domingo, fevereiro 18, 2007

A Vaidade de Olavo



Rodrigo Constantino

“The true teacher defends his pupils against his own personal influence.” (Amos Bronson Alcott)

O “filósofo” Olavo de Carvalho, que havia anunciado ser impossível debater comigo por causa de minha ignorância e que não iria perder tempo com um “moleque idiota”, já escreveu cinco longos artigos atacando a minha pessoa. Para filtrar argumentos entre aqueles adjetivos tão chulos é preciso espremer bastante, e mesmo assim pouco sai. Ele reclama que eu estou fugindo de um debate proposto por mim mesmo, mas na verdade estou apenas evitando o show que Olavo tanto gosta de oferecer a seus seguidores. Quase todo “debate” com Olavo acaba com um xingamento tosco envolto numa expressão em latim, para dar um toque de erudição. Estou lidando com um “adolescente crescido”, um “filósofo” que fica xingando os outros dos mais baixos nomes e que ainda usa como “argumento” as mensagens que recebeu de admiradores atacando a minha pessoa. O argumentum ad populum , quem diria?, passou a ser um dos preferidos de Olavo.

Alguém que já conhecia Olavo melhor que eu comentou no meu blog que o homem estava realmente mordido por causa de uma correção que fiz sobre a língua portuguesa. Eu pensei que era besteira, que um filósofo jamais seria tão tolo, e que a sua reação era mesmo fruto do fanatismo religioso. Mas depois foi ficando mais claro que havia verdade nisso. De fato, basta observarmos que o título da série de longos artigos atacando minha pessoa é Rodericus Constantinus Grammaticus, com o subtítulo O Homem do Mim. Para quem não sabe, isto se deve ao fato de Olavo ter escrito “entre eu e você” em uma mensagem para mim, e eu ter apontado que o correto seria “entre mim e você”. Bastou isso. Para um homem cuja vaidade é maior que o mundo, foi algo insuportável. Olavo ainda mentiu depois, afirmando em sua comunidade de Orkut que eu fiquei “pisando e repisando o mesmo ponto com obsessividade compulsiva e fazendo-se de [seu] professor de redação”. Mentira. Eu fiz a correção uma única vez, e foi o suficiente para despertar a ira de Olavo. A seguir ele insistiu na mentira: “É claro que não fiquei brabo com a correção do ‘mim’, embora a achasse estilisticamente inadequada”. Não ficou “brabo”, mas disse, faltando com a verdade, que eu foquei nisso obsessivamente, e ainda deu importância ao fato a ponto de virar o tema do título dos seus artigos? Talvez ele não esteja mentindo quando diz que fiquei repisando o mesmo ponto. Talvez seja apenas auto-engano. Vai ver que ele realmente ficou vendo isso o tempo todo, em qualquer lugar que olhasse. Freud explica. E um de seus mais fervorosos admiradores ainda se deu ao trabalho de criar um tópico apenas para apontar os meus erros de português!

Voltaire dizia que a “tolerância é a conseqüência necessária da percepção de que somos pessoas falíveis”, já que “errar é humano, e estamos o tempo todo cometendo erros”. O filósofo Karl Popper, quem Olavo chegou a desqualificar como fonte séria para alguma coisa, endossa esta postura, e sempre defendeu a tolerância e a falibilidade humana. Popper estimulava seus alunos a questionar livremente suas premissas nas aulas, criando um ambiente aonde apontar os erros do mestre fosse algo bastante natural. Compare-se isso ao que Olavo parece fazer com seus alunos, e vemos o abismo que separa ambos. Os seguidores de Olavo parecem incapazes de questionar o mestre, de apontar suas falhas, de criticá-lo abertamente. Receberam o jocoso apelido de “olavetes” não foi à toa. Como crianças desamparadas, ficam torcendo para o “guru” detonar o oponente, não à base de sólidos argumentos, mas sim com adjetivos que sequer podem ser reproduzidos aqui. Trata-se de um comportamento típico de seitas, onde o “líder iluminado” está sempre com a razão, e quando acusa outro de fazer algo que ele mesmo faz com tanta freqüência, recebe os aplausos das focas adestradas, incapazes de enxergar o que ocorre de fato. É desta maneira que Olavo consegue denunciar as falácias dos esquerdistas, enquanto as aplica com maestria sem que seus admiradores notem. Olavo conseguiu até mesmo criticar o meu suposto “tom de superioridade infinita”. Será que falta espelho na casa do “filósofo”?

Em um novo artigo, Disfarçando o Mico, Olavo mente mais um pouco ao afirmar: “Enviou tantas mensagens para todos os lados (inclusive para a minha página pessoal no Orkut), que acabou ganhando dos orkutianos o apelido de Spamtantino”. Nada poderia estar mais longe da verdade! Este “carinhoso” apelido me foi dado pelos esquerdistas, que sempre preferiram atacar a minha pessoa a argumentar. Deve-se ao fato de eu utilizar o Orkut como veículo de divulgação dos meus artigos, colocando o link para eles em inúmeras comunidades diferentes. Em resumo: quem criou o apelido que Olavo agora tenta usar para me desqualificar foram justamente os membros da comunidade “Olavo nos Odeia”, um grupo de esquerdistas imaturos que detesta Olavo e prefere atacar pessoas a debater idéias. Cada vez mais fico convencido que são dois lados da mesma moeda, que são, no fundo, bem parecidos, trocando apenas o sinal.

Por fim, Olavo chegou ao ponto de colocar mensagens que recebeu de admiradores me atacando. Creio que Olavo e sua turma perderam a capacidade de olhar para fora, algo muito comum em seitas. Tentam “vencer” os debates no grito, e não conseguem nem mesmo olhar a reação que esta conduta lamentável tem gerado fora do rebanho. Se eu fosse escrever artigos com a quantidade de mensagens que recebi lamentando a postura do “filósofo” e me dando razão, seria preciso praticamente um livro. Ainda assim, a quantidade não faz a qualidade, e o número de adeptos jamais fez uma causa ser verdadeira por tal critério. Mas comento isso apenas para mostrar como eles se fecharam em seu mundo, entorpecidos com as trocas mútuas de bajulações. Já dizia Nelson Rodrigues: “A grande vaia é mil vezes mais forte, mais poderosa, mais nobre do que a grande apoteose; os admiradores corrompem”. Em uma linha parecida foi Norman Vincent, ao afirmar que “o mal de quase todos nós é que preferimos ser arruinados pelo elogio a ser salvos pela crítica”.

Olavo foi alçado ao patamar de “líder iluminado” por seus seguidores, e isso o cegou. Sua vaidade é tanta que perdeu o costume de ser criticado por pessoas que concordam com muitas de suas idéias. E quando é alvo de um “fogo amigo”, que não é proferido por comunistas, fica perdido, desnorteado, partindo para o ataque pessoal. Inverte tudo, chegando a afirmar que eu estou humilhado e enraivecido. Será que é a minha conduta que demonstra raiva? E termina me classificando como um “mico em pele de jumento”. Quem diria que a correção de um erro de português pudesse mexer tanto assim com alguém?! Creio que a vaidade de Olavo é ainda maior que seu fanatismo religioso.

62 comentários:

Caio Rossi disse...

Olá, Rodrigo

Até agora vc não tocou nos argumentos que o Olavo usou contra a sua posição nos artigos de nº 1 e 2. Vc só tem reclamado do estilo dele, colocando uma lupa no que há de raivoso nas respostas do Olavo, e não questionou nenhuma das informações e raciocínios dele.

Na realidade, o único que vi fazer isso até agora, e com algum mérito, foi o Anselmo Heidrich. A impressão que dá é que ou vc não consegue perceber como as suas respostas são inadequadas- o que depõe contra a sua capacidade intelectual- ou que quer fazer com o Olavo o que vc diz que ele está querendo fazer com vc.

