quinta-feira, abril 12, 2007

Direito Natural de Propriedade



Rodrigo Constantino

“Cabe aos homens tal direito aos bens que lhe pertencem, que ninguém tem o direito de lhos tirar, em todo ou em parte, sem o seu consentimento” (John Locke)

O filósofo inglês John Locke nasceu em 1632, e suas idéias políticas acabaram tendo profundo impacto no mundo. Influenciou o Iluminismo, assim como os “pais fundadores” dos Estados Unidos. Locke desenvolveu uma visão alternativa a de Hobbes sobre o estado de natureza, e argumentou que o governo só é legítimo se recebe o consentimento do povo. A proteção dos três direitos individuais inalienáveis – vida, liberdade e propriedade – seria o foco principal do governo. Tal visão acabaria sendo um importante pilar para muitos liberais.

Em seu Segundo Tratado Sobre o Governo, Locke diz que “o maior e principal objetivo dos homens se reunirem em comunidades, aceitando um governo comum, é a preservação da propriedade”. Sem o governo para lhe garantir isso, o indivíduo não poderia desfrutar direito de sua propriedade, já que seria muito arriscada e insegura sua situação, sempre sujeita ao avanço dos demais. Para Locke, este direito deriva de uma lei da natureza, clara e inteligível para a razão. Ainda assim, é preciso um juiz equânime e indiferente, com autoridade reconhecida para ajuizar sobre as controvérsias de acordo com a lei estabelecida. Os homens, sendo parciais, podem ser levados a excessos por conta das paixões, “enquanto a negligência os torna por demais descuidados nos negócios dos outros”.

As leis devem ser objetivas e igualmente válidas para todos. Não cabe ao poder legislativo arrogar a si o direito de governar por meio de decretos extemporâneos e arbitrários. Os homens devem, portanto, ser governados por leis explícitas, caso contrário, a propriedade e a tranqüilidade “continuariam na mesma incerteza em que se encontravam no estado de natureza”. Numa linha semelhante à de Aristóteles, que defendia o governo de leis e não de homens, Locke entende que os homens ficariam em uma situação ainda pior que no estado de natureza caso pusessem nas mãos de um ou de poucos o poder de toda uma multidão. Neste caso, seriam forçados a obedecer a decretos exorbitantes, frutos de “vontades bizarras” ou pensamentos repentinos, sem regras claras e fixas que lhes guiem.

Sem que os homens tivessem direito aos bens que lhes pertencem, onde estes pudessem ser tirados sem consentimento, não haveria nenhuma propriedade verdadeira, uma vez que outros teriam o direito de tirá-la quando lhe aprouvesse. A propriedade dos homens não estaria segura se quem os governa “tiver o poder de tirar de um indivíduo a parte que quiser de sua propriedade e dela dispor conforme lhe aprouver”. E conclui de forma mais objetiva: “Se alguém se arrogar o poder de lançar impostos sobre o povo, baseado na própria autoridade sem a autorização do povo, estaria violando a lei fundamental da propriedade e subverteria o objetivo do governo”.

O direito do uso da força para derrubar um governo autoritário e sem legitimidade também é defendido por Locke no livro. Ele deixa isso claro quando afirma que “em quaisquer estados e condições, o remédio autêntico contra a força sem autoridade é opor-lhe a força”. Afinal, usar a força desacompanhada da autoridade, “coloca sempre quem dela abusa em estado de guerra como agressor, e o expõe a ser pago na mesma moeda”. Esta idéia iria influenciar os revolucionários americanos, cansados do abuso de poder da monarquia inglesa. Sem representação não há tributação.

Sem o direito natural de propriedade, qualquer um pode virar escravo, e faltarão argumentos sólidos para combater isso. Ora, se a vontade da maioria for escravizar a minoria, com base em que alegaremos que se trata de uma injustiça? Alguns críticos afirmam erroneamente que o excesso de zelo pela propriedade privada é coisa de quem pretende proteger os ricos e suas posses dos pobres. Mas Locke deixa claro que tal acusação não faz sentido, quando afirma que entende por propriedade “aquilo que os homens têm, quer na própria pessoa, quer nos bens materiais”. A primeira propriedade que todos têm, inclusive os mais pobres, é o próprio corpo. Se o direito a esta propriedade não é natural, então será possível justificar até mesmo a escravidão. Basta que a maioria assim decida.

Não custa lembrar que os judeus eram minoria na Alemanha nazista. Sem partir da premissa de que eles tinham direito natural de propriedade sobre eles próprios, ficaria difícil acusar de injustiça o Holocausto, já que era a vontade da maior parte do povo que seguia Hitler. Creio que este exemplo dá melhor noção da importância deste conceito de direito natural de propriedade, defendido por Locke e contrário à idéia de que justiça é apenas a vontade da maioria. E sob uma tirania deste tipo, que anula totalmente o direito natural de propriedade, Locke entendia que o oprimido tinha o direito de se rebelar. Ele pergunta: “Seria, pois, admirável a paz entre o poderoso e o fraco, quando o carneiro, sem resistência oferecesse a garganta ao lobo voraz?”.

