quinta-feira, agosto 07, 2008

O Dragão Olímpico



Rodrigo Constantino, para o Instituto Liberal

Hoje começam os jogos olímpicos de 2008. A competição esportiva é extremamente saudável, além de desafiar os limites humanos, incentivando os atletas a romper barreiras. Mas o esporte tem outro lado mais perigoso. Ele pode ser usado para desviar a atenção das massas dos assuntos políticos, o antigo “pão e circo” que tinha no Coliseu seu ícone romano. O povo, distraído com os jogos, ignora os temas políticos. E como o historiador Arnold Toynbee já tinha alertado, “o maior castigo para aqueles que não se interessam por política é que serão governados pelos que se interessam”. O nacionalismo, que sempre demanda inimigos externos, acaba adicionando mais lenha na fogueira, transformando a disputa esportiva numa guerra tribal, interessante apenas para os governantes de cada país.

As Olimpíadas desse ano contam com um problema adicional: sua localização. A China foi escolhida para realizar os jogos. Um erro diplomático, em minha opinião. A revista britânica The Economist chegou a tratar desse problema em matéria de capa, argumentando que as Olimpíadas vão atrasar as conquistas por maior liberdade no país, que infelizmente ainda vive sob uma ditadura. Os avanços chineses têm ocorrido a despeito dos jogos, não por causa deles. O Partido Comunista Chinês, ao abandonar sua ideologia no campo econômico, precisa legitimar seu controle político de alguma forma, para sobreviver. O “orgulho nacionalista” tem sido um importante aliado da ditadura nesse sentido.

Além disso, como explica Ellen Bork, da Freedom House, em artigo no The Wall Street Jornal, a justificativa da segurança nos jogos olímpicos tem sido utilizada pelo governo chinês para avançar mais sobre as liberdades individuais. Quando tudo acabar e os turistas forem embora, o governo não terá incentivo algum para relaxar o controle. Ao contrário, a sua capacidade de repressão estará fortalecida por causa dos jogos. Regimes comunistas sempre tentaram enganar os estrangeiros com propagandas mentirosas. A impressão que as Olimpíadas podem deixar em muitos turistas poderá ser totalmente falsa em relação ao regime opressor que ainda existe na China. Se isto acontecer, não importa qual país consiga maior quantidade de medalhas de ouro: o grande perdedor terá sido o próprio povo chinês.

23 comentários:

Jeová disse...

Pequim 2008 = Berlim 1936

jonas disse...

Belo texto. Tocou em um assunto ignorado pela maioria da imprensa. O fortalecimento da ditadura pos olimpiadas.

André Barros Leal disse...

Desde a escolha da china para sediar os jogos olímpicos que fui contra. achei uma bela abertura, mas o tempo todo eu pensei o quanto o pensamento individual foi suprimido por essa ditadura. infelizmente, o pais vai passar uma imagem de progresso e benevolencia, mas a cara feia do monstro vai continuar por tras da bela mascara das olimpiadas.

Lucas disse...

Acabo de ver a abertura dos jogos na Rede Globo.Tudo muito bem,tudo muito bom,excelente festa,linda mesmo.


Vários comentários políticos durante a transmissão etc...

Um desses comentários mostra bem o que é socialismo,comunismo ou qualquer outra forma de engenharia social.

Comentaram sobre aquele gigante jogador de basquete chines,aquele que joga na NBA e foi o porta bandeira da delegação chinesa.

Sabe qual foi a história dele?O Partido Comunista arranjou o casamento entre a mãe dele que era a maior mulher da China e do pai dele que era o maior homem da China.Tudo para fabricar um atleta.

Realmente,o indivíduo é só um meio para os fins dos iluminados.

Esse é o Admirável Mundo Novo chines.

Mauricio disse...

Rodrigo Constantino é contra as olimpíadas, afinal estão gastando o dinheiro do imposto dele para levar atletas brasileiros que ele não escolheu, e nem lhe foi perguntado se queria que fossem.

Daniel M. disse...

Em 1980 o Micha chorou de tanta porrada que levou.

Rodrigo Constantino disse...

http://br.youtube.com/watch?v=sVwSx-32uLE

Mauricio disse...

UHAUHAUHAUAHUAHAUHAUHAU
Boa esse video !!!

Não foi dublado não, foi ?

Mauricio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mauricio disse...

O engraçado é que o Alborghetti desceu a lenha, mas é plenamente a favor linchamentos públicos, se bobear ele até copia a idéia de cobrar da família a bala gasta na execução.

sol-moras-segabinaze disse...

Vídeo do Alborghetti e do Lasier Martins, mediador do debate entre o Constantino e o Ciro Gomes.

http://br.youtube.com/watch?v=vWnzm-NsSAU&feature=related


Alto nível.

Mauricio disse...

Vídeo do Alborghetti incitando o ódio contra ricos:

http://br.youtube.com/watch?v=XWgNbo9snrk&feature=related

Mauricio disse...

Olha esse aqui, daria uma disputa interessante com o Constantino, que é favor da legalização de drogas ilícitas, devido a oportunidade de mercado que elas criariam:

http://br.youtube.com/watch?v=8hLJoehl3L8&feature=related

Mauricio disse...

Constantino, eu tive uma idéia, vou pegar alguns de seus artigos e mandar para o Alborghetti !!!

Será que passará no ar ?

Anônimo disse...

"É incrível como Galvão Bueno exortou os brasileiros a 'não julgar os chineses', pois nós não teríamos nada a ver com a ditadura deles. 'Isto é assunto do povo chinês', disse Galvão. Ora, se for assim, quando tivermos um filho morto por um traficante ou por um policial de grupo de extermínio, não vamos exigir do juiz que condene o assassino, afinal, o filho não é do juiz. O juiz não tem nada a ver com o pato. A lógica do Sr. Bueno mostra o quanto de alienação existe naquela cabecinha. Os jornalistas, em Pequim, não têm direito sequer de ir aonde quiserem. São vigiados o tempo todo ou, no mínimo, espancados, como os jornalistas japoneses."
ALEX FERRAZ- TRIBUNA DA BAHIA 09/08/2008

Mauricio disse...