Aliás, vc não está debatendo com um fanático religioso. O Olavo é um grande intelectual, um sujeito muito culto, mesmo que eu discorde dele em diversos assuntos. Até agora, no que realmente importa (informações e racionalidade), ele está vencendo com uma grande dianteira. E se vc continuar evitando o mais essencial a conclusão a que chegarei é que vc, na realidade, o esteve evitando desde o início, e que essas suas respostas não são mais do que tentativas de desviar a atenção dos leitores.

Abraço,

Caio

Anônimo disse...

Você e o Olavo são dos poucos "nesci paizz" que ainda consigo ler. Chega de briga besta! Tá parecendo assembléia do pt.

Anônimo disse...

Como 2 + 2 = 4 , acertamos na mosca. hehehehe. Agora é que o Olavo vai ficar destemperado de vez. Belo texto.

P.S.: Eu não conheço o Olavo, apenas observei atentamente o comportamento dele neste episódio.

Abraços.

Anônimo disse...

Nunco tinha ouvido falar de Olavo. Rodrigo, tampouco sabia da sua existência.
Há pouco tempo tenho lido artigos seus sobre economia. Achei-os interessantes e me estimularam a pensar mais no tema.
Porém, para ser sincero, não entendo o que esta troca de elogios entre você e esse tal de Olavo pode acrescentar aos leitores de seu blog.
Limitem-se à agressões privadas. Vão para um boteco, encham a cara ou se esbofeteiem, mas vamos tratar de temas que possam ser de interesse coletivo.

Pedro disse...

Que canalha você hein! Das duas uma: ou você percebeu que se continuar com essa discussãozinha besta, requentando bobagem atrás de bobagem, você ganha exposição de graça, (principalmente com a esquerda), ou então você é uma canalha vendido mesmo.

Se você fosse só um ego perdido e auto-iludido, já teria parado. Mas não, você é um safado. Está adorando esse circo e toda essa atenção. Na sua cabeça, você está se saindo muito bem, está desmascarando uma seita, desbancando um falso guru!

Se você não sabe o que é a fé, o que é Deus, o que é a presença do divino na sua vida, realmente, não tem como distinguir entre o que é um religioso e o que é um fanático. Para você, é tudo igual. A sua percepção da realidade é distorcida pelo seu nível de consciencia egóica. Como o Olavo diz, não tem como discutir com você, porque você não iria entender.

Ele escreveu os artigos usando você como exemplo, e não para discutir com você. Exemplo de que? Dessa sua atitude, que é a que prevalece no Brasil. Atitude de arrogância, de achar que só porque consegue pensar em lógica circular, está certo. Atitude de quem acha que, só porque conseguiu convencer a si mesmo de uma bobagem, vai convencer os outros.

Vá em frente e se arme de argumentos académicos enquanto puder. Só está cavado um buraco mais fundo.

O Indivíduo disse...

"Voltaire dizia que a “tolerância é a conseqüência necessária da percepção de que somos pessoas falíveis”, já que “errar é humano, e estamos o tempo todo cometendo erros”. O filósofo Karl Popper, quem Olavo chegou a desqualificar como fonte séria para alguma coisa, endossa esta postura, e sempre defendeu a tolerância e a falibilidade humana."

Todos são falíveis, menos você Rodrigo?

"Olavo conseguiu até mesmo criticar o meu suposto “tom de superioridade infinita”. Será que falta espelho na casa do “filósofo”?"

Mas você estudou tanto quanto Olavo? Não tem idade para tanto. É cientificamente impossível você ficar em pé de igualdade com alguém tão mais velho.

"Creio que Olavo e sua turma perderam a capacidade de olhar para fora, algo muito comum em seitas."

Como você não consegue olhar para fora de Voltaire?

"dizia Nelson Rodrigues: “A grande vaia é mil vezes mais forte, mais poderosa, mais nobre do que a grande apoteose; os admiradores corrompem”. Em uma linha parecida foi Norman Vincent, ao afirmar que “o mal de quase todos nós é que preferimos ser arruinados pelo elogio a ser salvos pela crítica”."

Mas não foi isto que Olavo fez? Criticou seu texto, no seu entender até mesmo "vaiou"? Dois pesos e duas medidas? O que você quer afinal? Crítica ou elogio? A crítica dentro dos seus requisitos não seria uma crítica verdadeira, seria quase uma autocrítica.

Conheci você no Mídia Sem Máscara e sempre gostei muito dos seus artigos e textos, pelo menos dos que eu li, é claro. Também conheço o Instituto Millenium e também já gostei de muita coisa que encontrei ali. Mas desde que esta cruzada anti-religiosa começou, passei a vê-lo e a contextualizá-lo como um "Liberal" Americano, girondino, que defende o liberalismo e ponto. Vejo sim, uma grande pretensão, de imaginar que podemos entender e racionalizar toda a historia e toda a religião, que já temos todas as conclusões e verdades na mão. Uma verdadeira futilidade. Até parece que você, sozinho, chupando um ou outro escritor, pode solucionar todo o problema e chegar a conclusões fatalistas. Onde foram parar os indivíduos e a individualidade?

Anônimo disse...

Rodrigo disse: "Para filtrar argumentos entre aqueles adjetivos tão chulos é preciso espremer bastante, e mesmo assim pouco sai".

Isso em comentário ao artigo do Olavo "Disfarçando o Mico", no qual, transcorridas nem dez linhas, OC diz "meu argumento era simples e claro:" - e esmiúça com embasamento histórico de que forma o argumento anti-religioso de Voltaire e seguidores não é uma inocente "defesa da razão".

E Rodrigo nem menciona esta explicação, que é o grosso do artigo, afirma que só existem ali xingamentos...
... e logo depois diz que Olavo falseia o relato do que aconteceu.

Anônimo disse...

Não conhecia o Rodrigo, mas acompanho o OC ha algum tempo, e gosto muito das análises filosóficas dele, embora discorde de algumas coisas e de seu tom muito agresivo.

Acho interessante que um jovem como você se proponha a discutir com ele, mas acho perda de tempo focar a atenção no estilo agressivo dele. Se você realmente quer discutir idéias, conceitos, visões de mundo, releve o estilo do OC e se concentre apenas nos argumentos dele, e tente contra-argumentar a altura. Não defendo cegamente o Olavo, muito pelo contrário, mas é óbvio que se trata de um erudito com um ponto-de-vista forte, claro e embasado. Então, o foco de sua discussão, caso você queira mantê-la no nível intelectual, deve ser na argumentação, ainda que chegue a um ponto em que suas visões de mundo sejam irreconciliáveis por princípios fundamentais, mas que pelo menos isto fique claro. Todos temos defeitos, o OC talvez seja arrogante, impaciente e mesmo use uma linguagem excessivamente agressiva, mas troca mútua de agressões torna ambos infantis. Concentre-se nos argumentos, e deixe a baboseira a parte. Até porque, existem questões fundamentais do mundo para as quais não há resposta e talvez nunca haja, portanto com cada parte apresentando suas idéias claramente, os leitores podem tirar suas própriasd conclusões. Se não, corre o risco de virar uma discussão de bêbados ou um briguinha de segundo grau.

Ipe disse...

Rodrigo,

vi que apagaram todo o debate entre vc e OC, pena, pois talvez depois de ler e reler e reler e reler e reler, alguns conseguisem perceber as artimanhas de que OC se utiliza para desqualificar o discurso alheio. E ele sempre faz isso. Até em seus textos teóricos ele faz isso. Só não vê quem não quer ou quem não tem olhos de ver. Como se não bastasse, ele mesmo deixa bem claro que considera que há pouquíssima vida inteligente além dele mesmo. Ora, como se pode tentar argumentar com alguém que já parte do pressuposto de que o interlocutor é um bruto?

