terça-feira, fevereiro 08, 2011

Procura-se líder de oposição

Rodrigo Constantino, O Globo

A oposição brasileira parece à deriva, sem rumo. Enquanto PT e PMDB se digladiam por cargos num lamentável espetáculo de fisiologismo, o DEM corre o risco de rachar ao meio e o PSDB não consegue se definir como alternativa ao governo. Tucanos e petistas disputam a hegemonia da social-democracia retrógrada que predomina no debate ideológico do país. Nem mesmo as bem-sucedidas privatizações o PSDB consegue defender com convicção. Falta uma oposição que tenha um verdadeiro projeto alternativo a oferecer.
O que aconteceu na Inglaterra durante os anos 80 pode jogar uma luz na escuridão em que mergulhou nossa oposição. A era Thatcher foi uma verdadeira revolução, colocando o país novamente nos trilhos do progresso sustentável. Na fase precedente, a inflação chegava a dois dígitos após o descontrole dos gastos públicos, os sindicatos concentravam poder absurdo e os monopólios estatais haviam se transformado em enormes palcos de corrupção. A decadência inglesa era evidente.
Tal era a situação quando Thatcher assumiu o governo em 1979. Apesar de ser a primeira mulher a ocupar este importante cargo, ela jamais fez disso uma bandeira política. Quando perguntavam como ela se sentia sendo a primeira mulher naquela posição, ela respondia que não tinha como saber, pois nunca experimentara a alternativa. Thatcher foi uma mulher de grande coragem e fortes convicções, determinada a mudar a agenda keynesiana que havia afundado a economia inglesa. Mas a principal lição que se pode tirar de sua trajetória é que a vitória foi plantada antes da conquista do poder.
Sem o pano de fundo criado pelo incansável trabalho de divulgação de idéias enquanto oposição, os Conservadores dificilmente teriam derrotado as poderosas forças reacionárias que lutavam para preservar os privilégios do antigo regime. Nem mesmo Thatcher seria capaz de colocar abaixo o “Estado babá” se a mentalidade dos ingleses não estivesse preparada. Quando assumiu o poder, Thatcher já tinha um projeto de reformas pronto, divulgado de forma clara e direta, em linguagem simples. Isso impediu que suas medidas fossem vistas como radicais.
Os Trabalhistas entregaram um país com altos impostos, economia centralizada, inflação galopante, indústrias nacionalizadas, subsídios crescentes, regulação asfixiante, em suma, uma nação rumo ao socialismo fracassado. Thatcher abraçou com vontade a direção oposta, do livre mercado, do empreendedorismo, da meritocracia e do império da lei. As máfias sindicais seriam alvo de duros golpes. Os desafios eram gigantescos, mas não faltava confiança a Thatcher, pois ela sabia que estava fazendo o que era certo.
Acima de tudo, Thatcher sabia que teria de vencer a batalha no campo das idéias. O esforço para disseminar seus valores foi hercúleo antes da chegada ao poder.
Até mesmo dentro de seu partido suas crenças estavam longe de ser unanimidade, e seu trabalho foi intenso para resgatar a fé dos colegas na liberdade individual. O governo não deveria mais ser visto como um “messias salvador”, dizendo a todos como agir, controlando a economia e também as vidas privadas.
Já no governo, as pequenas ações mostrariam as mudanças de postura. Thatcher pagou do próprio bolso as reformas que fez no estúdio de sua residência oficial. O exemplo vinha de cima.
A austeridade fiscal não ficaria apenas na retórica. A despeito dos imensos obstáculos, os esforços seriam redobrados quando necessário. As “soluções mágicas” são tentadoras, pois empurram os problemas para frente. Mas Thatcher estava decidida a mudar realmente os fundamentos da economia, mesmo com elevado custo político no primeiro momento.
Ela foi uma estadista, não uma populista.
Os resultados são conhecidos. Os ingleses colheram os frutos da dolorosa fase de ajustes. O encontro com a realidade permitiu reformas estruturais que devolveram a competitividade à economia inglesa. O desemprego não caiu no começo, mas em 1990, quando Thatcher deixou o governo, a Inglaterra já possuía a menor taxa da Europa. Seu sucesso, porém, foi plantado antes. Em 1975 ela se tornou líder da oposição, e ajudou a divulgar as idéias de pensadores como Hayek. Sem esta iniciativa, seu legado dificilmente seria o mesmo.
Que isso sirva de lição para nossa sonolenta oposição. Um dia os ventos externos mudam a direção, e vamos precisar de um modelo alternativo, quando as várias ineficiências da gestão petista vierem à tona. O caminho certo deve ser defendido desde já. Procura-se um líder de oposição. Que falta nos faz uma Margaret Thatcher!

7 comentários:

André Santoro disse...

Rodrigo, gostaria de saber sua opinião sobre a situação do Reino Unido hoje, onde o PM David Cameron luta bravamente contra a oposição Trabalhista (que foi às alturas com os dados da economia no último trimestre de 2010) e que luta fortemente via os fortes movimentos sindicais ingleses contra as reformas propostas pelo atual governo.

Rodrigo Constantino disse...

André, tenho acompanhado Cameron com bastante empolgação. Acho que ele tem comprado as brigas certas. Espero que consiga mudar aquilo tudo podre por lá.

Veja esse discurso dele sobre o Islã, por exemplo. Objetividade moral que falta aos líderes da região.

http://www.telegraph.co.uk/news/newstopics/politics/david-cameron/8305346/Muslims-must-embrace-our-British-values-David-Cameron-says.html

Gustavo disse...

Ela fez tudo isso, e depois voltaram os trabalhistas para colocar o pais na merda de novo...

Anônimo disse...

Certamente esse líder não é Serra, já que ele mesmo declarou que é adepto do Estado do Bem Estar, e que deixou bem claro em suas promessas de campanha.Thatcher e Social-democracia: nada a ver.

paulo roberto

André Santoro disse...

Rodrigo,

tentei achar um outro discurso do Cameron, mas não consegui. Estive um mês na Inglaterra agora em Janeiro e pude persenciar ao vivo no Parlamento a discussão dele e do Millband sobre a reforma da NHS... Acredito até que você já possa ter visto, mas se não, recomendo fortemente!

Leonardo disse...

"Sir John Major KG, CH (29 de Março de 1943, Londres) foi primeiro-ministro britânico de 1990 a 1997. Político conservador, sucedeu a Margaret Thatcher, dando continuidade a políticas conservadoras e acabando por elevar o desemprego ao longo dos anos 90."

Rodrigo, nao entendo. Voce afirmou que quando Tatcher saiu do governo, o desemprego da Inglaterra era o menor da Europa, aí na Wikipedia diz que o Major elevou o desemprego nos anos 90.

Onde podemos ver os dados concretos? Os esquerdistas sempre acusam tatcher de ter desmantelado o país e triplicado o desemprego, onde podemos consultar os dados concretos?

Leonardo disse...

"Sir John Major KG, CH (29 de Março de 1943, Londres) foi primeiro-ministro britânico de 1990 a 1997. Político conservador, sucedeu a Margaret Thatcher, dando continuidade a políticas conservadoras e acabando por elevar o desemprego ao longo dos anos 90."

Rodigo, voce afimra wuer quando Tatcher saiu do poder, o Inglaterra tinha a menor taxa de desemprego da Europa, aí na Wikipedia diz que Jonh Major ELEVOU mais ainda o desemprego depois que ela saiu. Onde podemos consultar os dados concretos, os esquerdistas acusam muito a Dama de ter desmantelado o país e triplicado o desemprego.

Tem algum fonte possível aqui na internet para consulta dos dados do período Tacther?