terça-feira, setembro 04, 2012

A esquerda caviar


Rodrigo Constantino, O GLOBO

            O Rio é vítima de uma verdadeira praga: a “esquerda caviar”, formada por parte da elite financeira e cultural do país. Seus membros posam de altruístas enquanto louvam ditadores sanguinários como Fidel Castro. Do conforto de seus apartamentos em Paris, porque ninguém é de ferro.
            Roberto Campos fez um diagnóstico preciso da árvore genealógica da turma, ao afirmar que “trata-se de filhos de Marx numa transa adúltera com a Coca-Cola”. Somente isso pode explicar a esquizofrenia de nossos artistas e intelectuais de esquerda, que admiram o socialismo, mas adoram também três coisas que só o capitalismo sabe dar: “Bons cachês em moeda forte, ausência de censura e consumismo burguês”.
            Um cínico poderia dizer que a hipocrisia é útil. Aproximando-se do poder, esses intelectuais conseguem privilégios e mamatas. A Petrobras, por exemplo, destinou a bagatela de R$ 652 milhões para patrocínios culturais entre 2008 e 2011. É uma montanha de dinheiro capaz de testar a integridade até mesmo de um santo!
            Mas não creio ser apenas isso. Acredito que um dos fatores tem ligação com o sentimento de culpa dessa elite. E convenhamos: nada como uma elite culpada tentando expiar seus “pecados”. Com que facilidade ela adere aos discursos mais sensacionalistas e demagógicos. Chega a dar dó. Em um país que culturalmente condena o lucro e enxerga a economia como um jogo de soma zero, onde José, para ficar rico, precisa tirar de João, o sucesso acaba sendo uma “ofensa pessoal”, como disse Tom Jobim. Essa visão é um prato cheio para produzir uma elite culpada e desesperada para pregar aos quatro ventos as “maravilhas” do socialismo.
            Por isso vemos cineastas herdeiros de banco fazendo filmes que enaltecem guerrilheiros comunistas. Por isso vemos filhos de grandes escritores lambendo as botas de tiranetes latino-americanos. Imagem é tudo.
E estas pobres almas acreditam que, ao louvarem a ideologia que quer destruí-los, conquistarão a fama de abnegados e descolados. Como é fácil falar que o capitalismo não presta quando se é milionário!
            Joãozinho Trinta foi no alvo quando disse que os intelectuais é que gostam de miséria, pois os pobres gostam é de luxo. Nada mais natural do que desejar melhorar as condições de vida. E nada melhor para isso do que o trabalho duro em um ambiente de livre mercado. Lucro e trabalho são sócios nesta empreitada. O grande obstáculo é justamente o governo inchado, obeso, que cria burocracia asfixiante e arrecada quase 40% do que é produzido em nome da “justiça social”.
            Quem labuta para criar riqueza e subir na vida não tem tempo para “salvar o planeta” ou construir “um mundo melhor”. Estas são as bandeiras da esquerda festiva, dos artistas que, do conforto de suas mansões, adoram detonar o capitalismo enquanto desfrutam de tudo de bom que só ele pode oferecer.
Sobre a seita ambientalista, aliás, recomendo a leitura do excelente livro “Os Melancias”, de James Delingpole. A máscara dos alarmistas climáticos que fazem ecoterrorismo cai por completo, expondo a verdadeira face vermelha por trás do movimento verde.
Mas divago. Eis o que eu realmente queria dizer: boa parte da elite carioca gosta de defender candidatos socialistas com discursos messiânicos. Entre uma cerveja e outra, essa turma esbraveja contra os ricos capitalistas e repete como sua utopia salvaria a humanidade das garras dos gananciosos e insensíveis. Depois voltam para seu conforto egoísta com a alma lavada. A retórica vale mais que atos concretos. Garçom, mais uma cerveja!
Foi assim que o brizolismo conseguiu prosperar no Rio, com os aplausos de muita gente da zona sul. Foi assim também que Heloísa Helena, do PSOL (o PT de ontem), conseguiu mais votos no Rio do que em qualquer outro lugar. O que esperar de um povo que elegeu Saturnino Braga em vez de Roberto Campos para o Senado? Essa análise toda foi para chegar ao novo queridinho da elite carioca, o personagem de filme de ação, herói que desafia as milícias. Há só um detalhe: seu partido é aquele que prega o socialismo (com um atraso de duas décadas), que pretende escolher até o tema das escolas de samba, que tem deputado que gosta de queimar a bandeira de Israel em praça pública, demonstrando sua intolerância, além de enorme desrespeito ao povo judeu. Leiam “Fascismo de esquerda”, de Jonah Goldberg. Socialismo e liberdade não combinam. Um é o contrário do outro. Todo regime socialista levou à escravidão e à miséria. Até quando os cariocas vão cair na ladainha dos artistas que adoram o socialismo, lá do conforto de Paris?            

62 comentários:

Vitor disse...

Excelente texto!

O negócio é que pega bem falar que é de esquerda. Ainda que seu discurso seja ridículo aos ouvidos de qualquer um que tenha estudado um pouqinho mais... Ou ainda que suas contradições possam fazer uma criança de 5 anos ficar constrangida... Dá pra respeitar aqueles que tacam tomates em militares brasileiros e ao mesmo tempo pensam que Cuba é um modelo para o mundo? Ou então aqueles que se dizem a favor dos Direitos Humanos e apoiam governos da Irmandade Muçulmana? Difícil...


Anônimo disse...

Rio de Janeiro,4 de setembro de 2012.
Prezado Rodrigo...Parabens pelo excelente artigo e se voce me permite, assino em baixoe; vou divulgá-lo citando a sua autoria.
Um abraço e prosperidade sempre para voce.
UilsonJC

samuel disse...

Desde que estamos a falar do RJ, há que se esclarecer que 80% dos filhinhos de pai rico são na verdade filhos de funcionários públicos e das grandes estatais que são sediadas no RJ. Não há inocencia nesse esquerdismo mas objetivo prático de permanencia burocrática sobre a massa.
O QUE SOBRA É SOMENTE A HIPOCRISIA disfarçada em esquerdismo.

Anônimo disse...

Uma alternativa aos políticos do esquema, das grandes picaretagens seria muito bom para o Rio. Mesmo sem muito gosto, percebi no Gabeira e seu arco de alianças, PSDB e uns caras bons o apoiando, uma possibilidade de um governo austero e menos corrupto, mas que não acalentasse ideias do tipo "Che Guevara da Lapa". O dito candidato parece ser uma aposta no confronto com os esquemas atuais, que muito me incomodam, porém com grande risco, como foi bem dito, de revivermos um desastre saturnínico. Um enfoque social que se traduz em impostos elevados, aumentos de gastos com a folha para ficar bonito na foto com sindicatos e decisões tomadas numa ótica "telúrica-social" através de "participação da sociedade civil". Tá duro votar!
Maradona

Anônimo disse...

Rodrigo,

Eu presenciei um verdadeiro resumo de tudo que escreveu:

Conheci o dono de um cartório do rio, um dos maiores, que ia de helicóptero para suas fazendas e lá pelas tantas ele com a cara mais lavada do mundo me disse que era comunista.

Juro que ele não estava fazendo piada.

Bruno Tôores de Melo Rêgo disse...

Rodrigo, você é um ótimo analista econômico, mas quando se mete a falar de política é uma tragédia. Tentar desqualificar o candidato em função de seu partido é ridículo. É impossível ser candidato sem ter um partido e nenhum partido é perfeito, pra mim nenhum deles presta. Pensando da sua maneira, todo e qualquer candidato do PSDB seria "invotável". O pior de tudo é o Globo publicar um artigo desse, com viés politiqueiro evidente contra um candidato.

Agora faça uma análise do ótimo governo Paes.

Bruno Tôores de Melo Rêgo disse...