Rodrigo, continue com seus textos, com seu trabalho, divulgue suas idéias, escreva aqui no seu site, bastante sobre todas estas questões, mas não caia mais na armadilha de OC. E sei que você reconhece como armadilha, eu compreendo que para quem vê o joguinho que ele faz é muito difícil ficar calado, mas faça como muito de nós: ria. Ria para não chorar dos seguidores de OC que são xingados por ele mesmo de imbecis e retardados dia após dia e continuam lá, achando graça de tudo ou não entendendo que eles mesmo são considerado um nada pelo próprio OC. Ria e siga em frente, talvez um dia eles entendam todo o deboche e toda a falácia de OC, talvez não. Mas o que podemos fazer? Melhor é irmos trabalhar para dialogarmos com quem consegue estar aberto ao diálogo, à aprendizagem verdadeira.

O próprio Olavo já disse que nas universidade 90% é pseudo-conhecimento e 10% é entretenimento. Também já disse que revistas e jornais não são fontes confiáveis, seguras ou minimamente sólidas para se buscar informações ou bons textos. Ou seja, ele mesmo já diz para não levar a sério o que é escrito por ele. E ainda diz que seus seguidores universitários são uns desqualificados (pseudos). Ele mesmo faz todo o trabalho de autoantropofagia. Se ainda assim, alguns não conseguem ver isto, no que é dito pelo próprio mestre deles, o que nós podemos fazer?

Isto já deveria ser o suficiente para que ninguém levasse a sério a lista, nada pequena, de idéias absolutamente paranóicas e infundadas que eles divulga. Era para fazer o sujeito ser capaz de se distanciar do texto que considera como produto de úm "mestre" um "intelectual", que considera como verdade, para poder questioná-lo, pesquisar o que nele é dito, seus fundamentos, sem engolir diretamente com o pescoço, como bem ilustrou Drummond em um de seus poemas: pessoas que engolem com o pescoço. A estas desejo que tenham "cabeça" para melhor refletir.

A você desejo perseverança mas também discernimento para saber que em alguns momentos é melhor apenas nos retirarmos para que os próprios tolos se enforquem (e sem ibope).

Um abraço,
Ipe

PS: E jesus, maria e josé, de onde saiu esta idéia de que quem é de direita mesmo, verdadeiramente, tem de ser um "bom cristão"? Eu, hein, Rosa!

ipe disse...

Antes das pedras...


Por favor, SE VOCÊ CONCORDA COM OLAVO DE CARVALHO, antes de jogar a primeira pedra veja que É ELE QUE realmente chama a todos de ignorantes, pseudo-intelectuais, crianças nas universidade, idiotas incapazes e por aí vai. Em nenhum momento ele diz: exceto os que concordam comigo. Até isso ele condena: subserviência burra. Ou seja, não escapa ninguém, a não ser ele mesmo e outros "pensadores" já falecidos.

Anônimo disse...

O tom apocalíptico dos seus textos antireligiosos,pois de religião,fé, crenças,você não entende lhufas,mostra
que o seu objetivo é aparecer e não debater o assunto.
É sabido que o tema religião,por lidar com o sagrado(e não só com a fé,como se deu a entender nos seus péssimos textos) para o homem,mexe com as pessoas profundamente,logo é um ótimo tema para atrair audiência.Como estamos
em plena modernidade decadente,onde ser
"do contra" dá Ibope,nada melhor para atrair a atenção do público do que
"desmistificar"(sem se perguntar o quê
é a mística) temas tradicionais.Você é
uma Madonna do liberalismo ateu,e pare
de colocar todos os que o criticam na categoria de "olavetes",isto é um jogo sujo que tanto você critica no Olavo!
Pelo baixo nível das "rodriguetes", coisa boa não sairá de sua ridícula
"cruzada contra o fanatismo religioso"

Anônimo disse...

Vamos à verdade, bonzão:

Você convocou o Olavo para um debate.

Ele aceitou e escreveu "cinco longos artigos" impugnando linha por linha suas afirmações.

Depois disso, você nada mais fez, senão choramingar que ele não alinhavou argumentos, mas só mentiras e xingamentos.

Não sei...

Até agora, você não apontou nenhuma mentira dita por ele nos artigos referentes á controvérsia em questão, tampouco fraude nos argumentos.

Esse papo de que ele está ofendido por causa de você ter corrigido o português dele, ainda que seja verdade, é impertinente.

Tenha coragem e:

a) tome o primeiro artigo dele (justamente que tem por subtítulo 'o homem do mim') e demonstre onde estão as mentiras, sofismas e erros; ou

b) faça uma defecção; ou

c) 'pede p'ra cagar e sai de cena'.

Luiz

Anônimo disse...

Mas tu mentes doentiamente.

Fui no orkut, na comunidade do Olavo, e , em uma rápida observação, percebi que você é a pessoa que mais postou mensagens lá. É verdade que são todas vazias, não passando de rateios.

Então, ele não mente quando fala que você está espalhando mensagens na internet.

O fato de que o apelido que ele menciona (spantantino) venha de uma comunidade que vive para atacar o próprio Olavo, além de mais uma vez ser impertinente, não altera em nada o fato verídico de que você está ciscando feito uma louca na internet, com mensagenzinhas desesperadas e vazias.

Honre a barba ou raspe a barba.

Luiz

Anônimo disse...

os/as olavestes ficam nervosas mesmo! depois não querem o apelido, mas vivem fazendo jus a ele. rsrs dá-lhes, Constantino!

Anônimo disse...

LIBERAL AGNÓSTICO
Parabéns Constantino.
Eu gostaria de ler dos partidários do Sr. OC, ou dos simplesmente simpatizantes dele, ou ainda apenas dos que acham que ele está certo nesta discussão com você, a formulação de uma crítica a este grande pensador brasileiro. Já que eles se dizem críticos, e até admitem discordar do mestre, eu pergunto: discordam de qual tese, por que razão?

Rodrigo Constantino disse...

"Todos são falíveis, menos você Rodrigo?"

Claro que sou falível também!

"Mas você estudou tanto quanto Olavo? Não tem idade para tanto. É cientificamente impossível você ficar em pé de igualdade com alguém tão mais velho."

E desde quando a idade ou o tempo de estudo são provas de superioridade? Brizola era mais velho que eu. Isso fazia dele mais inteligente?

"Mas não foi isto que Olavo fez? Criticou seu texto, no seu entender até mesmo "vaiou"? Dois pesos e duas medidas? O que você quer afinal? Crítica ou elogio? A crítica dentro dos seus requisitos não seria uma crítica verdadeira, seria quase uma autocrítica."

Olavo não focou em críticas construtivas, e sim em me desqualificar como ignorante e tudo mais que não cabe aqui repetir.

"Até parece que você, sozinho, chupando um ou outro escritor, pode solucionar todo o problema e chegar a conclusões fatalistas."

Mas meu problema é justamente com os que querem afirmar que JÁ existe uma resposta definitiva, e que basta estudar para sabê-la.

Pavlus Megondeschi disse...

