sexta-feira, junho 06, 2008

A Homo Mania



Rodrigo Constantino

“O Estado é a grande ficção através da qual todo mundo se esforça para viver à custa de todo mundo.” (Frédéric Bastiat)

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou que serão incluídas no Sistema Único de Saúde (SUS) as cirurgias de mudança de sexo. A informação foi dada ao chegar para participar da I Conferência Nacional de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais, que contou com a presença do presidente Lula. O ministro justificou a decisão alegando que “a medida obedece a um princípio de humanização e atende a uma demanda social”. Estranhos conceitos do ministro. É sempre o mesmo tipo de discurso para defender atrocidades.

Nada contra a escolha sexual dos indivíduos. Cada um na sua, desde que se respeite a liberdade alheia também. No entanto, faz-se necessário alertar que essa postura em relação aos homossexuais e transexuais já está passando dos limites. Uma coisa é tolerar as diferenças, respeitando que o indivíduo tem o direito de viver ou fazer sexo com outro do mesmo sexo. Outra coisa, bem diferente, é pular de alegria porque mais gente escolhe a homossexualidade, festejar o tal “orgulho gay” e até incentivar as pessoas nessa direção, dando a entender que é a coisa mais fashion do mundo. Circula a piada de que antes era terrível ser gay, depois passou a ser aceitável, hoje é o máximo, e é melhor ir embora do país antes que seja obrigatório.

Essas paradas gays são financiadas, em boa parte, com dinheiro dos pagadores de impostos, muitos deles no total direito de não gostar da homossexualidade festejada com seu dinheiro suado. Sem falar que se heterossexuais fizessem metade do que os gays fazem nessas paradas seriam presos por atentado ao pudor! Se a homofobia é indesejável, me parece que a “homo mania” também o é. Até porque, no limite, se todos resolverem virar homossexuais, a humanidade vai sobreviver apenas com reproduções in vitro, e filho algum terá pai e mãe sob o mesmo teto. Pode ser o ideal da distopia de Huxley, O Admirável Mundo Novo, aonde a palavra “mãe” chegava a despertar nojo nos jovens, todos eles criados em laboratório. Haja soma (ou Prozac) para manter essa turma aparentemente contente!

Não é preciso ser um reacionário ou um conservador crente para respeitar os valores familiares. Família é algo muito importante, ainda e felizmente. É o núcleo de nossa civilização, cada vez mais atacado pelo governo, que é visto como deus por muitos, e assume o controle sobre nossas vidas de forma assustadora. Aqueles pais irresponsáveis que não querem educar seus filhos apelam para a tutela estatal, assim como Rousseau fez, depois de abandonar todos os seus filhos no orfanato. Isso não quer dizer que a família tradicional deva ser mantida à custa de qualquer coisa, inclusive da felicidade de seus membros. Um filho certamente está em melhor situação se criado por pais separados que se entendem, do que por pais que ficam juntos brigando diariamente, apenas porque a família tem que estar unida na mesma casa. Havia muita hipocrisia – e também infelicidade – no “puritanismo” da era vitoriana. Longe de mim, pregar um retorno a esses tempos, quando até o divórcio era visto com enorme preconceito, ou mesmo um crime. Mas nem por isso vou deixar de valorizar a família como uma importante instituição, crucial inclusive para preservar a liberdade individual das garras do governo onipresente, que pretende substituir suas funções.

Com isso em mente é que repudio essa nova medida do governo Lula, que sempre luta para enfraquecer a família como instituição, objetivando mais e mais poder nas mãos do governo. Essa turma tem o autoritarismo no seu DNA. Se dependesse deles, o governo iria decidir sobre cada mínimo detalhe de nossas vidas particulares. Para barrar esse avanço imoral sobre nossas liberdades, não devemos analisar somente caso a caso, aplaudindo alguns que parecem fazer sentido pontual e condenando outros. É preciso condenar o pacote completo! É preciso questionar a premissa central por trás de tantas medidas que invadem nossa liberdade. É preciso mostrar que não desejamos nem necessitamos da tutela estatal. Que cada família, de forma geral, cuida melhor dos próprios filhos e sabe o que é melhor para si. O governo não é pai de ninguém.

As seqüelas dessa mentalidade coletivista e da idolatria ao Estado são enormes. Em um país escandinavo, teve um idoso que entrou na Justiça exigindo prostitutas pagas pelo governo, para ter uma velhice mais feliz. Quando tudo é oferecido pelo governo, eis o resultado que temos: um leilão de privilégios, cada um lutando por mais alguma vantagem a ser paga pelos outros. Essa medida do governo Lula é apenas mais um efeito nefasto desse coletivismo tosco, que predomina na mentalidade dos brasileiros. Qual será o próximo grupo beneficiado em troca de votos? Será que o governo vai oferecer cirurgias plásticas “grátis” para as “mocréias”, em nome da igualdade facial? Será que o governo vai oferecer implante de cabelo “grátis” para os carecas, em nome da igualdade capilar? Vivemos em um país socialista mesmo, onde todos ficam tentando usar o governo para obter vantagens, mesmo que as mais bizarras. É lamentável...

