sexta-feira, outubro 12, 2007

O Nobel da Paz


Rodrigo Constantino

Acaba de ser anunciado o mais novo vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 2007. Ninguém menos que Al Gore, ex-vice-presidente dos Estados Unidos. O prêmio foi por seu trabalho de divulgação mundial das mudanças climáticas do planeta, cuja obra mais famosa foi seu documentário Uma Verdade Inconveniente, onde supostamente apresentou evidências para sustentar a acusação de que o homem é o grande culpado pelo aquecimento global.* Todos aqueles que abraçam com fé a causa celebraram a notícia. Eles acreditam que esse prêmio colocará ainda mais na pauta de debates a questão do aquecimento. Tomara que sim! Mas receio que o debate verdadeiro não seja do real interesse de muitos que aderiram a este eco-terrorismo, assim como desconfio que um Nobel da Paz em nada ajude o lado desses “ambientalistas”. Explico.

Em primeiro lugar, seria útil entender a origem do Prêmio Nobel da Paz. Em 1889, os irmãos Nobel, do ramo de petróleo, completaram um duto de 42 milhas através de uma montanha na Rússia. O que fez toda a diferença pela conquista foi o uso de 400 toneladas da dinamite criada por Alfred Nobel. Quando Ludwig Nobel morreu, alguns jornais europeus o confundiram com o irmão Alfred, que foi reportado como morto. Lendo seu obituário prematuro, Alfred ficou abalado ao descobrir que era condenado como um criador de munições, o “rei da dinamite”, um sujeito que tinha feito uma fortuna através da morte de vários inocentes. Ele resolveu então reescrever seu testamento, deixando seu dinheiro para a criação de prêmios que iriam perpetuar seu nome da forma mais honrosa possível. Tinha início então uma seqüência de prêmios que objetivava, na verdade, criar uma boa imagem perante o público, fazer propaganda de ações “politicamente corretas” que as massas vissem com bons olhos. A dinamite era substituída pelo Nobel da Paz!

A lista de vencedores do Prêmio Nobel da Paz conta com gente séria e merecedora de reconhecimento, sem dúvida. Martin Luther King Jr. é um exemplo que vem à mente, entre outros. Por outro lado, alguns nomes da lista simplesmente não fazem sentido algum. Por exemplo: o que o ex-presidente americano Jimmy Carter está fazendo nessa lista? Um presidente que, na melhor das hipóteses pode ser chamado de medíocre, enquanto na pior delas pode ser visto como alguém negligente diante da ameaça comunista, merece o Prêmio Nobel da Paz por qual motivo? A justificativa fala em seu esforço pelos “direitos humanos” e para promover o desenvolvimento social no mundo. O que?! Se durante o seu governo tudo o que ele conseguiu foi atrasar o desenvolvimento americano, ele merece um prêmio por pregar utopias esquerdistas mundo afora? Não vamos esquecer que recentemente até o presidente Lula foi cogitado como um possível candidato ao prêmio, por ficar falando bravatas na ONU sobre impostos para combater a fome mundial. Um presidente de um país ainda repleto de pobres, dando aulas aos ricos sobre como solucionar a fome no mundo. É fantástico! É um caso típico para o Nobel da Paz: discursos lindos que nada fazem de concreto e positivo na prática. Pelo contrário...

Outro agraciado pelo prêmio foi Kofi Annan, ex-secretário geral da ONU. Annan comandou a ONU durante o programa de Petróleo-por-Comida, para lidar com a ameaça do Iraque. Hoje se sabe que este programa foi um verdadeiro antro de corrupção, favorecendo os barões do petróleo, os ditadores e seus amigos. O filho do próprio Kofi Annan foi citado como um dos favorecidos pelo esquema multibilionário. E por falar em corrupção, lembramos de comunismo, que nos remete a outro estranho vencedor do prêmio: Gorbachev. Líder da União Soviética durante sua acelerada decadência, Gorbachev recebeu o prêmio pelo fim da Guerra Fria. Não é Reagan, vejam bem!, quem merece o prêmio, mandando Gorbachev derrubar aquele nefasto muro e investindo no setor militar de forma a debilitar os devaneios soviéticos. Nada disso! O prêmio foi para aquele que, internamente, discursava sobre medidas para salvar o comunismo na Rússia. Um comunista, herdeiro do regime mais genocida que existiu no planeta, foi Nobel da Paz. Se Picasso ganhou o Prêmio Lênin da Paz, depois de fazer uma litografia com a famosa pomba para o Congresso Mundial da Paz em Paris, como presente para o carniceiro Stalin, nada mais me choca. Alguns “pacifistas” poderiam estar tranquilamente em Guantánamo!

Mas isso não é tudo. Creio que o pior mesmo, o mais estarrecedor de todos, foi quando o Prêmio Nobel da Paz foi parar nas mãos de ninguém menos que Yasser Arafat, o então líder do grupo terrorista OLP. Arafat e paz são duas palavras que simplesmente não se misturam, tal como água e óleo na prática. Os atos terroristas da OLP ocorriam com o financiamento que Arafat conseguia no exterior, enquanto sua mulher e filha vivam confortavelmente em Paris. Arafat, apesar da propaganda enganosa, fez de tudo para evitar um acordo de paz com Israel. Quando Israel cedia em praticamente todas as exigências palestinas, Arafat demandava mais, ou seu grupo terrorista iniciava nova onda de ataque à inocentes. A paz não interessava muito aos terroristas, por motivos óbvios. Um sujeito como Arafat receber o Nobel da Paz era o golpe fatal que restava para desmoralizar de vez este prêmio.