Constantino,

Nos últimos meses, tenho consultado bastante material direitista na internet. Entre os trabalhos que mais se consagraram em minha modesta opinião são justamente os seus e os do Olavo.
Seus textos sobre economia são excelentes: apresentam uma linguagem razoavelmente simples com um conteúdo fascinante, o que não é tão fácil de ser desenvolvido. Olavo também tem suas qualidades, entre as quais posso citar sua extensa cadeia de erudição e sua maneira igualmente simples de tratar sobre assuntos filosóficos complicadíssimos. Entre muitos brasileiros do orkut e da internet em geral, ele é uma espécie de filósofo "pop", quase um Noam Chomsky direitista e conservador (acredite, o Olavo é peso importantíssimo para manter a balança esquerda-direita mais ou menos equilibrada no universo de intelectuais brasileiros).
Mas, para o bem de sua ideologia (o liberalismo puro, belo e perfeito) seria essencial que ambos parassem com essas discussões infrutíferas e voltassem seus canhões aos verdadeiros inimigos: a esquerda. Não podemos nos dar ao luxo de dois grandes ícones da direita na internet desenvolverem um violento e constante fogo amigo. Além de desperdício de neurônios, não é algo que se possa dizer inteligente.
Ainda precisamos de muitos Olavos e Constantinos discutindo. Não entre si, mas, juntos, contra toda essa sujeira que tomou conta do Brasil.

Liberal Agnóstico disse...

Fogo Amigo?
Eu me considero um liberal, portanto alguém de direita, mas jamais consideraria fogo amigo o fogo que vem de quem acredita que Richard Dawkins tem de ser preso porque critica a religião.

Delsio disse...

Rodrigo, você é uma inspiração! Olavo também, mas ele está possuído.Por paixão religiosa; por estar mordido. Releve!
Pega leve e não ligue para estes rompantes!

Abs.

Anônimo disse...

Bem,

Leiam os textos que seguem no link a baixo, reflitam com seriedade - se ela habitar a suas almas (e se realmente tiverem, é claro) e depois emitam um parecer, no mínimo, menos ranheta.

http://www.olavodecarvalho.org/textos/homem_mim.html

http://www.olavodecarvalho.org/textos/homem_mim_2.html

http://www.olavodecarvalho.org/textos/mico.html

http://www.olavodecarvalho.org/textos/homem_mim_3.html

Ultraliberal disse...

Olavo fogo amigo?

Ícone pop da direita? Isto então é elevá-lo demais!

Ele é uma vergonha para a direita! Paranóico, fanático religioso, pseudo-filósofo, deselegante, inescrupuloso, desrespeitador e etc.

Ele é um esquerdista frustrado, que não deu certo em lugar algum onde esteve e agora fica tentando angariar "fãs" na internet e com seus textos verborrágicos e cheios de impropriedades filosóficas e históricas.

FORA Otário de Carvalho!

Anônimo disse...

Que tal voltarmos nossa atenção para o ponto central do referido debate que seria a em torno das relações possíveis entre fé e razão?

ultraliberal disse...

ah, faça-me o favor, ponha os links agora das paranóias e invencionices deste LOUCOTÁRIO de Carvalho.

Por favor! Por exemplo:


Que o cigarro não faz mal à saúde
Que Che Guevara invadiu Angola 8 anos após a sua morte e que depois de fazer um monte de barbaridades lá, conseguiu emprego na Rede Globo para fazer o papel de Jamanta.
Que a ONU é terrorista.
Que há uma conspiração comunista global e a união civil homossexual é parte dela.
Que estamos sob ditadura comunista e que toda imprensa é esquerdista.
Que o Darwinismo e o Marxismo nasceram do Satanismo.
Que no Brasil da Ditadura não havia censura.
Que o ser humano não precisa de cérebro pra viver.
Que os movimentos White Power, Black Power e Power Rangers estão unidos pela Esquerdização global.
Que a CNBB é comunista.
Que o PT é o PCC de terno e gravata.
Que o Nazismo e o FMI são de Esquerda.
Que Bill Clinton era um agente de Pequim.
Que o esquerdista Lyndon Johnson entrou na guerra do Vietnã pra perder.
Que não há diferença genética entre um humano e um chimpanzé aos 3 meses de gestação.
Que feminismo, pedofilia e bestialidade caminham juntos.
Que o imperialismo cultural islâmico venceu.
Que a classe capitalista nunca se organizou politicamente.
Que Bush é a única esperança do mundo.
Que o Furacão Katrina é uma obra do comunismo.
Que no Brasil há 40 milhões de comunistas.
Que Newton pregava o ateísmo.
Que o Carrefour é comunista.
Que o programa brasileiro de combate à AIDS não é bom, mas é elogiado pela ONU porque ela é comunista.
Que o programa de combate a AIDS de Uganda é bom, mas sofre críticas só porque é apoiado pelos Estados Unidos.
Que as Cruzadas foram uma invenção dos satano-islamo-comuno-gayzistas, e que de fato este evento nunca ocorreu.
Que o Foro de São Paulo, juntamente com os seus arqui-rivais do "Illuminati" dominam secretamente o mundo, e que grupos como Hamas, Hezbollah, Jihad Islâmica, a Al-Qaeda, as Farcs e o PCC são os braços paramilitares dessas duas organizações.
Que Collor e Maluf nunca roubaram.
Que o Brasil NÃO fica na América!

OLAVO DIZ NÃO TER VIDA INTELIGENTE NO BRASIL JUSTAMENTE PELOS QUE O SEGUEM SEM QUESTIONÁ-LO.

Ele tem que manter a pose e defender o seu personagem,mas deve respeitar mais o Constantino do que as amebas que o seguem. rsrsrs

LIberal Agnóstico disse...

Desafio
Eu gostaria de ler, daqueles que fazem uso da violência verbal (felizmente nessa esfera virtual eles não passam da violência verbal) para atacar Constantino, uma crítica a alguma tese do Sr. OC. Ou eles concordam com todas as teses do Mestre? Se eles discordam, discordam de que tese, por qual razão? Enquanto não ler tais críticas terei sérias dúvidas se não se eles não são, no fundo, seguidores de uma seita.

Anônimo disse...

Prezado Rodrigo:
Acompanho os teus artigos sobre política e economia regularmente e gosto do enfoque baseado nos ensinamentos da Escola Austríaca de Economia - a mais brilhante de todos os tempos, na minha modesta opinião - e que, apesar de não serem originais, são corretos e bem escritos. Agora, francamente, não entendi o motivo por enveredares por um tema tão complexo como religião, e com um ar de quem descobriu a Teoria da Relatividade. E pior que isso, apoiando-se em dois autores tão chinfrins como Voltaire - uma espécie de Jean-Paul Sartre do século XVIII, um autor incensado na época, mas totalmente desacreditado depois - e Nietzsche - uma alma atormentada e digna de pena, tanto que acabou louco - ignorando autores muito mais fundamentais, necessários só para começar a pensar no assunto, quanto mais escrever sobre ele. O teu último artigo então( "A Vaidade do Olavo") é de dar dó. É o exemplo mais acabado do que Freud chamou de projeção. Acusas o Olavo de atacá-lo pessoalmente mas não fazes outra coisa, e ainda por cima apegando-se a um único erro de português, sem nem impugnar os seus argumentos colocados em seu sítio. Além disso, atacas os que crêem em Deus, chamando-os de "fanáticos", mas argumentas( se é que posso chamar assim...) como se fosses um, num constrangedor estilo messiânico. Acompanho a obra e os escritos( aliás, muito bem escritos) do Olavo há cerca de dez anos, além de freqüentar o seu Seminário de Filosofia e nunca percebi qualquer clima de adoração a ele durante as suas aulas. Quem as freqüenta, comporta-se como estudantes com "E" maiúsculo. Estamos lá para aprender e dúvidas e discordâncias fazem parte das mesmas. Se existem pessoas frágeis que o cultuam como um guru, o problema é delas. O próprio Olavo já condenou essa atitude( "Se querem um guru, que arrumem outro", disse uma vez em entrevista a "O Globo"). Para terminar, sugiro algumas leituras, além das Sagradas Escrituras: a obra de Santo Agostinho( "Confissões" e "A Cidade de Deus"), São Boaventura( Itinerário da Mente para Deus"), São Tomás de Aquino( o volume I da "Summa Theologica", expõe os seus argumentos em favor da existência de Deus), além do "Catecismo Oficial da Igreja Católica", isso só prá começar. Depois desse "aperitivo", duvido que voltarás a levar Voltaire e Nietzsche a sério. Aliás, tenho certeza que daqui a alguns anos te arrependerás de ter escrito esses artigos, como todos nós, muitas vezes, desejaríamos nunca ter dito ou feito grandes bobagens ao longo da vida. Faz parte.
Um abraço.
Cláudio André

a.h disse...