Rodrigo, você é um ótimo analista econômico, mas quando se mete a falar de política é uma tragédia. Tentar desqualificar o candidato em função de seu partido é ridículo. É impossível ser candidato sem ter um partido e nenhum partido é perfeito, pra mim nenhum deles presta. Pensando da sua maneira, todo e qualquer candidato do PSDB seria "invotável". O pior de tudo é o Globo publicar um artigo desse, com viés politiqueiro evidente contra um candidato.

Agora faça uma análise do ótimo governo Paes.

Rodrigo Constantino disse...

Como assim não devemos olhar o partido?!?!?! Esse personalismo exacerbado é um câncer no Brasil. Eleitor aqui só quer saber do candidato, e nada do programa partidário. Um absurdo!

O cara ser do PSOL é EXTREMAMENTE relevante sim, claro! Sem falar do discursinho batido, que tem tudo a ver com o partido. Ele apoia Babá!!!

Rodrigo Constantino disse...

O governo Paes, que não terá meu voto, tem sido razoável, para ser sincero. Na educação e na Fazenda ele colocou gente séria, que eu conheço. A gestão foi ok. Incomoda as alianças e o PT na chapa.

Marcos disse...

Mais um texto do Constantino que fala claramente uma verdade. A turminha bem nascida adora esquerda, adora um baseado também. E, por fim superam essa fase e depois arrumam ótimos empregos em multinacionais ou passam nos melhores concursos. A grossa maioria fala inglês e já foi aos EUA, não dispensam smartphones, roupas e acessórios NIKE, Coca-cola e ótimos carros. Mas vestem a malha com a foto do Che. Socialismo e Liberdade é um oxímoro.

Bruno Tôores de Melo Rêgo disse...

Tá bom, então me diz qual partido tem um programa partidário decente. Se devemos partidarizar a campanha, basta votar na legenda e ponto final. Isso não existe. Político troca de partido como troca de camisa. Apoiar o Babá é lamentável, é ridículo, mas o FHC já apoiou gente tão ruim quanto e hoje apóia o Otávio Leite.

Conseguir ser pior que o César Maia em educação e finanças é impossível, por isso o governo Paes é razoável. Você se incomoda com o PT na chapa? Pensei que você considerasse isso um crime ediondo. Sabe qual é o programa partidário do PT? Pois é. É impossível se eleger e governar sem alianças. Lembra das alianças do governo FHC? E o PT, inimigo mortal do PMBD? O processo eleitoral brasileiro e o nosso sistema político são um nojo.

Anônimo disse...

O Otávio Leite é tipo Babá?
Na política você vai do núcleo para o detalhe. Na análise do candidato, observar o partido é o início da análise, pois ali estão os que farão parte do governo e compartilham além dos princípios ideológicos as fontes de financiamento. Não olhar isso é crime "ediondo", é esperar o salvador num cavalo branco.
Maradona

Guilherme Marinho disse...

A mais pura verdade!

Caio Perdomo disse...

O texto é muito bom e utiliza de muitos argumentos verídicos de uma burguesia hipócrita que grita por igualdade, quando na verdade ela quer mais é manter seus privilégios, nefastos. Sendo que usar de argumentos verídicos para construir uma retórica falaciosa é muita a cara do O Globo. Veja o vídeo que lhe enviei o link e logo a seguir escrevi 5 motivos para não acreditar neste texto, caso queira mais é só pergunta:

"É possível contar mentiras, dizendo só a contando verdade" - Assista este comercial, da Folha de São Paulo e entenda o que o Globo faz:

http://www.youtube.com/watch?v=6t0SK9qPK8M


PRIMEIRO: o fato de ter artistas que aceitam cachês altos não desmerecem suas ideologias, afinal é o trabalho deles. Quer dizer que só porque você apoio uma ideologia socialista você tem que ser pobre. Este cara, provavelmente não estudou o início do socialismo, conhecido com socialismo utópico, em que homens riquíssimos achavam que se doassem sua fortuna ao pobre diminuiriam os problemas sociais, conclusão, eles morrem pobre. Já que é sabido que na economia não bastaria que um rico abdicasse de sua renda para a todos serem iguais, mas todas as classes fossem valorizadas como iguais, logo é burrice querer ser pobre só para legitimar uma ideologia de esquerda.

SEGUNDO: o autor afirma: "Nada mais natural do que desejar melhorar as condições de vida. E nada melhor para isso do que o trabalho duro em um ambiente de livre mercado." Ele deve ser de família com dinheiro, já que é sabido que no Brasil ou você faz faculdade pública e tem condição de não precisar trabalhar para se manter (já que a maior parte dos cursos são integrais) ou você trabalha e faz faculdade particular a noite. Logo, acho meio difícil que apenas o trabalho duro e o ambiente livre de mercado seja necessário para melhorar as condições de vida.

OBS: Rodrigo constantino é economista. Nasceu no Rio de Janeiro. Concluiu seus estudos secundários no Colégio Santo Agostinho. É formado em Economia pela PUC-RJ, e tem MBA de Finanças pelo IBMEC. Ou seja, nunca entrou em um ambiente público na vida, estudou nas melhores instituições particulares do Rio de Janeiro.

TERCEIRO: No mundo nunca houve regime socialista, todos que começaram com prerrogativas socialistas (como o de Fidel Castro) se perderam no meio da revolução. E o Psol em momento nenhum de sua proposta de governo disse que tem como intensão fazer uma revolução socialista no governo.

QUARTO: Ele pegou fato isolado, de intolerância, de um candidato a vereador do PSOL, para afirmar que o partido todo é intransigente, como se fosse possível jugar uma parte por um todo.

CINCO: Ele afirma que nenhum socialismo deu certo, também afirma que liberdade não combina com socialismo. Mas ele esqueceu de comentar que um dos motivos pelo qual os países "socialistas" não deram certo é o fato de eles terem sido ditaduras, por isso a ideia de Socialismo e Liberdade, ou seja, Socialismo Democrático é uma reestruturação da ideologia, para quem sabe através do debate democrático ela dê certo.

Caio Perdomo disse...

O texto é muito bom e utiliza de muitos argumentos verídicos de uma burguesia hipócrita que grita por igualdade, quando na verdade ela quer mais é manter seus privilégios, nefastos. Sendo que usar de argumentos verídicos para construir uma retórica falaciosa é muita a cara do O Globo. Veja o vídeo que lhe enviei o link e logo a seguir escrevi 5 motivos para não acreditar neste texto, caso queira mais é só pergunta:

"É possível contar mentiras, dizendo só a contando verdade" - Assista este comercial, da Folha de São Paulo e entenda o que o Globo faz:

http://www.youtube.com/watch?v=6t0SK9qPK8M


PRIMEIRO: o fato de ter artistas que aceitam cachês altos não desmerecem suas ideologias, afinal é o trabalho deles. Quer dizer que só porque você apoio uma ideologia socialista você tem que ser pobre. Este cara, provavelmente não estudou o início do socialismo, conhecido com socialismo utópico, em que homens riquíssimos achavam que se doassem sua fortuna ao pobre diminuiriam os problemas sociais, conclusão, eles morrem pobre. Já que é sabido que na economia não bastaria que um rico abdicasse de sua renda para a todos serem iguais, mas todas as classes fossem valorizadas como iguais, logo é burrice querer ser pobre só para legitimar uma ideologia de esquerda.

SEGUNDO: o autor afirma: "Nada mais natural do que desejar melhorar as condições de vida. E nada melhor para isso do que o trabalho duro em um ambiente de livre mercado." Ele deve ser de família com dinheiro, já que é sabido que no Brasil ou você faz faculdade pública e tem condição de não precisar trabalhar para se manter (já que a maior parte dos cursos são integrais) ou você trabalha e faz faculdade particular a noite. Logo, acho meio difícil que apenas o trabalho duro e o ambiente livre de mercado seja necessário para melhorar as condições de vida.

