terça-feira, julho 02, 2013

O ódio à Globo

Rodrigo Constantino

"O mesmo sujeito que diz que a Globo manda no Brasil tem certeza de que ela é contra o partido do governo que está no terceiro mandato presidencial consecutivo; vai entender." (Alexandre Borges)

Não tenho procuração para defender a Rede Globo, até porque ela não precisa disso. Tampouco o fato de eu ser colaborador quinzenal do jornal O Globo impediria uma análise imparcial: felizmente, eu não dependo da módica quantia - padrão do mercado - que um artigo recebe para sobreviver. 

Portanto, considero-me bastante isento para julgar. Eu praticamente não vejo televisão (alguns perguntam como encontro tempo para ler tanto, e eis a resposta). Quando vejo, confesso não gostar muito do conteúdo. Sim, as novelas possuem um padrão elevado de qualidade de produção. Mas a mensagem quase sempre bate de frente com os meus valores (já notaram que quase todo empresário é canalha ou infeliz?). Eu prefiro, como diversão, filmes.

Por isso acho curioso o verdadeiro ódio patológico que a TV Globo desperta na esquerda radical (que, com certeza, deve ser espectadora com freqüência muito maior que a minha de seus programas). A Globo, para essa gente jurássica, tornou-se o ícone do Satã capitalista, que engana as massas e controla o país. 

A frase da epígrafe, de meu amigo Alexandre, expõe com clareza essa contradição: eles acusam a Globo de possuir um poder quase onipotente sobre as mentes dos brasileiros, mas logo depois acusam a mesma Globo de fazer parte da tal "mídia golpista". Cara-pálida, as facas Ginsu conseguem ou não cortar as meias Vivarina? Para quem não tem idade suficiente ou boa memória, as facas Ginsu cortavam "tudo" nos comerciais, e as meias Vivarina não rasgavam por "nada" nos comerciais. Eis o impasse...

Ou a Globo é tão poderosa quanto dizem e não tem nada de golpista contra o PT, que está no poder há mais de década, ou ela não tem tanto poder quanto afirmam. Não dá para ser A e Não-A ao mesmo tempo. Questão de lógica elementar. Mas vai falar em Aristóteles com essa turma, leitora de orelha de panfletos marxistas...

Ironicamente, não é só da esquerda jurássica que vem esse ódio todo à Globo; ele vem de ala da direita também. Tem a turma "de cá" que, preservando ao menos a lógica, parte da premissa meio conspiratória de que a Globo tem esse poder incalculável que dizem, e que ela é governista, ou seja, defende o PT.

Já eu, cá em minha solidão, prefiro crer que a Globo tem bastante poder de influência, especialmente cultural e no longo prazo, mas que ele é bem menor do que o alegado (recomendo "A Nascente", de Ayn Rand, onde o controlador do sindicato, Toohey, exercia mais poder que o proprietário do jornal), e que ela não é petista nem anti-petista. 

A Globo abriga valores e interesses conflitantes, tem que jogar o jogo do poder (até porque concessão, nesse país, vem do estado), mas não toma claro partido nem de um lado, nem do outro (como toda mídia mainstream, há um viés esquerdista, mas isso se deve mais ao perfil do staff mesmo - recomendo "Bias", de Bernard Goldberg).

E quanto ao conteúdo condenável, eu prefiro apontar para o verdadeiro culpado: o nem tão respeitável público! É que algo me diz que, se em horário nobre, a Globo resolvesse passar um documentário sobre a importância do pensamento político e filosófico de Isaiah Berlin em vez de Big Brother Brasil, o espectador iria trocar de canal, com seu poderoso - esse sim! - controle remoto. 

Vamos odiar menos a Globo, e mais a baixa cultura de nosso povo. Vamos atacar menos o mensageiro, e escutar melhor a mensagem. Que tal? 

12 comentários:

Anônimo disse...

Meias Vivarina. Não Kendall.

Luis disse...

Seria a globo uma especie de PMDB? hehe

Concordo. Ela joga com seus interesses. Se ela tivesse poder mesmo ja teria mostrado o quanto o liberalismo é bom para a sociedade e derrubado o pt

Mas ela prefere garantir o dela e ficar no mesmo lugar de sempre

ate pq defender o liberalismo por exemplo implicaria em defender concorrencia, e a globo tem pavor disso

rafernandes disse...

Rodrigo,

Deixo de lado a análise política, com relação à Globo, para me concentrar nela como emissora.

Ela é grande, poderosa e.....medíocre. Eu vivo nos EUA e assino também a Globo e a afiliada PFC (esportes) via cabo.

