domingo, agosto 29, 2010

Os Incorruptíveis no Divã



Rodrigo Constantino

“A liberdade de pensamento termina ali onde começa o dogma.” (Goerge Orwell)

Poucos representam maior ameaça às liberdades do que aqueles imbuídos de uma crença fanática em sua própria pureza e missão. Muito sangue inocente já foi derramado em nome dos ideais pregados por este tipo de gente, e devemos estar sempre alertas para seu perigo. É o que explica Marie-Laure Susini em Elogio da Corrupção, livro em que figuras como Robespierre e Paulo de Tarso vão parar no divã da autora, que é psicanalista.

Susini aceita o papel de advogada do diabo: “Afirmo que os incorruptíveis é que são perigosos. Os íntegros inquisidores e rigorosos purificadores, os virtuosos líderes de loucuras coletivas, os apóstolos da salubridade, os organizadores de campanhas de saneamento e massacres, os erradicadores do mal, os assassinos por dever”. A ideologia da pureza, enfim, deixou um rastro de destruição na História, e mais estrago foi causado por aqueles que lutavam em nome deste ideal do que por qualquer corrupto.

O livro começa com uma análise de 1984, principal obra de Goerge Orwell. Para ele, a ideologia, o ideal de regeneração é que corrompe o homem. Segundo a interpretação da autora, “arruinar a ignorância e a preguiça intelectual, as muralhas do pensamento convencional, as confortáveis e ilusórias certezas imaginárias foi o sentido do combate de Orwell ao longo da vida”. O novo homem, livre das imperfeições, sem as fraquezas humanas, eis o ideal que deve sempre ser combatido.

“Dizer não, recusar a imortalidade coletiva da virtude”, seria este o grande achado de Orwell. Entre a imortalidade do Partido ou sua mortalidade como humano imperfeito, o personagem principal de Orwell escolhe permanecer humano. Seu inquisidor, sob o uso da tortura, vai tentar extrair de seu corpo o “rastro de um gozo singular para aniquilá-lo”. Somente esta “confissão” pode apaziguar a fantasia de imortalidade do inquisidor. Todos os corruptos devem ser eliminados.

Susini vai ao cerne da questão quando diz: “Lutemos pela liberdade do segredo, do íntimo, para conservar em si uma parte estranha ao social”. Alerta fundamental na era do Big Brother, das redes sociais, da falta de privacidade e da ditadura do politicamente correto. A novilíngua orwelliana virou regra em nossos dias. A autora dá um excelente exemplo: “Afirmar que ‘a liberdade é segurança’ esvazia a palavra liberdade do próprio objeto do desejo de ser livre, da paixão da liberdade pela qual os homens se erguem e lutam, ao preço da vida. A liberdade é exatamente o contrário da segurança. Escolher morrer livre teve um sentido”.

O livro, que bate nos salvadores religiosos e ideológicos, não alivia também alguns cientistas modernos. Ela ataca essas “repugnantes ideologiazinhas vestidas de blusa branca que querem não só se apossar de nossa alma, mas nos chamar à ordem: o homem é neuronal, breve encontrarão nele o centro cerebral da moral”. Susini lembra que “não há ética sem uma reflexão íntima sobre a culpa subjetiva, sem uma interrogação íntima sobre o que são o bem e o mal”. A padronização dos seres humanos, vistos como cães de Pavlov, representa um enorme risco às liberdades individuais.

A corrupção defendida no livro é aquela consciência de que somos mortais, imperfeitos, castrados, fadados à destruição final por decomposição. O remédio encontrado contra esta inexorável realidade foi a criação da imortalidade humana. Foi forjada então a idéia de incorruptibilidade. Logo surgem os corruptores, aqueles que desvirtuam o homem de sua perfeição. As mulheres, responsáveis pelas maiores paixões dos homens, são candidatas evidentes ao papel de corruptoras. A tentadora Eva não foi quem convenceu Adão a experimentar o fruto proibido? A caça às bruxas da Inquisição foi um caso típico de fanáticos “puros” lutando para limpar a humanidade de sua corrupção.

