sexta-feira, novembro 19, 2010

Uma década de fortes emoções

Rodrigo Constantino, para a revista VOTO

Chegamos ao fim da primeira década do novo milênio. Em busca de alguma expressão que traduzisse de forma sucinta este período, veio à mente o título acima. Foram fortes emoções, sem dúvida. Quando voltamos nossa memória para o começo da década, parece que já se passou uma eternidade. Ataques terroristas, guerras, o estouro de bolhas financeiras, o despertar definitivo do dragão chinês, o que não faltou nesta década foram fatos globais extraordinários.
Logo no começo dos anos 2000 veio o estouro da bolha de internet, afetando o mundo inteiro. O índice de ações Standard & Poor’s, das 500 maiores empresas americanas, perdeu metade de seu valor em poucos meses. Em seguida, os terroristas da Al Qaeda, liderados por Osama Bin Laden, iriam gravar na memória do mundo todo o dia 11 de setembro de 2001, com as imagens assustadoras das torres gêmeas do World Trade Center desabando.
Era o modelo ocidental que estava sendo atacado pelos muçulmanos fanáticos, e em pouco tempo inúmeros países, sob o comando dos Estados Unidos, fariam uma custosa e questionável guerra contra o regime de Saddam Hussein no Iraque, após o ataque ao regime Talibã no Afeganistão. O “choque de civilizações” entrava no topo da pauta de debates, esquentando as divergências geopolíticas mundo afora. O clima era de intenso medo e de profundas incertezas acerta do futuro.
Com um cenário tão delicado para a economia americana, seu banco central, o Federal Reserve, colocou a taxa básica de juros em 1% ao ano, e assim a segurou por longo período. Esta medida talvez seja a causa isolada mais relevante para a bolha imobiliária que tomou conta do país e se espalhou pelo mundo. A euforia venceu o medo, e os “espíritos animais” foram aguçados de forma impressionante. Todos sonhavam com a casa própria, e seu preço parecia ter uma única direção. Os refinanciamentos com taxas reduzidas e o valor do ativo cada vez maior fizeram com que a especulação imobiliária saísse do controle.
Entrementes, o dragão chinês tinha acordado e estava com fome de recursos. Com farta mão-de-obra barata, a China exportava produtos manufaturados para o mundo todo, especialmente para os ávidos consumidores americanos, regados de crédito barato. A simbiose parecia perfeita: as formigas chinesas trabalhando duro para acumular capital, enquanto as cigarras americanas cantavam as maravilhas da globalização. O mundo é plano! E os índices de inflação, a despeito desta pujança toda, não incomodavam muito, justamente porque a China estava “exportando deflação” com seu choque de produtividade. Os “clarividentes” do Fed estavam impressionados com o paradoxo. A festa pode continuar!
Mas as leis econômicas inevitavelmente cobram sua fatura. A farra tinha que acabar. O castelo era, afinal, de areia. A bolha acabou estourando em 2008, lançando o mundo todo num estado de pânico. O super ciclo de endividamento parecia ter chegado ao fim. Os especuladores, principalmente os mais pobres, descobriram que o preço das casas também pode cair, e que, quando isso ocorre em cima de uma pilha de hipotecas, o valor da dívida pode superar muito o valor do ativo. A realidade não é tão linda quanto o sonho. Milhões perderam suas casas e seus empregos. O Fed teria que agir novamente. A ressaca incomoda, logo, é preciso permanecer embriagado.
Mais liquidez foi injetada nos mercados, a taxa de juros foi para zero, bancos tiveram que ser salvos, pacotes de centenas de bilhões foram aprovados para estimular a economia. Não obstante, os Estados Unidos terminam a década com desemprego próximo aos 10%. O S&P 500 ainda está uns 15% abaixo do valor do começo da década, em termos nominais! A inflação acumulada no período, medida pelo CPI, chega a 30%. Em outras palavras, as ações das principais empresas americanas perderam quase a metade de seu valor real na década. Pode-se até falar numa espécie de “japanização” dos Estados Unidos. Uma década perdida.
