terça-feira, janeiro 29, 2008

Da Escravidão à Liberdade


Rodrigo Constantino

“Não devemos acreditar nos muitos que dizem que só as pessoas livres devem ser educadas, deveríamos antes acreditar nos filósofos que dizem que apenas as pessoas educadas são livres.” (Epicteto)

Frederick Bailey já nasceu escravo em 1818, em Maryland. Ele foi separado de sua mãe antes de completar um ano. Era apenas uma das inúmeras crianças escravas cujas perspectivas de uma vida promissora eram nulas. Seres humanos eram comprados como objetos, somente por causa da cor da pele. A Bíblia, o guia moral da época, em diversas passagens tolera a escravidão. A crença era de que os escravos deveriam continuar analfabetos, pois, como colocou o próprio Bailey, “é necessário obscurecer a sua visão moral e intelectual, e, na medida do possível, aniquilar o poder da razão”. A leitura e o pensamento crítico eram perigosos, subversivos. Mas nada disso seria obstáculo suficiente para impedir o caminho da liberdade de Bailey, que mais tarde ficou conhecido como Frederick Douglass, um dos mais famosos abolicionistas americanos.

Bailey foi trabalhar na casa do capitão Hugh Auld, e quando tinha uns 12 anos, a esposa do capitão, Sophia, quebrou as leis e ensinou o escravo a ler, impressionada com sua inteligência e aplicação. O capitão mais tarde descobriu, e, furioso, mandou Sophia parar com as lições. Na presença de Frederick, ele explicou que “um preto deve saber apenas obedecer ao seu senhor, deve cumprir ordens”. Caso ele aprendesse a ler, ficaria inutilizado para sempre como escravo. Mas o capitão havia revelado o segredo para Bailey, que agora compreendia o poder do homem branco de escravizar o negro. Mais tarde ele escreveu: “A partir daquele momento, eu compreendi qual era o caminho da escravidão para a liberdade”. Ele encontrou outras formas para aprender a ler, inclusive conversando com os colegiais nas ruas, e durante toda a sua vida, ele teve certeza de que a alfabetização fora o caminho para a liberdade. Quando ele completou 20 anos, conseguiu fugir. Tornou-se um grande orador americano, e chegou a auxiliar o governo do presidente Lincoln. Foi um dos grandes nomes na luta pela abolição dos escravos americanos.

Após a publicação em 1846 do livro The Unconstitutionality of Slavery, de Lysander Spooner, Frederick Douglass passou a ver a Constituição americana como anti-escravidão, mudando sua opinião anterior. Vários abolicionistas famosos usaram a Declaração de Independência americana para atacar a escravidão. O famoso caso Amistad de 1839 foi o primeiro no qual se apelou para a Declaração, e o ex-presidente americano John Quincy Adams fez uma defesa eloqüente dos africanos presos. Seu longo discurso diante da Suprema Corte contou com o seguinte argumento: “No momento em que se chega à Declaração de Independência e ao fato de que todo homem tem direito à vida e à liberdade, um direito inalienável, este caso está decidido”. Abraham Lincoln foi outro que apelou constantemente à Declaração para defender a causa abolicionista. O texto foi uma vez mais invocado por outro grande defensor da igualdade perante a lei, Martin Luther King Jr. Seu mais famoso discurso, sobre seu sonho de viver numa nação livre, faz alusão direta ao trecho da Declaração onde todos os homens são criados iguais, uma verdade evidente por si mesma. Outro abolicionista conhecido, David Walker, escreveu em 1823 um texto usando os trechos da Declaração, e questionando se os americanos compreendiam o que estava sendo dito ali. Apesar de alguns “pais fundadores” terem tido escravos, numa época onde isso era comum, eles plantaram as sementes da abolição, levantando a bandeira da igualdade de todos perante as leis, como um direito natural.

A luta pela liberdade feminina iria também se apoiar na própria Declaração de Independência, defendendo o direito de igualdade entre os sexos. Em 1848, na Convenção de Seneca Falls, quando Elizabeth Cady Stanton teve a coragem de pedir o empenho de todos para assegurar o voto das mulheres, Frederick Douglass foi o único homem de qualquer grupo étnico a se levantar para dar seu apoio. Ele dizia que se uniria a qualquer um para fazer o que fosse certo, e a ninguém para fazer algo errado. Elizabeth escreveu depois palavras duras contra a Bíblia, na mesma linha de Douglass, afirmando que não conhecia “nenhum outro livro que ensine tão cabalmente a sujeição e a degradação das mulheres”. Douglass não tinha boas coisas a dizer sobre os crentes:

“Afirmo sem a menor hesitação que a religião do Sul é uma simples capa para os crimes mais terríveis – uma justificativa da barbárie mais estarrecedora, uma consagração das fraudes mais odiosas e um abrigo escuro onde os atos mais sombrios, imundos, grosseiros e diabólicos dos senhores de escravos encontram a mais forte das proteções. Se eu fosse de novo submetido às cadeias da escravidão, a par dessa escravização, consideraria ser escravo de um senhor religioso a pior calamidade que poderia me acontecer. [...] odeio o cristianismo hipócrita, parcial, corrupto e escravizador desta terra, defensor do chicote para as mulheres e saqueador de berços.”

Para ser justo, vale notar que grande parte do fermento abolicionista surgiu nas comunidades cristãs, especialmente entre os quacres do Norte. O livro “sagrado” em si, como se nota, não é garantia para nada, pois pessoas imorais conseguem justificar sua imoralidade com ele. No final das contas, o que importa é o caráter dos indivíduos, seus princípios e valores morais, independente do credo, da “raça”, do sexo ou da renda. Justamente por isso a educação é tão fundamental. Não qualquer “educação”, mas uma postura crítica diante da vida, a vontade de questionar e conhecer. É preciso aprender a aprender. Deve se evitar qualquer tipo de doutrinação, de dogmas seguidos sem reflexão e questionamento. Como escreveu Carl Sagan, “os tiranos e os autocratas sempre compreenderam que a capacidade de ler, o conhecimento, os livros e os jornais são potencialmente perigosos”. Afinal, eles “podem insuflar idéias independentes e até rebeldes nas cabeças de seus súditos”. Lênin e Trotski consideravam as idéias como armas letais, e todas as nações comunistas buscaram o total controle sobre os jornais. A Inquisição católica contou com o Index dos livros proibidos.