Mas voltando a esta medida em particular, eis que crianças e adultos morrem por falta de remédios nos caóticos hospitais públicos, enquanto alguns sujeitos problemáticos, que nasceram com um pênis, mas gostariam de ter nascido com uma vagina, usarão o dinheiro do nosso imposto para cortar fora o órgão indesejado. Quando burocratas e políticos, preocupados apenas em concentrar privilégios para obter votos, decidem a alocação de recursos escassos, é esse o resultado que temos. O governo vai ampliando os privilégios, enquanto a conta fica cada vez maior para todos. Tem cotas por cor da pele, tem carteira para estudante, tem “gratuidade” para idosos, tem benefícios forçados para deficientes, tem reserva para índios, tem subsídio para grandes empresários, tem verba para invasores de terra, tem esmola para pobres, tem financiamento para cineastas engajados, tem dinheiro para movimento gay e muito mais, até mesmo cirurgia para transexual, tudo isso bancado por nossos impostos. Se o sujeito é branco, heterossexual, adulto, saudável, assalariado ou pequeno empresário, e classe média, ele está frito! Ele vai ter que bancar essa conta toda. Ele é o discriminado, para tanto privilegiado. Que valores são esses?

Eu sou um libertário, defensor da menor minoria de todas: o indivíduo. Costumo ser atacado tanto pela esquerda socialista como pela direita conservadora, saudosista da Idade Média. Não me identifico com nenhuma dessas vertentes, até porque considero ambas autoritárias. No fundo, eles pregam liberdade para aquilo que não se importam tanto, mas desejam um governo autoritário naquilo que julgam valioso. Os socialistas materialistas, que só pensam em dinheiro, querem controle estatal na economia, mas defendem as “liberdades civis”, enquanto os conservadores pregam governo controlador no comportamento humano, mas desejam a liberdade econômica. Eu defendo liberdade em ambas as áreas, por entender que o indivíduo deve ser livre de fato.

Isso quer dizer que, numa sociedade libertária, os homossexuais desfrutarão de ampla liberdade, exatamente igual aos heterossexuais, já que todos seriam iguais perante as poucas leis básicas. Mas isso quer dizer também que os heterossexuais terão direito de não gostar do homossexualismo e expressar isso, contanto que não agridam a liberdade dos gays. Se um gay for agredido, o agressor deve ir preso não por homofobia, mas por agressão, como qualquer um deveria ser. Não será feita uma propaganda estatal em prol do homossexualismo, nem uma pressão para empurrar goela abaixo tal escolha como algo legal. A Igreja Católica, por exemplo, não seria obrigada a aceitar o casamento gay, que poderia ser feito como forma de um contrato qualquer, perante as leis. Um mundo libertário respeita o princípio da segregação voluntária, já que defende apenas trocas voluntárias. Não há nada tão ruim quanto forçar um convívio “amigável” caso ele não seja realmente desejado. E por fim, sem dúvida alguma, os heterossexuais não seriam obrigados a pagar pela cirurgia que arranca fora o pênis de um homem que insiste, contra a sua natureza, em ser mulher!

O ministro Temporão justificou essa bizarrice, de pagar com nosso dinheiro a extração do instrumento sem uso dos transexuais, com a desculpa de “humanização” e “demanda social”. Caro ministro, a verdadeira humanização e demanda social seria o senhor fazer uma cirurgia para a retirada de seu instrumento sem uso, o “cérebro”, já que o senhor deve estar usando alguma outra parte do corpo para “pensar”. Mesmo sendo libertário, abro esta exceção e defendo que o governo pague pela cirurgia.

38 comentários:

bjordan disse...

concordo em numero grau e principalmente GENERO.

seguindo essa linha vc poderia falar sobre a incongruência de se pagar um transplante de orgão de mias de 150 000,00 e remédios de manutenção de mais de 10 000,00 por mês

quando crianças morrem de se cagar por falta de remédios de 10,00

Alexandre disse...

É curioso como o Brasil anda a passos de tartaruga no que tange aos direitos individuais.
Na ditadura militar, havia controle estatal (censura)sobre as escolhas particulares e considerável intervencionismo na economia.
Hoje, há maior flexibilidade na economia, entretanto, as preferências individuais continuam patrulhadas e cerceadas.
Quando o indivíduo esboça postura libertária, é paradoxalmente taxado de fascista e reacionário.
Ou seja, a mentalidade é sempre a mesma: autoritarismo, demagogia e impostos. Principalmente esses últimos.

C. Mouro disse...

Perfeito!

Ninguém tem direito de causar dano, mas ninguem tem obrigação de gostar de alguém.

A manipulação de valores morais (consensuais ou aceitos na inercia dos costumes) é um repugnante fato.

Qualquer coisa propagandeada e com as ostentações emocionais contagiantes para que os simiescos humanos as reproduzam em si na ansia de obter a mesma satisfação moralostentada, qualquer coisa pode assim tornar-se um valor moral arbitrário. Com isso manipula-se as massas.

