domingo, setembro 18, 2011

Baderneiros e mimados

Imperdível a entrevista das páginas amarelas da revista VEJA desta semana, com o filósofo inglês Roger Scruton. Sem medo da patrulha politicamente correta, ele mete o dedo em algumas feridas. Abaixo, alguns trechos da entrevista:

"Ninguém mencionou como uma das causas da baderna a deformação causada nesses jovens pelas políticas de estado do bem-estar social. Diversos estudos mostram como clareza a vinculação desses programas assistencialistas com a proliferação de uma classe baixa ressentida, raivosa e dependente. Não quero ser leviano e culpar apenas as políticas socialistas pelos tumultos. As pessoas promovem arruaças por inúmeras razões. Entre os jovens, a revolta é uma condição inerente, um padrão de comportamento. Mas é preciso um pouco mais de honestidade intelectual para buscar uma resposta mais concreta sobre o que ocorreu em Londres. Por debaixo do verniz civilizatório, todo homem tem dentro de si um animal à espreita. Infelizmente, se este verniz for arrancado, o animal vai mostrar a sua cara. A promessa de concessão de direitos sem a obrigatoriedade de deveres e de recompensas sem méritos foi o que arrancou o verniz nessa recente eclosão de episódios de vandalismo na Inglaterra."

"Desculpe-me, mas é resultado de exclusão depredar uma cidade porque você tem só um carro, um apartamento pequeno pelo qual não paga aluguel, recebe mesada do governo sem ter de fazer nada para embolsá-la, compra três cervejas, mas gostaria de beber quatro, e acha que ter apenas um televisor em casa é pouco? Não. Ver exclusão nesses episódios só faz sentido na cabeça de um professor de sociologia."

"O otimismo prejudicial é o desmedido ou, como disse o filósofo Arthur Schopenhauer, o otimismo mal-intencionado, inescrupuloso. É o tipo de pensamento que está por trás de todas as tentativas radicais de transformar o mundo, de superar as dificuldades e perturbações típicas da humanidade por meio de um ajuste em larga escala, de uma solução ingênua e utópica, como o comunismo, o fascismo e o nazismo. Otimismo e utopia em excesso geralmente acabam em nada, ou, pior, dão em totalitarismo."

"Como impor a mesma moeda, o mesmo sistema e o mesmo modo de vida ao alemão trabalhador, cumpridor das leis, respeitador da hierarquia, e ao grego fanfarrão e avesso às normas? Arrisco-me a dizer que a União Europeia é um fracasso porque contém as insanidades institucionais do velho experimento comunista."

"O pensamento utópico sobrevive porque não se trata de uma idéia de fato, mas de um substituto de uma idéia, algo que serve de alívio para a difícil - e geralmente depressiva - tarefa de ver as coisas como elas são realmente. É uma forma de vício, um curto-circuito que afasta os indivíduos da razão e do questionamento racional efetivo. O pensamento utópico nos remete diretamente para um objetivo, passando por cima da viabilidade do projeto. É fácil digeri-lo e se embeber do seu otimismo mal-intencionado e sem fundamento. O problema vem depois, quando a utopia termina em fiasco."

"O problema é que a questão ambiental foi parar nas mãos erradas. A esquerda transformou a proteção ao meio ambiente em uma causa, em um movimento que necessita de intervenções estatais, em um assunto no qual há culpados e vítimas. No caso, os culpados são os capitalistas e a vítima é o planeta. A esquerda adora o culto à vítima."

"Os Estados Unidos, a maior economia do mundo, o maior poderio militar, se tornaram o alvo principal dos ressentidos, dos que se consideram fracassados por causa do sucesso alheio. O ataque às Torres Gêmeas, há dez anos, é uma mostra do que o ressentimento coletivo estimulado pela falácia da soma zero é capaz de causar."

"Eu acordei do meu delírio socialista durante os tumultos de maio de 1968, em Paris. No meio da destruição, das barricadas e das janelas quebradas, percebi que aqueles estudantes estavam intoxicados pelo simples desejo de destruir coisas e idéias, sem a mínima preocupação em colocar algo relevante no lugar. [...] quando uma pessoa começa a pensar sobre as grandes questões que afligem o homem e a sociedade, tende a aceitar as posições da esquerda, pois elas parecem oferecer soluções. Ao pensar além, ao se aprofundar, a pessoa aprende a duvidar e rejeita o argumento esquerdista."

