terça-feira, novembro 20, 2007

Feriado Racista


Rodrigo Constantino

Comemora-se hoje o “Dia da Consciência Negra”, mais um feriado num país recordista de feriados – como se o país fosse rico o bastante para se dar este luxo. Entendo que políticos foquem sempre em grupos de minorias, buscando garantir privilégios em troca de votos. Entendo também que os demais não se importam, pois afinal, trata-se de mais um dia de ócio nada criativo, para um povo que idolatra a preguiça. Mas é preciso constatar o óbvio, mesmo contra a ditadura do politicamente correto: este é um feriado claramente racista!

No seu famoso discurso “My Dream”, Martin Luther King Jr. enalteceu as passagens da Declaração de Independência americana, que prega um tratamento isonômico das pessoas, considerando que todos são iguais perante a lei. Depois ele condena os atos de violência contra os negros, que eram, de fato, vítimas de absurdos nos Estados Unidos. O racismo intencional era combatido, portanto. E a passagem mais famosa e importante diz que ele tinha um sonho, de que seus quatro filhos iriam um dia viver em uma nação onde não seriam julgados pela cor da pele, mas sim pelo conteúdo do caráter. Perfeito! Justo, íntegro e admirável. Devemos julgar indivíduos por suas ações individuais, por suas crenças morais e sua conduta, por seu caráter enfim. Palavras de um dos maiores líderes negros da América.

Mas tanto o regime de cotas raciais adotados no Brasil como o feriado do “Dia da Consciência Negra” vão à contramão dessa mensagem. Estão fomentando cada vez mais o racismo no país que, até então, convivia bem com sua miscigenação “racial”. Um branco que for barrado de uma universidade por conta do regime de cotas racistas terá o ressentimento alimentado contra os negros. O caso dos irmãos gêmeos foi sintomático, onde um deles entrou pelo regime de cotas e o outro foi vetado. É isso que estão estimulando no país: abandonar totalmente os conceitos de mérito individual e adotar como critério a cor da pele, ainda sujeito a erros grosseiros como este. Se o indivíduo é negro, amarelo, pardo ou branco, isso não diz absolutamente nada acerca de seus valores e caráter. Existem negros admiráveis e negros pérfidos, assim como brancos admiráveis e brancos pérfidos. Mas ninguém é admirável apenas por ser negro, até porque não há escolha moral nisso. Seria como admirar alguém por ser alto ou baixo. Não faz sentido algum.

Sei que nem todos na esquerda aprovam as cotas racistas ou este tipo de feriado, mas são bandeiras claramente esquerdistas. Afinal, a esquerda adora disseminar o ódio entre grupos, pregar a luta entre patrões e empregados, brancos e negros, mulheres e homens, heterossexuais e homossexuais etc. Nossa esquerda parece um abutre, que vive da carniça dos outros, e propaga idéias que dividem em vez de unir. Em breve, poderão sugerir o “Dia da Consciência Gay”, ou quem sabe o “Dia da Consciência Proletária”. Um esquerdista típico não consegue julgar isoladamente os indivíduos, apelando sempre para um coletivismo tribalista. E vai assim disseminando um clima de disputa constante entre grupos, ignorando que quem age, de fato, são sempre indivíduos. É nesse contexto que se tem o “Dia da Consciência Negra”, um feriado totalmente racista.

6 comentários:

MARCO ANTONIO disse...

Constantino,

É, rapaz, é semelhante a certas idéias odiosas, como "consciência ariana" ou coisa que o valha.

Cervantes disse...

No caso dos politicos, voce deveria incluir junto com a esquerda todo o resto. Ontem eu nao vi, ou melhor, só vi apoio ao feriado e a logica que ele defende, inclusive de toda a midia.

augusto disse...

Vou propor o dia da "Consciência do homem heterossexual branco e católico"

Daniel disse...

É racista, e a maioria dos negros ainda comemoram e gostam de ter um dia para eles.

"O mundo quer ser enganado; pois que o seja" Petronius

Candian disse...

Infelizmente os políticos sabem como manipular a massa.Inventar feriados assim como mudar nomes de ruas e avenidas é só uma forma de chegar ao povo e dizer;Foi eu quem fiz,ou tive a idéia.Isso,como você disse,agrada quem a um povo que cultua o ócio.

Dignas de Nota disse...

Muito bem notado!

Só vou fazer um comentário sobre um aspecto periférico do texto: Não faz sentido admirar alguém por ser alto ou baixo, negro ou branco.

Numa visão naturalista do comportamento humano, isso implicaria que não faz sentido também admirar alguém por ser inteligente ou estúpido, preguiçoso ou trabalhador, honesto ou desonesto.