quinta-feira, abril 26, 2007

A Democracia na América


Rodrigo Constantino

"Democracia e socialismo não têm nada em comum além de uma palavra: igualdade; Mas note a diferença: enquanto a democracia procura a igualdade na liberdade, o socialismo procura igualdade na restrição e servidão." (Alexis de Tocqueville)

Alexis de Tocqueville escreveu seu clássico Democracia na América buscando contribuir para a preservação da liberdade na França, durante a conturbada transição da aristocracia para a democracia. Apesar do tempo transcorrido, o livro continua atual e válido em vários aspectos. Tocqueville reconhece a importância do caráter nacional americano para a liberdade existente no país, e dá crédito aos religiosos puritanos pela moldagem desse caráter. Ele nasceu em 1805 em Paris, numa família aristocrática que foi vítima da Revolução Francesa. Viajou para os Estados Unidos em busca de um escrutínio cuidadoso de todos os elementos da vida americana. O que ele constatou lhe marcou profundamente, e rendeu o excelente clássico.

Entre as observações que fez sobre o país, consta a extraordinária força das associações voluntárias no dia a dia da vida americana, como uma força social muito mais potente e extensiva que o Estado. Se os franceses se voltavam para o Estado, e os ingleses para a aristocracia, os americanos formavam livres associações uns com os outros quando precisavam ou demandavam alguma coisa. Assim praticavam o autogoverno. Não dependiam do governo, mas se organizavam para alcançar os próprios objetivos. Ele concluiu que a lei da associação é a primeira lei da democracia. Ele disse: "Entre as leis que governam as sociedades humanas, há uma que parece ser mais precisa e clara do que todas as outras. Se os homens devem continuar a civilizar-se ou tornar-se civilizados, a arte de associação deve crescer e melhorar, na mesma proporção em que aumentam as condições de igualdade". Muitos países subdesenvolvidos apresentam instabilidade política justamente por conta desse problema: a igualdade na participação política cresce muito mais rápido do que essa "arte de associação". Tocqueville foi enfático: "A ciência da associação é a mãe da ciência; o progresso de todo o resto depende do progresso que ela realiza".

Os americanos imaginam, segundo observou Tocqueville, que está em seu próprio interesse fazer contribuições para o bem-estar comum e o bem público. O futuro deles e de seus próprios filhos se beneficia disso. O bem público está assim associado ao próprio interesse de cada um. Não é preciso falar em altruísmo, pois a própria busca da satisfação dos interesses particulares já leva um povo mais avançado culturalmente a cuidar dos bens comuns. O americano sente que a coisa pública é sua também, é de todos. Disso deriva a defesa de uma igualdade perante a lei. Isso diverge da postura patrimonialista predominante no mundo latino por tantos anos, onde o Estado é visto como um bem privado a ser conquistado para a Grande Família à custa do restante. Enquanto um americano gritaria para alguém tentando furar fila: "quem você pensa que é?", dando ênfase à igualdade das leis, um brasileiro provavelmente gritaria de volta, caso fosse criticado por furar fila: "você sabe com quem está falando?", ressaltando o peso do privilégio.

A importância que o católico Tocqueville deu ao fator religioso, especialmente o protestante, no sucesso relativo dos Estados Unidos, foi enorme. Conforme resume Michael Novak em seu The Universal Hunger for Liberty, seriam basicamente cinco aspectos mundanos da utilidade religiosa: restrição aos vícios e ganhos na paz social; idéias fixas, estáveis e gerais sobre as dinâmicas da vida; o foco na questão de igualdade perante a lei; uma nova concepção de moralidade como uma relação pessoal com Deus, e, portanto, um motivo para agir de forma correta mesmo quando ninguém está observando; e, através da elevada honra dedicada ao laço do matrimônio, uma regulação tranqüila das regras no casamento e em casa. Uma rede de confiança inspirada pela fidelidade, alimentada dentro do lar familiar e criando filhos felizes, aumentaria as chances de sucesso de um governo republicano.