INTERESSANTE TROCA DE POSTS ENTRE ESTE ESCRIBA E UM DIALÉTICO MENTAL

Olavo de Carvalho said...
Puta merda. Seus raciocínios -- digamos que o sejam -- fazem de você, na melhor das hipóteses, um aspirante a Constantino. Um pouco mais presunçoso, talvez. Por favor, vá estudar mais uns trinta anos e depois volte para a gente conversar, está bem? Já estou com o saco cheio de bater em criança. Ah, já sei: Estou é com medo do seu profundo tirocínio filosófico, apegando-me a insultos pessoais e esquivando-me de argumentar, não é mesmo? Puta merda de novo. Perto de você, do Janer e do Constantino, o Emir Sader é um monumento de erudição e idoneidade.

12:02 AM

a.h said...
O Olavo é um cara engraçado. Ele se apegou a idéia, bastante conveniente, de que minha rejeição (assim como a de outros) deve-se simplesmente a uma questão estilística dele. Estética de direita com ética de esquerda? Caso não fosse tão ríspido, pensa ele, muitos passariam a apoia-lo. Fazendo assim, ele banca o durão, um Clint Eastwood (grande ator, diga-se de passagem) com bolsas de água benta no coldre. E aproveita pra bradar contra os outros um "Sou macho! Tenho razão e por isto posso ofender quem eu quiser..." Ora, não se trata disto caro filósofo, o sr. pode ofender sim. Aliás, sinta-se a vontade. Mais a vontade até do que tem sido sua práxis (ôps!). Deixe seu estado natural fluir, pois eu o conheço, como daquela vez que nas janelinhas do orkut chamou o Janer de "farrapo humano" que "se aproveitava de seu estado de viuvez" etc. Para, logo após, apagar seu post. Não sei, realmente, se tu foste mais covarde e cafajeste ao escrever o comentário ou se foste mais covarde simplesmente ao retirá-lo. Não consigo imaginar a resposta para esta questão. Bem, caro filósofo, eu não entendo de religião, admito. Mas entendo um pouco de culturas e noto quão díspare é o comportamento de fato daquele requerido e acalentado pelas escrituras. Deve haver alguma permissividade nisto, pois do contrário tu só encontrarias o purgatório sete palmos abaixo com tal candura nas palavras. E o barqueiro não se comoverá com tua dialética sobre o Hades...
Vamos lá filósofo. 30 anos? Pode ser... ou talvez 10. Quer apostar? Uma década, está bem assim? Mas, te garanto seu arrotador que sobre alguns quesitos que arvora profundo conhecimento, tu tens que sentar as nádegas numa cadeira e se postar a estudar, pois já vi que tu não sabe é porra nenhuma.

Em tempo: se preferir, também podes dispensar as ofensinhas infantis de guri de apartamento que quando vira pós-adolescente gosta de contar vantagens imaginárias. Pois se continuar nesse rumo, tu parecerás cada vez mais com mulher de brigadiano, daquelas bem histriônicas que pedem pra apanhar na cara. Traduzindo: se queres ofender, é o que vai ter em proporção direta. Disto, não precisarei mais 30 anos de estudos.

7:12 PM

José Antonio disse...

"Primeiro eles te ignoram, depois riem de você, depois resolvem lutar e então você vence." (Gandhi)

Na frase supracitada, Mahatma Gandhi parece descrever o que ocorreu com o Constantino no âmbito da discussão travada com o "filósofo" Olavo. Observe a semelhança: o "professor" primeiro disse que "não há debate entre o conhecimento e a ignorância"; depois desqualifica o Rodrigo dando uma eloqüente mostra de seu leque de palavreado chulo; em seguida resolve lutar (e bote luta nisso); por fim é derrotado. Interessante é notar o quão contraditório são as duas primeiras etapas desta empreitada em relação às duas últimas respectivamente. Lutam contra aquele que antes ignoraram e são derrotados exatamente por aqueles dos quais riram imprudentemente (para mascarar o desespero) outrora.

LIberal Agnóstico disse...

Espantoso
É impressionante, mas a maioria das críticas a Constantino, digo a maioria, pois há algumas críticas a meu ver procedentes, insistem em afirmar coisas como:
a) Despreparo de RC, pois ele não leu esta ou aquela obra;
b) Despreparo de RC, pois citou Voltaire e Nietzsche:
C) Despreparo de RC, pois é guri de apartamento;
d) Despreparo de RC, pois é mais jovem de OC;
e) Despreparo de RC, pois a discussão que ele quer fazer requer necessariamente uma postura respeitosa com quem não é respeitoso com ele.
Isso tem relevância para o ponto? Se tiver, eu perguntaria:
a) Qual o conhecimento de OC das obras de Kant? Pífio, basta ler o que escreveu sobre Kant.
b) Qual o conhecimento de OC sobre Hume? Acho que zero.
c) Qual o conhecimento sobre filosofia analítica? Talvez zero também.
d) Qual o conhecimento de OC sobre Guilherme de Okham?
Enfim, esse não é o ponto. Pois tudo isso serve apenas para não discutir. Olavo, como qualquer ser humano, também tem deficiências na sua formação intelectual. Mas isso não o impede de discutir. Eu o considero um brilhante polemista, com a ressalva de que é um incontinente verbal.
Eu gostaria de ver os seus asseclas discordarem dele. Mostrarem que não são membros de uma seita.

um cristão à direita disse...

COMO DEVE SE COMPORTAR O BOM CRISTÃO:

seu filho da puta
seu merda
sua ameba
sua exeriência de laboratório
seu imbecil
no cu
vá para a puta que o pariu
você é um completo imbecil
não há vida inteligente no Brasil (o bom cristão vive em dimensão paralela, não no próprio Brasil)
brasileiro é um cocozinho (também não é brasileiro)
vá estudar mais 30 anos
vá ler o que eu li, o que vc leu não tem validade
eu sou filósofo, não há outro no Brasil
os estados unidos são exemplos de bondade e amor ao próximo
ateu é tudo demente, burro
gay é tudo doente, pervertido
a esquerda é nojenta, perversa, cruel, autoritária, tirana, assassina
mas a direita também não presta
eu detenho a verdade
e vão tomar no cu, vão pra puta que pariu, seus merdinhas

assim falou o bom cristão Olavo de Carvalho

amém, o mundo, como vemos seria bem melhor com cristãos assim

E, POR FAVOR, ALGUÉM ME PÕE AÍ OS TRECHOS BÍBLICOS EM QUE JESUS ENSINA: deaqualica teus semelhantes, xinga-os, tenta humilha-los, debocha deles, usa as palavras de pior calão que encontrar, não respeita teu interlocutor, tenha certeza de que somente você detem o conhecimento e que o outro é um incapaz: tenta massacra-lo, por último, faça legião de seguidores que nao tenham senso crítico sobre teus escritos ou tua postura e quem os tiver, expulsa de teu caminho, tenta ridiculariza-los para que fiquem desacreditados.

POR FAVOR, assim saberei que Olavo é de fato um bom cristão e não apenas um cínico de merda. (ops, já estou começando a segui-lo)

Anônimo disse...

