quinta-feira, abril 05, 2012

Bonecas negras: a coisa está preta!


Rodrigo Constantino

Deu no Globo: Conselho vai investigar caso de bonecas em feira

RIO - O Conselho Estadual dos Direitos do Negro (Cedine) enviará três representantes à Feira Hippie de Ipanema, no domingo, para checar a diferença de preço entre bonecas de pano negras e brancas. Como noticiou na terça-feira Ancelmo Gois em sua coluna no GLOBO, uma barraca cobra R$ 85 pelas brancas e R$ 65 pelas negras, embora as duas sejam praticamente iguais.

Presidente da entidade, Paulo Roberto dos Santos disse que os conselheiros tentarão conseguir com a dona da barraca uma explicação para a diferença de preços. Se os argumentos não forem convincentes, e se a proprietária se recusar a rever os valores, o conselho poderá encaminhar ao Ministério Público uma denúncia de discriminação:

— Nós resolvemos que, antes de qualquer atitude, vamos lá no domingo ver de perto essa situação, se tem a ver com algum preconceito. E vamos, primeiramente, convencer a pessoa a tratar com isonomia, com igualdade (brancas e negras). Se ela se recusar, vamos fazer uma denúncia formal ao Ministério Público e procurar a Defensoria Pública — disse Paulo.

A decisão de ir à feira foi tomada em reunião do Cedine, à qual estiveram presentes representantes do Conselho de Entidades Negras do Interior do Estado do Rio e da Associação das Comunidades Quilombolas do Estado do Rio.

Comentário: Essa gente racista não tem mais limite do ridículo! Não estou falando da vendedora, naturalmente, mas sim dos patrulheiros do "politicamente correto". Querem revogar até as leis de oferta e demanda agora, em nome da "igualdade racial". E dane-se que as bonecas negras tenham menor demanda, e POR ISSO um preço menor! Quem liga para esses detalhes? Quem liga para a liberdade de escolha dos indivíduos? Agora resta pensar sobre os próximos passos. Se o boneco do Ken (o namorado efeminado da Barbie) for mais caro do que o boneco do Falcon (para quem tem mais de 30 anos, ok?) , então é preconceito contra os barbudos. Não pode! Se a boneca morena da Polly for mais cara do que a Barbie, não pode, pois é preconceito contra as loiras! E por aí vai. A situação é tão esdrúxula, tão patética, que seria muito cômica, não fosse tão trágica por mostrar os tempos lamentáveis e perigosos em que vivemos.

24 comentários:

Anônimo disse...

Otimo ponto, mas a Polly é loira!
Socorro! Parem esse pais que quero descer!

Gustavo Sauer disse...

inacreditável. Estou sonhando ? Isso só pode ser brincadeira....

Lourival Marques disse...

A nóticia é tão ridícula que fala por si só, qualquer comentário mais elaborado de minha parte soará redundante...

Isto não é um país sério, como disse De Gaulle... Definitivamente

Respeitável público, com vcs, Circus Brasilis!!!

Anônimo disse...

Pra vcs verem que presidente do Cedine tem muuuuuuuito o que fazer!

Adriel disse...

Vamos trocar então o preço das 2.
Eu com certeza ficarei feliz em pagar menos, mas aposto que eles continuarão dizendo que é racismo, desta vez por ser mais caro...

O racismo está na cabeça das pessoas, e não na etiqueta de preço!

Christian Wolf disse...

A vendedora deveria dizer que está subsidiando o preço da boneca preta para ajudar a população negra que é discriminada no mercado de trabalho, recebendo menores salários. O Cedine é capaz de dar uma medalha para ela, hehehe.

Anônimo disse...

No lugar de feirante eu diria aos "politicamente corretos":

- Eu gostaria de vendê-las por um mesmo preço e foi o que fiz no início. Mas, talvez por racismo dos compradores, sei lá, as brancas estavam saindo e as pretas, não. Então, para combater o racismo e estimular o gosto das pessoas pelas pretas, reduzi o seu valor. Agora ambas estão saindo na mesma proporção.


Hehehe

Anônimo disse...

Já dizia Einstein: "Existem apenas duas coisas infinitas: O Universo e a estupidez humana. E não estou certo do primeiro."

Anônimo disse...

Daqui a pouco ser branco vai ser crime

Anônimo disse...

Pare de produzir as bonecas negras!

Anônimo disse...