Assim, facilmente háesse transito de valores, do repudiado passa para o tolerável, aceitavel e depois obrigatório.
A caridade, or exemplo, atualmente éobrigatoria. Pois cobra-se (expropria-se) impostos dos súditos sob oargumento, veja bem, argumento de prover os necessitados. Como se a necessidade de uns lhes atribuisse direitos sobre outros. Uma aberração. Já que proibibir o dano não é o mesmo que coagir ao beneficio. Masa safadeza poltica insiste em confundir através de ostentaões emocionais contagiantes que embotam a razão.

Abs
C. Mouro

C. Mouro disse...

São usados pesos e medidasdiferentes.

Aqueles que se alegam "mais fracos" disso se valem para exigirem privilegios e tornarem-se assim os mais fortes.

O MST pode tudo, até matar fazendeiros e empregados de fazendas sem que nada lhes aconteça. Até mesmo jamataram pliciais e por ultimo torturaram e mataram um policial em data proximado assassinato de uma missionária arruaceira. A torturae assassinatodoplicialnão contou com as caretas de repúdio e indignação costumeiras, nem mesmo ganhou as manchetes que o assassinato da arruaceira obteve.

Nofim das contas, a massa reproduz a repulsa pelo crime contra a arruaceira mas meramente se conforma com a tortura eassassinato de um policial que foi aoassentamento prender um msetista que cometeu mais um crime, desta vez sozinho, e lá dentre os kamaradas obandido foi protegidoe o plicial assassinado.... e a midia esqueceu da tortura e assassínio do policial, desprezou ...já nocaso da arruaceira, caretas de repulsa e indignaçãoostensiva. ...assim manipula-se.

Lulla e demais bandidagem sempre têm na midia uma tribuna privilegiada para fazerem seu proselitismo defensivo. Coisa que a midia nunca permitiu aos outros ("oposição"), só ao PT. Antes osacusados só podiam falar sob apupos e constrangimentos, seguido de opiniões acaloradas de petistas. Agora os petistas tem pulpitotranquilo na midia para mentirem confortavelmete, e quase não se pede opiniãodos popositorese quando o faz e de "opositores" os mais kamaradas.

Abraços
C. Mouro

Anônimo disse...

Eu até concordo em parte com o que você disse, eu concordo que o sistema público de saúde bancar operações de troca de sexo é altamente questionável. Mas, eu não entendi essa:

"alegando que “a medida obedece a um princípio de humanização e atende a uma demanda social”. Estranhos conceitos do ministro. É sempre o mesmo tipo de discurso para defender atrocidades."


????
Defender atrocidades?
O que tem a ver uma coisa com outra? Você vai agora comparar o ministro Temporão com Hitler? Grande forma de argumentação, se você não concorda com o sujeito, chame ele de Hitler. Aposto que Hitler defendia operações de troca de sexo.
Pesquise "Godwin`s Law."

André Barros Leal disse...

Rorigo,

Concordo com o que voce escreveu. Conversando com um amigo meu, eu disse que não tinha nenhum tipo de preconceito em relação a gays e cia., porem eu disse que me incomodava o fato que alguns grupos estejam levando o assunto para o lado do "é a coisa mais normal do mundo". Não considero certo novelas mostrarem casais de homossexuais como sendo a coisa mais normal da face da terra. Da mesma forma achei repreensível a última novela ter mostrado uma relação entre dois homens e uma mulher que terminaram por registrar uma filha com DOIS pais.

Sem querer adotar esses discursos de Partido Republicano, em defesa da família tradicional, acredito que o normal é um casal de um homem e uma mulher. qualquer coisa diferente é um desvio, e por consequencia, deve ser visto como tal.

Me incomoda novelas mostrando o homossexualismo como algo corriqueiro e sem problema algum. Lembro que pessoas de todas as idades assistem esses programas, e quem sabe o resultado é o filho cegando em casa e dizendo que começou a namorar com um AMIGO? Pelo que ele vê na TV, isso é normal, porem a realidade deixa claro o contrário.

Também sou um defensor do indivíduo. Acredito que o mesmo deve ser livre para tomar as decisões que achar correto na sua vida, porem sem afetar de forma negativa outros individuos.

Anônimo disse...

Caros senhores:

A respeito da citação:

"alegando que “a medida obedece a um princípio de humanização e atende a uma demanda social”. Estranhos conceitos do ministro. É sempre o mesmo tipo de discurso para defender atrocidades."

A mesma compara a operação de mudança de sexo com uma atrocidade.

Oras, analisemos por outro ângulo tal comparação. Suponhamos que o Lula, para obter o status de inválido perante as leis trabalhistas tenha volutariamente metido seu dedo no torno. É claro que ele cometeu uma atrocidade contra si mesmo.

Suponhamos que uma pessoa qualquer peça para amputar uma perna sadia para conquistar os direitos exclusivos aos deficientes físicos. É claro que nenhum médico fará tal cirurgia pois a mesma será considerada uma atrocidade contra o indivíduo por mais que esta seja a sua vontade.

Agora, suponhamos um sujeito que deseje amputar seu pênis apenas para se ver equiparado à um determinado grupo social ou realizar alguma fantasia mórbida. A mesma também será considerada uma atrocidade.

E assim, de atrocidade em atrocidade, algumas vezes contra si mesmo, outras vezes contra os outros, a humanidade vai caminhando aos trancos e barrancos.

Abraços.

Gerson B disse...