Deixo a palavra final com o próprio autor: “A razão básica que leva os homens a se juntarem em sociedade é a preservação da propriedade; e a finalidade para a qual elegem e dão autoridade a um poder legislativo é possibilitar a existência de leis e regras definidas que sejam guardiãs e protetoras da propriedade dos membros da sociedade, limitando assim o poder e controlando o domínio de cada parte e de cada membro”.

12 comentários:

Kleber Men disse...

Como disse o jurista Cesar de Beccaria "Quereis previnir delitos? Fazei com que as leis sejam claras e simples". Digo uma coisa, gostaria de ler em seu blog algo sobre a revolução francesa. Gostaria de que vc fizesse uma análise sobre a obra do Tocqueville, é claro, com o seu ponto de vista. Se puder me atender, ficaria muito agradecido.

Morgana disse...

Este artigo me revelou o filósofo John Locke,e suas idéias.Muito bom.

Catellius disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Catellius disse...

Amigos,
Passem lá no meu blog para ler um texto intitulado "A Ressurreição do Socialismo", de meu colega de blog, o Heitor Abranches.
Cliquem aqui para acessá-lo.

Trechos do texto:

"...americanos pensavam que a história havia acabado, com a queda do Muro de Berlim e a fragmentação do gigante soviético. Pensavam que o socialismo estava condenado diante da falência do socialismo real. O próprio FHC, um grande ex-pensador marxista, achava que a Globalização Americana seria irresistível e que a tecnologia da informação jogaria a sociedade mundial em uma nova era de crescimento infinito, e de nada adiantava ao Brasil resistir..."

O texto trata da decepção da década de 90 com os crashs das bolsas, a salvação que veio da China e sua demanda por commodities - o que acabou por fortalecer o socialismo de países como a Venezuela. A substituição do comunista pelo islâmico, como o demônio protagonista do choque de civilizações, entre outras coisas. Passem por lá!
Abração

DANIEL PEARL disse...

Convido vc a ler a entrevista bombástica do ex-repórter da TV Globo, Rodrigo Vianna: demitido após se recusar a assinar um abaixo-assinado defendendo a cobertura eleitoral da emissora, fala com exclusividade ao Fazendo Media e ao blog "Desabafo País" confirma que, de fato, existe interferência política no Jornal Nacional. No final do ano passado, Rodrigo denunciou as distorções praticadas pela TV Globo para prejudicar a campanha de Lula e favorecer Geraldo Alckmin. Mas não aconteceu apenas durante as últimas eleições. Nesta entrevista, Rodrigo conta dois outros episódios em que foi vítima de censura e se pergunta: "Será que a Rede Globo fez uma opção parecida com a da Igreja Católica de Ratzinger: ficar mais coesa, mas também menor e mais reacionária?" Acesse o DESABAFO PAÍS: http://desabafopais.blogspot.com Um abraço, Daniel Pearl.

Freeman disse...

Onde está o Mário agora, aquele que diz que direito natural sem um poder ou divindade não existe?

Se você pegar um elemento da natureza (i.e. não pertencente a ninguém), aplicar seu trabalho nele, transformando-o em outra coisa, essa "coisa" te pertence ou não?

Algum poder precisa dar "consentimento" para que você seja o proprietário daquela coisa? Não, não... você é NATURALMENTE, EVIDENTEMENTE, o proprietário.

As pessoas precisam se livrar dessa idéia de Autoridade com "A" maiúsculo, e tentar entender que ela decorre do consentimento do Indivíduo.

O Direitista disse...

Rodrigo, eu nunca entendi como Locke pode conciliar o direito natural de alguma coisa com a teoria de que todas os nossos conhecimentos e idéias, o que inclui a moral, são obtidos da experiência.

Vc sabe?

Anônimo disse...

"Se você pegar um elemento da natureza (i.e. não pertencente a ninguém), aplicar seu trabalho nele, transformando-o em outra coisa, essa "coisa" te pertence ou não?

Algum poder precisa dar "consentimento" para que você seja o proprietário daquela coisa? Não, não... você é NATURALMENTE, EVIDENTEMENTE, o proprietário."

MARAVILHA!!! Vou soltar um tremendo peido, portanto, transformar o ar, que se supõe que não pertence a ninguém, e vou sair gritando que sou o proprietário do ar!!!

RIGHT WING disse...

CATELLIUS, ENTRA EM CONTATO COM O FRANKLIN MARTINS E FAZ PROPAGANDA DO SEU BLOG NA TV DO LULA!!!!

Anônimo disse...

right wing

para dizer uma bobagem dessas é pq não conhece Catellius e pq nem se deu ao trabalho de acessar o texto que ele indicou

gabriel disse...

Isso aqui está virando blog de propaganda. Agora as pessoas entram e "passem lá no meu blog, escrevi um texto genial sobre...". Esse negócio de se conseguir audiência a todo custo é patético. E ainda escrevem como anônimos pedindo mais audiência. Deprimente...

FRANKLIN MARTINS disse...

Sr. righ Wing disse:

Será com imensa satisfação que receberemos o texto do Sr. Catellius em nossa grade. Já pensamos em destina-lo ao horário de maior audiência que provavelmente será das 04:00 a 5:00 AM. Seja bem vindo companheiro!