quinta-feira, outubro 19, 2006

Mauá ou Lula?



Rodrigo Constantino

Em 1852, numa cerimônia de inauguração de uma estrada de ferro, Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, fez com que o Imperador D. Pedro II se curvasse num gesto simbólico de trabalho, com uma pá de prata e um carrinho de jacarandá. A humilhação foi tanta que o imperador guardou forte ressentimento. A metáfora do gesto estava clara: todos deveriam obter seus recursos pela via do trabalho, inclusive a aristocracia acostumada a viver explorando os escravos.

Mauá foi um ilustre empreendedor, o maior que já existiu no Brasil. Bastante esforçado desde pequeno, educado por um comerciante inglês, trilhou uma incrível trajetória de sucesso, se tornando o homem mais rico do país. Foi um inovador, trouxe enorme progresso para o Brasil em diversas áreas, fundou seu Banco do Brasil, inovou com um tratamento isonômico entre homens livres e escravos, enfim, foi de uma relevância sem igual para os avanços de nossa nação. Foi o ícone de uma mentalidade que infelizmente representa uma minúscula minoria na terra brasilis, do herói Macunaíma, onde parasitar rende mais que lutar por conta própria para vencer na vida.

Comparar a vida de Mauá com a vida do presidente Lula é crucial para a constatação de nossa triste realidade. Permite que possamos entender melhor os motivos do país ser o eterno gigante adormecido, desperdiçando oportunidade atrás de oportunidade para virar uma potência mundial. Afinal, os dois representam rumos diametralmente opostos, e a história brasileira é a história onde o tipo de Lula predomina sobre o estilo Mauá.

Ambos foram muito pobres na infância, e Irineu começou a trabalhar aos 9 anos de idade, após a morte de seu pai. Aprendeu rápido as coisas, foi um autodidata, aproveitava as horas vagas para a leitura de bons livros, mostrou-se confiável e galgou responsabilidades maiores no seu trabalho, até ser contratado por Carruthers, comerciante inglês de sucesso. Teve que se virar para aprender a língua estrangeira sozinho, em pouco tempo. Comparemos isso com a trajetória de Lula, que jamais esforçou-se sequer para aprender sua língua natal de forma correta, ainda que tivesse todo tempo e dinheiro do mundo para tanto. Mauá demonstra a obstinação da vitória, o desejo de subir na vida sem depender dos outros. Lula aparece como o acomodado que logo descobriu que repetir bravatas para multidões de insatisfeitos era mais vantajoso que trabalhar duro. Enquanto um focava na construção de riqueza, o outro pensava em como tirar riqueza dos demais. Uma diferença gritante.

O progresso inglês sempre foi um grande motivador para Mauá, que sonhava em replicar no Brasil o sucesso externo. Copiar modelos bem sucedidos parecia algo lógico para Mauá, que gostaria de ver seu país progredindo, com ferrovias, luz, indústrias etc. O livre comércio era o evidente caminho para tanto, e Mauá sabia disso, defendendo tal modelo num país atrasado, onde a agricultura na base da escravidão era vista como o rumo correto. Mauá foi uma voz de bom senso numa multidão de retrógrados. Já Lula usa o sucesso alheio para alimentar a inveja do povo, fala dos Estados Unidos como se a riqueza deles tivesse sido criada às custas de nossa miséria, vai na contramão da trajetória de maior abertura comercial e liberdade econômica. Se Mauá teve como enorme obstáculo ao seu empreendedorismo o aparato estatal, Lula representa justamente este, contra todos os que tentam empreender num país que faz tudo para tornar isso impossível, com carga tributária gigante, burocracia asfixiante, rígidas leis trabalhistas, ausência de império da lei etc.

Na questão ética é até covardia comparar Mauá com Lula. Quando o já Visconde de Mauá estava à beira da bancarrota, usou seus bens pessoais para honrar as dívidas com terceiros, chegando a vender as jóias de sua mulher. Não queria deixar os outros na mão, e pretendia honrar seu nome. Lula, além de presidir o governo mais corrupto que já existiu, com inúmeros ministros e funcionários de confiança envolvidos em escândalos de corrupção, utiliza o dinheiro dos outros para comprar votos e se manter no poder. Libera verbas para agradar políticos, aumenta os salários antes das eleições para comprar votos, distribui esmolas para manter os pobres sob seu domínio, tudo com o dinheiro dos pagadores de impostos. Ignora totalmente a questão ética, pois considera que o fim – no caso manter-se no poder – justifica quaisquer meios, por mais espúrios que sejam. Há um abismo moral que separa alguém como Mauá de alguém como Lula.