A Europa tampouco se saiu melhor. Ao contrário: seu modelo de Estado de Bem-Estar Social contribuiu para jogar mais lenha na fogueira. Com carga tributária absurdamente elevada, endividamento público elevado, rigidez nas leis trabalhistas e inúmeros privilégios irrealistas garantidos pelo governo, os países europeus enfrentaram dificuldades mais graves ainda. A Comunidade Européia chega ao final da década sem saber se sua moeda comum, o euro, vai sequer sobreviver. Alguns países, como Grécia e Irlanda, estão totalmente quebrados.
E o Brasil nesta história? A década se confunde com a Era Lula, uma vez que foram oito anos de gestão do presidente petista. Em termos econômicos, o resultado não foi dos piores. Mas poderia ter sido infinitamente melhor! Na verdade, o cenário externo descrito acima não foi ruim para países emergentes exportadores de commodities como o Brasil. Sem oportunidades de crescimento e bons retornos nos países mais desenvolvidos, e com a China sedenta por recursos naturais, países como o Brasil se destacam como boas opções relativas. A economia brasileira surfou uma grande onda internacional, pegando carona no espetacular crescimento chinês.
O grande mérito do presidente Lula foi não ter estragado a “herança positiva” das reformas macroeconômicas de FHC. Contrariando os petistas aliados e seu discurso histórico, Lula colocou na presidência do Banco Central um banqueiro que foi presidente de um banco americano. Além disso, Lula soube preservar o superávit fiscal, ao menos até o último ano de mandato. Depois ele deixou as eleições falarem mais alto, e no ímpeto de eleger sua candidata, colocou em risco seu legado razoável na macroeconomia.
Já no âmbito da microeconomia pouca coisa foi feita. As leis trabalhistas continuam as mesmas da era fascista de Vargas, as máfias sindicalistas conseguiram concentrar mais poder ainda, e a burocracia continuou asfixiante. Nenhuma reforma importante foi realizada. A carga tributária cresceu e os impostos permaneceram complexos, a Previdência Social segue insustentável, uma verdadeira bomba-relógio, e a reforma política não saiu do papel. Enquanto isso, o governo aumentou o inchaço da máquina estatal e expandiu de forma preocupante o crédito público. Em termos gerais, podemos resumir da seguinte forma: a economia brasileira cresceu a despeito do governo Lula, e não por causa dele. Uma incrível oportunidade foi perdida, uma vez mais.
Na esfera das liberdades individuais, o governo Lula representou um claro retrocesso. Diversas tentativas de censurar a imprensa foram feitas, tais como CNJ, Ancinav, Cofecom, PNDH-3 etc. As instituições básicas da democracia foram aparelhadas pelo partido do presidente. A politização chegou até a Receita Federal, e um simples caseiro teve seu sigilo quebrado para atender aos interesses do então ministro Palocci. Em termos de corrupção, a década foi marcada pelo escândalo do “mensalão”, um dos capítulos mais nefastos da história de nossa república.
Tudo isso acabou ignorado nas últimas eleições. O fator econômico falou mais alto, o que é preocupante para o futuro de nossa democracia. Isso sem falar que o próprio crescimento econômico não é sustentável nestes patamares sem as devidas reformas e contenção dos gastos públicos. A década que acaba foi marcada por fortes emoções. Mas arrisco dizer que a década que se inicia dificilmente ficará atrás neste quesito. Preparem os corações!