Os senhores de rebanhos temem o pensamento independente, a grande ameaça ao seu poder. O controle sobre os corpos dos escravos não é suficiente. É preciso controlar as suas mentes também. Na verdade, controlando as mentes, nem é preciso coerção para comandar os corpos. Os ignorantes que deixam o dízimo suado de seu trabalho nas igrejas do Bispo Macedo, por exemplo, fazem isso, até certo ponto, voluntariamente. Ninguém os obriga a isso. A imensa riqueza do Vaticano contrasta com suas mensagens de humildade que conquistam os mais pobres. A maior escravidão de todas, como Frederick Douglass descobriu, é a ignorância. A chave para a liberdade é o conhecimento, obtido através da razão.

57 comentários:

Morena Flor disse...

"“Afirmo sem a menor hesitação que a religião do Sul é uma simples capa para os crimes mais terríveis – uma justificativa da barbárie mais estarrecedora, uma consagração das fraudes mais odiosas e um abrigo escuro onde os atos mais sombrios, imundos, grosseiros e diabólicos dos senhores de escravos encontram a mais forte das proteções. Se eu fosse de novo submetido às cadeias da escravidão, a par dessa escravização, consideraria ser escravo de um senhor religioso a pior calamidade que poderia me acontecer. [...] odeio o cristianismo hipócrita, parcial, corrupto e escravizador desta terra, defensor do chicote para as mulheres e saqueador de berços.”

Douglass está certíssimo!!!!

Na bíblia, encontra-se justificativa p/ qualquer barbaridade q se queira perpetrar contra outro ser humano!

Isso é sinal tb, de q, como acontece até hj em várias partes deste planeta, os "cristãos" do sul seguiam a bíblia conforme as suas conveniências - algumas, as mais cruéis! - e se esqueciam daquele pelo qual atendiam pelo nome, aquele q teria ensinado a "AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO" e a "TRATAR OS OUTROS DA MESMA MANEIRA C/ A QUAL DESEJA SER TRATADO". Mas, p/ isso, não bastaria um livro, mas tb uma boa dose de altruísmo com o semelhante, virtude não muito frequente qdo se tratava com a situação dos negros (das mulheres tb).

Até hj, existem crentes - muitos deles - q continuam a fazê-lo(seguir alguns trechos conforme a própria conveniência) p/ manter os dogmas opressores de suas respectivas religiões - agora, sobretudo contra as mulheres.

Morena Flor disse...

"Elizabeth escreveu depois palavras duras contra a Bíblia, na mesma linha de Douglass, afirmando que não conhecia “nenhum outro livro que ensine tão cabalmente a sujeição e a degradação das mulheres”."


Ela tem razão! Ela não falou mentira nenhuma!

E o pior é q religiosos aproveitam as piores partes da bíblia p/ fazerem seus dogmas, doutrinas, etc! tudo muito "conveniente"... Conveniente p/ manter pessoas sob o peso de seus ditames, suas cargas!

Legitimo C. Mouro disse...

Será que o meu clone raivosissimo não vai comentar aqui?

...Deve ter urrado de dor o dia inteiro, para ter o trabalhão de escrever mais de 30 comentários simulando bate-papo e o escambau. Além de postar com meu nome adicionando trechos meus. ...hehehe!

Tempos atrás teve coisa parecida. Um(a) lunática(o) interpretava 3 personagens, e no fim foi desmascarado. Ele(a) também conversava consigo mesmo, se elogiava e coisa e tal. Mas acabou confessando-se. ...hehehe!

Abração meu caro clone. Curta a sua raiva e tenha muito trabalho.

...Esses tipos maníacos ideológicos são dementes.
Capazes de inventar personagens e conversarem consigo mesmos.
...Essa raiva vai demorar a passar, a dor persistirá. Não adianta chorar não.

Abração
C. Mouro legitimo

ricchus disse...

Morena, eu acho estranho que um livro dito sagrado tenha uma “pior parte”, mas eu concordo e acrescento que ele é composto, quase na totalidade, por piores partes. Eu diria até que à exceção dos Cânticos de Salomão, todo o resto é a pior parte.

Do Velho Testamento, com uma certa dose de boa vontade, dá para tirar alguma coisa útil em termos de História e, do Novo, nem isso, porque ele não passa de crônicas isoladas que muitas vezes são até contraditórias, como os evangelhos de Lucas e de Mateus, que discordam até quanto a genealogia de Jesus.

Todas as religiões não passam de grandes negócios para seus mandatários. Com livros ou sem eles. Bem a propósito, eu ontem, em uma conversa com um senhor espanhol, fiquei sabendo que na década de 1940 se a Igreja Católica ainda vendia indulgências prévias, na Espanha, a que se dispusesse a pagar para poder comer carne durante a Quaresma. Ou seja, o sujeito comparecia à diocese, pagava, assinava um termo e recebia um salvo-conduto, que exibia quando necessário.

Mas o que mais me intriga nessa história toda de religião é a necessidade de alguém ter uma.

Legítimo - C. Mouro disse...

Está mais calmo agora, Ricchus?

A necessidade da religião é somente das pessoas mais ignorante e, principalmente, das pessoas que sem rédeas passariam a fazer qualquer coisa com os outros. Qualquer pessoa mais esclarecida e com um mínimo de capacidade de raciocínio sabe disso.

Ora, os ditadores que querem falar sozinhos, recosos de contestações simplesmente almejam proibi-las.

Abraço
C. Mouro legítimo

Bruno disse...

"A necessidade da religião é somente das pessoas mais ignorante e, principalmente, das pessoas que sem rédeas passariam a fazer qualquer coisa com os outros."
O que vc quer dizer com isso? Onde vc conseguiu perceber uma relação entre ignorância e religiosidade? Vc utilizou-se de pesquisa?

Legítimo C. Mouro disse...

O objetivo é o Poder, o resto é besteira. O objetivo é manter PODER ABSOLUTO SOBRE AS POPULAÇÕES, PARA EXPLORA-LAS ...foi pela religião que podia salvar todos do fogo do inferno e prometia um apocalipse glorioso; ...depois pelo socialismo científico que também podia salvar os proletários e a humanidade, ainda prometendo um "apocalipse socialista" onde as massas se rebelaria e tomariam o Poder da burguessia para implantar o milênio socialista; ...e, pqp, agora é o ecologismo que também pode salvar o planeta ...hehehe! ...tá faltando profetizarem uma catastrofe ecologica que destruirá os "infiéis ecológicos" e proporcionará mil anos de harmonia total e maravilhosa no planeta para aquelkes fiéis ecológicos ...hohoho! cambada de safados associados a imbecis ...mas tal associação é quase imbatível ...hehehe!