Pelo que sei a história do velho escandinavo é diferente:

[Um belo dia um morador de um asilo em Skanderborg, na Dinamarca, acordou todo animadinho. Tomado por um ímpeto juvenil fez uma proposta indecente para uma enfermeira. A oferta sexual foi levada ao conhecimento da diretora da casa para idosos. Ela não pensou duas vezes: por que não oferecer o serviço de prostitutas para os velhinhos?

“Houve uma considerável mudança no comportamento dele depois da visita da garota de programa”, contou Inger Marie Kristensen. “Fazemos isso para os nossos clientes da mesma forma que oferecemos outros serviços de que eles precisam como seres humanos. Basicamente é uma questão de respeito à velhice e às suas necessidades”, completou.

O asilo Kildegaarden, localizado a cerca de 160 quilômetros de Copenhague, tem cem residentes, incluindo vítimas de Alzheimer e derrames.

A contratação das meninas gerou grande polêmica em Skanderborg. A vereadora Mie Bergmann lançou uma cruzada moralizante para acabar com a “farra dos velhinhos”.

“Não quero contribuir para manter os negócios dessa indústria”, afirmou. A política sofreu derrota na Câmara em votação que pedia o fim da profissão mais antiga da Terra.

O governo da Dinamarca estima que haja aproximadamente 6 mil mulheres trabalhando como prostitutas no país escandinavo. A atividade foi legalizada em 1999, mas autoridades investem pesado na tentativa de dar uma segunda opção para as prostitutas.

A presidente da Associação de Trabalhadores do Sexo da Dinamarca, Susanne (nome de guerra), disse que visitas a asilos estão se tornando freqüentes.]
______________________________

Houve discussão pública e não foi o velho que entrou na Justiça.

Alem do mais lá os impostos são altos e o nível de educação e democracia não se compara ao do Brasil.

Aqui sou contra a mudança de sexo. Mas não contra os transplantes. O problema dos remédios baratos que faltam não se reslverá acabando com os tratamentos caros realmente necessários. O que tem que acabar é o roubo.

goncalves disse...

Eu pensava que era só o Ministro? da Cultura que tinha o cérebro nas vísceras. Taí, mais um, o entusiasmado Ministro? da Saúde se entregando. Aliás, ele não engana ninguém só os incautos. Quem será o próximo a se candidatar a contenda visceral? Afinal, Ministério e vagabundos de toda sorte é que não falta neste governo cuja essência está na barriga, não é mesmo?

saustrabeck disse...

Rodrigo:

Tal como se diz em Inglês, tal como ele está sendo forçado as nossas gargantas. Embora, neste caso, que pode ser uma metáfora de mau gosto, ainda apropriado ao mesmo tempo.

Stephen Austra-Beck /

denise disse...

Rodrigo, uma pergunta: porque alguém ESCOLHERIA ser gay?

Grata.

Anônimo disse...

O Brasil virado de cabeça pra baixo! E põe pra baixo!!!!
A delinquência moral institucionalizada!

Maria Cristina SP

Anônimo disse...

Concordo com você,Rodrigo!
Brasil, país de perto de 190 milhões. Será que a maioria pensa como o Ministro Temporão. do modo descrito por você? Ou obedecendo à orientação superior?

C. Mouro disse...

Caracoles, há imbecis que são zeros absolutos. Suas asneiras são tão estapafurdias que em absolutamente nada contribuem para coisa alguma. São meros faladores desesperados para emitir "opiniões" que tiram do próprio traseiro (onde fica o cerebro deles), evidentemente sem perceber nem o significado do que falam. ....hehehe! pqp!
...vontade de falar sem o minimo necessário para tal é mesmo divertido. ...pqp! ...mas é um talde usar palavras em construções sem sentido que me tenta, mas resisto

"Com tijolos e massa se constrói paredes, mas um amontoado de tijolos sujos de massa não é uma parede."
Da mesma forma, um amontoado de palavras não e um argumento, nem um raciocínio, nem uma idéia e por vezes nem uma frase.
...hehehe! pqp! raios parta!

Bah!

Abraços
C. Mouro

renato laguna disse...

Então é para isso que eles recriar a CPMF! Para cortar nossos pintos! Ficou tudo claro agora...

(Membros do governo que estejam lendo isto, por favor não cortem meu pinto. Eu não me oporei aos vossos honrosos planos. Só quis fazer uma piada infantil.)

saustrabeck disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carolina disse...