A eternidade, a perfeição será sempre imaginária, enquanto o real será sempre corrupto, finito. O homem, sonhando com a imortalidade imaginária, irá considerar corrupto tudo aquilo que representa um obstáculo a este ideal. O sacrifício destes corruptos parecerá um preço pequeno a se pagar em nome de uma salvação coletiva eterna. Para criar o paraíso terrestre de justiça, o que são algumas cabeças enforcadas pelo Terror de Robespierre? A Revolução Francesa tinha um tom messiânico: ela iria moldar o novo homem, devolvê-los sua “virtude primária”, salvá-los da corrupção. E seu líder era ninguém menos que o Incorruptível. Quem vai ligar para algumas mortes quando a pureza de Robespierre está por trás das ordens? Não podem ser inocentes, pois o próprio líder é o povo, e o povo não pode estar errado; a vontade geral é a vontade de Deus!

Os capítulos finais do livro colocam num divã duas figuras importantes para os católicos: Thomas More e Paulo de Tarso. Sobre o primeiro, Susini resume: “A utopia, o projeto de uma sociedade da inocência, foi o sonho de um violento rebelde que queria ser santo”. Em Utopia, os homens estariam livres da falta, protegidos do ócio e da preguiça, da avareza e da cupidez, do orgulho e da vaidade, da depravação e da luxúria; enfim, livres dos vícios que corrompem as nações. Utopia estaria intacta, em sua “perfeição de origem”. Enquanto sonhava com este mundo perfeito, o chanceler More mandava condenar à fogueira seis adeptos de Lutero. Para extirpar o diabo do coração dos homens, é preciso agir!

Por fim, o grande nome da Igreja Católica é analisado sob a lupa da psicanálise, não deixando pedra sobre pedra. A transformação do judeu perseguidor de nazarenos em principal construtor da Igreja de Cristo é explicada com base nas teorias freudianas. A voz que ecoou na cabeça de Saulo a caminho de Damasco, “por que me persegues?”, era a voz de seu próprio interior, de seu inconsciente. Paulo é perseguidor, mas também perseguido. “Como justificar a fascinação secreta e o perturbador prazer que se tem de apedrejar um homem? A voz lhe revelou o mal”. E o mal estava nele.

Saulo virava Paulo, o escolhido, o eleito: “O homem antigo, prisioneiro de sua decadência, escravo de sua corrupção e – infelizmente! – mortal, cedia a uma criação nova, ao homem novo concebido e inventado por Paulo. Ao homem incorruptível! Nada menos!” E os novos perseguidos seriam, em primeiro lugar, os próprios cristãos; os corruptos, claro.

Como o universo dos incorruptíveis é imaginário e, portanto, nulo, conclui-se que o universo dos corruptos abrange a totalidade dos homens. Exceto, naturalmente, os Incorruptíveis, ou aqueles que nisso acreditam. Esses são as verdadeiras ameaças!

18 comentários:

ntsr disse...

'não alivia também alguns cientistas modernos...'
Natural isso, vindo de uma pseudo ciência tosca.
Ah é, psicanálise não quer ser ciência, quer só que vc engula esse monte de blablabla que não tem evidência nenhuma só pq é conveniente pros idiotas que ganham dinheiro com isso.

ntsr disse...

'“repugnantes ideologiazinhas vestidas de blusa branca que querem não só se apossar de nossa alma, mas nos chamar à ordem: o homem é neuronal, breve encontrarão nele o centro cerebral da moral”. ''

Essa foi a pérola das pérolas.A neurociência incomoda tanto esse tipo de gente porque tem os pés no chão e nas evidências, coisa que é o inferno desses enroladores profissionais.

Rodrigo Constantino disse...