Analisando alguns aspectos:

Noticiosos: um desastre, pois são superficiais, medrosos e os apresentadores renunciam ao jornalismo crítico assumindo a postura de meros leitores de tele-prompter. O Bonner é exemplo acabado disso.

Novelas: a produção é razoável mas os atores me fazem lembrar dos filmes italianos da década de '50 (todo mundo gritando)e, com relação à qualidade de sua atuação, fico com a opinião do Telmo Martino: cursaram a Escola de Arte Dramática Cro-Magnon. Isso para não falar do ataque sistemático aos empresários, patrões, pais, etc. e valorização irritante dos valores LGBT.

Esporte: sei que isso provavelmente não se aplica às transmissões no Brasil, mas por aqui, os jogos do Rio têm prioridade absoluta. Um "São Paulo x Corinthians" fica sem transmissão porque jogam no Rio o Arranca Toco FC x EC Esfola Canela!

Desrespeito com o Cliente: gravar programas é algo corriqueiro hoje em dia, mas impossível de se fazer com a Globo pois ela não dá a menor bola para os horários e até para a própria programação. A novela das 8 pode começar às 8 ou às 7 ou às 9:15. Também pode não começar e ser substituída por outro programa qualquer. É uma zona total.

Suelene Simplício disse...

Eu também mal vejo TV... e acho que é realmente uma babaquice perder tempo pra ficar falando mal da Globo. Oras, se não gosta da Globo, simples, não dê audiência para ela...

Como eu costumo fazer. hehe :P


rodrigo disse...

Xará vc quer encontrar algum sentido na opinião pública brasileira? Continue usando seu tempo para ler.

Anônimo disse...

Pare de ler tanta porcaria conservadora, Constantino. Sabe aqueles estadunidenses ridículos que toda pessoa inteligente ridiculariza (e.g. Bill O'Reilly)? Então, você está se tornando um deles. Não me refiro à suas visões econômicas ou nada disso. Mas sim ao livro que você citou: Bias, do Bernard Goldberg.

Grande parte desse livro se apoia em evidências anedótias de sua experiência trabalhando com Dan Rather e alguns outros jornalistas da CBS, contendo alguns erros facuutais e especulações sem base.

O principal problema com o livro do Goldberg é que ele coleta uma série de instâncias de viés liberal, mas nem tenta ilustrar algum viés sistemático usando qualquer tipo de medida empírica ampla (evidências anedóticas de aqui e acolá não são uma dessas). Muita das instâncias onde ele cita um viés liberal podem ser vistas como um viés conservador, na verdade, ou simplesmente jornalismo preguiçoso por parte da mídia "mainstream". Exemplo: Ele culpa Tom Brokaw por não ter reportado uma falha dum motor a jato, alegando que foi porque tal motor foi produzido por uma companhia parente da NBC (a GE). Isso é um viés liberal?...

Um pequeno exemplo de uma alegação sem base que ele faz é que a mídia sempre identifica políticos conservadores como conservadores, mas não faz o mesmo com os liberais. Ele não dá nenhuma estatística, e minha experiência pessoal com canais americanos contradizem o que ele diz (principalmente aquele lixo da Fox News). Na verdade, o linguístca Geoffrey Nunberg fez uma pesquisa sobre isso e descobriu que é muito pelo contrário: políticos liberais são identificados como liberais muito mais do que conservadores são identificados como conservadores.

Depois o Goldberg diz que as redes de notícias se importam mais com ibope do que acuidade (como se isso provasse algum viés liberal ou fosse novidade). Para finalizar, ele diz que essas redes são enviesadas contra os pobres e favorecem a classe-média branca - o que é um viés conservador, e totalmente não-liberal.

Oikotie Brazil disse...

Eu concordo, Rodrigo.
Como é possível ter um "Faustão" em horário nobre ? O povo gosta! Como é possivel as pessoas assistirem a Zorra total ? É o que o povo quer! Para mim a Globo faz os programas adequados aos seu público para ter audiência. O negócio é ganhar dinheiro!O público, na sua maioria, são pessoas de pouca instrução. Por isso o baixo nível de quase TODOS os programas de todas as redes de televisão brasileiras. Rede TV, Band, Record, Globo, todas. Até a tv a cabo no Brasil, os programas são inferiores e vêm com anos de atraso e muito diferentes dos que passam, por exemplo na Europa! Instrução ao povo. Aí ele vão pedir programas melhores e provavelmente a Globo subirá o nível. Eu também bani a televisão do meu cardápio!

Costa disse...

Interessante, a TV é um dos grandes responsáveis pelo rebaixamento de Qi no mundo. Imaginem uma família brasileira que fica de 5 a 6 horas por dia assistindo esse engodo. Por outro lado os nossos compatriotas leem um livro por ano, as vezes nunca leram um único livro em vida.