OBS: Rodrigo constantino é economista. Nasceu no Rio de Janeiro. Concluiu seus estudos secundários no Colégio Santo Agostinho. É formado em Economia pela PUC-RJ, e tem MBA de Finanças pelo IBMEC. Ou seja, nunca entrou em um ambiente público na vida, estudou nas melhores instituições particulares do Rio de Janeiro.

TERCEIRO: No mundo nunca houve regime socialista, todos que começaram com prerrogativas socialistas (como o de Fidel Castro) se perderam no meio da revolução. E o Psol em momento nenhum de sua proposta de governo disse que tem como intensão fazer uma revolução socialista no governo.

QUARTO: Ele pegou fato isolado, de intolerância, de um candidato a vereador do PSOL, para afirmar que o partido todo é intransigente, como se fosse possível jugar uma parte por um todo.

CINCO: Ele afirma que nenhum socialismo deu certo, também afirma que liberdade não combina com socialismo. Mas ele esqueceu de comentar que um dos motivos pelo qual os países "socialistas" não deram certo é o fato de eles terem sido ditaduras, por isso a ideia de Socialismo e Liberdade, ou seja, Socialismo Democrático é uma reestruturação da ideologia, para quem sabe através do debate democrático ela dê certo.

Guilherme Gonçalves disse...

Rodrigo, parabéns pelo artigo, que está muito bem escrito.

Porém, gostaria de tecer algumas considerações sobre o tema.

Apóio o Marcelo Freixo não porque ele é do PSOL, mas sim pelos seus feitos políticos, a exemplo de sua atuação na ALERJ. Sua luta contra as milícias foi, de fato, exemplar.

Apesar de o artigo ser muito inteligente e refletir a característica muitas pessoas da dita burguesia, discordo parcialmente de sua conclusão.

Se eleito, alguém acredita que o Freixo vai pregar o antissemitismo? Ou mesmo censurar uma escola de samba? Esse parece ser o discurso de quem se recusa a ouvir o que está sendo efetivamente proposto.

A conclusão leva a crer que apenas a burguesia com remorso da Zona Sul quer a eleição do Freixo. Porém, essa não é a realidade. Exemplifico: boa parte da juventude pensante do Rio, isto é, aquela que tem boa escolaridade e discernimento suficiente, vota no Freixo, INDEPENDENTEMENTE DA REGIÃO DA CIDADE EM QUE MORA. Eu sou do Recreio e posso afirmar isso com segurança. Trata-se de um bairro em que a grande maioria das pessoas é proveniente de áreas mais pobres da cidade, os ditos "emergentes". Não sou burguês com peso na consciência.

Aliás, esse é o mal de muito morador da Zona Sul. Achar que o Rio se limita à sua região, à Tijuca e ao Centro, ou até onde chega o metrô.

Quem conhece a realidade de bairros como Pedra de Guaratiba, Vila Cosmos, etc., sabe que o Prefeitinho só aparece por lá em época de eleição, e que é tudo comandado pelas milícias que o apóiam. TUDO. Basta perguntar para qualquer morador.

O Paes não me engana. Fazer as obras que ele fez é fácil. Fazer melhor que o César Maia (lunático), mais fácil ainda. Ainda mais com a quantidade de recursos que o governo municipal tem recebido.

Sinceramente, assim como ocorreu na ALERJ, não acho que o governo do Freixo seria influenciado negativamente pelo programa partidário. Não há muita esfera, por exemplo, para um aumento de tributos municipais (ISS, IPTU e Taxas diversas), nem mesmo jusitificativa ou necessidade para isso.

Como chefe do Executivo municipal, tenho certeza que o Freixo não abriria mão de uma boa relação com o Governo do Estado e com o Federal, em prol da população.

O programa partidário é importante? Claro! Mas nesse caso gera consequências muito inferiores àquelas que se percebe no caso de senadores e deputados federais. O prefeito é um verdadeiro administrador do Município.

E, nesse ponto, o Paes vem mostrando realmente mais do que seus antecessores, mas MUITO MENOS do que o Rio precisa. E continua favorecendo as mesmas corjas e vivendo de propaganda.

Quero ver alguém com coragem na administração, alguém que não tenha medo de lutar contra o interesse de poucos, mesmo que esses poucos sejam muito poderosos.
Disso o Paes nunca será capaz...


Felipe Aveiro disse...

Concordo com o Caio acima em quase tudo.

Mas não concordo com "intolerância de um candidato a vereador do PSOL".

Não sou filiado ao partido, mas o Freixo é o meu candidato.

E antes de jogar pedra no Babá, alguém foi ouvir a resposta dele?

É muito simplista tachar qualquer opositor ao Estado de Israel de antissemita.

Leiam a resposta à essa polêmica (descontextualizada) em seu blog:

http://babapsol.blogspot.com.br/2012/08/pelos-direitos-humanos-no-mundo-inteiro.html

Anônimo disse...

Respeito o voto em Freixo. Gosto da confrontação com os esquemas montados. Temo por tudo mais que o PSOL traz em suas cartilhas. Valorizar o funcionário público vai significar maiores salários e impostos? E valorizar quem paga a conta? Vai ter que também cobrar, impor meritocracia e austeridade. Isso faz parte do discurso? Papinho socialista de colocar salário mínimo em R$2mil faz sentido para alguém? Transformar o Rio em Paris só com vontade política? Falta uma visão humanista ao governo ou falta decência e visão de que sem trabalho, austeridade, meritocracia, educação e visão de longo prazo não deixaremos de ser umas cidade violenta e cara.
Mas voltando ao tema dos partidos, é difícil, para quem sabe ler e escrever (sim, nós, as elites), ficar indiferente ao presidente de um tal partido dizer que as decisões do STF são um golpe. Para achar isso bacana e pertinente tem que ter uma ou mais destas características: estar na folha de pagamento, ter estratificado sua escolha política pelos idos de 1960/1970 ou ser burro mesmo.
Maradona

Lucas de Moraes Felisbino Teixeira disse...

Me diga como se pode conciliar Socialismo e Liberdade, se o Socialismo repudia qualquer tipo de liberdade econômica e que não tenho liberdade de ser mais rico do que o outro?

Anônimo disse...

Incrivel, eh sempre a mesma ladainha...

PRIMEIRO:sao hipocritas pois criticam empresarios por sua ganancia, mas nunca vendem barato seus talentos para que os pobres usufruam, muito pelo contrario.

SEGUNDO: isso de insinuar que todo liberal eh playboy jah me explodiu a paciencia. Se eh assim, todo socialista eh vagabundo e invejoso. Eu estudei em escola publica lixo, fiz cursinho pre vestibular voluntario, sem um dedo do governo, passei numa universidade SEM cotas, trabalhei e estudei das 9 da manha ateh as 11 da noite durante 5 anos, hoje tenho um exelente emprego, e acho que nesta minha trajetoria, o governo atrapalhou muitissimo mais do que ajudou. Se acostume com a ideia de que pobres tambem podem achar que sao capazes de progredir sem esmolas. E quando eu matricular meu filho nas melhores escolas do pais, nao quero que apareca nenhum idiota dizendo que ele eh pior por causa disso.

TERCEIRO/QUINTO: novamente a mesma ladainha... Como eh bom acreditar em algo que nao pode ser refutado! Em dragoes na garagem. Nao importa se varios regimes socialistas realmente temtaram implantar as ideias de Marx. Nao importa notar que TODOS os regimes socialistas descambaram para ditaduras, isso foi soh uma incrivel coincidencia!

Acorda alice! Seu mundo de maravilhas jah caiu com o muro de berlim. Nenhum pais se tornou 100% socialista porque o socialismo eh IMPRATICAVEL!

E a cereja do bolo: socialismo democratico! Kkkkkkkkkkkkkkk. Alguem explica pro comedia que nao dah pra conciliar direitos individuais de uma democracia com a escravidao do socialismo...

PHO

Anônimo disse...

