terça-feira, agosto 22, 2006

Cachorro de Palha

Rodrigo Constantino

“Os humanos pensam que são seres livres, conscientes, quando na verdade são animais enganados.” (John Gray)

Em Cachorros de Palha, o professor da London School of Economics, John Gray, causa bastante polêmica ao afirmar que a técnica evolui, mas a ética humana não. Ele diz que a ciência pode ter aumentado o poder humano, mas também permitiu que o homem causasse maior destruição. O conhecimento, segundo o autor, não nos torna livres, e sim “nos deixa como sempre fomos, vítimas de todo tipo de loucura”. John Gray diz que trata-se de uma heresia moderna a crença de que o objetivo da vida é a ação, lembrando que para Platão, por exemplo, a contemplação era a mais elevada forma de atividade humana. O objetivo não era mudar o mundo, mas enxergá-lo corretamente. Apesar de podermos pescar uma ou outra mensagem interessante no livro, ele está repleto de contradições. Veremos algumas delas.

Para começo de conversa, há um tom bastante crítico sobre o conhecimento humano no decorrer do livro. Mas curiosamente, somente o conhecimento adquirido pelo autor possibilitou que a obra fosse concluída. Para condenarmos a razão, precisamos utilizá-la. E sobre o objetivo da vida ser apenas a contemplação, o autor precisa então nos explicar porque partiu para a ação de escrever um livro, já que sequer pretende tentar mudar o mundo. Isso para não entrar na seara de quanta coisa o homem teria deixado para trás se ainda estivesse apenas contemplando a natureza, desde Platão. De fato, o maior conhecimento humano não necessariamente altera a sua natureza, tampouco garante o fim das atrocidades cometidas por homens. Essa mensagem é boa no livro, principalmente quando lembramos que os genocídios cometidos pelos comunistas em pleno século XX foram supostamente calcados na razão humana. Mas a solução não é a ignorância. Pelo contrário, o próprio conhecimento humano já havia mostrado que as experiências comunistas seriam um completo fracasso. Mesmo com altos e baixos, me parece errado negar uma certa evolução não apenas no nosso conhecimento, mas no que isso representou de mudanças éticas, da barbárie para a civilização.

John Gray parte para uma visão bastante pessimista e escatológica no livro, defendendo as teses de Malthus e afirmando que o século XX poderá ser visto como um tempo de paz no futuro. Ele diz: “Se existe alguma coisa certa sobre este século, é esta: o poder conferido à ‘humanidade’ pelas novas tecnologias será usado para cometer crimes atrozes contra ela”. Cita, então, os gulags comunistas como prova do tamanho do estrago causado graças aos avanços tecnológicos. E conclui que “o progresso técnico deixa apenas um problema a resolver: a fraqueza moral da natureza humana”, problema que ele considera insolúvel. Jamais compartilhei de uma visão romântica do ser humano, como um “bom selvagem” corrompido pela sociedade, que é formada por homens mesmo. Mas também não creio que o progresso e o conhecimento não possam ir “controlando” melhor certas paixões perigosas. Se por um lado ainda corremos o risco que vem dos fanáticos muçulmanos, por outro lado uma boa parcela da humanidade está tendo cada vez mais acesso aos valores ocidentais ligados à liberdade individual. Ainda que justificado, um ataque militar que causa perdas de civis inocentes gera uma revolta enorme, forçando uma moderação por parte do governo em questão devido à pressão popular. Como ignorar um avanço nesse campo quando lembramos que, no passado, populações inteiras eram dizimadas nas guerras, as mulheres eram estupradas e as crianças mortas propositadamente? O Islã fanático com sua jihad ainda representa esse atraso, sem dúvida. Mas não podemos generalizar, tampouco ignorar o avanço relativo de outras civilizações.

