segunda-feira, agosto 03, 2009

Sou Imbecil e Ignorante



Rodrigo Constantino

"O único lugar onde se pode ter queijo grátis é numa ratoeira". (Provérbio Russo)

O presidente Lula chamou de “imbecis” e “ignorantes” aqueles que criticam o Bolsa Família, pois acham que os pobres podem ficar preguiçosos com a ajuda em vez de buscar trabalho decente. Eu sou um desses “imbecis ignorantes”, segundo o critério do sábio e culto presidente. Não que eu considere a ajuda média de quase cem reais a cada beneficiado quantia suficiente para uma aposentadoria precoce e tranqüila. Não é. Mas pode sim colaborar com certa passividade. E sem dúvida estimula o mercado informal de trabalho. Explico.

Digamos que Dona Maria é uma das milhões de pessoas agraciadas com o programa do governo, e ganha R$ 100 todo mês sem sair de casa. Agora vamos supor que lhe foi oferecido um emprego com o salário de R$ 500 mensais. Parece óbvio que Dona Maria nem vai pestanejar, e rapidamente vai abraçar a oportunidade e ralar para ganhar os quinhentos reais. Mas ao fazer isso, ela está abrindo mão daqueles cem reais que chegam todo mês sem esforço algum. Ora, essa quantia representa 20% do novo salário dela, que exige em contrapartida um árduo esforço diário. Se ao menos ela pudesse aceitar o emprego e manter o benefício...

Eis que surge uma alternativa para tanto: Dona Maria pega o emprego, mas “por fora”, sem assinar carteira. Ela vira uma informal. O empregador agradece também, pois os encargos trabalhistas nesse país não são moleza: eles praticamente dobram o custo do empregado (isso é curiosamente chamado de “conquista trabalhista”). E dessa forma, Dona Maria pode continuar alegando estar desempregada oficialmente, mantendo sua esmola estatal. Agora ela recebe R$ 600 por mês.

Quantos casos reais como esse exemplo hipotético existem? É impossível saber. Mas não devem ser poucos. E o mais paradoxal é que o governo comemora o aumento de beneficiados pelo programa. Ou seja, em vez de uma preocupação com a estratégia de saída, já que não é o ideal de ninguém viver de esmolas estatais, o governo acha ótimo quando mais gente precisa contar com sua ajuda para sobreviver. Já são mais de dez milhões de brasileiros beneficiados diretamente, ganhando o peixe em vez de aprender a pescar. É eleitor até não poder mais!

Longe de mim, especular que o “altruísmo” estatal, realizado com o suor alheio dos pagadores de impostos, poderia ter como objetivo real os interesses eleitoreiros de alguns políticos. Sabemos que políticos não são “homens comuns”, sujeitos às paixões do egoísmo. Eles são praticamente santos, preocupados com o “bem-geral”. Basta dar uma volta em Brasília para comprovar isso. Mas é que o cão não morde a mão que o alimenta. E quando o governo cria um mecanismo de dependência, fica complicado imaginar essa gente toda votando contra os donos da ração, já que eles podem temer um corte nos benefícios com a mudança de governo.

Claro que o atual partido no poder não seria cruel a ponto de explorar esse medo, espalhando o terrorismo de que a oposição acabaria com a esmola. Mas o risco sempre existe, pois a tentação de apelar para quaisquer meios com a meta de se manter no poder pode ser irresistível. Por puro altruísmo, naturalmente. É que para fazer a “justiça social” é necessário estar no poder. E tudo que os políticos desejam é fazer essa “justiça”, colocando seus próprios interesses abaixo deste nobre ideal, sacrificando-se em nome do coletivo. O socialismo é lindo!

Mas como eu ia dizendo, por essas e outras críticas que tenho ao Bolsa Família, sou considerado um “imbecil” e um “ignorante” pelo nosso presidente. De fato, eu devo mesmo ser um imbecil por desconfiar das intenções dos governantes, que sempre demonstram tanta integridade. Sou um ignorante por achar que, se o governo realmente quisesse ajudar os mais pobres, poderia cortar seus gastos, para reduzir os impostos e estimular o empreendedorismo. Sou imbecil por achar que não é o governo que cria riqueza, mas a iniciativa privada, tão prejudicada justamente pelo excesso de burocracia e intervenção estatal. Por fim, sou um ignorante por achar que esmola estatal não é solução para a miséria, mas sim investimento em educação e liberdade econômica, para que os empresários possam criar os empregos que garantem dignidade às pessoas.

Se eu fosse ao menos mais inteligente e culto, poderia até ser um eleitor do PT...

18 comentários:

Gian disse...

