quinta-feira, junho 25, 2009

Deu em O DIA

Rodrigo Constantino: Os juros que não baixam

Economista e membro do Instituto Millenium

Rio - Em sua última reunião, o Copom reduziu a taxa básica de juros (Selic) para 9,25% ao ano. Trata-se da menor taxa em mais de 20 e anos. No entanto, o consumidor não sente tanto impacto assim na hora de tomar financiamento.

Afinal, a taxa média dos cheques especiais, por exemplo, está quase no mesmo patamar da Selic, só que ao mês! Os usuários desta modalidade de crédito pagam mais de 100% de juros ao ano.

O que explicaria diferença tão gritante? São inúmeras causas. Em primeiro lugar, há pouca competição no setor.

Os seis maiores bancos do País, por exemplo, possuem 87% do total de depósitos. Os dois principais bancos estatais, Banco do Brasil e Caixa, concentram 40% dos depósitos totais, e cobram taxas similares ao restante. O governo é o maior banqueiro do País!

O excesso de burocracia e regulação dificultam a competição. Além disso, os impostos diretos que incidem sobre os empréstimos são elevados, chegando a quase 10% da taxa final. Para piorar, há elevada inadimplência, e a lei acaba protegendo o devedor.

A Serasa divulgou recentemente que os cheques sem fundo atingiram o maior nível dos últimos 18 anos. Muitos consumidores adotam comportamento irresponsável em relação ao crédito. Isso não ajuda na redução da taxa de juros.

Por fim, a oferta de poupança é bastante limitada no País, e o governo acaba demandando boa parte dela para financiar seus gastos crescentes. Com uma baixa oferta de poupança, e uma demanda voraz do governo por recursos, a taxa de juros para os consumidores acaba pressionada, pois sobra menos dinheiro para este fim.

4 comentários:

Guto Flogner disse...

Sugestão:

Coloque no seu blog, a opção de ver os posts por dias, meses e anos. Para que as pesquisas sejam mais simplificadas e acessíveis.

Ahh...Parabéns pelo conteúdo dos seus artigos e pela destreza* com a qual você trata os diversos assuntos do blog.

* Só faltam criar uma lei proibindo o uso deste termo, com o argumento de que favorece os destros ou os de direita e desfavorece os canhotos ou os esquerdistas...rsrsrs

Rodrigo Constantino disse...

Seria uma boa. Como faço? Não sei mexer direito...

Luiz Mário Brotherhood disse...

Rodrigo, bom texto.

Bem curto, mas cheio de insights valiosos.


Ouço bastante o argumento de que os bancos privados não fazem empréstimos para os pequenos empresários e pequenos agricultores, pois representam altos riscos, em comparação com as empresas maiores. Isso impede o crescimento dos pequenos negociantes. Por isso, segundo essa idéia, são necessários os programas do governo de financiamento aos pequenos agricultores e empresários.

O que achas?

samuel disse...

Resposta ao Mario Brtherhood. Uma diretriz há que se aprender lendo as páginas deste Blog: Governo não é solução! Governo é o Problema, ou...Vamos solicitar ao Sarney para organizar o socorro solicitado, ou melhor vamos solicitar ao PT para comandar o socorro?