sexta-feira, janeiro 09, 2009

Em Quero é Paz!



Rodrigo Constantino

“Tudo que é necessário para o triunfo do mal é que as pessoas de bem nada façam.” (Edmund Burke)

Em 1949, o cartaz para o Congresso Mundial da Paz em Paris foi impresso com uma litografia de Picasso, que eternizou a pomba como símbolo da paz. Os patrocinadores do evento, paradoxalmente, eram os assassinos de Moscou. Os objetivos dos comunistas eram basicamente dois: poderiam dispersar a atenção mundial de Moscou e das atrocidades lá cometidas por Stalin; e forçariam uma associação simplista entre comunismo e luta pela paz. Enquanto ingênuos bem intencionados levantavam cartazes pedindo paz, seus financiadores executavam milhões de inocentes atrás da cortina de ferro.

Desde então, os comunistas, sempre mais preocupados com a propaganda ideológica do que com os seres humanos, organizam passeatas em nome da paz quando surge uma oportunidade para atacar democracias liberais. No caso recente da guerra em Gaza, o PT não perdeu tempo e logo fez uma declaração de repúdio ao “terrorismo de Estado” israelense, enquanto não existem documentos do partido fazendo uma única crítica ao verdadeiro terrorismo do Hamas. O tiranete Hugo Chávez chegou a expulsar o embaixador de Israel da Venezuela. E o PSTU organizou manifestações onde bandeiras dos Estados Unidos e Israel foram queimadas por indivíduos vestindo camisetas com a foto do assassino Che Guevara estampada.

A jornalista espanhola Pilar Rahola escreveu um artigo em defesa de Israel onde perguntas inconvenientes são feitas. Apesar de não ser judia e ser de esquerda, Rahola questiona por que as manifestações “pela paz” nunca condenam ditaduras islâmicas. Ela pergunta também por que a submissão feminina no Islã nunca é alvo de manifestações no Ocidente. Ela quer saber por que essas manifestações “pacifistas” nunca têm como alvo o uso de crianças palestinas como escudos humanos ou bombas. Por fim, ela deseja saber onde estavam esses “pacifistas” quando a ditadura islâmica exterminava milhares de vítimas no Sudão. Pilar deixa no ar a sua pergunta do “milhão”: por que a esquerda européia, e globalmente toda a esquerda, estão obcecadas somente em lutar contra as democracias mais sólidas do planeta, Estados Unidos e Israel, e não contra as piores ditaduras? O silêncio diante dessa questão é uma confissão de hipocrisia da esquerda mundial.

Os “pacifistas” costumam sempre pregar a saída diplomática para os problemas geopolíticos. Vestidos com a causa pacifista, os comunistas franceses exortaram os trabalhadores das fábricas de armamento a sabotarem seu trabalho e pressionaram os soldados a desertarem, quando os exércitos nazistas estavam a poucas semanas de ocupar Paris. Quando o inimigo despreza a razão e luta por uma causa fanática, a diplomacia é totalmente ineficaz. Conversar com Bin Laden, Hitler, Stalin ou Ahmadinejad não rende bons frutos. Com terroristas não se negocia, é o lema da polícia americana. Mas os “pacifistas” não querem debater os meios mais eficazes para manter a paz. Eles desejam apenas monopolizar o fim, ou seja, posar de únicos defensores verdadeiros da paz.

Muitos “pacifistas” usam Gandhi como suposta prova de que a reação pacífica pode ser o caminho certo. Ignoram que do outro lado estava a Inglaterra, com uma população mais esclarecida e sujeita aos apelos populares. Fosse um Hitler ou Stalin, Gandhi seria apenas mais um mártir morto sem bons resultados. Para quem duvida, basta ver o destino do Tibete. Os monges que seguem Dalai Lama não passam de escravos da ditadura comunista chinesa. Gandhi teria alertado: “olho por olho e a humanidade acabará cega”. Creio que faltou mencionar algo alternativo: “olho por nada e uma parte da humanidade acabará cega; a parte inocente”. Como bem colocou George Orwell, o jeito mais fácil de acabar com uma guerra é perdê-la.

Não quero ser mal compreendido. Odeio violência com todas as minhas forças. Acho que seu uso é um último recurso, após o fracasso de todas as alternativas. Porém, não vou sucumbir ao mundo das fantasias, dissociado da realidade. Em certas ocasiões, lidando com certas pessoas, não existe outra opção que não a reação dura ou mesmo violenta. Ninguém vai oferecer rosas para um estuprador na iminência de um estupro. Não é razoável achar que há chance de diálogo com quem mata crianças deliberadamente em nome de sua causa. Chega a ser infantil afirmar que a educação sozinha faria um animal que pratica genocídio virar um bom samaritano. O mundo real não é tão belo. Frutos podres existem e as causas são variadas. Quem não ataca as conseqüências dos atos bárbaros desses indivíduos está pedindo para viver num mundo caótico, sob o domínio do mal. Por mais chocante que isso possa parecer, talvez seja exatamente o que muitos “pacifistas” desejam. Não passam de misantropos disfarçados. Finalizo com o alerta sábio de Schopenhauer: “Quem espera que o diabo ande pelo mundo com chifres será sempre sua presa”.

4 comentários:

Tibiriçá Ramaglio disse...

O marxismo é uma paródia de religião. O pensamento e a prática da esquerda, apesar de suas conseqüências trágicas, é uma imensa farsa. Eles clamam pela paz, pela justiça social, posam de heróis na luta antifascista (nos anos 30/40) e de heróis da luta pela democracia (no Brasil, de 64 a 85). Falam em nome de algumas classes sociais e até da humanidade como um todo, embora representem, quando muito, estreitos círculos intelectuais. Que nome dar a isso? Farsa! Qual outro?

Administrador disse...

A pomba branca é um símbolo bíblico, que representa o Espírito Santo. Não foi Picasso que inventou nada disso...

Jeová disse...

Que eu saiba, a pomba branca era símbolo do Espírito Santo, não da paz.

Núbia Tavares disse...

Constantino, excelente artigo. Essas são questões que realmente rpecisam ser levantadas e SEMPRE. Acho que nós, defensores da liberdade, deveríamos nos mobilizar para colocar esse tema em discussão SEMPRE, e não apenas em um momento complicado como este, em que fotos de crianças mortas pelos ataques israelenses estampam capas de jornais em todo mundo. É complicado brigar com imagens; por outro lado, jamais teremos fotos dos extermínios esquedistas, já que sabemos que essas ditaduras religiosas fundamentalistas têm horrores à liberdade de imprensa. Mas é preciso fazer alguma coisa para por essse assunto de pauta e tirar essas discussões da blogosfera e de artigos pontuais na imprensa. Precisamos fazer isso virar pauta, tema de discussão perando a opinião pública. Ou eternamente a história será essa: democratas malvados, terroristas coitadinhos.