sábado, dezembro 15, 2012

O melhor presente de Natal


9 comentários:

Míriam Martinho disse...

Se o amigo doente começar a ler esse kit pelo livro do Pondé, vai é ficar mais esquerdista.

O tal guia politicamente incorreto da filosofia é um amontoado de falácias, generalizações, mofados clichês machistas, exemplos de ignorância pura e simples, em alguns momentos, entre outras pérolas, tudo isso alinhavado para referendar a tese desse mané conservador de que a natureza humana é uma josta, o ser humano é uma josta, a vida é uma josta e que negar essa "realidade" é ser mentiroso, hipócrita e mau-caráter. Nessa última frase, Pondé visa intimidar a consciência crítica do leitor para evitar seu reconhecimento da pobreza do "filósofo". O menininho da fábula diria: "O rei está nu!"

Se o politicamente correto é chato e vigarista, Pondé consegue superá-lo em muito. Aliás, o politicamente incorreto, que parecia a princípio uma saudável reação aos excessos do PC, vem se tornando cada vez mais um simples timbre do arautos do conformismo.

Me senti lesada por ter comprado essa porcaria. E agora fiquei até com receio das outras obras do kit. Pelo que leio de você e do Villa, acho que vale o investimento na compra de seus livros. Mas e os dois do Narloch? Me deu medo de pagar para ver. O preço é caro.

razumikhin disse...

Chegou atrasado. A Petrobrás já foi privatizada pelo PT, faz tempo. Aliás, pensando bem, talvez eu prefira o PT ao Rockefeller. Foi dureza decidir, mas é isso mesmo.

Anônimo disse...

Realmente, tem muita coisa melhor que poderia estar no lugar desse livro do pondé aí

Anônimo disse...

Artur Nogueira diz:
Já comprei, não o kit, mas PRIVATIZE JÁ. Comecei a ler, é excelente, eu recomendo.
Parabéns ao Rodrigo Constantino.
Agora em relação ao Pondé, eu penso que ele quer aparecer. Penso que ele mistura "alhos com bugalhos".

rodrigo disse...

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/escandalo-bilionario-na-petrobras-resta-agora-saber-se-ao-fim-da-apuracao-alguem-vai-para-a-cadeia-ou-quem-privatizou-a-petrobras-mesmo/

Salvatti disse...

A primeira vez que me questionei sobre a qualidade do Rodrigo Constantino foi quando descobri Pondé citado em seu blog. Eu já tinha sido avisado por outros colegas. Parceria infeliz com esse “filósofo”. Toda vez que leio Pondé, eu fico com a impressão de que ele não citou a fonte. É clara a falta de intimidade do autor com o liberalismo e com a lógica. Sinto falta até na redação desse acadêmico. Essa polarização na divulgação do Privatize Já me fez desistir de comprar o livro para priorizar outras leituras. Quando CartaCapital citou Constantino (eu não achei a tal matéria), também se viu um aproveitamento indevido neste blog, quando se preferiu a super exposição da pessoa em vez de seus argumentos.
Essa “direita” é mais do mesmo?

Boas colocações da Míriam Martinho.

Sugiro uma revisão disso tudo.

Rodrigo Constantino disse...

Que argumentos tinha para responder na Carta Capital? Se vc ler a matéria, verá que só há mentiras.

Pondé toca em certos pontos muito importantes, mexe com a ferida narcísica da era atual, politicamente correta e afetada demais. Acho super válido.

Salvatti disse...

Rodrigo,

Quando eu leio um texto do Pondé, fico na dúvida sobre a orientação. Os trechos válidos em Pondé que você chama de “certos pontos muito importantes” (eles existem, concordo) fazem parte de um todo pouco coeso que dá mais razão a quem não tem razão.

Para a CartaCapital, não entendo necessária qualquer resposta. Você deu algumas (os posts ‘Confissões’, ‘Novas Confissões’, ‘A encomenda’ e ‘Os negros da Carta Capital’). Atenção é o que querem e precisam esses menores da esquerda. Resposta você pode dar ao leitor do seu blog, sobre o modus operandi que se critica e é comum em CartaCapital. Algo sóbrio, combativo, como você gosta (eu também) e bem faz.

É só um feedback meu.

Marcio

Anônimo disse...

Li o " Guia Politicamente incorreto do Brasil " , gostei. O da filosofia foleei e não vi nada de novo, de interessante, provavelmente não vou comprar. O da America Latina vou adquirir quando terminar flor obsessão 1000 melhores frases nelson rodrigues. Isso se eu não adquirir alguma obra do maior gênio da historia literária brasileira, como o reacionário ou cabra vadia