"O conservador reflete sobre coisas reais e sabe que a liberdade verdadeira é obtida sob leis e regras, pois sem instituições não há liberdade, mas selvageria."

21 comentários:

Silvino Ferreira Jr disse...

Um trecho da Wikipedia sobre Roger Scruton: "Scruton came to public attention in 2002 when it was reported he had been receiving a fee from Japan Tobacco International (JTI), and had written about tobacco issues without declaring an interest." Credibilidade zero.

Rodrigo Constantino disse...

Silvino, pode ter sido um deslize, mas não acho que isso anula sua credibilidade, tampouco refuta seus argumentos.

Eu defendo o direito de consumir cigarro, fazendo mal ou não, pois isso é um valor meu. Se a Souza Cruz quisesse me pagar para lançar um livro, por exemplo, eu o faria, desde que dentro dos meus princípios. Claro, deveria ficar claro que a Souza Cruz deu o dinheiro.

Mas é dureza: esquerda vive fazendo "pesquisas" e pagando pensadores por meio de ONGs ligadas ao estado, mas quando uma empresa de petróleo ou tabaco banca algum intelectual, mesmo que ele já tivesse os pontos de vista formados e por acaso alinhados com os da empresa, aí ele não presta. Complicado...

Djalma disse...

Ótima entrevista! Um chute certeiro nas utopias socialistas!

Rodrigo Constantino disse...

Correção: em QUALQUER utopia.

Há utopias de "direita" também, ou libertárias. O filósofo, como conservador que é, desconfia de TODAS elas, de qualquer ideologia que promete a "solução". Estou com ele nessa.

tlorenzi disse...

Excelente!

Silvino Ferreira Jr disse...

Caro Constantino, me desculpe mas não é apenas um deslize. É um deslize gravíssimo, até porque ele é contra o cigarro. Ele mesmo afirmou isso e ainda acrescentou que o pai morreu por conta do cigarro. É vergonhoso para um pensador, não importa o rótulo que ele carrega. Quanto ao seu artigo, o problema dele é que aborda os distúrbios que aconteceram em Londres sob uma única perspectiva e o problema é bem mais complexo. Nem liberais, nem conservadores, têm a resposta, isoladamente. Eu vivo em Londres e acompanho diariamente o que acontece aqui com interesse. Leio o Guardian e o Daily Telegraph, e o que vejo é que cada um vê o problema de acordo com a sua perspectiva ideológica. Esse é o erro. O título do teu artigo, me perdoe a sinceridade, é muito simplista para abordar o problema. Quem dera fosse só isso. Com um abraço, Silvino.

Rodrigo Constantino disse...

Silvino,

A pessoa pode ser contra o cigarro e à favor do DIREITO DE FUMAR. Eu sou contra as drogas, mas defendo sua legalização. Liberais defendem princípios, não apenas interesses.

O título é da entrevista dele, não de artigo. E ele mesmo reconhece que não há uma única causa para o problema; mas a que ele indica tem sua parcela na culpa sim.

samuel disse...

Silvino: "Eu vivo em Londres ..." isso o coloca numa posição superior. ENTENDIDO.

Carlos Magno disse...

Esses filósofos conservadores são mesmo muito engraçados, ignoram os fatos.
´´Ninguém mencionou como uma das causas da baderna a deformação causada nesses jovens pelas políticas de estado do bem-estar social. Diversos estudos mostram como clareza a vinculação desses programas assistencialistas com a proliferação de uma classe baixa ressentida, raivosa e dependente. ``
Ele se esqueceu que foi justamente a falência do Welfare State que possibilitou a ascensão do governo conservador de Margareth Tatcher na Inglaterra. Essa geração de ´´baderneiros`` não foi beneficiada pelo Estado de Bem Estar Social, pelo contrário, ela é fruto das políticas Neoliberais, que tem objetivo não a equidade, mas, o incentivo ao máximo da desigualdade social. Essa geração nada tem a ver com o Welfare State, ela não foi beneficiada pelas políticas do Estado de bem estar Social. Ela representa o seu fracasso de WFS e o abandono do Neoliberalismo.