Rodrigo,
acho sua visão desse tema muito "oito ou oitenta".
Eu visão meio absolutista. Meio George Bush falando sobre a guerra ao terror "Quem não está conosco é nosso inimigo também.". Se você não começar a enxergar os tons cinzentos tanto das pessoas, quanto dos fatos, será sempre taxado de radical. As pessoas não são oito ou oitenta. O mundo não é assim. Tentar exergá-lo dessa forma pode até ser mais fácil e reconfortante para a sua inteligência, porém, farão seus textos e análises soarem sempre superficiais.
Abraços,
Breno.

João disse...

"No mundo nunca houve regime socialista"

Retórica falaciosa é isso. Para defender uma ideologia fundamentalmente ditatorial, dizem que ela nunca existiu, que seus ditadores "se perderam no meio da revolução", como se não tivessem começado o processo matando quem cometesse o crime de lhes fazer oposição, continuado o processo matando ou prendendo quem cometesse o crime de lhes fazer oposição e mantido até os dias de hoje o hábito de matar quem cometesse o crime de lhes fazer oposição. Tem razão, eles se perderam. Para retomar a revolução e chegar ao socialismo (um comuna mais informado diria, ao menos, 'comunismo', termo usado nas teorias marxistas), terão que matar mais quantos milhões?

Guilherme Lopes disse...

Rodrigo, cuidado com seus exemplos. Walter Salles, o nome que você soube insinuar mas não citar em seu artigo, fez um filme sobre o homem, não o guerrilheiro. 'Diários de Motocicleta' é sobre ser jovem, idealista e sonhador. É sobre descobrir uma América Latina, suas esperanças e desapontamentos. O filme do 'guerrilheiro comunista' só é fruto do seu preconceito e visão parcial das coisas.
Também graças a Walter temos um cinema nacional consistente, respeitável, construído com muito trabalho e excelência. Um cinema que não desrespeita a inteligência do seu povo, mas que ajuda a construir uma platéia pensante e questionadora. Algo bem distante do cinema que flerta com o riso fácil, grosseiro e de qualidade sempre duvidosa que abarrota nossas salas de exibição, uma vez que são produtos da poderosa Globo Filmes, parte do grupo que o emprega.
Para falar de arte meu caro, será preciso abrir sua pobre cabeça.

Anônimo disse...

Muito bem escrito!

Marivalton Rissatto disse...

O Rodrigo vive acusando os esquemas de corrupçao ai quando aparece um candidato que luta contra as mesmas coisas que o Rodrigo, ele tenta desqualifica-lo acusando a ideologia de seu partido?

rafernandes disse...

Rodrigo,

O acampamento não tem jeito mesmo: em São Paulo está-se elegendo o Celso Russomano que, nas palavras de Maluf - imagine só de quem -, "se juntar Celso Pita com Al Capone, dá meio Russomano". Sem comentários....

Rodrigo Constantino disse...

Guilherme Lopes, vc eh mesmo tão ingênuo assim? O filme enaltece o BOM homem Che, que era, na verdade, um crapula, um psicopata, com sede de SANGUE, e não de justiça.

Alem deste, fez um outro para Olga, a terrorista ligada a KGB.

Para cima de mim não...

Marcelo Pujals disse...

O autor não responder as críticas mais bem feitas, como a do Caio Perdomo ou Guilherme Gonçalves, foi contundente.

Coincidência? Duvido.

Mas respondo ao PHO que se deu a esse trabalho.

UM: "Vender barato seus talentos" não é sinônimo de "pobres usufruindo". Como lembrou o autor, a economia não é um jogo de soma zero: a coisa é mais complexa, o acesso depende de muito mais do que do valor do patrocínio da Petrobras. Existem eventos inteiros dedicados só a buscar soluções pro acesso à cultura.

DOIS: Não vi essa generalização no que o Caio disse, acho que ele deixou bem claro que tava falando do Rodrigo. Seu filho nunca vai ser pior porque estuda na melhor escola particular do país. Ele vai ser pior, e o meu também, se fizer algo que sabe ser complexo parecer simplório, como o autor fez ao ignorar aspectos básicos, como a educação, no trato à melhoria das condições de vida.

TRÊS/CINCO: Por mais que não seja o seu caso, a atitude de "kkk, sua proposta é impensável" é muito semelhante à atitude "não há espaço para fantasia", típica das decisões impostas de cima para baixo em governos pseudo-democráticos, independentemente de ser sobre o socialismo. Por mais que eu não seja pro-socialismo, o debate construtivo e participativo vem sendo usado exemplarmente pelo PSOL como forma de democracia.

Pra fechar, Rodrigo: um jornalista que critica diretamente uma pessoa, sem ser capaz de dizer ao menos seu nome, é covarde. Toda crítica precisa ser feita com cara a tapa.

Marcelo Pujals disse...

O autor não responder as críticas mais bem feitas, como a do Caio Perdomo ou Guilherme Gonçalves, foi contundente.

Coincidência? Duvido.

Mas respondo ao PHO que se deu a esse trabalho.

UM: "Vender barato seus talentos" não é sinônimo de "pobres usufruindo". Como lembrou o autor, a economia não é um jogo de soma zero: a coisa é mais complexa, o acesso depende de muito mais do que do valor do patrocínio da Petrobras. Existem eventos inteiros dedicados só a buscar soluções pro acesso à cultura.

DOIS: Não vi essa generalização no que o Caio disse, acho que ele deixou bem claro que tava falando do Rodrigo. Seu filho nunca vai ser pior porque estuda na melhor escola particular do país. Ele vai ser pior, e o meu também, se fizer algo que sabe ser complexo parecer simplório, como o autor fez ao ignorar aspectos básicos, como a educação, no trato à melhoria das condições de vida.

TRÊS/CINCO: Por mais que não seja o seu caso, a atitude de "kkk, sua proposta é impensável" é muito semelhante à atitude "não há espaço para fantasia", típica das decisões impostas de cima para baixo em governos pseudo-democráticos, independentemente de ser sobre o socialismo. Por mais que eu não seja pro-socialismo, o debate construtivo e participativo vem sendo usado exemplarmente pelo PSOL como forma de democracia.

Pra fechar, Rodrigo: um jornalista que critica diretamente uma pessoa, sem ser capaz de dizer ao menos seu nome, é covarde. Toda crítica precisa ser feita com cara a tapa.

Beni Borja disse...

Rodrigo,

O que me motiva a comentar é o seguinte: Qual o propósito de publicar a sua opinião no Globo? É um mero exercício de egolatria , ou você tem efetivamente a intenção de convencer alguém do seu ponto de vista? Imagino , de boa fé , que a sua motivação seja a segunda.
Então me parece que o artigo é um equívoco. Porque não será a sua esculhambação requentada da esquerda festiva ( meu primo citado no artigo e o Francis já fizeram isso com maior brilhantismo, como voce mesmo há de reconhecer), que você vai convencer nenhum eleitor do Freixo a desistir do seu voto. Se a sua intenção é influir na opinião dos seus leitores, me parece que melhor seria lançar seus ataques não contra artistas e outros desinformados que se manifestam sobre política, no exercício dos seus direitos, mas apontar a inconsistência da plataforma eleitoral do Freixo. O que aprendemos, se aprendemos alguma coisa com a história,é que eleger administradores públicos pela simpatia ideológica tem sido uma desgraça para o Rio. A eleição é para o administrador da cidade , não um concurso de biografias, e como já nos ensinou o bom e eterno J.S. Mill , na contratação de alguém deve-se julgar as pessoas por suas adequações às funções pretendidas. Aliás, mais J.S. Mill e menos Ayn Rand , lhe cairia bem.

Caio disse...

Que moral um jornal que apoiou a ditadura tem para falar da liberdade?

Que moral alguém que escolhe os comentários que são publicados ou não no blog tem para falar de liberdade?

Divido quarto com mais dois irmãos meus, coisa que você, filho de pai, nunca deve ter passado. Eu ser socialista tem muito mais a ver com querer minha felicidade do que ser cool.

Cristina Saavedra disse...

