segunda-feira, junho 23, 2008

O Governo Bebeu?



Rodrigo Constantino

“A mais importante mudança que o controle extensivo do governo produz é uma mudança psicológica, uma alteração no caráter das pessoas.” (Hayek)

Em mais uma medida claramente autoritária e arbitrária, o governo brasileiro avança sobre a liberdade individual com a justificativa de cuidar do povo, tratado sempre como um bando de mentecaptos irresponsáveis. Agora qualquer presença de álcool no sangue dos motoristas será punida com multa elevada, de quase mil reais, e perda de vários pontos na carteira. Ataca-se, como de praxe, os efeitos, e nunca as causas. Se há muitos acidentes causados pela ingestão de bebida, então proíbe-se qualquer consumo de bebida alcoólica por parte dos motoristas. Se há assaltos com bandidos na garupa de motos, então veta-se gente na garupa. Se há assaltos em caixas eletrônicos de madrugada, então fecha-se os caixas. Em breve, vejo a possibilidade do governo proibir o dinheiro, já que o alvo dos crimes acaba sendo o “maldito”. No Brasil, predomina a mentalidade de eliminar o sofá para acabar com o adultério. Não por acaso somos recordistas em criminalidade!

Não obstante a enorme dificuldade de colocar uma lei dessas em prática, já que seriam necessários inúmeros “bafômetros” que a polícia nem sequer possui, a medida deve ser condenada por sua natureza injusta. Qual o motivo pelo qual as pessoas estão sendo criminalizadas? Não pela direção perigosa, nem por destruir propriedade ou causar acidentes. Os motoristas não estão sendo colocados na marginalidade por qualquer ato concreto de imprudência no volante. O crime cometido é somente ter certa substância no sangue, mesmo que uma gota de álcool. No entanto, é perfeitamente possível ter essa substância no sangue e não cometer crime algum. De fato, a grande maioria das pessoas que consomem bebida alcoólica não causa acidentes. A expressão jurídica abusus non tollit usum resume bem a questão: o fato de alguns irresponsáveis abusarem de determinada liberdade não é motivo para tolher a liberdade dos demais.

O presidente do Mises Institute, Llewellyn Rockwell, questiona sobre medida similar tomada pelo governo Clinton em 2000: “O que fizemos ao permitir que o governo criminalize o conteúdo de nosso sangue em vez de ações concretas?” O governo passa a ter o poder de aplicar uma lei arbitrária, dependente do julgamento de policiais. Sem o “bafômetro”, nem mesmo é possível saber se a lei foi ou não quebrada. Quanto tempo antes de dirigir é preciso ficar sem beber? Como saber se está na ilegalidade ou não? Se o motorista experimentou um gole de determinado vinho, ele é um criminoso pela nova lei. Isso é típico de uma tirania. Rockwell chega a defender a legalização de se dirigir bêbado, punindo apenas as infrações na direção que colocam a vida dos demais em risco. Ou seja, pune-se os atos concretos que demonstram que aquele motorista em particular está dirigindo de forma ameaçadora, mas não se pune ninguém com base em uma probabilidade apenas. Muitos podem achar isso radical demais, mas eu pergunto: não é extremamente radical colocar na criminalidade alguém que bebeu uma taça de vinho com a mulher e voltou para casa dirigindo? Isso sim é radical.

Para Rockwell, o governo de uma sociedade livre não deve lidar com probabilidades, apenas com atos que agridem a propriedade alheia de fato. Ele lembra os perigos dessa postura que pune com base em probabilidades, citando o caso das medidas racistas porque determinado grupo racial ou demográfico apresenta maior taxa de criminalidade. Se há uma maior probabilidade de um negro cometer um roubo, através de estatísticas, isso quer dizer que um negro deve ser punido sem ter feito nada errado, apenas com base numa probabilidade? Como Rockwell lembra, “o governo deveria estar prevenindo e punindo os próprios crimes, não probabilidades e propensões”. No filme Minority Report, com Tom Cruise, a polícia prende as pessoas com base na previsão de crimes feita por “oráculos” clarividentes. Atualmente, as pessoas parecem dispostas a delegar o mesmo poder ao governo, contando com a “clarividência” das estatísticas, mesmo que várias injustiças sejam cometidas enquanto isso.

Existem vários motivos pelos quais as pessoas dirigem mal. Em primeiro lugar, o motorista pode simplesmente ser “barbeiro”. Ou ele pode estar cansado, de mau humor, nervoso por algum motivo qualquer. Pode ainda estar distraído com a música do rádio. Por várias razões distintas, o motorista pode prejudicar sua capacidade de direção. Será que o governo deveria ter a permissão de testar essas características, aplicando testes de sonolência ou humor das pessoas? Quem acha pouco provável que o avanço estatal chegue a tanto, não custa lembrar que o uso do telefone celular já foi vetado. Qualquer policial pode multar um motorista alegando que o viu falando no celular, e mesmo com viva-voz não é permitido! A transferência de tanto poder arbitrário para os policiais, ainda mais os brasileiros, é um atentado contra a liberdade individual. No fundo, acaba que tanta dificuldade criada serve apenas para a venda de facilidades pelos agentes da lei. O suborno cresce na mesma proporção da quantidade de novas regras criadas pelo governo. São tantas coisas que fazem um motorista estar na ilegalidade, que sai muito mais barato dar uma “gorjeta” para o policial.

Sair para tomar uma cerveja com os amigos ou beber um vinho com a namorada vai custar bem mais caro agora. Será preciso computar nos custos o risco de ser parado por uma blitz, que em vez de perseguir bandidos verdadeiros estará achacando motoristas em busca de uma “cervejinha”. Se a lei fosse seguida mesmo, o negócio de bares e restaurantes seria muito prejudicado. Talvez o lobby dos taxistas tenha um dedo nessa lei, pois qualquer um que objetiva beber um gole de álcool não poderá voltar dirigindo para casa. Já não é permitido fumar num bar, propriedade privada. Agora querem dificultar e muito a venda de bebida. Melhor proibir os bares e restaurantes logo de uma vez! Os acidentes devem cair bastante... assim como a liberdade.

Alguém pode alegar que isso é uma insensibilidade, pois um parente ou amigo próximo foi morto num acidente por culpa do álcool. Mas a mentalidade por trás disso é a mesma que culpa as armas pelos crimes, e não os homens que puxam o gatilho. Acham que proibindo a venda de armas vão acabar com os crimes. Não funciona assim. O maior problema não é a liberdade de beber um pouco e dirigir, mas a falta de punição severa para quem causa um acidente por qualquer displicência. O consumo de álcool nesses casos pode muito bem ser tratado como um sério agravante para o culpado. Mas o que estará sendo punido é o ato em si, não uma probabilidade dele ocorrer. Bebeu e bateu, matando algum inocente? Punição severa!

A liberdade individual estará garantida, com a cobrança de sua concomitante responsabilidade. Cada um escolhe se vai beber ou não, se vai dirigir cansado ou não, com sono ou não, nervoso ou não. Mas se causar um acidente por imprudência, será responsabilizado e punido de acordo. Isso é muito mais eficiente e justo, além de tratar adultos como seres responsáveis. A alternativa é a postura adotada sempre nesse país: tratar adultos como crianças irresponsáveis, como verdadeiros mentecaptos que precisam da tutela estatal para tudo. Paradoxalmente, esses mesmos mentecaptos devem ser livres para votar e escolher o governante que irá cuidar deles no detalhe. Uma contradição e tanto! O efeito mais perverso desse excesso de tutela estatal, conforme disse Hayek na frase da epígrafe, é a destruição da responsabilidade individual no longo prazo, uma mudança no caráter das pessoas. O governo não deve nos proteger de nós mesmos!

Antes que alguém afirme que medidas semelhantes foram adotadas em diversos países desenvolvidos, lembro que a tutela estatal não é monopólio brasileiro, apesar de ser uma característica bem mais marcante nos países mais pobres. Os países ricos adotam muitas medidas erradas também, e os Estados Unidos mesmo já adotaram a estúpida Lei Seca, parindo mafiosos como Al Capone. O incrível é essa mania brasileira de copiar apenas aquilo que não presta. A liberdade econômica, a maior abertura comercial, as causas do relativo sucesso desses países não são admiradas ou copiadas por aqui. Mas quando é para justificar algum novo avanço sobre nossas liberdades, aí o exemplo de fora é citado. E eis que nosso governo resolve ser mais radical ainda que os demais, vetando qualquer consumo de bebida alcoólica para motoristas. Resta apenas perguntar: o governo bebeu?

49 comentários:

Cav3ira disse...

Pois é, já não faço mais transferências acima de 1.000,00Renais por dia, nem mesmo sacar uma quantia pouco superior a esta porq a polícia não consegue, não sabe e não quer fazer seu trabalho - constantemente está do lado oposto ao que deveria.

Um filho, branco, rico, estoura 10 pessoas de uma mesma família em um ponto de ônibus, com seu BMW e fica impune.

O outro, um promotor, atira 550.000 vezes em um jovem, às custas da legítima defesa e ainda sai de férias com a grana que sai de meu bolso.

Aquelezinho, roubou milhares e foi fazer serviço social - com um cargo de chefia!

Enfim, tudo acontece e eu nem posso mais dirigir depois de tomar meu Biotônico Fontoura!!

(O biotônico tem 9,5% de etanol em sua composição, concentração maior à de uma lata de cerveja, que apresenta 5% de álcool, em média).

.

autor disse...

