segunda-feira, junho 17, 2013

Por um Tea Party Brasil

Rodrigo Constantino

Muitos me perguntam por que eu tenho atacado tanto as manifestações que tomaram conta das principais capitais, em vez de tentar aproveitar a insatisfação das pessoas para canalizar tais passeatas na direção da mensagem liberal. Esse artigo é minha tentativa de resposta.

Em primeiro lugar, fiquei desconfiado desde o começo com a coisa toda. Não vi espontaneidade ali, tampouco demandas razoáveis. O que vi, ao contrário, foram grupos de extrema esquerda liderando a farra violenta, e bandeiras ridículas, como o “passe livre” (quantas vezes teremos de repetir que não existe almoço – ou transporte – grátis?).

Mas entendo que a coisa ganhou vulto maior. Agora, trata-se de um protesto mais abrangente, contra “tudo que está aí”, contra a corrupção, o caos do transporte público, a derrota do seu time de futebol, o final da novela, o pé na bunda da namorada etc.

Brincadeiras à parte, claro que há inúmeros motivos para estar muito insatisfeito com os rumos desastrosos de nosso país sob o governo petista, e sou o primeiro a reconhecer e apontar isso. Logo, faria todo sentido, a princípio, tentar capturar esse clima de insatisfação geral em prol da mensagem liberal. Mas calma.

Liberais, por definição, não são agitadores das massas, tampouco endossam passeatas que transformam a vida do cidadão em caos, incluindo baderna, vandalismo e ataques à polícia. Unir-se a essa turba, que inclui, sem dúvida, muita gente séria e bem-intencionada, pode simplesmente manchar a imagem dos liberais. O tiro pode sair pela culatra.

Dar as mãos aos oportunistas da extrema esquerda, representada pelo PSOL e companhia, pode significar uma mistura abjeta que só prejudicaria o movimento liberal. E não vejo como se apropriar dessas manifestações sem essa parceria, ou pior, sem eles saírem como os grandes representantes do circo, até porque essa é a especialidade deles.

Por isso, basicamente, eu venho condenando essa tática perigosa de se aproveitar do clima de revolta e tentar incutir as bandeiras liberais ali, no meio da baderna toda. Essas manifestações nasceram com as impressões digitais dos esquerdistas, dos agitadores de multidões, com suas mensagens populistas. O DNA deles está lá. A coisa toda já começou torta. E agora temos artistas da esquerda caviar e até Zé Dirceu fazendo coro. Vamos nos juntar a essa gente?

Não! Liberais devem continuar sendo liberais em sua essência, sem cair na tentação de fazer um pacto com o diabo e instigar a adrenalina das massas, só porque o atual governo pode sair chamuscado disso. Esse clima de desordem não nos interessa. Nossa luta é dentro da legalidade, do estado de direito, no campo das ideias. Não somos como eles. Não atiçamos a faísca da revolução que pode se transformar em fogaréu desgovernado. Somos mais responsáveis que isso.

Sim, há cada vez mais gente descontente, vaiando a presidente. Isso é bom! Sinal de que, finalmente, a ficha pode estar caindo para alguns. Devemos aproveitar isso para explicar o que levou a esse cenário, e como revertê-lo. Devemos mostrar que a saída é o liberalismo, e não mais intervenção estatal. Mas devemos fazer isso de forma civilizada, sem sacrificar nossos valores mais caros em troca do tumulto momentâneo.

Essas manifestações têm toda cara de Occupy Wall Street. Os liberais devem rejeitar esse tipo de coisa. O que precisamos aqui é de um Tea Party, um movimento muito mais sério, com bandeiras legítimas e embasadas, com lideranças decentes e propostas concretas e robustas. A grande imprensa sempre demonizou o Tea Party e enalteceu o Occupy Wall Street. A grande imprensa, quase sempre com viés de esquerda, aprecia mensagens sensacionalistas que instigam as massas. Nós não desejamos isso.

