não! Não vale. Afinal, a liberdade do motorista será violada. E se jogar do vigésimo terceiro? Só com licença e alvará? Aqui no Brasil ia ser engraçado ver isso.

Se o sujeito estourar os tímpanos na minha sala? Quem vai pagar a limpeza do carpete? Posso intimar um parente do sujeito a pagar o prejuízo? Acho que seu artigo está incompleto. Essas questões são fundamentais em minha opinião!

Vamos imaginar que o sujeito resolveu se matar. Sei lá, pode ser eutanásia. Até sair a "liberação" confirmando que ele pode fazer isso sem prejuízo para terceiros, o sujeito descobre que a doença dele passou a ter cura. E aí? Como fica? Volta atrás?

A morte vai ter assistência médica do Estado (vc sugere isso). O indivíduo não pode decidir o modus operandi? Um prefere forca, outro prefere injeção letal. O Estado vai impor o modo?

E as questões de herança? Um sujeito sabe que a morte de uma parente muito doente lhe trará uma herança fabulosa. Contando com o direito de morrer, o sujeito "influencia" a parente a "decidir" pela morte. Tudo em nome do liberalismo, claro.

O sujeito é saudável. Tem esposa e filhos. A esposa não trabalha e cuida dos filhos. Um acordo muito comum "neste país". Se o cara resolve se matar por que, sei lá, o Botafogo foi para a segunda divisão novamente. A mulher pode interferir na decisão dele? Se houver dívidas em nome dele, ela paga? Ou o Estado libera um suicídio da família?

Você poderia fazer outro artigo sobre o mesmo tema? Fiquei curioso.

Onildo

O Direitista disse...

Pouco importa se ele respondeu ou não. Só o que importa é a questão em si, que neste caso era pertinente.

Sobre o texto do Rodrigo Constantino, em princípio eu sou favorável ao direito ao suicídio. Existem áreas cinzentas mesmo. O ponto mais complicado é como definir se a decisão de cometer suicídio foi feita de forma sã, ou se é fruto de uma doença, como a depressão. É uma questão difícil.

Blogildo disse...

Só essa questão, Fil?

- E se for por intimidação?

- E se for consciente, mas para se livrar de credores?

- E se for consciente, mas pra se livrar de penalidades legais?

- E a idade? Só maior de idade?

- Grávidas podem cometer suicídio?

C. Mouro disse...

Ih! ....hehehe! o coleguinha apareceu! ...hehehe!
E o coleguinha sabe que respondi lá e respondi aqui também. E o próprio desavergonhado também sabe, mas prefere a semvergonhice. ...hehehe!
.
"Se o cara não responde a minha, não responderei a dele, Fil! O sujeito consegue ser mais enrolado que o Lula." ...hehehe! toma vergonha nessa cara rapaz! seja homem pelo menos!
.
Está clara a sua cretinice e seus embustes, onde cada vez se enrolou mais por não ter vergonha na cara e ficar se saindo com evasivas idiotas.
Eu demonstrei que és um bosta, e dessa você não se livra! ...hehehe!
Eu já não tenho saco para buzuntas bocós, que nem mesmo entendem aquilo que dizem, e se enrolam nos próprios embustes, passando vexames como este. ...hehehe!
.
Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Taí, concordo com o Direitista desta vez:
"Sobre o texto do Rodrigo Constantino, em princípio eu sou favorável ao direito ao suicídio. Existem áreas cinzentas mesmo. O ponto mais complicado é como definir se a decisão de cometer suicídio foi feita de forma sã, ou se é fruto de uma doença, como a depressão. É uma questão difícil."
.
Show de bola!
Então, se uma pessoa manifesta a opinião, enquanto plenamente saudável - opinião racional - de que prefere morrer a sofrer indefinidamente, deixandoclaro aos seus as suas idéias, não há dúvida, e não se deve impor sofrimentos a quem não os deseja.
.
E quem quer se suicidar e tem condição de faze-lo, não pode ser impedido. E sob tal suspeita o que se faz? ...prende? dopa? ...francamente ...tsc tsc tsc!
.
Abraços
C. Mouro

Blogildo disse...