´´A promessa de concessão de direitos sem a obrigatoriedade de deveres e de recompensas sem méritos foi o que arrancou o verniz nessa recente eclosão de episódios de vandalismo na Inglaterra."
Que promessas seriam estas? Uma educação de qualidade? Uma legislação trabalhista que garanta direitos aos trabalhadores? Saúde pública de qualidade? Tudo isso está ruindo na Europa desde o final da década de 70, só alguns filósofos pra ignorarem os fatos. Então o que eles fazem? Apelam pra fera que todo homem supostamente tem. Além dessa´´Filosofia``, ele deveria estudar História, Sociologia, Antropologia e várias outras Ciências Humanas.

´´Como impor a mesma moeda, o mesmo sistema e o mesmo modo de vida ao alemão trabalhador, cumpridor das leis, respeitador da hierarquia, e ao grego fanfarrão e avesso às normas? Arrisco-me a dizer que a União Europeia é um fracasso porque contém as insanidades institucionais do velho experimento comunista."
Então quer dizer que os alemães são trabalhadores e os gregos vagabundos arruaceiros? Isso é no mínimo discriminação por nacionalidade, é a mais débil das idéias desse sujeito. O que dizer de espanhóis? Chilenos, etc? Bem, a mesma coisa, são um bando de vagabundos que não gostam de estudar nem trabalhar. Além do fantasma do Welfare State, vamos ressuscitar também o fantasma comunista, que não mete mais medo nem em criancinhas...

"O problema é que a questão ambiental foi parar nas mãos erradas. A esquerda transformou a proteção ao meio ambiente em uma causa, em um movimento que necessita de intervenções estatais, em um assunto no qual há culpados e vítimas. No caso, os culpados são os capitalistas e a vítima é o planeta. A esquerda adora o culto à vítima."
Certamente nas mãos da direita a coisa seria bem melhor. Se não fosse uma parte ( ínfima ) da esquerda pra TENTAR conter a degradação ambiental quem tentaria? O mercado? No caso dele, as vítimas são os capitalistas, que não fazem algo melhor ao meio ambiente por causa dos ambientalistas malvados, que são verdes por fora e vermelhos por dentro.

"Os Estados Unidos, a maior economia do mundo, o maior poderio militar, se tornaram o alvo principal dos ressentidos, dos que se consideram fracassados por causa do sucesso alheio. O ataque às Torres Gêmeas, há dez anos, é uma mostra do que o ressentimento coletivo estimulado pela falácia da soma zero é capaz de causar."
O que tem a ver a soma zero com os atentados terroristas? Ele também se esqueceu que os EUA mais de dez anos antes tinham ajudado Bin Laden na sua luta contra os comunistas no Afeganistão. Ele se esquece de Saddam e muitos outros, isso sem falar em toda a trajetória de interferências em diversas partes do mundo que os EUA realizaram ao longo de sua história. No mínimo eu recomendaria que ele lesse alguma obra do Noam Chomsky.

Carlos Magno disse...

"Eu acordei do meu delírio socialista durante os tumultos de maio de 1968, em Paris. No meio da destruição, das barricadas e das janelas quebradas, percebi que aqueles estudantes estavam intoxicados pelo simples desejo de destruir coisas e idéias, sem a mínima preocupação em colocar algo relevante no lugar.``
Ele acordou do delírio socialista e foi pro delírio conservador. Pelo que me consta, a liberdade sexual, a luta contra a discriminação as mulheres, a luta pela diversidade étnica e pelo respeito as minorias influenciaram o Maio de 68, que foi uma consequência da liberdade individual preconizada pelo próprio Liberalismo. O Maio de 68 foi fruto do próprio Capitalismo, como afirmam o comunista Eric Hobsbawm ( A Era dos Extremos ) e o LIBERAL Tony Judt ( Pós-Guerra - Uma História da Europa desde 1945 ) ambos muito respeitados por seus estudos em História Contemporânea, independentemente de suas posições políticas.