Liberais de todo o Brasil, uni-vos! Mas não ao lado de baderneiros, não junto de gente que joga pedras em policiais ou quebra propriedade alheia. Não somos como o PSOL ou o PSTU, a UNE ou a CUT. Não somos massa de manobra de oportunistas de plantão. Não somos filhotes de Robespierre.

Nós somos melhores do que isso. Nós apelamos à razão de nossos leitores e ouvintes. Não nos interessa jogar lenha na fogueira dos vândalos e anarquistas. Vamos rechaçar qualquer movimento semelhante ao Occupy Wall Street. E vamos, com seriedade e paciência, plantar as sementes de um Tea Party brasileiro. Somente uma oposição responsável e organizada poderá derrotar o projeto de poder petista no local certo, que é a urna.  

30 comentários:

SimpleRick49 disse...

Rodrigo, você tem tanta razão... Fico muito triste, como norte-americano com intresse na economia e na política brasileira, ver a extrema-esquerda ganhar nesta situação. O povo brasileiro falta de entendimento da história das revoluções esquerdistas. Se os votadores apoiarem destes caras em 2014, o Brasil vai cair na irrelevância na economia global. Muito triste (desculpe pelos meus erros, ainda estou aprendendo português)

Alexandre disse...

Tudo bom Rodrigo? O que você disto https://www.facebook.com/events/585090734869051/ ? libertários hoje no MASP, de forma pacífica e independente, ao menos é que dizem. Sou estudante de economia e contra qualquer forma de violência.

Alexandre R. disse...

Perfeito Rodrigo.
Conta com meu apoio!

Song The Sangue disse...

sey não, brasil é uma corruptocrracia de gran calibre desde getúlio vargas

é a insatisfação de todo um povo com os seus collores de mellos und men sá lão

é a falta de representatividade de um povo que vota em tiririca e em pastor de igreja universal

Anônimo disse...

Rodrigo,
tudo não passa de fachada pra atacar o governo do PSDB. E os idiotas dos tucanos caíram direitinho. O petista aumenta a passagem e quem acaba mal na situação é o tucano que é um banana.
Tem horas que eu acho que os tucanos entraram pra política ontem...
Abraço.
Flavio Santos - Rio.

Breno disse...

Já é tão dificil conseguir que os liberais façam qualquer coisa com esse opoio que você deu para que eles não se manifestem é certo que em 2014 o PT vai vencer e humilhar mais uma vez a oposição. Daqui a pouco o PT vai ter tanta prefeitura sobre seu controle que vai ser um ponto sem volta a politica no Brasil vai virar um México com o mesmo partido 50 anos no poder.

O bom de não se ter nada é que não se tem nada a perder. E os liberais na politica não tem nada a perder.

O Postador disse...

Quando vi que a manifestação era pedindo almoço, ops, transporte grátis nem sequer
pensei que pudesse ter algo de bom nisso tudo.

Pra mim o que pode acontecer se as massas pedirem várias coisas grátis e/ou subsidiadas
e forem atendidas é que daqui à alguns anos vai falta papel higiênico no Brasil.

Minha esperança é que as pessoas que nunca ligaram pra política passem à ler e aprender
um pouco mais sobre o assunto e que com isso elas leiam os argumentos liberais e passem
à pedir liberalismo. Mas não pedir na forma de manifestações que causam transtornos e sim na urna de votação.

Pena que além disso seria necessário que surgissem candidatos com propostas liberais, o que é um artigo raríssimo no Brasil.

Rody Cáceres disse...

O que posso dizer é que estou cansado dessas manifestações sensacionalistas e infantis, que nunca chegam a algum lugar. Na minha opinião, tá todo mundo errado nessa salada. Se os usuários dos meios de transportes se posicionassem como clientes, talvez nada disso tivesse acontecido. Mas não, antes de pensarem na melhor maneira de agir, levantam bandeiras, batem panelas e todas essas coisas. O Brasil é o país das bandeiras.