Pois é, são santos os defensores estatais do Bolsa-Família. Têm até um milagre comprovado, como relato no meu texto de hoje do blog Discordâncias.
Mas outros estão sob investigação, como o aumento da dívida em dívida pública em quase dez pontos percentuais neste ano e o da multiplicação do déficit.

samuel disse...

Os genocídios em época recente foram comandados por homens ignorantes, idiologizados e em posiçao de poder. Ceausescu, Stalin, Kmer Vermelho, Mao,...Lula em sua luta pelo poder nos ensina como se formou a mente destes líderes: lentamente começaram a se achar os iluminados em meio a "imbecis e ignorantes"

Rafael Rodrigues disse...

Rodrigo, vale muito assistir a esse video de 2 minutos, sobre o que Lula pensava em 2002...
http://www.youtube.com/watch?v=YRsygZgeiiQ

nao deixe de ver.
Abs,
Rafael Espirito Santo

Rodrigo Kumpera disse...

Rodrigo, apesar de concordar com sua tese, acho que a argumentação é muito frágil pois se baseia meramente em suposições.

Seria muito melhor embasá-la com fatos pois, por exemplo, o que tem acontecido não são os beneficiários aceitando trabalhar sem carteira assinada, mas simplesmente não querendo.

Muito melhor fazer um bico aqui e ali para chegar a uma renda próxima do salário mínimo que ralar 40 horas por semana como nós imbecis e ignorantes que pagam impostos.

Essa foi a situação maluca criada pelo governo lula aos cafeicultores do Espírito Santo em 2006.

Para saber mais: http://www.revistacafeicultura.com.br/index.php?tipo=ler&mat=8111

rcarmo disse...

Eu iniciei um curso de especialização em administração de TI, em uma das disciplinas que tratava sobre indicadores, um grupo de colegas (funcionários da Souza Cruz) relatou um fato interessante: O número de vendas do tabaco no nordeste nos últimos cinco anos aumentou. Obviamente, a Souza Cruz queria saber o porquê disso, logo iniciou uma pesquisa de campo, ao longo da pesquisa descobriram que o número de vendas do seu produto aumentou no local devido à maior parte das famílias receberem o Bolsa Família.

Em resumo, para quem não entendeu: a renda familiar aumento e agora o sujeito pode fumar mais, é engraçado, mas você está pagando impostos não só para alimentar o pessoal que tem uma renda baixa, mas também para que eles possam fumar. Se for começar a pensar nas conseqüências, eu começo a me indignar, pois além de pagar para o pessoal fumar é claro que eu vou ter que pagar para tratar os problemas causados pelo tabaco no corpo do cidadão, logo meus impostos servem para o sujeito fumar e depois para curar os males do fumo, burrice não é? Não, não é, pois eu sou obrigado a pagar por esta barbaridade.

Everardo disse...

Rcarmo, o bolsa família está elevando o consumo de tudo o que está ao alcance do poder aquisitivo dos pobres. Mas há algo de errado nos seus conceitos: não é você que paga impostos para "alimentar o pessoal que tem uma renda mais baixa". Muito provavelmente você deve explorar alguém, que, por essa razão, tem uma renda mais baixa. Esse é o seu sistema.

Rodrigo Constantino disse...

Everardo,

Vc repete uma falácia já refutada em 1850 por Bastiat!

Essa de que a esmola estatal estimula o consumo é triste!!! Ora, e aquelas pessoas que PAGAM a conta através de impostos, não estariam também consumindo ou poupando para investir??? Aquilo que se vê, aquilo que não se vê.

Sobre vc especular que o leitor explora alguém só porque ele paga impostos e reclama disso, fica claro um forte ranço marxista, o que é abominável. Desde quando capitalista é explorador???

Rodrigo

Collovini disse...

Como assim Everardo? Que culpa misteriosa é esta que todos nós carregamos, "explorando" um pobre coitado que nem sabemos quem é? Quer dizer então que quando eu ralei estudando 20 anos da minha vida de 26, quando eu trabalho 40 horas por semana 11 meses por ano, na verdade não é o meu suor que me permite ter uma qualidade de vida melhor do que a do Zé Bolsa Família, e sim a minha "exploração"? A título de curiosidade, você foi criado como católico? Esta sua afirmação parece confirmar uma tese do Janer Cristaldo de que o socialismo e o catolicismo são ideologias irmãs, só muda o sentido dos vetores... o deus de um é Jeová, do outro, o "povo", seja á o que isso sinifique.

Everardo disse...