Esta visão de cunho religioso se aproxima mais daquilo que os conservadores costumam defender, não necessariamente alinhado com o que os liberais pregam. Mas isso não impede que liberais reconheçam na instituição familiar um importante aliado na construção de uma sociedade de confiança, ainda que as bases para tanto não dependam necessariamente do aspecto religioso. O pensador mais famoso em fazer esta ligação causal entre religião e sucesso capitalista foi o sociólogo Max Weber, ressaltando a importância da ética protestante, particularmente a calvinista, no espírito do capitalismo. A predestinação e a conseqüente interpretação do êxito material como prova da graça divina seriam estimulantes poderosos.

Na obra de Tocqueville a escravidão é duramente criticada. Para ele, ela desonra o trabalho, introduz ociosidade na sociedade, ignorância e orgulho, pobreza e luxúria. A distinção entre o sul e o norte dos Estados Unidos poderia ser explicada, em parte, pela influência da escravidão no sul. As bases da teoria social americana estariam presentes, segundo Tocqueville, no norte do país, cujos primeiros imigrantes pertenciam a classes prósperas no país de origem. Praticamente todos tinham recebido educação avançada, e esses imigrantes teriam levado junto boa dose de ordem e moralidade. Mas, acima de tudo, o espírito de empreendedorismo era a marca registrada deles, em contraste com os demais imigrantes. Não haviam abandonado o país de origem por necessidade ou à força, e deixaram para trás posições sociais invejáveis. Estavam em busca de satisfação intelectual, do triunfo de uma idéia, da liberdade. Não aceitavam a perseguição religiosa da terra natal de forma alguma. Este berço faria toda a diferença depois, na fase adulta da nação.

"Eu penso que não existe um país no mundo onde, em proporção a população, existe tão poucas pessoas ignorantes como na América", escreveu Tocqueville. A educação primária estava ao alcance de todos. A maioria dos ricos começou como pobres lá, prosperando por conta própria. Era a terra das oportunidades. Na juventude, eram homens ocupados com o trabalho, portanto. Enquanto tinham gosto para os estudos mais profundos, não tinham tempo, e quando conseguissem o tempo, teriam perdido o gosto. Na América, certo nível comum de conhecimento foi estabelecido, o qual todas as mentes alcançavam. Em outras palavras, surgia uma enorme classe média. O elemento aristocrático, por outro lado, sempre fraco desde o começo, foi praticamente destruído, sem ter praticamente influência alguma no curso dos acontecimentos. Entende-se então um dos motivos pelos quais alguns europeus, especialmente franceses, alimentaram ressentimento pelo país. Insistem que se trata de um povo de "bárbaros", pois no fundo não suportam a idéia de que o título hereditário de nobreza não vale mais nada lá. Ainda hoje é possível verificar resquícios disso, pela animosidade que gera o fato de o homem mais rico do mundo ser apenas certo Bill, que abandonou a universidade para empreender.

Com todas as suas imperfeições – muitas inclusive agravadas desde então, o fato é que a construção dos Estados Unidos tem muito a ensinar para o mundo. Analisar as raízes do sucesso americano, observando o que pode ser replicável mundo afora, separando as idiossincrasias dos valores universais, é trabalho que agrega muito valor na busca da liberdade e do progresso. Alexis de Tocqueville deu um pontapé inicial nesse esforço. O resultado foi um excelente estudo que ainda serve como base para muitas conclusões importantes. Entre elas, destaca-se a livre associação entre indivíduos, independente do mecanismo estatal.

39 comentários:

RIGHT WING disse...

Amigo, com este texto vc endossa o q escrevi abaixo e aqui repito.
Os EUA tem um povo consciente de seus deveres e obrigações, combatente, livre e orgulhoso de sua Carta.

O Brasil tem 55% da população vivendo sob a Lei de Gerson!

Êles (USA) têm a nossa idade e comandam o mundo, nós temos Lula pra presidente!

PQ?

RIGHT WING disse...

