quinta-feira, outubro 18, 2012

Quanto vale uma virgem?


Contardo Calligaris, Folha de SP

Uma catarinense de 20 anos, Catarina Migliorini, está leiloando sua virgindade. Isso acontece no quadro de um programa da televisão australiana, "Virgins Wanted" (procuram-se virgens), "mezzo" documentário "mezzo" reality show (a Folha de 26 de setembro publicou o depoimento da moça,http://acervo.folha.com.br/fsp/2012/09/26/15/). Os lances são dados pela internet; quem ganhar o leilão receberá seu lote durante uma hora, dentro de um avião que sobrevoará o Pacífico.
O leilão devia terminar na segunda passada, mas foi prorrogado até 25 de outubro. Hoje, a virgindade de Catarina está valendo mais de R$ 500 mil. Concordo com Hélio Schwartsman (na Folha de domingo passado): a questão interessante, nessa história, não é a conduta da moça, mas a extraordinária valorização da virgindade.
Schwartsman foi procurar respostas em Paul Bloom, um psicólogo evolucionista, que eu não levo muito a sério, mas que acho engraçado (o que já é um ponto a favor).
Segundo Bloom (e outros evolucionistas, mas não todos --por sorte da disciplina), nossa maneira de pensar (no caso, nosso apreço pela virgindade) é um resto da maneira de pensar de nossos antepassados do Pleistoceno (que é quando o homem apareceu na Terra).
Não sei como Bloom sabe das ações e dos pensamentos do homem pré-histórico, mas, segundo ele, o homem do Pleistoceno queria sobretudo propagar SEUS genes, não os dos outros; portanto, ele preferia mulheres virgens. Aviso prático ao leitor: cuidado, casar com virgem não garante que a dita virgem engravide só da gente --a vida é longa. Fora isso, o homem do Pleistoceno, segundo Bloom, se preocupava muito com a sobrevivência dele mesmo, de seu clã e de sua espécie. Ou seja, por determinação biológica, ele era parecidíssimo com um ocidental do século 19. Por que será?
Enfim, meus informantes do Pleistoceno (diferentes dos de Bloom), além de não saberem o que é um gene, tampouco sabem que é transando que se engravida uma mulher. Os poucos com os quais conversei confessaram, aliás, que eles preferiam mulheres que não fossem virgens, pois, percebendo que corticoides e antibióticos levariam tempo para serem inventados, eles estavam com muito medo de esfolar seu membro.
Bom, trégua de ficção científica e vamos para a experiência concreta.
A virgindade feminina era um bem apetível no interior da Itália central, quando eu era criança, e o código de honra mandava pendurar na janela o lençol manchado de sangue depois da primeira noite de núpcias. Havia desonra na ideia de que a mulher, tendo amado outro homem, fosse a aliada de um grupo diferente do clã do marido e do dela (traição mais séria do que qualquer brincadeira carnal ou amorosa); e havia desonra na suposição de que o marido não tivesse sido capaz de deflorar sua esposa. O lençol resolvia a questão.
O código de honra é aquela coisa pela qual é preciso estar disposto a morrer. Ele não é do Pleistoceno, mas é muito mais antigo do que o século 19, onde floresceu a ideia de que os indivíduos, os grupos e mesmo as espécies só querem evitar a extinção e onde parecem viver os homens do Pleistoceno de Paul Bloom.
Código à parte, a virgem tem uma série de atrativos. 1) Para ela, por mais que sejamos medíocres, seremos inesquecíveis. 2) Diante dela, em tese, seremos sem rivais (doce ilusão e mais um conselho prático: em matéria de amor, melhor rivalizar com um outro real do que com a idealização de outros apenas sonhados). 3) A ignorância sexual da virgem alimenta a ilusão de que podemos lhe ensinar alguma coisa e que, portanto, sabemos algo sobre o sexo.
Mas os atrativos da virgem empalidecem diante dos atrativos da virgem prostituta --requisitadíssima: há leilões de virgens prostitutas pelas zonas do Brasil inteiro. Por quê?
Muitos homens vivem divididos entre dois tipos de mulher: a "puta", que eles desejam, mas que não conseguem amar, e a virgem, que eles amam perdidamente, mas que eles não conseguem desejar (ela é linda, pura e intocável, como a mãe).
A figura da virgem prostituta carrega em si essa contradição: como virgem, ela é parecida com a mãe, intocável e apenas amável, mas, por ser prostituta, ela é desejável e acessível.
Comprando uma hora com a virgem prostituta, alguns talvez sonhem juntar, por uma vez, amor e concupiscência; é uma fantasia poderosa: a de conseguir, enfim, reverenciar amorosamente um corpo ilibado, mas sem renunciar a sujá-lo com seu desejo. A esses alguns, boa sorte no leilão!

3 comentários:

rafernandes disse...

Rodrigo,

Eu realmente não sei se ela é requisitadíssima ou não. A foto que vi mostra uma mocinha nota 4 e olhe lá. Quanto a dizer que ela vale 500 mil, acho que esse número deve ser a soma dos milhares de lances de $1.00 dados mais como piada do que outra coisa. Lances sérios devem ser só de uns gatos pingados que têm dinheiro para desperdiçar e além disso, sejamos francos, esses caras devem ser uns babacas sem tamanho. Não vejo a menor graça em transar com uma prostituta virgem, num avião executivo, sem direito a beijo. Só mesmo um babaca para entrar numa dessas...

Tati M® disse...

As pessoas perdem seu tempo e gastam seu dinheiro com cada coisa...
Um outro fato que me chamou a atenção é que o fato de não se ouvir nada sobre o leilão da virgindade do outro participante...

Salvatti disse...

O guru Calligaris e a racionalização a posteriori. Esse homem inventa padrão para gênero todo dia e vem agora reclamar do concorrente Bloom. Ele deveria fazer dupla com o Luiz Gasparetto, isso sim. O tautológico psicoterapeuta se entende psicanalista, quando convém. Quando não, se sustenta como profissional eclético. Negócio da China. O cara tem explicação PARA TUDO em tudo o que é site, e ninguém estranha a sua onipresença.