Pepe Legal disse...

Nao acredito que a solucao seja votando correto. Votar em quem? Existe alguma pessoa q iria entrar no governo e mudaria alguma coisa? já existiu? Dizem q existem os bons politicos...isso é só mais uma falacia para nos iludirmos que ainda existe esperanca.... infelizmente

Diogo R Santos disse...

Um detalhe interessante: existem protestos contra a corrupção, entretanto, baseado no principio que o "Passe-livre" tem incentivo da lei rouanet, é ético que protestos ditos "populares" sejam financiados com impostos pagos pela população. Engraçado não terem mencionado redução da carga tributária né???

Rafael Vasconcellos disse...

Minha esperança é que nesse circo pegando fogo, se queimem PT e PSDB, para que o debate político saia deste Fla x Flu eleitoral e comecemos a discutir ideias. Somente num debate de ideias podemos mudar alguma coisa.
Se tem algum ingenuo que acha que aderir a manifestação pode trazer mais liberalismo, sinto informar que estão enganados, manifestações pedindo prestações positivas do estado costumam incrementar sua hipertrofia

Louco Brando disse...

"Nós somos melhores do que isso. (...) Somente uma oposição responsável e organizada poderá derrotar o projeto de poder petista no local certo, que é a urna." - Rodrigo Constantino

Rodrigo, concordo plenamente que este seria o IDEAL, no entanto, como HOJE, com tudo que aí está, podemos nos fazer ouvir, sem nos manifestar publicamente, nas ruas... não digo incitando baderna, mas sem ao menos uma manifestação pacífica?!!!

Em muitos artigos, você coloca essa sitação de Karl Popper: “Não devemos aceitar sem qualificação o princípio de tolerar os intolerantes senão corremos o risco de destruição de nós próprios e da própria atitude de tolerância.”

Creio que o Brasil já "tolerou" demais todos os dias ser vilipendiado, não apenas pela esquerda, mas também a direita, centro, cima, baixo... enfim, ninguém aguenta mais!!!

É triste, de fato, ver o país chegar ao ponto que chegou e, pior ainda, depositar as esperanças em um suposto jogo sujo de partido tentando derrubar outro, trocarmos de dono e terminarmos no "mais do mesmo", tal qual ocorreu na era pós-Collor, em que houve muito barulho pra (quase) nada... no entanto, mudar a mentalidade de uma nação, sem passar pela "emoção", não vai cobrar um preço muito alto? Teremos tempo pra esperar tanto esse "salto quântico" racional da população?

O atalho seria então, pelas urnas? Isso realmente é praticável? Quem poderíamos eleger pra subistituir TODOS os que aí estão pra fazerem um trabalho, se não BOM, pelo menos HONESTO?!!

Num outro artigo você aborda esse dilema:

"(...) há uma explicação bastante racional também para a falta de interesse generalizada no voto. Várias pessoas sequer lembram em quem votaram nas últimas eleições. Isso, apesar de condenável, não é totalmente irracional. O motivo encontra-se no peso de cada voto, do ponto de vista individual. Quanto temos algo como 100 milhões de votos, cada um com o mesmo peso, um único voto isolado realmente não move moinhos. O agente racional sabe disso. Ele entende que quando vai gastar o seu dinheiro num mercado, seu “voto” tem total poder na escolha, afinal, é ele mesmo quem decide o que comprar. Mas quando sua escolha é somada às preferências de dezenas de milhões de pessoas, e o resultado final é aquele que a maioria escolhe, sua preferência particular importa pouco. O esforço de conscientização feito pelo TSE com propagandas onde o eleitor aparece como o verdadeiro patrão escolhendo seus funcionários públicos é louvável, mas não tão verossímil assim. Não é que ele não seja de fato o patrão. Ele é. Mas é que ele divide esse poder com outros milhões e milhões de patrões, cada um com o mesmo peso. Isso pode ser um pouco frustrante pelo prisma individual."


