terça-feira, julho 16, 2013

Ressentimento antiamericano

Rodrigo Constantino

O governo americano espiona, e isso vazou. O governo francês espiona, e isso também vazou. No entanto, o grau de revolta que um gera é infinitamente maior do que o outro. Por que? Talvez Raymond Aron, sociólogo francês, tenha a resposta. Em seu clássico "The Opium of the Intellectuals", ele tenta explicar o motivo de tanta revolta com os Estados Unidos, especialmente por parte dos intelectuais europeus, e mais ainda dos franceses. Em tradução livre:

Como poderíamos esperar que os europeus perdoassem aqueles que se beneficiaram com as consequências de suas loucuras - se se pode considerar uma posição de hegemonia como invejável? Mesmo que os americanos estivessem acima de qualquer suspeita, os europeus achariam difícil não se ressentir com um sucesso que foi a contrapartida do seu próprio declínio. Felizmente, os americanos não são irrepreensíveis.

[...]

O homem da rua é muito propenso ao ressentimento contra o todo-poderoso aliado, muito propenso a amargura decorrente da fraqueza nacional, a nostalgia da glória do passado e a esperança de um futuro diferente e melhor. Mas os intelectuais deveriam conter essas emoções populares, deveriam mostrar as razões inescapáveis ​​para a solidariedade permanente e a interdependência. Em vez de cumprir o papel de guias, eles preferem, especialmente na França, trair a sua missão, para incentivar os sentimentos das massas ignorantes aduzindo justificativas hipócritas para eles. Na verdade, sua briga com os Estados Unidos é uma forma de racionalizar a sua própria culpa.

[...]

Os Estados Unidos são representados como a encarnação de tudo que é mais detestado, e, em seguida, todo o ressentimento e ódio e fel que se acumula nos corações das pessoas em um momento de dificuldades é descarregado sobre esta figura simbólica.

Que ninguém venha, por favor, dizer que estou afirmando que não se pode criticar os erros dos americanos. Eles existem, em grande quantidade, e devem ser apontados. Mas o ponto aqui é outro. É apenas mostrar como há uma revolta bastante seletiva, que inexoravelmente julga com muito mais rigor tudo que vem de lá. O ressentimento parece uma boa explicação para essa postura...

PS: Tenho outros artigos sobre esse antiamericanismo e suas potenciais causas, como esse

6 comentários:

Anônimo disse...

O esquema de espionagem americano é muito maior do que da França. E envolveu vários países. Seu argumento não tem lógica porque vc diz toda hora que o Obama é protegido pela imprensa.

Vasco Conde disse...

Pior ainda é a diferença entre os presidentes e partidos americanos.

Como é o Obama, "grande prémio nobel da PAZ" (da Paz LOL) , o pessoal pouco liga e pouco se revolta (pelo menos aqui em PT). Já se fosse o Bush ou qualquer outro presidente republicano seria o fim do mundo.

É como o caso dos drones, ninguém se importa. Só porque é o grande Messias Obama que está no poleiro.

Como é isto possível? Revoltante :s

Anônimo disse...

O Obama É protegido pela imprensa. E não só ele, os negros americanos agora se revoltaram com o veredito do tal do Zimmerman e estão aí,se revoltando nas ruas e falando nas redes sociais que vão sair por aí matando brancos.Brancos que eles falam é incluindo o tal do Zimmerman, que é latino.Cadê a mídia nessa hora?

http://kennsvideos.blogspot.com.br/2013/07/trayvonista-mob-swarms-walmart-beats.html

Anônimo disse...

Sugestao de leitura: A Obsessao Antiamericana de Jean-François Revel.

Anônimo disse...

Todo petista odeia a revista VEJA e os EUA.
PT, PARTIDO DA ÉTICA E DA MORAL.
FORA LULA, FORA DILMA, FORA PT.

samuel disse...

eu vim ler que o tal de Zimermann é latino (embora seja visível) lendo o V Blog
Aliá depois desta data julho,16 Os comentários ao Blog começaram a nao ser mais visulizados. Dá a informação de que "nenhum comentário"