Eu sou libertário, mas já ouviu aquela frase: "o que é um peido para quem está cagado?" no contexto atual, eu concordo com a lei, por incrível que pareça. O problema é que não somos capazes de punir com o devido rigor quem comete abusos, ou seja: o bêbado que atropela sempre dá um jeito de se safar, ainda mais se tiver grana. Por outro lado, os amarelinhos (ou marronzinhos na capital) são muito eficientes e multam mesmo, pra valer. Então, usa-se uma ferramenta que é eficiente do governo, para compensar outra parte que é totalmente ineficaz: a justiça e a polícia.

É isso, mas parabéns pelo texto!

bjordan disse...

é sabido que a bebida afeta a direção e portanto pessoas alcoolizadas são menos capazes de dirigir, para isso foi criado um nível de alccol no sangue que que é permitido, como temos muitos acidentes com bebados, pribe-se COMPLETAMENTE o alcool ,

quantos acidentes foram causados por bebados legais? acredito que poucos então pq mudar a concentração permitida???

a saber , o bafometro não mede nível de alcool, e sim a presença de corpos cetonicos, isso é efeito de queima de gordura, como alcool diminui o açúcar do sangue , o corpo passa consumir gordura tmb e apresenta corpos cetônicos no hálito, mas pessoas em diata de atikins ou em jejum tmb apresenta mcorpos cetônicos, um dos motivos para haver níveis tolerados,

e vai uma dica leve sempre no carro um copo de vinagre, o ácido acético reagem com a cetona fazendo acetato INDETECTÁVEL no bafômetro da para sair trançando as pernas assobrar e não mostrar nada
ehhehe

SO disse...

Acho que o único problema dessa lei é a questão da quantidade que está indefinida. Se o cara bochechar um vinho vai ser preso. É realmente uma piada.

Agora quanto a questão do fumo, eu apoio totalmente pois não sou fumante, mas entendo que os fumantes são lezados, logo temos um impasse entre fumamentes e não fumantes.

Que tal instituir dias da semana onde será permitido fumar em bares e dias em que não será? Assim todos pode conviver passificamente sem roupas fedorentas e vícios reprimidos.

O problema é que a liberdade do fumante, do jeito que está hoje, fere e muito a liberdade dos não fumantes que têm que aturar aquela fumaça fétida em seus olhos, no seu pulmão, no seu cabelo e na sua roupa. É asqueroso!

corletto disse...

Você tem alguns textos muito bons, como o ultimo sobre Lula e Fidel, mas tem outros que sao de dar do.

Uma das caracteristicas marcantes nos seus textos eh o uso de analogias falaciosas pelas quais voce tenta persuadir os leitores.

Voce poderia ser mais sutil neste artificio.

"Se há uma maior probabilidade de um negro cometer um roubo, através de estatísticas, isso quer dizer que um negro deve ser punido sem ter feito nada errado, apenas com base numa probabilidade?"

Falacia ... bebidas e maquinas ha como se provar uma relacao de causa-feito. A analogia com negros nao. A relacao probabilistica eh apenas casual.

Outra coisa, seus textos sao muito longos. Se seus argumentos sao poderosos, nao precisa mil citacoes. Sabe o que parece? Parece que voce eh um papagaio, fica repetindo o que os outros disseram.

Roberto Chiocca disse...

Parabéns Rodrigo!
Um texto brilhante!
A acrescentar apenas que a propria existencia da lei já é uma prova de que o argumento da estatistica(propabilidade) é uma falacia monstruosa.Caso fosse real o perigo, nós mesmos iriamos evitar dirigir após consumir alcool, mas sabemos que existe um limite e que esse limite não pode ser imposto pelo estado, ou quem quer que seja.
No jornal Folha de São Paulo de hoje o jurista Damásio de Jesus,especialista em legislação de trânsito, disse que ele defende que seja punido apenas o motorista que bebeu e que tenha cometido alguma infração.(esse paragrafo foi só para aqueles que adoram um apelinho a autoridade)

André Barros Leal disse...

Parabéns pelo texo.

Alguns comentários em relação à essa lei estúpida...

1) Presunção de inocência: você tocou bem no assunto. O consumo de alcool não deve ser criminalizado de forma alguma, apenas atos cometidos sob influencia da substancia devem ser agravados. Inclusive, defendo que qualquer acidente de transito envolvendo um individuo alccolizado deveria ser tratado como crime doloso.

2) Limite legal. o governo estabeleceu no passado um limite legal para a concentraçao de alcool no sangue que equivale a aproximadamente 3 tulipas de cerveja. Agora pergunto: quem o leitor deste comentário conhece que fica bêbado ao ponto de nao conseguir dirijir após 3 cervejas? Vou mais longe ainda. Posso apostar sem dúvida alguma que QUALQUER amigo meu após beber 6 cervejas (socialmente) terá reflexos mais rápidos e precisos do que qualquer idoso maior de 70 anos que continua conduzindo veículos pelas ruas. Quem serviu de inpiraçao para adefinição desse limite? alguma modelo anoréxica que desfila no SPFW?

3) Justiça. Considere o seguinte exemplo: O leitor bebe 3 cervejas com os amigos e volta dirijindo. ao passar um cruzamento no sinal verde, ele acerta em cheio o carro conduzido por um idoso de 85 anos cujos netos acham muito bonitinho que ele continue dirijindo. Alguem duvida que as manchetes no dia seguinte digam algo como "BEBADO MATA AVÔ DE FAMILIA"?

André Barros Leal disse...

Um ultimo comentário: Falam muito sobre a quantidade de mortes que o consumo de alccol causa. Mas fica fora da estatística a quantidade de violencia e mortes que o consumo de alcool EVITA! Por mais absurdo que isso pode parecer, não é. Imagine a quantidade de motoristas que saem dos seus locais de trabalho e tomam alguns chopps com os colegas para passar um pouco de tempo e se prepararem psicologicamente para 2 horas de engarrafamentos antes de chegarem em casa. Sem alcool, antes, imaginem quantas brigas de transito ocorreriam?

Apenas olhado para fora do quadrado.

PS: EU NÃO BEBO

Rodrigo Constantino disse...

Um motorista bêbado, voltando de um show do Zeca Pagodinho, já bateu no meu carro e quase pegou na minha mulher. Rodamos bastante, meu carro foi perda total (sem seguro na época) e eu fiquei MUITO irritado. Eu estava voltando de um simples cinema. O cara estava com amigos voltando de um show, bêbado. Ainda assim, eu não quero punir a bebida, mas ELE! Afinal, ele dirigia em alta velocidade, avançando os sinais. ISSO deve ser punido! Eu pedi teste de bafômetro como AGRAVANTE, para deixar claro de quem era a culpa. O policial disse que não tinha. E ainda foi subornado pelo cara, que logo entrou em contato com seu advogado. Um stress! O que faltou, o que estava errado???? A PUNIÇÃO PELA INFRAÇÃO! Não a liberdade de beber e dirigir...

Rodrigo

Jonas disse...

O mises.org.br publicou um artigo bem parecido de Lew Rockwell: "Pelo direito de dirigir alcoolizado", que eu imagino que o Constantino tenha se baseado.

http://mises.org.br/Article.aspx?id=115

A principio concordo. Acho que devem ser punidos os motoristas que, independente de estarem ou não alcoolizados, cometerem atendados contra a vida e a propriedade de terceiros com seus veiculos.

Uma punição exemplar contra os que praticam irresponsabilidades no volantes culminando em atentados contra a terceiros, mais uma total ausencia de sensação de impunidade seria mais do que suficiente. A impunidade hoje reina! Pouquissimos foram presos por cometerem crimes com seus veiculos,.

Da forma como esta lei foi feita, até quem não bebe ficou insatisfeito, ja que a qualquer momento, podem tambem ser tratados como criminosos apenas por terem tomado um remedio ou um suplemento qualquer que utilize alcool ou algo que reproduza o mesmo efeito em um bafometro.

"Leis inuteis abundam em paises mal governados"

bjordan disse...

mais um detalhe que esqueci , pessoas com intolerância a lactose , podem produzir álcool fermentação em seus estômagos, a quqantidade é pequena , mas pode ser acusada em bafometro, ou melhor medidor de cetose,

C. Mouro disse...

Ladrões e assaltantes, assassinos e etc. tendem a reincidir, e quando tal é uma prática "profissional" jamais se recuperam e sempre reincidirão roubando, matando e destruindo vidas e familias inocentes. Ou seja, quando a justissia (é assim mesmo) brasileira libera um bandido preso, ela está deliberadamente causando danos a inocentes.
Além do que o bandido É UM CULPADO pois que JÁ COMETEU CRIMES e a estatística é que voltará a pratica-los, em 100% quando tal é sua atividade "profissional".

Há não só bebados mas drogados que dirigem, idosos com reflenos inferiores ao de "alegres por alcool". Porém, ACIMA DE TUDO HÁ OS IMBECIS SÓBRIOS, que sem nada beberem cometem as maiores imbecilidades. Há os que estão apressados.

E há aqueles que costumeiramente se envolvem em pequenos ou grandes acidentes. É AQUI QUE A COISA SE ESCLARECE:
As leis feitas e aprovadas por safados protegem o motorista que se envolve em acidentes pequenos. QUANDO DEVERIA SIM, SER ANOTÁVEL TODOS OS ACIDENTES PEQUENOS OU GRANDES.
OPu seja, as queixas também contra pequenos acidente ou acidentes sem vítimas (sangue), deveriam ser contabilizados. PARA FAZER COM QUE MOTORISTAS FOSSEM MAIS RESPONSÁVEIS, já que qualquer acidente que causassem lhes seriam imputados para que pagassem os pequenos danos que causam e servir de evidência sobre sua incapacidade para condução de veiculos.

Ocorre que pessoas que não beberam também causam acidentes. Mas se o acidente causado por um sóbrio for contra um que bebeu, CANALHOSAMENTE A ESTAÍSTICA SERÁ FRAUDULENTA.