Mouro, se vc considera que repetir batendo o pezinho: É O INDIVÍDUO! É O INDIVÍDUO! É O INDIVÍDUO! É O INDIVÍDUO! É O INDIVÍDUO! igual aquela ovelhinha de Hanna Barbera é uma resposta, eu aplaudo vc. Vc é mesmo genial! Que resposta. Estou emocionado. Me recolho a minha insignificância.

Definitivamente, não dá pra levar a sério um ateu que tem de recorrer a máximas cristãs para defender seu pobre ponto de vista...

C. Mouro disse...

Além de desavergonhado e burro, ainda é maluco, e de pouca criatividade.
Cruz credo!
...é a ideologia que faz esse tipo de coisa na cabeça destes inconformados com a realidade.
Delira! lunático, delira! ...hehehe!
.
É lógico que não há papo sério com um tipo desses.
Putz! ...é cada uma que me aparece, ainda bem que é divertido ...hehehe!

Abraços
C. Mouro

Blogildo disse...

Pouca criatividade é sacanagem!

"Cruz Credo"? Que raio de ateu é vc?

O Direitista disse...

É Onildo, essas perguntas também são díficeis. Não sei.

Sobre o C. Mouro, fiquei umas 100 msgs discutindo com ele no blog do Tambosi, não sei se vc acompanhou. Se não, dá uma passada por lá, no post religião e ética médica.

Abs

Blogildo disse...

Fil, vc conseguiu chegar a 100?????

Por quantos posts eu consigo continuar tirando sarro com a cara do "ateu-católico"?

Guilherme Euclides disse...

Para Mouro,

Não tem como se discurtir religião.
Elas são baseadas em dogmas, verdades absolutas que não se demonstram.

Pare de zombar da crença dos outros. Vc pode não crer nas religiões, mas pros seus seguidores elas representam o sentido da vida delas.

Ofender as religiões não é sinal de inteligência. Mas de pedantismo.

Blogildo disse...

Guilherme, ofender minha crença não é o problema. Todo deísta tá acostumado com isso.
O que não dá o sujeito ser INCAPAZ de responder QUAL É A ORIGEM DA NOÇÃO DE CERTO E ERRADO sem ter de apelar para jargões do cristianismo. E ainda se achar o PHoDa pq respondeu: É O INDIVÍDUO!

DÃÃÃÃÃÃÃÃ!

Guilherme Euclides disse...

Para Blogildo,

Origem da noção de certo e de errado não tem nada a ver com religião, muito menos a Cristã especificamente.
Só ler um pouquinho de antropologia.

O Direitista disse...

Guilherme, vc não vai encontrar a resposta para esta questão na antropologia. Eu cito o Olavo de Carvalho (http://www.olavodecarvalho.org/apostilas/pensaris3_1.htm):

"Também na antropologia, a idéia de que o antropólogo, quando examina diferentes culturas, deve evitar fazer uma hierarquia valorativa, como se uma cultura fosse melhor do que a outra, é um preceito metodológico. Depois, quase que implicitamente, tornou-se uma regra ontológica que diz que "não existem diferenças de valor entre as culturas ou os costumes". Um costume como a antropofagia, por exemplo, deve ser considerado tão bom - ou tão ruim - como o da adoção dos órfãos. Sempre que passamos do preceito metodológico para o ontológico existe no mínimo uma imprudência muito grande."

Eu não poderia dizer melhor.

Guilherme Euclides disse...

As argumentos religiosos sempre terminam dessa forma: pq o profeta tal assim falou.

Eu não acredito em destino, e muito menos em profecia. Acho que muita gente atéia pensa assim tbm.

Pra argumentar, tem q demonstrar.

Guilherme Euclides disse...

Me desculpe a ignorância cadê:
o religião é igual a costume?

O Direitista disse...

Não. Religião não é igual a costume.

Blogildo disse...