Abraços
C. Mouro legítimo

Bruno disse...

A porra do PODER... pra que?
Se cada um cuidasse da sua vida seria muito mais legal.

Legítimo - C. Mouro disse...

Não entendi teu objetivo com tal postagem. Será o de desestimular críticas?

Mero ataque pessoal sem fundamento.

Ora ora! os crentes querem apenas que os críticos se calem para não pertuba-los em sua busca de ovelhas para seu rebanho pastoreado. ...hehehe!

Vá ler mais...

Abraços
C. Mouro legítimo

Bruno disse...

C. moura, eu nem me referi a palavra a vc! E outra, nem sou crente. Qdo disse pra cada um cuidar de sua propria vida, disse pras pessoas que almejam poder. Entendeu ou quer que eu desenhe?
Foi mais um desabafo do que uma opinião.

Legítimo - C. Mouro disse...

Eu entendi muito bem, mas o que pareceu mesmo é que foi um desabafo de um doutrinado debilóide. ...hehehe!

C. Mouro legítimo

ricchus disse...

Esse blog definitivamente não tem mais nada a ver com o que eu costumava freqüentar há uns seis meses no que diz respeito aos comentários e comentaristas.

Talvez seja prematuro concluir sobre os motivos em três ou quatro dias, mas, certamente, não são os textos do Rodrigo, que sempre acompanho, os culpados pelos comentários de gente despreparada como C.Mouro. Talvez até seja ele o único culpado pela baixa qualidade dos comentários.

O xerife do pedaço se acha no direito de desmerecer todo e qualquer comentário que não esteja de acordo com a sua doutrina, tão ou mais dogmática que a de qualquer outro que aqui se disponha a trocar idéias. Com o agravante dele não saber ler, interpretar ou pensar. Se fosse só discordar ou provocar uma discussão até que não seria mau, mas o problema maior são as agressões desferidas por esse mentecapto nem o menor senso de oportunidade nem de educação.

Ontem fui brindado com “Voce precisa melhorar muito para ser uma anta respeitável. Há uma imensa rabiola de asneira desconexas e contraditorias, além de uma coleção de asserções tiradas do traseiro. Coisa sem pé nem cabeça.”. Hoje foi o Bruno com “Eu entendi muito bem, mas o que pareceu mesmo é que foi um desabafo de um doutrinado debilóide”.

Definitivamente, seja esse C.Mouro clone ou não, trata-se de um idiota que interfere em qualquer comentário sem que tenha bagagem cerebral nem sequer de uma ameba. Eu não acho que o Rodrigo mereça um xerife cujas armas são de tão baixo calibre.

E, antes que eu me esqueça, xerife, eu não estou nervoso agora e nem fiquei ontem. Pelo contrário: o seu vácuo cerebral é tão grande que transmite até a abstração de pensamentos que dizem ser necessária para meditações profundas.

Rodrigo Constantino disse...

Eu costumo aprender bastante com os ARGUMENTOS de Catellius e C. Mouro, mas reconheço que a agressividade tem sido prejudicial, especialmente do Mouro.

Peço para manterem o nível e o foco nos argumentos, que com certeza não faltam.

Rodrigo

Blog do Adolfo disse...

Caro Rodrigo,

Muito bom texto. Contudo, devemos lembrar que, como tudo na vida, a educação pode ser usada para o bem ou para o mal. Por exemplo, hoje várias crianças aprendem a ler ao mesmo tempo que são sufocadas com doutrinas comunistas. Neste caso, a educação está claramente diminuindo a liberdade da pessoa (e não aumentando).

Educação é importante, mas é uma arma que NO BRASIL está sendo usada CONTRA A LIBERDADE DE PENSAMENTO.

Como educar a população, evitando ao mesmo tempo a doutrinação? Esse é o grande desafio que temos que solucionar.

Adolfo

Legítimo C. Mouro disse...

Eng

Como eu o levo a falar imensas asneiras na desesperada tentativa de contestar minha argumentação, sempre expondo-se ao ridículo, o tipo alimenta um ódio incontrolável contra mim.

...se algum dia ele perder esse ódio, vou achar que estou no caminho errado ...hehehe!

...isso é que faz valer a pena, o ódio dos tolos é motivo de jubilo, me rejubila no úrtimo! ....hehehe!
...hehehe!

É como eu digo, apresenta-se uma azeitona e o sujeito enxerga um cafezal. ...hehehe!

Considero isso desespero ante aiusência de argumentos.
A deturpação é o último refúgio dos imbecis!
.
...hehehe!
....rejubilante!
...desse jeito não consigo me afastar destes comentários em blogs. ...é confortante demais para deixarmos de lado.

...enquanto se desesperarem, o meu prazer está garantido, o caminho é o certo.

...só um tipo muiiiiito limitado intelectualmente consegue fazer tal asneira. HAHAHA! ...isso é o que uma religião faz com a cabeça de um militante. ...hehehe!

Porra! no mesmo post que ele dedica a mim, pensando estar me criticando, ele se expõe ao ridículo! PUTZ GRILA! ...é um pitburro strictu sensu! ....hohoho!
...só pensa, desesperadamente, em morder os desafetos, mas seu limitado cerebro acaba por ridiculariza-lo. ....hohoho!

Mas era de esperar tal asneira, afinal um sujeito que defende as chamadas religiões afro, e não de brincadeira, a sério, .... ....hehehe! ....ERA DE SE ESPERAR!

"A Bíblia é cheia dessas “oferendas” e, no entanto, os judeus e os cristãos escarnecem das práticas religiosas vindas da África, como se todos os textos que falam em sacrifícios de animais tivessem sido apagados dela. Que me conste, inclusive, nenhum deus dos africanos mandou matar tantos homens como o deus cristão o fez."

Lembrou, o que escreveu?

Perdoem-me, mas esta merece: ...quá quá quá!

É um pobre diabo!

Abração
C. Mouro legítimo

Andrea B. disse...

Eu imagino que o sr. Frederick Douglass tivesse mais do que motivo para ser revoltado, ainda mais quando a escravidão que assolava aos seus semelhantes tinha o aval dos religiosos.
Mas lembre-se que isso era apenas uma deturpação da religião. Sempre vai existir pessoas que se utilizam da religião, como se utilizam de tantas outras coisas, para buscar o poder.
Entretanto, devemos enxergar como exemplos de religiosos aqueles que vivem isso como algo interior e íntimo. Por isso, quando lembramo-nos de religiosos temos a tendência de pensar em Edir Macedo e esquecer que Abraham Lincoln ou o Rev. Martin Luther King, que eram religiosos e que buscavam ardorosamente a igualdade de oportunidades.

