segunda-feira, dezembro 14, 2009

Da Ilha-Presídio, com Coragem



Rodrigo Constantino

“Estou consciente de que me calei, de que permiti que alguns poucos governassem a minha ilha como se se tratasse de uma fazenda”. (Yoani Sánchez)

Todo mundo, à exceção de alguns “intelectuais” e inocentes úteis, sabe que Cuba é um verdadeiro inferno. Alguns socialistas envergonhados condenam a opressão política, mas tentam enaltecer as “conquistas sociais”, tais como saúde e educação. Tais “conquistas” não passam de um mito, naturalmente. Eis porque uma simples blogueira incomoda tanto os defensores do regime. O livro De Cuba, com Carinho, de Yoani Sánchez, relata o verdadeiro cotidiano da ilha. A imagem extraída de seus artigos não é nada bonita.

Yoani buscou na internet a liberdade que ela não desfruta em seu país. Claro que tamanha ousadia – de expressar o que pensa numa ditadura – não se deu sem grandes riscos. Ela é vigiada 24 horas por dia, virou inimiga do “povo” e já sofreu até agressão física. Outros já tiveram destino pior, indo parar na cadeia ou no Paredón. Se Yoani continua escrevendo em seu blog Generación Y, isso se deve ao patamar de fama que ela conquistou. A revista Time a elegeu uma das cem pessoas mais influentes do mundo. Eliminar Yoani do mapa chamaria muita atenção internacional. Até mesmo cruéis ditadores são pragmáticos às vezes.

Enfrentando todas as dificuldades e perigos existentes, Yoani continua escrevendo seus artigos e relatando o dia a dia em Cuba, aquele distante dos turistas nas bonitas praias caribenhas. A ditadura cubana segrega o próprio povo, criando uma subclasse sem acesso legal aos bens e serviços que turistas usufruem. A própria internet não é permitida, e Yoani precisa passar por turista para conseguir acesso nos hotéis e publicar em seu blog. O simples ato de escrever é visto por ela como a “coisa mais arriscada” que fez na vida. O socialismo real nunca tolerou a liberdade de expressão.

Sobre as “maravilhas” da educação cubana, especificamente os cursos pré-universitários no campo, eis o que Yoani tem a dizer: “A improdutividade, a transmissão de doenças, a deterioração dos valores éticos e o baixo nível acadêmico fizeram sucumbir esse método educativo”. Além disso, há uma intensa doutrinação ideológica, que força as crianças a repetir como o socialismo é incrível, enquanto observam à sua volta a realidade oposta. “A ideologização da educação cubana chegou a um ponto que alarma inclusive aqueles que, como nós, se formaram submetidos a esses mesmos métodos”, diz Yoani.

A “fantástica” conquista no campo da saúde, quando sai da mitologia e volta à realidade, transforma-se em um estrondoso fracasso também. Os pacientes precisam levar tudo aos hospitais, desde baldes para limpeza, travesseiro, ventilador, até mesmo a linha de sutura para uma cirurgia. Faltam os remédios mais básicos. Até mesmo o “grande líder”, quando ficou doente, mandou trazer médicos da Espanha para cuidar dele. A medicina cubana é uma vergonha.

Segundo Yoani, a tentativa autoritária de construir o “novo homem” produziu resultados inesperados: “Em vez de soldados de cenho franzido, engendrou apáticos, indiferentes, gente mascarada, balseiros, descrentes e jovens fascinados pelo material”. O motivo é evidente, já que o “homem novo” não é tão diferente do resto dos seres humanos: “ele quer empregar o seu tempo e a sua energia em algo que resulte em prosperidade e bem-estar”. São metas impossíveis sob o regime socialista. Yoani pergunta: “Querer viver em uma casa na qual o vento não consiga arrancar o teto vai deixar de ser – algum dia – uma fraqueza pequeno-burguesa?”

O risco de outros países latino-americanos seguirem os tristes passos cubanos, ainda que disfarçados de “democracia”, não é ignorado por Yoani: “Desconfio tanto de quem desce uma montanha empunhando armas, quanto do eleito nas urnas que administra seu país como uma fazenda, como se tratasse da velha propriedade rural da família”. Para ela, a pior combinação é quando coincidem – numa mesma pessoa – “as figuras do caudilho e do gorila armado”. Os demagogos de camisas vermelhas, aspirantes a ditadores através de reeleições infinitas, ameaçam o que sobrou da liberdade no continente.

O tecido social cubano foi completamente esgarçado. Como explica Yoani, “existe uma maneira de infringir as leis, socialmente aceita, que consiste em roubar do Estado”. Onde tudo é proibido, tudo passa a ser ligeiramente permitido. O povo cubano descobriu no mercado negro a única chance de sobrevivência, num país assolado pelo racionamento, escassez de alimentos básicos, apagões constantes, epidemias ocultadas pelo governo e tantas outras desgraças, enquanto a nomenklatura vive no ar condicionado com a geladeira cheia. A luta contra a desigualdade social resultou, na prática, na maior desigualdade já vista: em baixo, o povo todo miserável; em cima, os ricos governantes.