O fato de o Ocidente existir mais de 2 mil anos sob a definição cristã do que é certo e do é errado não tem nada a ver com o debate? Entendi direito, Guilherme?

Guilherme Euclides disse...

Deixa eu ver se entendi:


No costume temos a noção de certo e errado.

Há 2 mil anos as religiões (umbanda, gnóstica, inca, nazca, católica, judaica, celta, e tudo mais q o cristianismo ignora chamando de pagão) influencia o q é certo e errado, mas não de forma determinante.

Conclusão: ?

O Direitista disse...

Guilherme, falo apenas por mim:

Acredito que certo e errado são conceitos absolutos, aos quais o homem tem a capacidade, ou seja, a potência, de conhecer (independentemente de religião).

As formas pelas quais se chega a estes conceitos não são apenas uma. A filosofia e as religiões são meios para tanto.

Dentre todas as religiões, a que nos alça para o conhecimento de certo e errado de forma mais perfeita é o cristianismo.

Assim, resumindo, o cristianismo teve e tem um papel importante para revelar os conceitos de certo e errado, mas não é o cristianismo que cria tais conceitos.

Abs

Guilherme Euclides disse...

Compreendo e respeito q vc tenha se identificado com uma religião.

Mas o argumento de q o cristianismo toca tanto o seu sentimento q vc o vê como perfeito não demontra nada para outras pessoas, q tem sentimentos diferentes.

Outras pessoas podem achar qualquer religião perfeita, pq o seu sentimento assim o sente.

Argumentar não tem nada a ver com sentimentos, mas com argumentos q possam ser demonstrados e verificados por outras pessoas.

Blogildo disse...

É exatamente isso, Guilherme! Se vc acha que roubar é errado é pq todas as religiões e culturas determinaram isso no passado.

Nada mais. Nada menos. Por exemplo, O brasileiro tá desenvolvendo uma cultura onde roubar é aceitável. Daqui uns séculos, talvez décadas, o roubo passará a ser moralmente aceitável por aqui.

Se vc não acredita em Deus - melhor se vc não é cristão - vc compartilha dos ideais cristãos de justiça, certo, errado, bem, mal etc por costume. Simples assim.

Agora, se vc é cristão, vc atribui o senso de certo e errado ao fato de ser criado a imagem e semelhança de Deus.

Guilherme Euclides disse...

"Se vc não é cristão - vc compartilha dos ideais cristãos por costume."

Nossos costumes não são exclusivamente cristãos.

Eu não vou a missa, nem sei rezar, nunca fui batizado, não creio q alguém morreu por mim, não acho q a mulher é inferior e o homem é o chefe da casa.

Acho q ser bom é estar em paz com a consciência e isso não tem nada a ver com ser cristão q é somente opção religiosa.

Como acabei de demonstrar meus costumes não têm nada de cristão.

Guilherme Euclides disse...

Todo internauta brasileiro já fez download sem permissão de alguma música, o q é roubo e costume tbm, e não é nada cristão.

Blogildo disse...

Guilherme, o respeito a mulher é um ideal cristão. Enquanto todas as culturas desvalorizavam a mulher, a ponto de abortar meninas, no cristianismo isso é pecado. Então, a sua noção de respeito a mulher nasce do ideal cristão. Quer vc queira ou não.

Vc não precisa ir a missa, se batizar e crer que alguém morreu por vc (esse papo de mulher inferior ao homem é anticristão. Leia o Novo Testamente de novo!) para comungar de costumes cristãos!

O próprio conceito de "estar em paz com a consciência" é um conceito cristão. Por sinal, a consciência em si, já é um conceito cristão.

Por mais que vc não queira, sua cultura está impregnada de cristianismo.

Guilherme Euclides disse...

fazer download não autorizado é incompatível com ser cristão.

Blogildo disse...

?????

Guilherme Euclides disse...

Não acho o sexo pecaminoso, ou mesmo sujo.

Minha consciência se revolta ao ver templos luxuosos com ouro nas paredes e pastores ricos.

Todos profetas não sabem de nada.

Guilherme Euclides disse...

não acredito em destino

Blogildo disse...