Ao final, você aponta para uma solução:

"Resumindo, o voto tem sim um papel fundamental na vida democrática. O cidadão deve ter a consciência de sua relevância no processo de escolha dos governantes. Mas precisamos levar em conta também que o poder do governo deve ser o mais descentralizado possível, e sempre reduzido ao máximo para garantir as liberdades individuais. Fora isso, é importante acabar com a obrigatoriedade do voto, pois um direito cívico não pode ser encarado como uma imposição. Juntando essas duas questões – a redução do poder estatal pelo critério da subsidiariedade e o voto livre – creio que os cidadãos terão, naturalmente, maior interesse no seu voto. O paradoxo é que para chegarmos neste ponto, dependemos justamente do voto, ainda que hoje ele seja obrigatório e deposite poder demais em poucos governantes. Os indivíduos que prezam a liberdade devem escolher os candidatos que representam esta trajetória rumo ao menor poder estatal e maior poder da escolha individual. E claro, repudiando a corrupção que atrapalha todo o processo democrático."

Mesmo que tenha 100% de certeza que esse caminho funcione, quanto tempo levaria para fazer essa "limpa" progressivamente?!!!

Não será essa a oportunidade de colocar esse pensamento em prática?!!

Anônimo disse...

Rodrigo, porque não cria o tal do "Tea Party Brasil"? Um "movimento" civilizado, organizado e coeso ajudaria MUITO na divulgação das ideias liberais.

Anônimo disse...

Rodrigo, porque não cria o tal do "Tea Party Brasil"? Um "movimento" civilizado, organizado e coeso ajudaria MUITO na divulgação das ideias liberais.

Anônimo disse...

Estou com vc quando vc diz que as reivindicações principais do movimento sao estupidas ou incoerentes. Ou quando vc diz que liberais n sao como esquerdistas que se aproveitam da massa com partidarismos. Mas a maneira como vc condena a manifestação em si é meio estranha, com um generalização completa do movimento em relação aos baderneiros. Os manifestante passificos estao dentro da legalidade e do imperio da lei, E ESTES SAO A MAIORIA

Thiago Araujo disse...

Enquanto voltava hoje do trabalho, vi centenas de jovens indo para a maniFESTAção na estação Consolação.

Eventualmente vou jantar com minha esposa nos finais de semana e encontro figurinhas exatamente iguais a esses maniFESTAntes indo pras baladas na mesma região da paulista.

Está sendo um grande Happy Hour

Anônimo disse...

Ótimo Rodrigo! Esperamos ansiosos a sua participação na criação do Tea Party Brasil!

Paulo disse...

A PRINCIPIO EU PENSEI QUE SERIA MAIS UMA DAS DIVERSAS MANOBRAS COMUNISTAS PARA DESVIRTUAR A COPA, COMO V., DEPOIS DESCOBRI TRATAR-SE do estouro do "ESTOPIM DO POVO CONTRA O PT"!
O SOCIALISMO/COMUNISMO É UMA FILOSOFIA DO FRACASSO, O CREDO DA IGNORANCIA E O EVANGELHO DA INVEJA" - Winston Churchill.
50 ANOS DA FRACASSADA E MISERÁVEL CUBA É O PRIMORDIAL EXEMPLO!
O Comunismo/socialismo é a BANDIDAGEM LEGITIMADA PELA FORÇA ou por meios pseudo-democráticos, em geral fraudulentamente imposto. O comunismo nasceu no espírito invejoso dos piores, dos miseráveis em todos os aspectos, dos ressentidos e fracos. Veio dos que vivem a olhar para o que os outros têem e eles não, produzindo e sedimentando a inveja, relembrando o episódio bíblico do invejoso Caim, assassinando para se apossar de bens.
É filho do espírito de rebanho, porque é coletivista e os Comunistas precisam sempre agir em "bando", pois são individualmente fracos, valendo-se da truculência, não sabendo argumentar: só impor. E os pastores para o tal rebanho são os intelectuais de extrema esquerda, única função que pode dar a eles "poder" em suas vazias existências, suprindo-o com o status político e financeiro.
Daí, conduzir o rebanho de fracos e ressentidos é um ótimo negócio para esses pastores. Centenas de milhões de “crentes” em Marx crêem não no que ele cria, mas no que ele queria, sempre crescem em número de sua patológica inveja .
São cabeças de aluguel, gente que para obter algum sentido de vida se entregou à mentira, escravizou sua mente, aboliu grande parte da sua própria liberdade de pensamento, estando hoje sob a rédeas da cupidez de bens alheios: tomar dos outros e os repassar a si e ao partido, sem temores ou constrangimento; ser comunista é dar atestado público de ser plenamente inescrupuloso.
Milhões de livros, artigos e entrevistas são uma loucura em que seus autores consentiram em crer, ou uma mentira que julgaram apropriado contar doutrinando de como se apossar de bens alheios e se tornar poderoso via farsas de proteger os pobres!

