terça-feira, junho 16, 2009

Os Heróis do Frei



Rodrigo Constantino

“É sumamente melancólico - porém não irrealista - admitir-se que no albor dos anos 60 este grande país não tinha senão duas miseráveis opções: ‘anos de chumbo’ ou ‘rios de sangue’...” (Roberto Campos)

Em artigo publicado hoje em O GLOBO, Frei Betto tenta reescrever a História da esquerda atualmente no poder. Usando o recurso da “vitimização”, ele fala dos horrores da ditadura militar, como se aqueles grupos terroristas de esquerda realmente lutassem pela democracia. Frei Betto enaltece figuras como Carlos Marighella, Franklin Martins e Dilma Rousseff, guerrilheiros com fichas criminais bastante extensas.

Não obstante o fato de que os fins não justificam os meios (seqüestros, assaltos e ataques terroristas devem ser sempre condenados, independente da causa usada para justificá-los), devemos questionar quais fins esses comunistas almejavam. Afinal, Frei Betto, que também foi guerrilheiro, acha que os brasileiros devem a redemocratização a estas pessoas, enquanto elas, na verdade, lutavam para implantar no país um regime como o cubano, que até hoje é admirado por muitos deles.

E se tem uma coisa que não existe nem de perto em Cuba, essa coisa é justamente a democracia. Como disse Roberto Campos, “comparados ao carniceiro profissional do Caribe, os militares brasileiros parecem escoteiros destreinados apartando um conflito de subúrbio”. Os admiradores do ditador Fidel Castro não defendiam democracia alguma; muito pelo contrário. Fernando Gabeira, um desses guerrilheiros na época, chegou a confessar: "Estávamos lutando para substituir um sistema totalitário por outro sistema totalitário".

Vamos abrir todos os documentos da época da ditadura sim. Inclusive aqueles que mostram a verdadeira face desses que agora posam de paladinos da democracia, mas que sempre reverenciaram os regimes mais ditatoriais e nefastos que o mundo já viu.

6 comentários:

Jurema Cappelletti disse...

Como é possível a essa gente que se finge de democrata, critica duramente a ditadura militar, mas é amiga de outros ditadores como Fidel, por exemplo?

E o verdadeiro objetivo de Dilma e seus companheiros terroristas era apenas implantar uma ditadura... só que a deles. Por sinal, uma bem pior, pois não há nada mais perigoso que o extremismo de esquerda. Ou melhor, o extremismo esquerdóide.

/ Studio Art, Al. Franca, 1030, tel. (11) 3081-6883, São Paulo, SP disse...

Parabéns, sem dúvida, essa corja que está no poder, almejava o comunismo de cunho Leninista, e não a democracia! É incrível como a história brasileira está sendo distorcida, não é só em matéria do pseudo frei Betto, mas em livros escolares, por exemplo!
Até quando viveremos a masturbação da esquerda festiva?

Abrç.
André Nóbrega

Maristela Simonin disse...

Fernando Gabeira e Airon Rios (acho que é esse o nome dele) confessaram com honestidade que o fim perseguido pela esquerda armada naquela época era, de fato, substituir um sistema totalitario por outro. Mas como demonstrar isso quando se tem de argumentar contra a mà-fé de alguns (que se dizem orgulhosos de seus crimes!) e a ignorancia de tantos?

Everardo disse...

A opção pelo anonimato e pelas ações terroristas se tornam absolutamente sem sentido se considerarmos um ambiente democrático, de livre manifestação. Como pode alguém desejar ser o que já é, ou querer o que já tem? De quem se escondiam os terroristas? Quem é causa e quem é consequência? Podemos chamar atentado contra a democracia um ato contra o AI-5, por exemplo? è impressionante a frugalidade da lista de terroristas e os exemplos de terrorismo no país, para justificar so chamados anos de chumbo. Na verdade, na década de sessenta/ setenta, em nome do combate ao comunismo foram "implantadas" dezenas de "democracias" na América Latina - por quem?. Ditaduras e terror para evitarmos ditadura e terror. Agora o debate é sobre quem era pior...haja estômago.

Everardo disse...

André Nóbrega, não parece estranho que uma corja que tenciona instalar uma ditadura comunista de cunho leninista muda de idéia, ao chegar ao poder, e consolida a democracia? (que os democratas que se-lhes opunham abominam?). Falta dizer que um ou outro estão sendo insinceros?

Everardo disse...

Jurema, Fidel Castro fracassou na tentativa de exportar o comunismo e implantar ditaduras na América Latina na época da guerra fria. Os vencedores foram os EUA, que implantaram ditaduras mais (Argentina e Chile) ou menos(Brasil) atrozes. A Escola das Américas (Panamá) era a irmã simétrica da academia de Cuba, e os agentes da CIA se mostraram mais capazes que os albaneses, cubanos e russos. Mas, escolher qual seria a melhor ou a "pior" ditadura não deva ser coisa boa para as suas vítimas...ambas são abomináveis.