quarta-feira, janeiro 27, 2010

Novos melhores amigos



Rodrigo Constantino

"O Cabral é a ausência total em toda a região metropolitana e o interior", disse Lindberg Farias sobre o governo de Sérgio Cabral. "Aqui no Rio, o PT tem que lançar uma candidatura que defenda os interesses do povo trabalhador, que tem sofrido com as políticas elitistas do governo Cabral", declarou também o prefeito de Nova Iguaçu.

Só que isso tudo foi antes de o presidente Lula avisar que Lindberg, agora, era o "novo melhor amigo" de Cabral, como este mesmo o reconheceu. Depois do comando do dono, o cãozinho adestrado, uma "metamorfose ambulante", mudou o discurso e veio abanando o rabinho para o governador do Estado. Assim são os políticos de forma geral, e os petistas em grau mais escancarados: atores que não possuem princípios, apenas interesses imediatos; que não têm amigos, apenas comparsas.

O "pragmatismo" dessa gente é mesmo asqueroso. Num dia, Collor pode ser o mais safado de todos os ladrões, e no dia seguinte, se for interessante para o tal "jogo democrático", o mesmo Collor pode ser um grande sujeito, "amigo do peito". Para digerir os nossos políticos, só mesmo com o auxílio de um Engov...

3 comentários:

Rogério PC disse...

Acho que aqui você errou duas vezes. Uma vez ao afirmar que só com auxílio de Engov para digerir nosso políticos. Não se pode generalizar. Há uma minoria que se dá ao respeito. Já a grande maioria, acho você errou ao afirmar que só Engov para digerir. Eu digo que nem com isso. São podres mesmo e só trazem o mal. Deveriam ser fuzilados em praça pública.

Prezo muito a democracia acima de qualquer coisa, mas com o nível dos nossos políticos fica difícil defender o congresso se um golpe de estado o fechasse. A maioria dos políticos merecem levar bala e ainda passar com o tanque em cima.

ntsr disse...

Qual é essa minoria?

fejuncor disse...

A propósito, neste ano de eleição percebo um brilho diferente nos olhos dos conhecidos e amigos que são candidatos. É um brilho distante e meio soturno. Visionário mas numa órbita pequena, pessoal, diria gananciosa. É algo sinistro.