sábado, abril 26, 2008

Conversas Cruzadas - Final

Ciro enrolando, para depois concluir que o crescimento depende do governo. Ciro faz uma afirmação esdrúxula, de que não há poupança nos Estados Unidos e eles crescem apenas porque imprimem o dólar. Ora, Ciro confunde fluxo com estoque. Os americanos gastam mais do que recebem por ano, mas sentam em cima de ativos, líquido de dívidas, da ordem de $ 60 trilhões. Isso não é poupança? Além disso, Ciro ignora que o mundo não é obrigado a aceitar o dólar, e se o faz, é por algum motivo racional: há mais segurança institucional nos EUA. Ciro acredita que a coordenação para o desenvolvimento é obra de poucos burocratas "clarividentes". Ele desconhece que o mercado, uma ordem espontânea de milhões interagindo em busca dos próprios interesses e com conhecimento disperso, é infinitamente superior para gerar prosperidade, como a história atesta. Para Ciro, a América é a locomotiva do mundo por causa do gasto público militar! Se cada governo do mundo torrar bilhões dos contribuintes em ogivas nucleares, Ciro pensa que serão ricos como os EUA.

Ciro acha que a liberdade de trocas é sinônimo de transformar gente em bode. Não entende que é o contrário: os bodes é que são guiados pelo dono, enquanto os seres humanos são racionais e devem ter a liberdade de escolher, algo que Ciro parece abominar. Para piorar a situação, Ciro acha que a dengue no Rio é culpa do corte do CPMF!!! Eu confesso que desejei um Engov nessa hora. Ciro diz que o esmolão que compra votos é questão de "segurança alimentar". Ora, essa turma tem comprado é celular e eletrodomésticos com a montanha de dinheiro tirada do pagador de impostos! Ciro não entende que os países escandinavos ficaram ricos A DESPEITO do tamanho do governo, não por causa dele. Isso sem falar que contam com muito mais liberdade econômica que o Brasil, um país bem mais socialista. Por fim, usei o argumento irrefutável das duas Alemanhas, provando que esse papo de educação como panacéia não cola. Governo dirigista, com planejamento central como Ciro defende, não prospera. O Brasil precisa é de liberdade econômica, possível através de uma drástica redução do governo, algo que o deputado Ciro não só acha inviável, como não deseja.

http://www.youtube.com/watch?v=TenDKINyAFo

11 comentários:

C. Mouro disse...

Rapaz, o tipo fala prá cacete e não diz nada.
Aliás ele mesmo diz que não tá dizendo o diz e nem mesmo o que não diz que disse, porque sempre diz que não diz o que está dizendo que não disse que diz.
...hehehe!

Tem que atacar os corações, não basta atacar o cerebro. Massa não o possui.
Achei lindo o traste dizer que gente não é bode e que trabalho não é mercadoria (ou que o valha). ...hehehe!
O tipo é vago, tem que fazer (minha explanação brilhante):

Tem-se que fazer (...hehehe!):
Uma implementação coordenada de investimentos consubstanciados nos direitos individuais com extensiva participação das esferas do poder publico visando a estruturação de um desenvolvimento sustentado nas politicas economicas que privilegiem uma estrutura dinâmica na majoração da renda das classes trabalhadoras que não podem prescindir do caldo cultural e nem da manutenção publica dos pontos de sustentação de uma sociedade pluralista e democrática voltada para um progresso orientado por metas sólidas para o entyorno econômico para obter uma renda crescente e em bases sólidas proporcionadas por intervenções otimizadoras do mercado num ambiente onde o ser humano não é transformado em coisa por um processo egoísta de coisificação de tudo.
....hehehe!

Empulha, empulha, sempre nada fica e assim se pode dizer que não se está dizendo o que se disse que não disse que esta dizendo.

Curiosa,mente o traste esqueceu-se do que fez Reagan, sobretudo na redução de impostos. Ao contrário de Carter (o verme) que fez exatamente o que o trasta diz ser bom, e quase arruinou os EUA.

