terça-feira, março 13, 2012

Do crucifixo público

Mensagem que postei no blog do Reinaldo Azevedo:

Prezado Reinaldo, apenas para aumentar o coro dos ateus com algum bom senso e conhecimento histórico, afirmo que estou deste mesmo lado seu e do Diogo Mainardi nesta batalha. Sou ateu sim, graças a Deus! Mas nem por isso vou cuspir na tradição cristã, indissociável da cultura ocidental. Esse ataque aos crucifixos em locais públicos é uma bobagem de ateu militante (ou seja, crente de uma nova seita) na melhor das hipóteses, ou uma deliberada e perigosa campanha esquerdista contra certos valores nobres aos liberais e conservadores de boa estirpe, na mais provável das hipóteses. Continue a boa luta! Abraços, Rodrigo Constantino.

19 comentários:

Anônimo disse...

Como eu sempre digo, a classe verdadeiramente perseguida no mundo é o Homem Branco Heterossexual Cristão. É o único espécime que não tem over nine thousands ONG's defendendo.

Anônimo disse...

Rodrigo
O RA publicou um texto imperdível do jurista Paulo Brossard. sobre o crucifixo cujo argumento central tem e muito a ver com ajustiça (cita inclusive Rui BarbosA

Flowerpunk disse...

Boa, Rodrigo. O resumo que o RA fez da exposição do Mainardi foi perfeito: "Não acredito em Deus, mas acredito na Igreja". POr traz disto tudo podemos ver claramente o ódio a civilizaçâo pcidental e uma estratégia gramsciana de chegara a hegemonia. É o marxismo cultural em prática. A verdadeiraluta ideológica não é entre religiosos e ateus, conservadores e liberais, keynesianos e austriácos. Mas sim entre nós, que acreditamos nos valores universais do direito individual e da liberdade e eles, os utópicos totalitários donos da verdade que sabem o que é bom para nós e querem nos libertar.

Lourival Marques disse...

Sou mais o Cristaldo:

http://cristaldo.blogspot.com/2012/03/papistas-defendem-imposicao-fascista-no.html

Rafael Pinto disse...

Sou a favor da retirada dos crucifixos.

O Estado é laico, portanto deve respeitar o direito de outras religiões, ou até mesmo a falta delas, de não crer em Cristo. A separação entre Estado e Igreja deve sim ser feita da forma mais clara e transparente possível.

Felipe disse...

[off]

E lá vem mais roubalheira:

http://www.noticiasautomotivas.com.br/transito-no-rio-sem-solucao-pedagio-no-centro-sera-inevitavel/

Incrível o cinismo do tal Milton Corrêa da Costa.

[/off]

Anônimo disse...

Ótimo. Mudemos a bandeira do Reino Unido, dos países Escandinavos, da Grécia... Demolimos o Cristo Redentor. Acabamos com os feriados cristãos, a começar pelo Natal...
Aliás, há uma estátua em Brasília que é uma referência a Iustitia, uma deusa romana, demolimos ela também.


Curiosamente, as mesmas pessoas que defendem a retirada dos crucifixos são contra banir os véus islâmicos em lugares públicos, vai entender marxistas...
Vai ver é porque cristãos não saem se explodindo em nome de sua religião como os islâmicos...

Vinicius disse...

e as Cortes com a as Estatuas/Imagens da Deusa Grega da Justica... tb eh pra tira?.....FAIL..... esses ateus militantes comunas bando de sociopatas

Míriam Martinho disse...

Então, sou uma liberal de má estirpe. Se me permite, deixo link para o meu pitaco sobre o tema, Crucifixos e não crucifixos, eis a questão? http://bit.ly/ykc0hj Abs,

Anônimo disse...

“O crucifixo está nos tribunais não porque Jesus fosse uma divindade, mas porque foi vítima da maior das falsidades de justiça pervertida.” Paulo Brossard
De onde este “notável jurista” tirou tamanho disparate? Concordando-se ou não com os crucifixos nas repartições públicas, é óbvio que os mesmos estão lá como símbolo religioso sómente.
Mas o pior é que, a se acreditar nesta interpretação sui generis de Brossard, o crucifixo, como símbolo de justiça pervertida, estaria depondo contra o próprio Judiciário!

Paultruc

Anônimo disse...

Podem tirar os crucifixos. Cristianismo atrasou tanto a cultura ocidental que é como se quisesse manter suásticas com a desculpa de que ela é "indissociável da cultura germânica".

rodrigo disse...