Abraços sinceros,

Andrea B.

Legítimo C. Mouro disse...

E, por acaso, vc sabe por que esses líderes se afirmavam como cristãos?

Ora, um povo que crê que seus líderes são cristãos de fato, se entrega a eles sem susto. MAS ISSO NÂO ACONTECE PORQUE TODOS SABEM INTIMAMENTE O QUE SÂO< SABEM QUE REINA A HIPOCRISIA.

Ou seja, o modelo apresentado é louvado como ideal por cada um que almeje se aproveitar dos demais. Claro, por exemplo, se eu quero que me dêem esmolas e farei propaganda do valor moral do caridoso que dá esmolas. Logicamente eu não faço a propaganda por querer dar esmola, mas por querer recebe-la. Já um outro tipo que não queira receber esmola pode querer agregar a si o valor moral que é propagandeado, e então dará esmola.

É algo como a relação entre a prostituta e o cliente, uma troca: ela não quer trepar com o sujeito, mas trepa por ser esta a condição de obter o dinheiro do cliente. Já o cliente, quer trepar com ela, mas dar o dinheiro é a condição.

Abraços
C. Mouro legítimo

Andrea B. disse...

Sr. C. Mouro,

Acho que você está um pouco desfocado. Falei a respeito de Abraham Lincoln e do Rev. Martin Luther King porque os mesmos foram citados pelo Rodrigo Constantino como exemplo de luta na abolição e na luta pelos direitos humanos, respectivamente.
Acho estranho que você os coloque como exemplos de líderes hipócritas ansiosos de poder.
Ademais, achei a sua comparação com a prostituição de muito mau gosto.

Andrea B.

Bruno disse...

Rodrigo,

Nao sei se vc percebeu, mas essa patifiria nos coments começou qdo vc expôs textos e idéias relacionados à fé e à religião. Isso mostra que as pessoas ainda não estão preparadas para um debate sério e racional sobre o tema, levando muito mais para um lado "passional". Foi demonstrado aqui muito preconceito e falta de conhecimento em determinados assuntos. Eu mesmo evitei opinar sobre temas que desconheço. Posso ter exagerado tb, mas nunca pensando em ofender. Como diria um professor de mkt da faculdade: Não cabe a nós julgarmos as pessoas, apenas entendê-las.

Marisa disse...

“A Bíblia, o guia moral da época, em diversas passagens tolera a escravidão.”

Eu escrevi num post abaixo que as religiões são influenciadas pela época e pela sociedade em que surgiram. Quando as pessoas censuram tanto o cristianismo por essa tolerância com a escravidão, devem se lembrar que o cristianismo surgiu numa época em que a escravidão vigorava nas sociedades como uma coisa normal. O próprio povo judeu estava sob o jugo romano. Como esperar que o cristianismo se colocasse declaradamente contra a escravidão?

Por outro lado, o cristianismo representou uma evolução nos direitos humanos. O Deus de Jesus é um Deus que ama a todos e não um Deus que ama apenas o povo judeu, como acontece no judaísmo. O cristianismo coloca então todas as pessoas, escravas ou não, no mesmo nível, todos são iguais perante Deus. Por isso é compreensível o que você escreve:

“Para ser justo, vale notar que grande parte do fermento abolicionista surgiu nas comunidades cristãs”

Rodrigo Constantino disse...

" Como esperar que o cristianismo se colocasse declaradamente contra a escravidão?"

Marisa, nós sabemos disso, pois sabemos que o cristianismo foi fundado por um ser HUMANO, e que a Bíblia foi escrita por HOMENS, ou seja, não há nada de DIVINO ali, nenhuma revelação.

Mas os crentes não acham isso. Encaram o livro "sagrado" como A Revelação da Verdade. Ora, Deus não pode ter contexto, tem sabedoria atemporal.

O texto mostra uma vez mais que são os SERES HUMANOS que precisam evoluir moralmente, INDEPENDENTE da crença religiosa.

Rodrigo

Marisa disse...

Rodrigo

Concordo com tudo o que você disse. Mas não pude deixar de notar que você colocou o atributo de onisciência atemporal a um possível Deus.

“os SERES HUMANOS que precisam evoluir moralmente, INDEPENDENTE da crença religiosa.”

Aproveitando essa sua frase, eu lhe pergunto: será que as religiões, pelo menos no passado, não ajudaram na evolução moral da humanidade? Considere, por exemplo, os Dez Mandamentos de Moisés. Eram regras morais revestidas de religião. Se essa “pílula moral” não tivesse esse revestimento religioso, você acha que ela seria engolida?

Rodrigo Constantino disse...

Marisa,

Sem dúvida existem heranças positivas das religiões, e negativas. É complicado saber o saldo disso.

Eu gosto de quem chama religiões de "filosofia primitiva". Encaro por aí mesmo. Mas em muitos aspectos vejo o efeito negativo, as limitações criadas, o ataque à razão, o misticismo perigoso.

Rodrigo

ricchus disse...

Infelizmente, Rodrigo, C.Mouro é um caso perdido e não precisa dar nem mais um ai para reforçar minha afirmação. De seis meses para cá, alguma coisa grave deve ter acontecido na cabeça desse cidadão para ser tão diferente do que era.

Em primeiro lugar, ele foi acometido de analfabetismo funcional de algum tipo raro por ter se esquecido como interpretar o que lê. E olha que eu não falei nada além do que ele repetiu aí em cima e acho que fui claro ao dar a entender que quem telhado de vidro não deve jogar pedra no do vizinho. Citei essas religiões afro, por citar, por elas serem mais próximas a nós, mas poderia ter citado o islamismo ou a cientologia, que dava no mesmo.

Depois, reserva uma série de ofensas - que ainda insiste em fazer mesmo depois do seu comentário - bastante desagradáveis a todos que porventura tenham alguma opinião diferente da dele.

Foi acometido de uma série de tiques nervosos como reticências em excesso e hehehes intermináveis.

Passou a se achar o dono e único senhor das verdades absolutas, o que talvez justifique o desprezo pela leitura correta de tudo que não for escrito por ele ou por você.

