sexta-feira, novembro 30, 2012

A pressão do Felipão


Rodrigo Constantino, para o Instituto Liberal

Uma vez mais apontado como o técnico da nossa seleção, Felipe Scolari entrou de sola ao declarar que os jogadores têm que aceitar a pressão, caso contrário deveriam trabalhar no Banco do Brasil. Naturalmente, sua fala incomodou a turma defensora do estado empresário. Mas ele não mentiu.

Claro que nem todos os funcionários públicos são acomodados. Tem gente séria trabalhando em estatais. Mas os raladores de verdade são exceção, não a regra. E o motivo está no mecanismo de incentivos. Como Felipão bem sabe, o jogador, para dar o melhor de si, precisa dessa pressão, da punição se jogar mal, e do bônus se arrebentar.

O mesmo não ocorre nas estatais. Os funcionários estão cercados de privilégios, e quase nunca o mérito é utilizado como régua, sendo mais comum o uso de politicagem na escada hierárquica dessas empresas. Vide os escândalos infindáveis envolvendo estatais, as indicações apadrinhadas, os favorecimentos dos compadres.

Mas nem todos os funcionários públicos podem trabalhar sem pressão. Aqueles da Receita Federal precisam trabalhar direito para tirar mais recursos da sociedade e transferi-los aos cofres do governo. Por isso virou manchete, como de praxe: arrecadação bate novo recorde!

Trabalhamos mais de um terço do ano só para sustentar o setor público. Como a carga é escandinava, mas os serviços são africanos, ainda temos que pagar tudo em dobro: plano de saúde privado, segurança do condomínio, escola particular para os filhos etc. Como seria bom se os acomodados estivessem na Receita em vez de no Banco do Brasil...

Para resolver a ineficiência de nossas estatais, nem a pressão do Felipão dá jeito, pois ele não teria liberdade para agir com base na meritocracia. Só resta mesmo uma saída: Privatize Já!

7 comentários:

Vanessa Oliveira disse...

Adorei o Felipão como garoto propaganda do seu livro. Ficou engraçado...

E ele já voltou atrás e pediu desculpas ao BB, afinal, há um quê de banco do brasil entre os patrocinadores da seleção e ele precisa pagar as contas, né?

Não se pode nem fazer piada nesse país...

Gustavo Inubia disse...

Felipão exagerou um pouco, sim. Provavelmente, devido à noção de funcionário do Banco do Brasil que se tinha quando ele era mais jovem. É importante, frisar, contudo, que o Banco do Brasil passou por profunda mudança organizativa durante o governo FHC, sobretudo em 1998, mudança esta que até hoje revolta alguns funcionários mais antigos, pré-1998. Sem dúvida, o Banco do Brasil ainda têm inúmeros problemas. Na minha opinião, na qualidade de ex-funcionário, alguns deles são nitidamente devidos à sua condição de empresa de economia mista, como critérios pouco transparentes para comissionamento de administradores e de alguns cargos na Direção Geral e processos internos com excesso de burocracia. Mas o dia a dia de um funcionário médio do Banco do Brasil, que trabalha nas agências, é de muita pressão pelo atingimento de metas negociais e prevê punições em caso de desempenho insatisfatório. Tanto que a lucratividade do Banco nos últimos anos foi muito semelhante a de seus concorrentes privados. Na minha época de funcionário do Banco, vi colegas de várias agências ficarem sem a participação nos lucros em virtude do não atingimento de metas. Vi administradores de agência (gerentes gerais) perderem a comissão por isso. Não perderam o emprego, de fato, mas vi muitos voltarem ao piso da carreira (escriturário). E é necessário esclarecer: o funcionário do BB é celetista, como qualquer um que trabalha na iniciativa privada, e não tem estabilidade no cargo. A promoção interna se dá por meio de comissionamentos, e a comissão pode ser revogada. No entanto, como ranço de empresa de economia mista, reconheço que os processos de descomissionamento em geral são burocráticos e demorados, à exceção, talvez, do cargo de gerente geral de agência. Neste caso, não atingiu a meta, está fora. Pelo exposto, acho que Felipão exagerou um pouco. Por desconhecimento da realidade atual do Banco. O que ele disse é verdade em muitos lugares. No Banco do Brasil, nem tanto.