Do filme Diários de Motocicleta só tive uma conclusão: se Che fosse realmente uma pessoa boa, teria ficado naquele leprosário ajudando aquelas pessoas.
Aqui em Sao Paulo, pra encontrar esquerdista, só indo na rua Oscar Freire. Na periferia, o povo quer mesmo é trabalhar e gastar seu dinheirinho nas lojas.
Se esse povo do cinema fosse bom mesmo, exibiria seus filmes na periferia por 1 real. Ainda mais pq tem dinheiro público no meio.

Rodrigo Constantino disse...

Citar o nome do Freixo? Não ficou evidente que falava dele?

Socialistas gananciosos que adoram acumular muitos milhões tudo bem? O problema é quando o rico defende o capitalismo? Hum...

E os socialistas não enxergam nada de mais nessa hipocrisia toda! Isso que mata...

A intenção do artigo não foi necessariamente tirar votos do Freixo, pois ele já perdeu. E nem vou votar no Eduardo Paes. A intenção foi o que consegui de fato: lavar a alma de uma maioria silenciosa, que está cansada dessa hipocrisia toda da classe artística rica que defende o socialismo cubano lá de Paris. Bingo!

Rodrigo Constantino disse...

Caio, vou te dar uma breve aula sobre propriedade e liberdade: este blog é MEU, ou seja, propriedade privada. Eu publico o comentário que eu quiser, assim como vc deixa entrar na SUA casa quem vc quer. Certo?

Eu publico críticas, sempre, desde que embasadas, com algum argumento, educadas. Ofensas gratuitas e repetição de slogans marxistas são vetados, para preservar a higiene do site.

Anônimo disse...

Rodrigo,
parabéns pelo texto. Não sei como esses intelectuais de botequim não tem vergonha de se assumir de esquerda. Assim como a suástica é um símbolo da vergonha para o mundo, todos os símbolos socialistas também deveriam o ser. Os caras já dominaram meio mundo, fizeram todas as experiências sociais possíveis e o único resultado obtido foram milhões de mortos e destruição de economias. É tanta desonestidade intelectual (ou seria falta de intelecto?) que ainda hoje elogiam o modelo cubano e metem o malho "nos horrores da Ditadura Militar". Por isso não voto em NENHUM candidato de esquerda. Nunca. Pode parecer ser o melhor sujeito do mundo, mas sei qual é, lá no fundo, o desejo e o modelo que esses caras têm para nosso país. Votar nesses caras é alimentar esse desejo. É contribuir para o crescimento de uma ideologia que já deveria ter sido banida da humanidade há muito tempo por ser assassina, criminosa e contra a liberdade das pessoas. Não posso compactuar com defensores de ideologias assassinas através do voto, ou posso vir a responder no futuro, a minha consciência, por ter sido cúmplice de mais um crime contra a humanidade.

Caio Perdomo disse...

Rodrigo, é desse tipo de coisa Leia a reportagem) que você está valando?

Vide a reportagem a seguir acho que este seu texto deve ter mais a ver com o Eduardo Paes do que com o Marcelo Freixo.

http://a8.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash3/549576_214439348684435_1540293980_n.jpg

Beto disse...

Rodrigo,

Seu texto é bem articulado, porém é muito raso. Como é a proposta das organizações globo. Falar como se fosse do povão é um ótimo instrumento para manipular e influenciar escolhas alheias.
Seria interessante se vc pensasse e estudasse um pouco mais sobre o mundo a sua volta pra criar textos mais reflexivos e menos impositores - mais democrático e menos hierarquizado.

abraços e felicidades

Anônimo disse...

Marcelo Pujals:

2: ah nao viu?! A cegueira ideologica dos comunas costuma destruir a habilidade de interpretacao de texto mesmo. Ainda bem que vc nao eh comunista. Mas vou facilitar:

"OBS: Rodrigo constantino é economista. Nasceu no Rio de Janeiro. Concluiu seus estudos secundários no Colégio Santo Agostinho. É formado em Economia pela PUC-RJ, e tem MBA de Finanças pelo IBMEC. Ou seja, nunca entrou em um ambiente público na vida, estudou nas melhores instituições particulares do Rio de Janeiro."

"Rodrigo nunca entrou em um ambiente público na vida" => "apenas por isso ele defende o liberalismo/ataca o socialismo"

Veja bem, nao sou nenhuma Rodriguete que ficou tIxTi pq falaram que o Rodrigo tem cara de melao. O que cansa eh comunossauros arrogantes achando que possuem o monopolio da virtude, falando que quem eh contra sua ideologia eh riquinho mimado. Sem falar no ad hominem... mas quanto a isso jah me acostumei.

3/5: Alguem explica pro comedia que nao dah pra conciliar direitos individuais de uma democracia com a escravidao do socialismo[2].

Defender o socialismo/comunismo eh o mesmo que dizer que se eu soltar uma pedra, ela vai cair pra cima... Várias pessoas tentaram e sempre falharam, mas isso eh soh pq elas nao jogaram com fe suficiente. Marx eh o meu pastor e nada me faltarah!

Debater com comunistas eh tao construtivo quanto debater com criacionistas ou teologos da terra jovem.

Soh vejo 3 motivos pra defender tamanha besteira: ou eh muito jovem; ou eh mal informado; ou eh mal carater.

PHO

Vitor disse...


Beto, não entendi o seu comentário.

Na verdade, entendi sim: você não tem absolutamente nenhum argumento plausível para atacar o texto do Rodrigo, e então apela para esses chavões do tipo "estude mais", ou então "seja mais democrático"...

Aliás, engraçado chamar o texto de raso... Outro lugar-comum. Só que esse consegue ser ainda mais risível, pois talvez o maior pecado da "esquerda caviar" seja exatamente o discurso absolutamente raso sobre qualquer coisa a que ela se mete a dar pitaco.

Compreensível, porém. Quem se pensa muito inteligente por frequentar o teatro, embora se esqueça de ler livros, não pode mesmo entender a complexidade dos problemas do mundo em que vivem.

Não há dúvidas de que as idéias dessa "esquerda caviar" são ridículas. A dificuldade é identificar aqueles que as propagam por pura ingenuidade e aqueles que as propagam por falta de caráter mesmo...

Anônimo disse...

Esse é o CAMINHO!
Oh! os ídolos da esquerda sendo desnudados sem que se possa esconder ou fingir o quanto são canalhas.
A esquerda precisa de ídolos, celebridaades representativas, "gênios" de baixa utilidade (só p/ lazer) etc.. ...rs

Pelos comentários de esquerdinhas hipócritas se confirma o fato: A INVEJA É UMA MERDA!!! ...mas eles não invejam os artistas pq são quase inúteis e se corrompem para serem celebridades cevadas por interesses politicos (idéias da hegemonia estatal que exploara quem é útil).

Se fosse oferecido a qq um toda a coleção de videos e CDs de Chico, Gil, Caetano, Martinho e muitos mais a alguém que pudesse escolher tal oferta ou um Carro zero, uma casa, o remédio que necessita, vestuário, moradia ou qq coisa de real utilidade, digo UTILIDADE MESMO que as pessoas de grande valor produzem ...Ninguém iria querer esta coleção de bosta para ficar ouvindo os nababos igualitaristas de bláblá blá!

Produção de remédios pagam impostos e pesados, mas produção teatral e cinematografica NÃO PAGAM NADA! Absolutamente NADA e ainda recebem impostos via renúncia fiscal ...assim se vendem ao Poder e tornam-se socialistas, "comunistas" adoradores de fidel e da "igualdade" em Cuba. ...rs Depois se desinfetam com papas finas e muito luxo pq discruso serve é para ganhar fama e dinheiro. Sem a propaganda não seriam nada e quem banca e tem organização para tal os compra a granel para que sejam celebridades socialistas igualitarias, representando a massa INVEJOSA que os louva como a se vingarem daqueles de quem necessitam por serem efetivamente úteis, VALOROSOS a todos.