1)O sexo não é pecaminoso. Tampouco sujo!

2) A minha também se revolta ao ver templos luxuosos e pastores ricos.

3) Os profetas não sabem o quê?

4) Também não acredito em destino.

Guilherme Euclides disse...

Pronto. Tá mais do q demonstrado q:

religião não se discute pq todos podem sentir diferentemente.

e q presumir q uma religião seja a verdadeira é desrespeito com a liberdade da pessoas escolher outra qualquer.

Guilherme Euclides disse...

cristão não pode roubar (fazer download não autorizado)

se liga.

Blogildo disse...

Também acho. O que estou defendendo aqui é que o cristianismo impregnou a nossa cultura. E isso não tem nada a ver com dizer que religião A ou B é a certa.

Afirmo que os valores ocidentais foram pautados pelo cristianismo. Por mais que os ateus detestem admitir isso, o senso de certo e errado que eles possuem é, em vários aspectos, determinado pela definição da cultura cristã.

Conhece algum grande pensador liberal antigo que não fosse cristão? Eu não conheço!

Guilherme Euclides disse...

e antigamente só tinha cristianismo?

dê uma lida sobre as religiões da época.

Chega, nunca mais venho aqui.

Guilherme Euclides disse...

e os costumes de todas as épocas e vc vai ver q um não tem nada a ver com o outro

Rodrigo Constantino disse...

Já que meu blog virou palco para este debate religioso, vamos lá:

1) claro que religião se discute, pois para quem não vê nada de sagrado nela, nada mais natural do que questionar. Mas a máxima tem sentido se por ela for entendido que os crentes, estes sim, não estão abertos ao verdadeiro debate sobre o tema;

2) claro que nossa cultura está impregnada pelo Cristianismo, assim como por heranças gregas também. Mas o ponto é que antes de Cristo, muita coisa que foi dita era em linha parecida, sobre o respeito aos outros etc;

3) claro que pode haver respeito aos demais sem religião, e acho muito bizarro quem não concorda com isso, assumindo que faz o "certo" apenas por medo do tal deus criado por homens;

4) claro que podemos reconhecer o certo e o errado pela razão, independente da religião;

5) para mim, religião é uma forma primitiva de filosofia;

6) vários foram os liberais ateus ou agnósticos, incluindo Humboldt, Mises, Hayek, Ayn Rand, Milton Friedman etc.

C. Mouro disse...

caracoles, que as ideologias imbecilizam eu sabia, que corrompem moralmente também é fato, e eu também já desconfiava que endoideciam.
Eis a prova, o tipo escreve:

"O que não dá o sujeito ser INCAPAZ de responder QUAL É A ORIGEM DA NOÇÃO DE CERTO E ERRADO sem ter de apelar para jargões do cristianismo. E ainda se achar o PHoDa pq respondeu: É O INDIVÍDUO!"
.
Pô! o tipo é "cego", safado, mentiroso, burro e doido! ...de onde esse maníaco tirou isso? ...hehehe!
Gostaria que este desequilibrado mostrasse de onde tirou isso, ...
Cruzes credo! que maluco!
Cerebro lavado por ideologias dá nisso; é válido como alerta.
.
Atenção! ...Se você se entregar a ideologias você vai ficar igual ao Blogildo! CUIDADO! ...hehehe!
.
Abraços
C. Mouro

Guilherme Euclides disse...

se toda religião é baseada em dogmas, q são verdades absolutas q não se demonstram

se discutir implica em demonstrar

logo religião não se discute

Blogildo disse...

Religião se discute sim! Foi discutindo religião que a Igreja Católica perdeu sua influência nos países da (falecida) cristandade e o ocidente avançou.

Logo, concordo com o Rodrigo.

C.Mouro, vc ainda não percebeu que estou te distraindo enquanto alguém pega uma camisa de força para te deter?
Mas, enquanto alguém não faz isso, vou te dar uma sugestão: Vire-se em direção a Galápagos. Ajoelhe-se. Repita: Darwin é Deus e Richard Dawkins é seu profeta!