E o pior, acha-se no direito de mandar no blog sem ter compostura, educação ou capacidade para nem sequer balbuciar duas palavras conexas (vide comentário dele acima).

Estranho você dizer que aprende com os argumentos de uma azêmola como essa.

C. Mouro disse...

Acreditas Rodrigo, que estes comentários são meus?

Você tem meios para verificar razoavelmente.

O cristão não encontrou nenhum outro meio. Possivelmente é o Leo/Marisa, que sem outro recurso se deu a tal trabalhão.
Ou seja, deve estar muito machucado(a).

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Já disse o que penso a respeito dessa Marisa e do Leo (são a mesma pessoa?), mas ela não larga do meu pé. Pensa torto porque essa é a sua moral.

Esse foi um dos maiores ensinamentos cristãos: A MORAL DUPLA. ...Claro que só é válida em nome de grandes ideais, os fins justificam os meios, podem dizer.

E o Ricchus simplesmente não assume que não falou coerentemente...

Abraço,
C. Mouro

Rodrigo Constantino disse...

Peço desculpas então, C.Mouro.

Achei bem estranho.

Considero os seus comentários, junto com os do Catellius, extremamente relevantes para o debate.

Rodrigo

Rodrigo Constantino disse...

C.Mouro,

Quando o Ricchus fez aquele comentário, eu, particularmente, entendi como uma crítica aos cristãos, não como uma defesa das crenças místicas africanas.

Mas é melhor ele mesmo tirar a dúvida.

Rodrigo

ricchus disse...

Rodrigo, eu acho que já tirei, até pela minha conversa com a Andrea no post anterior.

Talvez tenha faltado um complemento como o que eu escrevi acima.

Marisa disse...

C. Mouro

Quero deixar bem claro a você que todos os comentários que eu postei foram assinados por mim, com o meu nome. Eu já tinha dito a você que eu não mais lhe responderia.

Eu não gosto de ver você isolado e criticado por todos, porque eu sei que você está ansioso para interagir com as pessoas. Mas essa sua atitude de deboche, de agressividade pessoal e de afronta gratuita está fazendo com que as pessoas se afastem de você. E eu sei que você não está gostando disso.

Se você quiser debater, discutir e conversar conosco, é muito simples. Basta você ser respeitoso e não agressivo. E as pessoas vão tratar você da mesma forma, com respeito e gentileza. Não precisa bater nas pessoas e nem mordê-las para mostrar discordâncias em suas idéias. Basta argumentar com fundamentos, de maneira convincente. Quando você estiver errado, saiba reconhecer o erro e quando estiver certo saiba apontar com elegância.

Eu tenho certeza que você vai conseguir se comportar com elegância, gentileza e respeito. Você é um rapaz inteligente e cheio de energia, use a sua capacidade para o bem.

Vamos ser amigos?

ricchus disse...

Pombas, Mouro! Vai voltar a dizer besteira?

É só não entar ler entrelinhas onde não há.

"A Bíblia é cheia dessas “oferendas” e, no entanto, os judeus e os cristãos escarnecem das práticas religiosas vindas da África, como se todos os textos que falam em sacrifícios de animais tivessem sido apagados dela. Que me conste, inclusive, nenhum deus dos africanos mandou matar tantos homens como o deus cristão o fez."

Eu quis dizer que é o roto falando do esfarrapado. Dá pra entender ou quer que eu desenhe?

Eu não defendi absolutamente nada, apenas ataquei e, por acaso me veio a umbanda, candomblé, quimbanda, sei lá, para fazer uma comparação.

Anônimo disse...

Esta virando palhaçada este BLOG;;;;;;;já estão até montando dupla personalidade, antes ouvia argumentos encantador que dava até gosto de ler!!!!!!! Agora está uma barbaridade um camarada louca que fala uma frase e da um riso, e vários debocheis. E ai pessoal vai fazer valer apenas visitar esta post........

C. Mouro disse...

Hei! meu xará "C.Mouro copy-paste" ...não vai continuar inventando personagens que conversam entre si? Vais parar de usar meu nome?

Já estás cansado?
Não me diga que a raiva já passou porque eu sei que não passou. Vai durar muito tempo ...hehehe! Alguém que se degrada de tal forma não se acalma assim fácil ...hehehe!

Marisa/Leo você se traiu ...era de esperar.
Pensas que me incomoda? ...engana-te. ...hehehe!

O Rodrigo caiu nessa, então ...prossiga.

Abraços
C. Mouro ...hehehe!

C. Mouro disse...

Só lamento mesmo que o Rodrigo tenha sido tão ingênuo...

Porque de Marisa/Leo já esperava essa baixaria, hehehe! Pois, com isso, vendo-se desmascarados, mostram sua verdadeira e imunda face.

Não duvido nada que esse tal de ricchus não faça parte da patota...

Moral da estória: HIPÓCRITAS! ...RAÇA DE VÍBORAS! ...hehehe!

Abraços,
C. Mouro

Marisa disse...

C. Mouro

Bem, o convite está feito. Pense a respeito. Não estou querendo incomodar, apenas estou querendo interagir com você numa boa, como pessoas civilizadas. Você acha que é possível?

Você ainda não percebeu que não está ganhando nada com esse seu jeito de maluco, com esses haha, hehe e hoho? Se você quer que as pessoas sintam confiança em você, você vai ter que mudar.

Seja racional, não emocional. A raiva, o ódio, somente fazem mal a quem sente. É tão bom agradar, quanto ser agradado. Você ainda vai descobrir isso.

Vem cá, vamos ter uma conversa legal. Vamos começar com um assunto que agrada a você. Eu lhe pergunto: você acha que um cientista precisa ter fé em alguma coisa, ou somente a razão lhe basta?

Eu aguardo a sua resposta. Seja meigo, hein!

Anônimo disse...

Ô C. Mouro!

Vc ainda não percebeu? a marisa, na realidade, é o Olavo de Carvalho que utiliza esse psudônimo para lhe atanazar por aqui...
Vc e patético...

Anônimo disse...

O Leo é o Reinaldo Azevedo e o Ricchus é o Diogo Mainardi...
eu sou o catellius e vc é um lunatico...

LucioVaz disse...

Ricchus,
O comportamento de C. Mouro não está estranho coisa nenhum... nisso eu discordo, ele sempre teve essa linguagem debochda e prepotente, as vezes ate mal-educada mesmo.
Só quando levou um pito do Rodrigo aí veio com esse papo de clone, xará bla, bla, bla...
Na realidade e o mesmo de sempre...

leo disse...