Passa-se bem sem musica, (sobretudo funk e pagode), sem filmes, novelas ou programas de auditório e mesmo sem circo ou romances e ficções ...MAS NÃO SE VIVE SEM COMIDA, REMÉDIOS, VESTUARIO, TRANSPORTE, MEDICINA, ENGENHARIA ...RSRS Essa é a causa do ódio aos efetivamente NECESSários e que não são escraviizados pelos invejosos que deles precisam para viver e tem que remunera-los PORQUE PRECISAM DELES!!! ...SÃO VALIOSOS E O SUCESSO DELES INCOMODA

Anônimo disse...

"Vários aspectos do comportamento humano, além da pouca compreensão da realidade, são fundamentais para a sobrevivência dos canalhas na política. Vamos analisar alguns deles."

Perfeito! ...dentre os vários aspectos lamentáveis, ressalto, encontra-se a inveja. Que é consequencia da vaidade, que não tolera comparações que possam sugerir um mérito menor do vaidoso ante qq outro que ele reconheça o mérito; daí deseja a destruição daquilo que lhe parece superior, mais meritório ou mesmo superior ante a opinião alheia e mesmo a sua. Este sentimento com um tanto de egocentrismo, careacterística do vaidoso, o torna um OBSCURANTISTA, devido seu desejo de destruir tudo que possa ser prêmio aos merecedores. Assim, a vingança do doentio vaidoso é ostentar reconhecimento de mérito onde ele não existe, como forma de menosprezar aqueles a quem inveja justamente por reconhecer-lhes méritos reais.
O vaidoso não inveja o sucesso de quem não o mereça, sobretudo se percebe que todos os demais não reconhecem este mérito. O que o fere é ele reconhecer e saber que os demais tb reconhecem o mérito alheio. Por isso socialistas não se opoem ao luxo dos governantes e nem das celebridades. Pois creêm que o luxo decorre de uma fraude (caso politico) ou de mera contingência sem um efetivo mérito. Não por outro motivo os bem nascidos que usufruem o luxo herdado e sendo incapazes de dar continuidade ao sucesso (dilapidam o patrimônio e ficam reféns de executivos q tocam os negócios) tornam-se socialistas ou "comunistas" endinheirados, não raro valendo-se de serem "comunistas igualitários" para amealharem fama e fortuna através do corporativismo organizado que a ideologia exploraadora proporciona. Muitos são os exemplos de nababos "comunistas" bem como os de revolucionários filinhos de papá e mamã endinheirados.

O próprio marxismo se deu desde a origem tocado por velhos "playboys" tb velhacos. Foi de fato uma reação às idéias liberais que ameaçava a aristocracia e os bem nascidos com uma concorrência feroz dos EMERGENTES que lhes mordiam os calcanhares ostentando méritos que os "playboys" bem nascidos se sabiam incapazes de simular. As idéias socialsitas, bem como de muitas ideologias, tem por objetivo instigar e justificar a inveja com base numa moral arbitrada sem base alguma.

O que mais dói nos vaidosos, os invejosos e ciumentos, é o sucesso daqueles que merecem o sucesso que alcançam, tornando-se não raro obscurantistas e piegas como meio de valorizar, com a pregação de sua moral arbitrária, O LIXO, O FEIO, O TRISTE, A DOR, O TOSCO, A FRAQUEZA, A DOR, O SOFRIMENTO, A RESIGNAÇÃO ANTE A INJUSTIÇA, A SUBMISSÃO e etc.., e até mesmo a BONDADE EM OPOSIÇÃO A HONESTIDADE (como meio de induzir a uma auto-lesão dos invejados por meio de tal pregação moral).

Enfim, a vaidade dos incapazes os torna nocivos, pérfidos e absolutamente destituídos de escrupulos, dignidade e senso de justiça.

Abs

Pablo Moron disse...

clasico comentario de comuna que se acha superior aos outros, "seu texto é raso, estude mais para chegar ao meu nivel e votar no psol", hauhauhauhauhauhauhauahuahuahauhauahuahuahuahuahauahu,
belo argumento esse!
Mas esse é um bom conselho, estudar mais é sempre bom, principalmente para se ter argumentos.

Anônimo disse...

Prezado Rodrigo, discordo de muito dos seus pontos e também concordo com alguns. Contudo, acho que sua análise poderia ser mais imparcial ou então você poderia deixar mais claro qual é o seu posicionamento político, permitindo que as pessoas possam relacionar suas posições sobre determinados assuntos a sua orientação política.
Um dos pontos que me chamou atenção é quando em um dos comentários você disse que o Paes colocou gente séria, que você conhece. A Educação pública continua a mesma porcaria de antes do Paes, nenhuma grande mudança ocorreu ou parece que vá ocorrer. Basta ver as ações adotadas pela secretaria de Educação ou ir a uma escola municipal.
Outro ponto que faz o Paes perder completamente o meu apoio é a questão dos ônibus. Ele teve a oportunidade de mudar o sistema tornando o eficiente com a licitação que realizou, mas não o fez. Permitiu que continuasse o conluio da empresas. Posso afirmar isso com a propriedade de quem usa esse serviço há mais de 20 anos e não é para se deslocar da zona Sul para o Centro, mas dos confins da cidade para o Centro. Não há fiscalização, não cumprem-se regras;as empresas fazem o que querem. E, pelo que sei, não precisa ser socialista para mudar isso, pelo contrário, num regime liberal, como o que você defende as empresas buscariam ser mais eficientes, o que nunca ocorreu e parece que nunca vai.
Por isso, acho que neste caso e em outros da nossa cidade, talvez um "socialista" como o Freixo salvaria um pouco o capitalismo desses capitalistas, que parecem que ainda não sabem o que é capitalismo de verdade.
Melhor nem analisarmos outras concessões do poder público para não percebermos mais ainda que ainda não chegamos nem ao capitalismo nessa cidade, no máximo temos um feudalismo, onde o túnel Rebouças parece ainda ser uma fronteira da cidade.
Estou torcendo pelo Socialismo, mas acho que antes ainda precisamos chegar ao capitalismo, no Rio e no Brasil.

samuel disse...

Aos comentaristas detratores do prof Rodrigo neste artigo:
Beto said. 3:56 PM
Caio said... 12:32 PM
Beni Borja said... 12:05 PM
Marcelo Pujals said... 11:48 AM
Marivalton Rissatto said...1:02 AM
Guilherme Lopes said... 10:37 PM
Anonymous said... 8:51 PM
Guilherme Gonçalves said...4:36 PM
Caio Perdomo said... 4:06 PM
Bruno Tôores de Melo Rêgo said... 2:26 PM
Permitam-me acrescentar a frase com que os Republicanos americanos brindaram a nomeação de Paul Ryan para vice na chapa de Mitt Romney:
Não é a cor da pele, não é porque ele vem de uma religião exótica (Islã), não é porque não nasceu nos EUA,
IT IS THE IDEOLOGY STUPID!

É isso que o professor Rodrigo discute aqui. O PROBLEMA É A IDEOLOGIA! Nada a ver com a pessoa.

João disse...

"Que moral um jornal que apoiou a ditadura tem para falar da liberdade?"

Que moral têm socialistas para falar em "democracia"? O Globo apoiou o golpe de 1964, como quase toda a sociedade brasileira letrada, porque acahava que os militares (como prometeram) iriam espantar a ameaça de um autogolpe "na lei ou na marra", como dizia Leonel Brizola, cunhado e eminência parda de Goulart.

Eles não cumpriram e Roberto Marinho, então, dizia "dos meus comunistas, cuido eu". Sempre protegeu seus jornalistas de esquerda, e sofreu censura como toda a imprensa.

"clasico comentario de comuna que se acha superior aos outros, "seu texto é raso"

E sem dar um argumento contrário.
É óbvio...

Anônimo disse...

o filme "Olga" é de Jayme Monjardim e não do Walter Salles.