Cláudio André,das 7:46,concordo com suas palavras,e acrescento que o argumento do Rodrigo agora é:ou o Olavo
ou EU,quem não abomina o Olavo é um fanático,inimigo da ciência,irracional,
"olavete",etc,etc.O Constantino,para se livrar do debate franco,colocou-se
no papel de vítima do malvado Olavo(que é malvado amiúde),e sai atirando a esmo argumentos "ad hoc" para provar
a sua tese fechada desde o princípio.
Se o Rodrigo quisesse debate,poderia propor temas não muito abertos para discussão,com regras para os debatedores não se engalfinharem,com um mediador equilibrado e "neutro"(?),
regras para a publicação dos argumentos e contra-argumentos nos sites e blogs de um e outro,etc,etc.
Mas parece-me que há um embate de egos
inflados,sendo que o Olavo tem mais conteúdo e argumentos que o Rodrigo.

Anônimo disse...

Sei não, Rodrigo. Mas continuo com a impressão que vc está fugindo da "disputatio". E que, também, está havendo um desperdício de "fogo amigo". Insisto: o inimigo é outro.

Sáfar disse...

Rodrigo, seu "dlog" virou arena.

embat disse...

consta, daqui a pouco vc aparece no programa do jo

o homem que desafio a seita OdC

DESOLAVO disse...

aí, Rodrigão!

para quem é um nada para o OC, ele já lhe dedicou 4 longos artigos:

Rodericus Constantinus Grammaticus 3

Disfarçando o mico

Rodericus Constantinus Grammaticus 2

Rodericus Constantinus Grammaticus

ESTE OC É MESMO UM CRETINO, MAS O QUE ME IRRITA NÃO É ELE, SÃO OS SEUS SEGUIDORES, POIS O CARA FALAR UM MONTE DE ASNEIRA E SER TOTALMENTE GORSSEIRO PROBLEMA DELE, MAS TER UMA TURMA QUE APOIE ISSO E NÃO VEJA SUA FALÁCIA, ISTO É FODA DE ATURAR!

Helena disse...

Este povo fica pedindo debate ao Constantino, porra, não devem ter acompanhado a discussão no orkut ou não sabem ler direito.

Talvez não tenham lido pelos argumentos de Constantino terem sido apagados. Isto mesmo, a atitude foi totalmente covarde, apagaram os posts do Constantino. Alguns só era possível ver se estivéssemos on-line na mesma hora, pois algumas horas depois eram apagados.

Curioso é que no fórum se diz que regra básica é não ser grosseiro, esqueceram de dizer que exceto OC, que este tem todo o direito, pois se xingar e tentar desqualificar o interlocutor não é grosseria, então não sei mais o que é.

Olavetes agora só sabem repetir: Constantino fugiu do debate. Isto pq repetem o OC. Agora dizem mais outra coisinha: quem não abomina o Olavo é um fanático,inimigo da ciência,irracional,
"olavete". Pomba, mais uma vez apenas repetem o que o "seu mestre" colocou no próprio site. Esta lá para quem quiser ver. Gente, só repetem o que o Olavo diz. Que coisa mais vazia.

Rodrigo foi lá e criticou Olavo, discutiu, debateu, chamou ao debate, argumentou. Olavetes nada fazem só repetem palavras do mestre ou partem para defesa irracional dele. Outros do lado de constantino escrevem, argumentam, dizem o que pensam sem repetir Constantino.

Sinceramente, não conhecia nem um nem outro, mas depois de um amigo ter me mostrado o debate, o site e a postura de ambos, putz! não há como: tô com Constantino, este Olavo é um escroto. E um merdinha também, travestido de intelectualóide.

Anônimo disse...

Helena(cadê o Páris?),você é uma rodriguete bunda,medíocre,que repete o mantra de seu guru,Rodericus Primus: todo aquele que me criticar é uma
"olavete".Estas "rodriguetes" são tão medíocres e bajuladoras como o bando de
puxa-sacos do Olavo.Você não é uma merdinha,mas uma bostona.Baixou o nível?Então agüente!
E,a propósito,por quê seu mestre não parte para um debate segundo regras civilizadas?É medo ou paúra?

Anônimo disse...

Vai se foder, Helena rodriguete!

Então o Spantantino espalhou na internet argumentos que foram apagados pela liga do mal?

Hummmm...

Que bom seria se ele tivesse um blog em que pudesse publicar seus argumentos de forma concisa e linear. Que bom se o OC oferecesse ao RC um espaço em sua página para este fim.

O que?!

O Rodrigo tem um blog? E por que não pôs os argumentos aí?

O que?!

O Olavo ofereceu espaço em sua página para isso? E por que o Rodrigo foi ciscar feito galinha louca na internet?

Vai se ferrar Helena mentirosa.

Daniel Ravena disse...

Rodrigo Constantino escreveu:

"...criando um ambiente aonde apontar..."

Não seria onde, caro pensador? A palavra "onde" indica lugar, lugar físico e, portanto, deve ser usada em situações em que a idéia de lugar, metaforicamente que seja, esteja presente.

Abraços

O Direitista disse...

PSC - "Mas você estudou tanto quanto Olavo? Não tem idade para tanto. É cientificamente impossível você ficar em pé de igualdade com alguém tão mais velho."

RC - "E desde quando a idade ou o tempo de estudo são provas de superioridade? Brizola era mais velho que eu. Isso fazia dele mais inteligente?"

A questão não é que a idade seja uma condição suficiente para saber muito mais, mas que é uma condição necessária. Vc pode ser muito mais velho, como o Brizola, e não saber muito mais, mas não pode saber muito mais sem ter idade o bastante.

Anônimo disse...

Prezado Rodrigo:
Decerto você já leu a "Ética demonstrada à maneira dos geômetras".
Há algo mais racional que esse monumento?
Você pôde refutá-lo? Como?
Deixo o meu e-mail, e espero uma resposta.
jaegerjose@gmail.com

PAULO disse...

Amigo, você, infelizmente, não contestou um argumento sequer de Olavo. Eu pensava que viria, de vc, sólidos argumentos, um conraponto capaz de nos conduzir à solidez de sua tese. Mas creio que, em seu mutismo ideológico, terminou por naufragar em si mesmo.

Helena disse...

não disse que Olavetes só repetem a postura e os ensinamentos do mestre? Taí! rsrsrsrsrs

Não menti, apagaram sim.

Debate com as regras do Olavo? E com o "respeito" do Olavo a seu interlocutor? Acho que o Constantino nem devia ter tido este trabalho nem no orkut. Não há conversa com Olavo, é somente o que ele diz e pronto.

Argumentos sobre o que mesmo? aposto até que todos já esqueceram o início do debate, pois depois tudo se perdeu nos xingamentos e agressões de OC. E podem verificar que é sempre do mesmo modo que ele consegue o esvaziamento do debate. Só não vê quem não quer ou não consegue.

Quanto à idade, direitista, e estes jovens de 20 e poucos anos que são PHD em matemática, física, química, filosofia? Considero seu argumento muito fraco, pois só funciona baseado em linearidade.

Até,
Helena

Abu disse...

Como comentarista de economia vá lá....mas falando de religião...pelo amor de Deus!!!! Ops, ofendi o ateu militante? Aliás, por quê vcs ateus se preocupam tanto com o Cristianismo?
E vcs parecem donzelas. Não aguentam um simples xingamento.
Gazelinhas...
Intelectualmente o Olavo está anos luz adiantado.

Cláudio disse...

Discordo da Helena quanto ao fator idade.
Nas ciencias sociais, idade é importante, no sentido de maturidade.

Quantos "genios" da economia ou filosofia foram descobertos com menos de 30 anos ? Talvez nenhum porque são disciplinas que exigem maturidade e experiencia de vida, anos de reflexões.