C.Mouro,

Seria imoral para mim,defender a ortodoxia cristã e depois,mentindo, me fazer passar por você ou usar o nome da Marisa ou do Neo,como me acusaste.

Basta só um pouco de sensibilidade para perceber isso.

Se eu não procurasse viver o que prego, não estaria perdendo tempo neste Blog defendendo a Fé Cristã.

Se o Rodrigo tiver algum meio de constatar isso,ficarei grato.

Leo

ricchus disse...

É, Lucio, eu percebi que é coisa de 171 mesmo, mas, como eu disse, há seis meses, talvez até mais, o comportamento dele era diferente sim.

Talvez os elogios do Rodrigo à "argumentação" do Mouro lhe tenham subido à cabeça levando-o a tentar vôos mais altos como o de assumir o cargo de xerife do pedaço.

Lamentável.

ricchus disse...

Rodrigo:

Lamento muito que o seu blog esteja contaminado por esse sujeito presunçoso e mau caráter. Há tempos eu costumava escrever muito aqui, entusiasmado pelos seus textos brilhantes, e as discussões que sucediam, em sua maioria, eram em um clima altamente civilizado.

Minha tentativa de voltar se deu única e exclusivamente pelos seus textos, que acompanho pelo site do Diego Casagrande, e minha expectativa era encontrar um ambiente no mínimo igual ao de seis ou oito meses atrás. Confesso que fiquei profundamente decepcionado com o clima inóspito provocado por C.Mouro que, além de provocar revolta em todos os outros comentaristas, inviabiliza qualquer debate sério.

Demente, doutrinado, debilóide, imbecil, pobre diabo, hipócrita, cara de pau prá mais de metro e meio, tonto, piegas, sonso, malicioso, pérfido, desprezível, jegue asnático, raça de víboras, imunda face e anta, foram alguns dos adjetivos que esse doente usou para brindar os outros comentaristas.

Você há de convir, Rodrigo, que fica impossível que alguma conversa flua bem nas circunstâncias criadas por esse estulto. Não vou aconselhar, mas só observar que pela qualidade dos seus escritos esse blog teria tudo para atrair muita gente de bom quilate intelectual, no entanto, do jeito que se comporta o xerife, quem vem não volta mais. A troco de que alguém se atreveria a ficar aqui aturando erra torrente de impropérios? Ou você tenta dar um jeito na fera ou só vão sobrar vocês dois aqui.

Abraço

C. Mouro disse...

Marisa você é bacana mesmo, mas eu prefiro você postando com meu nome, o meu “Xará”.

Apesar disso eu adorei quando você, postando como Marisa mesmo, furiosa, desejou que eu morresse depois de arrancar o rabo. ...tenho certeza que você já arrancou o seu. Mas eu não te desejo mal, não. ...hehehe!

A frase:
“A hipocrisia é a homenagem que o vicio presta a virtude” é excelente.

Eu digo que a safadeza também é uma homenagem que furiosos parvos prestam a inteligência.

Eu, mesmo agindo Honestamente, consigo de tolos o que de mim não conseguem mesmo quando se degradam ante a própria consciência. ...é lamentável.

Estou lisongeado. ...mas por que parou? ...Parou por que? ...hehehe!

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Ricchus quem é você para pautar os meus escritos? Leia seus próprios comentários e verás as estultícies de que és capaz...

Do que lhe adianta repetir seguidas vezes que o que eu escrevo é debochado, malicioso etc, queres impressionar a quem?

Afinal, se só é ouvido um lado, mais fácil de uma mentira repetida mil vezes se tornar "verdade", ou "verdade consensual". ...Mas consenso não é prova de verdade alguma.

Abraços
C. Mouro

Marisa disse...

C. Mouro

Se você afirma que eu sou o seu "xará", você tem de provar. A prova fica a cargo de quem acusa.

Esse post onde eu coloco como um "talvez", não como um desejo ("quem sabe" quer dizer "talvez" ou "provavelmente") que você arranque o rabo, não vou falar mais nada para não provocá-lo, eu assinei com o meu nome. Por que, então, você acha que eu precisaria recorrer a esse estratagema de me apropriar de sua identidade para atacar você? Seja lógico. E depois, quem começou a agressão foi você, eu apenas revidei.

Bem, se você entende de psicologia feminina e masculina, vai ver que eu sou mulher mesmo e que o Leo é homem. As diferenças são extremamente nítidas.

Bem, esta é a última vez que apelo para o seu bom senso e lucidez. Se quiser responder à pergunta que eu fiz, para continuarmos amigavelmente debatendo, ótimo, ficarei contente. Se não quiser, lamentarei, pois acharei que você perdeu uma excelente oportunidade de mostrar que sabe dar a volta por cima e de crescer como ser humano. Você é quem sabe.

Saudações!

ricchus disse...

Mouro, és um energúmeno teimoso, mas eu não vou te dar mais corda nem encher mais tua empada, porque corro o risco de me igualar a ti, bem ao rés-do-chão. Primeiro que seria bom que usasses um corretor ortográfico porque tuas burrices chegam também à Gramática. Entre outras, não são “estultícies” e sim estultícias ou estultices.

Depois há uma grande diferença entre ser malicioso e debochado e ser um boquirroto como tu és. Seria bom consultares um psiquiatra, porque tanta asneira e maldade não podem sair de uma cabeça sã, por mais mau caráter que tu sejas. Fica com a tua malícia e deboche para ti e para os raros outros que ainda se atrevem a voltar a esse blog.

Saudações e pêsames aos que ficam.

Andréa B. disse...