Discordo totalmente de vc. Há um grande risco sim na neurociência, quando os cientistas acham que podem compreender os seres humanos feito ratos de laboratório, ignorando a singularidade de cada um. A psicanálise tem uma boa contribuição a dar ao conhecimento humano. Sua postura parece puro preconceito. Freud explica! hehe

ntsr disse...

'quando os cientistas acham que podem compreender os seres humanos feito ratos de laboratório, ignorando a singularidade de cada um.'

O que mostra que tu não sabe nada sobre neurociência.É melhor envitar passar vergonha então.

'A psicanálise tem uma boa contribuição a dar ao conhecimento humano.'

Em pleno séc XXI...putz

'Sua postura parece puro preconceito. Freud explica! hehe'

Explica também esse maravilhoso exemplo de raciocínio circular que tu acabou de dar, gênio?

Todos os céticos do mundo sabem que Psicanálise é no máximo no máximo literatura.É como horóscopo, uma leitura fria onde as pessoas carentes e já pré dispostas vão acreditar em qualquer lorota que o 'terapeuta' falar

Rodrigo Constantino disse...

Ntsr, vc demonstra bastante ignorância sobre a psicanálise. E comparar com horóscopo! Essa foi demais.

A psicanálise não quer "curar" ninguém. Leia mais Freud, sem preconceitos.

E tome cuidado com certos cientistas que "compreenderam" como o ser humano funciona...

cleber disse...

No teste de falsificabilidade de Popper, a teoria da psicanálise não parece passar.

Cite um exemplo de um fenômeno previsto pela teoria cuja falha em ocorrer falsificaria os seus presupostos.

Para tornar mais claro, uma analogia: a relatividade especial de Einstein é falsificável, pois prevê em decorrência da teoria que não pode haver algo que se mova em velocidade superior a da luz. Logo, bastaria alguém encontrar um tal objeto para averiguar a falsidade da teoria.

Rodrigo, a comparação da psicanálise com a astrologia não é desparatada. A astrologia não é falsificável.

cleber disse...

Quanto ao tema principal do artigo, sem dúvida, os utopistas já causaram enorme estrago durante a história.

O mais curioso é que criar utopias parece ser algo que decorre da natureza humana pois é um feneno bem recorrente.

Felipe Santos disse...

"A corrupção defendida no livro é aquela consciência de que somos mortais, imperfeitos, castrados, fadados à destruição final por decomposição. O remédio encontrado contra esta inexorável realidade foi a criação da imortalidade humana."

De fato, à corruptabilidade estamos todos sujeitos, mas... talvez a imortalidade não seja algo tão inalcançável assim...

Aubrey de Grey says we can avoid aging
http://www.ted.com/talks/aubrey_de_grey_says_we_can_avoid_aging.html

(legendado em 18 idiomas até o momento)

Rodrigo Constantino disse...

Felipe, a autora acaba o livro batendo justamente na "religião" moderna, a ciência, que tem feito muitos acreditarem na imortalidade evitando o envelhecimento. Sorry: that's not gonna happen!

Felipe Santos disse...

"Sorry: that's not gonna happen!"

Ah, meu rapaz... queria eu que fosse tão fácil desacreditar a ciência assim!!!

Não sei se você procurou mais sobre o assunto, mas eu já... não por causa de uma "fuga" da realidade, mas sim pelo meu fascínio sobre o assunto... imaginar que podemos, sim, escolher a hora de partir... e quais as conseqüências de uma sociedade "imortal" (que forçadamente deverá ser interplanetária, a menos que controle severamente a natalidade)!!!

Existem seres aqui na Terra que já alcançaram à imortalidade (ficando longe de predadores) como é o caso da Hidra (comentado na palestra do link que mandei) e da água viva Turritopsis nutricula:

Conheça o único animal imortal do planeta
http://hypescience.com/27905-o-unico-animal-imortal-da-terra/

Enfim, acho que a autora do livro está mal informada... ou, no mínimo, tem um ego muito grande pra traçar um "limite" à nossas futuras conquistas científicas... ;-)

ntsr disse...