Esquece que nos tais paises a população não cresce. Por tal a necessidade de investimentos em infraestrutura é pequena. A coisa já está pronta para uso. As populações são reduzidas também.
Ademais, caso fossem economicamente ainda mais livres e seriam ainda mais ricas. Sem contar que os impostos de fato retornam em serviços, pois a disputa politica desinteressante não movimenta tanta corrupção como em paises onde há grande disputa por corromper eleitores e militantes sedentos de vida mansa.

Cortar onde??

PQP! SÓ NA QUESTÃO DA PROPAGANDA DO GOVERNO E NAS BENESSES PARA A TAL "CULTURA", SÓ AÍ JÁ PASSAVA DE 5 BILHÕES:

1) ZERO para sustentar artistas parasitas, nada de verbas, nada de renuncia fiscal, nada de incentivos: que os milionários artistas invistam do próprio bolso milionário e não mais vivam de sugar o sangue do que trabalham para pagar impostos.

2) Fim das milinárias campanhas de propaganda do governo.

3) Fim do financiamento publico de partidos politicos: cada um que vá buscar com eleitores o seu financiamento. Desta forma que tivesse idéias poderia conquistar o eleitorado, deixando os caciques safados dos particos com Poder reduzido aos conchvos com empresários corruptos.

4) Fim de qualquer verba para Ongs de "mui amigos".

5) Fim das verbas para sustentar exércitos de bandidos como MST, seja dando-lhes verbas ou financiamentos estereis que nunca pagam (só nessa iria bilhões). Teriam a terra e se nada nela fizessem: RUA! vai para outro que saiba trabalhar na terra.

6) Fim dos financiamentos do BNDES para "mui amigos" que nem sempre pagam e sempre renegociam e por vezes as contas desaparecem.

7) Fim dos excessos de viagens com hospedagem de luxo e nababescas diárias além de toda despesa paga. Nada de tantas e tão dispendiosas viagens de parasitas apenas para fazerem turismo sem NADA trazerem de útil para o pais na bagaem, só as muambas para si e para a amigos e etc..

8) Redução de embaixadaas em lugares pifios que de nada servem, pois a galera vive mais é na Europa. Corte substancial nestyas embaixadas e representaçãoes em que a maioria serve apenas para pendurar parasitas e sumir com dinheiro publico (lavagem de despesas).

9) Redução drástica nas mordomias e verbas dos políticos, bem como no funcionarismo que os serve.

10) Responsabilização daqueles que iniciam obras inuteis ou que nunca acabam, sempre recontratadas e superfaturadas. Bem como extinção de empresas publicas inuteis, começando pela TV Lulla.

11)Drástica redução das aposentadorias integrais de altos funcionários que não contribuiram para tal mamata - começando por um teto, tipo: R$ 8000,00. Que já é muito bom. É só dizer que tem direito o funcionário que estiver cumprindo sua função social e corte! (propriedade é direito aquirido LEGITIMAMENTE, e mesmo assim o governo a viola).

Enfim, tem muito mais além, claro de COMABTER A CORRUPÇÃO QUE MAMA DEZENAS DE BILHÕES ATRAVÉS DE ALTOS FUNCIONÁRIOS E ATRAVÉS DE POLITICOS demagogos e safados.

Abs
C. Mouro

C. Mouro disse...

Ia esquecendo:

A grana violenta que vai para os fundos de pensão inclusive das estatais da camarilha politica.
Bem poderia estar incluso na previdência igual para todos, sem que os contribuintes da iniciativa privada, que se aposentam com proporções cada vez menores do que para qual pagaram, paguem a gorda aposentadoria de marajás e aparentados da deliciosa aposentadoria integral dos altos funcionários.

Os roumbos ou roubos dos fundos de pensão - é muita bufunfa! - não deveriam ser. Aliás, deveriam ser apenas contribuições dos funcionários, pois o governo dono do pedaço - estatais, orgãos e demais - já cobra contribuição (teoricamente) para a aposentadoria que ELLE ghoverno obriga a todos a pagar. Logo, não tem cabimento estatis e demais governamentais contribuir para gordas aposentadorias, inclusive cobrindo os gigantestes roubos, digo rombos, nos fundos de pensão "privados"-estatais; tal qual ONGs-governamentais.