Pessoal,
Acho que estamos sendo talvez um pouco duros com o C. Mouro. Eu gostaria de conversar um pouco sobre esse assunto, e o fato de ser psicóloga me ajuda a entender tudo isso.
Festinger já afirmava que cada pessoa se esforça para estabelecer um estado de consonância ou consistência (coerência) com ela mesma. Se um determinado indivíduo tem cognições sobre si mesmo e sobre o seu ambiente que são inconsistentes entre si, então ocorre um estado que chamamos de "dissonância cognitiva".
A dissonância cognitiva é uma das principais fontes de inconsistência no comportamento. Em geral, as pessoas não toleram a inconsistência e, quando ela ocorre, o indivíduo se motiva para reduzir o conflito.
O elemento cognitivo é uma espécie de crença, conhecimento ou opinião que o indivíduo tem em si mesmo ou do meio externo. E quando ocorre uma relação dissonante, a reação tende a ser semelhante à reação do perigo: ataque ou fuga, a fim de escapar do conflito íntimo.
Não quero afirmar que essa é a atitude exclusiva do C. Mouro. Na realidade, todos aqui tendemos a agir dessa maneira.
Por outro lado, a cognição permite um quadro de referências para a pessoa situar-se no mundo que a rodeia e entendê-lo adequadamente. E a dissonância cognitiva decorre de situações que envolvem algum processo de ação do indivíduo e do conflito resultante de cognições que não batem ou não concordam entre si. (Na realidade, a nossa vida é uma incessante busca de redução de dissonâncias).
Concluo afirmando que o comportamento das pessoas está mais baseado em suas percepções pessoais e subjetivas do que em fatos objetivos e concretos que existem na realidade. Repito, isso vale para todos. (Tendemos a procurar sempre no outro os elementos ditos negativos...)
Não é a realidade que conta, mas a maneira pessoal e individual de visualizá-la e interpretá-la.
Assim, as pessoas se comportam não em relação à realidade propriamente dita, mas de acordo com a maneira pela qual a percebem e a sentem conforme suas cognições pessoais.
Assim, eu proponho que voltemos aos temas sempre brilhantes abordados pelo Rodrigo Constantino, que além de tudo é um verdadeiro cavalheiro.
Ricchus, lamento que não queiras mais postar aqui, eu pessoalmente acho os seus comentários muito pertinentes.

Abraço a todos,

Andréa B.

ricchus disse...

Andrea, embora sua análise faça muito sentido, até mesmo para um leigo na matéria como eu, ela não exclui, nem mesmo implicitamente, duas coisas: ponderação e educação, sendo que nenhuma das duas faz parte do acervo do celerado em questão.

Eu gostaria muito de continuar debatendo aqui, com você, seu brilhantismo, sua doçura, e com a lucidez do Rodrigo, mas, antevendo as intervenções despropositadas do xerife eu confesso temer pela minha paciência e terminar por transformar o blog em uma batalha de imprecações (se é que isso já não acontece).

Não acho que o Rodrigo mereça isso, apesar dele creditar algum aprendizado com as "argumentações" do Mouro. Não vejo onde possa ser possível.

Lamento pelas boas conversas que poderíamos ter.

Abraço

C. Mouro disse...

Marisa, onde está o meu xará “C. Mouro copy-paste” usando expressões minhas desconexamente? ...quero-o de volta.

Você, varias vezes, afirmou que eu queria expulsar os divergentes, agora já sou até “xerife” e etc.

Gostei disso que escrevestes:
“Eu não gosto de ver você isolado e criticado por todos, porque eu sei que você está ansioso para interagir com as pessoas. Mas essa sua atitude de deboche, de agressividade pessoal e de afronta gratuita está fazendo com que as pessoas se afastem de você. E eu sei que você não está gostando disso.”

Estás enganada. ...hehehe!
Se crês que serás a xerife contra mim, que vais me aborrecer com isso, estás se enganando. Vejo isso como reconhecimento de impotência, que leva o furioso a comportamentos degradantes. Não h´razão para incomodar-me.

Mas aprecio quem é da “área científica e das exatas”, sobretudo quando te referes a “entender de psicologia feminina e masculina”, pois já és também psicóloga. ...hehehe!

A mente prega peças. Não achas? ...você se trai. ...hehehe!

Quero o meu xará “C. Mouro copy-paste” de volta e usando minhas expressões de forma desconexa. Essa bobagem está até divertida, embora esteja atrapalhando o blog do Rodrigo.

Traga o meu xará “paraguaio” de volta, no fundo ele me diverte, não devia mas não resisto. ...hehehe!
...gosto de teus personagens-coleguinhas bacanas: cordatos ou furibundos atacantes.

Abraços
C. Mouro

Marisa disse...

C. Mouro

Acho que você já está começando a se equilibrar. Já não usa mais palavras de baixo calão, apesar de continuar com esses hehes irritantes. Muito bem!

Bobinho, eu sei que você está querendo conversar comigo. Não se acanhe! Aproveite!

Sinto muito desapontá-lo, mas eu não sou sua “xará”, e nem eu o chamei de “xerife”. Eu o chamei de pitbullzinho raivoso, lembra-se? Espero que você se transforme num São Bernardo, aquele de bom coração, que salva os perdidos na neve, oferecendo conhaque para eles. A esperança é a última que morre, não é? Haha

Eu não disse que entendo de psicologia, mas acho que sei mais ou menos distinguir um homem de uma mulher, e acho que você também deve saber, não é? Por isso que eu disse que é fácil ver que eu não sou o Leo. Observe, o Leo ataca você diferente do que eu, porque ele é homem e eu sou mulher.

Eu sei que você gosta bastante do Rodrigo e parece que o Rodrigo também gosta de você. Então? Você não acha que está sendo desrespeitoso com ele ao ficar brigando com as pessoas que vem visitar a “lojinha” do Rodrigo? Sinceramente, eu não me sentiria à vontade para brigar com quem quer que fosse, na casa ou num estabelecimento comercial de um amigo meu. Você também tem um blog. Já pensou se um amigo seu começar a atacar todas as pessoas que postam comentários por lá? Depois de um tempo, você não teria mais comentaristas, sumiriam todos. E você ficaria lá falando sozinho.

Sabe, C.Mouro, essa coisa de rebeldia fica bem no cinema, mas na vida real, a tolerância, a paciência, a educação, o equilíbrio são muito importantes. Muitas vezes, a gente encontra pessoas muito inteligentes e muito interessantes, mas que pensam diferentemente de nós. Se nós não a aceitarmos por causa de nossas divergências, nós estaremos nos privando de enriquecer o nosso mundo, de conhecer outros pontos de vista. Você já percebeu que as pessoas, que pensam iguais a nós, pouco trazem de contribuição? São justamente as pessoas, que pensam diferentemente de nós, que trazem as maiores contribuições, pois nos fazem pensar, nos fazem tentar rebater as suas idéias, a encontrar argumentos, a pesquisar, e aprender muito mais. Se formos intolerantes e agressivos, perderemos isso tudo.

Eu não estou representando uma “coleguinha bacana e cordata”. Eu estou sendo sincera com você. Você deve estar estranhando porque eu não sou daquelas que, quando recebe um tapa numa das faces, oferece a outra, eu rebato também, mas eu sou também daquelas que sabe perdoar e que dá uma nova chance. Você não quer aproveitar?