Ega disse...

É, aqui em Portugal é exactamente igual, o que os media querem fazer passar por manifestações expontâneas de descontentamento popular são sempre, em maior ou menor grau, coisas organizadas ou encabeçadas pela extrema esquerda.

Concordo em absoluto, a mensagem liberal não pode estar misturada com esta gente

Marcus Prado disse...

Bom dia Rodrigo,

Excelente texto, concordo com você em gênero, número e grau, mas acho que infelizmente ainda vai demorar muito para que o pensamento e idéias liberais sejam abraçados como deveriam no Brasil, dado que mesmo que os PTralhas corruPTos incomPTentes venham a ser alijados do poder em 2014, o estrago já está feito em nossa juventude, convenientemente doutrinada nas escolas e universidades por essa corja maldita de marxistas, socialistas e afins...quanto à criação e lançamento de um movimento "Tea Party Brasil", de preferência liderado por você, tem meu total apoio e, com certeza, o de muitos brasileiros liberais espalhados pelo país.

Abçs !!!

Sergio disse...

APOIADOOOOOO .

Anônimo disse...

Concordo em gênero número e grau. Tenho muita admiração pelo Tea Party. Precisamos de um versão brasileira do mesmo. Por onde começo?
Att,
Luiz H. Saliba Filho

Anônimo disse...

Esses libertarios sao uns useful idiots. Vao fazendo ae os fretes dos plutocratas.

Se o Brazil se encaminhar por essa via, tou fora.

Ivan. disse...

Cade a ficha de filiação ao tea party brasil? Como é que eu faço uma doação?

Anônimo disse...

Eu discordo. Esta pode ser uma boa ocasião dos libertários fazerem suas idéias serem conhecidas. As pessoas enxergam os problemas e fazem perguntas, mas não sabem as causa, nem as soluções. A escola austríaca sabe explicá-las a dezenas de anos.

c.f.
http://www.youtube.com/watch?v=UGL-Ex1CD1c

https://www.facebook.com/events/511607352226318/

Victor Pacheco disse...

Esta manifestação está mais pra modismo da geração Y organizada e engatilhada através do facebook e afins do que pra qualquer coisa. Fosse ela realmente alguma coisa mais estrutural e sedenta de mudança não teria o PT ganho pela terceira vez e com quase 60% de aprovação. Só de pensar que o mote da revolta é "Passe Livre" , ou seja, transporte público gratuito, já dá para conferir o grau de lucidez do movimento. Triste.

Ernesto Moraes disse...