Não há como medir estatisticamente a proporção de acidentes envolvendo pessoas que beberam e que não beberam. Ademais o fato de ter bebido não é necessáriamente o responsável. Afinal, mesmo que não tivesse bebido o sujeito poderia ter causado o acidente ..muitos acidentes são causados por quem não bebeu nem uma gota.
Problemas, irritação, distração e etc. ...muitas são as causas.

Claro que determinados niveis de bebida efetivamente influenciam. Mas é ocaso do sujeito estar já mal conseguindo andar. Há imbecis "espertex" que causam muito mais acidentes sem nada beberem. E quanto a isso os safados nada dizem com sua s leis safadas.

Isso e meramente um processo de adestramento, aos poucos, cada vez mais, os senhores donos da nação (que agem como efetivos proprietários da nação: bens móveis e imóveis que nos alugam, semoventes e indivíduos) vão habituando a massa a absoluta obediência, a submissão resignada.

Curioso que estes crápulas liberem criminosos com suas leis safados e ao mesmo tempo, CADA VEZ MAIS massacram os cidadãos.

Ou seja, tal lei é, para usar o termo da moda, PRECONCEITUOSA. Além de criar o criminoso por presunção.
Ou seja, está perfeita a analogia: se a maioria dos crimes é cometido por pobres ou negros, estes seriam punidos antes de comete-los.
...ISSO É UMA ABERRAÇÃO, UM ABSURDO: Criar a figura do "criminoso presumido" ou do "infrator presumido" TALE QUAL FOI FEITO COM O DESARMAMENTO E A LEI QUE PREVE PENA DE PRISÃO POR O INDIVIDUO POSSUIR UMA ARMA NA GAVETA DO ARMARIO.

O PODER ABSOLUTO de que desfrutam estes pulhas os cega totalmente.

AO MESMO TEMPO QUE QUEREM PUNIÇÃO RIGOROSA, ATÉ CADEIA, PARA AQUELES QUE CANALHOSAMENTE PRESUMEM QUE COMETERÃO CRIMES, EXECRANDO-OS COMO SE JÁ OS TIVESSEM COMETIDO, AO MESMO TEMPO ESTES CRÁPULAS QUE PARASITAM POPULAÇÕES EXIGEM QUE BANDIDOS SEJAM RESPEITADOS COMO CIDADÃOS - chamavam-nos de "vitimas da sociedade", agora "excluídos", aqueles já presos são chamados de "apenados", usar oficialmente termos mais precisos para os bandidos é proibido. São mimados por autoridades canalhas e corruptas, comprometidas ideológicamente, tem direitos e SÃO LOGO POSTOS EM LIBERDADE (a lei diz que com 1/6 da branda pena podem ser soltos) MESMO QUE JÁ SENDO CRIMINOSOS QUE VOLTARÃO A ROUBAR E MATAR.

Ou seja, estes canalhas exploradores de populações, parasitas safados, só se importam em massacrar com suas leis movidas a corrupção e manias (sim, são maníacos que ambicionam o Poder para realizarem seus delirios) apenas os cidadãos inocentes. A repulsa, a execração é apenas para os inocentes acusados de criminosos ou infratores por presunção legal (não legitima).

A população não passa de manada, um rebanho explorado por estes pulhas inúteis que ambicionam o Poder sem limite algum.
...cuisp! cuisp1 cuisp!

A MAIORIA DOS POLITICOS É CORRUPTA (na verdade todos os que se elegem).
Fiscais, politicos, assessores, delegados e etc., autoridades em geral (quase a totalidade) são corruptos, cometem crime de corrupção.

SERIA ENTÃO O CASO DE APLICAR PENAS ÀS AUTORIDADES BASEANDO-SE NA ESTATISTICA QUE APONTA QUE OCUPAR UM CARGO LEVA A QUE O SUJEITO SE CORROMPA?

Que tal prender autoridades preventivamente, aplicar-lhes multas e fazer devassas em suas contas e buscas em suas residencias?

AFINAL, O QUE SE PODE PRESUMIR É QUE O FATO DE OCUPAR UM CARGO DE PODER RESULTA QUASE SEMPRE EM CORRUPÇÃO E MESMO BANDITISMO ...NOS TRÊS PODERES E ATÉ NO 4º(midia).

cuisp cuisp cuisp!

Abraços
C. Mouro

http://www.patraoonline.com disse...

muito bom este post

Anônimo disse...

O que esperar de um país que tem uma constituição do tamanho de um dicionário de quase mil páginas? No Brasil milhares de leis tentam regular um pouco de tudo. E eles ainda acham que criando novas leis resolvem todos os problemas! Apenas algumas poucas leis sendo cumpridas rigorosamente resolveriam nossos problemas, mas sabemos que na burocracia impera a corrupção e os excessos de leis fortalecem a burocracia. Pobre país este.

Gerson B disse...

Embora eu ache a proibicao total de alcool exagerada, nao concordo com o raciocinio geral exposto neste post. A ideia de so punir alguem se ocorrer um desastre ignora o fato de que se pode (e se deve) atuar preventivamente. E que as estatisticas sao um instrumentoo util na prevencao.

Se fosse por isso tambem nao se deveria exigir coisas como limite de velocidade, perfeito estado do carro, etc. Nem o diploma de motorista.

Uma dose maxima no sangue seria algo razoavel. Nao e perfeito, mas daria melhores resultados que ignorar o fator alcool.

(Teclado sem acentos)

autor disse...

Mais uma vez eu aqui, eu discordo da pessoa acima: acho que o fator álcool deveria ser ignorado, e acho também que qualquer um deveria poder dirigir sem carteira. PORÉM se - e somente se - a punição para quem causasse problemas fosse muito (extremamente) rigorosa e exemplar. Como isso não é possível no mundo em que vale mais os "direitos humanos de monstros" que os "direitos humanos para humanos", então a coisa complica, aí leis de controle de álcool se fazem necessárias.

Anônimo disse...

É Rodrigo, acho que pela primeira vez eu vou ter que concordar com você.

Eu concordo que deva haver um limite de álcool equivalente a cerca de três latas de cerveja e que qualquer teor de álcool seja usado para culpar um motorista que se envolva em um acidente.

Mas querer tirar a carteira de qualquer motorista que tenha bebido um chopp ou um cálice de vinho em um restaurante e volte para casa dirigindo mesmo que não se envolva em acidente nenhum é impraticável. Se fosse aplicada plenamente, essa lei tiraria a carteira de mais de metade dos motoristas brasileiros, na verdade muito mais que a metade.

Deve se diferenciar um motorista que bebeu um ou dois copos em um restaurante e volte dirigindo defensivamente de um cara que encheu a cara em uma boite e volte de madrugada batendo pega.

São duas situações completamente diferentes, o comportamento de um cara voltando da night tem mais a ver com a inconsequência inerente do que com o álcool em si. E o pior é que apreciadores de bebidas moderadas sentirão o efeito dessa lei muito mais do que os bêbados inconsequentes, já que há muito menos fiscalização na medrugada. Haverão pais de família responsáveis perdendo a carteira por nada enquanto playboys continuarão aterrorizando a madrugada a duzentos por hora.

Agora, apesar do executivo ter uma parcela de culpa, isso é uma responsabilidade maior do legislativo com sua incapacidade de escrever leis claras, específicas e realistas.

C. Mouro disse...

é, preventivamente um sujeito decente, pai de familia que possui uma arma em casa, pela safada lei pode ser preso. Os canalhas dos legisladores corruptos consideram, preventivamente, que o sujeito que possui uma arma é um criminoso que merece até cadeia. É execrado como "má pessoa" por desejar possuir uma arma para se defender e à familia.

Contudo, esses mesmo canalhas corruptos já não demonstram tanto zelo pela vida alheia quanto a BANDIDOS ASSASSINOS, pois que fazem leis exatamente para mima-los e minorar-lhes as penas e sobretudo o cumprimento destas que já são brandas. Os safados, neste caso não querem saber do "preventivamente" e facilitam que facínoras continuem matando inocentes. Ora, se tão rigorosos em seu "preventivamente" para "salvar vidas" não deveriam permitir que bandidos pudessem voltar a liberdade para continuarem matando DELIBERADAMENTES. ...mas ocorre exatamente o contrário: eles consideram que é natural o bandido matar inocentes, tão natural quanto fazer leis safadas para punir inocentes que NENHUM dano causaram.

Por exemplo, se poderia legislar segundo as teorias de Lombroso. Assim, se poderia prender o bandido antes mesmo que ele cometesse qualquer violação ao direito alheio; também perfeitamente baseando-se em estatísticas.

Pelas estatísticas também se deveria aplicar punições aos policiais, pois o fato de ser policial, estatisticamente, faz do indivíduo um corrupto ou coisa pior. Afinal, muitos policiais cometem crimes até contra inocentes. Talvez a farda possa ser estatísticamente a culpada pelos atos, também o cargo por si só.

Também os politicos - ah essa estatística então - deveriam ser TODOS CASSADOS PREVENTIVAMNTE, pois a estatística é que eleger-se para um cargo político resulta em corrupção e até mesmo bandi5tismo.

...Que tal cassar TODOS os políticos PREVENTIVAMNTE?

...Enfim, o fato é que enquanto existir tantos imbecis e assemelhados, os espertos oportunistas, os salafrários e os maníacos têm garantido um futuro promissor.

Aviões caem, então se deveria proibir que levantassem voo. Afinal, estatisticamente comprovado que só caem aviões que levantam voo. É uma crueldade contra os direitos humanos permitir que aviões voem e caiam matando inocentes, não só passageiros.

Curioso é que eleições são a causa de corruptos ocuparem o Poder e causarem danos a milhões de inocentes que não votaram neles. Arruinam paises porque imbecis e safados os elegem por não saberem pensar e andarem a reboque de idiotices politiqueiras falaciosas.

