segunda-feira, dezembro 14, 2009

Impostômetro: um trilhão de reais!


O impostômetro acaba de marcar R$ 1.000.000.000.000,00 (um trilhão de reais) de arrecadação de impostos no ano pelo governo em todas as suas esferas. Os esquerdistas acham pouco! "Como vamos fazer a 'justiça social' dessa forma, com tão pouco?" A esquerda acusa o país de "neoliberal", sendo que estamos na rabeira do ranking de liberdade econômica calculado tanto pelo Fraser Institute do Canadá como pelo The Heritage Foundation. Toda nossa miséria é culpa do "neoliberalismo", esse fantasma existente apenas na mitologia canhota. Enquanto isso, sai da frente que o leão tem fome! O Leviatã já absorve um trilhão de reais daquilo produzido no país, e isso é apenas o registro oficial. Na prática é muito mais! Basta considerar o custo indireto da burocracia, corrupção, informalidade etc. para ter uma idéia. Vivemos num regime semi-socialista, onde o governo - o mais frio dos monstros - quer ser dono de tudo. Acorda, Brasil!!!

5 comentários:

lRhapsody disse...

Para manter os programas demagogicos, e a roubalheira nos contratos do PAC, não ha dinheiro que dê, este é "o país de tolos", vem aí mas imposto.

O povo Brasileiro paga, e nem sabe o quanto. Se ao menos as notas ou cupons fiscais discriminassem preço e impostos (imagino que seja essa a função deste papelzinho), o brasilieiro ia parar de reclamar dos preços e começar a reclamar dos impostos.

PedroAdãO disse...

O Problema não é a carga tributária alta. Pagaria sorrindo se não precisasse pagar plano de saúde, escola particular, andasse de trem-bala e não fosse assaltado na rua, como nos países europeus tão citados quando negócio é justificar essa mordida. Dinheiro para isso os impostos já garantem, so falta fazer.

Rodrigo Constantino disse...

Pedro, discordo totalmente. O problema em si é o tamanho da carga sim. Mesmo que o governo oferecesse bons serviços, ele não tem o direito de confiscar metade da renda das pessoas. Se é tão bom, que seja voluntário! Não é justo uma carga de 40%, ponto. Independe dos serviços.

No caso, ter impostos escandinavos e serviços africanos é um AGRAVANTE do crime. Apenas isso.

Rodrigo

Ludwig disse...

A sede de tudo dominar é insaciável. Todos os governos desejam se tornar socialistas, isto é, donos de tudo quanto existir.
Grande Bem Comum!

fejuncor disse...

Pior que o record é notar que, do montante, a União toma 804 bilhões. Exceção feita a impostos como ICMS estadual, 81% dos demais, o impostômetro exprime, ficam retidos nessa “malha” nacional que é uma terra de ninguém.

Não é de se admirar o circo diário que tanto lamentamos. TODA taxa criada como contribuição voltada a garantir maiores volumes de recursos públicos pra determinadas áreas (como a Saúde) infelizmente acabam tendo seus recursos arrecadados, distribuídos na rede arrecadatória “Federal” – lembro da CPMF cujos hospitais nunca viram a cor do dinheiro.

Nosso modelo tributário torna União Rica, Estados Pobres e Prefeituras Miseráveis, propiciando relações perniciosas no processo político em busca de poder e corrupção.

Tudo errado. Tem de começar pelo texto do art.21 da Constituição, e redefini-lo.