terça-feira, julho 23, 2013

Tarde demais

Fonte: GLOBO
Rodrigo Constantino

O editorial do GLOBO hoje faz um alerta importante, de que a presidente Dilma está sob pressão para ser cada vez mais candidata do partido e menos presidente do país. Os motivos são evidentes, pois há muita coisa em jogo, e os petistas estão desesperados com a possibilidade de perder suas "boquinhas":

À medida que saem pesquisas que mostram redução de apoio popular a Dilma Rousseff e cresce a possibilidade de segundo turno nas eleições do ano que vem, o PT se agita e a relação com a presidente fica tensa, enquanto cresce no partido a turma do “queremismo”, pela volta de Lula. Muita coisa, afinal, está em jogo: 22 mil cargos de confiança, usados no aparelhamento da máquina pública, controle de estatais com ambicionados orçamentos etc.

É neste contexto que a presidente, no fim de semana, não foi à reunião da executiva nacional do partido, alegando uma agenda de trabalho sobre a visita do Papa Francisco. Em carta aos militantes, defendeu as “ruas”, o plebiscito da reforma política e se colocou ao lado de Lula. Dilma está entre o partido e a Presidência. Como a reeleição entrou em zona de risco, surgem pressões de alas petistas para que ela seja mais militante e menos presidente do Brasil. É uma armadilha, na qual Dilma cairá se não agir como chefe da nação. Ela não deve se impressionar com pesquisas feitas a mais de um ano das urnas. Neste momento, elas refletem o clima detectado nas manifestações. A presidente deve é se concentrar em governar, ser intransigente com a corrupção, levar a inflação o mais rapidamente possível para a meta (4,5%), recuperar, enfim, a credibilidade da política econômica, por ações como a restauração da seriedade na apresentação das contas públicas.

Onde acho que o editorial erra é na esperança de que isso ainda não aconteceu, e que Dilma está realmente dividida entre as duas funções, tentando resistir às pressões de seu partido. Gostaria de crer nisso, mas não consigo. As atitudes da presidente demonstram que ela já fez sua escolha, e essa foi pelo partido. A insistência no plebiscito, a campanha antecipada, os discursos eleitoreiros, inclusive de forma grosseira na frente do Papa Francisco, tudo isso me leva a crer que Dilma só pensa nas urnas de 2014, e largou sua função de presidente da nação inteira. O editorial diz:

Ela precisa fugir da agenda de confronto a que petistas tentam levá-la. A ideia do plebiscito surgiu da inviabilidade legal da “constituinte exclusiva”, sonho de consumo destas alas do partido, para, numa assembleia sem a barreira da maioria qualificada, poder-se alterar regras eleitorais e, com facilidade, contrabandear para a Carta mecanismos de “democracia direta” de inspiração chavista.

Querer forçar Dilma e aliados a entrar em rota de colisão com o Poder Judiciário, em nome do tal plebiscito, é um desvario. Fingem esquecer a nota do Tribunal Superior Eleitoral, em que é reafirmada a barreira da anualidade para qualquer alteração na legislação eleitoral entrar em vigor. A tese de facções petistas está isolada. O deputado Candido Vaccarezza, de São Paulo, escolhido pelo presidente da Câmara, Henrique Alves, para presidir a comissão da reforma, foi alvo de manifesto de um grupo do partido por não ser muito firme na defesa do plebiscito. O PMDB, o maior aliado, nunca embarcou no projeto. Mesmo assim, forçam Dilma a tomar o rumo de uma crise político-institucional.

Não consigo enxergar a presidente Dilma como uma marionete nas mãos dos petistas. Não acho possível isentá-la de responsabilidade por tudo que fez de errado até aqui, inclusive no desrespeito aos poderes e no tom autoritário. A crise político-institucional, a meu ver, tem as impressões digitais da presidente. Ela não é vítima nessa história; ela é parte do problema. É tarde demais para esperar que ela se decida pelo Brasil em vez do PT.

2 comentários:

Emerson Luís disse...

A realidade provavelmente é que a Dilma é mais candidata do que presidente desde o dia em que foi eleita. A única dúvida é se ela própria seria a candidata em 2014 ou se deveria ser o Lula. A pressão está aumentando com a aproximação das eleições, mas sempre existiu.

Rodrigo Constantino, você já pensou no que pode ocorrer nos últimos meses de 2014 se o PT não for reeleito?

A minha cidade tinha um prefeito petista que não foi reeleito e eles (segundo dizem) aproveitaram os últimos meses para dilapidar ao máximo o município antes de saírem, entregando-a praticamente falido e literalmente cheio de lixo para o seu sucessor.

Algo parecido ocorrerá com o Brasil?

(Procure "Várzea Paulista lixo" no youtube)

* * *

cereal disse...

Vocês tem certeza que Dilma tem maquiador?