Qual é a proporção de pessoas que beberam e causarm acidentes em relação ao total dos que beberam?

Qual a proporção entre os que não beberam e causaram acidentes?

...E os preocupados, os cansados, os distraidos, os imbecis "espertex", os "pilotos urbanos", os apressados e etc.

Que estuopidez, um sujeito que nem está direigindo será privadode seu direito de beber uma cerveja na estrada durante o almoço. Também moradores da redondeza.

Enquanto isso os causadores de acidentes que nem precisam beber para causa-los, continuarão livres leves e soltos praticando suas imbecilidades e prejuízos no transito.

...E, lógico, os politicos continuarão dando asas a suas manias, seus arroubos totalitários, sua vaidade asquerosa, sua imbecilidade e seu jogo de Poder sobre populações inocentes. Afinal, são aplaudidos por imbecis e contam com a ajuda reforçada destes para a consecução de seus devaneios e safadezas.
Vivam os imbecis, repetem todos os dias os políticos e seus agregados. Pois sem eles estariam fritos.

Se houvesse punição para causadores de acidentes, seriam os próprios motoristas mais responsáveis. Pois estariam cientes que se em más condições a ponto de causar acidentes não deveriam dirigir ou ter absoluto cuidado; para não sofrerem as consequências certas de seus maus atos. Todos tentariam uma direção defensiva, não se permitiriam negligência.

Não só bebados, muito menos quem apenas bebeu, causam acidentes.
por exemplo os muito jovens são notórios causadores de acidentes. !Que tal proibir que dirijam antes de completarem 30 anos? ...estatisticamente blá blá blá!

...Abençoados sejam os imbecis, repetem religiosamente os politicos e seus agregados. Sem eles não usufruiriam de tanto Poder para se locupletarem e exercerem suas manias e delírios totalitários de "ungidos para salvar a humanidade" ...cuisp! cuisp!

Malditos sejam os imbecis!
Preventivamente se poderia proibir carros, aviões, motos, armas, facas, venenos, porretes e sobretudo as mãos, as maiores causadoras de mortes. Sem elas os acidentes e crimes diminuiriam muito.
...puxa! quantas vidas nãoseria salvas se mais proibições fossem legisladas. Só não se pode proibir os que tem abacate no lugar de cerebro de se assanharem e apoiarem asneiras para sentirem-se "pessoas melhores" ...hehehe! estes são a massa predileta dos politicose agregados, deles depende o futuro do Poder político.

Abraços finais
C. Mouro

autor disse...

C. Mouro, acima, você disse o óbvio, porém de modo PERFEITO! Apesar de óbvio, isso precisa ser dito! Porque parece que tem gente que é cega. Obrigado pela paciência e abraço!

Anônimo disse...

O mais complicado em leis que limitam o teor de álcool no sangue é que esse teor decai assindoticamente após ser absorvido.
Por exemplo, você sabe que alguém não pode dirigir imediatamente após beber três latas de cerveja, mas quanto tempo o cara tem que esperar para o teor cair a um nível aceitável?

Fica ainda mais complicado quando você leva em conta que esse metabolismo varia de pessoa para pessoa, se a pessoa bebeu acompanhando uma refeição ou de barriga vazia e se o sujeito teve algumas horas de sono após a bebida.

Será que os legisladores sabem qual é a meia vida média do teor de álcool em uma pessoa? Na verdade, será que os legisladores sabem o que significa "meia vida"?

Davi disse...

O melhor artigo que li sobre o assunto.
Parabéns.
Perfeito.

Anônimo disse...

Gente, se não somos capazes de punir quem comete abusos e por isso temos que concordar que todos sejam punidos? Lamentável. Os governos precisam investir nos cidadãos responsáveis. Ou será que o desespero de atender a cobrança sobre o aumento de biocombustiveis vai nos impedir de adiciona-los as bebidas?. Totalitarismo puro. Tá parecendo aquela Mãe ou Pai que tendo mais de um filho e não consegue descobrir qual deles fez a traquinagem resolve então BATER em todos. O governo provavelmente irá reformar este absurdo. Basta que se aplique a lei existente ao caso concreto e pronto.

Luiz Bonow disse...

Rodrigo, eu já não concordo com uma coisa: acho que acabar com o dinheiro "cash" é a melhor solução para o Brasil, pois realmente acabaria com a corrupção e a criminalidade. Deveríamos usar apenas dinheiro eletrônico. Veja os motivos nesta postagem: http://bonow.blogspot.com/2007/12/dinheiro-eletrnico_07.html

Michel disse...

É sabido que aqueles que se envolvem em acidentes por terem consumido álcool, o fazem mais durante o período noturno, afinal há menos guardas nas ruas e o sujeito se acha mais livre para fazer racha ou o que o valha. Então porque o governo preventivamente não proíbe que TODOS dirijam à noite?!? Assim os acidentes se reduziriam em 80% não acham?

C. Mouro disse...

Boa, Michel.
Se os suzeranos assim decidirem, tenha certeza que os imbecis concordarão e abanarão os rabos para eles. Afinal, anuindo com tal bondosa medida preventiva para... oh! meu deus que emoção! ...salvar vidas, então dirão que vale a pena e enfatizarão magnânimos: "mesmo que para salvar apenas uma vida a medida já se justifica" ...hehehe!

A questão é de valores.
Assim, a bondade o "amor ao próximo" o altruísmo para o bem alheio mesmo com o próprio sacrificio (aliás sobretudo) é que enobrecem o indivíduo. E então os inseguros se desesperam para exibirem-se o mais enquadrados possível. Asim até a caricatura. Afinal, sendo imbecis atormentados pelo que percebem de si, se desesperam para exibirem-se segundo o modelo de valor vigente; e até exageram nesse desespero sem medo de serem ridiculos, afinal são imbecis ...hehehe!

A vergonha na cara, o orgulho que faz o indivíduo seguir sua consciência de certo errado rigorosamente, para não depreciar-se ante si, a firmeza na honestidade e etc. (valores estóicos) foram substituidos por valores sem valor algum; fáceis de serem simulados para ostentação: bondade mesmo que com o bolso alheio, pieguismo safado, humildade rastejante, fraqueza ostensiva, relativismo moral do coitadismo redentor, o mérito do demérito, o amor ao inimigo, o não julgar e etc.. Enfim, a moral estóica foi deturpada e finalmente abolida pelos "novos valores" fáceis de exibir e se envaidecer pela suposição de estar sendo valorizado por ser imbecil.

A política tem que tornar os súditos o mais imbecis possivel e os vaidosos e inseguros são ideais; pois que facilmente manipulaveis por valores ideológicos pífios, próprios para tontos os aceitarem como valores ao serem expostos a massificante propaganda sem contestação.

O Poder político precisa de um povo submisso, adestrado e habituado a obediência cega; resignado, fraco, sem brio, sem orgulho, desfibrado, atormentado por culpas, servil e rastejante. Para isso as ideologias adestram as populações que sustentarão o Poder.

Caro autor, não tem jeito não. Os imbecis e os oportunistas quando controlados pelos espertalhões formam uma tropa imbatível. São a vasta maioria.
No nos resta protestar e saborosamente citar o bordão do Aluizio:
Fogo nos botucudos, fogo neles!

Os imbecis concordaram que um pai de familia só por possuir uma arma para se defender deve ser preso. Mesmo que num sitio ou fazenda longe de tudo e de todos, deve espera pelos "homens da lei" para defende-lo ...depois que os bandidos o matarem e a seus familiares.

Afinal, oh! que horror, alguém dispor de armas para matar outros seresumanus ...coitadinhos, não pode não, nananinanão! nada de se defender; que é coisa feia.
Lógico que também não pode beber e dirigir, não pode ver mulher pelada também não. Tudo coisa feia. Viva o politicamente correto, sob medida para imbecis com abacate no lugar de cerebro e mingau no saco.

Abs
C. Mouro


...hehehe!

jonas disse...

Então não deve haver ação preventiva, de nenhum tipo, seja ela respaldada por alguma estatistica ou por pura logica elementar?

Este raciocinio pode ser extendido a tudo? Poderia eu fazer experiencias em meu quintal com uranio enriquecido?

É OBVIO que um individuo com uma alta dosagem de alcool no sangue transforma seu carro em uma arma em potencial.

Pode ele voltar pra casa dirigindo, fazendo zig zag numa pista dupla, desde que nao bata em ninguem? E fora do carro seja incapaz de ficar em pé?

NENHUMA medida preventiva pode ser tomada quanto a isso, ou quanto uma eventual experiencia com uranio enriquecido em meu quintal? Seu que citei situações extremas, por isso quero saber até onde vai este raciocinio de voces.

C. Mouro disse...

Qualquer indivíduo num carro é potencialemnte um causador de acidente.

Qual a proporção de acidente entre os que bebem e os que não bebem?

Poderia-se então adotar as teses de Lombroso e colocar na cadeia, preventivamente, aqueles que possivelemnte cometeriam crimes.

Que tal a idéia?
Um político é fazendo leis para imbecis apoiarem-nas é um perigo. Destróem paises, destroem vidas inocentes sobretudo quando mimam e liberam assinos que JÁ MATARAM para que voltem a matar.
Que tal prender preventivamente todos os políticos. Afinal, com sua leis economicas e demagógicas destróem milhões de vidas inocentes, lançando-as na pobreza, na miséia e na mira das armas de bandidos.

Os imbecis deveriam ficar todos presos, pois são causadores de grandes danos a inocentes. Deveriam ser presos antes que os causassem.

É absurdo que alguém possa concordar em punir um sujeito antes que cometa o crimes sob a idéia do "preventivamente".
Afinal, sob tal idéia todos deveriam ser proibidos de muitas coisas que são potencialmente catastroficas.