REPITO COMENTÁRIO EM POST ABAIXO:

Cai na real meu caro Rodrigo, o Brasil não tem OUTRO caminho, estamos completamente afogados num mar de lama, corrupção, ignorância e populismo!

Para mim está provado por A + B que o Brasileiro não tem educação nem cidadania para se tornar um país "democrático".

O Regime Militar nos beneficia com disciplina e cumprimento das leis de ordem, o que leva o país à paz e ao crescimento e desenvolvimento.

Um país que não tem memória e distorce a verdade, é um país de bossais e/ou aproveitadores.

Estes políticos criminosos que hoje manipulam este país destruiram a integridade do povo brasileiro e hoje somos uma nação de corruptos impunes e descarados.

QUE SAUDADES DOS GRANDES ESTADISTAS MILITARES!!!

HAVIA ORDEM E PROGRESSO NESTE PAÍS HOJE INFESTADO PELA MÁFIA POPULISTA , CRIMINOSA E CORRUPTA!!!!

O REGIME MILITAR É A NOSSA ÚNICA ESPERANÇA!

Anônimo disse...

right wing, que confusão!

defende a liberdade dos EUA
para nós os militares!

êta samba do crioulo doido

RIGHT WING disse...

Nós não somos uma nação preparada para a democracia, e por isso precisamos de ordem para haver progresso.
Não sou anti-americano e acho uma bossalidade culpá-los por nossa incompetência como nação.

SIM, O BRASIL PRECISA DOS MILITARES, PQ NOSSO POVO (PELO MENOS 55% DELE) É PREGUIÇOSO E IGNORANTE, NOSSOS POLÍTICOS CORRUPTOS E A LEI E A ORDEM (magistrados e polícia) ESTÃO COMPRADOS.

Luiz Arruda disse...

Pesquisando na internet, achei outros pontos de vista sobre "Democracia na América".

Link 1

Link 2

Luiz Arruda disse...

Deu erro nos links. Repasso novamente:

http://conservadoredai.blogspot.com/2006/11/igualitarismo-na-estrutura-da.html

http://conservadoredai.blogspot.com/2006/11/alexis-de-tocqueville-e-sua-falsa-viso.html

Luiz Arruda disse...

Ái, deu tudo errado. Alguém pode me ensinar a colocar links nos comentários?

Obrigado.

carlos costa disse...

Caro Rodrigo, você cita a família como uma importante instituição social, porém quando o papa pediu para que os divórcios fossem evitados, ele tinha a mesma opinião, de que a família é uma importante instituição social para a socialização dos indivíduos. Para George Mead, na família é que temos a mais crucial socialização, a dos outros significativos. Talvez sua ótica liberal seja óbice para ver em certos fatos, aspectos bons, mesmo que discordantes da perspectiva do liberalismo.

Rodrigo Constantino disse...

O fato de eu considerar a família uma importante instituição não faz com que eu concorde com o que o Papa disse. Acho um avanço o adultério deixar de ser crime, o divórcio deixar de ser proibido para as mulheres etc, e jamais defenderia que alguém ficasse casado só porque é um "laço sagrado". Não! Acho que devem se separar se isso for trazer mais felicidade, sem dúvida. O que não me impede de ver a família como importante instituição. Aliás, um pai e uma mãe separados mas amigos podem ser mais família que um casal hipócrita que fica junto pela fé mas não se suporta mais.

Rodrigo

Anônimo disse...

Hipocrisia é a homenagem que o vício presta a virtude.

Blogildo disse...

E se um casal que não se suporta mais ficar junto por outra razão que não a fé? Economia, filhos, conveniência etc. Seria também hipocrisia?

Rodrigo Constantino disse...

O assunto tá bem longe do artigo, mas tudo bem...

Blogildo, pelos filhos, acho que o racional é se separarem, se não se suportam mais. Quem fica junto SOMENTE por causa dos filhos age errado, na minha opinião. Se for pelo dinheiro, acho materialismo demais. E nesse caso, não poderiam se detestar, concorda? Seria masoquismo, sairia caro demais.