Em resumo, Mauá é o ícone do empreendedor, do homem que faz, daquele que cria riqueza, trazendo progresso e empregos para seu país, mesmo que diante de muita adversidade. Já Lula é a adversidade em pessoa, representa o obstáculo para os criadores de riqueza, o parasita que suga a riqueza dos outros, o populista que joga pobres contra ricos para se sair bem. Se Mauá é o tipo de homem que toma iniciativas, Lula é o tipo que apenas critica. Se Mauá é o tipo que assume riscos, Lula é o tipo que se aproveita do risco tomado por terceiros. Se Mauá é o tipo que busca soluções, Lula é o tipo que fica apenas lamentando. Se Mauá soma, Lula divide. Se Mauá assume responsabilidades, Lula aponta culpados, ainda que bodes expiatórios. Se Mauá consegue acabar com a fome de muitos gerando empregos, Lula limita-se a repetir que vai acabar com a fome mundial, num patético devaneio de megalomania. Se Mauá é o hospedeiro, Lula é o parasita.

Infelizmente, o povo brasileiro demonstra preferir os valores errados, enaltecendo a figura de um Lula, enquanto condena os empresários, o lucro, a iniciativa privada. Enquanto estes forem os valores escolhidos pelo povo brasileiro, o Brasil jamais será a potência que pode ser. Irineu Evangelista de Souza sonhou com um país diferente. Ao que parece, os entraves criados pelo Estado têm, desde então, impossibilitado que tal sonho realize-se, muitas vezes transformando-o em pesadelo. Resta ao povo, se quiser um caminho diferente, escolher: Mauá ou Lula?

22 comentários:

Adriano Oliveira disse...

Mauá é meu ídolo!

Conseguiu obter um patrimônio maior que o orçamento do império! Faliu duas vezes e tornou a ficar rico, uma situação impensável para o Brasil de hoje.

Hoje Mauá seria aniquilado pelo peso da corja petistas e seus 40%(PIB) de impostos, da burocracia asfixiante e do clientelismo.

Mauá com certeza iria fazer o Lulla TRABALHAR (coisa que pouco fez na sua vida), como o gesto simbólico de por o imperador para cavar uma vala para o trilho da estrada de ferro.

Mauá é o ícone do Brasil que poderia ter dado certo! Suas empresas estão até hoje vivas, inclusive o Banco do Brasil, que nasceu privado...e depois foi boicotado pelo Estado Brasileiro e obrigado a ir falencia. Agora é Estatal e serve para enfiar pelegos petistas e sustentar parasitas públicas.

$ disse...

Ótimo artigo Rodrigo. É realmente forçoso reconhecer que nosso atraso é porque o povo escolhe o parasitismo. Essa é a desgraça da democracia irrestrita...

Alexsander disse...

A palavra convence, mas o exemplo arrasta.

Qual não seria a empolgação dos operários ao ver o Imperador pegando firme, junto com eles?

Paulo X disse...

Caro Rodrigo,

Quando li a brilhante biografia de Jorge Caldeira fiquei deprimido ao constatar que o nosso país não havia mudado NADA em 150 anos.

O Brasil certamente seria muito diferente se tivéssemos mais Mauás e menos parasitas como Lula e sua corja...

joão ferreira dias disse...

gostei do blogue.abraço de Portugal.

Anônimo disse...

Patética essa comparação. Caro Rodrigo Costantino, pelo seu perfil, até hoje vc nunca trabalhou na vida: viveu de letras, de utopias, de MBAs, de crises existenciais e da ficção fácil do mundinho universitário. Isso explica o seu esforço hercúleo em tentar comparar o Barão de Mauá com o Lula, como se isso fosse de alguma forma possível ou razoável... Mas não se preocupe não, e deixe de se angustiar: sua voz jamais será ouvida ou compreendida pelas massas. Saudações coloradas.

Nathi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Nathi disse...

Caro Rodrigo, gostei muito do post.
Explica para o amigo aí em cima que quem nunca trabalhou foi o Lula, que sempre viveu ás custas de sindicatos que o bancavam.
Que em seu 1° emprego como metalúrgico o coitadinho amputou o dedo (nada proposital);

E que infelizmente o Brasil é tão atrasado que sua voz será difícil ser ouvida pelas massas.

