terça-feira, maio 04, 2010

A Escola Austríaca - Palestra



Minha palestra sobre a Escola Austríaca, tema do meu novo livro, no Instituto Millenium.

Parte 1, Parte 2, Parte 3 e Final.

13 comentários:

Mateus disse...

Muito bom Rodrigo! Vi lá no vídeo que era a parte 1, vai chegar a postar o restante?

Rodrigo Constantino disse...

Sim, amanhã devo colocar as outras 3 partes.

ntsr disse...

'Os outros vão mais pela matemática, Menger vai mais pela lógica'

Sem querer ser advogado do diabo mas já sendo, lógica é uma parte da matemática, acho que vc quiz dizer que eles usam muitas fórmulas

Mateus disse...

Ntsr, pelo que sei a lógica é uma ciência fortemente ligada a filosofia, tanto é que um de seus pensadores foi Aristóteles.

Na realidade a lógica tem fundamentação no raciocínio, no pensamento, algo fortemente subjetivo. Creio que tenha sido neste ponto que o COnstantino tenha tocado, pois a lógica reporta a pensamentos sim com raiz na razão lógica, dedutiva com base em dados, e não em fórmulas matemáticas, apesar da Lógica utilizar fórmulas para verificar possíveis erros implícitos em um argumento.

Anônimo disse...

Excelente a palestra, opiniões lúcidas. Rodrigo, há algum tempo leio seus textos no o globo,valor, no IMIL e aqui no blog, sempre me chamaram atenção por você não usar do pedantismo numérico emaranhado que alguns economistas usam para demonstrar saber notório sobre determinado assunto.

Sou repórter de economia e gostaria de saber sua opinião sobre o aumento da taxa de juros aqui no Brasil, a suposta autonomia do Banco Central e o malfadado fim do fator previdenciário, claro que se possível.

Sucesso!

Rodrigo Constantino disse...

A taxa de juros brasileira está abrindo (aumentando na previsão futura), o que é razoável, uma vez que o governo aumentou gastos de forma irresponsável e o BC ficou um pouco atrás da curva (negligente com a elevação dos preços). O BC autônomo, ou independente, é um avanço em relação a um BC politizado, sem dúvida. Mas ainda assim o risco de captura pelo governo é enorme. O Fed mostrou isso. O fim do fator previdenciário é medida populista e irresponsável. O ideal mesmo seria uma previdência privada, com contas individuais, em vez da pirâmide Ponzi que temos atualmente no país.

ntsr disse...

'Ntsr, pelo que sei a lógica é uma ciência fortemente ligada a filosofia'

Uma coisa não exclui a outra.

ntsr disse...

Agora, fiquei curioso pra saber que conflito é esse com a escola de Chicago

Mateus disse...

Ntsr, eu sei que uma coisa não exclui a outra, mas no caso em discussão pelo que entendi, ao invés de fórmulas matemáticas, foi utilizado mais o bom senso, a dedução (lógica filosófica ou informal), em detrimento da lógica formal (matemática).

Coisa ruim disse...

Faz pouco tempo tive uma aula de metodologia cuja professora citando Popper referiu-se ao marxismo como algo não científico, findando um “debate” (entre aspas mesmo) em sala, argumentos tão ao largo do essencial com tamanha falta de objetividade que até me retirei - infantis, mas se gostam de ficar no debate pelo debate, deixa eles.

A real é que embora se apresente como ciência e ponto final da filosofia nada mais é do que messianismo, o marxista não passa de um crente que, como todos, manipula os dados da realidade a partir de pressupostos não verificáveis empiricamente. Isso é anti ciência. É fé. Aquela sua passagem num artigo que fugiu o título agora, de que "como valores todas as mercadorias são apenas medidas de tempo de trabalho cristalizado", em Marx, O Capital, mostra como ele ficou restrito a um pequeno período de tempo e a um evento específico. Acho ele restrito demais.

E não vale tentar vir com a paçoca de que essa concepção é ricardiana, e refere-se ao valor de troca, não. Esta afirmação dele demonstra sim que ele não levava em conta autoria intelectual, volume de demanda e tantos outros fatores que influem sobre o valor. Preço é função de valor. Está relativa a subjetividade do outro.
Pois valor é uma relação entre necessidade que se tem de possuir um bem ou serviço e as disponibilidades que se tem para adquirir este bem ou serviço.

Ao reduzir tudo para o simples conceito de "preço" ele mostrou o quanto foi restrito.

ntsr disse...

'manipula os dados da realidade a partir de pressupostos não verificáveis empiricamente. Isso é anti ciência. É fé. '

Exatamente.Só que não só marx, freud tb.

com cerveja disse...

É isso ai. Falseabilidade (ou refutabilidade) é um conceito importante na filosofia da ciência - epistemologia. Para uma asserção ser refutável ou falseável, em princípio será possível fazer uma observação ou fazer uma experiência física que tente mostrar que essa asserção é falsa.

Michel disse...

bom dia, rodrigo. gostaria de saber como faço pra comprar seu livro (economia do indivíduo - o legado da escola austríaca). no site do mises não tem... obrigado