Eu acho que duas pessoas adultas e livres devem ficar juntas somente se isso as torna felizes, se eles QUEREM isso. Se forçar a se aturar porque a Bíblia ou o Papa disseram me parece irracional. Mas a decisão é de cada um...

Rodrigo

Darci Lima disse...

Já que é irracional não se separar porque o Papa pede para não fazer isso, então, se um casal, não se suportando mais, quiser se separar porque leram no Blog do "Rodrigo Constantino" que isso é racional, então seriam eles irracionais?

Blogildo disse...

Pensando no custo-benefício há quem suporte um casamento infeliz por benefício material, por exemplo. Há mulheres que suportam até a violência doméstica para manter o tal casamento. Há vários exemplos nesse sentido. O ponto é que existem várias motivações (muitas nada louváveis) para se manter um casamento.

Mas você tem razão, Rodrigo! Fugi do assunto (A Democracia na América) com a observação do Costa Souza. E de fato a decisão final é sempre individual.

Rodrigo Constantino disse...

Darci Lima,

Se alguém fizer algo somente porque outro mandou ou disse, sem reflexão própria, será sempre irracional! Seja o Papa, a Bíblia, o Corão, meu blog, qualquer coisa!!! Devemos usar a RAZÃO para decidir as coisas, não uma autoridade qualquer, por obediência cega.

Rodrigo

Darci Lima disse...

Rodrigo, então, para você ser coerente com sua própria lógica, sua resposta, em matéria de divórcio, seria apenas: "use a Razão!" e não "eu acho ..." ou "na minha opinião ...". Com esses achismos e/ou opinionismos, você já está , em alguma medida, influenciando - com sua "autoridade" - alguém a tomar um rumo nessa matéria, sob pena de ser tachada por você de "irracional".

Pergunto se não pode acontecer que alguém, usando a razão, chegue a conclusão que deve-se aceitar a autoridade de outrém em determinados assuntos, sejam pessoais ou não?

Será que o principio de autoridade é irracional "per si"? Se assim for, temos que jogar fora todos os livros de História; pois, não é possível chegar somente com o uso da razão - dispensando a autoridade do historiador-, que D João VI, por exemplo, existiu. Se não for pela fé que você tem em sua mãe, você não é capaz de descobrir que ela é realmente sua mãe. Se você aceita que sua mãe é sua mãe somente porque ela assim o diz, então você - segundo sua lógica - é IRRACIONAL.

Veja que você constantemente cita, em seu blog, autores conhecidos, como Hayek, Von Mises, etc. Citar Hayek, por exemplo, não seria isso uma tentativa de apoiar-se na autoridade dele - como Nobel da paz em econômia - para suas idéias terem uma aceitação melhor por parte do leitor? Certo que você pode não aceitar tudo o que ele diz, mas o cita naquilo que concorda e com isso usa o peso do nome dele.

Você pode dizer também que antes de o citar, pensou sobre o que ele escreveu. Está certo, mas isso não exclui que ao citá-lo, você considera, implicitamente talvez, que ele tem mais autoridade que você, caso contrário não o citaria, apenas colocaria os teus próprios pensamentos.

Darci

Rodrigo Constantino disse...

Darci, claro que eu posso dar minha opinião após minha reflexão, mas se alguém segui-la SOMENTE porque é minha opinião, é irracional. Eis o ponto! Muitos seguem o que o Papa diz SOMENTE porque é o Papa. Isso é irracional, obediência cega.

Rodrigo

Anônimo disse...

right wing

"Nós não somos uma nação preparada para a democracia"

enquanto acreditarmos nisso, nao seremos mesmo!

"NOSSO POVO (PELO MENOS 55% DELE) É PREGUIÇOSO E IGNORANTE"

enquanto responsabilizarmos apenas os outros, continuaresmo a defender a primeira idéia

e assim afunda o liberalismo e o trabalho por uma país melhor

carlos costa disse...

