quinta-feira, maio 25, 2006

Um Corrupto de Direita



Rodrigo Constantino

Caro leitor, pretendo a seguir apresentar a figura hipotética de um governante, eleito para presidir um grande país. Qualquer semelhança com alguém conhecido pode não ser mera coincidência. Peço, entretanto, que o leitor tente focar apenas nos supostos fatos em si, ignorando a pessoa do governante. Afinal, a justiça é cega para cor, raça, sexo ou ideologia, devendo ater-se somente aos fatos. Façamos justiça então!

Era uma vez um sujeito carismático, que pregava soluções milagrosas e simplistas para os males que assolavam sua nação. Após algumas tentativas, ele logrou chegar ao poder. Quando sentado ao trono, no entanto, teve que esquecer todas aquelas crenças que divulgava como corretas para levar o país ao progresso. Culpou a “herança maldita” pelas coisas ruins que viu na economia, mas acabou repetindo o mesmo modelo que o anterior nesta área específica. Na verdade, fez ainda pior, e o crescimento econômico durante seu governo foi pior que medíocre quando comparado ao resto do mundo. No restante, de fato trouxe mudanças. Todas para pior.

Esse governante sempre flertou com ditadores assassinos. Suas amizades eram mais que suspeitas. Seu partido contava com figuras pitorescas, da sua extrema confiança. Incluíam terroristas, assaltantes de bancos e até seqüestradores. Eles receberam cargos importantes – além de anistias milionárias por este passado criminoso – quando o governante assumiu a presidência. Alguns viraram ministros. No entanto, alguns fatos vieram à tona, e um sério procurador da Justiça acusou a turma toda de formação de quadrilha. As evidências que sustentavam tal acusação eram contundentes, não deixando margem para dúvidas. Tratava-se de um enorme assalto aos cofres públicos, com um nefasto projeto de poder perpetrado por 40 ladrões, todos muito próximos do governante. Faltava apenas o Ali Babá, que somente repetia que não sabia de nada, não tinha visto nada, e que roubar era algo comum no país. Mas ele era, segundo ele mesmo, o ser mais ético de todos na nação.

Fora o maior esquema de corrupção de que se tem conhecimento no país, o governo do nosso “amigo” avançou – ou tentou avançar – sobre a liberdade dos indivíduos também. Parece que atacar apenas o seu bolso não era suficiente. Desta forma, seu governo tentou amordaçar a mídia, buscando copiar aquilo que seus camaradas ditadores tinham feito. Propôs projetos para controle sobre os jornalistas, expulsou do país um deles e tentou tomar conta até do cinema nacional. As verbas com propaganda cresceram. Até mesmo promotores foram alvo de seu viés autoritário. Controlar súditos, não governar para cidadãos, parecia ser claramente seu objetivo.

O projeto de poder não parecia limitado ao seu país. A megalomania era visível em seus discursos e ações. Assim, o governante começou a perdoar dívidas com o dinheiro dos outros, tentando conseguir votos para uma inútil cadeira no Conselho da ONU. Visitou cruéis ditadores para pescar mais alguns votos. Mandou tropas nacionais para um país vizinho, enquanto largava a questão da segurança no país em situação precária. Parece que exercer controle político maior mundo afora era mais importante para ele que cuidar do próprio quintal.

Nosso governante abraçou com vontade o populismo também. Deu um nome novo ao modelo assistencialista que herdou, expandiu as esmolas e criou novos – e fracassados – programas sociais. Tentou atacar o problema da fome, absurdamente exagerado por ele, criando um super aparato burocrático. A ineficiência e corrupção não poderiam faltar, e os resultados foram piores que pífios. Na questão do emprego fez ainda pior, lançando um programa já falido desde o nascimento, servindo apenas para jogar o suado dinheiro do povo no lixo. Isso porque ele havia prometido a criação de 10 milhões de empregos durante sua campanha. Os únicos que “criou” foram os milhares de cargos distribuídos para seus colegas de partido, aumentando os já estratosféricos gastos públicos. Gastou ainda milhões e milhões para tentar desarmar os inocentes, enquanto os bandidos armavam-se cada vez mais. Na completa confusão entre público e privado, depois de colocar o símbolo do seu partido no jardim da casa oficial da presidência, gastou dez milhões de dólares dos contribuintes para pagar uma viagem de turismo para um astronauta, que foi plantar feijão no espaço. O descaso com o duro e suado dinheiro que os pagadores de impostos ganham era total.