7 comentários:

William disse...

Excelente. Assino embaixo!

Aliança liberal disse...

OLha o festival de besteirou da maria da conceição tavares.
Vale uma analize.
........
http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/maria-da-conceicao-tavares-analisa-os-rumos-da-economia-mundial-e-brasileira.html
.....
Pior que ela acredita realmente no que diz.

Burocratoparasita da União disse...

FRIBOI JÁ LEVOU 7,5 BILHÕES

Concorrentes reclamam de privilégios

Em fevereiro o frigorífico brasileiro Friboi colocou à venda um pacote de dois milhões de debêntures no valor de R$ 3,48 bilhões. O mercado financeiro não se interessou, mas a BNDESPar, empresa de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, comprou o encalhe, 99,9% dos papéis. e jogou dinheiro na roda. Os outros acionistas, entre eles a família Batista, dona de 59% do grupo JBS, adquiriram 0,05% da emissão. Restou uma sobrinha de 523 papéis que ninguém quis.

A operação foi feita para pagar a última aventura da companhia nos Estados Unidos: comprar a Pilgrim"s Pride Corporation, que estava quebrada. A entrada no mercado americano foi o passo mais ousado de uma trajetória internacional iniciada em 2005, com a compra da Swift argentina, feita também com dinheiro tirado dos cofres do BNDES.

Ávido por cumprir o objetivo principal do governo Lula, que é mandar dinheiro para o exterior, o BNDES já empatou pelo menos R$ 7,5 bilhões no Friboi - de quem também é acionista, com uma participação de 22,36%. O apoio ao frigorífico supera outras operações emblemáticas, como os R$ 2,6 bilhões para o casamento Oi/Brasil Telecom.

......................................

Marc disse...

Aliança Liberal,

Duvido Muito que a Maria Conceição Tavares acredite nessas idiotices que ela fala. Ela apenas mantém a aparência de que acredita, pois mudar de opinião agora significaria ela própria reconhecer que toda sua vida se baseou em premissas completamente erradas nas áreas da política e economia.
É o mesmo que acontece com Fidel.
É melhor morrer passando a impressão de que pode ter acertado alguma vez ou morrer reconhecendo que passou a vida toda errando?
Eu optaria pela segunda opção, mas gente amoral opta pela primeira.

OJ disse...

Rodrigo
Gpostaria de ver seus comentários sobre o artigo de Olavo de Carvalho:

http://www.olavodecarvalho.org/semana/101116dc.html

samuel disse...

O que ela pensa em termos de organização econômica já destruiu muitas economias e...muitos paises.
Passei umas férias de natal no Chile um ano antes de Allende cair.
Quem era a ministra da economia de Allende? A portuguesa radicada no Brasil CONCEIÇAO SANTA MARIA.
No aeroporto a exigência oficial era de trocar 40 dólares por Escudos para cada ingressante no país. Assim foi feito: como éramos 5, trocamos 200 dólares por 8000 escudos. Hospedamos-nos no Carrera Sheraton bem em frente ao palácio de La Moneda, sede do governo chileno. A seguir fomos fazer a nossa ceia de natal em um restaurante escolhido ocasionalmente. Escolhemos o menu e... com aqueles 200 dólares poderíamos comer....hum (1) frango assado e só hum.
Chocados e famintos decidimos não ficar nem mais um dia nesse país. Começamos arrumar as malas, quando o Valet-de-Chambre discretamente nos informou que ele podia fazer cambio à razão de...250 dólares por Escudo. Isso nos deu uma relaxada: 250 dólares já eram bem melhor que os 40 oficiais. Fomos dormir. No breakfast da manhã conhecemos um rapaz peruano, estudante na Unicamp em Campinas, SP. Disse-nos para não nos preocupar que iríamos procurar cambio melhor que ele sabia existir. Rodamos Santiago e fomos parar numa indústria de confecção de artigos de couro. O proprietário nos ofereceu 400 escudos por dólar... Elogiei um bonito relógio de parede. Rapidamente o proprietário o ofereceu por.... 20 dólares. Ele estava de mudança, ele como também estava toda a atividade produtiva do Chile. Assim o Chile passou a ser extremamente barato. Apenas que descobri posteriormente que... não existia mais nada nas lojas para comprar....
Nenhum tostão de investimento no país. Em restaurantes, se um copo de cristal quebrava colocavam um de geléia no lugar. Se uma poltrona quebrava colocavam um banco no lugar e assim por diante...
Nas ruas, filas de operários em greve protestando contra ... os patrões!!!
Incrível que este estado de coisas permanecesse ainda por mais.... hum ano, até a queda do governo Allende, sem que D Conceição fizesse qualquer mudança nos rumos da economia...Insistiu.
Ideologia prevalece sobre todas as lógicas... é como o sagrado Al Khoran.

Os alunos da D. Conceição, na Federal do RJ, onde ela obteve uma cátedra de ... economia, imaginem só, fizeram um bom trocadilho em cima do slogan de uma transportadora:
O MUNDO RODA E A LUSITANA É GIRA!

ntsr disse...

samuel, quando a receita deles não funciona eles sempre vem com a mesma conversa, de que o negócio deles não era aquilo.
Coisa mais comum é encontrar esquerdinhas que falam que a URRS n era socialista de verdade