O que é a razão, não me venha com o discurso idealista kantiano da razão pura!!Como chamar alguém de irracional por agir conforme seu arbítrio, seja ele livre ou animal(arbitrio-brutum), a racionalidade é produto das nossas relações sociais, portanto, ralativa. O que é racional para você (um liberal-não obrigatoriamente racional) pode não ser racional para um católico da renovação carismática. São universos cosmológicos diferentes, se alguém quer ficar casado por que o Papa disse, como podemos dizer que ela foi irracional, talvez ela nem seja livre, talvez suas ações sejam condiciondas por alguma entidade metafísica, enfim...

Rodrigo Constantino disse...

xiiiii

razão relativa????? Kant???

xiiiiiiiii

leia meu livro novo para me poupar o trabalho, ok?

dureza isso!

Rodrigo

carlos costa disse...

Veja bem, razão decorre indissociavelmente de liberdade(sugiro que vc saiba disso, vc prega tanto liberdade), para Kant(A Crítica da Razão Pura), todo ser humano é livre se agir com razão pura(algo idealista), por mais que seja influenciado pelo meio social, ou seja lá o que for, ele ainda pode agir com liberdade...
Hegel, já com materialismo dialético diz que só é livre quem tem os meios de produção, então os trabalhadores são escravos...
O que eu disse foi retirado de Gerge Mead, as relações sociais produzem o conceito de racionalidade, de certo e errado, enfim, Durkheim diz que o fato social é variável de sociedade para sociedade, assim a sua racionalidade(conceito) é produzida pele seu meio social...

Desculpe se foi extenso demais.

carlos costa disse...

Desculpe os erros, não fiz copy right...

Darci Lima disse...

Rodrigo, deixa eu perceber qual é o grau de sua rejeição a autoridade. Desculpe, as perguntas podem parecer bobas, mas servirão como termometro.

1) Aceitar a receita de um médico é irracional?

2) Como posso fazer para conhecer um fato histórico de 200 anos atrás sem acreditar na autoridade de outras pessoas?

3) Como você sabe que sua mãe é sua mãe? Análise genética? Mas nesse caso, se você não for o geneticista, então não entraria a autoridade do geneticista?

Mario disse...

Não dá para deixar de rir... sempre aqui falei da importância da solidez familiar para a sociedade e desceram o pau... o Constantino diz que a família é importante, mas, diz que sua liberdade é mais importante do que a família. Que palhaçada é essa?

Neste exato momento discute-se a redução da maioridade penal, no que sou favorável. O maior argumento dos contrários: é preciso investir em educação. Quanto a isso, estou de acordo, mas, é inócuo para reduzir a criminalidade e o motivo é muito simples. Pergunto: além do pudim de cachaça, será que os membros da grande quadrilha (PT) são todos analfabetos? Não estudaram? E os juízes vendedores de sentença? NÃO!!! NÃO É ESCOLA QUE EVITA CRMINOSOS!!! O PRINCIPAL RESPONSÁVEL PELA CRIMINALIDADE É A FALTA DE ESTRUTURA FAMILIAR!!! A educação cuja responsabilidade é dos pais!!!! E não há de ser o pai ou a mãe que se corneiam, que jogam para o ar A RESPONSABILIDADE DE EDUCAR OS FILHOS E SE SEPARAM PORQUE TEM O DIREITO DE SER FELIZ que tem condições!!!! Não há nenhuma hipocrisia no casal que se mantém juntos por causa dos filhos porque NÃO CRIAM CONDIÇÕES PARA ANIMOSIDADE FAMILIAR SE, POR EXEMPLO, RESPEITAR A MORAL ENSINADA POR QUALQUER RELIGIÃO!!!

E, Contantino, não venha com sua palhaçada de dizer que NUNCA APRESENTO ARGUMENTOS...

Mario disse...

"(..) claro que eu posso dar minha opinião após minha reflexão, mas se alguém segui-la SOMENTE porque é minha opinião, é irracional."

