segunda-feira, outubro 29, 2012

A filosofia de lavar a louça

Luiz Felipe Pondé, Folha de SP

Fala-se muito de como o "Primeiro Mundo é isso e aquilo". Acho isso papo de vira-lata. Toda vez que você ouvir alguém falando que a Europa "é outra coisa", você está diante de um vira-lata rondando a lata de lixo dos outros. A mesma coisa vale para os EUA, ainda que, nesse caso, vira-latas de esquerda jamais elogiem os EUA, mesmo que comprem iPads lá.
Mas independentemente dessa breguice de vira-lata querendo fingir que entende de vinhos, há um detalhe na vida europeia e norte-americana que vale a pena discutir: a vida doméstica e suas tarefas.
Mas, sintomaticamente, os vira-latas nunca falam disso, porque a própria condição de vira-lata os impede de entender ou mesmo enxergar esse detalhe. O sonho do vira-lata é fingir que é llhasa apso e por isso acha que ser um llhasa é desfilar bolsa Prada no JK Iguatemi.
O Brasil é terra de atrasado, corrupto, esculhambado, inculto, novo rico e por aí vai. Tudo isso é verdade. A prova disso é que aqui luxo é ostentação. Suspeito que grande parte do que há de fato de bom na Europa e nos EUA em termos de hábitos e costumes (portanto, estamos falando de moral) se deve ao fato de que nesses lugares as pessoas se movimentam de modo diferente no cotidiano das suas tarefas.
Sempre ouvi os mais velhos dizerem que "o costume de casa vai à praça" e isso é a mais pura verdade. Além de fazerem sexo melhor, suspeito também que os mais velhos entendiam bem melhor do que é essencial, principalmente porque não tinham essa parafernália de ideologia e outros quebrantos bobos como ferramenta de análise do mundo.
Eles observavam a vida sem a presunção de ter descoberto a chave do mundo, como nossos contemporâneos viciados em "teorias de gabinete", como dizia Edmund Burke.
Lembro-me bem que minha filha, chegada à França com cerca de dois anos de idade, chorava porque não podia lavar louça como meu filho, seu irmão, mais velho do que ela nove anos. Isso é sintomático de muitos outros pequenos detalhes: para ela, lavar a louça era parte de ser da família. Meu filho, minha mulher e eu partilhávamos todo o cuidado com a vida cotidiana, inclusive o cuidado com a caçulinha.
Em países como a França, Alemanha, Israel, EUA e outros semelhantes, você é responsável por tudo que acontece na sua casa. Roupa, comida, limpeza, compras, resolução de pequenos problemas logísticos, enfim, da sustentação da vida.
As casas (menos nos EUA, mas ainda assim a ocupação de espaço é diferente da nossa) são menores e mais simples, mesmo que com mais parafernália tecnológica, quando você tem condição de tê-la.
O que me chama atenção em relação às casas não é só seu tamanho, mas a ocupação do espaço. No Brasil temos a famosa sala de visita que, se você "está bem de vida", deve ser completamente inútil e parecer desocupada. Por isso, sempre suspeito que manter uma parte da casa sem uso é signo de vira-lata.
As aristocracias antiga e medieval, as únicas verdadeiras, também não tinham castelos sem uso. Burguês, e aristocracia falida, com "castelo" na zona leste ou nos Jardins é coisa de "wannabe", como dizem meus alunos.
Goethe, em seu maravilhoso "Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister", descreve o que é a casa de um burguês: ter mais coisas do que precisa e não ter uma relação de uso e necessidade real com os objetos da casa.
Este é o caso. Uma sala de visitas imaculada faz você parecer rico o bastante para manter parte da sua casa sem uso e, com isso, você trai sua breguice burguesa. Acho que grande parte de nossas agruras vem do fato de que não lavamos louça com frequência e de que temos cômodos dissociados de nosso cotidiano e necessidades.
Basílio Magno (século 4) criou a regra da vida monástica: estudar, contemplar, trabalhar. Uma atividade alimenta a outra, e as três formam o espírito. A sabedoria monástica é uma das maiores criações do espírito humano.
Entre nós, dar "tudo" para os filhos até os 40 anos de idade é signo de sermos bons pais. E com isso preparamos adultos retardados e com futuras salas de visita cheias de fantasmas de nossa pobreza de espírito.

8 comentários:

Anônimo disse...

'Fala-se muito de como o "Primeiro Mundo é isso e aquilo". Acho isso papo de vira-lata.'

parei de ler aí

Anônimo disse...

Anonimo das 10:00

Doeu a cabeça? Ou o cotovelo?

Anônimo disse...

Anônimo das 12:43
Esse negócio de vira lata é uma besteira imensa.
Você pode pegar qualquer coisa e falar que é complexo de vira lata.

Anônimo disse...

Dizer q a Europa é outra coisa pode ser coisa de vira-latas. Vira-latas que enxerga, respira, ouve, ou pelo menos uma dessas coisas.

Salvatti disse...

“... adultos retardados...”

“... salas de visita cheias de fantasmas de nossa pobreza de espírito.”

-------

Verborragia também é sala de estar de muito intelectual vira-lata que escreve sobre o que não domina ostentando conhecimento que não tem.

A idéia central do texto, essa sim, importante, ficou estranha no meio de um monte de opinião boba do autor.

E, se a questão é parcimônia, concordo com anônimo quando diz que “negócio de vira lata é uma besteira imensa”.

Anônimo disse...

Pôxa nao tenho sala de visita. Ou melhor, talvez tenha, há só uma lá no meu ap mas ainda nao a defini como coisa ou tal. Fui a Europa semana passada. Autêntico vira-latas, ou, melhor ainda, pinto no lixo! Mas nao é melhor do que ser cachorro de raça "lava-louças" tosado imitando a raça de cachorro " intelectual"???

Anônimo disse...

Também não gostei do texto. Achei que atirou pra todos os lados, apesar de a ideia ser interessante.

Anônimo disse...

O texto até parecia bom no início, mas no fim das contas acabou sendo um monte de opiniões questionáveis e sem muito fundamento.