FUTURO "POLITICAMENTE CORRETO"

Se um homem hétero for cantado por um homem gay, para recusar a cantada terá de responder: - desculpe, mas já tenho namorado. Do contrário, será acusado de homofobia.

Se o gay cantador for negro, terá o hétero de provar ainda, se branco for, que não o recusou por racismo.

Será crime dizer que um negro ou negra é feio ou feia. Somente poderá ser chamado de feio o branco.

Se uma negra quiser namorar um branco, será discriminada pelos homens negros; se um homem negro quiser namorar uma branca, esta será odiada pelas mulheres negras.

Se um homem negro bater na namorada branca, nada lhe acontecerá porque quem der queixa será acusado de racismo; se um homem branco agredir a namorada negra, será acusado de machismo e racismo.

Se um homem negro recusar cantada de gay branco, não será chamado de homofóbico mas sim de negro de bom gosto; se for o oposto, o branco será acusado de homofobia e racismo; Se os dois forem negros, o hétero será acusado de homofobia, mas, por ser negro, será depois perdoado.

Marie Simone disse...

Só consigo rir. hahahahaha

Anônimo disse...

Se a senhora da barraquinha aumentar o preço eles compram?
Mete o pau então Dona, bota pra R$ 150,00! Diz que é uma "raridade",que é pra ajudar a causa, coisa e tal...

João disse...

"se um homem negro quiser namorar uma branca, esta será odiada pelas mulheres negras"

Isso já foi abordado na ficção - no filme Febre de Selva, do Spike Lee. O próprio preto passa a ser visto com maus olhos porque pegou uma branca. E, embora fosse ficção, tinha alguma base em parte da mentalidade racialista dos Estados Unidos.

"Se um homem negro bater na namorada branca, nada lhe acontecerá porque quem der queixa será acusado de racismo"

Isso, então, já aconteceu, e aqui mesmo no Brasil. Nem sei se a mulher era branca - nem me importa a cor dela. O agressor era o pagodeiro-mauriçola-chorão e políticp-comunista-do-Brasil netinho de paula. As piores feminazis o absolveram por ser negro. Mereciam apanhar dele no lugar da vítima.

Alexandre - Caçador de iMundos disse...

É , Rodrigo, quando se trata de falar de questões raciais é difícil ler algumas coisas de quem nao tem a mínima idéia do que diz.
Falo de uns três idiotas que postaram comentários aqui neste blog. Gente estúpida, ignara e , no fundo, racista que toma uma arte por um todo. Isso, sim, é racismo.
A estupidez de uma certa ala da Direita, entenda como anti socialista etc, é de doer o estômago. Por isso que me cerco de pessoas com um pouco mais de clareza nas idéias.
Leia lá o que um ordinário racista escreveu no comentário "FUTURO POLITICAMNTE CORRETO".
Ou é um moleque idiota, ou é "Neo-ariano".

Alexandre - Caçador de iMundos disse...

Putz, Rodrigo. Agora que vi que os comentários sao moderados, ou seja, vc corrobora com a necedade contumaz do fdp que expressa DE FORMA GERAL um preconceito, um ressentimento para com os negros.
Lamentável, Rodrigo. Lamentável corroborar com um babadinha que nao deve nem ter barba, se tem, entao é defasado intelectualmente.
Falo do babaca que escreveu "FUTURO POLITICAMENTE CORRETO" . Esse estúpido nao sabe NADA sobre negros, e pelo que parece, nem vc, Constantino depois de aprovar um lixo daquele. Aff!

Anônimo disse...

Ao Alexandre:

Eu postei o comentário "FUTURO POLITICAMENTE CORRETO".

Você não entendeu o meu comentário. Não estou generalizando coisíssima nenhuma. Estou vislumbrando uma realidade possível se os radicais "politicamente corretos" ditarem as regras sociais de acordo com seus preconceitos.

Se você for honesto, concordará comigo, pois os radicalismos gays, racialistas, feministas e "politicamente corretos" em geral têm acenado para aquela situação por mim descrita.

Não disse em momento algum que todos os negros, homossexuais e mulheres pensam daquele modo. Mas, você há de convir, quem milita nesses movimentos, salvo exceções (sempre as há), postula aquilo mesmo.

Anônimo disse...

Agora que o preço da boneca negra for igualado ao da boneca branca, e caso não passe a ter a mesma demanda, será que vão criar cotas para vendê-las?
Assim, quem quiser adquirir somente a branca vai precisar comprar também a negra, em nome da igualdade. Nada mais... INjusto.

Anônimo disse...