Não só quem bebeu causa acidentes. Muitos são os que bebem e mesmo meio alegres não causam acidentes. Porém, outros imbecis mesmo sem nada beberem causam acidentes. Os mais jovens causam mais acidentes ... proiba-se então que menores de25 ou 30 anos possam dirigir.

Se todos os que bebessem e dirigissem causassem acidentes e os que não bebessem não os causassem, eu concordaria.

Medidas preventivas devem ser aplicadas sempre, mas sem danos a terceiros.

Se o fato de ser em potência justifica a punição de inocentes antes da ação, então que se proibam os carros e aviões pois que potencialemnte se envolvem em acidentes. O fato de aviões voarem é causa deles cairem e causarem acidentes; carros andarem em velocidade, buracos nas estradas, pistas molhadas e etc.
Fumar causa danos a uns e a outros não, então proiba-se todos. Bujões explodem, proiba-se então.

Só mesmo *** para anuirem que se puna inocentes simplesmente por serem "em potencia" causadores de danos. Como no caso da simples posse de uma arma. Ou seja, pune-se o sujeito antes que cometa o dano.

Um favelado é em potencia um criminoso, segundo os imbecis.
Então? se deverá preventivamente prender os favelados desempregados, no minimo?

Então um sujeito que quer beber uma cerveja no almoço não poderá porque os imbecis não refletem, abanam o rabo para idiotices politicamente bonitinhas. Nem mesmo percebem que os politicos pouco se importam com a vida da massa, ou preveniriam muitas outras coisas com mais justiça.

Há homens que espancam suas esposas. Então um imbecil pode pedir para que o governo proiba os casamentos preventivamente. Afinal, alguns que casam justificariam a imbecilidade.

Enfim, há inúmeras questões que poderiam se "justificar", mesmo que punindo um inocente.

Por exemplo, avança um sinal de transito é umja regra de transito violada, uma regra objetiva. Mesmo que nem sempre haja acidente, não se precisa de estatística para se perceber objetivamente o resultado. Afinal, o acidente não ocorre por questão de mero acaso. Um sujeito que bebeu, sobretudo se pouco, pode perfeitamente dirigir. Mas um imbecil não precisa beber para fazer lambança no transito.
E quando os imbecis bebem ficam mais imbecis e mais propensos a acidentes. Não deviam beber, mas não se proibem então...

C. Mouro disse...

Que culpa têm quem é capaz de beber e dirigir se há imbecis que não são capazes disso e não se proibem, querem ser proibidos?

Experiência com urãnio???
Bem um imbecil não deve faze-la, deve ser proibido. Mas se o sujeito é qualificado e faz dentro de FATORES OBJETIVOS, então tudo bem.

Não é justo punir inocentes, cassar-lhes o direito, porque imbecis precisam ser proibidos por forças externas, já que não sabem se controlar.

A punição rigorosa para o causador de acidentes, por imperícia ou negligência, por menor que seja o acidente, cumprirá a tarefa de racionalização muitissimo melhor, sem cometer injustiças. Os imbecis "expertex", os "pilotos de quatro patas", os sonolentos, os irritados e apressados e etc., até mesmo os bebados. Todos refletirão mais. Porém, a proibição imbecil de beber em nada os afetará, os imbecis continuarão bebendo e sendo multados em companhia de inocentes. Não querem estar sozinhos.

Se o sujeito não é um imbecil ele se policiará na questão. Se ele é um imbecil, de nada adiantará, ele correrá o risco de ser multado preventivamente.

Claro que essa imbecilidade politiqueira é mais aparente, mais chamativa que uma medida racional.
Aliás essa coisa de refletir é tão chata, melhor se entregar a aparências instigantes, falaciosas mas fáceis de captar. A reflexão exige serenidade as aparencia assanham mais.

"Só duas coisas são infinitas, o universo e a estupidez humana. Porém, não tenho certeza sobre a primeira."

Abs
C. Mouro

jonas disse...

Fator objetivo: Eu, um leigo, quero brincar no meu quintal, de cientista, com uranio enriquecido.


e ai?

"Experiência com urãnio???
Bem um imbecil não deve faze-la, deve ser proibido. Mas se o sujeito é qualificado e faz dentro de FATORES OBJETIVOS, então tudo bem."

Ora, agora preciso de uma qualificação oficial? Para brincar com meu uranio no meu quintal?

Isso é coerção sobre minha liberdade e propriedade.

Nada aconteceu, logo, como voce pode me punir? E dai que eu seja um imbecil? |sou um imbecil inocente ate que a cidade exploda, segundo seu racionicio!!

E então?

Anônimo disse...

Parabéns. Expressou exatamente o que eu penso mas não estava conseguindo sintetizar.

C. Mouro disse...

Fator objetivo, é a questão.

Então vejamos, já que você dispensa dispensa o fator objetivo, seria o caso de proibir qualquer experiência com urânio. Afinal, se mexer com urânio (ou bactérias e etc.) pode causar acidentes, pela sua lógica, então deve-se proibir qualquer experiência com urânio seja lá onde for. E na sequência proibir qualquer experiência com produtos quimicos e bacterias que ofereçam grande risco.

A questão é se o indivíduo que bebeu está qualificado (se é capaz de dirigir). Ou seja, não é o fato de beber a bebida alcoolica que determina a incapacidade.

Casais que moram juntos, em certos casos o homem (ou a mulher) agride violentamente sua parceira. Ou seja, alguns casais que moram juntos se agridem. Pela sua lógica preventiva se deve proibir casais de viverem juntos. Afinal, alguns que moram juntos se agridem.

Há pais que maltratam os filhos. Pela lógica dos tontos se deveria impedir que pais criassem osfilhos prque alguns os maltratam. É isso que propõe?

Nem todos que bebem, sobretudo pouco, causam acidentes. Há os que não bebem e causam acidentes.
Um bebado trocando as pernas e sonolento, não e qualificado para dirigir. Contudo um sujeito que bebeu uma cerveja no almoço ou mesmo está "meio alegre" ao voltar de uma festa, pode perfeitamente dirigir.

Desconheço que alguém brinque com urânio despreocupadam,ente em seu quintal sem que nada aconteça.

Há fatores objetivos, por exemplo um cego não deve dirigir. Isso não é tirar-lhe a liberdade, é impedir que viole a alheia, OBJETIVAENTE.

Mas jáque colocaste de tal jeito, então devo crer que é contra que casais vivam juntos, pais criem filhos, aviões, carros - afinal, mesmo quem não bebe causa acidentes graves. Ou então, ACHAS que as autoridades éque devem decidir. Ou seja, és alguém que acha que são as autoridades que devem decidir arbitráriamente, tal qual um dono decide o que é bom ou não para seu cão.
Afinal, pela sua lógica "preventiva" se deve proibir tudo que tem em si um potencial de resultar em dano. Contudo abdicas desta em favor do arbítrio de autoridades "politicamente bonitinhas" e zelosas por seus animais de estimação.

Há fatores objetivos, e os imbecis incapazes de refletir julgam uma coisa por outra. Assim, imaginam um bebado de lingua enrolada "fazendo zigzag" na rua (...hehehe!) e por esta visão julgam um sujeito que bebeu umas cervejinhas e está em perfeitas condições. Assim funciona a cabeça dos imbecis para "julgar" uma coisa por outra. Querem parecer humanitários e exageram, pois, incapazes de refletir, se entregam a assanhamentos furiculares. Pensam num tropego todo mijado e assim consideram até quem bebeu uma cerveja.

Mas é desses tipos que demonstram ter os pés no chão - os quatro - que os politicos colhem o seu Poder. São esses tipos que eles manipulam facilmente com suas falácias e idiotices "politicamente bonitinhas" ...quem é "politicamente bonitinho" sempre o demonstra em várias ocasiões.

Ah! há bebados que brigam nos bares. Então preventivamente se proiba a bebda nos bares. Juntamente com casais morando junto e pais criando seus filhos. Afinal isso tem causado acidentes.

Qual a proporção entre os que bebem e causam acidentes e os que não bebem e os causam?

C. Mouro

C. Muro disse...

Quem falou em "qualificação oficial"???

Eu falei em qualificação, e não em autorização oficial.

Essa idéia de que os governantes e seus burocratas é quem autentica a realidade é algo deveras curioso.
São associações já incucadas: alguém fala em ser qualificado e o sujeito logo "entende" que se está falando de "oficialmente autorizado" ...tsc tsc tsc!

...Pavlov aplaude de seu tumulo. A si mesmo, claro. É o condicionamento absoluto das massas. ...hehehe!
Eis aí uma demonstração clara do que eu digo:

Eu falode qualificação e condições objetivamente técnicas e o sujeito entende que estou falando de autorização oficial, como se esta autenticasse o que é ou não verdade.

"Ora, agora preciso de uma qualificação oficial? Para brincar com meu uranio no meu quintal?"

Não, não, não! O que precisaria é de qualificação objettiva e aparato tecnico (objetivo). Se assim for, pode fazer suas experiências no quintal independente dos critérios oficiais das sábias autoridades "superiores" e zelosas... ...hehehe!

Bah! ...condicionamentos, como combate-los?

C. Mouro

jonas disse...

Ta dificil dar uma resposta objetiva heim?

Acho que os pais devem criar os proprios filhos, que os casais devem poder.. se casar! etc. etc. apesar dos problemas, que são excessões, ocorrerem.


Agora preciso de uma "qualificação objetiva". Quem determina isso?

Quer dizer que eu, um cidadão livre, não posso atravez de trocas voluntarias adquirir o material para dentro da minha propriedade fazer experiencias?


Quem detemrina a qualificação e se o aparato tecnico é adequado?