A consciência humana e o livre-arbítrio também são questionados pelo autor, que dá uma grande ênfase ao poder da percepção subliminar. Sem dúvida, muito do que conhecemos não está disponível no nível da consciência, e usamos mecanismos automáticos diariamente para nossa sobrevivência. John Gray chega a afirmar que “temos acesso consciente a cerca de um milionésimo da informação que usamos diariamente para sobreviver”, concluindo que “não podemos ser os autores de nossos atos”. Mas o fato de boa parte do que conhecemos estar ocultado nas sombras da nossa mente não anula o enorme poder daquela parte a qual tomamos consciência e processamos à luz da razão. Entre o estímulo e a resposta, o homem tem a liberdade de escolha, ainda que tal liberdade sofra o impacto de forças ocultas. Ou será que o livro todo de John Gray foi escrito por acaso, sem reflexão alguma e independente de sua consciência?

Em um capítulo sobre moral, John Gray abraça com vontade o relativismo exacerbado, chegando a falar que “as idéias de justiça são tão eternas quanto os chapéus da moda”. Está certo que nosso conhecimento sobre a justiça muda com o tempo, preferencialmente evoluindo. O que ontem era visto como justo – a escravidão, por exemplo – hoje pode ser visto corretamente como injusto. Isso não torna a moral algo totalmente relativo e flexível. Os dez mandamentos do Monte Sinai ainda hoje seriam vistos como corretos, e matar um inocente do nada sempre será um ato injusto, não importa a época. Mas John Gray vai ainda mais longe: “Não é apenas que a vida boa tenha muito pouco a ver com a ‘moralidade’; ela somente floresce por causa da ‘imoralidade’”. Gray gosta do modus vivendi taoísta, onde a vida boa significa viver sem esforço, de acordo com nossas naturezas. “Os animais selvagens sabem como viver; não precisam pensar nem escolher”. Entretanto, com todas as angústias que nosso conhecimento pode gerar, eu jamais aceitaria trocar de posição com uma hiena. Será que John Gray trocaria? Até mesmo para refletir sobre isso, é preciso usar a razão, aquele instrumento que justamente nos afasta tanto de uma simples hiena.

Existem algumas partes do livro com as quais concordo. Busquei focar meu texto naquelas onde discordo, por considerar que tais contradições retiram muito o valor que o livro poderia ter. Sempre que alguém vem atacar violentamente o poder da razão humana, usando para tanto a própria razão humana, já fico desconfiado. À certa altura, John Gray diz que “os humanos nos quais a consciência é altamente desenvolvida não têm como evitar se transformarem em atores”. Faço uma última pergunta então: a consciência do próprio John Gray é pouco desenvolvida ou seu livro todo não passa de uma atuação?

10 comentários:

HelioPereiriano disse...

Aplicação conceitual do erro de paralaxe ao estilo Rodrigo ;)

André P.B.Selva disse...

“não podemos ser os autores de nossos atos”.

Não? é quem é?????

Se não somos autores de nossos atos, vamos todos ser irresponsáveis e fazer o que quiser já que não somos responsáveis pelos nossos atos.

Quem sabe a culpa é do ambiente, da sociedade ou do governo?. A culpa é dos outros. Esse tipo de falácia está se tornando comum atualmente em nações atrasadas como as Latino Americanas.

Solta logo o Marcola e legaliza o PCC afinal, eles não são responsáveis por seus atos. Eles são "vítimas da sociedade injusta"

Esse pensamento nefasto prolifera com facilidade em uma época de inversão de valores

Anônimo disse...

Como o Helio citou acima, lembrei do conceito de paralaxe. Aplicar isso a um texto dá trabalho, mas é intelecutalmente enriquecedor.

Excelente texto!