Gustavo Inubia disse...

Felipão exagerou um pouco, sim. Provavelmente, devido à noção de funcionário do Banco do Brasil que se tinha quando ele era mais jovem. É importante, frisar, contudo, que o Banco do Brasil passou por profunda mudança organizativa durante o governo FHC, sobretudo em 1998, mudança esta que até hoje revolta alguns funcionários mais antigos, pré-1998. Sem dúvida, o Banco do Brasil ainda têm inúmeros problemas. Na minha opinião, na qualidade de ex-funcionário, alguns deles são nitidamente devidos à sua condição de empresa de economia mista, como critérios pouco transparentes para comissionamento de administradores e de alguns cargos na Direção Geral e processos internos com excesso de burocracia. Mas o dia a dia de um funcionário médio do Banco do Brasil, que trabalha nas agências, é de muita pressão pelo atingimento de metas negociais e prevê punições em caso de desempenho insatisfatório. Tanto que a lucratividade do Banco nos últimos anos foi muito semelhante a de seus concorrentes privados. Na minha época de funcionário do Banco, vi colegas de várias agências ficarem sem a participação nos lucros em virtude do não atingimento de metas. Vi administradores de agência (gerentes gerais) perderem a comissão por isso. Não perderam o emprego, de fato, mas vi muitos voltarem ao piso da carreira (escriturário). E é necessário esclarecer: o funcionário do BB é celetista, como qualquer um que trabalha na iniciativa privada, e não tem estabilidade no cargo. A promoção interna se dá por meio de comissionamentos, e a comissão pode ser revogada. No entanto, como ranço de empresa de economia mista, reconheço que os processos de descomissionamento em geral são burocráticos e demorados, à exceção, talvez, do cargo de gerente geral de agência. Neste caso, não atingiu a meta, está fora. Pelo exposto, acho que Felipão exagerou um pouco. Por desconhecimento da realidade atual do Banco. O que ele disse é verdade em muitos lugares. No Banco do Brasil, nem tanto.

Anônimo disse...

Já fui auditor (privado) do Banco do Brasil e posso afirmar que o Felipão não exagerou em nada. Passei meses no prédio Sede I do BB, localizado em Brasília e deu vergonha de ser brasileiro ao ter conhecimento do rítmo de "trabalho" existente nessa instituição. A rotina era a mesma de um desempregado, pois a maioria das pessoas faziam tudo, menos trabalhar. Certamente, esse banco só existe ainda devido ao imenso spread bancário, concentração de bancos no mercado e ao governo federal, pois, devido à ineficiência (pra não escrever outra coisa), em um mercado competitivo certamente já teria falido.

Privatize já!

Igor

Anônimo disse...

Para ter gerado tanto debate, é porque ele tocou na ferida. Falou o que todo mundo pensa. E sério!
Márcio Astrachan

Celso Costa disse...

O Felipão como outros que falam essa besteira de não ter pressão em trabalhar no BB não sabem do que estão falando. Trabalhei 4 anos no Banco do Brasil, entre o varejo e o corporate, e existe muita pressão. Os funcionários do BB não são funcionários públicos, acho que todos sabem disso. É verdade que quase não há demissão no Banco, mas é muito comum perder a comissão (não é comissão de vendas, mas "cargos") e sem esse acréscimo no salário todos os funcionários recebem praticamente a mesma coisa. E para garantir a comissão é necessário "matar um leão por dia".
Existe funcionário vagabundo como em qualquer lugar, mas a maioria rala pra caramba.
Ser técnico da seleção, receber R$ 300 mil e viajar o mundo todo por conta da CBF não tem mais pressão do que um gerente do BB que recebe ligações, emails, torpedos etc cobrando metas.
Quem não conhece a rotina dos funcionários do BB que se informe, pois reproduzir algo errado é para papagaios que não sabem pensar.

rodrigo disse...

Em qquer lugar, trabalho depende muito de atitude, iniciativa, e sim, um pouco de pressão ou estresse. Naquela final de 2006 por exemplo faltou isso tudo a seleção brasileira. Vamos ver se o Filipão trabalha bem de novo. O lado ruim disso ocorrer, ganharmos a copa, é o povo achar que o Brasil, país, tá no rumo certo!