Blogildo disse...

Rodrigo,

Quanto ao item 6 eu comentei lá em cima especificamente "grande pensador liberal antigo".

Digamos que os que vc citou não são exatamente exemplos de antigüidade. Friedman, por sinal, morreu outro dia.

Abraço!

Renato C. Drumond disse...

"Me diga a origem da idéia de certo e errado. De onde vem o conceito. De onde as sociedades modernas extraíram seus pilares de justiça, liberdade e Direito"

Esse é um erro muito comum, a saber, achar que a origem de algo fundamenta a sua legitimidade. O fato de eu desconhecer como instituições importantes para a sociedade humana surgiram não significa que eu não possa teorizar sobre como elas devem se organizar.

É impossível traçar, de maneira exata, como que a moral se desenvolveu dos tempos mais antigos até os dias de hoje. Como bem coloca Hayek, o nosso código moral é fruto de um processo evolutivo. Certas formas de comportamento fizeram determinadas comunidades prosperarem, enquanto outras formas mantiveram essas sociedades num nível menos desenvolvido.

Renato C. Drumond disse...

Da mesma forma que ninguém cria um código moral, ninguém cria o sistema linguístico. Por que uma determinada frase deve ser construída de uma forma e não de outra? Essa é uam questão que não pode ser respondida fora do sistema linguístico. Da mesma forma, não se pode responder a questões "por que o estupro é errado" sem se referir a um sistema moral, que pode ser aperfeiçoado e modificado, mas nunca criado artificialmente. A própria razão humana não opera no vácuo, mas sim através de conceitos e valores que foram herdados do próprio sistema cultural. Isso não significa que a razão humana não possa operar de maneira criativa.

Esse sistema moral não vem de Deus, mas é produto de um processo evolutivo, fruto da "razão humana, mas não da intenção humana". É a ordem espontânea da qual fala Hayek.

C. Mouro disse...

Concordo plenamente com o Renato, pois conhecer a origem não legitima nada.
O certo e o errado é o justo, e no meu entender a idéia de justiça nada tem com costumes, pois que é universal: algo é justo ou injusto segundo análises lógicas, independente da moral que guia o aparato judiciário, que pode mesmo se opr a justiça, embora se atribua, ladinamente, tal nome.
Muito do que até hoje se tem por moral não é devido a lenda cristã, e mesmo os cristãos muito tomaram dos estóicos, pois a pureza cristã levaria ao caos. Sempre haverá sincretismo, como o próprio marxismo atualmente é muito mais cristianismo que marxismo. Apesar de Marx também usar do populismo cristão em contrário a sua pretensão sobre o certo. A moral cristã segundo o que há na bíblia (fonte original do cristianismo) levaria ao caos absoluto, onde a única solução seria a servidão de uns satisfazer os outros. Não há efetivamente uma moral cristã, é o cristo que manda NÃO JULGAR para não ser julgado, e esse trecho analisado no contexto bíblico é o que há de mais podre em termos de pretensão moral. É cristo que manda "dar a todo que te pedir", e também determina: "se roubarem o que é treu não o reclames", manda perdoar quem nos faz mal (nunca revidar) atribuindo mérito a isso em contrário a idéia de justiça. Porém, é o mesmo cristo que espanca comerciantes (uma fantasia apenas para induzir repulsa a tal atividade, pois como o descrito, sem reação dos atacados, faria dos comerciantes os verdadeiros "santos"). E foi esta mesma lenda cristã que em seu populismo estabelece que pobreza é merito (o coitadismo atual) e louva que o pobre será "rico", o que sofre será feliz e etc., e em seguida apnta seu dedo podre para amaldiçoar "ai de voz que sois ricos" e desanda a praguejar contra os ricos, insuflando ódio contra estes. Algo bem de acordo com os interesses do Poder político da "artoridades", que segundo Paulo o são por vontade divina, devendo serem obedecidos, além de recomendar que se pague os impostos e tributos a estas "autoridades determinadas por deus".
Enfim, o que se tem de conceito sobre o cristianismo é mera propaganda, tal qual o conceito que se tem do socialismo e até marxismo, como algo voltado para a solidariedade, fraternidade, "igualdade material", "justiça social" e mais o raio. O socialismo é uma reedição do cristianismo, e o marxismo sincretizou contraditoriamente.
Nunca o ocidente foi tão cristão, por isso a degradação ética, moral, a demagogia, o pacifismo populista (guerra assimétrica), o "direito humano do bandido" (afinal o bandido crente foi ter com cristo logo) e etc. O cristianismo foi a mais bem bolada estratégia para submeter e explorar populações estúpidas: obra de gênio, sem dúvida.
.
Enfim, sem a moral anterior à lenda cristã, seguir cristo seria o caos absoluto. Na verdade o cristianismo é exatamente como o marxismo: uma fantasia impossível que serve para semear rancores e caos, para desta forma se erigir um Poder totalitário.
.
A moral é arbitrária, não se funda na lógica. Contudo é perfeitamente possível chegar a idéia de certo e errado pela lógica, também partindo-se de princípios. Há morais que estabelecem a desigualdade entre indivíduos, concedendo privilégios a uns em detrimento de outros. E isso ocorre independente de consenso, mas apenas imposição de quem controla o Poder. Diga-se poder de destruir e oprimir, pois quando algo atingido pela capacidade de construir, já não se trata de imposição, mas de interesse em beneficiar-se; ou seja, será acordo.
É fato que toda moral, e elas diferem absolutamente, é imposta até que se torne habito, algo como um condicionamento, onde segue-se algo sem saber o motivo (caso dos macacos e o jato d´agua). Mas se até então essa forma foi única no estabelecimento da moral, isso não significa que seja a única forma possível.
....
Abraços
C. Mouro