Mouro,


tente ser objetivo. POSSO OU NAO POSSO, ATRAVES DE TROCAS VOLUNTARIAS, ADQUIRIR O MATERIAL PARA FAZER EXPERIENCIA NA MINHA PROPRIEDADE, onde não devo satisfação alguma para ninguem, a menos que um acidente ou crime ocorra?

Pelo raciocinio de voces, EU POSSO, ate que um acidente ocorra. Agir preventivamente, iria impor restrições e violações sobre minha liberdade e propriedade.

Gerson B disse...

O Jonas com seu exemplo expressou bem o que eu havia dito acima. Levando esse raciocino a extremos praticamente acabam as medidas preventivas. E se nega todo o conhecimento acumulado sobre acidentes.

A partir de certo nivel de alcool (nao igual pra todos, e verdade) alguem nao pode dirigir. Pode-se tirar uma media e com isso evitar acidentes. Assim como o limite de velocidade nao e igual pra todos, mas e algo util e necessario.

Muita gente acha que nao esta bebado, que pode correr mais que o limite. O que nao se pode permitir e que outros paguem por isso.

C. Mouro disse...

"Quem detemrina a qualificação e se o aparato tecnico é adequado?"

Porra, há conheciemto objetivo sobre a questão.
Não é meramente um burocrata que arbitra tirando conclusões do próprio raseiro.
Você certamente ACHA que basta uma autoridade arbitrar para concretizar a verdade. Isso é um condicionamento, tal como atribuir à lei a legitimidade. Nem sempre o legal é legitimo, mas deveria ser.
Porra, há questões objetivas, tecnicas, comprovadas em teoria e na prática. Resultados precisos.

Quanto a lierdade, é liberdade igual para todos. Aquela questão do direito que tanto já comentei. Liberdade é exercer plenamente os seus direitos naturais iguais aos de todos os demais. Impedir alguém de matar outro não é tirar-lhe a liberdade, é respeitar a do outro.
Da mesma forma proibir um cegode dirigir, não tirar-lhe a liberdade.
Embustes e falácias, deturpações como essa sua da liberdade é estereotipo politico. Se alguém defende a liberdade é combatido sob a idéia de que defende-la é defender a "liberdadede matar" e etc. Fazem isso para obscurecer o debate.
Liberdade éexercer plenamente seus direitos naturais iguais aos de todos os demais. E já me enchi de de demonstrar meu ponto de vista inúmeras vezes.

Há questões objetivas, porra!
Tipo, um sujeito adquirir uma bomba atômica para guardar em casa. Não tem cabimento.

Isso não é o mesmo que proibir alguém de beber uma cerveja e dirigir. Não é certo que causará acidente. Nem mesmo há QUALQUER evidência disso, nem estatística proporcional. É mero ARBITRIO.
Há quem possa beber meia dúzia de cervejas e ser muito mais habilitado para dirigir que muitos sóbrios.

O principio da "prevenção" só se pode aplicar em casos objetivos. Por isso não se pode prender favelados desempregados, nem punir preventivamente policiais ou autoridades. Ou cassar-lhes a atividade "preventivamente".

Você ACHA que em certos casos não deva haver prevenção. Faz isso na base do achismo. O que alegas para desprezar a preveção? achismo! subjetivismo.

Tem em mente a imagem do bebado tropego e mijado dirigindo, então tontamente considera alguém que bebeu uma cerveja da mesma forma.
Coisa semelhante fizeram com a questão da arma. Com a diferença que o inocente pode ser preso por possuir uma arma, como se já tivesse cometidocrime. Creio que antigamente havia o que chamavam de CONTRAVENÇÂO. Agora tudo e crime.
O fato de possuir uma arma não implica que o sujeito matará um inocente. ...Mas, "preventivamente" pune-se até com cadeia o mero possuidor. Da mesma forma o fato de beber não implica em acidente: NÃO HÁ NEM MESMO EVIDÊNCIAS DISSO. Nem estatística sobre a quantidade. A questão é subjetiva. Ver alguém cometendo "direção perigosa" pode sim evidenciar inaptidão permanete ou temporária (se bebeu). Mas como atribuir a alguém que está dirigindo perfeitamente a acusação de que poderá causar um acidente? ...isso vale para qualquer um que esteja dirigindo, idependente de ter bebido ou não.
...Uma distração momentanea causa acidentes; BURACOS NA ESTRADA, CURVAS MALCONSTRUIDAS, MAU CAPEAMENTO, preocupações, cansaço, IMBECILIDADE (isso sim e uma lástima), pressa, impe´ricia nata e etc.. Todas essas são causas, mas nem essas determinam o acidente objetivamente.

Ou seja, pelo principio da "prevenção" deveria se proibir logode se dirigir. Também aviões e etc..

Mas aí os achistas (argh!) ACHAM QUE TODOS DEVEM SER SUBMETIDOS AOS SEU ACHISMOS DESEQUILIBRADOS.

Se houver punição para acidentes por imperícia - com denuncia dos vitimados - e obrigação de pagar os prejuizos, mesmo em pequenas colizões e raspões. Com anotação em prontuario/ficha para servir de evidência para cassação de licença. Aí sim, acidentes de bebados, "alegres" e sóbrios serão minimizados.

Lei contra "alcoolizado ao volante" sempre houve. Como havia ou ainda há "direção perigosa".

Afinal, que tal punir policiais, delegados, politicos, fiscais e etc. preventivamente. Afinal, o cargo induz a corrupção. E aí? também ACHAS que neste caso não? oh! grande árbitro do certo e errado.
A questão é que ACHAS que tudo deve ser segundo a tua subjetividade. Todos os ditadores assim pensam, a diferença é que eles colocam em prática suas manias achistas.

Uai sô!!!
Para certas coisas você é "preventivo" e para outras não?

Um sujeito que cometeu um crime,um bandido sobretudo, deve ter pena pérpetua?

Um sujeito que bebeu uma ou duas cervejas é considerado desqualificado para dirigir?
Como chegaste a talconclusão?
Há estatistica para as quantidades, ou é achismo tonto?

Qual a proprção entre sóbrios e entre quem bebeu um pouco ou mesmo está "meio tocado"?

O prazer de proibir outros é antigo. É uma mania que a história bem nos mostra. Há na história inumeras proibições idiotas, sobretudo sob ideologias totalitárias.

Tem jeito não! ...é humano, demasiado humano.

C. Mouro

C. Mouro disse...

"Levando esse raciocino a extremos praticamente acabam as medidas preventivas. E se nega todo o conhecimento acumulado sobre acidentes."

Levando-se esse raciocinio a extremos, efetivamente se deverá proibir tudo que possa causar dano a outros; "preventivamente".

Eu postei a questão objetiva e as implicações dos achismos. A questão do sinal de transito, o cego que deve ser proibido de dirigir, o debil mental idem, o tropegoe etc.

Aí, "não vendo" a referência a questão objetiva, um tipo solta uma coisa dessas. ...Depois, não querem que eu chame as coisas pelo nome exato.

Todos são castigados por beberem porque há imbecis que bebem demais e dirigem. Mas há imbecis que não bebem e são ainda mais perigosos para o bem estar alheio.

Sob o pretexto "preventivo" independente de obbjetividade, tudo pode ser proibido em nome da prevenção. São os fins justificando os meios de modo "politicamente bonitinho".

As ortoridais sufocam o cidadão atribuindo-lhe culpas e aplcando-lhe punições em nome do "bem comum", agora já preventivamente.

Ao mesmo tempo que fazem leis draconianas para o cidadão também fazem leis que mimam os bandidos, facínoras, como se fossem eles as "vítimas da exclusão social" praticada pelos cidadãos.

Aos poucos o cidadão vai sendo adestrado, habituado a aceitar cada vez mais ARBÍTRIO sobre si por parte das ortoridadis.

Os donos do Poder não se interessam por punir membros de seu "time do coração" (a bandidagem). Afinal, e o cidadão que trabalha e produz aquele que pode ser útila estes pulhas.

"Nunca se perde a liberdade de uma vez só".

Oadestramentoconsiste em ir habituando o sujeito a aceitar que cada vez mais lhe violem o direito, QUE CADA VEZ MAIS O CIDADÃO (sobretudo os imbecis) ACEITE BOVINAMENTE A ARBITRARIEDADE por parte das ortoridadis. Que aliás visam sufocar o cidadão decente, inculpando-o de tudo enquanto lhe esvaziam os bolsos e se divertem controlando-o como um submisso cão amestrado.

Ah! os imbecis! ...que seria dos politicos se eles não existissem.
A bebida causa brigas? ...proiba-se a bebida a todos.
Casais se agridem? ...proiba-se todos os casais.
Pais maltratam filhos? ...proiba-se que filhos vivam com os pais.
Sujeitos armados cometem crimes e acidentes? ...proiba-se as armas.

Aviões caem e matam? ..proiba-se aviões de voar.
Carros, onibus, trens e etc., se envolvem em acidentes? ...proiba-se tudo! ninguém mais dirige para não por a vida alheia em risco.
Os empresários são "malvados" proiba-se a empresa privada.
O direito de propriedade atrapalha a caridade com o bolso alheio? relativise-se (na verdade acabe-se) com tal direito.

Direitos individuais atrapalham planos para o "bem comum"? ...acabe-se com eles.

Ah! se não fossem os imbecis, os politicos estariam fritos!

Malditos sejam os imbecis, os que almejam serem criados por autoridades que os protegerão até de si mesmos. ...cuisp!
Deveriam usar coleiras para não azerem sujeira na porta alheia.

Abs
C. Mouro

jonas disse...

Então Mouro, voce utiliza o conhecimento objetivo para permitir ou não algumas coisas.

"Porra, há conheciemto objetivo sobre a questão."