"É incrível como Galvão Bueno exortou os brasileiros a 'não julgar os chineses', pois nós não teríamos nada a ver com a ditadura deles. 'Isto é assunto do povo chinês', disse Galvão. Ora, se for assim, quando tivermos um filho morto por um traficante ou por um policial de grupo de extermínio, não vamos exigir do juiz que condene o assassino, afinal, o filho não é do juiz.

Segundo sua lógica, a guerra do Iraque foi muito certa.
É isso ?

Steve Hunter disse...

Ele pode ser usado para desviar a atenção das massas dos assuntos políticos, o antigo “pão e circo” que tinha no Coliseu seu ícone romano.

Brasileiros esquecem de tudo por causa do Futebol e dos gritos de idiotia do Galvão Bueno:

Brasil il ili ilililililil!!!!!!

Torço por atletas, alguns não muito capengas, idividualmente ou em grupo.

Ricardo disse...

Lembrei do relato de um amigo meu que esteve presente nas olimpíadas de Moscou. A cidade cercada impedia a todos de ver as “maravilhas” dos subúrbios enquanto Misha e seus donos transbordavam de felicidade, mostrando a alegria e a riqueza que seu povo não tinha.

Uma das únicas coisas permitidas era visitar as megalojas recém-criadas, estilo Sears, sem nada dentro. Eram seções e mais seções vazias, à exceção de uma: a de venda de penicos, que tinha fila. Explicação: as habitações populares por lá, tinham (será que ainda têm?) um banheiro por andar com meia centena de apartamentos, portanto, penico era artigo de primeira necessidade, assim como as tábuas de caixotes desmontados, também à venda nas megalojas, para serem queimadas no inverno, porque quase ninguém por lá tinha calefação. Nestas, não havia filas porque era verão.

Na China hoje, provavelmente, é a mesma coisa.

Anônimo disse...

Vejamos de outra maneira.O sucesso da escolha da China para sediar as olimpíadas é a prova da popularidade do Socialismo. As festas e os jogos são uma grande vitrina para mostrar os grandes feitos do socialismo, um motivo para grande propaganda. O Capitalismo recebe mais um reforço em sua impopularidade. Mesmo sendo o socialismo o responsável pelo atraso, fome e escravidão por onde passa e se impõe, é o capitalismo que é odiado. Frequentemente é imputado ao Capitalismo a miséria que os outros produzem-o intervencionismo.Aqueles que vivem em países em que o capitalismo funciona apesar da obstrução do governo, não conseguem ver essa diferença. Talvez por força do ódio e da inveja que tem por todos que alcançam sucesso, ou da absoluta ignorância e incapacidade de analizar os fatos. Gozam por aqui das delícias do mundo moderno,como bons carros,TV,Microondas,celulares, microcomputadores etc, que são produtos do Capitalismo e impossíveis sob o Socialismo. Se os paises do Socialismo como China hoje produzem tais maravilhas, é porque o regime produziu trabalhadores extremamente necessitados,oprimidos e obedientes, sem "cobertura" de qualquer direito como os daqui. Mesmo "explorados", é para estes trabalhadores uma grande oportunidade de ganho, embora os burocratas do Partido Comunista Chinês, seus verdadeiros donos, abocanhe a maior fatia e asim, resguardado, não é visto como o verdadeiro "explorador". O Grande Negócio agradece esta ajuda comunistas, pois tem um fator de produção a baixo custo. Lembre também que este Grande Negócio são os mmesmo que por aqui contam com a proteção de nossos governos, às expensas do grande público.De certa maneira é uma questão de gradação e pequenos detalhes. Equanto lá, nos paises socialista, o trabalho de escravização de seu povo já foi completado, por aqui ele está em andamento, não tendo muita razão os que críticam o socialismo de apontar o dedo no nariz dos outros. Podemos dizer que estamos diante do EFEITO ORLOFF, ou seja, eles são o que seremos amanhã. Enquanto o capitalismo, o responsável pela criação da riqueza das Nações, cujo corolário é o governo representativo for tão impopular e imcompreendido, a humanidade tenderá a mergular no socialismo, cujo corolário é a Tirania, até a completa anarquia.Enquanto esta diferença não parecer clara, é impossível pensar em reverter este quadro. O resto é o resto.

Mauricio disse...

Assisti ontem ao filme.

Agora afirmo sem dúvida, Constantino pensa que é o "V", do filme "V for Vendetta"

Flowerpunk disse...

Apenas para registrar o Jeóva no primeiro post disse tudo... Pequim 2008 = Berlim 1936. So falta uma Leni Riefenstahl para registar a festa.

Rodrigo Constantino disse...

"For only the third time in 72 years (Berlin 1936, Moscow 1980), the games are being hosted by a tyrannical regime, the mind of which was displayed in the opening ceremony featuring thousands of drummers, each face contorted with the same grotesquely frozen grin. It was a tableau of the miniaturization of the individual and the subordination of individuality to the collective. Not since the Nazi's 1934 Nuremberg rally, which Leni Riefenstahl turned into the film "Triumph of the Will," has tyranny been so brazenly tarted up as art." (George Will)

Não deixem de ler o artigo de Ali Kamel hoje em O Globo também.

Rodrigo

Mauricio disse...

Quando você vai responder aqui:

http://rodrigoconstantino.blogspot.com/2008/07/barrando-o-progresso.html

???