Fantástico post, Rodrigo. Considero-me libertária como vc, a favor da mais ampla liberdade individual, em todos os sentidos, e da irrestrita liberdade econômica. Sou heterossexual, mas não compreendo como as pessoas podem achar "errado" ou "anormal" ser homossexual. Ora, elas não são melhores que os outros e não têm o direito de julgar ninguém! Seus padrões de moralidade, sejam provenientes da Igreja Católica ou de qualquer outra fonte, só a ela interessam. Ninguém é obrigado a se subordinar à moral dos demais, mas apenas às leis.
Da mesma forma, pelos mesmos motivos, não se justificam as chamadas manifestações de "orgulho gay". Eu juro q tento, mas a minha raquítica consciência não consegue encontrar o menor sentido em ter orgulho de uma característica pessoal. Tem-se orgulho de méritos, como a descoberta de uma nova substância medicinal, ou de qualidades, como a tenacidade ou a honestidade. E ser homossexual não é mérito nem demérito, mas um atributo pessoal.
Acredito que muito da visão negativa quanto aos homossexuais provenha justamente da moral católica, impregnada na mentalidade das pessoas a ponto de lhes turvar o exercício da razão, e faço questão de dizer que a moral de ninguém é superior à dos demais. Aliás, a moral conta muito pouco dentro de uma sociedade. Esse, aliás, é o grande problema dos direitistas, que assim como os esquerdistas, consideram sua própria moral superior à dos demais.
Dentro dessa linha de pensamento, acredito que qualquer pessoa capaz tem total liberdade pra fazer o que quiser com seu corpo, incluindo extirpar órgãos indesejados. Não tenho o direito de julgar, conforme os meus particulares padrões morais (sejam eles quais forem), as atitudes dos outros em suas vidas pessoais. Mas financiar intervenções cirúrgicas dessa espécie com dinheiro proveniente de impostos é descabido. Os recursos do Estado devem servir para consecução de seus escassos objetivos básicos, que todo liberal sabe quais são. Ninguém tem o direito de onerar o erário para satisfazer aspirações de qualquer outra ordem, sejam elas morais ou imorais perante os olhos da maioria.

Sisenando disse...

Às vezes as pessoas têm suas opiniões formadas com uma imensidão de "argumentos" sobre coisas que elas não fazem a menor idéia do que sejam. Nunca li nada deste autor, mas me apontaram este texto e, como me dei ao trabalho de ler, dou-me também ao direito de comentar – até porque, é um texto que desinforma e não tem o menor rigor científico.

O texto critica uma ação que sequer existe. O S.U.S. não está patrocinando o "orgulho gay", está cuidando da saúde de transexuais (confundir homossexual com transexual é confundir óleo com água, está aí a Ciência para confirmar).

É mais ou menos como o debate das células-tronco: os que são contrários não sabem bem do que estão falando; não sabem a diferença entre óvulos e espermatozóides; entre estes e óvulos fecundados; entre zigoto e embrião; de tal modo que, ao final, sem se darem conta, acabam defendendo a criminalização da masturbação.

É mais ou menos o que o autor desse texto fez: confundiu X com Y. Transexuais não sou meros homossexuais (aliás, para ser mais preciso, transexuais são, em sua maioria, heterossexuais). Transexualismo não é uma mera preferência sexual, mas um grave distúrbio que necessita ser tratado tanto por questões de saúde física quanto por questões de saúde mental.

O que define um homossexual é a atração sexual pelos que são de seu mesmo gênero. Um "gay" quer fazer sexo com quem lhe seja do mesmo gênero. Se o autor do texto fosse homossexual, ele quereria fazer sexo/namorar homens (esta hipótese não é um insulto, apenas um artifício de empatia que será repetido a seguir).

O que define um transexual não é atração sexual, mas a identidade sexual. Um transexual é um "paradoxo ambulante"; ele pode ser até um religioso casto, a sexualidade (prática) não tem a ver com transexualismo; um transexual é um homem/mulher que nasce no corpo de uma mulher/homem. Se o autor desse texto fosse um transexual, a última coisa que ele quereria seria fazer sexo porque ele seria uma alma feminina presa num corpo masculino (ou uma alma masculina presa num corpo feminino).

Um homossexual que, num conto-de-fadas, casa-se com o seu amor, será "feliz para sempre".

Um transexual jamais será feliz se a ele não for dado o corpo para o qual a mente dele se moldou durante sua gestação.

Eu deveria ter sido mais técnico e menos ilustrativo, e explicado o que a Ciência diz sobre os processos que causam o grave distúrbio chamado transexualismo, mas esta tarefa cabe(ria) ao cidadão que confundiu a liberdade de expressão com o exercício arbitrário da palavra para amontoar num texto uma seleção de palavras que até podem fazer sentido para quem não faz a mínima idéia do que está falando.

Abra um livro de Medicina para saber a diferença entre homossexualismo e transexualismo, e perceber que, afora o sufixo, uma coisa nada tem a ver com a outra.

Também já advirto para não confundir transexual com "travesti", e, se o quiser fazer, faça por sua conta e risco.

E, se a inteligência do autor for maior que sua vaidade, ele procurará se informar e corrigir este texto, e sua opinião se focará em discutir se é ou não justo garantir a saúde de pessoas que sofrem diuturnamente e estão entre os grupos de indivíduos que mais cometem suicídio porque a mãe-natureza lhes deu o fardo de nascerem num corpo estranho.

Morena flor disse...

"O que define um transexual não é atração sexual, mas a identidade sexual. Um transexual é um "paradoxo ambulante"; ele pode ser até um religioso casto, a sexualidade (prática) não tem a ver com transexualismo; um transexual é um homem/mulher que nasce no corpo de uma mulher/homem. Se o autor desse texto fosse um transexual, a última coisa que ele quereria seria fazer sexo porque ele seria uma alma feminina presa num corpo masculino (ou uma alma masculina presa num corpo feminino)."

(...)