Collovini, quem alimenta o sistema econômico predominate não é um ser extra-terrestre. Responsabilidade significa responder pelo sistema com o qual concordo e colaboro para mantê-lo. Não vale essa de defender um sistema que me faz bem mas mata duzentos e depois dizer que eu merecí escapar, os duzentos é que são preguiçosos, não ralaram como eu, etc., etc.,Ou voc~e acha que há alguém responsável pela fome no mundo a não ser os próprios famintos? O que está certo, foi o capitalismo, o que está errado foi obra e graça do destino...

Rodrigo Constantino disse...

Everardo, veja como a natureza pode ser hostil. Vc acha que os alimentos caem assim do céu? Que moradia, segurança, roupas, tudo isso vem do além? Não! São os HOMENS que produzem isso tudo, com a MENTE principalmente. A vida no passado era muito dura. Pessoas morriam como moscas. A idade vivida era metade da atual. O progresso que tivemos, permitindo melhoria nisso tudo, foi graças ao CAPITALISMO que vc rejeita. Onde AINDA temos condições precárias, é justamente onde FALTA mais capitalismo, onde pessoas com a SUA mentalidade predominam.

Rodrigo

Everardo disse...

Eu não rejeito o capitalismo, Rodrigo. Rejeito a insistência em manter-se um modelo obsoleto de capitalismo, que precisou de colônias, de guerras, de outras formas de explração para justificar a parte boa do seu próprio sucesso. Estamos diante de uma novas formas de pensar. Não vale ese negócio de dizer que nós só temos duas alternativas, a boa a a ruim, o capitalismo tradicional ou o comunismo. Esse modelo maniqueísta é que está afundando e você luta para mantê-lo vivo.

renata disse...

Rodrigo,
Tudo o que disse é basicamente a realidade. Estou desde março (março!!) sem empregada.
Todas as que entrevistei até aqui - e não foram poucas (se calhar umas oito) fizeram questão que eu não assinasse carteira para continuar a receber o bolsa família.
Outras duas que chegaram a trabalhar aqui, uma por duas semanas e outra por um mês, desistiram porque preferiram pegar faxinas e continuar a ganhar a famigerada bolsa.
Agora imagina, quantas pessoas não fazem isso...

Aprendiz disse...

Everardo

Você não sabe o que está defendendo, por ser uma pessoa de pouco conhecimento. O modelo que você defende necessariamente desemboca num sistema parecido com o chinês ou nazista, com empresas privadas, mas com fortíssima intervenção do estado na vida dos cidadãos, uma classe de burocratas que mandam e disputam o poder lambendo as botas do tirano, e uma massa de pobres que serve ao estado. Na verdade, isto não é muito diferente de certos impérios da antiguidade, só muda a "justificativa". Stalin, Mao, Pol Pot, todos eles eram simplesmente versões novas dos antigos 'reis divinos'.

Uma pergunta para você: O estado deve servir às pessoas ou o contrário?

Outra pergunta: A verdade deve ser buscada no interior da consciência ou no consenso criado pelos "intelectuais orgânicos"?

Já disse, estude mais.

Everardo disse...

Aprendiz, o Estado não deve servir às pessoas,nem as pessoas ao Estado. Você confunde o Estado com um condomínio, não compreende a compexidade desa instituição. Nós somos o Estado. Ou voce quis dizer governo?
A verdade buscada no interior da consciência é uma revelação. É verdade mas pode não ser realidade. É subjetiva, mas pode não ser objetiva. É individualmente válida, mas pode não ser socialmente aceita. Quando você descobrir a diferença entre verdade e realidade, vai entender.

Fer disse...

Realmente é um absurdo. E Imagine só, quantos casos reais como esse o existem? Aiai doí saber que o pobre tá tentando sobreviver.

Para os que não antederam eu estou sendo IRONICA, não me importo com o pagamento do bolsa família se pudesse aumentava o valor para essa pessoas terem o direito a uma vida digna que todos merecem e não somente um parte da população chamada elite.

E para sorte da maioria da população que vive na pobreza e (10% mais ricos da população brasileira se apropriam de cerca de 50% da renda total do país, e os 50% mais pobres detêm apenas 10% da renda do país. ), este programa existe e permite que elas possam se alimentar melhor e ter uma vida um pouco mais digna! Sem mencionar que o programa é visto mundialmente um dos maiores esquema anti-pobreza inventado na América Latina. Se é ruim me desculpe mas somente nos olhos de alguns que estão com barriga e bolsos cheios, porém sem uma gota de amor ao próximo.

Gian disse...

E nossa comentarista Fer está cheia de gotas de amor.
Deve estar lendo muito Chalita.

Fer disse...

Obrigada Gian! Tem sempre alguém que reconhece!... ;) principalmente os pobres...

Gian disse...

Disponha Fer.
Farei aqui um comentário fora de lugar: seu blog, não tendo espaço para opiniões alheias, passa a ser apenas uma peça de propaganda.