sexta-feira, maio 15, 2009

Santo Deboche, Batman!



Rodrigo Constantino, para o Instituto Liberal

O ex-policial foragido e chefe de milícia, Ricardo Teixeira da Cruz, foi preso ontem. Batman, como ele é conhecido, havia fugido de Bangu 8 pela porta da frente do presídio, que é considerado de segurança máxima. Com Batman, foi apreendida uma lista com dezenas de nomes de policiais corruptos. Mas o que chamou a atenção mesmo foi o sorriso de deboche do preso, que ainda afirmou: “Não sou bandido, sou um ex-policial”. Como diria Robin, o parceiro de Batman nos desenhos animados: “Santo deboche, Batman!”

O lamentável fato é que o exemplo vem de cima. Como disse o Cardeal Retz, “quando os que mandam perdem a vergonha, os que obedecem perdem o respeito”. Como esperar uma postura muito diferente de um bandido quando os próprios governantes debocham dos cidadãos e da lei? Como esquecer a “dança da pizza”, onde a deputada petista Ângela Guadagnim comemorou a impunidade de seu colega de partido? Ou então Delúbio Soares na época da descoberta do “mensalão”, anunciando de forma profética que seus comparsas ainda iriam rir de tudo aquilo? Ou ainda o próprio presidente Lula beijando a mão de Jader Barbalho e avisando que se tratava de uma aula sobre como fazer política?

Os exemplos são infindáveis. A corja no poder acha graça de tudo que é imoral, contanto que não perca a sua “boquinha”. A ética foi jogada no lixo faz tempo no país de Macunaíma. E tal como o Batman, os políticos safados não se julgam bandidos. Eles estão apenas fazendo o jogo (sujo) da política. Como escreve Eduardo Giannetti em Auto-Engano, “por pior que seja aos olhos dos outros, nenhum homem consegue suportar uma imagem horrível e repugnante de si mesmo por muito tempo”. “A hipocrisia é a homenagem que o vício presta à virtude”, escreveu La Rochefoucauld.

Nesse contexto, nós quase conseguimos admirar ao menos a sinceridade do deputado Sérgio Moraes, que confessou estar “se lixando para a opinião pública”. Pelo menos assim o véu da hipocrisia na política é retirado, restando apenas a asquerosa imagem da realidade desvelada: um bando de oportunistas lutando somente para manter o poder. Nada muito diferente do Batman, só que com o poder das leis nas mãos, e extorquindo mais ainda de suas vítimas.

3 comentários:

a3m disse...

Só por uma questão de coerência: "sinceridade do deputado Sérgio Moraes, do PTB".

Eduardo Silva disse...

O Brasil passa por um fenômeno novo, sob o ponto de vista ético.

Sempre a transgressão às normas éticas, e até jurídicas, culmina com a tentativa desesperada para esconder os atos praticados.

O que fomenta isto no ser humano é o medo da sanção. Seja com manifesta intenção de praticar algo contrário à etica, ou por simples culpa (o "sem querer"), sempre se tenta escapar do castigo social, que vai desde a sanção penal até uma simples fofoca (cair na boca do povo).

No Brasil, diversamente do que quase foi concebido como natureza humana, não há mais preocupação com a sanção, seja do Estado, seja da opinião pública.

A cada dia, se multiplicam os "escandâlos" e os políticos continuam achando que é "perseguição da mídia", expressão bem representativa de um sarcástico eufemismo.

Ninguém está mais preocupado com qualquer tipo de punição às condutas éticas.

Em termos vulgares, pode-se dizer que antes tinhamos, sob o prisma ético, o pensamento do "fudeu!!!". A pessoa cometia um erro e pensava: - putz, não podia ter feito isto.

Agora, prevalece o pensamento do "foda-se". Ninguém está mais nem aí, nem mesmo o Direito Penal consegue exercer sua função de prevenção social.

Estamos no tempo em que não há mais "fatos jogados para debaixo do tapete".

Abraços a todos.

Rafael disse...

Existe uma corja no poder, e outra fora dela.