E eis que chegamos em 2007, com Al Gore sendo o novo vencedor do Nobel da Paz. Os “ambientalistas” que odeiam o progresso capitalista comemoram bastante. Ponto para a causa dos que demandam mais e mais controle do governo em nome do combate ao aquecimento global. Será mesmo? Não sei quanto a estes “melancias” – verdes por fora e vermelhos por dentro, mas eu não gostaria de receber um mesmo prêmio que Yasser Arafat recebeu. Diga-me com quem andas que te direi quem és. Algumas companhias desse prêmio dão calafrios! Mas algo me diz que os mais fanáticos seguidores da causa de Al Gore não se importam nada em ter Arafat no rol dos vencedores do mesmo prêmio. Pelo contrário: eles gostam! É, no fundo, faz sentido...

* Para quem realmente tem interesse em se informar sobre o tema aquecimento global, evitando conclusões precipitadas e dogmáticas sem a devida reflexão, sugiro o documentário The Great Global Warming Swindle, cujo link no YouTube é: http://www.youtube.com/watch?v=1JCVjg7H94s

14 comentários:

augusto disse...

Sem comentários.Difícil rebater os fatos.

Anônimo disse...

Ola Rodrigo,

Do quarto fantastico do qual voce parece fazer parte (Mainard, Olavo, Tio Rei e vc)... Vc ainda é o mais educado e que ainda mantém um pouco de consistência no que apresenta. Ainda que na qualidade de ex-olavete, vc carrega uma serie de preconceitos "economisicistas" e dogmas direitóides delirantes que são difíceis de engolir.

Só o fato de vc ter escrito para o site do delirante Olavo já lhe proporcina um manha no curriculo. Quem se mete com ele, e compra seus delirios, nao merece credibilidade. Mas acho que o escorpiao te picou e vc tomou a licao, né?

Vim parar aqui no seu site devido a um artigo que escreveu sobre o Livro Cachorros de Palha (Jonh Gray). Achei este artigo bom em certa medida. Nao tenho tempo para comenta-lo agora.

O artigo sobre o Filme A Verdade Inconveniente também julguei bom, e compactuo em grande medida com suas opinioes ali expostas.

Parti para outros artigos, mas e bem dificil de comprar suas ideias.

A mao invisivel do Smith é a maior bobagem já tida como ciëntifica e certa... vicios de economista...

Bem, estou sem tempo e teclado configurado... mas nao gosto de consumir algo sem dar o feed back.

Ate mais.

Beto-Piracicaba

Anônimo disse...

voce é um homem doente...

que há de bom neste mundo para vc?

tudo é carregado por uma visao negra da realidade... G.W.Bush deve ser o homem perfeito para vc...

ilariante ler seus artigos... todos!

Anônimo disse...

Esse negócio de aqucimento global é coisa de ambientalista delirante. A queima de petróleo faz até bem à atmosfera terrestre.

Anônimo disse...

Fora os belessímos poentes das grandes metrópoles. O pôr do sol realmente fica mais interessante quando visto abaixo de uma camada espessa de fumaça.

Gaoth disse...

Rodrigo,parabens pelo artigo.
Maior politicagem ao dar o premio para o Al Gore impossivel!
Como disse o post do augusto:é dificil rebater os fatos.

Peregrino disse...

Pois é, Rodrigo. Esperar o quê do bando de esquerdóides que o ataca aí acima? A verdade é que, a partir da guerra fria, o mundo ficou dividido entre eles (que se auto-definem como o "bem") e nós (o "mal"). Mas o que os deixa putos mesmo é a constatação simples de que o "mal" vence sempre. São um bando de perdedores e continuarão assim.

Belo post e mais belo video.

Maurício disse...

Pela sua lógica estranha, Martin Luther King Jr. também é outro exemplo bizarro de Nobel da paz, uma vez que ele se posicionou contra a guerra do Vietnã, que tinha como objetivo impedir o avanço dos comunistas...

E por falar, nisso, já resolveu dar os devidos créditos aos autores das fotos que usa em seu blog ?

Marcelo Scotton disse...

Se me permite o palavrão, meu caro Rodrigo, seu artigo filho "do caralho".

Parabéns, muito bom. Nada substitui a honestidade intelectual do sujeito, e você a destila com qualidade em seus textos.

FÁBIO MARTON disse...

Explosivos e o prêmio... Arafat deveu duas aos irmãos Nobel.

Gustavo disse...

Também adoro uma cortininha de fumaça. Acordar de manhã e sentir aquele cheirinho do cano de descarga da minha janela me faz muito bem.

Você esqueceu que o capitalismo não é um fim em si mesmo.

Nesse post aí você tá pouco inspirado, rapaz!

Marcelo disse...

Parabens pelo texto. Concordo com cada palavra. Pessoal da esquerda sempre batendo ponto. eheheh
(Erros ortograficos = Teclado desconfigurado. Sorry dude.)

Helio disse...

Voce e muito bom,Rodrigo.Visito com frequencia seu site e espalho seus artigos.Principalmente quando voce escreve esculachando o Lula e o PT.Ambientalismo e maluquice e Al Gore e seu melhor representante.Parabens.

Dignas de Nota disse...

Sei não... Parece-me que muitas economistas QUEREM ACREDITAR que o problema não existe de forma tão apaixonada quanto os esquerdistas querem acreditar que existe.

Um documentário que se intitula "A Farsa do Aquecimento Global" também não me parece o mais imparcial possível.

Por falar nisso, um amigo acabou de voltar da Bolívia, e disse que uma estação de esqui que existia lá não existe mais. Motivo: a geleira derreteu.