sábado, agosto 12, 2006

O Dedo de Deus



Rodrigo Constantino

“A religião é vista pelas pessoas comuns como verdadeira, pelos inteligentes como falsa, e pelos governantes como útil.” (Sêneca)

Em comício no Rio de Janeiro com o candidato Marcelo Crivella, da Igreja Universal, o presidente Lula apelou até para Deus em busca de votos. O apedeuta disse que “quando Deus criou o mundo, botou o dedo no Rio e falou: vai ser a cidade mais bonita do mundo”. Deixando de lado o fato de que existem várias outras cidades tão belas quanto o Rio no mundo, mas sem seus infindáveis problemas de miséria e violência, o realmente chocante veio sem seguida, quando o presidente disse: “Para o Rio compensar a genialidade de Deus é preciso escolher alguém que tenha compromisso com Deus”. Pronto. Apelo à autoridade divina. Quem sente-se privilegiado por viver na cidade maravilhosa – fugindo das balas perdidas – tem obrigação moral de atribuir isso a Deus e, ainda por cima, expressar tal gratidão votando em Crivella. Agradeço ser ateu nessas horas. Graças a Deus!

A separação entre Igreja e Estado é uma das mais importantes conquistas da civilização. Basta ver o atraso das nações muçulmanas, onde as teocracias exploram a fé dogmática de seus cidadãos de toda forma possível, gerando apenas escravidão e miséria. Como disse Humboldt, “a moralidade humana, até mesmo a mais elevada e substancial, não é de modo algum dependente da religião, ou necessariamente vinculada a ela”. O mesmo Humboldt disse que “a religião é inteiramente subjetiva e depende exclusivamente da concepção única que cada um tem dela”. Concordo totalmente. Fé divina é algo subjetivo, da esfera privada de cada um. Usar isso para obter votos, misturar religião com governo, é mesmo coisa de quem gosta de explorar os outros em busca de poder. Algo tão antigo quanto a humanidade, é verdade, mas que nem por isso deixa de ser lamentável.

Um dos “pais fundadores” dos Estados Unidos, Benjamin Franklin, disse que “o jeito de ver pela fé é fechar os olhos da razão”. A quem interessa apelar para Deus na hora da eleição? Justamente aquele que sabe que, através de argumentos sólidos e racionais, não vai muito longe. A Igreja Universal tem sido mestre na arte de conquistar seguidores à base da emoção, explorando o desespero alheio em benefício próprio. Enquanto isso for limitado ao indivíduo, tudo bem. Posso lamentar o fato de ver alguém pobre sendo claramente ludibriado por oportunistas como o Bispo Macedo e ainda deixando o dízimo, ganho com seu suor, para essa gente. Mas é uma troca voluntária, não muito diferente do coitado que gasta com bebidas para afogar suas mágoas. E dificilmente a razão terá forças de enfrentar tal paixão, pois como alertou Carl Sagan, “não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências, baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar”. O problema, para mim, fica grave quando esses seguidores fanáticos votam unicamente utilizando o critério religioso, que Lula tentou explorar. Nesse caso, a minha vida é também afetada.

O Rio é, de fato, uma cidade maravilhosa. Se é obra divina ou não, deixo para o foro íntimo de cada leitor. Não temos como saber. Mas sabemos de uma coisa: os estragos que o Rio vem sofrendo são obras bastante humanas! Com anos de desgovernos, com figuras pitorescas como Brizola ou o casal Garotinho sendo eleitos, não seria razoável esperar algo diferente. O Rio foi tomado pela esquerda “caviar”, pelos comunistas do Bracarense, e também pelos crentes da Igreja Universal. Entre a seita marxista, que oferece o paraíso terrestre, e a Igreja Universal, que vende consolo eterno, não sobra muito espaço para debates centrados em argumentos racionais. Como Thomas Paine reconheceu, “debater com uma pessoa que renunciou o uso da razão é como administrar remédio em um morto”. Ou então, na mesma linha, o que Jonathan Swift concluiu: “É inútil tentar fazer um homem abandonar pelo raciocínio uma coisa que não adquiriu pela razão”. Por que eu ainda tento então? Deve ser masoquismo mesmo. Paciência. Que venham os petistas e crentes, inocentes úteis que alçam ao poder oportunistas da pior espécie! Ficarei tranqüilo no isolamento dos que não abdicaram da razão ainda...

14 comentários:

C. Mouro disse...

PERFEITO! clap clap clap!
E aí vai um comentário de um antigo debate:
"Outros o fizeram também, mas, ao que me consta, ninguém demonstrou melhor do que Schopenhauer a inutilidade de qualquer tipo de discussão: "Não queremos uma coisa porque encontramos razões para isso, encontramos razões para isso porque a queremos ... nada é mais irritante do que discutir com um homem, usar argumentos e explicações para convencê-lo, e no fim descobrir que ele NÃO QUER compreender, que estamos lidando com sua vontade".
Obviamente, a ideologia, religiosa ou não, que melhor atender ao meu desejo de existir, se possível eternamente, em estado de total felicidade, será aquela com a qual me identificarei. Não quero nem saber se isto tem algum fundamento ou não. Às favas a razão! Pego o livro sagrado daquela religião, simplesmente deixo de enxergar as partes que possam trazer-me alguma dúvida, vou às partes favoráveis ao meu ardente desejo e deixo-me hipnotizar por elas. Que discussão irá me demover?" (AZ) O autor identificou-se como AZ, e sem saber seu nome lhe faço justiça pelo brilho de seu comentário.
Abraços
C. Mouro

Gustavo Agostini disse...