Matemática, física teórica, ou mesmo música, são atividades "fechadas em si mesma", e portanto podem revelar tantos gênios precoces, com um talento específico e criatividade para aquela atividade.

Marcos disse...

Rodrigo,
Sou leitor de seus textos e dos do Olavo de Carvalho e tenho que te dizer que ele simplesmente te moeu nos artigos dele.
Mas não há nada para se envergonhar, pare de escrever sobre religião e continue com economia, acho que assim vai ser bem melhor (pra vc e pra nós, leitores).
Abs,

Rodrigo Constantino disse...

"Quantos "genios" da economia ou filosofia foram descobertos com menos de 30 anos ?"

Bem, Humboldt já havia escrito seu clássico "Os Limites da Ação do Estado" aos 28 anos. Uma boa idéia, um bom argumento, não dependem da idade.

Rodrigo

Helena disse...

Claudio,

Perdoe-me, mas para vc dizer que matemática é ciência fechada é por não ser muito familiarizado com a matéria, ou não de maneira mais aprofundada.

Há, inclusive, questões matemáticas a serem resolvidas, nada fechadas, que têm sido debatidas por pessoas de 20 e poucos anos.

Mas, se ainda assim, você não se convence, partamos para as ciências humanas: quantos escritores são melhora, mais densos, mais complexos que outros bem mais velhos? Este é só um exemplo.

Há pessoas de 30 e 60 anos, com estudo, muita leitura e inteligência, mas olhar apurado e capacidade de análise são coisas distintas de acúmulo de informações ou experiências. A idade só pesará se ambos forem tão "apurados" um quanto o outro. Então, é perfeitamente possível o de menor idade superar o de maior idade.

Até,
Helena.

Rafael Borba disse...

Prezado Rodrigo,

Não o conhecia, nem fazia questão de conhecer. Fico feliz de não estares posicionado à "esquerda", ou dentro de algum ninho de comunistas pseudo salvadores da humanidade.

No entanto, de nada adianta estares supostamente posicionado no "centro" ou na "direita", ou em alguma posição conservadora, se for pelos motivos errados. Desta sorte, acho que seria MUITO aconselhável sentares e responder todas as críticas do Olavo, pois, sinceramente, tu já estavas 'perdendo' esse debate quando tu expôs tua opinião favorável ao Voltaire. Sinceramente, eu acho que, talvez, algum talento de escrita que possas ter não supera aqueles necessários para um debate sério, que é o conhecimento do assunto (e não talento em debatê-lo). Considero o Olavo um debatedor honesto, e o fato de tu só apedrejares ele sem se preocupar com aquelas que ele atira de volta já demonstra tua desonestidade intelectual.

Lamento. Mas te dou a chance de mudar minha opinião. Com uma boa resposta.

Abraço
Rafael

Leandro disse...

Sinceramente, analisando o texto,
não vi nenhuma utilidade prática em se colocar essa frase em Voltaire endossa a crença (não dele, mas geral) que os judeus eram ladrões.

Isso não acrescentou absolutamente nada ao artigo “O Túmulo do Fanatismo”.
O conteúdo seria exatamente o mesmo conteúdo sem aquela observação. Era apenas para ter falado sobre Moisés. E só.
No entanto, do jeito como ficou, criou-se uma brecha muito grande para o questionamento feito pelo Olavo, salvo se fosse objetivo do Rodrigo provocar judeus com aquele adendo.

Agora, no que o Olavo tem plena razão (o que dói) é que realmente a série presente de artigos do Rodrigo é reflexo da falta de discernimento do real, mesmo que venha acompanhada (da mesma forma que alguns comentaristas favoráveis a “malhar” a religião em público) de frases empostadas e figuras de linguagem.

Desde que o Rodrigo começou a “cruzada” eu percebi que ele estava entrando em terreno muito perigoso (não porque seja mal intencionado, mas porque a tradição anti-cristã ocidental está repleta de pistas falsas), e o que estou vendo agora é caiu em muitas delas, a começar por ter escolhido Voltaire como introdutor.

Cláudio disse...

Helena, a matemática ser fechada em si mesma não significa que ela não seja objeto de amplo estudo por qualquer pessoa.

O que quiz dizer é que a matemática é uma ciênci que depende de um raciocínio lógico-dedutivo puro, definem-se os axiomas que são as verdades fundamentais, e todo o resto é deduzido daí. Todo os resultados de análise real são deduzidos de uma meia-dúzia de axiomas, por exemplo.

Eu estudei matemática em nível avançado (análise real), embora seja economista.

Portanto a matemática não exige compreensão da sociedade, valores, cultura na qual está inserida, processos históricos e políticos, processos cognitivos dos agentes, etc, e portanto é "fechada em si mesma" neste sentido, de que um garoto com um talento para dedução é capaz de provar teoremas e ser até um "gênio da matemática" sem ter necessáriamente nenhum conhecimento da sociedade que o cerca.

Agora, um gênio precoce da economia exige uma maturidade muitíssimo maior de vida. Senão, não tem "conhecimento de causa". Com o perdão do exemplo "vulgar", como discorrer detalhadamente sobre orgias faustianas com novos e ricos insights sobre os participantes, quando se é ainda virgem e não se conhece o sexo em sua plenitude ?? Alguns assuntos exigem até uma experiência mínima para que se possa vir até mesmo a compreendê-los, o que dirá ser um Gênio precoce.

a.h disse...

Orientação aos articulistas do MSM
Caros articulistas:

Sirvo-me do presente para tecer algumas orientações de ordem jurídica quanto ao modo de escrever os artigos de autoria de V. Sas. que serão veiculados no site Mídia Sem Máscara. Tal se faz necessário em face das recentes investidas por parte de políticos e de pessoas ligados ao atual Governo contra artigos publicados no MSM. Evidentemente que essas orientações não significam um acovardamento, mas sim uma estratégia para que vocês possam continuar a exercer o fundamental papel de autênticos críticos do processo político brasileiro.

Entendi por bem não discorrer sobre os fundamentos jurídicos das orientações que seguem a fim de manter a objetividade. Todavia, estou à disposição para quaisquer esclarecimentos que V. Sas. julguem necessários.

1 – Imputar a prática de ato criminoso a alguém é crime, além de servir de fundamento a um pedido de reparação por danos morais. Uma pessoa só é considerada criminosa após uma sentença penal condenatória transitada em julgado (imutável). Portanto, somente com essa condição poder-se-á afirmar que determinada pessoa praticou esse ou aquele crime. Todavia, é lícito dizer que alguém está sendo acusado de ter praticado determinado crime. Exemplo:

“José Dirceu é o chefe da quadrilha do mensalão.” – narrativa ilícita e abusiva (segundo a legislação em vigor)

“José Dirceu é acusado pelo Procurador Geral da República de ser o chefe da quadrilha do mensalão.” – narrativa lícita

2 – Complementando o exposto no item acima, a conclusão ou crítica baseada em prática de crime deve vir condicionada à efetiva comprovação do delito. Exemplo:
“José Dirceu é o chefe da quadrilha do mensalão. Portanto, ele é responsável por montar o maior esquema de corrupção já visto neste país.” – narrativa ilícita

“José Dirceu é acusado pelo Procurador Geral da República de ser o chefe da quadrilha do mensalão. Portanto, se as acusações se confirmarem, ele será o responsável por ter montado o maior esquema de corrupção já visto neste país.” – narrativa lícita

3 – É lícito criticar indivíduos por seus atos e/ou opiniões, mesmo que de maneira contundente, desde que as críticas não impliquem imputação de conduta criminosa.