"Um transexual jamais será feliz se a ele não for dado o corpo para o qual a mente dele se moldou durante sua gestação."

"E, se a inteligência do autor for maior que sua vaidade, ele procurará se informar e corrigir este texto, e sua opinião se focará em discutir se é ou não justo garantir a saúde de pessoas que sofrem diuturnamente e estão entre os grupos de indivíduos que mais cometem suicídio porque a mãe-natureza lhes deu o fardo de nascerem num corpo estranho."

Olha, se tem uma coisa q sinceramente quero entender no que tange ao transexualismo, é essa relação corpo de um sexo e "mente" de outro, pessoas que nascem de um sexo, mas em um "corpo estranho". P/ começar, o que seria "mente de homem"? e o que seria "mente de mulher"? O que significaria então um "homem com mente de mulher" e uma "mulher com uma mente de homem"? Como detectar um "transexual"? Como a natureza erra no que tange ao corpo não ser compatível com sua, digamos, mente?

São essas e outras dúvidas que infestam a minha cabeça quando penso nesse assunto.

Ah... Outra coisa:

"...se é ou não justo garantir a saúde de pessoas que sofrem diuturnamente e estão entre os grupos de indivíduos que mais cometem suicídio porque a mãe-natureza lhes deu o fardo de nascerem num corpo estranho."

Que pesquisa é essa? Aonde ela se encontra?

;)

Anônimo disse...

"E por fim, sem dúvida alguma, os heterossexuais não seriam obrigados a pagar pela cirurgia que arranca fora o pênis de um homem que insiste, contra a sua natureza, em ser mulher!"

Ninguém escolhe ser gay. Isso é algo que é imposto para o cara, seja pelo DNA, seja pelo meio, seja pelo que for. É como o cara que nasce baixo ou narigudo. Não há muito a fazer...

Anônimo disse...

"Um transexual jamais será feliz se a ele não for dado o corpo para o qual a mente dele se moldou durante sua gestação."

Isso é falso. Sem procurar por muitas fontes e ficar com só uma delas, veja em http://en.wikipedia.org/wiki/Transsexualism
no ítem "Diagnosing transsexualism" pode-se ler:
However, some people diagnosed with gender identity disorder have no desire for sex reassignment therapy at all, particularly not genital reassignment surgery, and/or are not appropriate candidates for such treatment.(Brown 105)

Além disso, pode-se entrar no mérito da questão do diagnóstico. Segundo a mesma fonte e no mesmo parágrafo de onde a citação acima foi tirada pode-se ler que como a classificação DSM mudou a sua teminologia, o diagnostico de transexualismo não é mais usado nos últimos anos.

Com relação ainda a essa operação, o mesmo artigo diz-se que alguns homossexuais podem desejar mudança de sexo por diferentes motivos, como por exemplo, se tiverem problemas em aceitar a sua condição de homossexuais. As drag-queens também podem desejar essa mudança para que se sintam mais confortáveis quando se vestem como o sexo oposto. A seguir o artigo informa que pessoas que sofrem de desordens psiquiátricas como esquizofrenia, personalidade borderline, desordem de identidade dissociativa e síndorme de Munchausen podem requerer essa cirurgia, mas nesses casos espera-se que o resultado seja extremamente negativo para essas pessoas, que não terão seu sofrimento aliviado mas sim aumentada pela sensação de possuírem um corpo que não toleram.

Anônimo disse...

Eu preciso da operação!

Meu pal mede 32,5 cm e deste jeito não dá, a mulherada foge. Deixem o SUS me quebrar o galho, pô!

Gisa disse...

Ai, pqp,como pode um absurdo desse, aonde o sistema de saúde não consegue realizar um simples exame.
Gente morrendo por não conseguir uma cirurgia, e esses malditos vão rasgando o nosso dinheiro com esses absurdos.

André disse...

Eu acho que o Sisenando não entendeu a proposta do texto.

Parece-me que o autor não entrou nas "questões técnicas" do que venha a ser o transexual.

Ele quis dizer que o transexual pode, se quiser, fazer a dita cirúrgia. Entretanto, que o faça às suas expensas, não com o dinheiro público.

Isto porque, na ótica liberal do autor (e minha), eu com a minha individualidade (ou então eu comigo mesmo), tenho o direito de não querer patrocinar essa cirurgia, tendo em vista que o Estado não tem máquina de fazer dinheiro, ele suga dos seus cidadãos, via cobrança de imposto.

Anônimo disse...

Quem diria, hein? Sua Excelência, presidente da República, já queimou a rosquinha em sua fase de militância petista.

Explico: sempre que alguém defende tão arduamente um determinado tema ou coisa é porque está querendo justificar a si mesmo.

Num certo momento de fraqueza no passado as pessoas cometem certos erros e se arrependem mais tarde porque percebem que aquilo que fizeram em nada contribuiu para o seu sucesso atual, muito pelo contrário, até o maculou.

Como a pessoa que comete estes atos do qual se envergonha profundamente e não consegue se libertar do incômodo moral, ela passa a apoiar movimentos homossexuais para, através dos outros e da aceitação deles, encontrar justificativas para perdoar a si mesma.