Concordo que há. Assim como há conhecimento objetivo sobre os efeitos do alcool no corpo humano. Depois de uma determinada quantidade, um acidente so nao ocorre por mera questão de sorte.

Assim como eu posso manipular uranio em meu quintal, sem necessariamente explodir a cidade. Por sorte tambem!

Em ambas as situações, na do bebado, e na do cientista de quintal, ha uma chance de nada de errado ocorrer. Mas a experiencia acumulada e o conhecimento cientifico permite prever as probabilidades de algo errado ocorrer, e uma familia inocente ou uma cidade inteira irem pro espaço.

E eu não defendi a liberdade de matar.

Apenas expus as consequencias do seu raciocinio. A de que um cientista de quintal pode perfeitamente, dentro de sua propriedade, manipular algo que pode OU NAO, levar uma cidade para o espaço.


Para ser coerente com o que defende, voce deve permitir o cientista de quintal, e puni-lo so quando por acaso, a cidade explodir.



Sobre o conhecimento objetivo dos efeitos do alcool no corpo, segue:

O impacto do álcool na mortalidade em acidentes de trânsito: uma questão de saúde pública

"RESUMO

O estudo objetivou relacionar a mortalidade em acidentes de trânsito, no período de dezembro de 2001 a fevereiro de 2002, na cidade do Rio de Janeiro, com a taxa de álcool apresentada no sangue. Foram levantados, no Instituto Médico Legal, 267 prontuários de vítimas fatais de trânsito. Evidenciou-se a mortalidade diretamente acentuada em pessoas em idade produtiva. Observou-se que, do total, 88 vítimas (32,9%), realizaram teste de alcoolemia, e desses 33% foram positivos (a partir de 0,6g/l no sangue) e 67% apresentaram alcoolemia negativa. Ao correlacionar alcoolemia positiva com o local de óbito, observou-se que 42,2% foram provenientes de via pública e 16,6% de hospital. Houve níveis significativos de alcoolemia em atropelamento, colisão e queda de moto. Evidenciou-se aumento de acidentes nos feriados e fins de semana. A pesquisa mostrou que 70,9% das vítimas apresentaram níveis de alcoolemia entre 1,0 e mais que 2,0g/l no sangue, caracterizando o abuso do álcool com os acidentes de trânsito."

http://www.portalbvsenf.eerp.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452006000100011&lng=pt&nrm=iso

---

Eis porque simpatizo com o conceito "hayekiano" de liberdade, e não com o conceito rothbardiano.

C. Mouro disse...

Primeiro:
Como eu disse a deficiencia mental coloca na cabeça a imagem do bebum mijado e tropego. C
m essa imagem na cabeça de abacate o sujeito considera que alguém que bebeu qualquer quantidade independente de suas características pessoais é um BEBADO incapaz de dirigir e que "a ciencia comprova blá blá blá".
...PUTA QUE PARIU!

Não existe como avaliar a proporção dos que bebem e dirigem e causam acidentes e a dos que não bebem e os causam. Fora isso o acidente não é causado NECESSÁRIAMENTE pela bebida. Certamente haverá casos que mesmo se tivesse sóbrio o sujeito se envolveria no acidente. Afinal SÓBRIOS TAMBÉM CAUSAM ACIDENTES.

Um bebado tropego, sonolento e mijado tem grande possibilidade de causar acidentes. Assim, é prudente impedi-lo. OCORRE QUE A LEI ALMEJA PROIBBIR QUALQUER QUANTIDADE IGUALANDO UM BEBUM MIJADO E CAMBALEANTE COM UM CIDADÃO QUE BEBEU MAS QUE ESTÁ PERFEITAMENTE CAPACIDADO PARA DIRIGIR. Mas até que imbecis que nada beberam.

O exemplo do uranio é idiota. Há questões objetivas, como por exemplo proibir um cego de dirigir ou punir quem avança um sinal de transito. SÃO QUESTÕES OBJETIVAS.

Já um sujeito que bebeu qualquer quantidade não se pode dize-lo incapaz. Trata-se de uma imbecilidade. A questão é subjetiva.

A burrice só vê a imagem característica do bebum e por tal imagem julga todos que beberam. É incapacidade mental.

Vejamos essa que dizes:

"Para ser coerente com o que defende, voce deve permitir o cientista de quintal, e puni-lo so quando por acaso, a cidade explodir."

Ora porras, se um sujeito é perfeitamente qualificado, OBJETIVAMENTE CAPACITADO, e faz suas experiencias em CONDIÇÕES TÉCNICAS OBJETIVAS. Então não há que impedi-loou puni-lo se tudo está nos conformes.

No seu caso, você para ser coerente, já que descarta a questão objetiva, deveria punir antecipadamente policiais, autoridades e etc. porque há grande parte corrupta.
E teria ainda que proibir voos de avião e a qualquermotorista de dirigir (aboliria oscarros) afinal, mesmo que não bebeu causa acidentes, é potencialmente umcausador de acidentes por diversas causas.

Estatísticas? bom, a maioria não bebeu. Quem causou é uma questão.
Porra atropelamento onde o atropelado tava bebado resulta em cupa da bebida que o mtorista não bebeu. ...Torturando-se os números pode-se até concluir que quem comeu carne tem propensão a causar acidentes. Proiba-se a carne antes de dirigir ...hehehe!

Não expuseste consequências do meu raciocínio não. Talves tenhas bebido, por isso dizes isso.

E essa:
"Concordo que há. Assim como há conhecimento objetivo sobre os efeitos do alcool no corpo humano. Depois de uma determinada quantidade, um acidente so nao ocorre por mera questão de sorte."

Porra, um bebum tropego, objetivamente tem grande chance de causar acidente. Mas quem bebeu alguma coisa, não necessáriamente está bebum tropeçando e se mijando.

A lei pune quem bebeu qualquer quantidade e há a proiição de vender bebida nas estradas. A idiotice faz fixar a imagem do bebum para julgar quem bebeu e aindaestá em perfeitas condições. Melhor que imbecis que nada beberam e causam acidentes no transito por serem imbecis. Mas há preocupados, irritados, sonolentos e etc..

Todo mundo bebe agua e todo mundo morre. Um imbecil dirá que beber agua causa a morte. A estatística "provará" isso. Imbecis anuirão com tal "prova". ...hehehe! Afinal, eles são incapazes de analisar toda a complexidade das questões. As aparências lhes são definitivas.

Bah!
...Os politicos agradecem aos céus por existirem tipos assim. Que consideram que achismo é o caminho para impor suas asneiras a todos.

"Apenas expus as consequencias do seu raciocinio. A de que um cientista de quintal pode perfeitamente, dentro de sua propriedade, manipular algo que pode OU NAO, levar uma cidade para o espaço."

Proiba-se então toda manipulação de uranio. Para seres coerente. Afinal, se o sujeito é capacitado OBJETIVAMNTE e procede da forma TECNICA (há conhecimento objetivo), não importa se é um quintal e nem da autorização de um burocrata. Não é a autorizaçãoque confere segurança, PORRA! ...É O PROCEDIMENTO OBJETIVO E A CAPACITAÇÃO OBJETIVA DO SUJEITO.

Bah! ...eu já ACHO que não devo perder tempo com abacates "politicamente bonitinhos" que igualam um bebum tropego a um sujeito que bebeu e está emperfeitas condições. Pois que ACHA que qualquer bebida em qualquer quantidade para qualquer pessoa incapacita. ...é coisa de abacate mesmo.

É a questão das armas.
Sujeitos armados podem matar. Logo, imbecilmente se considera que todo aquele que tiver arma e não for autorizado é um assasinoem potencial, devendo ser punido antes mesmo de cometer o crime.

E o bandido que JÁ MATOU("profissionalmente"), deve ter pena perpétua, preventivamente?????
Nessa há um fator objetivo.
...ó "politicamente bonitinho"!

Qualquer criminoso deve receber pena perpétua preventivamente?
...ó grande achista!

Um sujeito que espancou sua esposa deve ser proibido de casar-se outra vez (morar junto)? deve ser separado definitivamente da esposa?
Deve-se analisar os casos ou aplicar a decisão preventivamente?
O que dizem as estatísticas?

Francamente, cito:

"Só existem 2 coisas infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas não tenhocerteza sobre a primeira"

C. Mouro

C. Mouro disse...

Aliás, certos tipos deveriam ser proibidos até de manipular caixas de fósforos, seja no seu quintal ou em qualquer outro lugar. Deveriam ser acompanhados de um burocrata que os mantivessem com enforcadeira.

Depois de tudoque escrevi o tipo me sai com essa:

"Para ser coerente com o que defende, voce deve permitir o cientista de quintal, e puni-lo so quando por acaso, a cidade explodir."

PQP!! ...esse deveria ser proibido de sair de casa sozinho. ...hehehe!

Abs
C. Mouro

jonas disse...

Mouro,

Eu nunca disse que era a favor desta lei. Disse que era contra, no post as 8:53 AM.

Mas sou a favor sim, que alguem flagrado bebado ao volante (o que é perfeitamente possivel de distinguir de alguem que tomou algumas poucas latinhas de cerveja ou taças de vinho) seja punido.

Sou a favor pois, a unica coisa que impediu tal sujeito de causar um acidente, foi a sorte temporaria que ele estava tendo.

"O exemplo do uranio é idiota. Há questões objetivas, como por exemplo proibir um cego de dirigir ou punir quem avança um sinal de transito. SÃO QUESTÕES OBJETIVAS. "

Um bebado, ou seja, alguem com uma quantidade X de alcool no sangue, é algo objetivo. É objetivo tambem que ele so nao causou um acidente, por mera sorte. É objetivo tambem que ele não tem condições nenhuma de dirigir em estado de embriagues.