...Esse é o país do absurdo, dos safdos e dos imbecis que aceitam...

Guto disse...

"O menino é inteligente, mas precisa de orientação."

A que tipo de orientação ele se refere?

Manoel disse...

Caro Rodirgo,
é possível corresponder-me com você via e-mail?

Manoel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Administrador disse...

O Ciro Gomes é uma rapouza velha, e por isso se colocou com mais segurança e autoridade, o que acaba dando uma falsa impressão de estar com a razão. Como todo político, é dissimulado e adora sofismar. Sem dúvida, a oratória está do lado dele. O Rodrigo ficou um pouco nervoso, e por essa razão tenha lhe escapado alguns argumentos que agora, por escrito, ele expõe com mais propriedade.
Mas de qualquer forma: parabéns Rodrigo, você botou o homem no bolso...

Thiago disse...

"Botar o Rodrigo Constatino pra discutir com o Ciro Gomes é botar um menino de 1 metro e vinte pra discutir com um homem de um metro e oitenta"
(Olavo de Carvalho, em seu programa desta segunda-feira, The True Outspeak: http://www.blogtalkradio.com/profile.aspx?userid=1285)

Pablo disse...

Caro Rodrigo, Coloque aí esse vídeo do youtube: Eu não sei do que você está falando. Aliás essa resposta deve ser coisa de esquerdista. Deve estar no livro do nazismo como diz o mão santa.
http://www.youtube.com/watch?v=vwOZTVoOFyk&eurl=http://www.claudiohumberto.com.br

Anônimo disse...

Sr. Constantino,

Embora não partilhe de muitas de suas opiniões, devo reconhecer que nessa discussão vc tinha o monopólio da razão.

Foi um festival de truques manejado por Ciro Gomes. Acho que nem sou tão liberal em termos econômicos quanto vc, mas todas as suas objeções foram pertinentes.

Ora, dizer que o governo brasileiro gasta pouco, é absurdo, ainda mais em se tratando do governo federal.

Olha, nunca confiei nesse Ciro, ainda mais quando ele apareceu barbudo logo após perder a eleição para Lula e ser imediatamente conduzido a um de seus ministérios. Foi deprimente.

Todavia, creio que ele tenha conseguido te desarmar com os truques das velhas raposas da política. É uma pena.

Se fosse pra dar alguma sugestão, eu sugeriria que vc fosse mais enérgico (notei que vc é uma pessoa muito polida), e não aceitasse certos insultos, como a falsa imputação de que vc punha palavras na boca dele.

Conheço o tipo, e sei que só virando a mesa. Essa gente se borra quando alguém fala mais grosso. Não precisa ser com grosseria nem falta de educação. Mas pense nisso... Pelo seu bem e pelo bem da verdade nos próximos debates.

Parabéns pela coragem e boa sorte. Espero que o sr. continue a confrontar esses expoentes de forma a quebrar a hegemonia ideológica que desafortunadamente paira sobre a nação.

Atenciosamente,

PS: vc explica em algum lugar ou tem alguma referência sobre a economia dos países escandinavos? é algo que me intriga, mesmo sabendo daquela lista da Heritage Foundation.

Anônimo disse...

A depender de liberais como o Constantino, o Brasil caminha lépido para o socialismo. Levar um baile do Ciro Gomes é vergonhoso. Aliás, vi o Diogo Costa no Manhattan Connection e também não gostei. Igualmente fraquinho. Um pouquinho de contato com a realidade não faz mal a ninguém.

Anônimo disse...

Rodrigo, não acho que você seja um intelectual genuíno e acho que muitas vezes você dá palpites na base do chute, mas não nego que entenda de economia. Vai aí uma crítica sincera de quem esta LONGE de ser seu fã: acho que você se sentiu muito intimidado pelo Ciro, e conseguiu sair em desvantagem de um debate em que tinha toda a razão. Faltou um pouco de firmeza e uma pesquisa de números e casos concretos. Para um espectador desavisado, pareceu que a solução para o Brasil era... mais estado!