Anônimo disse...

A esqquerdaa precisa de ídolos, de simbolos que representem os recaalcados invejosos que querem se realizar por tabela, através de representantes mais "grandiosos". Assim imaginam mitigar o fracasso pessoal que são. Perceba-se quantos "gênios" foram fabricaados, quantas celebridades. O pior é que os defensores da igualdade se fazem desiguais sobretudo pelos privilégios que conseguem dos governos, do PODER e não daa COMPETÊNCIA. ...Marcelo D2 ...rsrs Uma celebridaade propagandeada, Gabriel Pensador, um gênio, Cazuza, um poeta ...kkkk! ...são representantes dos esquerdinhas por defenderem o socialismo, a esquerda e a igualdade ...kkkkk!

Enquanto fabricantes de remédios pagam pesados impostos as celebridades milionárias usufruiem de privilégios fiscais, se enriquecem e defendem a igualdade ainda IMPONDO cotas para o consumidor ter as escolhas limitadas para atura-los ...querem enriquecer impondo ao povo o consumo de suas porcarias ao proibir que escolham estrangeiros (proibem a livre escolha).

...Isso é lindo e simbolo de justissia sossial ...kkkkk!

Mexeu com os simbolos e ídolos representativos da esquerda, do socialismo eles viram bicho....

AFINAL ELES QUEREM SER AQUILO QUE QUEREM QUE OS REPRESENTE, POIS POR SI MESMO SÓ SE ENVERGONHAM COMO INDIVÍDUOS. Daí a inveja que os atormenta e os faz vingarem-se valorisando aquilo que tem pouco valor e mesmo o nocivo como glamourizar bandidos chamando-os de VITIMAS DA SOCIEDADE (antigamente, agora são excluidos) e incentivando-os ao crime ...como um meio de "ferirem" a sociedaade que odeiam por sentirem-se desprezados por ela, uma sociedade livre sempre será odiada por recalcados.

Caio disse...

Samuel, querido, ideologia é um termo da Revolução Iluminista, que falava do conjunto de idéias do iluminismo.

Marx atribuiu o sentido que você está usando agora, onde disse que a ideologia na sociedade burguesa tem uma função profunda, dado o que dizem e o que pregam.

O fato de Lenin e Gramsci usarem do termo para o socialismo tem a ver que o texto do Marx falando sobre ideologia só foi publicado posterior a ação política deles. Claro que a ação política correspondente de Lenin e Gramsci foram em si muito ideologizantes, negativamente.

Mas os republicanos usando "ideologia" com tanto vigor, sem saber nem da onde vem, chega a ser engraçado.

Ivan disse...

Rodrigo,

No fundo não discordo da hipocrisia de alguns socialistas apontada no seu texto.

Mas uma coisa que eu acho que faltou ser exposta "como algo que une a população em torno de esquedistas" é o fato de estes, muitas vezes, aparentarem ser uma luz no fim do túnel no mar de corrupção que iguala os demais candidatos. Quero dizer com isto que eu acho sinceramente que os comunistas são incorruptíveis ? Absolutamente NÃO! O caso mensalão do PT está aí pra todo mundo ver.

Mas o fato é que conheço muita gente que está longe, na minha opinião, de ser considerada "esquerdista", mas que nutre simpatia pelo Marcelo Freixo...e porquê? Porque ele foi o sujeito que peitou, na Assembléia Legislativa, a máfia das milícias. Sofreu ameaças por isso e teve até de deixar o país por um tempo.

A Heloísa Helena, quando senadora, também ganhava a simpatia de muita gente por conta de sua forte atuação em CPIs e congêneres.

O próprio PT, na campanha de 2002, tinha uma peça publicitária muito bem elaborada: mostrava-se o desvio de verbas públicas e a ligação disso com a pobreza no País e ao final a frase..."se você é contra isso, saiba que você também tem um pouco de PT"...A idéia óbvia era desvincular o partido das tradicionais idéias socialistas (reforma agrária, estatização de empresas) que estão longe de serem consenso dentre a maioria da população. Mas a necessidade de combate à corrupção certamente é um consenso.

Vale ainda lembrar que esse pessoal do PSOL escapou ileso dos arranhões à imagem do PT pós-mensalão pelo simples motivo de que eles abandonaram o barco quando os petistas começaram a se unir com "as velhas oligarquias" em nome da "governabilidade".

Querendo ou não essa suposta integridade moral inabalável angaria votos (tenho um colega carioca totalmente anti-petista, por exemplo, que diz votar no Freixo).

Por fim, acho que velhos rótulos como "direita" versus "esquerda" nos tempos atuais são totalmente insuficientes para definir as pessoas (a exemplo do próprio Freixo, não obstante o nome do partido a que ele pertence). Como alguém que comentou antes de mim disse, é preciso começar a enxergar os diversos "tons de cinza" para que se tenha um debate político sério.

PS: alguns artistas da "esquerda festiva" realmente merecem críticas, mas nunca consegui enxergar panfletagem no cinema de Walter Salles. Aliás, o "Diários de Motocicleta" bem mostra como algumas pessoas podem ser totalmente ambíguas durante suas vidas: Che Guevara, por exemplo, foi capaz de ajudar doentes em um leprosário e, anos mais tarde, fuzilar inocentes em nome da revolução...

Flâneur disse...

Rodrigo, parabéns pelo artigo, concordo com quase tudo que você disse sobre a realidade hipócrita que prevalece nos meios intelectuais. O discurso socialista serve para "aliviar a culpa" de ter alguma coisa em meio a uma sociedade injusta, e se essa esquerda esquizofrênica realmente acreditasse na ideologia que alarde, iria além do discurso, e chegaria as atitudes...
Porém, discordo de seu último parágrafo, para livrar a cidade do mefistofélico Paes, voto até mesmo no PSOL, e nessa estou com Freixo.

Marcelo Pujals disse...

Faço minhas as palavras do Ivan.

Exemplificando a fala dele, não sou socialista e a maior parte da minha simpatia pelo Marcelo está, fora a coerência do discurso, na atuação dele na ALERJ.

Muito além da CPI das milícias: CPI das armas de fogo, denúncia de irregularidades (licitações e CEDAE p. ex.), presença constante na ALERJ apesar da campanha pra prefeito, etc.

Quando Sérgio Cabral foi pra Paris, todo mundo exaltava ele dançar bêbado com um guardanapo, já Marcelo (tá registrado no site da ALERJ pra quem quiser) tentava chamar atenção pro problema da origem do dinheiro da viagem e da justificativa para ela.

Vou parar, o objetivo não é fazer propaganda política, só mostrar que sou um exemplo concreto do que o Ivan citou.

Anônimo disse...

As infiltrações tão alertadas por um autor que era um simples comerciante são um ótimo meio de fazer polititica como foi na politica de guerra, a QUINTA COLUNA que se faz sorrateira, "amiga" e cordata para fazer sua propaganda dentro do ambiente adversário sem despertar suspeitas. Vão "comendo pelas beiradas", engrupindo, fazendo-se simpaticos e "companheiros" até mesmo um "aliado" ...rs

O comerciante era um tal de Lafon que escreveu um livro de crônicas extremamente banal, um mero desabafar de um cidadão comum

Míriam Martinho disse...

O Freixo está se beneficiando do fato de suas ações meritórias contra as milícias terem virado roteiro de filme. Mas ele é integrante de um partido que apóia a tirania de Chávez, dos Castro em Cuba, com todas as inúmeras e nefastas implicações desses governos para a América Latina. Agora mesmo fizeram um ato de apoio à reeleição de Chávez http://brasilcomchavez.wordpress.com/ Estava lá a fina flor da esquerdalha, incluindo o presidente do PSOL.
Então que ninguém se iluda com o suposto bom mocismo do Freixo. Boa gente mesmo não se mete com ideias que invariavelmente constroem ditaduras.
Concordo com praticamente tudo do texto do Rodrigo. Só não aprecio a abordagem sobre o meio-ambiente, pois tenho notado que liberais tendem a menosprezar o assunto e considerar tudo relativo ao tema como coisa de ecochato, ecoterrorista. Aconselho rever a abordagem.
No mais, perfeito e, claro, com todo o direito de dizer o que pensa. Ainda estamos numa democracia meia-sola, mas democracia.