O lado mais cômico da coisa é que deduzimos disso que o PT é um partido de boiolas que adoram dar uma ré no quibe.

Atenção eleitores brasileiros: vocês que se julgam tão machões e viris estão votando em boiolas por quê?

Estão querendo ser enrabados também?

As coisas podem até melhorar se o Palácio do Governo virar pelo menos um puteiro mas uma Sodoma em miniatura é coisa de fazer qualquer macho que se preze vomitar até as tripas e o fígado juntos.

Abraços.

Anônimo disse...

Certamente o Temporão é "Temporona" durante a noite. Só isso explica essa imbecilidade disfarçada de serviço social. Se o cara quer se transformar em mulher corra atrás e patrocine sua operação sem me obrigar a pagar para isso!

Anônimo disse...

mas não era este economista a favor dos trangênicos, da criação em cativeiro de animais, do fim do Estado interventor na economia? meu amigo, a criação de humanos in vitro é a última fronteira!

bruno maia disse...

Concordo inteiramente. Os homossexuais falam que são assassinados e que, por isso, querem leis especiais. Ora, mas as leis que querem não são contra os assassinatos, são contra a crítica pessoal, a crítica social e política...Quem mata, continuará a matar, porque é covarde e assassino. Para este último não faz diferença alguma lei X ou Y.

Não conheço um mané que seja, que após a leitura da bíblia "matou um gay". Os cristãos nem palavrão proferem! Apenas discordam e é isso que incomoda a militância gaysista: Querem, por fim da força, a incursão de seu modo de vida nos rituais canônicos, como se não pudessem criar, como já fazem, suas próprias igrejas e cultos.

Daniel disse...

Discordo com vc em alguns pontos, o primeiro deles é o fato de vc dizer que a parada gay é feita com o dinheiro dos nossos impostos! A parada GLBT tem vários patrocinadores, a ajuda pública é mínima, se não fossem as empresas não teria parada gay... vai dinheiro público também, mas qual o problema? acho que os 3 milhões e meio de pessoas que estavam na última parada pagaram impostos assim como vc, portanto também temos direito!
Outro ponto intrigante foi o fato de vc dizer que "Cada um na sua, desde que se respeite a liberdade alheia também" e depois achar um absurdo o fato da troca de sexo, ora, quem está desrespeitando a sua liberdade neste caso? vc vai perder a sua liberdade se alguém tirar um pênis? Achei no mínimo estranho...
Achei estranho também o fato de vc dizer que o governo luta para enfraquecer a família, como assim? vc acha que se não tirar o pênis do indivíduo a família vai estar intacta? se vc estiver se referindo a outras medidas adotadas pelo Lula, então especifique, pq cirurgia de mudança de sexo não desestrutura nenhuma família, não é o pênis que vai manter a família intacta, são outras coisas!

Daniel disse...

Parece que vc assiste muita televisão, mas não parece que usa o sistema público de saúde, não é? eu sou usuário do SUS e posso te provar que a entrega de medicamentos é eficaz sim. Ao meu ver, parece que vc vai achar que vai ser fácil tirar um pênis e não vai ser! vc vai ter que passar por várias entrevistas por psicólogos e uma equipe multiprofissional até que seja decidido se vai ou não fazer a operação, e isso vai demorar muito tempo, a pessoa vai ter que passar nas filas pra marcação de consulta como qualquer outro brasileiro com uma doença qualquer passa. Não vai ser um grupo de privilegiados, vai ser um grupo incluído na sociedade. Se alguém pode ir no hospital pra tirar um câncer, pq não pode ir pra tirar um pênis que pode ser considerado um câncer para alguns?
O que te falta é compaixão, falta se colocar no lugar do outro, o que vc faria se tivesse seios? iria querer tirar e ninguém ia falar que isso é uma atrocidade...

Daniel disse...

Vc disse: "Isso quer dizer também que os heterossexuais terão direito de não gostar do homossexualismo e expressar isso, contanto que não agridam a liberdade dos gays."
é exatamente isso que deve acontecer, vc pode dizer que não gosta de gays, mas se eu perguntar o pq disso, vc não vai poder dizer que é pq a gente é bizarro ou coisa do tipo que vai agredir a minha liberdade!

Daniel disse...

Vc disse: "Se um gay for agredido, o agressor deve ir preso não por homofobia, mas por agressão, como qualquer um deveria ser."
Mas e se for uma agressão verbal? e se for uma humilhação pública? e se for um empregado demitido por ser gay? o agressor vai pagar por qual crime na legislação?
não temos medo só da porrada, pq porrada também podemos dar, o problema não é tão simples quanto vc pensa...

Daniel disse...

Vc disse: "os heterossexuais não seriam obrigados a pagar pela cirurgia que arranca fora o pênis de um homem que insiste, contra a sua natureza, em ser mulher!"

Eu também não quero ser obrigado a pagar o salário de todo mundo lá de brasília e eu não vejo ninguém falando que é uma atrocidade aquele monte de gente "trabalhando" duas vezes por semana e 2 horas por dia e ganhar rios de dinheiro...

helen disse...

Libertário? lol só se vc for pelo PT. Porque aqui vc demonstra estar longe de ser um.
Como vivi em comunidades libertários por 9 longos anos de minha vida sei diferenciar um demagogo de um libertário.