'E comparar com horóscopo! Essa foi demais.'

O que mostra que tu também não sabe o que é leitura fria.A única diferença é que o psicanalista acredita nos complexos e conflitos e nas mil e uma besteiras imaginárias que ele fica procurando, o que não muda em nada o fato de que as pessoas acreditam naquilo porque é vago suficiente pra qualquer um que já esteja pré disposto acreditar

ntsr disse...

'batendo justamente na "religião" moderna, a ciência'

Rodrigo, enquanto o pt aparelha a receita federal tu quer agora fazer os liberais parecerem burros? As bases da ciência são totalmente o contrário das das religiões.E tu ainda fala que quer que a tua filha seja cética sem nem saber o que é isso, putz

ntsr disse...

'a ciência, que tem feito muitos acreditarem na imortalidade evitando o envelhecimento. '

Vc ta misturando alhos com bugalhos, a ciência nunca afirmou que vai fazer a imortalidade de ninguém até hoje, e se alguém é burro o suficiente pra tomar um remédio se livrar de uma doença e esperar isso, (que é algo que eu duvido que aconteça mesmo) a culpa é dele e não da ciência.

ntsr disse...

Quando um cientista fala uma coisa, isso não tem nada a ver com COMO a ciência funciona.Tanto que só o que não falta por aí são cientistas 'criacionistas' e nem porisso o criacionismo vira uma teoria aceitável.
Vcs distorcem a ciência ou por ignorância ou má fé mesmo.Acho o segundo caso mais provável, como a psicanalise não tem base nenhuma é conveniente pra quem defende essa LITERATURA desacreditar as coisas que tem.

Collovini disse...

Rodrigo, pela primeira vez desde que acompanho o teu blog sou obrigado a discordar de você. Psicanálise é lorota, nem um pouco mais séria do que qualquer livro medíocre de auto-ajuda. Realmente me surpreende o fato de uma mente racional como a sua não ter percebido os paralelos gritantes entre a psicanálise e a religião, ambas basicamente uma coleção de dogmas, sem nenhuma comprovação at all. Pra mim este fato é evidente por si só após um breve contato com a "teoria" psicanalítica, mas se para você não é assim leia os n artigos web afora sobre o tema, o do skeptical dictionary já é um bom começo. Abraço.

Corruptocracia: Roubar é poder! disse...

Acompanho o relator. A psiquiatria exerce uma importante função. Pessoas que já me disseram estar com medo de ir ao médico especializado por todos pensar que estaria louca, algo muito comum, eu respondo:

Vá de uma vez e acabe com este problema.

Outra coisa. A depressão não é uma doença. A depressão é uma reação benigna de um organismo são diante de um meio degradado.

O crack tem aumentado as vendas. O governo brasileiro é um governo que fecha os olhos ao tráfico. Fecha os olhos e abre o bolso, para receber o suborno dos traficantes. Diante desse quadro não se pode prescindir do papel do analista, pois o acompanhamento e auxilio psicológico é fundamental para a recuperação nesses casos.

Não é porque possam “agir” trazendo sensações que as assemelhem, que a psicanálise e o misticismo religioso estejam no mesmo balaio. A religião vai lhe dar a sensação de conforto pela alienação, pela fantasia; um psiquiatra, o contrário. A serenidade organizando seu emocional, tentando recolocar seus pés no chão, até onde sei.

Collovini disse...

Psiquiatria NÃO é psicanálise meu caro. Não confunda medicina com dogmas.

Corruptocracia: Roubar é poder! disse...

Psicanálise não é oferecida como curso universitário, mas como uma especialização, onde qq profissional que tenha nível superior pode fazer essa opção. Encontramos frequentemente psicólogos, psiquiatras, neurologistas, fonoaudiologistas com essa formação.