domingo, julho 14, 2013

Sites chapa-branca

Rodrigo Constantino

Aquilo que todos já sabiam agora tem comprovação numérica: o governo privilegia os sites "progressistas" na hora de soltar a verba. Ou seja, o critério não é audiência, como diz o governo, mas sim alinhamento ideológico, proselitismo, propaganda estatal, "jornalismo" chapa-branca. Diz a reportagem:

Mas um critério político parece também desequilibrar a balança com o dinheiro estatal. Páginas com viés ideológico de esquerda, como Carta Maior, Conversa Afiada e Ópera Mundi (este, parceiro de conteúdo do UOL), foram agraciadas com um dinheiro público que não corresponde a quantidade de pessoas que passam por seu conteúdo.

A Carta Maior, por exemplo, recebeu mais verba publicitária que a Folha, que tem 157 vezes mais páginas visitadas por mês. Já blog Conversa Afiada, que faz parte da autodenominada "blogosfera progressista", ganhou mais em propaganda estatal que o portal da Abril, que tem 62 vezes mais audiência que a página comandada pelo jornalista Paulo Henrique Amorim.

A reportagem do UOL questionou a Secom sobre o assunto e recebeu a seguinte resposta:

"A audiência é, sim, o principal critério norteador da programação publicitária para qualquer veículo de comunicação, incluindo sites e blogs, por parte do governo federal, administração direta, indireta e estatais. A relação dos veículos do meio internet com os maiores valores planejados para as ações publicitárias em 2012 segue este critério. Porém, esta lista pode também ser influenciada pelas especificidades e necessidades de comunicação de cada órgão do governo federal e do volume de recurso de cada órgão destinado às ações de publicidade do meio internet, o que interfere no ranking final. Não se espera de uma campanha destinada a estimular o aleitamento materno, por exemplo, o mesmo perfil de veiculação de uma campanha de estatal destinada a promover um tipo de óleo lubrificante.

Cabe esclarecer que a Secom, desde 2008, torna disponíveis em seu site todos os dados globais do planejamento dos investimentos de mídia publicitária (Fonte IAP) do governo federal, por meio e por órgão da administração direta. A partir da implantação da Lei do Acesso à Informação esse processo de divulgação vem sendo aprofundado e detalhado. Devido à grande quantidade de veículos e à necessidade de checagem e consolidação de dados, esse trabalho de divulgação vem sendo feito gradativamente."

Essa simbiose entre estado e "imprensa" é absurda. O governo usa o nosso dinheiro para fazer propaganda na internet, para comprar "jornalistas" que se vendem de forma escancarada, deixando suas convicções de lado. A justificativa do governo é de incrível cara-de-pau. Esse cordão umbilical precisa ser cortado. 

Não é correto o governo destinar recursos públicos para esse tipo de propaganda enganosa. Esses sites não gozam de credibilidade ante o público, o que explica a baixa audiência; mas é um ultraje desviar recursos escassos para esse tipo de fim imoral. Chega de fazer propaganda indireta com nosso dinheiro!

3 comentários:

Silvio Mottini disse...

caro rodrigo. Como vamos combater esses esquerdopatas?? Ano que vem votaremos no psdb? que continua mamando nas gordas tetas? voteremos em quem?( na petezada claro que nao...)

Boris Dunas disse...

Até quando respondem (ainda o fazem; o que não deixa de ser um espanto!), a coisa tende para a vigarice escancarada! O mínimo aceitável seria a canalha dar exemplos REAIS das suas porcas escolhas, e não virem com essa conversa calhorda de "aleitamento" ou "óleo de motor". Cada resposta dessas mereceria um coquetel molotov atirado por aquela tal de "maioria pacífica".

Bruno Sampaio disse...

Alguém pode me explicar por que blog precisa de VERBA?!?