Caro Rodrigo, estou feliz com os novos rumos que a sociedade brasileira vem tomando. Folgo em saber que agora o protesto é livre, desde que sem (ou com pouca) violência. Parece que a Constituição e determinadas leis foram tacitamente ou informalmente derrogadas por força da vontade popular. Muito justo não ? Se todo poder emana do povo... Isso torna o Direito dinâmico, permitindo sua atualização a cada dia, a cada situação em particular ou a cada conveniência.
Mas a mudança está sendo tão rápida que me sinto temeroso, para colocar em prática os meus novos direitos decorrentes dessa nova ordem jurídico-institucional. Daí minha consulta à sua pessoa, sempre coerente, lógica e bem informada...
Estou insatisfeito com meus vencimentos, como funcionário público. Reuni um grupo de quarenta colegas, também insatisfeitos, e estamos pretendendo fazer uma passeata amanhã na Avenida Rio Branco, por volta das dezoito horas. O local e a hora, claro, foram escolhidos de forma a trazer mais visibilidade, pelo transtorno monumental que iremos causar no trânsito de pessoas que estarão saindo do trabalho. Acreditamos que quarenta pessoas são suficientes para obstruir totalmente aquela importante avenida. E já temos um plano secreto para, em determinado momento, obstruir também outras vias secundárias, caso a policía militar oriente o trânsito por vias alternativas.
Tudo perfeito, portanto. Já temos o índice de reajuste salarial determinado de maneira inflexível. Algo bem razoável para nós que agora dispomos de tanto poder: 236,87 % de reajuste. Enquanto não formos atendidos repetiremos o protesto diariamente. sendo que o reajuste exigido aumentará em 10% a cada dia que se passe, para compensar o nosso desgaste.
Mas, voltando ao ponto da minha consulta, nosso receio é quanto ao fato de não estarem ainda devidamente divulgados, apesar do esforço dos meios de comunicação, e acabarmos sendo agredidos ou atropelados por alguns motoristas mais apressados ou por alguma ambulância cujo motorista ainda não reconheça a prevalência dos sagrados direitos dos protestantes, sobre os direitos de um paciente terminal eventualmente transportado.
Caso assim não ocorra, certamente seremos elogiados ao vivo pelos canais de TV, quanto à beleza de nossa postura cívica e cidadã. Mesmo porque estaremos todos envoltos em bandeiras verde-amarelas, à exceção de cinco participantes, vestidos de branco, destinados a demonstrar nossas intenções pacíficas e a tentar demover alguns manifestantes que, exaltados com a emoção do momento histórico, ou pelas substâncias que porventura hajam ingerido/inoculado/inalado, porventura decidam ousar um pouco mais, atacando algum policial desprevenido ou depredando alguma agência bancária, etc.
Porém, confesso, sinto-me um tanto apreensivo quanto ao apoio da imprensa, em face do pequeno número de participantes. Será que as novas leis informais fazem distinção, quanto ao número de participantes? Será que a imprensa não poderá condenar a nossa atitude, considerando o custo-benefício de agradar a tão poucas pessoas, em detrimento de milhares de outras prejudicadas? Será que tal fato não os levará a conduzir-se de maneira politicamente correta, mas em favor do grupo maior?
Oriente-nos Rodrigo, embora saibamos que estará contra nós. Será que seremos bem sucedidos?

Javier Solanich disse...

Houve a "Marcha da Família" contra as extravagâncias do governo Jango, resultado: Ditadura.
Houve movimento "diretas já", resultado: Um pmdb no poder que rapinou a nação e levou o Estado, em todos os seus níveis, à falência.
Houve o "fora Collor", resultado: Apesar do período fhc, o fortalecimento do pt e de lula como líderes do "contra tudo isso que está ai", a chegada dos petistas ao poder e a tentativa de estabelecimento de uma ditadura nos moldes bolivarianos com o maior esquema de corrupção da história do país.
Espero, sinceramente, que dessa vez seja diferente.

Anônimo disse...

Apoiado !

Não podemos abandonar os princípios !!

Os fins não justificam os meios !!!

Os promotores desta bagunça são conhecidos e não são confiáveis.

Anônimo disse...

Concordo!
Só espero que não tenhamos aqui no Brasil uma Sarah Palin que acha que a África é um país...