Mantemos os crucifixos? Será que ninguém vai achar que se está querendo impor o cristianismo, mesmo em se tratando de um tribunal da maior nação católica do mundo (apesar, tudo bem, da mesma ser laica)? Ah, não, nesse caso não, pois aqui, se trata de uma tradição indissociável da cultura ocidental, estamos convivendo com uma herança cultural. Caso eu tenha um bazar e exponha uma imagem de Iemanjá, ou escreva em algum lugar que acredito em espíritos, já posso não ter mais a garantia da liberdade de expressão! Manifestação de fé ou crença tem sido confundida com imposição e se tornado motivo de chacota alheia.

Lourival Marques disse...

Ninguém costuma ir a tribunais, repartições públicas e adjacências por lazer. Quem vai, vai por alguma obrigação legal, ou para trabalhar, enfim. Locais assim não foram feitos para fazer proselitismo de religião alguma. Sem falar que, em minha opinião, aquele Cristo estaqueado seminu é de um mau gosto tremendo.
Quanto ao Cristo Redentor, só vai lá quem quer. E quanto a países com cruzes em suas bandeiras, isso é problema deles. Não é só porque eles ostentam o instrumento de tortura dos romanos em suas flâmulas que devemos simiescamente imitá-los. E não sou esquerdista, nem faço parte de nenhuma associação de ateus. Sou ateu, sim, mas abomino ateus militantes.
Desculpem-me a franqueza, mas essa hipótese de que isso seja "uma deliberada e perigosa campanha esquerdista contra certos valores nobres aos liberais e conservadores de boa estirpe", para mim, soa a paranóia...

Lourival Marques disse...

Quem quiser expor símbolos religiosos em lugares privados, que fique à vontade. Mas tribunal de país laico não é lugar para isso.

gustavo disse...

Essa discussão é uma grande bobagem. Crucifixo existe nos tribunais por causa da nossa forte cultura católica. Em vez de discutir sobre um tribunal mais ágil e justo, vamos perder tempo se o tribunal deve ter crucifixo ou não ? Fica parecendo que o Brasil resolveu todos os seus problemas no judiciário !!!!

Anônimo disse...

Qual é o grande sofrimento desses ateuzinhos quando olham pra um crucifixo? Eu n sou católico mas minha família é, vejo símbolos religiosos todo dia e isso n me afeta em nada.
ntsr

Anônimo disse...

Que eu saiba, quem tem ojeriza a crucifixo é vampiro. Não por acaso foi uma liga vampiresca que pediu a retirada do símbolo cristão no TJ-RS. Hehe.

Sou agnóstico ateu (não acredito na existência de Deus, mas não a afirmo, pois ainda não sei o que causou o big bang nem o que havia antes dele), porém não sou vampiro. Hehe

Dâniel Fraga disse...

Respeitosamente discordo do Rodrigo nessa postagem. Tudo começa em uma simples tolerância a um crucifixo, depois passa para uma lei que faz a prefeitura patrocinar caminhada católica ou marcha para Jesus, depois temos todo tipo de bloqueio em relação a discussão da legalização do aborto, assim como foi com células-tronco, união homoafetiva e assim por diante...

Não existe motivo racional algum para manter uma cruz em repartição pública a não ser reforçar mais ainda uma visão completamente retrógrada vinda da religião e que quer impor a todos seu modo de pensar (afinal querem determinar desde quem pode fazer aborto até se pessoas do mesmo sexo podem ou não se unir).

Felipe Correa disse...

Tudo é uma questão de estratégia política.

Mesmo católico por questão familiar também não sou praticante, não chego ao ateísmo, porém discordo das posições e dogmas da igreja.

Porém há algo maior em jogo.
Estes ataques a valores da igreja fazem parte de um planejamento maior, do partidão, para se implantar uma nova ordem e nova ideologia é preciso primeiro desmoralizar e retirar a imperante.

A religião é uma tremenda lavagem cerebral, porém seus valores no ocidente ajudaram a construir o Estado como o conhecemos, e de certa forma o conservadorismo cristão impede a infiltração do esquerdismo radical.

Estes movimentos de excluídos de toda espécie, gays, negros, punks, guerrilheiros, pró-palestina... todos eles são idiotas úteis na causa petista.

De tal maneira o ideal é uma aliança momentânea até mesmo com setores mais linha dura conservadores. Dissidências internas não ajudam, veja o Russomano entregando a prefeitura para o anarquista educacional, tudo por uma questão de ônibus, porém também de evangélicos x católicos.

Apenas minha posição Rodrigo, muito bom o blog.