Pensei que nao existissem pessoas que pensam como vc no Rio. Concordo, ate agora, com tudo que li no seu blog (incluindo um e-mail que me foi repassado de um post seu). Fui durante um tempo leitor assiduo do Instituto Liberal e sou MUITO liberal. Porem, ja desisti de tentar convencer os outros, digamos que cansei e estou descancando para tentar de novo no futuro. Ja fui chamado de Nazista entre outras coisas qnd falo o que penso (logo o Nazismo, Nacional SOCIALISMO!!). Nao tem como convercer a "esquerda festiva" carioca, que na minha opniao inclui pelo menos 90% da populacao. Agora que descobri o seu blog vou acessar com frequencia. Parabens pela iniciativa.

Brasil disse...

Gustavo, eu compreendo perfeitamente sua situação; e me sinto obrigado a lhe dizer: continue na luta. Eu, desde que "saí do armário" e confessei ser liberal, já fui xingado de muita coisa, e em alguns momentos até cheguei a me arrepender. Mas é justamente a vergonha de defender idéias contrárias à corrente majoritária e politicamente correta que enfraquece os ideais liberais no Brasil. Embora eu me depare muitas vezes com gente que simplesmente se importa mais com os meios escolhidos para atingir determinados fins do que os fins em si mesmo; tenho percebido que boa parte do preconceito anti-"neo"liberal das pessoas reside na simples ignorância do que é de fato o liberalismo, quem são seus expoentes intelectuais e o que defendem e por que o defendem.

Steve Hunter disse...

José Mindlin disse: "Sou Ateu e Judeu, graças a Deus!"

Nossa próxima Ditadura, a meu ver, será a da Igreja Universal do Roubo Divino.

Criaram até um Partido Republicano, brasileiro, para dissimular.

Deus não é - definitivamente - brasileiro!

Ao invés de um Ronald Reagan, temos um Marcelo Ruinvella.


Esquadrinhando

Reproduzi, como sempre!

Abs.

Nagel disse...

Rodrigo, ao contrário de você, sou cristão, mas - pasme - lamento pelos mesmos fatos.

Nem todo cristão apoia a postura da Universal. E mais: não só católicos e ateus vêem nela tudo, menos igreja. Sou protestante e concordo com sua crítica.

A propósito, eu sou batista e uma das marcas dessa tradição - que já tem seus 400 anos de história - é justamente a separação entre igreja e estado.

Abraços.

Blogildo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Blogildo disse...

O líder do cristianismo desautorizou a relação entre Igreja e Estado ao dizer a clássica frase: "A César o que é de César e a Deus o que é de Deus".
Em ainda outra, ele disse, "meu reino não faz parte desse mundo".
Se os líderes religiosos insistem em manter essa relação promíscua entre o Estado e a Igreja isso é prova de que eles estão em desacordo com o verdadeiro pensamento cristão.

Anônimo disse...

parabens constantino

Freeman disse...

Comentário na mosca do Blogildo!
Acabou, não tem mais o que falar...

Pra trazer essa frase pros dias de hoje é só trocar a palavra "César" por "Governo" ou "Estado"!

Esses "bispos políticos" estão desautorizados por ninguém menos que o Cristo.

Bianco disse...

"A César o que é de César e a Deus o que é de Deus".

Chega! Deu Pra bola. Matou a pau.

André P.B.Selva disse...

Essa frase resume tudo tanto para ateus como para religiosos.

Religião ou ausência de fé é um problema particular e pronto.Só cabe a cada um, individualmente.

Não deve se misturar com o estado.

ponto final! sem mais comentários. Vamos ao próximo artigo

Sergio Oliveira disse...

Pacote Turístico para Suicidas

Quer se suicidar, mas está sem tempo para planejar sua despedida, então visite o Rio de Janeiro e parta em grande estilo. No Rio de Janeiro você não precisa se preocupar em dar cabo a sua vida pois a cidade se encarregará disso para você. Tome um banho de mar na maravilhosa praia de Copacabana, tire uma nota de 10 dólares do bolso e aguarde a morte em grande estilo, apreciando o pôr do sol e as mulheres de fio-dental.

Você também pode escolher morrer nas alturas, visitando o Cristo Redentor ou apreciando a Vista Chinesa. Nessas atrações meninos sem camisa estão prontos a lhe ajudar por alguns trocados. Tire algumas fotos da vista maravilhosa lá embaixo e aguarde a morte com o conforto e eficiência que só o Rio de Janeiro pode lhe proporcionar.

O Rio de Janeiro é o destino ideal para quem quer partir sem as chateações de um suicida convencional. Divirta-se!

Anônimo disse...

Deixa de viadagem, babaca!

Andressa disse...

adimiro seu trabalho imensamente...é de uma capacidade adimiravel em relatar fatos e seu ponto de vista, fiquei fã do seu livro: Prisioneiros da liberdade, e como é a primeira veiz que netro no seu site, justo que puxe seu saco um poco..já que me parece ser uma pessoa de grade carater.
Um grande abraço
Continue sempre assim
PARABENS