Enfim, sob todos os aspectos o experimento socialista cubano resultou numa catástrofe. Após a queda da URSS e a perda da “mesada” milionária, a ilha entrou no “Período Especial”, fase em que até casca de banana passou a ser prato de luxo para muitos. Os petrodólares “bolivarianos” deram alguma sobrevida à economia, mas a situação é completamente precária. No lugar de educação, há uma doutrinação ideológica criminosa. A tão propalada saúde cubana não passa de um mito. E as mais básicas liberdades, como a de ir e vir, foram eliminadas pelos irmãos Castro, que encaram o povo como um rebanho bovino de sua propriedade.

Milhares de vidas sacrificadas no altar da Utopia, tantas outras perdidas na tentativa de migrar ilegalmente para Miami, e o restante todo na absoluta miséria e escravidão. Eis a realidade cubana, exposta por Yoani Sánchez, uma verdadeira intelectual, que tem coragem de desafiar uma ditadura assassina para não trair a verdade. Seu livro poderia muito bem se chamar Da Ilha-Presídio, com Coragem.

19 comentários:

Ludwig disse...

É um milagre que o povo ainda consiga sobreviver em Cuba; a tentação de suicídio deve ser tamanha. É o verdadeiro inferno. Aliás, é a plenitude do Bem Comum.

C.o.n.s.u.e.l.o disse...

Essa Yoani Sanchez é uma farsa...... Se fosse uma opositora de verdade estaria morta e ninguem nem saberia da existencia dela........ Os "revolucionarios" mataram milhares de pessoas em Cuba por muito menos, Che Guevara, o acougueiro de La Cabana, matou mais de 200 pessoas presas e indefesas pelas proprias mãos. Cuba no és libre.

samuel disse...

Pode até ser uma farsa como diz a comentarista consuelo...MAS É A ÚNICA QUE TEMOS...

Rodrigo Constantino disse...

Ela não é uma farsa. Cheguei a pensar nisso, ANTES de ler o livro. Leiam o livro! É porrada pesada no sistema, do começo ao fim. Demétrio Magnoli rebateu essa acusação através de Reinaldo Azevedo. O sistema NÃO é livre, tanto que ela sofre graves consequências pelo que faz. Mas hoje há ALGUMA espaço, bem limitado, para isso, principalmente pelo motivo que expliquei: ela ficou famosa demais para sofrer algo sem represália internacional. Os Castro são psicopatas. Mas não são idiotas...

fejuncor disse...

Ué?!! Pensava que só em Honduras havia ditadura. Mas NÃO SE preocupem, o grande chanceler Celso Amorim vai ceder a embaixada brasileira a essa moça...

Ainda bem que ideologia burra está no fim.

Fata a tecla SAP por aqui Consuelo.

C.o.n.s.u.e.l.o disse...

Hihihihih........ainda que seja singelo o recurso, a capacidade de reconhecê-lo está cada vez mais rara, fejuncor, daí a necessidade de acompanhar um indelicado....... “vou ter que desenhar?
B-jos!

fejuncor disse...

A Gestapo das Irmãs Castro já podem se gabar: agridem com chutes e socos uma mulher, de 34 anos, frágil, desarmada. Seu crime é ser reconhecida pelo mundo civilizado como o bastião da resistência do povo de Cuba, isso sem dar um tiro sequer ou xingar o Tirano mais longevo da face da Terra.

Aquilo é um campo de concentração. Os frangos duma granja tmb acham que o mundo é só a granja em que vivem. Chegará um dia em que as pessoa não terão mais como romantizar a figura daquele algoz/pseudosalvador dada força dos fatos e irão reconhecer figuras como Huber Matos, um dos 5 comandantes da revolución, banido de livros e da historia somente por estar contra o rei, digo, Fidel Castro. Cuba não existe pro mundo, Cuba existe para os cupinchas de Fidel Castro. “Social burocracia”.

O modelo cubano é um erro. Cuba não é uma República.
Cuba é uma vergonha para a América, para a democracia e para os direitos humanos.

fejuncor disse...

O que Caetano Velloso pensa sobre isso?

Felipe Santos disse...

Na primeira vez que vi a foto da Yoani, achei que fosse a Ingrid Betancourt (resgatada das garras da FARC), tal a semelhança do olhar abatido... o_O

Enfim, eu sabia do blog, mas não sabia do livro... vou lê-lo assim que puder!!!

Consuelo, talvez esse trecho de texto explique melhor o porquê Yoani continua viva:

Fonte: http://editoracontexto.com.br/decubacomcarinho/?page_id=2

"Yoani Sánchez escreve um dos blogs mais visitados do mundo, Generación Y, com vários milhões de acessos mensais, mas quase não consegue ser lida em Cuba, onde mora com seu marido Reinaldo Escobar e seu filho adolescente Teo. Quando eleita pela revista Time uma das mulheres mais influentes do mundo, ou quando recebeu o prêmio Ortega y Gasset, seus feitos não foram registrados, muito menos festejados pelo governo cubano. Mas ela não escreve sobre política.

