segunda-feira, setembro 10, 2012

A inveja infantil improdutiva


Luiz Felipe Pondé, Folha de SP

A relação de grande parte da nossa mídia e dos intelectuais locais com os Estados Unidos continua sendo a de uma inveja infantil improdutiva, uma síndrome que podemos chamar de "I. I. I. Adição". Psiquiatras brasileiros poderão descrevê-la no futuro, caso eles mesmos não sofram da síndrome de inveja infantil improdutiva. E, como toda síndrome infantil, é primitiva e quase incurável.
Agora, com a eleição nos EUA, de novo, a síndrome se mostra na ridícula parcialidade da maior parte da cobertura e análises (se podemos chamar "gritos da torcida" de análise). A torcida grita: Obama é a prova de que homens criados por mulheres fortes e independentes produzem homens melhores (na realidade, homens com medo das mulheres...), Obama é a cura para a doença (a crise econômica) que assolou os EUA porque ele não representa os milionários e esses são malvados... risadas...
As "cheerleaders" gritam: os republicanos são obviamente idiotas que representam velhos caquéticos brancos que não representam a população americana (apesar de os republicanos terem o controle da Câmara de Deputados e de vários Estados). Pesquisas apontam que, em anos, o partido estará morto porque esses caquéticos terão morrido (pouco importa se grande parte dessas pesquisas são feitas pelos próprios liberais, "esquerda americana", e de existirem mulheres, negros e hispânicos mesmo entre candidatos no Partido Republicano).
Não acredito em causas ideológicas para as ideias políticas, mas sim em causas mais primitivas e da ordem da tara: a base da crítica aos EUA é a simples inveja de que eles são mais ricos.
A figura do Obama (fraco, populista e marqueteiro) é tudo a que a inveja nacional para com os Estados Unidos precisa: um negro, portanto vítima, que queria que os Estados Unidos fossem a Suécia.
Exagero. Obama não queria isso, mas nossos invejosos é que queriam que ele quisesse. Ele apenas discursa para liberais americanos (que nunca tiveram que lidar com uma folha de pagamento) que desdenham o fato de que os EUA são o único país do mundo com enorme população e de história bastante "jovem" a ser rico devido a própria capacidade de sua população produzir riqueza.
A Europa ocidental, com seu Estado de bem-estar social, está falida, inclusive por causa desse. Países como Suécia têm uma população de mil habitantes (trata-se de uma ironia, aviso aos especialistas em população da Suécia). Mas, ainda assim falida, essa Europa claudicante é o modelo que os invejosos tupis têm na cabeça e adoram o Obama porque pensam que ele seja um paladino de fazer os Estados Unidos virar a Suécia.
Ele inchou a máquina de impostos americana com sua versão INSS do Medicare. Os americanos não gostam de pagar a conta alheia, e têm razão de não gostarem. E perdeu de cara seu primeiro teste quando perdeu a maioria na Câmara de Deputados dois anos depois de eleito.
Prometeu fechar Guantánamo (a base americana em Cuba na qual são "interrogados" suspeitos de terrorismo) quando sabia que a segurança americana não podia se dar ao luxo de fazer isso.
Coitado, mas grande parte de sua torcida tupi pensa como membros de centro acadêmico, ou seja, tem uma visão infantil da política e da geopolítica de segurança, ainda que passem por humilhações contínuas nos aeroportos por conta da segurança dos voos, inclusive quando vão para os EUA comprar tênis e iPads baratos, ainda que falem mal dos Estados Unidos.
A Fox News é acusada de ser descaradamente pró-Partido Republicano. O que é verdade. Mas até aí, como chamarmos a torcida desvairada do restante da mídia pelos democratas? Sempre que se fala do Partido Republicano, logo após vem expressões como "homens brancos", "velhos", "milionários", "não havia mulheres, afro-americanos ou hispânicos". As "cheerleaders" tupis se referem ao elefante branco do Medicare do Obama como "avanço nos direitos sociais" destruído pelos republicanos.
Os americanos fizeram o país mais rico do mundo num curto espaço de tempo sem ficar gemendo ou culpando os outros ou pedindo "Bolsa Família". Em vez de babar de inveja dos Estados Unidos, deveríamos aprender com eles.

8 comentários:

Adriel disse...

O problema é que eles justificam a riqueza dos EUA graças as guerras, e não, apesar das guerras...

Ou seja, o problema é ainda mais em baixo.

Anônimo disse...

O Pondé quase credita a eleição do Obama aos seus conterrâneos tupis!!! Não é definitivamente um miserável (no sentido monetário): se cair doente não vai precisar do SUS, portanto pode fingir que SUS existe só como um ícone socialista (que fique claro, socialismo é um atraso, mas para cuidar da saúde dos miseráveis daqui e da américa, estamos aceitando sugestões, Pondé!). Baba pelos republicanos, mas se esquece das arbitrariedades do velho xerife Bush, ou do rombo financeiro que este deixou para as administrações seguintes, com a desculpa de levar a cabo sua "guerra contra as armas de destruição em massa" (que nunca foram encontradas, aliás, nunca se cogitou que exissem, era puro engodo para trouxas de toda espécie, inclusive da espécie que escreve o artigo acima). Engodo para proteção de interesses econômicos americanos, mesmo com os "efeitos colaterais" que nosso colunista nunca viu de perto, claro. Se incomoda ao ver brasileiros no exterior, provavelmente porque não gosta de ser brasileiro, pensa ser algo superior, mas fica irritado ao se lembrar de que é mais um tupi-guarani. Em outras palavras, justifica as prisões arbitrárias em Guantánamo e as torturas já narradas. O Pondé continua ridículo, e termina dizendo que Bolsa Família é coisa que brasileiro pede. É invenção americana, ele devia saber, e que o lulo-petismo transformou em compra de votos disfarçada.

Ao invés de ler as infanto-idiotices do Pondé, sugere-se http://g1.globo.com/globo-news/milenio/platb/2012/08/24/a-importancia-da-politica-para-a-economia.

Gustavo Sauer disse...

Obama, lula, chavez... Cada vez mais a america caminhando pra servidão via democracia. Os socilistas sabiam que iriam ganhar essa batalha no voto facilmente pois possuem um discurso e a maquina estatal a seu favor

Lucas de Moraes Felisbino Teixeira disse...

Bush não é o que os liberais chamam de um bom presidente. Acredito que o último bom presidente dos EUA foi o Reagan.

gabriel disse...

O que é "I. I. I. Adição"? Não sou psicólogo, mas pensei que ADD fosse Attention Deficit Disorder. Estou perdendo alguma coisa aqui?

samuel disse...

"Os socilistas sabiam que iriam ganhar essa batalha no voto facilmente pois possuem um discurso e a maquina estatal a seu favor"
A MENTIRA E O SUBORNO... são as virtudes socialistas.

Anônimo disse...

Excelente!

Lourival Marques disse...

Em uma palavra: excelente!