Quem vota no Lula tem mesmo que se manter com esmolas, ou melhor, tem que morrer de fome.

Rodrigo Constantino disse...

"pelo seu perfil, até hoje vc nunca trabalhou na vida: viveu de letras, de utopias, de MBAs, de crises existenciais e da ficção fácil do mundinho universitário."

Coitado do sacripanta. Não é difícil entender porque o coitado se mantém no anonimato...

André disse...

O tal do anônimo é tão frustrado que cinge-se apenas a adjetivar o assinante do texto, sem se dar ao trabalho de refutar a tese proposta.

E apela para o velho, mas sempre eficiente jargão: sua voz não será compreendida pela massa.

Lógico que não. Os burocrátas que aí estão não deixariam nunca.

O importante é condenar 'as zelite'.

Anônimo disse...

Esse texto traz à baila a liberdade consciencial, a qual o autor sabe lograr. Isso sim, não é palavrório, e sim um texto em um nível assaz profundo de análise. Seus textos fincam nas piores feridas do PT. Eu não boto mais pilha, eu ligo o gerador!

Barros, estudante do curso de Filosofia da UCSAL.

Anônimo disse...

ALÔ! REPÓRTERES INVESTIGATIVOS

ALÔ! MPF!

ALÔ! PF.

Abrindo um bingo em MT (e dono de outro na Grande Florianópolis/SC) Mauri não esconde o que sabe das recentes investidas de Lula e do PT sobre os bingos. Relata que meses atrás houve uma reunião em Caxias do Sul/RS, convocada por figurão do PT, entre donos de bingos e....o próprio Lula.
Na ocasião Lula foi duro e direto ao assunto: "quero R$30milhões para a campanha ou mando fechar tudo essa porra".
Responderam que a grana era demais, que não dava...
A ameaça foi cumprida. Os bingos fecharam no RS.

Também relata que houve a mesma chantagem com os bingos de SP. Ali Lula pediu 20milhões. De dólares. MAIS 4milhões de dólares por mês.

Lula avisou que a coisa funcionaria assim em SP:
- Os bingos seriam fechados;
- Poderiam funcionar com liminares;
- deu o NOME DO JUIZ onde as liminares deveriam ser pedidas.
...é assim que os bingos estão funcionando em SP? Investiguem.

Anônimo disse...

Lula é uma boa pessoa. Só provou por A + B que é um PÉSSIMO líder. Não impõe respeito nem na cozinheiro do planalto, quanto mais no presidente da Bolívia ou nos corruptos do seu próprio partido que roubam enquanto ele joga uma pelada.

Não é uma questão de caráter, mas uma questão de INCOMPETENCIA mesmo.

O Brasil só tem saída para melhorar quando acabarem com a política. Esses inúteis que fazem muito pouco e se alimentam do dinheiro público como parasitas. Trabalham 3 dias por semana, não possuem folha de ponto nem metas a atingir. Possuem auxílio paletó, viagem, empregada, gasolina, alimentação, etc. São uns MERDAS sustentados pela nação a peso de ouro!

Precisamos de outro Getúlio Vargas, de um novo Estado Novo.

bianco disse...

É preciso sim, vencer as eleições.

Não esqueçam o caso do Afif, que fez uma campanha chocha e desanimada e perdeu por apenas 4% para aquele retardado mental.

Vamos à luta. Uma banana pras pesquisas. Se pesquisa ganhasse eleição, Paulo Souto seria governador da Bahia no 1.o Turno e Germano Rigotto seria 1.o colocado no RS. Ambos nem passaram pelo 1.o Turno...

REGRAS PARA VIRAR O JOGO ou
COMO CHEGAR AOS SEM-INTERNET

1 - Comecem pelos familiares. Conversem com cada um. Garantam esses votos.

2 – TELEFONE. Liguem pros parentes: tios, tias primos, avós, etc. Conquistem estes votos. Vale chantagem emocional.