Onildo

C. Mouro disse...

André,
sobre : “não podemos ser os autores de nossos atos”.
e não sermos responsáveis pelos nossos atos, é uma questão antiga:
.
(Romanos 7 // Epístola de São Paulo aos Romanos 7)
.
14. Porque bem sabemos que a lei é espiritual, mas eu sou carnal, vendido ao pecado.
15. Não entendo, absolutamente, o que faço, pois não faço o que quero; faço o que aborreço.
16. E, se faço o que não quero, reconheço que a lei é boa.
17. MAS, ENTÃO, NÃO SOU EU QUE O FAÇO, MAS O PECADO QUE EM MIM HABITA.
18. Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; com efeito o querer o bem está em mim, mas o efetuá-lo não está.
19. Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse pratico.
20. ORA, SE FAÇO O QUE NÃO QUERO, JÁ NÃO SOU EU QUE O FAÇO, MAS SIM O PECADO QUE EM MIM HABITA.
21. Encontro, pois, em mim esta lei: mesmo querendo eu fazer o bem, o mal está comigo.
22. Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus;
23. Porém, sinto , nos meus membros outra lei, que luta contra a lei do meu espírito e me prende à lei do pecado, que está nos meus membros.
24. Homem infeliz que sou! Quem me livrará deste corpo que me acarreta a morte?...
25. Graças sejam dadas a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor!
26. ASSIM, POIS, DE UM LADO, PELO MEU ESPÍRITO, SOU SUBMISSO À LEI DE DEUS; DE OUTRO LADO, POR MINHA CARNE, SOU ESCRAVO DA LEI DO PECADO.

Abçs
C. Mouro

Christiana Fausto disse...

rodrigo, impecável seu texto, sua lucidez e como vai desmascarando, ponto por ponto, um catastrofista de plantão. Claro q o homem evoluiu e pagou caríssimo por isso, ver "O mal estar da civilização" de S. Freud quanto às sombras ocultadas na nossa mente. E poucos chegaram tão perto da postura ética mais rígida que Jacques Lacan,seguidor contumaz de Freud, que contou com o privilégio de todas as novidades da segunda metade do século 20, estruturalismo, topologia, semiótica e conseguiu avançar a partir de Freud e deixou uma grande obra escrita. Sua rigidez consistia em chamar o sujeito à sua responsabilidade, mesmo que fosse algo acidental. A partir do momento que aconteceu, já lhe pertence e vc tem que buscar sua parte nisso. Recomendo. Assim como recomendo "A alma imoral" de Nilton Bonder para essas questões de transgressão que parecemos fadados. Mas concordo com tudo que disse, é absolutamente correto que o homem e sua consciência ética evoluem a cada dia. Abraço, christiana fausto.

Anônimo disse...

Interessante a sua desenvoltura. Mas, não permita que a sua vaidade intelectual o transforme em um ser esperto. Cuidado para não tropeçar nos próprios pés. Fique alerta e aberto!

Anônimo disse...

holocausto, hiroshima e nagazaki... provas "concretas" da falência do discurso humanista.

João Carmo disse...

Rodrigo,

Ao focar em questiúnculas do livro Cachorros de Palha, você deixou de perceber o principal, a refinada proposta filosófica de John Gray para o mundo pós-religioso e pós-marxista: viver a vida em alegria e na libertação do fardo pesado da religião e sem a ansiedade dos que acham que a vida "tem" que ter um objetivo para ser vivida em paz e felicidade.
Releia o livro.
Ele representa o zênite do pensamento filosófico moderno, pós-cristão e pós marxista.

abraços

João Carmo
jcpiuma@hotmail.com

Espaço público disse...

Rodrigo.
O que me pareceu é que o conteúdo do livro lhe causou uma certo desconforto. O que é perfeitamente natural, já que o realismo (e não pessimismo) de Gray é um afronto ao humanismo e à falaciosa promessa da ciencia: a de um mundo cada vez melho, idéia com a qual parece se identificar.
A sua busca detalhista por equívocos ou contradições do autor, não podem expor nada além do que já disse.

Baal'raam disse...

o "melhor" que vejo nos tais crentes é a sua lúcida ignorância; jamais pegaram um livro de filosofia, e nem sequer sabem o que significa raciocínio... o discurso deles é sempre feito por sobre os mesmos jargões; puras crenças, sem reflexão alguma. Por que não leem algo, antes de falar blá blá blá idiota? me poupem!