Saudações!

C. Mouro disse...

Você é muito dissimulada mesmo, mas no fundo me diverte...hehehe!



Curta sua raiva xará “C. Mouro copy-paste” usando minhas expressões desconexamente.

Mas não importa quantos personagens você crie, no fim acaba mesmo se entregando, hohoho!

Só se eu fosse mesmo muito tonto para não perceber a falácia do seu comportamento degradante. Ora é Marisa, ora é Léo... Cria um personagem ridículo chamado Ricchus/Bruno... Freud explica... hehehe! E conversa consigo mesma através de um personagem chamado Andréa B...

Já lhe disse que tempos atrás teve coisa parecida. Um(a) lunática(o) interpretava 3 ou 4 personagens, mas no fim foi desmascarado. Ele(a) também conversava consigo mesmo, se elogiava e coisa e tal. E acabou confessando-se. ...hehehe!

Hohoho! Sua sinceridade me comove...

Traga o meu xará “paraguaio” de volta!

Abraços,
C. Mouro

Marisa disse...

C. Mouro

Desisto. Adeus!

C. Mouro disse...

É isso que eu gosto no meu xará "C. Mouro" do Paraguai. ...hehehe!

Como posso não ficar satisfeito?

Mas ele agora se constrangeu e não usa mais o "copy-paste" de trechos de comentários meus antigos.
Isso já depõe contra esse meu xará paraguaio. O meu xará capitulou nessa. ...hehehe! ó meu xará, o que está havendo contigo?
Vais ficar só usando as expressões sem mais copiar quase comentários inteiros? ...vai ceder assim ao meu argumento?

...que xará mais frouxo! ...hehehe!
...estou provocando mesmo, e desafiando-o.

Isso demonstra que não conseguia perceber o que estava fazendo.

...Mas o negócio é que eu gosto de ve-lo atacando seu próprio criador. ...hehehe!

Adeus Marisa, é uma pena que uma protagonista se vá. Mas deixe o meu xará "C. Mouro" paraguaio, ainda desconexo, embora não mais copy-paste. Agora é com ele o meu assunto. è ou não é?

Abraços
C. Mouro

Anônimo disse...

eu entendi bem ou o c.mouro pirou de vez?? nao ta escrevedno coisa com coisa... surtou de vez cumpadi??

Leo disse...

"Ora é Marisa, ora é Léo..."

C.Mouro,

Só mesmo um um indivíduo bastante limitado não percebe as diferenças ESTILISTICAS,IDEOLOGICAS E DE COSMOVISÃO entre mim e a Marisa.

Se estás sendo sincero em tuas dúvidas recomendo-te voltar ao Post "Perigos da fé irracional" e fazer uma análise de nossos textos.Mesmo uma superficial resolve.Está patente!

Agora,se estás sendo ardiloso,recomendo-te humildade e vergonha na cara.

Posso perder tempo desconstruindo tuas idéias,mas com tuas farsas, definitivamente não!

Acho que o que aconteceu contigo foi:
1.Descontrola-se

2.Se passa por ridículo

3.sua "imagem" entra em processo de degeneração(se é que pode)

4.Arrepende-se

5.Para se redimir,passa a acusar os outros de duplicidade,triplicidade...

Se esse seu "funeral" aqui só lhe deixa essa opção,lhe mostrarei mais uma.

Pede socorro à tua "boia furada" o CATELLIUS.Talvez ele esteja querendo mesmo fugir das "pauladas" no outro Post!

Basta gritar:OH! E AGORA, QUEM PODERÁ ME DEFENDER?

Garanto que ouvirás: EU, O CHAPOLIN "FILOSÓFICO"!

Basta! se algum dia eu mudar de confissão e passar a ser um monge Beneditino,talvez tolere tuas mediocridades.

Leo

Anônimo disse...

Pessoal, deixem o C. Mouro em paz, se ele tá dizendo que tem gente que posta com vários nomes e que conversa consigo mesmo para se defender etc, é porque ele entende disso. Respeitem-no pois tem autoridade nisso.
Não é mesmo, C. Mouro? Ou seria, Catellius? Não, é André Catelli!! Oh, dúvida cruel com qual personagem estou falando??

C. Mouro disse...

Infelizmente meu amigo e xará o “C. Mouro” paraguaio não respondeu mais. É pena, pois não posso negar que foi divertido ver que tentaram me atingir elaborando uma estratégia condenada ao fracasso: sob a idéia de que sou antipático criam um personagem antipático para, passando-se por mim, tornar-me antipático. ...hehehe!

Restou-me divertir-me com os ataques que meu, também, antipático xará-personagem lançava contra, até, o próprio ator que o representava. ...hehehe!
Alguém que se permite tal estratégia há que desprezar-se por atitude tão degradante, reconhecendo a necessidade de tal tola baixeza como único recurso a seu alcance.
...de fato tal safadeza constitui-se numa homenagem a virtude, o reconhecimento da impotência diante desta. De forma semelhante a hipocrisia é a homenagem a virtude.

Aproveito e cito o Janer Cristaldo, permitindo-me um copy-paste do alheio e entre aspas, já que não “copy-pasteio” a mim:

“Sentir vergonha, escreveu Aristóteles, é um dos indicadores mais inequívocos de que não perdemos de todo o sentido da ética em nossas vidas. Ruborizar-se é conseqüência de termos consciência da maldade ou da imoralidade dos atos que praticamos. A ausência de rubor e de vergonha indica que as pessoas se tornaram imunes ante a imoralidade de suas ações.”
(Cronista, tenho dois prazeres em meu ofício. Um, o de agradar leitores. Outro, o de irritá-los)”

...Show de bola! ...hehehe!

Quanto a ser confundido com o Catellius, não vejo problema algum, pelo contrário até. Seria algo vergonhoso ser confundido com um pulha como o Leo, um sujeito que nunca soube o que é o orgulho sincero, a decência e etc., coisas um tanto comuns àqueles não seguem ideologias, e que por tal o orgulho está em si mesmos e não nas glórias de “representações ou representantes” ideológicos.

Um abração meu xará “C. Mouro” paraguaio ou "C. Mouro (meu) copy-paste". Gostei de tuas postagens para me fazer antipático, como se eu não o fosse sem tua ajuda. ...hehehe!
Foi divertido e me poupou trabalho.

Abraços
C. Mouro

Dunga disse...

Chega de baixaria. Eu acesso esse blog para ler idéias.