quinta-feira, abril 06, 2006

A Perfídia de Veríssimo



Rodrigo Constantino

O cronista Luís Fernando Veríssimo usa e abusa de seu espaço na mídia para propaganda ideológica, sempre defendendo o fracassado socialismo. Recentemente, chamou de "detalhe" a forma pela qual o governo conseguiu as informações sigilosas da conta do caseiro que denunciou o ex-ministro Palocci. Até à Abin foi pedida uma investigação ilegal do caseiro por Palocci.

Caro Veríssimo, não estamos em Cuba, ilha-presídio que o senhor parece admirar, de longe e do seu conforto. Vivemos num país com democracia e Estado de direito. A forma pela qual as informações foram obtidas não é um simples detalhe, mas algo da maior gravidade. Mostra bem a face autoritária desse governo que o senhor tanto defendeu. Tente evitar o proselitismo que lhe é tão característico.

Agora o colunista ataca novamente, com bastante retórica sensacionalista e zero de conteúdo lógico. Escreve em artigo que tanto a “direita” como a “esquerda” sentem saudades do século XIX. Os motivos da saudade esquerdista seriam os ideais revolucionários que iriam transformar o mundo, a crença da inevitabilidade histórica do socialismo. A nostalgia direitista viria dos tempos em que trabalhadores eram explorados, segundo a estranha ótica do autor. Ou seja, de um lado a saudade pelo sonho lindo, do outro a saudade da exploração. E Veríssimo ainda conclui que foi a pregação socialista que estragou a “perfeição” direitista, calcada nessa suposta exploração. Considero difícil achar algum outro texto com tanta baboseira e inversão em tão poucas palavras!

Veríssimo usa o recente caso francês, país cuja mentalidade elitista ele adora, mostrando a luta de alguns barulhentos jovens pela manutenção das conquistas trabalhistas. Diz que aqueles que propõem a flexibilização trabalhista hoje “babariam” com a realidade do velho século, com crianças e mulheres trabalhando até 15 horas por dia. Alguém precisa avisar ao “ilustre” colunista que antes da revolução industrial estas crianças e mulheres morriam como moscas, de inanição. Será que Veríssimo não sabe que esse trabalho era voluntário, posto que a alternativa era a fome? Será que alguém com a erudição de Veríssimo desconhece que foi o avanço da técnica nesta época que possibilitou que a população inglesa dobrasse de tamanho em menos de um século, enquanto havia permanecido estagnada por vários séculos? Será que o autor ignora que a situação da Polônia, por exemplo, era caótica nesta época, e que tudo que as mulheres e crianças polonesas gostariam naqueles duros anos era das oportunidades criadas na Inglaterra? Veríssimo tem que saber disso tudo. O que ele faz é manipular as informações, comparando a situação atual com aqueles complicados anos. Assim é fácil. Podemos até mesmo concluir que a situação no Haiti não é tão grave, comparada às condições de vida dos babilônicos sob Hamurabi. Fica faltando apenas honestidade intelectual nesta “análise”...

Fora isso, o que possibilitou uma grande melhora na qualidade de vida e condições de trabalho dos mais pobres não foi a “pregação socialista”, nem de perto. Basta ver que onde mais influência teve tal pregação, mais miséria o povo teve. Na verdade, o que garantiu um progresso acelerado para essa gente foi justamente a lógica capitalista, com avanços tecnológicos e competição entre empregadores. Os funcionários da Dell vivem melhor que os cubanos por esta razão, diferente do que Veríssimo tenta nos convencer. Onde a produtividade do trabalho é maior, os salários tendem a ser maiores. Onde o progresso capitalista é maior, as condições do trabalho tendem a ser melhores. E onde há maior competição entre empresas, com flexibilidade de contratos, as reais conquistas dos trabalhadores tendem a ser maiores.

Mas o autor finge não ver nada disso, que é bastante óbvio. Ele finge crer que são leis escritas, sem quaisquer ligações com a realidade do mercado, que garantem a vida mansa para os trabalhadores. As tais “conquistas” na marra, “protegendo” os trabalhadores contra o desemprego e tudo mais. Se fosse tão simples, bastaria colocar no papel salários milionários e garantia de emprego eterno. Até mesmo a felicidade plena poderia ser imposta por lei. Mas a realidade é chata para os românticos sonhadores. E a realidade é que quanto maior a flexibilidade das leis trabalhistas, melhor para os trabalhadores, principalmente os mais pobres. Afinal, a proteção na marra do emprego de alguns significa a exclusão de outros, que aceitariam trabalhar por menos. Não é por acaso que a taxa de desemprego francesa já é o dobro da americana, passando de 20% no segmento dos jovens, justamente os “protegidos” pela bela lei.

Desconfio muito que tanta inversão por parte de Veríssimo não seja apenas ignorância. Trata-se de alguém que escreve bem e leu bastante. Fico com outra opção. Afinal, são artigos e mais artigos onde o cronista sempre encontra um jeito de condenar o “neoliberalismo” e enaltecer o socialismo, nunca com sólidos argumentos, sempre apelando para uma retórica vazia. Na minha opinião, é mesmo pura perfídia.

7 comentários:

Daniel disse...

