terça-feira, maio 31, 2011

Dia mundial sem tabaco


No "Dia mundial sem tabaco", eis a mensagem que eu gostaria de deixar: O FASCISMO FAZ MAIS MAL À SAÚDE QUE O CIGARRO! Quem tinha verdadeira obsessão pela "saúde perfeita" era Hitler. Muitas coisas fazem mal à saúde, como fritura, gordura, ócio e marxismo. Nem por isso vamos defender a proibição destas substâncias. O critério não pode ser esse, de fazer mal à saúde. Muito mais importante é a LIBERDADE DE ESCOLHA INDIVIDUAL. Cada um deve viver à sua maneira. O fascismo moderno, sob o manto do politicamente correto, representa um perigo mil vezes maior que o tabaco. Lembrem disso na data de hoje.

16 comentários:

João disse...

Nunca fumei, mas no dia de hoje sinto até vontade de fumar, só para contrariar o rebanho. Nem precisa ser "fascismo", algo mais extremo. O estado babá faz mais mal à saúde que o cigarro.

a3m disse...

O cachorro não morde a mão que o alimenta.

Ricardo disse...

O incrível dessa história toda é como a propaganda transformou o cigarro (e o fumante) em algo horrível, digno de desprezo animosidade, apenas algumas décadas depois de tê-lo feito sexy e desejável.

Isso mostra bem como essas idéias pegam e funcionam. Eu não tenho a menor dúvida, por exemplo, que algo poderia ser feito de forma semelhante em relação à batata frita, por exemplo. Um cara comendo batata frita e alguém passa falando "que nojo, comendo batata frita, não se importa nem consigo mesmo".

Anônimo disse...

O grande Olavo de Carvalho disse que os marxistas querem mudar o vício da população para que a mesma fique mais passiva. Do cigarro (que não alucina o cérebro das pessoas) para a maconha. É, parece que o grande filósofo está certo de novo.

Anônimo disse...

Realmente é uma merda o "politicamente coreto". Mas há um outro lado,anti-maconheiro, que Reinaldo Azevedo está promovendo, que tembém é patético.

Vejam esse post dele:

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/o-fumadao-escreveu-para-o-blog/#comment-1615851

Escrevi o comentário abaixo, que ele provavelmente não vai publicar, obviamente.

"É impressão minha ou o Vampiro de Curitiba abandonou seu Blog? Rs

Agora, sobre o post. Ou vc mesmo escreveu essa algaravia psicótica ou alguém o fizera de brincadeira, Reinaldo. Rs.

O mais interessante, todavia, é a reação do público leitor “careta”. Tenta afetar troça e achincalhe, mas nas entrelinhas deixa transparecer muito desconhecimento, desconfiança e medo, muito medo, da maconha. Medo sobretudo de que seus filhos experimentem a droga. É um gracejo fingido e patético. Até sinto pena. Verdade.

Relaxem e aceitem a realidade dos novos tempos. A maioria experimenta e deixa de lado. O importante é não ter curiosidade de experimentar drogas pesadas. Eu fumei muito e parei quando quis. Os que mergulharam fundo se deram mal. Mas faz parte da vida, pois o risco está em tudo. Muitos se dão mal com bebidas, com automóveis, com armas de fogo, com a alimentação inadequada, etc. Que os fortes e espertos vivam mais e que os fracos morram mais cedo.

“A vida é um jogo, com cada um por si e Deus contra todos.”

Diego lima disse...

Sempre achei o cigarro extremamente interessante, cheguei a fumar uma vez, mas depois que experimentei vi que não era pra mim. Acho que em relação a tudo nessa vida, qualquer coisa em excesso faz um mal tremendo. Prefiro bebida ao cigarro. =D

Sergio Oliveira Jr. disse...

Todo mundo tem direito de fumar. O seu corpo e a sua saúde lhe pertencem. Viver faz mal a saúde, acho que essa é a máxima dos fumantes. Agora se tacar fumaça na minha cara, na minha pele, na minha roupa eu vou enfiar o seu cigarro no seu *#WE)R)(@#$@#$.

Anônimo disse...

Mais uma do "liberal" que está se transformando no mais perfeito idiota latino-americano:

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/923498-vargas-llosa-rompe-com-jornal-peruano-por-apoiar-keiko-fujimori.shtml

Klaus Heinz disse...

gostava bastante de ler o seu blog. A falta argumentos mais profundos e a dinâmica da escrita fazia com que muitas pessoas que apenas odeiam lula e que e o máximo que conseguem falar dele é que é bêbado e não tem um dedo. Atraia bastante leitores leigos e desavisados. Mas onde ler material inteligente de direita? Sem essa utopia de anarco capitalismo e de livre-mercado, realmente livre? A sua utopia aqui se aproxima bastante dos marxistas. Hayek um matematico aventureiro, a falta de requinte intelectual atraiu logo alguns trogloditas que tem preguiça de pensar para a sua escola. ACHO que você não entendeu; como um mercado pode ser livre se é o próprio estado que garante a ordem e o funcionamento do mesmo?

