terça-feira, junho 06, 2006

Os Bárbaros



Rodrigo Constantino

"Não devemos aceitar sem qualificação o princípio de tolerar os intolerantes senão corremos o risco de destruição de nós próprios e da própria atitude de tolerância." (Karl Popper)

A Câmara dos Deputados foi vítima de brutal vandalismo por cerca de 300 manifestantes ligados ao Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST), uma dissidência do MST liderada por um petista. Vidros foram quebrados, paus e pedras foram jogados e funcionários foram agredidos, um deles indo parar na UTI. O grupo é o mesmo que havia invadido o prédio do Ministério da Fazenda no ano passado. A lista de crimes perpetrados pelo MST e seus similares é longa, incluindo até seqüestro. Pouco tempo atrás, um laboratório da Aracruz foi destruído. Seus líderes, que deveriam estar atrás das grades, não apenas perambulam soltos por aí, como são recebidos por autoridades governamentais e agraciados com generosas verbas federais. O crime, no Brasil, compensa.

O Estado de Direito é fundamental para qualquer avanço da civilização. Países desenvolvidos costumam contar com um forte império da lei. A impunidade é o maior convite ao crime. Como, então, esperar que a barbárie seja combatida no Brasil quando o partido no governo é antigo aliado dos bárbaros? Tanto o PT como o MST participam juntos do Foro de São Paulo, ao lado de Fidel Castro. Miguel Rosseto, que foi ministro do Desenvolvimento Agrário de Lula, é grande entusiasta do movimento. Tarso Genro já declarou que o PT e o MST têm entre si uma identidade de fundo. A sede do PT gaúcho, que sofreu acusações de ter sido comprada com o dinheiro do jogo do bicho, foi transferida para a Via Campesina, ou seja, para o MST. A Petrobrás, durante a gestão Lula, contribuiu com propaganda para uma revista ligada ao MST. Lula chegou a declarar que a relação entre o PT e o MST era uma relação entre pai e filho. O presidente, que tem a obrigação de preservar a lei, veste o boné dos criminosos. Fica complicado confiar no Estado para a manutenção da ordem desse jeito.

Apesar de todos os crimes bárbaros realizados pelo MST, ainda tem quem acredite tratar-se de um movimento social. Nada mais falso. No fundo, o MST busca apenas o poder. E seu poder vem aumentando muito com o passar do tempo, graças à complacência estatal. Não devemos esquecer que a complacência de hoje é paga com a angústia de amanhã. E se ela persiste, com o sangue de depois de amanhã. A caótica situação colombiana deveria ter ensinado esta lição. O presidente Álvaro Uribe foi reeleito justamente por representar uma ação mais dura contra os terroristas e traficantes das FARC. Há muito tempo se sabe que o MST é apenas um embrião das FARB, Forças Armadas Revolucionárias do Brasil. O recrutamento de militantes vem crescendo de acordo com o aumento de repasse de verbas para o movimento. As invasões, que tanto prejudicam o progresso nacional, são financiadas pelo próprio governo, que auxilia até mesmo na sua logística. Maior inversão de valores é impossível.

O império romano sacudiu com o vandalismo dos bárbaros hunos. Átila conseguiu incutir terror na civilização mais avançada da época. O Brasil não é Roma. Nossas instituições são frágeis ainda, e nosso império da lei é capenga. Nem mesmo os "mensaleiros" estão presos. A impunidade é total. E o governo, que deveria garantir a ordem, flerta ideologicamente com o lado de lá, além de tentar desarmar os cidadãos de bem. Como se defender nessa situação? Será que nos resta apenas ficar à espera dos bárbaros?

7 comentários:

A Nova Direita disse...

Se não tomar-mos providências, urgentemente, o Brasil degenerará numa guerra civil.

Ricardo Henrique disse...

MST a muito tempo não é um movimento social.
Como pode ser um movimento social ligados as FARC, Fidel, Chávez e empresários do mundo inteiro que mandam dinheiro sujo para o sustento da guerrilha MST?
Absurdo tudo isso. E os trouxas, que pagam impostos sustentam o grupo criminoso, alem de arcar com os danos causados pelos mesmos.

Carolina disse...

Infelizmente nossa sociedade deve ser vislumbrada como um viciado em drogas que não quer se curar. Isto significa que possuimos 2 alternativas: chegar até o fundo do poço - se é que já não estamos -e entender que precisamos erradicar completamente todos os vícios para caminhar rumo à salvação, ou simplesmente deixar que a doença tome conta do que ainda nos resta destruindo definitivamente qualquer possibilidade de recuperação. Resta saber qual das opções será a escolhida por nós...

Rodrigo Xavier disse...

Rodrigo, parabéns pelo artigo. Não havia me informado sobre as FARB antes. Investigarei! Em meu blog, afirmo as organizações dos sem terra funcionarem como grupos armados de inspiração totalitária. Apreciaria seu comentário.
Abraço.

Andre P.B. Selva disse...

Quando reinam os bandidos, marginais são os cidadãos de bem...

um policial pode ser punido por balear um "sem senso"para defender sua vida Mas, nada acontece a um "sem senso"se ele matar um policial para depredar o patrimônio alheio....

Nesse pais há uma terrível inversão de valores. Para a guerra civíl, é um passo...Com o apoio de Fidel e com o dinheiro da PDVSA. e empresariado por doações de mal-disfarçados e mal-intencionados esquerdistas americanos(muitos simpatizantes dos democratas) e europeus.Inclusive, empresários como bem lembrou o Ricardo.


Não esqueçam de mensionar que na Bolívia, os movimentos indigenas de uma cidade perto de La Paz( El Alto, se não me engano, é o nome) que iniciaram o processo que derrubou o ex-presidente e abriu caminho para Morales,foram financiados por membros de Ongs européias.

Lisavieta disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Lisavieta disse...

A convulsão social a q o país está submetido tende a proporções irreversíveis, se não tomadas medidas drásticas.
NOSSO dinheiro financiará a rápida reconstrução de todo o vandalismo dos atos dos protegidos do apedeuta...
Parabéns pelo texto.