Rodrigo,

Não sei se será possível discutir contigo, tudo dependerá se és um moderado ou não na argumentação.

Primeiro gostaria que você citasse a fonte histórica que te usas para falar dos fatos históricos aos quais te referes (Inglaterra, Polônia, trabalho voluntário).

Segundo gostaria que você me explicasse, se possível, se o capitalismo atual dito neoliberal ou o modelo econômico neoliberal atual não seria justamente uma tentativa de destruir a concorrência e a busca pela formação de monopólios. Hayek já tinha medo desse fenômeno, e será que não estamos vivendo esse modelo que visa acabar com a concorrência?

Não houveram as grandes fusões de empresas nos anos 90? Esse tipo de fenômeno dentro do capitalismo é saudável na sua opinião?

Rodrigo Constantino disse...

Daniel,

os dados sobre expectativa de vida nessa época e tamanho populacional são conhecidos, por várias fontes. Ortega y Gasset aborda alguns desses dados em A Rebelião das Massas, e Mises fala disso em As Seis Lições.

Sobre as fusões, não vejo problema. O ponto é a possibilidade de entrada de novos players estar sempre presente. Normalmente, é o próprio governo que cria barreiras para isso. Vide o mais famoso cartel de todos, a OPEC, existente somente pelo aval do governo desses países.

Rodrigo

Anônimo disse...

OPEC ?

Morgana disse...

É transparente a revolução social que o capitalismo industrial aportou à Inglaterra,lançando-a no rol das grandes nações no prazo de um século,com consequente melhoria nas condições de saúde e alimentação de sua população,faminta e doente numa estrutura centralizada e agrária pré industrial.Quanto aos monopólios,a própria liberdade e representatividade democrática representa o maior fator de contrapeso aos seus avanços,assim como a plena possibilidade do estabelecimento de concorrência com outros "players".Desde que haja determinação de liberdade econômica e política.Não como aqui e hoje,onde se possibilita a cartelização da ponta da cadeia produtiva,para,gramscianamente,serem detonadas as genuínas forças produtivas básicas desta nação,mostrando com clareza a intencionalidade da concentração do capital em determinados setores corporativados,como forma de se combater a própria economia de livre mercado.

Rodrigo disse...

Concordo com quase tudo, só vale notar que a revolução industrial não foi tão voluntária assim.
Ah, eu perdi a fonte agora, então vocês vão ter que acreditar na minha bela palavra, mas existem muitos relatos de que o governo inglês confiscava terras de camponeses para criar um "exército industrial" artificial. (calando a boca de Marx, diga-se de passagem, mostrando que tais exércitos não se formam naturalmente).

E numa época de tanta miséria como você descreve, o trabalho industrial certamente não é tão voluntário. Não que os capitalistas tivessem direta culpa ou que a presença deles não tivesse realmente melhorado a qualidade de vida, mas "trabalhe ou morra de fome" não é bem uma opção (indiferente de quem seja a culpa).

Hoje as coisas mudaram, lógico, os jovens franceses não vão morrer de fome por causa da reforma trabalhista, mas em um Estado tão burocratizado quanto o Francês é de se esperar que seja altamente corporativizado também; o que me espanta nos liberais é o quanto bravamente defendem tais reformas contra a maré vermelha e o senso comum e bla bla bla; mas esquecem, muito e muito frequentemente, de criticar corporações que só tem seu espaço graças a subsidios e a impossibilidade de entrada de novos "players".
Eu não estou familiarizado com a situação na França, mas se Mises está certo e a liberdade do mercado pode ser medida pela entrada de novas empresas (o que faz perfeito sentido), então no Brasil (e possivelmente na França), falar em livre mercado é uma piada (porque abrir qualquer empresa de qualquer coisa no Brasil é uma tarefa heróica).
Se não há livre mercado, então a retórica de "num livre mercado" também cai; claro, num livre mercado, os trabalhadores voluntariamente se unem a empresas e coisa do tipo; mas se não vivemos em um livre mercado, mas sim numa coleção de oligarquias, podemos usar a mesma retórica?
Acabar com leis trabalhistas é certamente um passo importante para um mundo realmente liberal, mas quando liberais se concentram apenas nesse aspecto, se "esquecendo" de lutar contra todas as distorções que garantem monopólios a poucas oligarquias, então não estamos advogando liberalismo, mas sim fascismo.

Morgana disse...

Exato.Para corrigir o que descrevi no comentário anterior,pretendi dizer que,sómente a realidade agrícola não atendia as demandas de alimentação e saúde da Inglaterra,a industrialização trouxe sim,uma alternativa de vida e um acréscimo de renda para cada família envolvida.
Quanto aos mono e oligopólios,eles existem por falta de organização social amadurecida na liberdade de produção,comércio e mercado.No nosso decantado caso,eles são instrumentos de enriquecimento corporativo e ativos(e intencionais)destruidores do nosso sistema de livre comércio e consumo,ao adulterar,destruir as regras jogo.
É como se vivêssemos num estado oficialmente totalitário...
Bom domingo.

Anônimo disse...

Cool guestbook, interesting information... Keep it UP
Long term care insurance comparison in england levitra viagra What should an average intake of cholesterol be Herbal supplements from south american rainforest