PUTZ!!! Não dá para deixar de rir... QUÀQUÀQUÀQUÀ desde quando uma opinião do Constantino sobre família, religião, Papa, moral... é racional???? QUÀQUÀQUÀQUÀ

é... desta vez você acertou em cheio, Constantino... QUÀQUÀQUÀQUÀ

RIGHT WING disse...

Anonymous:

Minha constatação é baseada em fatos!

Veja quem é nosso Presidente e os deputados e senadores eleitos e reeleitos pelo povo (os que tiveram mas votos são os MAIS corruptos)!
Creio q não preciso cita nomes!

Se vc acha que o nosso povo tem capacidade para votar democráticamente, vc vive uma utopia!

Acorda menino!!!!

PS: Ainda por cima NÃO temos um único partido de centro ou direita, TODOS SÃO ESQUERDA!
NÃO TEMOS OPÇÕES! ISSO NÃO É DEMOCRACIA!

RIGHT WING disse...

CONSTANTINO NÃO PERCA TEMPO COM ESTE MÁRIO. ÊLE É UM PETRALHA E CONSEQUENTEMENTE DESPROVIDO DE RACIOCINIO!

Anônimo disse...

right wing

passe um tempo nos eua lendo seus bons jornais e verá o quanto há de corrupção, mas a própria estrutura social é outra

o que não redime a podridao que temos aqui, pior e mais arraigada, naturalizada até

vc mesmo disse: 55% não tem, vamos e tentamos mudar isso, os militares não mudariam, como não mudaram... mantem os ignorantes e apenas vão trocando o cedro de mão e mandando e desmandando como acham que é melhor para eles mesmos... é só olhar a história em todos os aspectos foram um atraso... uma fórmula tosca e atrasada que não deu certo, só nos atrasou...

se não temos agora uma democracia da qual gostamos, com militares menos ainda

e se hoje temos este atraso em relação ao que seria de fato uma democracia é justamente por estes erros históricos que cometemos: como os militares ou a esquerda no poder

tivemos muito pouco do que poderia ser uma esperança de governo democrático

não precisamos ter mais militarismo, precisamos é de liberais legítimos

espero que você entenda pq um é atraso e o outro é avanço, talvez demorado mas um avanço, atrasos podem ser bem rápidos e lentos de corrigir

concordamos num ponto, este mario é um escroto que deve apenas ser ignorado

RIGHT WING disse...

RGHT WING

Para o Anonymous (por favor, crie um pseudonimo):

Não sou Centro, não sou liberal , SOU DIREITA!!!

O Brasil não tem representação de Direita.

TODOS OS PARTIDOS E TODOS OS POLÍTICOS DO BRASIL SÃO DE ESQUERDA.

PFL (DEM) É ESQUERDA LIGHT!!!

Por isso, no Brasil, não há democracia possível.
Nos resta o Regime Militar!

PS: Gosto da sua linha de pensamento, e o considero um interlocutor inteligente, mas creio que vc ainda acredita no Brasil e eu já perdi as esperanças.
Morei 10 anos na Inglaterra e 10 anos nos EUA, sei o que é democracia!

O Mario deveria frequentar o Noblat, Kennedy e Dirceu, aqui não é lugar para pessoas incapacitadas intelectualmente.

Thiago disse...

Mario petralha, da onde right wing?

Ele é dos nossos cara, direita.

Mario disse...

Ei right wing!!! Parece que você não leu... às 11:32 PM, acima, escrevi que o PT é uma quadrilha... hehe

Combato o Constantino porque se diz libertário e, no entanto, CONDENA aqueles que seguem, por livre e espontânea vontade, o líder máximo de uma comunidade que abrange 1/3 do planeta, isso sem falar dos "derivados". O tal "libertário" critica o Papa que, simplesmente, diz para respeitar os princípios doutrinários da igreja (não trair, assumir as responsabilidades na criação dos filhos, não matar, etc.). Insiste numa tal de hipocrisia se o casal se mantém unido mesmo não se suportando e não consegue entender que isso não existe porque quem respeita o casamento e a família não cria situações para "não se suportar". Combato o Constantino por se dizer liberal e, no entanto, é só intolerância aos religiosos. Em tempo: não tenho nenhuma religião.