Guilherme Gonçalves disse...

Para o Samuel, transcrevo a definição de detrator conferida pelo Dicionário Michaelis:

detrator
de.tra.tor
sm (lat detractore) Aquele que detrai; aquele que difama, detraidor.

Considerando isto, lhe indago: em que momento difamei o autor do artigo?

Ao contrário do que você afirma, eu elogiei o artigo e o autor. Apenas discordei, em parte, da conclusão. Ainda assim, após ler as respostas do próprio aos comentários, mudei um pouco de opinião sobre o artigo. E é justamente por isso que o debate é algo tão importante.

Veja, não sou uma pessoa que adota ideologias, reitero que apóio o Marcelo Freixo pelo que ele tem demonstrado na prática.

Procurei demonstrar que o apoio que ele recebe não vem apenas, ou mesmo em grande parte, da dita "esquerda caviar", que concordo existir e abomino, assim como o autor.

Como bacharel em Direito por universidade federal, vi muito playboy endinheirado da Zona Sul posar de socialista em centros acadêmicos, mesmo com seus carros do ano e Ipods. Não acredito nisso.

Acredito na Democracia, e acho que atualmente estamos bem distantes dela. Tenho vergonha do estado da nossa cidade...

Tomemos a Zona Oeste como exemplo. As regiões mais nobres estão totalmente entregues aos interesses das construtoras e incorporadoras, sobre cujo passado envolvendo cartórios, juízes, grileiros, etc., é melhor nem perguntar. O mesmo se pode falar das empresas da ônibus, como a Expresso Pégaso. Verdadeiras máfias que têm o aval do prefeitinho pra fazer o que bem entendem.

Já as regiões mais pobres, totalmente entregues ao poder paralelo. Considerando o tamanho da população, o número de repartições públicas é ínfimo, de universidades idem. A maior demanda de empregos é no comércio, não há qualquer incentivo para a instalação de novas empresas.



Anônimo disse...

A política é para profissional, com muita grana envolvida. Ok, mas de qualquer maneira, para um político que quer mostrar "a real" e não sutilmente enganar, vocês não acharam escrota a intervenção do Wagner Moura, com cabelo e barba feitas, com o falar duro que não é o dele, incorporando o Capitão Nascimento? Ali era o ator ou o personagem? Manipulação demais.
Maradona

Gabriel Amaral disse...

Perceber o engodo incutido na representação que Marcelo Freixo oferece no Rio é para poucos. Reconfortante é saber que por mais que engane uns e outros, no grosso, a população dá de ombros pras suas falácias. Na mesma linha de tudo o que já foi dito sobre ele, após o bravo ter ido na Universidade Veiga de Almeida, onde faço história, encaminhei para o blog que mantenho com amigos minha visão sobre o Fraga da vida real.. Abraços, Rodrigo..

Aqui o link do blog e o texto: http://dadireitapraesquerda.blogspot.com.br/2012/09/o-ataque-preventivo-ii-ou-cacada-ao.html

Anônimo disse...

Alô Bruno Torres das 2h26:
Como é que não importa o partido? Se for comunista, nazista, anarquista, isso não faz diferença? E quem não entende de política é o Rodrigo Constantino, é? Acorda, meu irmão!!

Bernardo, o neoliberal com orgulho disse...

Rodrigo, concordo totalmente com seu texto. O Rio deJaneiro tem sido uma eterna vitima desta esquerda festiva que vota em politicos que nos ajudaram a mergulhar no caos nos ultimos 30 anos. Nao aguento mais eesta campanha dos simpatizantes do Freixo, que nao apresentam nada alem de falar mal do Paes e propor idiotices como esta de censuravde enredo de Escola de Samba. Isto mostra como ele eh influenciado por estes ideias facistas/comunistas de controle da sociedade pelo Estado. Mas o pior dele nao eh nem isto. Trata se um sujeito e de um partido que nao tem a menor capacidade de governar, nem uma padaria, quanto mais uma cidade no momento mais importante de sua historia. Ele fez um otimo trabalho de combate a milicias, ponto. Deem a ele uma medalha mas nao a prefeitura do Rio, por favor, isto sera uma desgraca

Anônimo disse...

Bom,
Carlinhos Caxoeira mandou Demostenes aprovar uma lei proibindo o jogo. Com a surpresa do pulha Carlinhos só disse "me pegam nada" ...Claro, com tal lei Carlinhos teria o Poder do Estado para atacar seus concorrentes.
Porque o Freixo tb não faz um trabalho contra o trafico de drogas?

Onde as milicias foram expulsas pelo Estado o trafico esta retomando as posições que perdeu para as milicias.
Curioso é que o Estado, com ou sem freixo, nunca conseguiu acabar com oo trafico, mas consegue acabar com as milicias que enxotavam o traficante das favelas ...é curioso.

O novo código crimialisa qq segurança privada não formalizada. Um pulha afirma que agora um assassinato cometido por um miliciano não será mais um mero homicidio (como ocorre nos assaltos e sequestro e no trafico) naaaaaõooo agora será um crime mais grave! O pulha fala como se estivesse num puteiro falando de fodas.

A consequencia é que um segurança informal de uma loja, ao reagir a um bandido e atingi-lo ou mesmo só persegui-lo, poderá ppegar varios anos de cadeia e tb o comerciante que o contratou. Se matar um bandido certamente com os agravantes de ser um, entendido pelo juiz, miliciano, certamente pegará no minimo 25 anos enquanto um assaltante que mata a vitima pega em torno de 15 anos e plhe lá.

NENHUM DOS GRUPOS JUSTICEIROS QUE FORAM PEGOS CONSEGUIRM SAIR DA CADEIA, MAS TRAFICANTES, ASSALTANTES E SEQUESTRADORES QUE MATAM INOCENTES, ESTES SAEM COM PROGRESSÃO DE PENA ATÉ ANTES DE RESPENDEREM TODOS OS PROCESSOS ...assim caminha a justissia no braziu

Já Bastiat alertava que o Estado transforma a legitima defesa em crime para puni-la isso nos idos de 1800 a estratégia é antiga

Anônimo disse...

Tem gente esquecendo que o vice do Freixo é o Marcelo Yuka, que por sua vez é fã de carteirinha do MST tendo inclusive bandeira dessa bandidagem em seu estúdio. Uma vergonha

Anônimo disse...

"Um pulha afirma que agora um assassinato cometido por um miliciano não será mais um mero homicidio"
Muito bem colocado, criou-se uma distinção onde não faz sentido. Seria a lógica do criminoso pé-descalço contra o organizado da milícia? Lógica do crime social? Mas no fundo, não sei se entendi sua colocação, o problema não seria endurecer contra a milícia (matar juizes é um atentado institucionalmente mais ofensivo mesmo) mas sim ficar dando uma de gente-boa com o tráficante. E o MST também não é uma milícia, como diz o candidato com "organização, financiamento, estratégia criminosa e plano de poder"?
Maradona

Anton Szandor Lavey disse...

Opinião de um judeu :

sware098 1 mês atrás

sou judeu e tenho vergonha de Israel, vc são cegos pela religião e não vêem o absurdo que Israel comete, quando matam milhões de arabes estão se protegendo , mas quando 1 arabe mata 2 israelenses é terrorismo hha, piada. Israel é um base americana no oriente medio, só fora criado este pais para que os americanos e britânicos ficassem mais perto do petroleo etc.. Israel é um pais sujo, onde não há respeito a humanidade, não critico seu povo, mas sim seu governo ridiculo e ditatorial


http://www.youtube.com/watch?v=Ev_tTOL1QPM