3 - Abordem os amigos(as). Insistam em convencer os céticos. Expliquem o perigo que o Brasil corre com Lula.
a) perigo do confisco de dinheiro dos poupadores. É real. Comprovem.
http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=1784
http://www.camara.gov.br/sileg/MostrarIntegra.asp?CodTeor=327088
b) perigo do controle total da imprensa. Tudo será apenas propaganda esquerdista.
c) perigo do controle total da internet. Idem (ver China).
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/story/2006/01/060125_googlecensurachinacg.shtml
d) perigo do fim da liberdade individual, sob pretextos edificantes, devido a b) e c).;
e) perigo do aborto até os noves meses de gestação;
www.olavodecarvalho.org/textos/mensagem_esperancaevida.html
http://www.youtube.com/watch?v=NCS7o3LV0qg&mode=related&search=
f) perigo da liberação total das drogas (Lula já liberou parcialmente desde 10/10);
http://www.claudiohumberto.com.br/ (ver na data de 10-10-06)
g) perigo da destruição do agronegócio, com escassez de alimentos, alta sucessiva dos preços e volta da hiperinflação e o dinheiro não valendo mais nada;
h) perigo da ditadura sindical-comunista e da eternização do PT no poder, como Chávez na Venezuela.
http://www.youtube.com/watch?v=0pX_i-f-VMs&mode=related&search=

4 – Aos que são empregados, convençam seus colegas a não votar em Lula.
a) funcionários públicos: mostrem que com Lula teremos impostos e juros altos (a ‘bolsa-banqueiro’) => menos investimentos => menos impostos => menor orçamento público => menos chances de reajustes salariais (ou reajustes mixurucas).
b) empregados de empresas privadas: expliquem aos colegas que com Lula teremos impostos e juros altos (a ‘bolsa-banqueiro’) e dólar baixo => menos exportação => menos vendas => menos investimentos => MUITOS PERDERÃO O EMPREGO.
Com dólar muito baixo => a agricultura vai quebrar (recebe poucos reais pela venda) => menor produção de alimentos => escassez => os preços vão subir toda hora => volta da inflação => o dinheiro (já pouco) não valerá mais nada.
DESEMPREGO + ESCASSEZ + INFLAÇÃO ALTA + DINHEIRO PERDENDO VALOR => com bolsa-família de R$ 60 (by Lula).

Digam: enquanto isso Lulinha......R$ 15milhões!


5 – Falem com sua empregada doméstica. Peçam para ela (e a família dela) para não votar em Lula. Digam a ela que se Lula for eleito a situação econômica vai piorar e provavelmente ela será demitida. Perguntem a ela se prefere viver com o salário de R$500 ; 700 ; 1.000 ou com os R$ 60 do bolsa-família de Lula.

6 – Aos que tiverem empresas (escritórios, comércio, indústrias, fazendas, etc) reúna e fale a seus empregados da NECESSIDADE de eles (e famílias) não votarem em Lula.
Digam a eles que se Lula for eleito a situação econômica vai piorar e provavelmente você SERÁ OBRIGADO A DEMITIR MUITOS DELES PARA NÃO FECHAR. Pergunte a eles se preferem o emprego que têm ou risco real de perdê-lo e de viver com os R$ 60 do bolsa-família de Lula.

Buda Petermann disse...

Texto estupendo!

peço perdão pela minha ignorância em limitar meu comentário a éssa simples frase.

Ronaldo HP disse...

Parabéns Rodrigo!!!

Só uma cabeça potente e criativa para ter a feliz idéia e a competência para comparar tudo com nada!!!

Anônimo disse...

É Constantino..... e o povo, infelizmente preferiu LULA.

Anônimo disse...

se todos os empresários se comparassem ao Mauá....

se todos os políticos se comparassem ao Lula....

aí sim o país tirava o dedo....
mas com políticos e empresários como esses que escrevem esses textos o país ñ sai do canto mesmo

Thiago disse...

Cara, falas besteira d+...

Lula foi uma das pessoas mais determinadas q o Brasil já teve...saiu da miséria e chegou à Presidência da República.

Ele tentou mudar o país pela AÇÃO, como Mauá....e teve vários opositores e obstáculos, como MAUÁ!

Agor vem tu, um idealista da internet, querer criticar um cara q saiu da miséria EXTREMA ( duvida q imagines como é ) e chagou ao cargo Máximo do país?! Me desculpe!Por méritos, ainda prefiro Lula e Mauá!

Lemuel Costa e Silva disse...

Parabéns pelo artigo. Mauá é também meu referencial de empreendedor, homem de negócios e patriota!!! Uma pena que é pouco falado, conhecido e explorado nas escolas.

______________ disse...

Não sou defensor de Lula, mas confesso que com ele no poder, tivemos avanços sim. Engraçado que sequer o nome de Fernando Henrique foi citado.

Anônimo disse...

"O melhor programa econômico de governo é não atrapalhar aqueles que produzem, poupam, investem, empregam, trabalham e consomem." -- Barão de Mauá