Blogildo disse...

Zzzzzzzzzzzzzz!

Reeh disse...

direito de morrer ?.sim todos nós temos , mas qual é o sentido da vida?
será que não percebem que a vida aqui na terra é passageira , nós homens fomos constituídos de carne espírito , Deus nos formou para que nós vivesse-mos em vida eterna ,após findar-se a vida material. aqui na terra qual será o sentido de ter vivido materialmente se tivessimos sido criados só parar morrer , é esse o alvo de nossas vidas ? nossa vida inteira é constituída por Deus ...
pois sem a permissão DELE nem se quer respiramos .

religião não cura drogado , Não mesmo ... quem cura é Jesus ...claro ,desde que você Drogado o busque verdadeiramente Crendo que ELE (DEUS) pode .!

tudo na vida tem propósito , Deus tudo fez com propósito ..não vivemos para nossa glória , e nem para que findamos um dia .. mas sim para que a glória seja a Deus em nossas vidas..porque é Deus quem nos da a vida eterna .

nada faz sentido sem ELE (DEUS).

Porque ELE é o Alfa e o Omega , o Principio e o fim ..!


Se foi o homem que deu origem a Deus , porque somos chamados de criaturas ?

religião pode até ser uma filosofia , mas Jesus Cristo é o caminho a verdade e a vida , se n passardes por ELE não alcançareis a Deus .!

o Homem querendo ou Não , sem Jesus
Cristo em sua vida , ela não terá sentido , porque Deus é quem da a vida eterna ... como podes ter a vida eterna se achas que o sentido da vida termina quando morremos ?

mais na verdade , de qualquer forma
o homem terá vida eterna , de forma
benéfica ou maléfica .. vida eterna com Deus ... tendo sua salvação garantida , ou tendo sua vida eterna queimando no sofrimento do lago de fogo do inferno !!

como Biligrã disse ter visto um documentário de um índio tentar colocar o mar em um balde para que mostrasse a sua tribo , da mesma forma há homens que não podem obter tal conhecimento para o sentido da
vida porque ja estão cegos pela heresias e doces envenenados fossem dados a eles come se fossem crianças , pois não sabem oque fala por não terem o conhecimento da palalavra de Deus , e por não saberem o sentido da vida ...