Mudando para o seu tema, aqui vai um pequeno comentário: quando convidam, com honras, um TERRORISTA (Stédile) para palestrar na ESG, penso que é a desmoralização da última instituição (FFAA) em que poderíamos confiar.

Rodrigo Constantino disse...

Mario, somente alguém mentiroso, supondo ter lido meus artigos, diria que sou intolerante com as religiões! Pelo contrário!!! Defendo o direito de TODAS elas existirem. Contanto, claro, que não tentem IMPOR nada à minha vida. Aí é que mora o perigo, e aí que a ICAR merece muitas críticas.

Mas acho que vc tem direito de idolatrar o Papa, papai-noel, gnomos, o que vc quiser!

Rodrigo

carlos costa disse...

O próprio Friedman disse que as grandes conquistas sociais se tornam possíveis através da persuasão, e não da imposição. Talvez o Rodrigo acredite nisso e queira expressar sua opinião. No entanto o Rodrigo não conseguiu perceber que o Papa publicou aquela solicitação preocupado com a família, responsável, como muitos falam, pela educação, mas em termos sociológicos é socialização dos outros significantes, importantíssima para internalizar os preceitos morais da média das pessoas de determinada sociedade Não sou católico, mas as crianças tem mais contato, hoje, com a internet, do que com os pais, ainda pior se separados.

Rodrigo Constantino disse...

Bom, eu avisei que seria ignorado se não respondesse...

Kleber Men disse...

Parabéns, sei que de certa forma, atendeu meu pedido quando lhe sugeri que escrvesse algo sobre Alexis de Tocqueville. Parabéns pelo artigo mais uma vez. Seus comentário são cada vez mais importantes para a formação de um pensamento livre e sábio.

Macho Verdusco disse...

Então sr(a). RIGHT WING disse...Saudades da dita-dura? Vamos ver; quem sabe pode ajudar fazendo a coisa crescer. Junte-se a mim que não sou de direita e nem de esquerda, mas vou sempre ao CENTRO da questão!!

Mario disse...

Constantino,

Volto a perguntar: chamando-me de mentiroso você eleva ou baixa o nível do seu blog? Por favor, queira explicar sua seguinte afirmação, quando eu disse que "não julgueis para não serdes julgados" significa que Jesus recomenda que olhe para os seus próprios defeitos em lugar de ficar preocupado com os dos outros, você disse, com todas as letras: CONDENO OS IDIOTAS QUE SEGUEM UM HOMEM COMO CORDEIRINHOS. Onde está a liberdade???? A mentira está e sempre esteve em dizer-se libertário e, invariavelmente, não tolerar as escolhas dos religiosos.

Aliás, repito: estou sempre enchendo seu saco porque você é um INTOLERANTE E SE DIZ LIBERTÁRIO!

Mario disse...

Constantino,

Quanto a IMPOR alguma coisa à sua vida, como sempre, você está se perdendo. A ICAR não impõe nada nem aos católicos. Se você pertence a algum grupo, a algum clube, você é obrigado a seguir regras, regulamentos ou seja lá o que for para que a comunidade tenha seus objetivos comuns. Se você não concorda com tais diretrizes, você tem todo direito de tentar alterar ou é livre para sair. A ICAR, como toda igreja, possui sua doutrina e é OBRIGAÇÃO do Papa pregá-la a seus fiéis. Se você não é católico, NADA TEM COM ISSO, muito menos para CONDENAR!!!

Anônimo disse...

pq ainda respondem a este mário?

ficar discutindo com adolescente retardado não é dar muito crédito ao idiota?

não é pura perda de tempo?

não é querer tirar água de pedra?

não é falar para o nada?

não é se igualar a ele?

que tal apenas não lhe dar mais nem uma resposta?