quinta-feira, abril 03, 2008

Leviandade Clandestina


Rodrigo Constantino

Após diversas versões diferentes sobre o dossiê dos gastos com cartões corporativos do ex-presidente FHC, e a escalada de um time de aliados para blindar a ministra Dilma Rousseff, agora é o próprio presidente Lula que saiu em sua defesa. Lula disse: "Não posso ter um milésimo de suspeita contra a ministra, porque a conheço, sei da história dela e do serviço que ela presta ao país".

Ora, é justamente por conhecer a história da ministra que todos devem suspeitar – e muito – dela. Nos tempos da ditadura militar, a "companheira Estella" foi uma das que planejou o roubo do cofre de Adhemar de Barros, ex-governador de São Paulo. O crime foi praticado pela VAR-Palmares, grupo revolucionário fruto da fusão entre a Vanguarda Popular Revolucionária, de Carlos Lamarca, com o Colina, grupo que tinha "Estella" como líder. Em 1969, treze guerrilheiros da VAR-Palmares roubaram o cofre de uma casa no bairro carioca Santa Tereza, onde viva a amante de Adhemar. Os assaltantes teriam levado US$ 2,6 milhões na operação. Dilma, a então "companheira Estella", teria organizado pelo menos três ações de roubo de armamentos em unidades do Exército no Rio de Janeiro, somente em 1969. Ela jamais pediu desculpas por seus atos. Com um currículo desses, é ou não para suspeitar da ministra?

Para Lula, Dilma é vítima de uma "leviandade clandestina". De leviandade e clandestinidade essa turma entende. Os fins sempre justificaram quaisquer meios para eles. E o pior é que até os fins sempre foram lamentáveis, pois defenderam e defendem tudo que há de errado no mundo, como o socialismo e a máfia sindicalista. Os petistas são mestres em se fazer de vítima quando são pegos com a boca na botija. Invertem tudo, jogando a culpa para os outros. Se julgam acima da lei e da moral. Não é a ministra Dilma a vítima. A minoria do povo – aqueles 11% que consideram o governo ruim ou péssimo – é a verdadeira vítima de uma leviandade clandestina, cuja meta é perpetuar eternamente o poder dessa quadrilha.

8 comentários:

Augusto Araújo disse...

q q ela fez com a grana? turismo em Cuba?alguma vez ela declarou o paradeiro do dinheiro?

ladrao q rouba ladrao tem 100 anos de perdao (ou essa grana da amante era de origem lícita)

estamos na republica dos ladroes mesmo

André Barros Leal disse...

Mais uma vez o Lulla vem em defesa de um companheiro. Impressionante a capacidade que ele tem de mentir descaradamente para o povo inteiro. O triste é que todos acreditam, pelo menos os 90%.

E o inacreditável... voltou-se a falar de terceiro mandato. A safadeza não tem limite mesmo

Anônimo disse...

Essa coisa ai (isso não é mulher, é um aborto) não merece critica. Não gosto de nada que tire as liberdades individuais, mas um cargo executivo deveria ter um limite pra seres grotescos assim.

O problema é que essa coisa certamente vai concorrer a presidencia, se for ver é o que esse país merece, eu vou votar nela. Fico triste pelos 10% que salvam dessa merda aqui...

Anônimo disse...

Terra Magazine Entrevista O Senador Alvaro Dias

O senhor admitiu que viu as informações antes de elas serem tornadas públicas. Em que circunstâncias isso aconteceu?

Álvaro Dias - Olha, o jornalismo investigativo tem prestado um grande serviço ao País, seria muito pior a degradação das instituições, não fosse a competência e a ousadia do nosso jornalismo de investigação. E isso se dá em razão de fontes. O jornalistas se utiliza de muitas fontes. Uma revista do porte da Veja, que só no escândalo do mensalão divulgou, se não me falha a memória, matérias de capa 17 vezes, não contou com apenas uma fonte. Certamente valeu-se de muitas fontes de informação. Eu tenho sido ouvido por muitos jornalistas, do Terra, de outros sites, de jornais, emissoras de TV e certamente outros parlamentares da mesma forma. Esse é o caminho para se produzir a informação.

O senhor então foi uma das fontes de informação desses jornalistas?

É evidente que é meu dever responder questões formuladas por jornalistas, e eu tenho feito. Obviamente, o que pretende o governo agora é tirar o foco, o governo não quer mostrar as suas contas. Mostra as do governo passado mas esconde as suas. E pretende exatamente desviar o foco do debate.

O senhor então foi fonte de informação do jornalista da Veja? Não a única, mas uma das?

(silêncio) Qual é a importância disso? Eu pergunto. Obviamente a Veja tem fontes no Palácio do Planalto... Qual é o ilícito em conversar com jornalistas, como eu estou conversando com você? Qual é o ilícito? Enfim, é surrealista essa história. Acho que o governo subestima a inteligência das pessoas, preparando uma estratégia como essa, tentnado repassar responsabilidades. Se eventualmente contribuí com informações para que a matéria pudesse ser veiculada, altera a responsabilidade do governo na confecção do dossiê? É evidente que não. Isso exime o governo de responsabilidade? É óbvio que não. Então não há porque priorizar essa discussão, que a partir de ontem à tarde, priorizaram.

Certo. E se não há ilícito nenhum, também não há problema nenhum em admitir que o senhor foi uma das fontes, certo?

Uma das fontes é natural que eu tenha sido. Provavelmente alguma opinião minha pode ter tido alguma importância. Acho que estão superdimensionando a minha capacidade de obter informações.

Entendi. Maso senhor obteve esse dossiê de que maneira? No Palácio do Planalto?

Eu não tenho o dossiê. Eu tenho informações sobre o dossiê. Como muitos possuem. Agora, quem mais tem informações sobre o dossiê é o presidente da República e a ministra Dilma (Rousseff, da Casa Civil). Ela mesma, em São Paulo, no dia 17 de fevereiro, declarou taxativamente: "não vamos apanhar quieto, estamos fazendo levantamento de dados do governo passado". Ela sim tem todas as informações e é a melhor fonte.

Bruno disse...

Como diria Paulo Francis: " A melhor propaganda anti-comunista é deixar um comunista falar..." Eles mesmo se entregam... são muito estupidos.

Anônimo disse...

O fascínio dessa senhora, cognominada "Mãe do Pac", pelo objetivo BANCO, continua latente.
Os anos transcorreram céleres, a mocidade "idealista" já vai looonge, e uma vez mais, magnetizada pelo velho "sortilégio" substitui um alentado "dossiê" _ igual "àquele" dos aloprados - pelo tal "periférico" BANCO DE DADOS...
Freud explicaria??
Patrícia

João Humberto Venturini - Beto disse...

Interessante ver as bobagens escritas pelo autor do blog e os comentários piores ainda. Essa paranóia guerra-fria é hilária. A imprensa é porta-voz dessas idéias e adestra muito bem parte dos que acreditam piamente em tudo o que eles dizem e escrevem. Não há contraponto na grande imprensa. Sobre o falso "dossiê", é claro que o mesmo foi obra do Álvaro Dias em conluio com a Veja. Acredito que houve suborno de funcionários para tal vazamento, já q os gastos da presidência atual deve ser acessível a poucos. Montou-se um factóide e os direitóides viúvas da ditadura acreditaram. Ridículo.

João Humberto Venturini - Beto disse...

Só para lembrá-los: eu estou testando uma hipótese como faz meu "ídolo" Ali Kamel da Globo.