Tudo isso é objetivo.

É tão objetivo quanto o exemplo do uranio. é tao objetivo quanto o exemplo do cego!

Um cientista de quintal não deve poder fazer tal tipo de experiencia pois nao tem condições tecnicas nem humanas. Assim como um bebado nao tem condição HUMANA de dirigir um veiculo.

Tudo isso é objetivo.

Um cego nao deve dirigir, tanto quanto um bebado nao deve poder pegar no volante, ou um cientista de quintal nao deve poder manipular uranio em casa.

Tudo isso deve ser PREVENIDO pela lei, nao devemos esperar o pior acontecer para depois agir.

Um bebado é tecnicamente um cego no volante. Nao é correto esperar ele causar um acidente para puni-lo.

C. Mouro disse...

Uai sô!

Mas a questão é justamente por a lei proibir motoristas de de beberem e não de proibir bebados, visivelmente sem condições, de dirigirem. Inclusive a lei quer proibir bares e restaurantes de venderem bebidas alcoolicas. Penalisando atéquem não vai dirigir.

As perguntas sobre a pena definitiva para criminosos visaram analisar o quanto de "politicamente bonitinho" são os que falam essas asneiras.
...Na mosta, não respondenste nenhuma vez sobre tal questão objetiva. Pois que o facinora JÁ COMETEU O CRIME e a estatística BEM ESCLARECIDA é que reincidirá e novas vitimas inocentes existirão.

Eu desconfiei que irias evitar a resposta.

Nofim, chove-se no molhado. uma lei que, para usar palavra "politicamente bonitinha", PRECONCEITUOSAMENTE e ainda IMBECILMENTE considera que um sujeito só por ter bebido seja lá oquê e quanto for é sentenciado como um bebado perigoso ao volante. Isto é absurdo, estúpido.
O mesmo ocorre com, por exemplo o favelado/pobre desempregado. é dito que é um bandido em potencial, mas NÃO É. Baseiam-se nas estatísticas de que a maioria dos bandidos éde origem pobre e então afirmam que a pobreza é a causa. NÃO É! Muitos são pobres e não são facinoras, não matam inocentes e nem mesmo roubam.

Se não estou enganado, em tempos passados se prendia um sujeito por "vadiagem". O sujeito simplesmente por estar desempregado há muito ou sem carteira era encarcerado "preventivamente" sob tal imbecilidade.

Se pelo menos houvesse medição de proporções entre acidentes de quem bebeu algoe quem nada bebeu. Ainda assim seria falha por comparar, dentre os que beberam, medidas diferentes.

Em vários anos tenhoido a centenas de festas e bares. Conheço inúmeras pessoas que bebem nestas festas e comemorações. Jamais houve acidente ...que sorte né?
Mas algumas dessas pessoas se envolveram em acidentes, nenhum fatal, sem terem bebido cosa alguma. ...que azar né?

Claro que dirigem mais tempo sóbrias que depois de beber, imagino.
O fato é que beber não é o mesmo que embebedar-se até cair.

Da mesma forma muitos de origem pobre e de pouco estudo são bandidos, mas há os bem nascidos e de muita instrução que são bandidos.
Imagina "preventivamente" tratar a todos pobres como bandidos porque dizem que estatisticamente a pobreza causa a bandidagem. ISSO É UMA ESTUPIDEZ QUE DÁ ASCO!

Enfim, no fim foi só perda de tempo por conta de preconceitos "bonitinhos" e achistas.

O tempo todo eu falei de objetividade contra achismos preconceituosos, mas... ...cuisp!

C. Mouro

jonas disse...

Resumindo meu raciocinio, que em nada depende de "probabilidades.." e sim, busca preservar a vida e a liberdade de todos, sem que uns irresponsaveis, limitem a liberdade de outros:

A lei deve agir preventivamente, no caso da bebiba ao volante, quando a quantidade ingerida tornar o motorista tecnicamente incapaz de dirigir o veiculo. Sendo ele incapaz de dirigir um carro, dirigi-lo será obviamente um crime, tanto quanto alguem que nunca fez medicina, se atrever a operar alguem.

Ele pode prever isso antes de iniciar a ingestão. Logo, se ele se poe em tal situação, esta voluntariamente dizendo que vai se tornar um incapaz de dirigir, e vai dirigir, pondo todas as pessoas a sua volta em perigo imediato. Exatamente como dar um carro a um cego.

Não precisamos esperar o acidente ocorrer para prevenir.

-

No caso dos bebedores moderados, em caso de acidente com vitima, sua sentença deve ser agravada devido a ingestão de alcool.

Liberdade pressupõe responsabilidade, e bebida ao volante gera efeitos previsiveis sobre quem bebe, efeitos que o bebedor conhece, que é um motorista com menos reflexo. Se ele voluntariamente reduz sua capacidade de dirigir um veiculo, e dirige, deve arcar com esta responsabilidade.

C. Mouro disse...

Que sujeito bacana, olha só:

"Resumindo meu raciocinio, que em nada depende de "probabilidades.." e sim, busca preservar a vida e a liberdade de todos, sem que uns irresponsaveis, limitem a liberdade de outros:"

Isso é que é uma "grande alma", sujeito valioso por tanta bondade exibida em tanta preocuipação pela vida. ...nhossa!

...hohoho! EU SABIA que uma "grande alma" TÃO BONDOSA E MARAVILHOSA NÃO GOSTARIA DE RESPONDER PERGUNTAS QUE PUDESSEM MACULAR SUA IMAGEM MAGNÂNIMA! ...hehehe! fosse por um lado ou por outro.

...hehehe! ...BINGO! ...BINGO!

O bondoso sujeito não quis responder sobre pena permanente/definitiva para facinoras. ...hehehe! ...hohoho!

Como um bondoso salvador da humanidade teria dificuldade de ter uma posição em questões "POLITICAMENTE CONSTRANGEDORAS" ...hohoho! ...yeahhhh!

Demagogia de almanaque, pieguismo e ostentações afins não são dificeis de detectar. ...hehehe!

Eu sabia que não queria responder, dai insisti. ...hehehe!
"humanitário preventivo" para quem os fins demagogicos de nobre aparencia justificam tudo. Sobretudo se não se reflete sobre as questões. As aparencias "njobres" eriçam, assanham vaidade, mas ...mas ...hehehe!

Abraços
C. Muro

jonas disse...

Voce não é nada objetivo. Cada resposta sua é uma redação com ironias, desvios, ataques infantis etc.

Coloque de maneira objetiva aqui a tal questão que voce diz que eu não respondi.

Meu raciocinio esta la, no post anterior. Voce não respondeu uma linha.

C. Mouro disse...

Para encerrar: aqui ó! eu insistindo e já dando a dica provocativa no penultimo post meu (fora este), veja só, vê se dá para entender a perguna e a provocação, reproduzo procê:

"As perguntas sobre a pena definitiva para criminosos visaram analisar o quanto de "politicamente bonitinho" são os que falam essas asneiras.

...Na mosca, não respondeste nenhuma vez sobre tal questão objetiva. Pois que o facinora JÁ COMETEU O CRIME e a estatística BEM ESCLARECIDA é que reincidirá e novas vitimas inocentes existirão.

Eu desconfiei que irias evitar a resposta." ...viu???

- Viu só? não entendeu? ...hehehe!

...Mas nem assim você respondeu se é favorávela pena definitiva/permanente para um criminoso que JÁ COMETEU um crime e estatísticamente cometerá outros se liberado.
Nem eu colocando, para facilitar, a figura do facínora. Pois ficaria mais fácil do que se um ladrãozinho qualquer. ...mas nem assim respondestes!
...e ainda agora escreves sem responder? ...hehehe!

...não entendeste a pergunta antes?
Porra, não estava clara???

Porra, oque que é isso que escreves, gente boa?

"Coloque de maneira objetiva aqui a tal questão que voce diz que eu não respondi."

PQP! Queres mais clara ainda? ...bah!
...nem se eu desenhasse e colorisse conseguiria ser mais claro.

Assim, vou ACHAR que não deves sair de casa sem estar acompanhado de um adulto sobrio e em boas condições mentais.

Abração, Jonas. Perdoe-me, mas é que demagogia de almanaque me provoca.

C. Mouro

Anônimo disse...

Não faça o teste. Ninguém é obrigado a criar provas contra si. Se te levarem pra delegacia, você aguarda pacientemente até te liberarem e depois taca um processo contra o Estado por constrangimento ilegal. Na hora que os filhos da puta começarem a ter que pagar indenizações a cada motorista que se recusar a fazer o teste, a lei cai.

Eu posso tomar uma caixa de cerveja que guiarei melhor do que as madames falando no celular com um cachorrinho pulando dentro do carro. Isso não é falsa alegação, isto é fato. Ande comigo e depois com a madame como passageiro e diga quem dirige melhor.

Portanto, foda-se essa lei.

Diderot Valente disse...

Fantástico Rodrigo, sempre com a mesma lucidez!

Anônimo disse...

voces sao uns mentecaptos irresponsáveis. C. mouro, que burro.. vai fazer o teste no IML

Diego disse...

Olá Rodrigo
Há tempos que leio alguns de seus artigos e posts, mas sempre passei batido sem comentar. Mas depois de ler este, preciso registrar o meu agradecimento a você.

Foi a primeira análise sensata e correta que li em todos os veículos de comunicação até agora. Fiquei realmente feliz em ver que nem tudo está perdido, e que existe gente que pensa nesse país, por mais que seja uma minoria.

Tomei a liberdade de linkar esse seu post lá no meu blog num dos posts que fiz destacando o absurdo dessa nova lei.

Mais uma vez parabenizo pelo bom trabalho e agradeço a atenção.

Um abraço
Diego