quarta-feira, março 08, 2006

Educação Milagrosa ou Panacea?

Rodrigo Constantino

“Criar pessoas com elevada qualificação em países onde a atividade mais rentável é pressionar o governo por favores não é uma fórmula de sucesso.” (William Easterly)

Poucos pontos são tão consensuais como o caráter milagroso atribuído à educação para o crescimento econômico e prosperidade de um país. Mas será que tal senso comum encontra respaldo nos fatos? O economista William Easterly, que atuou por anos no Banco Mundial, tenta responder essa questão em um capítulo do seu livro O Espetáculo do Crescimento, cuja premissa base é que os indivíduos reagem a incentivos. No mínimo, o autor consegue forçar uma saudável reflexão.

Através de vários estudos estatísticos, Easterly conclui que a resposta do crescimento econômico à expansão educacional dramática nas últimas décadas tem sido bastante desapontadora. A causa do suposto fracasso das medidas governamentais em prol da educação é, segundo o autor, o fato de que os indivíduos respondem aos incentivos, e se estes não estiverem presentes para um investimento no futuro, expandir a educação terá baixo valor. Em resumo, investir em certas habilidades onde não existe sequer tecnologia disponível para seu uso não irá garantir crescimento econômico.

Como exemplo, Easterly cita os avanços no capital humano de determinados países africanos, ainda que largando de uma base baixa, que não foram correspondidos por elevado crescimento econômico. Em contrapartida, o Japão, que não experimentou um crescimento expressivo no seu capital humano, viveu uma forte aceleração econômica. Estatisticamente, não há correlação entre crescimento nos anos de escolaridade e aumento da renda per capita. Alguns estudos apontam, de fato, que um investimento no ensino básico pode surtir um efeito positivo no crescimento econômico, por determinado período. Mas isso está longe de ser a garantia de sucesso de uma nação a longo prazo, em termos de prosperidade. A conclusão é que a educação parece mais uma fórmula mágica que falhou na entrega das expectativas.

Na verdade, não é tão complicado entender a lógica disso. Quando o ambiente é hostil ao empreendedorismo, quando os incentivos para o investimento no futuro não estão presentes, e quando falta uma competição meritocrática calcada no livre mercado, o indivíduo mais educado ou irá migrar para um país mais favorável ou irá ceder aos encantos da “amizade com o rei”. No primeiro caso falamos do conhecido “brain drain”, onde vários indivíduos de bom intelecto partem para países mais livres e com maiores oportunidades de emprego. Basta lembrar da quantidade de cubanos, brasileiros e indianos com bom preparo que migraram para os Estados Unidos. No segundo caso, temos vários exemplos de que, quando o governo não cria as oportunidades devidas para a geração de riqueza, o ensino perde valor, dado que as atividades valorizadas são apenas as ligadas à redistribuição de riqueza. Passar em um concurso público ou obter um favor político e ser um burocrata compensa mais que disputar como engenheiro uma vaga no setor privado.

A grande falácia dos que depositam fé messiânica na educação imposta e financiada pelo Estado é que ignoram os incentivos individuais, partindo da premissa estranha de que os próprios indivíduos vão escolher algo pior para si. Ninguém mais que o próprio pai vai querer o melhor para seu filho. Como acreditar que políticos distantes, em busca de votos, vão realmente querer o melhor para o indivíduo em si? Logo, se o pai prefere a ajuda imediata do filho na roça em vez de investir na sua educação, é provavelmente porque a educação tem um baixo valor esperado, e não compensa o custo. Essa é a conclusão de estudos da própria Organização Internacional do Trabalho. Forçar crianças a freqüentar a escola sem ter uma contrapartida de valor esperado positivo para tamanho investimento parece ser uma medida inócua.

Em outras palavras, criar gente qualificada onde não há demanda por gente qualificada pode representar um desperdício. Como exemplo sintomático, podemos pensar nos taxistas engenheiros, ou mesmo em prostitutas com diploma, além da migração para outros países, como já foi dito. Não pretendo com isso desmerecer o investimento em educação. Ele parece ser fundamental, ainda que não seja uma condição suficiente para o progresso. Mas a educação parece estar longe de ser o milagre que muitos acreditam, como se bastasse mais investimento estatal nesse setor para que um Brasil virasse uma Suíça. Sinto dizer, mas não é o caso. Sem ambiente favorável aos negócios, possível com maior liberdade econômica, teremos apenas subempregos com diplomados. Mas o povo ainda será muito pobre. Afinal, a educação, sozinha, não faz milagre.

3 comentários:

regina c s caldas disse...

Caro Rodrigo: a Educação atual visando apenas colocar os indivíduos no mercado de trabalho de fato se reflete de forma pífia no desenvolvimento de uma nação. Educação precisa ser enfocada como um bem que se transforme em patrimônio disponível por toda a vida do educando. Como realizar um projeto assim? 1) Fazendo com que o educando se identifique com o que ele estuda. Se na classe de ciências, por exemplo, ele estuda o corpo humano, fazê-lo entender que tudo o que ele aprende se relaciona ao seu proprio corpo e que saber como funciona seu organismo e todas as formas de vida o ensinará a cuidar melhor de sí e da natureza que o cerca. 2) incentivá-lo a amar os livros, levando-o a entender que através dos livros ele se identifica com seres humanos do passado e do presente; que os livros representam fonte inesgotavel de sabedoria e lazer; 3) desenvolver a criatividade; 4) projetos educacionais que não sejam impostos de cima para baixo como faz um governo centralizador. Educação precisa identificar o educando com o meio ambiente que o circunda dando-lhe as ferramentas necessárias para que ele atue neste cenário de forma a melhorar sua qualidade de vida e de seu semelhante. 5) Transmissão de valores éticos dando-lhe chance de desenvolver um caráter bem formado. 6) Uma educação básica de qualidade faz a diferença na vida do individuo em toda a sua jornada pela Terra.

a.h disse...

Rodrigo,

Foste um dos únicos (e creio que o único mesmo) a dizer o que já penso há tempos: educação sem um meio propício ao desenvolvimento é como jogar sementes no concreto. Não funciona.

Sempre trabalhei como professor no ensino privado por questões óbvias, o ganho. Mas, já quis, talvez por algum 'instinto filantrópico' atuar no público. Acabei não exercendo a atividade neste setor, mas muitas vezes me perguntei de que adiantaria.

Digo isto não porque não ache prazeirosa a empreitada, mas porque não "fecha o sistema". Não há muito feedback que resolva a situação quando a maioria dali sairá, na melhor das hipóteses, como empreendedor do mercado informal. E para isto, eles não precisam de mim.

Lourival M. de Souza Jr. disse...

Concordo plenamente com o que você escreveu neste artigo...

Também não vejo na educação a salvação definitiva de qualquer país subdesenvolvido, embora ela seja de grande valia, obviamente...