A lista de atrocidades do governante “hipotético” é bem maior, quase infindável. Elas não caberiam todas neste curto artigo. Elas abrangem vários artigos criminais e ferem qualquer código de ética. Mas acredito que já é possível pegar a idéia geral. Resta agora fazer então um último pedido ao leitor. Peço que feche os olhos e imagine que esse governante... é de direita! O leitor daria seu voto novamente para ele?

A ideologia não pode estar acima dos fatos. A justiça verdadeira exige um julgamento imparcial. Quem votar no Lula mesmo após tudo que sabemos, é tudo, menos justo.

9 comentários:

Anônimo disse...

Corretíssimo!!!

Fábio V. Barreto disse...

Rodrigo, vc precisa divulgar mais esse retrospecto das atrocidades Lulistas!

Klauber Cristofen Pires disse...

Constantino,

Grande! E olha que você esqueceu muitos outros fatos!

Klauber

Anônimo disse...

Fica a questão: até quando teremos que aceitar que a chamada vontade do povo, nos moldes do processo democrático que ai está, exerça o poder de nos impingir políticos sabidamente e comprovadamente corruptos ? A ética está em plano secundário. O que importa à massa que vai eleger o presidente é que os bolsas famílias, alimentadores da miséria, continuem...

Mario disse...

Caro Rodrigo,

Creio que há necessidade de se corrigir um grande erro. Na historinha dos 40 ladrões, Ali Babá não é o chefe da quadrilha; é o HERÓI que, sorrateiramente, seguiu os bandidos e decobriu que a chave da caverna-esconderijo é "abre-te Sésamo".

Luiz Adriano Moretti disse...

Olá Rodrigo!
Apesar de não conhecer você, li este artigo digno!
Parabeniso você pelo artigo que tive a honra de ler. Gostaria de públicar alguns trechos no jornal acadêmico de minha escola.
Pois são as pessoas que acreditam e lutam por um país melhor que mudarão a nação, e não esses coverdes bandidos dignos de ir a forca.
Espero que me responda se poderia públicar ou adaptar partes de seu artigo.
Agradecido!
Luiz Adriano Moretti
luizadrianoonline@uol.com.br

Julio disse...

Estou muito orgulhoso do meu estado, que venceu o pt tanto no primeiro quanto no segundo turno.Só espero que meu estado não seja ignorado pelo governo. Excelente blog, um abraço!!!!!!!

Anônimo disse...

You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it Gamble machine slots Hummer h2 dealers ca Dodge 4q truck Wyndotte toy s Directory lahore pakistan phone Phone chat lines free vibeline Cellular download free phone wallpaper Progesterone rubbed into the penis

Maristela Simonin disse...

É, Rodrigo, Ali Babá não é o chefe da quadrilha não. É o herói.

Quanto a saber se os brasileiros votariam de novo nesse governante fictício, lembro a vc que basta que o grupo político dele o rotule "de esquerda" para que ele seja redimido de qualquer crime. Afinal de contas, heróis de esquerda são heróis do bem, com licença para roubar e matar. Se, porém, ele for apresentado como "de direita", aí é diferente. Ele será, de imediato, considerado "fascista" e perderá muitos eleitores. Principalmente entre os intelectuais e a classe média.
Quer a minha opinião? Eu não votaria nele em nenhuma circunstância pois se trata de um populista sem qualquer escrúpulo ético. Um oportunista. Alguém que não respeita sequer os compromissos que tem para com seus cúmplices de partido. Enfim, um cara que se deu bem e não está nem aí para o resto.