De Cuba, com carinho é um belo livro que narra a vida cotidiana de quem vive na ilha, sofre com a decadência da economia cubana, mas ama seu país. Alguém que não deseja que conquistas obtidas nas últimas décadas sejam jogadas fora, mas acha que o regime envelheceu junto com seus dirigentes. E conta tudo isso em textos cheios de vida, humor e certo amargor, mas muita esperança."


Eu entendi por "envelhecer" o fato do regime ter "perdido a força"... estarei sendo por demais otimista?!! :-)

Enfim, após de ler esse trecho, fiquei curioso em saber quais "conquistas" foram essas!!!


Amplexos!!!

lRhapsody disse...

Petistas sonham com o centenário da "revolução" cubana. Seu mentor, já teve quase 50 anos e não construiu uma democracia.
Cinqüenta anos! A mais longa ditadura do Continente!

Amigos petistas, vocês sonham com toda a América, do Alaska ao Cabo Horn, tudo transformado numa grande Cuba com um poster de Che em cada praça, um oficial político em cada sala de cinema e um "Vamos bien" em cada out-door! Metade da população forçada a viver das sobras e a outra forçada a viver no cárcere. Nada disso de empreender e trabalhar - essas coisas do capitalismo. Nada de sabonetes, creme dental e estes símbolos da decadência capitalista!

fejuncor disse...

A propósito, por que em Cuba jornal usado é vendido no mercado paralelo a 5 convertibles, se o novo custa 1 convertible?

lRhapsody disse...

Para el culo peludo el Granma é veludo !

fejuncor disse...

kkkkkkkkkkkkk

PedroAdãO disse...

Vejam aqui o retrato desta tragédia política:

CUBA IRÁ IMPOR RESTRIÇÕES AO CONSUMO

HAVANA (Reuters) - Cuba ira impor restrições ao consumo devido à crise financeira global, afirmou o ministro da Economia, citado neste domingo pela imprensa oficial da ilha.

A economia cubana enfrenta problemas de liquidez, um desafio para um país que importa 60 por cento da comida que o Estado distribui à população a preços subsidiados.

Este é o mais recente sinal de que a crise mundial chegou, de fato, ao governo comunista.

Cuba reduziu esta semana seu prognóstico de crescimento econômico para 2,5 por cento em 2009, contra os 6 por cento inicialmente previstos.

A situação é tão séria que o presidente do Banco Central adaptou o dito revolucionário "Pátria ou Morte" para "Arrocho ou Morte".

A ilha também estuda promover apagões para inibir o consumo de energia. Os cortes de luz foram comuns durante a crise econômica de 1990, na desintegração da União Soviética.

O turismo, atividade fundamental à economia cubana, poderia ser a próxima vítima da crise.

fejuncor disse...

Já não consegue produzir nem açúcar. A ilha, a Meca do burocratoparasitismo latino-americano, já está tendo de importar até açúcar. Nas verdureiras se encontra um ou outro repolho, um pouco de feijão tipo c, não muito mais do que isso.

Everardo disse...

Cuba sofre com as consequências do boicote econômico imposto pelos capitalistas de mercado. As dificuldade de Cuba são maldosamente imputadas ao seu regime, mas não se pergunta o que aconteceria se os EUA findassem o boicote. DE qualquer forma, os cubanos sabem que, quando eram um bordéu dos milionários texanos, eram ainda mais pobres, com o agravante de não terem dignidade. Precisamos deixar de perseguir aquele povo, dando a eles a chance que lhe cabe. Não há justificativa para o boicote.

Rodrigo Constantino disse...

O Everardo saindo de vez do armário e se assumindo um COMUNISTA defensor do regime cubano! Por que não estou surpreso?

Everardo, bom saber que vc defende a GLOBALIZAÇÃO capitalista, e que não chama comércio livre com ianques de "exploração", como fazem tantos esquerdistas.

Mas mesmo assim, os males da Ilha não se devem ao embargo, e sim ao próprio sistema socialista, que SEMPRE causou o mesmo resultado: miséria, escravidão e terror.

Rodrigo Constantino disse...

"DE qualquer forma, os cubanos sabem que, quando eram um bordéu dos milionários texanos, eram ainda mais pobres, com o agravante de não terem dignidade."

Cuba conseguia ser bem melhor ANTES, para vc ter idéia do estrago causado pela ditadura socialista que vc defende. Vc mente muito, Everardo!

E mais: falar em dignidade sob a ditadura Castro é CANALHICE. Falta de caráter mesmo. Vc me dá nojo, Everardo. Como todos os comunistas, aliás.

Mauricio disse...

Enquanto o boboca faz um texto baseado no que leu em um blog, eu respondo baseado no que conversei com uma cubana que esteve de carne e osso aqui no Brasil, sem nenhum censor ou policial perto, e ele acha que eu estou mentindo.