Vergonhoso! Ridículo! Imbecis completo! Quer dizer: mesma coisa que Excelência de pensamento Socialista!

Anônimo disse...

Tem que ter direitos iguais. Cotas para bonecas pretas e brancas para entrarem nas casas de nossos filhos. Ambas tem o direito de terem um dono que brinque com elas. Coitadas, se não vão ficar na feira esperando e chorando! Constantino não tem sentimento.

Anônimo disse...

Alexandre, teu último comentário se enquadra exatamente no contexto do comentário "FUTURO POLITICAMENTE CORRETO" que quiseste contrapor. Naquele contexto, os adjetivos que usas para referir-te aos autores dos comentários só podem ser usados por negros contra brancos. O inverso caracteriza crime de racismo. Portanto, se estás sendo sincero ao discordar, não confirme a "teoria" dele com sua atitude!

Anônimo disse...

Creio q basta a vendedora dizer q há menos demanda ou q ela pretende incentivar a venda das bonecas negras. Não será nada de muito complicada essa situação. Aliás, comprar bonecas negras é mesmo mais difícil. Minha sobrinha ganhou uma bem simplesinha, de plástico pura e simplesmente, porque, na ocasião, não conseguimos encontrar nada em lojas de brinquedo tradicionais e, infelizmente, não há feira de artesanato por lá.

Mas, o fato só reforça que há racismo e concordo que o racismo não é da vendedora. O racismo permeia as relações sociais e, o que é muito grave, no meu entendimento, existe uma dificuldade em falar abertamente sobre isso. Quando não admitimos algo, sempre ficamos pisando em ovos, com medo de dizer alguma coisa e ser mal interpretado. Trabalho em um ambiente eminentemente branco e, a entrada de uma funcionária negra fez surgir discursos racistas que, para o autor, não o eram. A pessoa dizia umas coisas que provocavam mal estar como se estivesse condenando o preconceito. Claro, falava isso sem se dar conta do efeito de sua fala, cheio de boas intenções.

Mais ou menos como aqui. O deboche de vocês mostra sim um mal estar q vocês chamam de ditadura do politicamente correto, mas que, na verdade, é a incapacidade de admitir que existe racismo em nossa sociedade. Nunca superaremos isso dessa maneira!

Se não houvesse racismo, se fossemos uma sociedade realmente igualitária neste quesito, esse fato, das bonecas, nem existiria porque, muito provavelmente, elas tivessem, sim, o mesmo preço.

(reforço: o preconceito não é da vendedora, mas da sociedade em geral)

Anônimo disse...

O colega anônimo do “futuro...” nem sequer percebeu o quanto foi indelicado seu comentário. Nenhuma das situações envolvendo o gay aconteceria da forma como foi descrita. Há muitas formas de rejeitarmos uma cantada. E é a forma que definirá se existe ou não preconceito. Dizer “não, não estou interessado” não me parece assim tão difícil.

Em relação ao namoro, sim, principalmente se uma negra namorar um branco. Mas ela não será discriminada pelos homens negros e sim, muito provavelmente, pela família branca do namorado. E note que ele disse que as mulheres odiariam a namorada branca do homem negro (homens discriminam, mulheres odeiam, hehehe, difícil fugir desses estereótipos, não é?).

(ok, serei acusada de patrulheira!)

E, finalmente, se um homem, branco, negro, amarelo, azul ou verde, bater em sua namorada branca, negra, amarela, azul ou verde, será acusado de misoginia.

O colega parece não entender muito bem como o racismo/machismo/homofobia se manifestam, por isso o menosprezo e o deboche.

Convivo com muitos homens e, em geral, eles conseguem não ser machistas sem tanta dificuldade. E eles dão a receita: basta enxergar além dos atributos sexuais, uma pessoa. É simples assim. Aliás, isso serve pra tudo. Basta enxergar além da cor e do gênero, uma pessoa.

Anônimo disse...

João,

sobre o netinho que agrediu a namorada. Não sei quem o absolveu, muito provavelmente o pessoal do partido dele. Mas, seu comentário também demonstra preconceito. Ou, como condenar a violência se você deseja que ela se repita do mesmo modo? Quer dizer, você não condenou a violência em si, apenas condenou o agressor por ser pagodeiro do partido comunista (como se isso significasse alguma coisa hoje em dia). Quer dizer, você não condena a violência de gênero, apenas acha que não são as mulheres certas que estão apanhando, é isso?

...

Ah! claro! Eu que não entendi direito, né? Você quis dizer outra coisa!