´´quando uma pessoa começa a pensar sobre as grandes questões que afligem o homem e a sociedade, tende a aceitar as posições da esquerda, pois elas parecem oferecer soluções. Ao pensar além, ao se aprofundar, a pessoa aprende a duvidar e rejeita o argumento esquerdista."
Quanto mais eu leio sujeitos como esse Scruton e o Pondé mais eu rejeito os conservadores.

"O conservador reflete sobre coisas reais e sabe que a liberdade verdadeira é obtida sob leis e regras, pois sem instituições não há liberdade, mas selvageria."
Eu também respeito as instituições, porém, sei que elas são fruto das ações humanas, e, como os homens agem de acordo com seus próprios interesses, as instituições são fruto desses interesses. A quem serve as instituições que ele defende?

Anônimo disse...

Rodrigo: é MORAL eu colaborar com um suicida que quer se matar? Hora nenhuma eu to contra a liberdade dele, mas será que é só isso?
Acho que é nesse sentido que esse cara perde sim credibilidade.

Rodrigo Constantino disse...

Noam Chomsky? Ninguém merece...

Anônimo disse...

'O que tem a ver a soma zero com os atentados terroristas? '

Dois segundos googando 'jogo de soma zero' mostrariam a resposta óbvia.
Uma troca voluntária é benéfica pros dois, mas as vítimas profissionais saem falando que foram exploradas.

'Então quer dizer que os alemães são trabalhadores e os gregos vagabundos arruaceiros? Isso é no mínimo discriminação por nacionalidade'

Claro que tem vagabundos em qualquer grupo, mas é a Alemanha que está tendo que sustentar tudo sozinha, ninguém duvida disso.
ntsr

Anônimo disse...

a patrulha esquerdoide é forte...

Carlos Magno disse...

´´Dois segundos googando 'jogo de soma zero' mostrariam a resposta óbvia.
Uma troca voluntária é benéfica pros dois, mas as vítimas profissionais saem falando que foram exploradas.``
Então nesse caso as vítimas profissionais foram os EUA, que anos antes ajudaram Bin Laden. Eles criaram a cobra que os picou, depois, se fazeram de vítimas, utilizando o discurso da auto proteção e da liberdade pra invadir o Iraque. Realmente, esse povo que se utiliza do discurso da liberdade nunca me enganou. Eles estão preocupados com a liberdade, mas, SÓ COM A LIBERDADE A DELES.

´´Claro que tem vagabundos em qualquer grupo, mas é a Alemanha que está tendo que sustentar tudo sozinha, ninguém duvida disso.``
Deve ser porque uma parte significativa das dívidas são com os bancos alemães, que obviamente, estão lucrando com tudo isso. Além do mais, uma das reinvindicações de gregos e espanhóis é justamente a falta de oportunidades.

Rodrigo Constantino disse...

Carlos, as faltas de oportunidade têm TUDO a ver com o welfare state e com suas amarras contra o livre mercado.

Anônimo disse...

'esse povo que se utiliza do discurso da liberdade nunca me enganou. Eles estão preocupados com a liberdade, mas, SÓ COM A LIBERDADE A DELES.'

Não misture alhos com bugalhos, os libertários americanos são sim contra essas guerras
http://www.youtube.com/watch?v=pRQmKnYaHTA

ntsr

alexandre disse...

Carlos Magno
apoio seu argumentos e coloco um dado em questão : Berlim está convivendo com queima de carros por jovens toda a madrugada há vários dias. Mas a Alemanha é do povo trabalhador e como não está em crise não tem welfare state ( o estado de bem estar social alemão só aparece em épocas de crise para os liberais).

Nirav disse...

Muito bom Rodrigo.

Tá no meu site com o título: "Utopias, precisamos delas?"
http://br.groups.yahoo.com/group/EncontroNiravKanan/message/8785

Abraços

Gabriel Fernandes disse...

Silvino Ferreira, Carlos Magno, Alexandre,... A lista de Perfeitos idiotas latino-americanos é infinita. Leiam o livro "O Perfeito Idiota Latino-americano", de Alvaro Vargas Llosa e outros, e morram de vergonha.
E, pelamordedeus, respeitem a Gramática, se vocês fazem ideia do que é isso.

Anônimo disse...

A Gramática é uma velharia que deveria estar na lixeira há muito tempo.