Edson d'Aquino disse...

Nem um, nem outro. A TV Globo (como todas as demais empresas da Organizaçãões Globo) sempre foi situacionista, é uma posição estratégica e historicamente defendida pelo falecido Roberto Marinho. E assim mantém-se por cima da carne seca por tanto tempo. Sim, isto leva a um viés superficial e tendencioso do jornalismo mas a concessão não pode ser entendida como motivo para isto pois, no meu entendimento (contrário ao seu), a concessão é privilégio do povo. Mas, sério, quem hoje precisa de TV e jornalistas para se aprofundar em qualquer questão? Com tantas matérias tendenciosas, é melhor abster-se do jornalismo impresso, falado, digital, etcétera e tal. Afinal, nem o jornalista necessita mais ser formado em...jornalismo. Talvez isto explicasse o péssimo nível de seus textos e ideias, mas tenho para mim que não pois encontro excelentes matérias escritas por não jornalistas a rodo por este mundão cibernético.

Anônimo disse...

Achei bem legal uma entrevista do Dirceu em que ele diz que não foi condenado por corrupção pelo tribunal, mas foi condenado pelo jornal nacional, pois segundo ele, nunca antes na história desse país alguém foi tão criticado num único jornal quanto ele e que por isso a mídia deveria ser controlada. Mas todo mundo não fala que a globo ajuda o governo?

Acho engraçado que quando estourou o mensalão a globo noticiou muito, às véspera da eleição ela passou todos os dias noticiando o integrante do PT que foi preso com dinheiro na cueca e ainda assim o Lula foi reeleito em primeiro turno...

Na verdade as mesma pessoas burras que assistem ao péssimo conteúdo da globo são as que acham que todos os problemas do país são causados por ela.

Cada povo tem a mídia que merece. Se a globo não fosse líder, talvez seria o Silvio Santos que acabou de ganhar muitos milhões vendendo um banco falido ao BNDES ou então a record que lava dinheiro das igrejas.

Anônimo disse...

Concordo, parcialmente, com seu post Rodrigo. Assim como concordo que a Globo foi a porta-voz de tudo que ficou nos subterrâneos do Planalto durante a ditadura, atendendo, de um lado, os interesses de uma nova "ordem" americana contra qualquer tentativa de implantação do ideário socialista, o que desencadeou todo um processo de implantação das ditaduras latino-americanas, e de outro, no campo interno, contra qualquer tipo de ressurgimento do pensamento liberal protagonizados pela elite intelectual liberal do país (a maior parte exilada). É fácil entender o papel da Rede Globo da ditadura e da manutenção de seu "status quo" durante o período de redemocratização. O resto, pelo menos para mim, é conversa fiada. Claro que, quanto mais alienado o seu público, mais picos de audiências em sua programação. Quanto às concorrentes (Record, SBT e Band) e as nanicas, meras tentativas de copiar esse padrão, digamos global de implementar lixo e alienação cultural que a Globo vem fazendo eficientemente bem há muitos anos. Moro no exterior, tenho Globo Internacional, mas só me arrisco a ver alguma coisa que preste em seu jornalismo, ainda que concorde com o que foi dito aqui sobre a questão da superficialidade e a falta de opinião ou leitura crítica daquilo que está sendo informado para o telespectador. Mais educação e de qualidade, ainda que no longo prazo, para que esse triste perfil passe a ser mais crítico e, portanto, mais qualificativo. Boa noite.

Anônimo disse...

Realmente era mais evidente o papel político da Globo na ditadura, mas cito ainda o inesquecível "caçador de marajás" que elegeu Collor presidente. Do PSDB ao PT é ótima essa de PMDB. Ela tá com um olho no espeto e o outro no gato. Mas penso que o episódio Collor após o adesismo à ditadura, esses dois levaram a Globo a ser associada a manipular tudo e todos, mandar, desmandar e ao mesmo tempo ser adesista e golpista.
Fato é que é triste ver, principalmente crianças e adlescentes... tipo, como se espera que se desenvolva raciocínio lógico, discernimento, senso crítico numa criança que num fim de semana assistiu Xuxa, Faustão,Luciano Hulk, Regina Casé, com toda sorte de lixo movido à jabá,Big Brother. Aí eu te pergunto Rodrigo, como salvar essas crianças ? com pais que quenado tem tempo tambem nao tem cultura? com nossas escolas? Aí nessa hora o sujeito que ve esse ciclo sem fim vai ter raiva é do filho-da-puta-que-ganha-dinheiro-pra-fuder-a-cabeça mesmo.