4 – Legalmente também é considerado crime a utilização de adjetivos pejorativos para designar uma pessoa, tais como “burro”, “mentiroso”, “analfabeto”, “homossexual” etc. Exemplo:

“Luís Fernando Veríssimo é burro e desonesto por defender o socialismo.”

Todavia, entendo que dificilmente o ofendido processará o articulista por tê-lo chamado de burro ou de ser intelectualmente desonesto. Por outro lado, dizer que alguém é gay ou usuário de drogas, mesmo que de fato seja, poderá ensejar uma ação judicial por parte do ofendido.

Portanto, o articulista deve tomar cuidado ao utilizar adjetivos pejorativos.

5 – O anonimato é expressamente vedado pela Lei de Imprensa e pela Constituição Federal. Pseudônimos podem ser utilizados, mas se alguém se sentir ofendido por articulista que assim se apresente, poderá solicitar ao MSM que revele a identidade do mesmo. Em caso de recusa, a responsabilidade recairá sobre o redator-chefe ou editor do MSM.

6 – Os jornalistas e articulistas são responsáveis pela divulgação de informações falsas ou imprecisas. Portanto, ao se mencionar algum fato ou informação, é recomendável citar a fonte. Ainda que não se mencione no artigo, é prudente anotar a fonte caso seja necessário identificá-la posteriormente.

7 – O MSM está obrigado por lei a assegurar a todos os citados em artigos o direito de resposta no próprio site.

Mais uma vez reitero que estou à disposição de V. Sas. para sanar eventuais dúvidas.

Atenciosamente,
Cleto Untura Costa

Helena disse...

Cleto,

é exatamente isso! Dizer, por a boca mesmo no trombone, mas saber como dizer!

Muito bom o seu texto, muito esclarecedor para aqueles que acham que quando pedimos prudência nos julgam vendilhões. Ou quando agimos com prudência.

Um abraço,
Helena

$ disse...

"Que tal voltarmos nossa atenção para o ponto central do referido debate que seria a em torno das relações possíveis entre fé e razão?"

Ótima idéia! Vamos lá:
Fé: acreditar sem evidência racional
Razão: saber baseado em evidência perceptual

Que coisa, são mutuamente exclusivos por definição! Pronto, agora podemos voltar aos xingamentos...

Ricardo Froes disse...

As olavetes indignadas tanto insistiram, que em uma feira livre na Vila Mimosa você ouve coisas mais aproveitáveis e educadas do que neste blog.

Quando não é verborragia desenfreada é desvio de foco; quando não são premissas furadas são silogismos forçados e quando não é xingamento é puro palavrão.

E haja paciência com tanto anônimo!

embat disse...

“Você traiu o movimento comunista, véio!”

~ Dado Dolabella sobre Olavo de Carvalho

Anônimo disse...

Rodericus Baitolinus Covardecus... Amarelou, hein?
Seje homem, seu cabra!!!

AHAUAHUAHUAHUAHUAHAUHAUHAUHAUAHUAHUAH
=D

Jorge B. disse...

Olavettes sao mesmo seres pateticos..... repara so' como ficam entrando aqui, anonimamente, para ficar xingando qualquer um q discorde do Amado Mestre..... esse comportamento covarde e chulo caracteriza o comportamento do agitador esquerdista na internet.
Resumindo: olavete e petista, eh tudo farinha do mesmo saco!!!

Felipe Ryé Longhi disse...

Cara, vocês dois são baita colunistas, falam coisas que podem contribuir para um país livre do lixo comunista. Portanto, não continuem essa celeuma que só faz contribuir para a perda do foco na luta pela conscientização do povo.
Abraço a todos e acho que vocês dois se dariam bem numa mesa de bar, falando sério

Anônimo disse...

Olavo é DEUS. Sigo sua carreira com fé, ele me ilumina, conduz e transcende. Na sua inspiração abandonei a leitura de outros autores por dispensaveis. Parem de critica-lo. Leiam-no e as escamas cairão de seus olhos, como cairam dos meus.

Anônimo disse...

Caros senhores:

O maior intelectual que eu conheci a fundo em toda a minha vida foi um que nunca ganhou nada com isso e até mesmo perdeu oportunidades por dar tanta importância à sua suposta intelectualidade, esquecendo-se de todo o resto.

Parece que vocês já adivinharam quem é: EU MESMO. Eu sempre sonhei minha vida inteira em discutir intelectualmente com alguém mas nunca tive oportunidade.

Afinal, a minha admiração pelos intelectuais vêm desde a infância quando eu lia os gibis de Walt Disney e percebia que a Ciência poderia transformar sonhos em realidade.

Cresci, então, enviesadamente, ou seja, valorizando apenas o lado intelectual da vida e queria que as pessoas me valorizassem por isso também.

O que consegui com isso foi dar-me uma vida medíocre pois para muita coisa eu até era inteligente e motivado mas para as coisas que realmente tinham importância eu não passava de um burro e mentecapto.

Felizmente, a idade dos 40 anos chega e vem a fase da cobrança em nossa vida. De tudo o que sobrou de mim no passado foi a minha vida profissional e minha capacidade de ganhar dinheiro. Isso sim, foi uma grande dádiva que eu mesmo me dei.

Pior se meu ego inchado nem isso tivesse conseguido realizar. Seria duro eu enfrentar o ódio que sempre senti de mim mesmo dadas as grandes limitações que tive na vida desde criança.

Só para vocês terem uma idéia, desde criança eu já alimentava desejos de me matar tal a forma como me apresentavam à vida meus próprios pais.

Com todo esse ódio por mim mesmo, se eu não tivesse, além de ter embelezado a minha vida com as tintas da fantasia, me dado uma profissão adequada e um bom nível financeiro, eu nem sequer estaria aqui escrevendo estas linhas.

Já teria me matado há muito tempo tal era a intensidade do ódio que eu sentia por mim mesmo.

Querem entender Olavo de Carvalho? Não precisa e nem vale a pena. Ele é igualzinho à todos nós lá no fundo de nossas inconsciências.

Quando tentamos entender a vida através de uma racionalidade exagerada é porque estamos fugindo de nós mesmos tentando embelezar uma coisa que já é bela por si mesmo, ou seja, nossas próprias vidas.

Se ela foi feia não é porque ela é feia e sim, porque aqueles que nos criaram e educaram, nossos pais, encheram nossas cabeças de perguntas idiotas que nem sequer eram deles e sim, de nossos avós que por sua vez encheram a cabeça de nossos pais com perguntas que eram de nossos bisavós, e assim por diante.

Estão vendo como os filhos pagam os pecados dos pais até a quarta geração? Por isso, deixem de filosofar tanto e vão para a porra de um puteiro.

Eu nunca vi uma índia na minha vida mas quinta-feira fui num puteiro na Av. Consolação e transei com uma.

Garanto que todo meu preconceito contra os índios caíram por terra sem muita filosofia e questionamento.

Abraços.

MARCO disse...

No YOUTUBE pode-se ver uma declaração do nosso "filósofo" Olavo de Carvalho disendo-se ser o "maior cientista político do Brasil". Só isso demonstra a megalomania e arrogância desse senhor que demonstra isso inúmeras vezes em seus comentários. Além disso não se pode confiar num cérebro que é movido e intoxicado a quase 3 maços de cigarro por dia...

nyguy disse...

Eu discordo quando voce diz que ele perdeu o costume de ser criticado por causa da sua vaidade. Ele evita debates honestos que refutam sua irracionalidade porque o Olavo é uma farsa. Debater honestamente abre espaço para que o seu mito de "intelectual" seja destruido, pois qualquer pessoa com o QI de 70 pode demonstrar claramente que ele não sabe. Este mito é algo que ele conquistou usando a mentira e falsa logica, portanto um debate seria em sua desvantagem.