Anônimo disse...

'Mas onde ler material inteligente de direita? Sem essa utopia de anarco capitalismo '

Essa é uma boa pergunta.Eu até tentei ser anarquista mas não dá, os caras são tão contraditórios, tão sem lógica, tão simplórios, até um tiririca consegue notar que aquilo é coisa de gente que vive no mundo da lua
ntsr.

Gisele disse...

Prezado Victor.
Seu depoimento é importantíssimo, sobretudo no que refere à pré existência do povo Judeu, antigamente denominada de "povo Hebreu", na região a mais de dois mil anos.Essa existência nunca deixou de acontecer, mesmo depois da massacrante perseguição romana que exterminou milhares de judeus, obrigando a grande maioria sobrevivente à diáspora.O retorno à terra de Sion iniciado ao final do século XIX,nada mais é do que a legítima retomada de um espaço geográfico que históricamente sempre retratou a origem e permanência do povo Judeu. Mas afinal, não foram criados concomitantemente inúmeros países árabes na região, na mesma época da criação do Estado de Israel? Não foi a Jordânia criada em 1947, e conforme sua própria observação, composta de mais de 70% da população por Palestinos? Quer dizer, além dos vários países árabes criados, desejáva-se na região mais de 44% para os árabes palestinos?? Mas quanta ganância senhor Vitor! Isso justifica a união de mais de 7 países árabes para tentarem aniquilar o Estado de Israel logo após sua criação pela ONU em 1947? Fica claro e óbvio, que a intenção não era tomar os 6% que poderiam igualar territorialmente o pleito palestino, mas sim,continuar o processo de tentativa de dizimar um povo histórico, mas cuja cultura e desenvolvimentismo destoavam enormemente dos preceitos Islâmicos. Isto é intolerância!
Tudo isto, sem dizer dos milhares de judeus expulsos dos países árabes apenas com a roupa do corpo, e cujo retorno significaria nada menos que a morte certa.
Portanto, gostaria de parabenizá-lo mais uma vez, sobretudo no que refere à existência de mais de 1,5 milhão de árabes residindo pacificamente dentro do Estado de Israel, coisa inimaginável nos países árabes em relação ao retorno dos judeus expulsos.
Mais uma vez, muito obrigada por seu grande conhecimento histórico.

Gisele disse...

Prezado Rodrigo, postei meu comentário no local errado, mas agradeço se direcioná-lo corretamente, abaixo de sua magnífica explanação sobre o Estado de Israel.
Forte abraço,

Gisele

Anônimo disse...

Limitação da liberdade? Proibição do fumo? A parada não é essa. A proibição em lugares fechado é obviamente uma proteção aos não-fumantes e nós concordamos, ok? As campanhas visam desestimular o fumo, me parecendo uma coisa boa da mesma forma que a limitação da propaganda, que sempre foi feita com muito sucesso para as indústrias do tabaco. No marketing "profifissa" não tem criança e se a sociedade não se protege veremos o Ben10 fumando um Marboro "for kids". A liberdade individual foi relativizada sim, mas o resultado foi claramente positivo. A ditadura do "politicamente correto" é um saco, paternalista e tudo mais. Mas dirigir sem usar o cinto de segurança, fumar que nem um gambá e depois ficar no hospital público é pior.
Fernando A.

Rodrigo Constantino disse...

"A proibição em lugares fechado é obviamente uma proteção aos não-fumantes e nós concordamos, ok?"

Não! Ninguém precisa me proteger, pois entro VOLUNTARIAMENTE no bar ou restaurante! Cabe ao proprietário decidir, e vai quem quer. Locais para fumantes, locais para não-fumantes. Que tal? Liberdade de escolha!

Anônimo disse...

""A proibição em lugares fechado é obviamente uma proteção aos não-fumantes e nós concordamos, ok?"
Não! Ninguém precisa me proteger, pois entro VOLUNTARIAMENTE no bar ou restaurante!"

Ok, você está certo. Mas eu postei falando genericamente da necessidade em alguns momentos da intervenção de uma lei. O exagero da intervenção é que é o problema. Bares e restaurantes deveriam poder definir se querem ou não que "fumantes fumem" em seus estabelecimentos. Bem como outros lugares onde a escolha individual pode se dar sem problemas. Em escritórios, repartições, mesas de operações a fumaça dos cigarros dominava e a escolha na prática não existia quando não havia a proibição.
Um cara aguardando o seu primeiro filho nascer fica bastante tenso, mas em salas de espera de maternidades não faz sentido fumar. Ou faz? Tem uma lei lá, que pode ser taxada paternalista e um cerceamento à liberdade individual, mas funciona.
Fernando A.

Anônimo disse...

Deve-se informar dos malefícios de forma clara.

Acontece que a indústria negou por muitos anos que seu produto causava malefícios...

De qualquer forma, sendo tudo as claras, com critérios científicos, cada um toma a sua decisão.