"eis que deixo um ditadinho legal: pimenta no cu dos outros e refresco"

Editor disse...

Prezado Rodrigo,

É a primeira vez que leio seu blog, e gostaria de lhe dar parabéns pela forma como você expõe seus pontos de vista! Somos poucas pessoas num país em a quantidade de analfabetos funcionais é menor do que a de pessoas com formação superior!

Mas discordo das suas idéias quanto a este post! Não vou discutir ponto por ponto, mas gostaria de fazer uma pergunta. Você disse: "Sem falar que se heterossexuais fizessem metade do que os gays fazem nessas paradas seriam presos por atentado ao pudor!". Você já foi em uma parada gay PESSOALMENTE? Se sim, você deve saber que rola muito menos "putaria" numa parada gay do que num carnaval de rua (que, na teoria, é um evento predominantemente heterossexual)!

Um abraço!

bebeto_maya disse...

"Você já foi em uma parada gay PESSOALMENTE? Se sim, você deve saber que rola muito menos "putaria" numa parada gay do que num carnaval de rua (que, na teoria, é um evento predominantemente heterossexual)!"

Será? Na última tivemos um homem mutilado, depois muita drogadição. Agora "putaria", como você citou, é um conceito relativo de quem ver. Para mim, rola muita, e muito pior que o carnaval carioca, porque ali só entra quem paga, a Parada Pay é aberta ao público. E quem disse que Carnavais de Rua são eventos intocáveis pela crítica? Você se espelha no mal alheio para definir suas condutas?

Com relação a agressões verbais...Pra mim é o cúmulo do coitadismo, porque sua língua existe para se defender. É muita inversão, colocar na cadeia por 5 anos uma pessoa que "agrediu verbalmente" outra que, pasmém, também tem língua, quando um pedido de desculpa e uma pequena indenzação seria suficiente.

Engenheiro Emerson Eduardo Rodrigues disse...

Brilhante! Este sem qualquer receio de dúvidas, foi a melhor argumentaçao que já li a respeito deste tema, e sem isençoes!
Estou de acordo e respaldo embaixo!
Sucesso!
Ps: Posso copiar para meu blog?

eng.emerson.eduardo.rodrigues@hotmail.com

Aprendiz disse...

"Costumo ser atacado tanto pela esquerda socialista como pela direita conservadora, saudosista da Idade Média. Não me identifico com nenhuma dessas vertentes, até porque considero ambas autoritárias."

Será que conservadores são socialistas com sinal trocado? Vejamos um pouco da história legislativa dos EUA:
1. Os americanos declaram independência sob a égide de uma constituição a mais libertária já vista. quemsão seus signatários. Homens brancos, na maioria religiosos cristãos.
2. Os conservadores cristãos batistas conseguem convencer os legisladores a não adotar nenhuma religião como oficial. A idéia parece estranha, pois todo estado, até aquele momento, tinha uma religião oficial. Oferecem aos batistas que as quatro
3. O partido republicano, tentando trazer para a lei infraconstitcional os princípios constitucionais, promove aos poucos a abolição da escravatura. Enfrenta forte oposição do partido democrata, resultando disso uma guerra civil.
4. O partido republicano promove os direitos civis dos negros, abolindo ã obrigatoriedade de separações públicas entre negros e brancos. Sim, os 'retrogrados, atrasados, insensíveis' republicanos fizeram isso. De onde vem a principal oposição? De políticos democratas (e nessa época, o partido democrata já havia aderido fortemente a princípios socialistas). Muitos democratas ficam em cima do muro e outros seguem os repúblicanos para não ficar mal ...
5. Querendo ganhar as mínorias e jogar grupos uns contra os outros, os democratas criam leis de "igualdade", obviamente eliminando a igualdade diante da lei. Os republicanos se opõem e são demonizados.
5. Onde ficaram os conservadores repúblicanos, depois de terem promovido a igualdade de direitos civis? Estavam propondo alguma mudança legal? Querendo impor pela lei a sua própria religião? Estavam simplesmente querendo CONSERVAR a democracia representativa e os direitos fundamentais. Geralmente são os democratas que PROPÕEM MUDANÇAS (geralmente contra o espírito da constituição). Os conservadores simplesmente se opõem e são taxados pela imprensa de retrogrados, que querem levar o país de volta à idade média. Mas eles não podem ser retrogrados, pois querem apenas MANTER a democracia, o status legal atual.
6. Como os democratas querem estabelecer sua "doutrina"? Por leis, interdições, intervenções estatais, criação de grupos com direitos especiais, difamação, traição, aliança com forças anti-americanas.
7. Como os conservadores pretendem fazer alguma diferença? Pela pregação, falando ao indivíduo, convencendo.

Você não consegue ver mesmo nenhuma diferença? Deixe de lado esse isentismo, o partido democrata americano é um partido que quer promover o totalitarismo, o republicano quer apenas manter a república.

Em escala mundial é a mesma coisa. O século vinte foi o século dos genocídios, mas isto deveu-se inteiramente às esquerdas. Leninismo, stalinismo, maoismo, nazismo, todas estas foram ideologias de esquerda.